Publicado no Diário da Justiça de 08/03/2012

 

Boletim 2012.000042 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ABRAO RODRIGUES DE SOUZA 0000527-35.2010.4.05.8500

ADRIANA OLIVEIRA FONTES 0001463-26.2011.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE 0004338-66.2011.4.05.8500 0002289-86.2010.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0003229-17.2011.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS 0000527-35.2010.4.05.8500 0001323-89.2011.4.05.8500 0000805-65.2012.4.05.8500 0002049-63.2011.4.05.8500

AILTON BORGES DE SOUZA 0000365-69.2012.4.05.8500

ALCIVAN MENEZES SILVEIRA 0002842-02.2011.4.05.8500

ALCIVAN MENEZES SILVEIRA FILHO 0002842-02.2011.4.05.8500

ALEXANDRE DE ARAUJO AZEVEDO 0002271-36.2008.4.05.8500

ALFREDO MOREIRA DA CUNHA JUNIOR 0004586-03.2009.4.05.8500

AMANDA CORREIA SILVA 0005068-77.2011.4.05.8500

ANA CARLA DANTAS CARVALHO 0001563-35.1998.4.05.8500 0000500-72.1998.4.05.8500

ANA CLAUDIA DA SILVA CABRAL 0001357-69.2008.4.05.8500

ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO 0004230-86.2001.4.05.8500

ANA PAULA DA CUNHA SOARES 0003364-29.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500

ANDRE GUSTAVO FREIRE CASTELLO BRANCO DE ARAUJO 0004541-28.2011.4.05.8500

ANDREA LEITE 0000796-74.2010.4.05.8500

ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA 0004338-66.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500

ANTONIO GONÇALVES DA MOTA SILVEIRA NETO 0001884-16.2011.4.05.8500

ANTONIO HENRIQUE MENEZES DE MELO 0002326-79.2011.4.05.8500

ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR 0002049-63.2011.4.05.8500

ARISTEU PASSOS HONORATO 0000365-69.2012.4.05.8500

BENEDITO MELO DOS SANTOS 0003310-49.2000.4.05.8500

BERNARDO VIDAL DOMINGUES DOS SANTOS 0003229-17.2011.4.05.8500

BIANCO SOUZA MORELLI 0002573-60.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500 0000711-35.2003.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0004586-03.2009.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500 0004145-13.1995.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0000796-74.2010.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500

BRAULIO JOSE F DOS SANTOS 0002614-27.2011.4.05.8500

BRUNO NOVAES ROSA 0001160-12.2011.4.05.8500

CARLOS ALBERTO PEREIRA. BARROS 0000805-65.2012.4.05.8500

CARLOS AUGUSTO M. NASCIMENTO 0001484-36.2010.4.05.8500

CARLOS EDUARDO REIS CLETO 0003707-35.2005.4.05.8500

CARLOS KLEBER DE ANDRADE 0001463-26.2011.4.05.8500

CARLOS PINNA DE ASSIS JUNIOR 0003055-08.2011.4.05.8500

CAROLINE BOTELHO DE ANDRADE 0005068-77.2011.4.05.8500

CELIA MARIA DE SOUZA ANDRADE 0001463-26.2011.4.05.8500

CHRISTIAN ARY DA CRUZ BARBOSA 0001884-16.2011.4.05.8500

CICERO CORBAL GUERRA NETO 0006655-37.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0002271-36.2008.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500

CÍNTIA PEREIRA RIBEIRO 0001233-57.2006.4.05.8500

CIRO BEZERRA REBOUÇAS JUNIOR 0002326-79.2011.4.05.8500

CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO 0001707-52.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0000796-74.2010.4.05.8500 0000711-35.2003.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0001484-36.2010.4.05.8500

CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO 0000636-15.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500

CLÉVERSON CHEVEL DOS S. FARO 0004145-13.1995.4.05.8500

CLODOALDO ANDRADE JUNIOR 0001463-26.2011.4.05.8500

CRISTIANE FERREIRA DE OLIVEIRA 0000460-02.2012.4.05.8500

DANIEL ALCANTARA DOS SANTOS 0000094-07.2005.4.05.8500

DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR 0000296-62.1997.4.05.8500 0004138-35.2006.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500

DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO 0001357-69.2008.4.05.8500

DONIZETE DOS SANTOS PRATA 0002842-02.2011.4.05.8500

EDGAR ODILON DOS SANTOS 0002326-79.2011.4.05.8500

EDUARDO BOTAO PELELLA 0001285-77.2011.4.05.8500

ELOÁ DE FREITAS CARDOSO CANGUSSÚ 0001357-69.2008.4.05.8500

EULER ALMEIDA COSTA 0000365-69.2012.4.05.8500

EUNICE DANTAS CARVALHO 0001563-35.1998.4.05.8500

FELIPE EMANUEL OLIVEIRA VIEIRA 0001137-32.2012.4.05.8500

FELIPE VALENTIM 0003229-17.2011.4.05.8500

FLÁVIA CARINA CARVALHO MATOS 0001463-26.2011.4.05.8500

FLAVIO ROBERTO NOGUEIRA DE LUCENA 0001497-98.2011.4.05.8500

GABRIELA DA GRAÇA HOLLATZ 0003448-30.2011.4.05.8500 0003055-08.2011.4.05.8500

GABRIELLE LOBO SANTANA 0004615-82.2011.4.05.8500 0000365-69.2012.4.05.8500

GEANE MONTEIRO GUIMARÃES 0001357-69.2008.4.05.8500

GILBERTO SAMPAIO VILA-NOVA DE CARVALHO 0002326-79.2011.4.05.8500

GISELE VIRGÍNIA MARQUES REPOLHO SOARES 0001160-12.2011.4.05.8500

HANSLEY RODRIGUES DOS SANTOS 0004145-13.1995.4.05.8500

HELDER FELIZOLA SOARES 0000460-02.2012.4.05.8500

HELEN CAROLINE CARDOSO SANTOS 0003364-29.2011.4.05.8500

HENRI CLAY SANTOS ANDRADE 0003344-29.1997.4.05.8500

HORACIO VITALIANO LUCAS DOS SANTOS 0003981-09.1999.4.05.8500

IRINEU ALVES ANDRADE 0004145-13.1995.4.05.8500

ISABELA M. A. MORAIS REGO(FN) 0005049-08.2010.4.05.8500

ISMAEL COSTA MOURA 0004541-28.2011.4.05.8500

JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA 0004230-86.2001.4.05.8500

JHONS CARLOS SOUZA NETO 0004138-35.2006.4.05.8500

Jianinni de Assis Pereira Costa Gomes 0004145-13.1995.4.05.8500

JISELIA BATISTA SANTOS 0001484-36.2010.4.05.8500 0005049-08.2010.4.05.8500

JOAO BARBOSA PEREIRA 0006064-85.2005.4.05.8500

JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA 0004541-28.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0002271-36.2008.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0004145-13.1995.4.05.8500

JOÃO LEÃO SANTOS JUNIOR 0004541-28.2011.4.05.8500

JOÃO NASCIMENTO MENEZES 0000460-02.2012.4.05.8500

JOAO SANTANA FILHO 0004138-35.2006.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0000296-62.1997.4.05.8500

JORGE SOUZA ALVES FILHO 0002842-02.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500

JOSE ANTONIO SANTOS FERREIRA 0000402-04.2009.4.05.8500

JOSE AUGUSTO COSTA SOBRINHO 0004950-04.2011.4.05.8500

JOSÉ CLÁUDIO DOS SANTOS 0001285-77.2011.4.05.8500

JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS 0002625-56.2011.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500

JOSÉ FONSECA GESTEIRA NETO 0003055-08.2011.4.05.8500

JOSE FRANCISCO DA ROCHA 0003448-30.2011.4.05.8500

JOSE JACONIAS DE OLIVEIRA 0001357-69.2008.4.05.8500

JOSÉ LÚCIO FLÁVIO SOBREIRA CORREIA JÚNIOR 0000365-69.2012.4.05.8500

JOSE VALERIO DE A. FERNANDES 0004541-28.2011.4.05.8500

JOSE VIEIRA DA ROCHA 0002842-02.2011.4.05.8500

JOSEVAL CRAVO FERNANDES JÚNIOR 0001463-26.2011.4.05.8500

JULIO CARRERA CORREIA 0004950-04.2011.4.05.8500

JUVENAL FRANCISCO DA R. NETO 0003448-30.2011.4.05.8500

KALIANY VARJÃO DE SANTANA OLIVEIRA 0000636-15.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500

LAERT NASCIMENTO ARAUJO 0003900-40.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0001484-36.2010.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0001160-12.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0002213-28.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0003981-09.1999.4.05.8500

LAFAIETE REIS FRANCO 0001160-12.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500

LAURA CRISTINA MACHADO FIGUEIREDO 0003364-29.2011.4.05.8500

LIANE SILVEIRA MOREIRA 0004858-26.2011.4.05.8500

LICIA MAGNA FEITOSA SANTANA 0001323-89.2011.4.05.8500

LILIAN JORDELINE FERREIRA DE MELO 0001484-36.2010.4.05.8500

LUCIANA ALMEIDA MENEZES 0004446-03.2008.4.05.8500

LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA 0000636-15.2011.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500

MANOEL CARLOS DE MATTOS 0001233-57.2006.4.05.8500

MARA GARCEZ 0000796-74.2010.4.05.8500

MARCEL COSTA FORTES 0000636-15.2011.4.05.8500 0004138-35.2006.4.05.8500 0002625-56.2011.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500

MARCELO SAMPAIO DE FIGUEIREDO 0003055-08.2011.4.05.8500

MÁRCIO MACEDO CONRADO 0002326-79.2011.4.05.8500

MARCO ANTONIO PEDROSO 0000402-04.2009.4.05.8500

MARCOS VIANA GABRIEL DE SOUZA E SILVA 0005068-77.2011.4.05.8500

MARCUS VINICIUS LIMA FRANCO 0000402-04.2009.4.05.8500

MARIA DA SALETE FREIRE 0001233-57.2006.4.05.8500

MARIA LUCIA PASSOS MACHADO 0000711-35.2003.4.05.8500

MÁRIO MÁRCIO DE SOUZA MAZZONI 0001357-69.2008.4.05.8500

NELMA ANDRADE DOS SANTOS 0003055-08.2011.4.05.8500 0003448-30.2011.4.05.8500

NINFA MARIA MACHADO 0000711-35.2003.4.05.8500

PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS 0004145-13.1995.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0005238-83.2010.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0004541-28.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0001463-26.2011.4.05.8500 0000636-15.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500

PAULO ANDRADE GOMES 0003344-29.1997.4.05.8500

PAULO CESAR DO NASCIMENTO 0005068-77.2011.4.05.8500

PAULO ROBERTO COÊLHO LÓCIO 0001884-16.2011.4.05.8500

PHILIPE SANTOS ALMEIDA 0002289-86.2010.4.05.8500

PRISCILA DE OLIVEIRA E S. FRAGA 0007167-98.2003.4.05.8500

RAFAEL COSTA FORTES 0002625-56.2011.4.05.8500 0004338-66.2011.4.05.8500

RAFAEL SANDES SAMPAIO 0002573-60.2011.4.05.8500

RAILDE CORREIA LIMA CORUMBA SILVA 0004145-13.1995.4.05.8500

RENATO TADEU RONDINA MANDALITI 0001884-16.2011.4.05.8500

RILTON MAXWELL DANTAS PEREIRA 0000365-69.2012.4.05.8500

ROBERTO BALDO CUNHA 0006064-85.2005.4.05.8500

ROBSON JOSÉ DE CARVALHO 0002842-02.2011.4.05.8500

RODRIGO FERNANDES DA FONSECA 0002326-79.2011.4.05.8500

RODRIGO FERNANDES DANTAS LIMA 0001285-77.2011.4.05.8500

ROLDÃO PROCÓPIO DE LUCENA 0001497-98.2011.4.05.8500

ROSA HELENA BRITTO ARAGAO 0003344-29.1997.4.05.8500

ROSEANY MONTENEGRO CRUZ 0000500-72.1998.4.05.8500

ROSEMERY SOARES DE ARAUJO CARDOSO 0000365-69.2012.4.05.8500

ROUSSEAU OMENA DOMINGOS 0006064-85.2005.4.05.8500

SANDRA MÁRCIA FRAGA AZEVEDO 0003364-29.2011.4.05.8500

SEM ADVOGADO 0005068-77.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0004145-13.1995.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0004858-26.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0002614-27.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0006484-80.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500

SEM PROCURADOR 0004138-35.2006.4.05.8500 0000094-07.2005.4.05.8500 0004615-82.2011.4.05.8500 0001137-32.2012.4.05.8500 0000296-62.1997.4.05.8500 0002326-79.2011.4.05.8500 0000500-72.1998.4.05.8500 0003707-35.2005.4.05.8500 0001497-98.2011.4.05.8500 0003310-49.2000.4.05.8500 0007167-98.2003.4.05.8500 0004446-03.2008.4.05.8500

SERGIO COSMO FERREIRA NETO 0001884-16.2011.4.05.8500

SIDNEY RIBEIRO SANTANA 0002326-79.2011.4.05.8500

SILVIO ROBERTO O. DE AMORIM JUNIOR 0002326-79.2011.4.05.8500

SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS 0004541-28.2011.4.05.8500 0001707-52.2011.4.05.8500 0006975-87.2011.4.05.8500 0002573-60.2011.4.05.8500 0002842-02.2011.4.05.8500 0002325-94.2011.4.05.8500 0004771-70.2011.4.05.8500 0003900-40.2011.4.05.8500 0001676-32.2011.4.05.8500 0000491-56.2011.4.05.8500 0006655-37.2011.4.05.8500 0003364-29.2011.4.05.8500

TARCISO ANDRÉ TARGINO MATOS 0006484-80.2011.4.05.8500

TATIANE DANTAS DAMASCENO DE ARAÚJO 0001463-26.2011.4.05.8500

THAIS MAIA DE BRITTO 0002049-63.2011.4.05.8500

THENISSON SANTANA DORIA 0004950-04.2011.4.05.8500

THEOBALDO ELOY DE CARVALHO 0001563-35.1998.4.05.8500 0000500-72.1998.4.05.8500

THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES 0002049-63.2011.4.05.8500 0004230-86.2001.4.05.8500 0004615-82.2011.4.05.8500

TONY CARLO CORREIA FERREIRA 0000402-04.2009.4.05.8500

UDINE ANTONIO BRANDÃO CARDOSO 0001497-98.2011.4.05.8500 0004446-03.2008.4.05.8500

VALQUIRIA NATHALI CAVALCANTE FALCÃO 0004950-04.2011.4.05.8500

VICTOR HUGO CAVALHEIRO MENEZES 0000460-02.2012.4.05.8500

VINICIUS DE NEGREIROS CALADO 0001884-16.2011.4.05.8500

WELLINGTON SABACK RIBEIRO JUNIOR 0000491-56.2011.4.05.8500 0002614-27.2011.4.05.8500

WILSON MACEDO SIQUEIRA 0000365-69.2012.4.05.8500

WILSON RAMALHO CAVALCANTI NETO 0002289-86.2010.4.05.8500

WILSON WYNNE DE OLIVA MOTA 0000491-56.2011.4.05.8500 0002614-27.2011.4.05.8500 0002213-28.2011.4.05.8500 0000796-74.2010.4.05.8500

 

Juiz Federal TELMA MARIA SANTOS MACHADO

Diretor de Secretaria: CLARICE FAGUNDES

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

   

0003055-08.2011.4.05.8500 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE-COREN/SE (Adv. NELMA ANDRADE DOS SANTOS, GABRIELA DA GRAÇA HOLLATZ, JOSÉ FONSECA GESTEIRA NETO) x MUNICÍPIO DE AREIA BRANCA-SE (Adv. MARCELO SAMPAIO DE FIGUEIREDO, CARLOS PINNA DE ASSIS JUNIOR)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE Processo n.º 00003055-08.2011.4.05.8500 - 1ª Vara Classe 1 - AÇÃO CIVIL PÚBLICA Autor(es): Conselho Regional de Enfermagem de Sergipe - COREN/SE Réu(s): Município de Areia Branca SENTENÇA EMENTA: AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. MUNICÍPIO DE AREIA BRANCA. OBRIGAÇÃO DE MANTER PROFISSIONAL DE EFERMAGEM EM UNIDADE HOSPITALAR. 1. As atividades de técnico e auxiliar de enfermagem somente podem ser desenvolvidas sob a supervisão de um enfermeiro, sendo este o responsável pela unidade de saúde. 2. A presença em tempo integral de enfermeiro na unidade de saúde é uma medida que se impõe. I - RELATÓRIO Inicialmente, adoto o relatório de f. 146-147: "Cuido de Ação Civil Pública, com requerimento de antecipação dos efeitos da tutela, proposta pelo CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE - COREN/SE em face do MUNICÍPIO DE AREIA BRANCA/SE, com o objetivo de regularizar os serviços de enfermagem do referido município. O autor comenta inicialmente sua legitimidade para apresentar ACP e a pertinência da ação. Sustenta que foi constatado, através de fiscalização, que o Município requerido não possuía profissional de enfermagem durante todo o período de funcionamento do serviço de urgência (24 horas) da Unidade/Clínica de Saúde da Família Dr. Christiano Oliveira Andrade. Informa que foi aberto processo administrativo no Conselho de Classe. Argumenta que as irregularidades encontradas no Município de Areia Branca violam a Lei nº 7.498/86 e que as atribuições do enfermeiro previstas no referido diploma legal são distintas daquelas previstas para os auxiliares de enfermagem. Sustenta, ainda, que a resolução nº. 146/92 do COREN obriga a permanência, em tempo integral, de um enfermeiro em todas as unidades em que se desenvolvam ações de enfermagem. Requer antecipação dos efeitos da tutela para compelir a ré a manter profissional enfermeiro durante todo o período de funcionamento do serviço de urgência (24 horas) da Unidade/Clínica de Saúde da Família Dr. Christiano Oliveira Andrade, de forma a garantir que não haja prática de atos privativos de enfermeiro por técnicos ou auxiliares de enfermagem, e a consequente suspensão de atividades privativas de enfermeiro por técnicos e auxiliares de enfermagem ou terceiros sem habilitação, assim como a supervisão do cargo de enfermeiro, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 (mil reais) pelo descumprimento. Juntou procuração e documentos (f.19-125). Na f. 127, foi determinada a intimação do réu para manifestar-se no prazo de 72 horas. Intimado, o Município requerido aduziu (f. 133-140), preliminarmente, a ilegitimidade ativa do COREN, sob o argumento de impossibilidade de o Conselho adentrar na seara administrativa da municipalidade para que determine a forma de administrar ou fiscalize a sua atuação. No mérito, alegou que vem adotando as medidas pertinentes à plena e regular atividade das unidades de saúde". Acrescento ainda: Liminar deferida e preliminar rejeitada (f. 146-152). O Município de Maruim apresentou contestação (f. 159-170), suscitando a preliminar de impossibilidade jurídica do pedido em razão de suposta violação ao princípio da Separação dos Poderes. No mérito, pugnou pela improcedência do pleito autoral, haja vista que o acolhimento do pedido consubstanciaria a supressão da autonomia administrativa do Poder Executivo, sendo vedado ao Poder Judiciário intervir em casos tais. Juntou procuração (f. 171). O COREN apresentou réplica (f. 174-185) refutando as preliminares e os argumentos apresentados na contestação, oportunidade em que promoveu a juntada de documentos (f. 186/214). O MPF se manifestou pela procedência da ação (217/219). Intimadas ambas as partes para se manifestarem sobre a eventual produção de provas, deixaram transcorrer in albis (f. 374-376). O Ministério Público Federal, intimado, ratificou a manifestação de f. 217/219. Os autos volveram-me conclusos para sentença. II - FUNDAMENTAÇÃO Primeiramente, verifico que a preliminar de impossibilidade jurídica suscitada pelo réu é atinente ao mérito da demanda, motivo pelo qual será analisada nas fundamentações que se seguem. Extrai-se da contestação que o Município de Areia Branca alegou uma suposta violação do Princípio da Separação dos Poderes ante a impossibilidade de intervenção do Poder Judiciário no controle do mérito administrativo. Entretanto, observo que a necessidade da tutela jurisdicional é flagrante, não havendo que se falar em supressão de autonomia de instâncias administrativas. A controvérsia da presente lide reside na suposta exigência legal da manutenção de enfermeiros na referida unidade de saúde, sendo desprovida de fundamento a alegação de que tal discussão é atinente ao exercício da discricionariedade administrativa. Não há interferência no mérito administrativo porque cumpre ao Judiciário sindicar se a ré está obrigada, por força legal, à manutenção de profissional enfermeiro durante todo o período de funcionamento da Unidade Clínica de Saúde Dr. Chrsitiano Oliveira Andrade. E, ainda que fosse necessário adentrar no mérito do ato administrativo, é de se notar que a outrora decantada intocabilidade do mesmo, consubstanciado na conveniência e oportunidade, há muito que não imobiliza o Judiciário no exercício da sua função estatal, na qual está assegurada a sindicação, em vários graus, dos atos administrativos. A partir de uma leitura cuidadosa do caput do artigo 37, em conjunto com as garantias gravadas ao longo do artigo 5º, ambos da Constituição Federal de 1988, o Poder Judiciário vem assimilando o entendimento de que a vontade do administrador deve traduzir a vontade dos valores que a Carta Republicana impõe e cuida de implementar, defender, preservar, através dos vários institutos nela previstos. Dispondo sobre valores inerentes a qualquer regime democrático, prevendo mecanismos de defesas de tais valores, e conferindo competência a pessoas e órgãos para defendê-los quando necessário, o constituinte demarcou, indelevelmente, o limite das ações estatais. É por conta desta concepção de que todos os atos emanados por agentes públicos deverão estar em perfeita sintonia com os valores norteadores da Carta Suprema, que se afirma estar praticamente superada a anciã concepção de que oportunidade e conveniência compunham um núcleo intocável do ato administrativo, entendendo-se que todos os atos administrativos devem ser vinculados aos princípios constitucionais. Portanto, sem elementos novos nem argumentação jurídica que infirmem a decisão concessiva de liminar, torno-a definitiva e transcrevo-a abaixo: "Inicialmente, observo que o COREN/SE é parte legítima para propor a presente ação, pois os Conselhos Regionais são órgãos dotados de natureza jurídica de autarquia federal, conforme disposição do art. 1º da Lei 5.905/73, podendo propor ação civil púbica nos termos do art. 5°, IV, da Lei 7.347/851: Lei 5.905/73 Art. 1º. São criados o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) e os Conselhos Regionais de Enfermagem (COREN), constituindo em seu conjunto uma autarquia, vinculada ao Ministério do Trabalho e Previdência Social. Lei 7.347/85 Art. 5o Têm legitimidade para propor a ação principal e a ação cautelar: (Redação dada pela Lei nº 11.448, de 2007). (...) IV - a autarquia, empresa pública, fundação ou sociedade de economia mista; Para a concessão da medida antecipatória pleiteada, faz-se necessária uma análise dos requisitos e pressupostos indispensáveis para o deferimento da tutela antecipatória. Com efeito, assim dispõe o art. 273 do Estatuto Processual Civil: O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. Acrescenta o § 2º, do mesmo artigo: § 2º - Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. A pretensão autoral consiste em compelir o Município demandado a manter enfermeiro durante todo o período de funcionamento do serviço de urgência (24 horas) da Unidade/Clínica de Saúde da Família Dr. Christiano Oliveira Andrade, garantindo que as atividades desenvolvidas pelos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem somente possam ser desenvolvidas sob orientação e supervisão desse profissional, como determina a Lei nº 7.489/86: Com efeito, assim dispõe o diploma legislativo: "Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: a) direção do órgão de enfermagem integrante da estrutura básica da instituição de saúde, pública e privada, e chefia de serviço e de unidade de enfermagem; (...) Art. 12. O Técnico de Enfermagem exerce atividade de nível médio, envolvendo orientação e acompanhamento do trabalho de enfermagem em grau auxiliar, e participação no planejamento da assistência de enfermagem, cabendo-lhe especialmente: a) participar da programação da assistência de enfermagem; b) executar ações assistenciais de enfermagem, exceto as privativas do Enfermeiro, observado o disposto no parágrafo único do art. 11 desta lei; c) participar da orientação e supervisão do trabalho de enfermagem em grau auxiliar; d) participar da equipe de saúde. Art. 13. O Auxiliar de Enfermagem exerce atividades de nível médio, de natureza repetitiva, envolvendo serviços auxiliares de enfermagem sob supervisão, bem como a participação em nível de execução simples, em processos de tratamento, cabendo-lhe especialmente: a) observar, reconhecer e descrever sinais e sintomas; b) executar ações de tratamento simples; c) prestar cuidados de higiene e conforto ao paciente; d) participar da equipe de saúde. Art. 14. (VETADO). Art. 15. As atividades referidas nos arts. 12 e 13 desta lei, quando exercidas em instituições de saúde, públicas e privadas, e em programas de saúde, somente podem ser desempenhadas sob orientação e supervisão de Enfermeiro". Também aponta nesse sentido o Decreto nº. 94.406/87, que regulamenta a citada Lei. Dispõe o art. 8º: Art. 8º Ao Enfermeiro incumbe: I - privativamente: a) direção do órgão de enfermagem integrante da estrutura básica da instituição de saúde, pública ou privada, e chefia de serviço e de unidade de enfermagem; b) organização e direção dos serviços de enfermagem e de suas atividades técnicas e auxiliares nas empresas prestadoras desses serviços; c) planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação dos serviços da assistência de enfermagem; Do exame das normas, depreende-se que as atividades de técnico e auxiliar de enfermagem somente podem ser desenvolvidas sob a supervisão de um enfermeiro, sendo este o responsável pela unidade de saúde. Destarte, a presença em tempo integral de enfermeiro na unidade de saúde é uma medida que se impõe. Sobre o tema, os julgados: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO -- INTERESSE PROCESSUAL - HOSPITAL - EXIGÊNCIA DE ENFERMEIRO: OBRIGATORIEDADE (ART 11, I, ''A'', DA LEI N° 7. 498/86). 1. Se há, em tese, direito lesionado da parte, configurado está seu interesse processual, justificando o pronunciamento jurisdicional de mérito. 2. A jurisprudência do ST J afirma que "a direção do posto de enfermagem de hospital público é cargo privativo de enfermeiro qualificado. A determinação legal tem por escopo assegurar a supervisão do setor de enfermagem profissional habilitado para melhor orientar o atendimento aos pacientes" (REsp n° 438673/MG, ReI. Min. Francisco Peçanha Martins, DJ de 03/05/2006). 3. Exige-se enfermeiro formado contratado para o posto de direção de enfermagem em período integral de funcionamento de cada unidade do hospital, para assegurar que cada posto de enfermagem tenha como supervisor um profissional melhor qualificado, apto a orientar os atendimentos aos pacientes. 4. Os conselhos profissionais não têm apenas competência para fiscalizar os inscritos em seus quadros, mas, também, a defesa da sociedade, fiscalizando e punindo instituições que não apresentem profissionais habilitados para o exercício da profissão. A fiscalização, então, se mostra necessária aos interesses da comunidade. 5. Apelação provida: sentença cassada. No mérito (CPC, art. 515, §3°), pedido improcedente. 6. Peças liberadas pelo Relator em 02/02/2009, para publicação do acórdão. (AC 2003.38. 00. 0562i4-2/MG, Rei. Desembargador Federal Luciano Tolentino Amaral, Sétima Turma, e-DJF1 p.667 de 13/02/2009) ADMINISTRATIVO. APELAÇÃO CÍVEL. CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM MANUTENÇÃO DE ENFERMEIRO DURANTE TODO O PERÍODO DE FUNCIONAMENTO DO HOSPITAL. OBRIGATORIEDADE. 1. Diante da legislação vigente, é indispensável a manutenção de enfermeiros nas unidades hospitalares, públicas ou privadas, em tempo integral, para atendimento dos pacientes acometidos de males que eventualmente colocam em risco as suas vidas. 2. Apelação improvida. (AC 2003.38.00.035964-0/MG, ReI. Desembargador Federal Carlos Olavo, Sétima Turma, e-DJF1 p.352 de 03/10/2008). Assim, entendo presente o requisito do fumus boni juris. No que tange ao requisito do periculum in mora, este resta evidenciado pelo potencial perigo à saúde pública de vcorrente da falta de supervisão de profissional de enfermagem devidamente habilitado. Destarte, DEFIRO A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA para determinar que o Município de Areia Branca/SE, no prazo de 30 (trinta) dias, adote providências no sentido de manter enfermeiro habilitado durante todo o período de funcionamento do serviço de urgência (24 horas) da Unidade/Clínica de Saúde da Família Dr. Christiano Oliveira Andrade." III - DISPOSITIVO Diante da fundamentação expendida, extingo o processo com resolução do mérito, nos termos do art. 269, I, do CPC, e julgo procedente a pretensão autoral para determinar que o Município de Areia Branca adote providências no sentido de manter enfermeiro habilitado, durante o período integral de funcionamento, nas atividades de enfermagem que desenvolve, e providenciar as diligências necessárias à suspensão do exercício de atividades privativas de enfermeiro por técnicos e auxiliares de enfermagem ou terceiros sem habilitação e supervisão de enfermeiro, devendo os profissionais que exercerem suas atividades estarem devidamente registrados no COREN/SE. Sem custas e honorários, na esteira do entendimento consignado no REsp 845339/TO, de 18/09/2007. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 15 de fevereiro de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 TRF4, AC 200472080018622, TERCEIRA TURMA, VÂNIA HACK DE ALMEIDA, DJ 13/09/2006. ?? ?? ?? ?? Processo n.º 0003055-08.2011.4.05.8500 7 Telma Maria Santos Juíza Federal 1 Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0003448-30.2011.4.05.8500 CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE - COREN/SE (Adv. NELMA ANDRADE DOS SANTOS, GABRIELA DA GRAÇA HOLLATZ) x SEMPRE-VIVA UNIDADE CIRURGIA LTDA (Adv. JOSE FRANCISCO DA ROCHA, JUVENAL FRANCISCO DA R. NETO)

Tendo em vista a natureza infringente do pedido veiculado nos Embargos de Declaração de 215/220, determino a intimação do autor para se manifestar sobre os mesmos.

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0002326-79.2011.4.05.8500 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (Adv. SILVIO ROBERTO O. DE AMORIM JUNIOR, SEM PROCURADOR) x JUAREZ BATISTA DOS SANTOS (Adv. ANTONIO HENRIQUE MENEZES DE MELO) x EDGAR ODILON DOS SANTOS (Adv. SIDNEY RIBEIRO SANTANA, EDGAR ODILON DOS SANTOS) x GENIRO DOS SANTOS (Adv. GILBERTO SAMPAIO VILA-NOVA DE CARVALHO, MÁRCIO MACEDO CONRADO, CIRO BEZERRA REBOUÇAS JUNIOR, RODRIGO FERNANDES DA FONSECA) x MARIA ROZENILDES BARRETO (Adv. MÁRCIO MACEDO CONRADO) x ELIO JOSE LIMA MARTINS (Adv. MÁRCIO MACEDO CONRADO)

Os fatos narrados na exordial, a resposta oferecida pelo requerido e os elementos hauridos nos autos indicam a necessidade de recebimento da ação para que se apurem as alegadas irregularidades, evidentemente assegurando-se o contraditório e a ampla defesa. Assim, recebo a inicial e determino o prosseguimento da presente ação. Citar o(s) Requerido(s) para, querendo, oferecer resposta. Caso a contestação contenha preliminares (art. 301 CPC), ou haja juntada de documentos, intimar o(a) Autor(a) para apresentar réplica, querendo (art. 327 CPC), tudo nos termos do art. 162, § 4º do CPC. Renovar a intimação do FNDE/PGF para dizer se tem interesse em intervir no feito. Após, digam as partes, em 05 (cinco) dias, se desejam realizar outras provas, especificando-as. Em caso negativo, voltem-me os autos conclusos para sentença.

   

AÇÃO DE USUCAPIÃO

   

0000491-56.2011.4.05.8500 GILCÉLIO GONÇALVES DE ALMEIDA E OUTRO (Adv. WILSON WYNNE DE OLIVA MOTA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JORGE SOUZA ALVES FILHO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x CONDOMÍNIO COTE D¿AZUR x PEDRO BRITO DOS SANTOS E OUTRO (Adv. WELLINGTON SABACK RIBEIRO JUNIOR)

Intimar a parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias, juntar aos autos a planta do imóvel que pretende usucapir. Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 15/05/2012, às 15:00 horas, neste Juízo Federal. Os patronos devem trazer as testemunhas independentemente de intimação. Ficam as partes advertidas de que, após a instrução do feito, deverão apresentar, de imediato e na própria sessão, as suas razões finais. Intimar as partes para, nos termos do art. 407 do CPC, depositar em cartório, até quinze (15) dias antes da audiência, o rol de testemunhas. Providências necessárias.

   

AÇÃO MONITÓRIA

   

0003900-40.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, JORGE SOUZA ALVES FILHO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO) x ADAILTON BATISTA SANTOS (Adv. SEM ADVOGADO)

"... Apresentado o laudo (fls. 68/72), intimar as partes para informarem se desejam algum esclarecimento do perito, expondo, na mesma oportunidade, as dúvidas a serem dissipadas. Intimar."

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000527-35.2010.4.05.8500 EDUARDO ROBERTO DOS SANTOS (Adv. ABRAO RODRIGUES DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Intimar as partes para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentarem suas derradeiras alegações.

   

0001137-32.2012.4.05.8500 FRANCELINA BESERRA SILVA (Adv. FELIPE EMANUEL OLIVEIRA VIEIRA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Indefiro os benefícios da justiça gratuita, tendo em vista os valores recebidos pela autora a título de proventos, conforme documentos de f. 19/29. Intimar a parte autora para, no prazo de 30 (trinta) dias, recolher as custas judiciais, sob pena de cancelamento da distribuição, nos termos do art. 257 do CPC. Em caso de cumprimento da diligência acima, citar. Caso a contestação contenha preliminares (art. 301 CPC), ou haja juntada de documentos, intimar o(a) Autor(a) para apresentar réplica, querendo (art. 327 CPC), tudo nos termos do art. 162, § 4º do CPC.

   

0001323-89.2011.4.05.8500 JOSETE FIDELIS DA COSTA (Adv. LICIA MAGNA FEITOSA SANTANA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Intimar as partes para, no prazo de 10 (dez) dias, apresentarem suas derradeiras alegações. Após, venham-me os autos conclusos para sentença.

   

0001484-36.2010.4.05.8500 GILBERTO DE OLIVEIRA FRAGA E OUTRO (Adv. JISELIA BATISTA SANTOS) x BRADESCO - S.A. CREDITO IMOBILIARIO (Adv. CARLOS AUGUSTO M. NASCIMENTO, LILIAN JORDELINE FERREIRA DE MELO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO)

DESPACHO DE FL. 205: (...) Intimar a parte exequente para receber o alvará e para, no prazo de 05 (cinco) dias dizer se tem algo mais a requerer. Após, com ou sem manifestação, venham os autos conclusos.

   

0001497-98.2011.4.05.8500 MARIA LUZINEIDE MESSIAS DE OLIVEIRA (Adv. UDINE ANTONIO BRANDÃO CARDOSO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR) x ROSA LIMA DE MELO (Adv. ROLDÃO PROCÓPIO DE LUCENA, FLAVIO ROBERTO NOGUEIRA DE LUCENA)

Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 26/04/2012, às 15:30 horas, neste Juízo Federal. Os patronos devem trazer as testemunhas independentemente de intimação. Ficam as partes advertidas de que, após a instrução do feito, deverão apresentar, de imediato e na própria sessão, as suas razões finais. Intimar as partes para, nos termos do art. 407 do CPC, depositar em cartório, até quinze (15) dias antes da audiência, o rol de testemunhas. Intimar as partes requeridas para se manifestarem acerca da petição e documentos de f. 159/166, no prazo de 05 (cinco) dias. Providências necessárias.

   

0002049-63.2011.4.05.8500 ODILAI ARAUJO CACHOEIRA (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, THAIS MAIA DE BRITTO, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Processo nº. 0002049-63.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: Odilai Araujo Cachoeira Réu: Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. E M E N T A: PREVIDENCIÁRIO. AUXÍLIO-DOENÇA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. CAPACIDADE. IMPOSSIBILIDADE DE RESTABELECIMENTO OU CONCESSÃO. - Não é cabível o restabelecimento de auxílio-doença ou a concessão de aposentadoria por invalidez em sendo o beneficiário capaz para o labor, uma vez que tais benefícios amparam o segurado apenas em caso de incapacidade laborativa. S E N T E N Ç A: I. RELATÓRIO: Adoto inicialmente o relatório da decisão de f. 115v.: "ODILAI ARAUJO CACHOEIRA propôs ação sob o rito ordinário, com requerimento de antecipação dos efeitos da tutela em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS, visando o pagamento de aposentadoria por invalidez ou o restabelecimento do benefício de auxílio-doença. Em síntese, aduz que: 1) é segurado da previdência social, contando com mais de 23 anos de contribuição na condição de empregado plataformista; 2) percebeu o benefício de auxílio-doença desde o ano de 2003 até o mês de maio de 2010; 3) teve indeferido, em 19.08.2010, seu requerimento de auxílio doença, sob alegação de inexistir incapacidade; 4) é portador de doença degenerativa da coluna lombo sacral, sofre de transtorno psíquico e problemas relacionados à dependência química. Juntou procuração (f. 18) e documentos (f. 19-113)." Requereu, ainda, o benefício da justiça gratuita. Antecipação dos efeitos da tutela indeferida (f. 115/116). O benefício da justiça gratuita foi deferido na f. 116. O autor noticiou a interposição de Agravo de Instrumento (f. 121/130). Citado (f. 131), o INSS apresentou contestação (f. 133/137) alegando que inexiste nexo de causalidade entre o acidente e o trabalho do autor, visto que este não colacionou aos autos prova suficiente de que a sua suposta incapacidade de exercer as atividades laborais esteja ligada ao evento alegado. Afirmou que não está provado pelo autor que sofre de qualquer doença que limite sua capacidade laborativa habitual ou impossibilite o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência e que, de acordo com as normas disciplinadas nos artigos 42 e 59 da Lei 8.213/91, bem como pelas disposições do Decreto 3.048/99, o autor não faz jus a nenhum benefício acidentário, por falta de amparo legal à sua pretensão. Por fim, requer que, se concedida aposentadoria ou outro benefício acidentário, este somente seja devido a partir da juntada do laudo pericial realizado em juízo conclusivo da incapacidade total do autor, sendo este o posicionamento assente no STJ. Intimados sobre o interesse na produção de provas, o autor requereu (f. 141) a realização de perícia medica enquanto o INSS apenas manifestou ciência (f. 142). Determinada realização de perícia médica (f.143/145), foram apresentados os quesitos pelo autor (f. 151/152). O Tribunal Regional Federal da 5ª Região negou seguimento ao Agravo de Instrumento (f. 154/156). Apresentação dos quesitos pelo réu (f. 160/162). Laudo Pericial juntado nas f. 181/193. Manifestação do autor (f. 197/200) e do réu (f. 203) sobre o laudo. Relatei. Passa a decidir. II. FUNDAMENTAÇÃO: Sem preliminares, examino o mérito. Com efeito, o benefício previdenciário do auxílio-doença é previsto no artigo 59 da Lei 8.213/91, in verbis: Art. 59. O auxílio-doença será devido ao segurado que, havendo cumprido, quando for o caso, o período de carência exigido nesta Lei, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 (quinze) dias consecutivos. Parágrafo único. Não será devido auxílio-doença ao segurado que se filiar ao Regime Geral de Previdência Social já portador da doença ou da lesão invocada como causa para o benefício, salvo quando a incapacidade sobrevier por motivo de progressão ou agravamento dessa doença ou lesão. (grifos nossos) O auxílio-doença requer a cumulação dos seguintes requisitos: a) Condição de Segurado (art. 59 da Lei 8.213/91); b) Carência; c) Incapacidade por mais de 15 (quinze) dias para atividades habituais ou laborativas; d) Transitoriedade desta incapacidade, sob pena de configurar-se situação de aposentadoria por invalidez; e) Incapacidade posterior ao ingresso no RGPS ou, sendo a incapacidade anterior, que seja do tipo progressiva, que só gerou a incapacidade após o ingresso no RGPS. Por outro lado, a aposentadoria por invalidez é prevista no artigo 42 da Lei 8.213/91: Art. 42. A aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, será devida ao segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto permanecer nesta condição. Conforme se observa dos artigos acima referidos, tanto o auxílio-doença como a aposentadoria por invalidez são benefícios previdenciários que amparam o segurado em caso de incapacidade laborativa. Contudo, enquanto o auxílio-doença é voltado para a incapacidade temporária, a aposentadoria por invalidez é devida em caso de incapacidade permanente. Tratando de benefício por incapacidade, o Juiz poderá formar a sua convicção a partir do laudo pericial, podendo aceitá-lo no todo ou em parte mediante fundamentação, entretanto não se encontra vinculado incondicionalmente ao seu conteúdo. Do contrário, o magistrado transferiria a sua função de julgar ao expert. Não se está com isso defendendo que o Juiz conceda o benefício sem ordenar a realização da perícia médica ou à margem total de suas conclusões e, sim, a possibilidade de reinterpretá-lo com os demais meios de prova e segundo as regras de experiência comum e técnica em geral, tudo à luz do livre convencimento motivado. Realizada a perícia médica, o expert do juízo atestou (f. 181/193) que o autor não possui incapacidade que o impossibilite de exercer as suas atividades laborativas. Convém transcrever algumas afirmações constantes do laudo pericial, importantes para o deslinde da questão: Conclusão das considerações diagnósticas: O periciando apresenta dor lombar que se justifica por alterações degenerativas dos platôs vertebrais lombares que ocorrem com o envelhecimento do ser humano independente de trauma e que se acentua pelo quadro de dependência alcoólica que como anteriormente, já citado os fatores psicossociais pode estar ampliando ou prolongando a dor. O retorno ao trabalho é importante, porém deve agregar medidas de suporte emocional, orientação e reabilitação psicossocial progressiva que podem ser disponibilizadas por serviços de Saúde mental do SUS. Respostas aos quesitos: 1. O autor Odilai Araújo Cachoeira, é portador da deficiência alegada? Em caso afirmativo, proceder a uma descrição sucinta e explicitar: a) o grau da enfermidade; b) Quais as seqüelas advindas desse quadro, elucidando se são reversíveis ou não? R: São patologias tratáveis. Periciando não apresenta seqüelas. (...) 1. Em razão do quadro descrito no quesito anterior, o autor pode ser considerado incapacitado para o seu trabalho habitual? Em caso positivo, informar: a) A data provável de início da incapacidade. R: Não há incapacidade. b) Se a incapacidade da parte autora seriam superiores ou não a 25 dias; R: Não há incapacidade. (...) d) Se é possível estimar um prazo para a recuperação do(a) autor(a)? R: A recuperação depende da participação e aceitação do periciando. (...) f) Tal incapacidade inviabiliza o exercício de toda atividade laborativa (incapacidade total) ou apenas de algumas atividades laborativas (parcial)? Caso a incapacidade seja parcial, quais atividades podem ser executadas pelo(a) periciando(a)? Esclareça o perito, ainda no caso de incapacidade parcial, se o(a) autor(a) pode exercer a atividade que habitualmente executava, executou, indicando, caso negativo, as atividades que poderá desempenhar, levando em conta o grau de escolaridade? R: Periciando está apto para reintegrar ao trabalho com necessidade de readaptação profissional, já que o mesmo deverá executar as atividades com redução de sobrecargas nas costas (elevação de peso) que trará benefícios para seu dia a dia. Necessita também de acompanhar regular com psiquiatria e está seguro que o mesmo não está fazendo uso de bebidas alcoólicas, pois expõe a si e a terceiros ao risco de acidentes. Destarte, o perito, após exame clínico detalhado, atestou a capacidade laborativa do autor, afirmando inclusive, ser salutar o seu retorno ao trabalho, atendendo à necessidade de readaptação profissional. Não restou, portanto, comprovada a incapacidade total e permanente para o exercício de qualquer atividade laborativa, que autorizaria a concessão de aposentadoria por invalidez, nos termos do art. 42 da Lei nº 8.213/91; tampouco logrou comprovar a existência de incapacidade total e temporária, que possibilitaria a concessão de auxílio-doença, conforme disposto no art. 59 da Lei 8.212/91. Corroboram esta assertiva os seguintes julgados: PREVIDENCIÁRIO. AGRAVO LEGAL. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ OU AUXÍLIO-DOENÇA. NÃO PREENCHIDOS OS REQUISITOS LEGAIS. DECISÃO FUNDAMENTADA. I - Não procede a insurgência da parte agravante porque não preenchidos os requisitos legais para a concessão de aposentadoria por invalidez e auxílio-doença. II - Perícia médica judicial informa que o periciando referiu ser portador de lombalgia e que apresenta problemas de saúde desde o acidente de trabalho sofrido em 1996. Afirma o expert que as cirurgias realizadas em virtude do acidente sofrido há treze anos não deixaram sequelas. Informa, ainda, sinais de alcoolismo. Aduz que o requerente é portador de lombalgia, enfermidade, neste caso, facilmente tratável com medicamentos e/ou fisioterapia. Considera o autor apto ao exercício de suas atividades laborativas habituais. III - Quanto ao laudo médico pericial, esclareça-se que cabe ao Magistrado, no uso do seu poder instrutório, deferir ou não, determinada prova, de acordo com a necessidade, para a formação do seu convencimento, nos termos do art. 130 do CPC. IV - Não há dúvida sobre a idoneidade do profissional indicado pelo Juízo a quo, que atestou, após exame clínico detalhado, a capacidade do requerente para o exercício de sua atividade laborativa. V - O perito, na condição de auxiliar da Justiça, tem o dever de cumprir escrupulosamente o encargo que lhe foi cometido. Exerce função de confiança do Juízo, sendo nomeado livremente para o exame, vistoria ou avaliação que dependam de conhecimento técnico do qual o Magistrado é desprovido. VI - O recorrente não apresentou qualquer documento capaz de afastar a idoneidade ou a capacidade do profissional indicado para este mister. VII - Não restou comprovada a incapacidade total e permanente para o exercício de qualquer atividade laborativa, que autorizaria a concessão de aposentadoria por invalidez, nos termos do art. 42 da Lei nº 8.213/91; tampouco logrou comprovar a existência de incapacidade total e temporária, que possibilitaria a concessão de auxílio-doença, conforme disposto no art. 59 da Lei 8.212/91. VIII - Decisão monocrática com fundamento no art. 557, caput e § 1º-A, do C.P.C., que confere poderes ao relator para decidir recurso manifestamente improcedente, prejudicado, deserto, intempestivo ou contrário a jurisprudência dominante do respectivo Tribunal, do Supremo Tribunal Federal ou de Tribunal Superior, sem submetê-lo ao órgão colegiado, não importa em infringência ao C.P.C. ou aos princípios do direito. IX - É pacífico o entendimento nesta E. Corte, segundo o qual não cabe alterar decisões proferidas pelo relator, desde que bem fundamentadas e quando não se verificar qualquer ilegalidade ou abuso de poder que possa gerar dano irreparável ou de difícil reparação à parte. X - Não merece reparos a decisão recorrida, que deve ser mantida, porque calcada em precedentes desta E. Corte e do C. Superior Tribunal de Justiça. XI - Agravo improvido.1 PREVIDENCIÁRIO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. NÃO COMPROVAÇÃO DE REQUISITO PARA A CONCESSÃO. I - O benefício de aposentadoria por invalidez é devido ao segurado que for considerado incapaz e insusceptível de reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, que tenha cumprido a carência de 12 (doze) contribuições e não tenha perdido a qualidade de segurado (Lei 8.213/91, art. 42). II - Laudo pericial informou que o autor, atualmente, com 48 (quarenta e oito) anos de idade, é portador de alcoolismo crônico, atualmente em recuperação, não apresentando evidências clínicas de cirrose hepática, concluindo pela inexistência de incapacidade para o trabalho. Acrescenta que mantida a abstenção alcoólica, mantém a capacidade laborativa rural. III - Não restou demonstrado nos autos o atendimento a um dos pressupostos básicos para concessão de aposentadoria por invalidez, de forma que o requerente não faz jus ao benefício pretendido. IV - Apelação improvida. V - Sentença mantida.2 III - DISPOSITIVO: Por força do exposto, julgo IMPROCEDENTES OS PEDIDOS da parte ativa. Condeno o demandante em honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais). Condiciono, contudo, o pagamento dessa verba à demonstração pelo demandado, de que o requerente não possui ou perdeu a condição de hipossuficiência econômica. Sem custas judiciárias, por ter a parte autora litigado sob o pálio da Justiça Gratuita. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 01 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 TRF 3ª Reg., AC 1626656/SP, 8ª Turma, Rel. Des. Federal MARIANINA GALANTE, julgado em 15/12/2011. 2 TRF 3ª Reg., AC- 974014/SP, 9ª Turma, Rel. Des. Federal MARIANINA GALANTE, julgado em 02/12/2004. ?? ?? ?? ?? Proc. nº 0002049-63.2011.4.05.8500 VII PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0002213-28.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x GILCÉLIO GONÇALVES DE ALMEIDA E OUTRO (Adv. WILSON WYNNE DE OLIVA MOTA)

Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 15/05/2012, às 15:00 horas, neste Juízo Federal. Os patronos devem trazer as testemunhas independentemente de intimação. Ficam as partes advertidas de que, após a instrução do feito, deverão apresentar, de imediato e na própria sessão, as suas razões finais. Intimar as partes para, nos termos do art. 407 do CPC, depositar em cartório, até quinze (15) dias antes da audiência, o rol de testemunhas. Providências necessárias.

   

0002625-56.2011.4.05.8500 JOSE FERNANDES PRATA DA SILVA E OUTROS (Adv. ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA, MARCEL COSTA FORTES, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, KALIANY VARJÃO DE SANTANA OLIVEIRA, JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS, RAFAEL COSTA FORTES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Recebo as apelações, declarando-lhes ínsitos os efeitos suspensivo e devolutivo. Intimar os apelados (autor e réu) para, querendo, trazerem suas respostas, no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe. Intimar.

   

0003229-17.2011.4.05.8500 MUNICIPIO DE SÃO MIGUEL DO ALEIXO - SE (Adv. BERNARDO VIDAL DOMINGUES DOS SANTOS, FELIPE VALENTIM) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Processo nº 0003229-17.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária. Autor: MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL DO ALEIXO/SE Réu : UNIÃO FEDERAL EMENTA: TRIBUTÁRIO. PARCELAMENTO DA LEI 11941/2009. CONSOLIDAÇÃO DE DÉBITOS PELA RECEITA FEDERAL EM DATA POSTERIOR AO PRAZO FINAL FIXADO PARA OS MUNICÍPIOS ADERIREM AO PARCELAMENTO. DÉBITOS REFERENTES A COMPETÊNCIAS ANTERIORES À INSTITUIÇÃO DA LEI 11.941/2009 . MORA DA ADMINISTRAÇÃO. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DOS DÉBITOS NO PARCELAMENTO. CAUSA DE SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DOS CRÉDITOS. CPDEN: NÃO EXPEDIÇÃO - AUSÊNCIA DOS REQUISITOS AUTORIZADORES. ANTECIPAÇÃO PARCIAL DOS EFEITOS DA TUTELA NA SENTENÇA. PEDIDO PARCIAMENTE PROCEDENTE. - Os autos de infração objeto da demanda referem-se às competências de 11/2005 a 03/2009, ou seja, períodos que antecedem a data limite de adesão do Município ao parcelamento, qual seja, 31 de novembro de 2008. - A consolidação do débito é de única e exclusiva responsabilidade da União, não podendo a mora da Administração prejudicar o gestor do dinheiro público dos munícipes de São Miguel do Aleixo/SE, sendo de interesse público relevante a inclusão dos débitos objeto da lide no parcelamento previsto na Lei nº 11.960/09. SENTENÇA. I - RELATÓRIO Inicialmente, adoto o relatório de f. 90/97: "MUNICÍPIO DE SAO MIGUEL DO ALEIXO. ajuizou ação ordinária, com requerimento de antecipação dos efeitos da tutela, em face da UNIÃO (aqui representada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional), objetivando a sua adesão ao parcelamento especial instituído pela Lei 11.960/09 com a inclusão dos débitos constantes nos autos de infração (DEBCAD's) de nº 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9, totalizando o valor R$ 1.539.814,02 (um milhão, quinhentos e trinta e nove mil, oitocentos e quatorze reais e dois centavos), nas modalidades de 60 e 240 parcelas. Expôs na inicial, em suma que: 1) em 2009, pretendeu aderir ao parcelamento especial instituído pela Lei 11.960/09 tendo por interesse incluir débitos de parcelamentos anteriores e demais valores não pagos tempestivamente, inscritos ou não em dívida ativa; 2) quando da solicitação de informações à RFB sobre a existência de pendências, foi informado de que não existiam débitos pendentes a serem incluídos em parcelamento, razão pela qual o Município não aderiu ao citado parcelamento; 3) em razão da omissão da RFB, deixou de indicar contribuições que totalizam o valor de R$ 1.977.816,68 (um milhão, novecentos e setenta e sete mil, oitocentos e dezesseis reais e sessenta e oito centavos) cujos fatos geradores se deram de 2005 a 2008 e originaram os autos de infração de nº 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9; 4) surpreso com a lavratura dos autos, o Município buscou incluir a dívida no citado parcelamento, contudo a RFB denegou o pedido feito pelo autor, afirmando que o mesmo era intempestivo e negou a expedição de CND ou CPD-EM, o que vem causando sérios prejuízos ao autor. Alegou que: 1) somente é possível a confissão de débitos cujos fatos geradores e lançamentos já são conhecidos pelo devedor; 2) a fiscalização das contribuições previdenciárias constitui um poder-dever da RFB; 3) o autor teve expedida em seu nome Certidão Negativa de Débitos, o que significa dizer que estava com os débitos até então existentes regularizados; 4) ao verificar tardiamente a existência de débitos anteriores a 2009 ainda não pagas pelo autor a RFB incorreu em venire contra factum proprium; 5) a Lei 11.960/09 silencia quanto às contribuições decorrentes de fatos geradores não identificados até a data em que deveria ter aderido ao parcelamento; 6) o ato da RFB representa violação aos princípios da proporcionalidade, razoabilidade e igualdade, bem como ao art. 5ª, II da CF. Requereu a concessão de antecipação de tutela para "a imediata expedição de Certidão Negativa de débitos ou Positiva com efeitos de Negativa, possibilitando a plena vigência dos convênios firmados com o Governo Federal, bem como a imediata suspensão da exigibilidade dos débitos constantes nos Autos de Infração de nº 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9, a saber R$ 1.539.814,02 (hum milhão, quinhentos e trinta e nove mil, oitocentos e quatorze reais e dois centavos), até o provimento final acerca da inclusão destes no parcelamento especial instituído pela Lei 11.960/2009". Juntou procuração (f. 18-19) e documentos (f. 21-87)." Acrescento ainda: Decisão de f. 90/97 indeferiu a antecipação dos efeitos da tutela requerida. A parte autora apresentou pedido de reconsideração e colacionou novos documentos (f. 101/115). Decisão de f. 117/119 reconsiderou parcialmente a decisão de f. 90/97, apenas para afastar a necessidade de recolhimento das custas processuais pelo Município autor. Citada (f. 120), a União Federal apresentou contestação (f. 134/139), esclarecendo, de início, que o prazo para os Municípios aderirem ao parcelamento foi prorrogado para 30 de novembro de 2009, por força do disposto no art. 38 da Lei 12.058/2009. Asseverou que o procedimento fiscal que resultou na lavratura dos autos de infração somente foi iniciado em 20.08.2010, ou seja, nove meses após esgotado o prazo para adesão, mas não por desídia ou negligência, uma vez que ainda não havia decorrido o prazo decadencial estabelecido pela lei para a constituição dos créditos tributários. Disse ainda que, ao deixar de recolher as contribuições previdenciárias devidas o Município infringiu o princípio da universalidade, gravado no art. 195 da Constituição Federal, o qual estabelece que a seguridade social será por todos financiada. Quanto à alegação autoral de que solicitou à Receita Federal, antes do parcelamento, informações acerca dos débitos existentes, sendo informado que inexistiam débitos, afirmou que não há nenhuma prova disto nos autos, não se desincumbindo o Município do ônus da prova. Asseverou que o fato de os débitos terem sido constituídos após a data limite estabelecida na Lei 12.058/2009, não confere ao autor qualquer prerrogativa ou benefício além daqueles previstos na legislação. Ademais, disse que, por força do art. 155-A do CTN, a concessão de parcelamento é ato vinculado para o qual se exige o cumprimento de todos os requisitos previstos na legislação competente, portanto, para que se aperfeiçoe o parcelamento é necessário que sejam preenchidos todos os requisitos previstos na lei que o instituiu e, especialmente, o prazo para adesão. Por fim, destacou que o próprio Município, ao contrário da Receita Federal, já sabia das contribuições devidas e não recolhidas, portanto, poderia utilizar-se de denúncia espontânea, permitindo constituir os débitos ainda não conhecidos do Fisco, incluindo-os no parcelamento. O Município autor informou a interposição de Agravo de Instrumento da decisão que indeferiu a antecipação dos efeitos da tutela (f. 141/152). Na f. 157, foi facultada a produção de provas às partes. O Município autor deixou transcorrer in albis o prazo marcado (f. 158), enquanto a União informou na f. 161 que não tem provas a requerer. O TRF-5ª Região, no julgamento do Agravo de Instrumento interposto pelo autor, deferiu parcialmente o pedido de efeito suspensivo formulado, determinando a suspensão da exigibilidade das DEBCADS que possuírem suas competências até o ano de 2008, devendo-se manter a exigibilidade dos débitos gerados no ano seguinte (f. 165/167). É o relatório. II - FUNDAMENTAÇÃO A hipótese dos autos guarda correspondência com a previsão legal do art. 330, I, do CPC, pelo fato da desnecessidade de produção de prova em audiência. Assim, cabível o julgamento antecipado da lide. O art. 155-A do CTN prevê que 'o parcelamento será concedido na forma e condição estabelecido em lei específica'. No caso dos autos a norma que estabelece as condições para o parcelamento é a Lei 11.960/09, portanto, para que se aperfeiçoe o parcelamento é necessário que sejam preenchidos todos os requisitos previstos na lei que o institui e, especialmente, o prazo para adesão: Lei nº 11.196/09, Art. 96. Os Municípios poderão parcelar seus débitos e os de responsabilidade de autarquias e fundações municipais relativos às contribuições sociais de que tratam as alíneas a e c do parágrafo único do art. 11 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, com vencimento até 31 de janeiro de 2009, após a aplicação do art. 103-A, em: (Redação dada pela Lei nº 11.960, de 2009) I - 120 (cento e vinte) até 240 (duzentas e quarenta) prestações mensais e consecutivas, se relativos às contribuições sociais de que trata a alínea a do parágrafo único do art. 11 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, com redução de 100% (cem por cento) das multas moratórias e as de ofício, e, também, com redução de 50% (cinquenta por cento) dos juros de mora; e/ou (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) II - 60 (sessenta) prestações mensais e consecutivas, se relativos às contribuições sociais de que trata a alínea c do parágrafo único do art. 11 da Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, e às passíveis de retenção na fonte, de desconto de terceiros ou de sub-rogação, com redução de 100% (cem por cento) das multas moratórias e as de ofício, e, também, com redução de 50% (cinquenta por cento) dos juros de mora. (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) § 1o Os débitos referidos no caput são aqueles originários de contribuições sociais e correspondentes obrigações acessórias, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa da União, ainda que em fase de execução fiscal já ajuizada, ou que tenham sido objeto de parcelamento anterior, não integralmente quitado, ainda que cancelado por falta de pagamento, inclusive aqueles parcelados na forma da Lei no 9.639, de 25 de maio de 1998. (Redação dada pela Lei nº 11.960, de 2009) § 2o Os débitos ainda não constituídos deverão ser confessados, de forma irretratável e irrevogável. § 4o Caso a prestação não seja paga na data do vencimento, serão retidos e repassados à Receita Federal do Brasil recursos do Fundo de Participação dos Municípios suficientes para sua quitação. (Redação dada pela Lei nº 11.960, de 2009) § 5o Os valores pagos pelos Municípios relativos ao parcelamento objeto desta Lei não serão incluídos no limite a que se refere o § 4o do art. 5o da Lei no 9.639, de 25 de maio de 1998, com a redação dada pela Medida Provisória no 2.187-13, de 24 de agosto de 2001. § 6o A opção pelo parcelamento deverá ser formalizada até o último dia útil do segundo mês subsequente ao da publicação desta Lei, na unidade da Secretaria da Receita Federal do Brasil de circunscrição do Município requerente, sendo vedada, a partir da adesão, qualquer retenção referente a débitos de parcelamentos anteriores incluídos no parcelamento de que trata esta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.960, de 2009) (Vide Medida Provisória nº 492, de 2010) § 7o Não se aplica aos parcelamentos de que trata este artigo o disposto no inciso IX do art. 14 e no § 2o do art. 14-A da Lei no 10.522, de 19 de julho de 2002. (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) § 8o Não constituem débitos dos Municípios aqueles considerados prescritos ou decadentes na forma da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966, mesmo que eventualmente confessados em parcelamentos anteriores. (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) § 9o A emissão de certidão negativa condicionada à regularização dos débitos de que trata este artigo ocorrerá em até 2 (dois) dias úteis após a formalização da opção pelo parcelamento e terá validade por 180 (cento e oitenta) dias ou até a conclusão do encontro de contas previsto no art. 103-A desta Lei, o que ocorrer primeiro. (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) § 10. Para o início do pagamento dos débitos referidos no caput deste artigo, os Municípios terão uma carência de: (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) I - 6 (seis) meses para aqueles que possuem até 50.000 (cinquenta mil) habitantes, contados da data a que se refere o § 6o; (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) II - 3 (três) meses para aqueles que possuem mais de 50.000 (cinquenta mil) habitantes, contados da data a que se refere o § 6o. (Incluído pela Lei nº 11.960, de 2009) § 11. Os Municípios que não conseguirem optar pelo parcelamento no prazo estipulado pelo § 6o terão um novo prazo para adesão que se encerrará no dia 30 de novembro de 2009. (Incluído pela Lei nº 12.058, de 2009) (Vide Medida Provisória nº 492, de 2010) Na sua redação originária, o §6º do art. 96 da Lei 11.196/05 previu a opção pelo parcelamento "até o último dia útil do segundo mês subsequente ao da publicação desta Lei", ou seja, até o dia 31 de agosto de 2009. Posteriormente, a Lei 12.058/09 ampliou o prazo até 30 de novembro de 2009. Pois bem, o autor alega ter deixado de aderir tempestivamente ao parcelamento previsto na Lei 11.960/09 por não lhe terem sido prestadas, à época, pela Receita Federal, informações relativas à existência de débitos em nome do município de São Miguel do Aleixo, os quais somente foram consolidados em 2010, quando já havia expirado o prazo para a adesão. Em sede antecipação dos efeitos da tutela, o demandante requereu a suspensão da exigibilidade dos referidos créditos e a expedição de CPDEN até o julgamento final da lide, cujo pedido de mérito consiste na inclusão de todos os débitos reclamados no parcelamento previsto pela lei nº Lei 11.960/09. Por ocasião da apreciação do requerimento de antecipação dos efeitos da tutela, posicionei-me pela impossibilidade de suspensão dos créditos tributários constituídos pelas DEBCAD's nºs 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9, por entender que o Município autor sabia da sua condição de devedor à época do parcelamento, mas aguardou a consolidação dos débitos pela União para, somente após, requerer o seu parcelamento. No entanto, após a manifestação do TRF da 5ª Região no Agravo de Instrumento nº 119257/SE, que concedeu efeito suspensivo ao pleito em relação às DEBCAD's nºs 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-, 37.255.126-2 e 37.255.128-9 com exclusão da DEBCAD nº 355.125-4, entendo oportuno rever o meu posicionamento inicial. Com efeito, apesar da consolidação no ano de 2010, os débitos constantes nas referidas DEBCAD's são da competência de 11/2005 a 03/2009, ou seja, se relacionam a períodos que antecedem a data limite de adesão do Município ao parcelamento, qual seja, 31 de novembro de 2008. Se, por um lado, é certo que o Município autor poderia, de antemão, reconhecer a dívida e proceder ao pagamento desta mesmo antes da sua consolidação pela a União, de outro lado é preciso ponderar que a mora da Administração em consolidar os débitos não pode prejudicar o gestor do dinheiro público dos munícipes de São Miguel do Aleixo/SE, sendo de interesse público relevante a inclusão dos débitos objeto da lide no parcelamento previsto na Lei nº 11.960/09. Ressalte-se que a consolidação do débito é de única e exclusiva responsabilidade da União, e não do autor. Neste sentido, destaco o precedente do TRF 5ª Reg., o qual, apesar de meramente similar ao presente, possibilita a extração de idêntico fundamento: TRIBUTÁRIO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. EXPEDIÇÃO DE CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITO DE NEGATIVA. ADESÃO AO PARCELAMENTO DA LEI 11941/2009. NÃO CONSOLIDAÇÃO PELA RECEITA. SUSPENSÃO DO PAGAMENTO. PEDIDO ADMINISTRATIVO DE RECONHECIMENTO DE QUITAÇÃO DO DÉBITO. MORA DA ADMINISTRAÇÃO. NÃO EXCLUSÃO DO PARCELAMENTO. CAUSA DE SUSPENSÃO DA EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO. MANUTENÇÃO. IMPROVIMENTO. 1. Agravo contra decisão que, em sede de Medida Cautelar Inominada, deferiu a medida liminar requestada, determinando à ré, ora agravante, a emissão de Certidão Positiva com Efeito de Negativa em nome do autor, ressalvada a existência de débito diverso daqueles constantes dos parcelamentos de nº 2089 e 2372, objeto do REFIS. 2. Há, na hipótese, causa de suspensão da exigibilidade a autorizar a expedição da Certidão Positiva com Efeitos de Negativa, qual seja o parcelamento (art. 151, VI, CTN). 3. In casu, o contribuinte aderiu ao parcelamento previsto na Lei 11941/2009 e, ante a inocorrência de sua consolidação, após efetuar o pagamento de várias parcelas, deixou de adimplir as duas últimas prestações por considerar que já teria pago valor bem superior ao montante devido. 4. Não pode o contribuinte ser prejudicado em razão da mora da Receita Federal em apreciar o pedido de quitação do débito e cancelamento das cobranças indevidas, sob a pretensa justificativa de que não houve a consolidação do parcelamento - unicamente de sua responsabilidade. 5. Presente a plausibilidade das alegações da agravada de que teria adimplido integralmente a dívida, não só pela demonstração de que efetuou pagamento correspondente a aproximadamente o dobro do valor do débito no momento da adesão ao parcelamento, como também pela própria postura da Receita Federal que, em suas considerações, não afasta a possibilidade de ter havido a mencionada quitação. 6. Não tendo havido a exclusão do contribuinte do parcelamento ao qual aderiu, subsiste a causa de suspensão da exigibilidade a autorizar a expedição da Certidão Positiva com Efeito de Negativa - ressalvada a existência de outros débitos que impeçam a sua emissão - , inclusive liminarmente, diante do perigo da demora consubstanciado na necessidade de sua apresentação para a percepção de honorários advocatícios contratados. 7. Agravo de instrumento improvido. (TRF 5ª Reg., AG 00023777920114050000, Desembargador Federal Francisco Wildo, TRF5 - Segunda Turma, DJE - Data::05/05/2011 - Página::208.) Ademais, conforme disposto no art. 38 da lei nº 12.058/2009, o prazo para a adesão dos Municípios ao parcelamento fora prorrogado para 30.11.2009. Assim, nada impede que os débitos consolidados na DEBCAD nº 355.125-4 também possam ser incluídos no parcelamento. Porém, no que se refere ao requerimento de expedição de CPDEN, o Município autor não comprovou que preenche todos os requisitos legais para sua expedição, conforme dispõe o art. 206 do Código Tributário Nacional: CTN, Art. 206. Tem os mesmos efeitos previstos no artigo anterior a certidão de que conste a existência de créditos não vencidos, em curso de cobrança executiva em que tenha sido efetivada a penhora, ou cuja exigibilidade esteja suspensa. Desta forma, segundo destacado pelo Relator do Agravo de Instrumento nº 119257/SE (f. 167), "não existe nos autos a existência de nenhuma garantia oferecida pelo ora agravante, tampouco provas do pagamento do parcelamento a que aderiu, não estando comprovada a sua regularidade para com a Receita Federal". Não preenchidos os requisitos, não há que se falar em expedição de CPDEN. Ademais, este Juízo oportunizou às partes a produção de provas, e o Município autor, apesar de intimado (f. 157) quedou silente, conforme certificado nos autos na f. 158. A situação posta nos autos, portanto, enseja a suspensão dos créditos tributários em sede de antecipação dos efeitos da tutela para, no mérito, ser garantido ao autor a inclusão dos débitos reclamados no parcelamento previsto na lei n º 11.960/09. III - DISPOSITIVO Diante do exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido autoral, extinguindo o processo com resolução de mérito, nos termos do artigo 269, inciso I, do CPC, para determinar a adesão do Município de São Miguel do Aleixo/SE ao parcelamento instituído pela Lei nº 11.960/09 relativamente aos débitos constantes nas DEBCAD's nºs 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9, nas modalidades 60 e 240 parcelas. IV- ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA No que tange à antecipação dos efeitos da tutela, patenteia-se na própria fundamentação da sentença o requisito da verossimilhança das alegações. O perigo da demora, por sua vez, decorre da inegável natureza pública dos débitos consolidados. Assim, antecipo parcialmente os efeitos da tutela e determino a suspensão da exigibilidade dos débitos constantes nos DEBCAD's nºs 37.301.786-3, 37.255.124-6, 37.255.127-0, 37.255.125-4, 37.255.126-2 e 37.255.128-9, afastando apenas o requerimento antecipatório de expedição de CPDEN, diante da já fundamentada ausência de requisitos ensejadores. Sem condenação em custas judiciais, uma vez que a autora é isenta do pagamento de custas, consoante dispõe o art. 4º, I, da Lei 9.289/96. Tendo em vista que o autor decaiu de parte mínima do pedido, condeno a ré ao pagamento de honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. Tal verba somente sofrerá a incidência de atualização monetária até o seu efetivo pagamento. Sentença sujeita a reexame necessário, com fulcro no art. 475, do Código de Processo Civil. Oficiar o TRF da 5ª região, informando sobre a prolação da presente sentença, encaminhando-lhe cópia. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 05 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal - 1ª Vara/SE Processo nº 0003229-17.2011.4.05.8500 10 Telma Maria Santos Juíza Federal PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0004586-03.2009.4.05.8500 ANACLETO MOREIRA DA CUNHA (Adv. ALFREDO MOREIRA DA CUNHA JUNIOR) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI)

A sentença de f. 305-308 decidiu a causa nos seguintes termos: "Diante do exposto julgo parcialmente procedente os pedidos com resolução de mérito (art.269, I do CPC), para: 1) declarar a inexistência dos débitos relativo aos meses de fevereiro, março, abril, maio, junho e julho de 2009; 2)Condenar o réu a uma indenização por danos morais, arbitrados em R$ 1.000,00 (mil reais), corrigidos monetariamente a partir desta sentença (Súmula 362 do STJ) até o seu efetivo pagamento de acordo com o manual de Orientação de Procedimentos para Cálculo na Justiça Federal (Resolução CJF 561 de 02 de julho de 2007) e acrescidos de juros moratórios de 1% ao mês a partir da citação (16/10/2009). Considerando que a parte ré sucumbiu em maior parte, arbitro os honorários em conjunto, no valor de R$ 500,00, determinando a compensação na proporção de 66% para o autor (o autor venceu dois pedidos de três formulados) e 33% para a ré. O autor está dispensado do pagamento das custas por ser beneficiário da justiça gratuita, enquanto o réu deve pagar 66% (sessenta e seis por cento) das custas. Tais verbas tão-somente sofrerão a incidência de correção monetária. Confirmo a antecipação dos efeitos da tutela. Sentença não sujeita ao reexame necessário" A parte autora interpôs recurso de apelação (f. 109/113). A CEF apresentou recurso adesivo de apelação. Em grau de recurso, o TRF/5ª Região deu provimento à apelação do autor, reformando a sentença para fixar o valor da indenização por danos morais em R$ 3.000,00 (três mil reais) e negou provimento a apelação adesiva da ré (fl. 141/144). A CEF opôs embargos de declaração (f. 146/149), os quais foram parcialmente providos, sem, contudo, conferir efeitos modificativos ao acórdão embargado (f. 153/155). Certidão de trânsito em julgado, f. 159. Em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1. Intimar o devedor/CEF da descida dos autos e para que efetue o pagamento da quantia devida, no prazo de 15(quinze) dias, na forma do art. 475-J, do Código de Processo Civil, sob pena de aplicação de multa no percentual de dez por cento sobre o valor do débito. 2. Não havendo pagamento, aplico multa de 10% e arbitro honorários advocatícios em 10% sobre o total do débito devidamente atualizado, independentemente de impugnação (Resp 1.134.186/RS). 2.1. Intimar o credor para, querendo, promover o cumprimento de sentença no prazo de 30 dias (art. 614, II, CPC). Observando-se a ordem de preferência prevista no art. 655, inciso I, do CPC, proceder à penhora e avaliação em bens do(a) executado(a), atentando-se para o disposto no § 1º, art. 475-J, do CPC. Lavrado o auto de penhora e avaliação, intime-se o executado, na mesma oportunidade, nos termos do art. 475-J, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil, para oferecer impugnação, querendo, em 15 (quinze) dias. 2.2. Caso não haja requerimento do credor, arquivar os autos, dada a baixa na distribuição, ressalvando o direito de, a qualquer tempo, enquanto não prescrito o crédito, dar prosseguimento à execução. 3. Sendo positivas as diligências e após o transcurso do prazo de impugnação, intimar o exequente, no prazo de dez dias, acerca da penhora efetivada, do laudo de avaliação, e ainda para dizer se tem interesse na adjudicação do bem penhorado, na forma do art. 685-A do CPC. Na ausência de interesse, informar se pretende realizar a alienação particular, na forma do art. 685-C do CPC. 4. Ultrapassadas as hipóteses dos arts. 685-A e 685-C do CPC, sem êxito, intime-se o exeqüente para indicar leiloeiro oficial para a realização da hasta pública, declinando seu endereço completo e o número do telefone, nos termos dos arts. 686 e 706 do CPC. 5. Atendida a diligência, designar data para a realização de leilão, com as cautelas de praxe, procedendo à intimação das partes. Nomeio o leiloeiro indicado pela exeqüente para realizar a hasta pública, fixando sua comissão, no caso de haver licitantes, em 5%(cinco por cento) - bem móvel ou 3% (três por cento) - bem imóvel, sobre o valor da arrematação, a ser paga pelo arrematante. 6. Sendo o valor dos bens penhorados inferior a 60 salários-mínimos, determino que a hasta pública seja realizada nos termos do art. 686, § 3º, do CPC. 7. Não logrando êxito a penhora, voltem-me os autos conclusos.

   

0007167-98.2003.4.05.8500 EDILEDSON OLIVEIRA DA SILVA (Adv. PRISCILA DE OLIVEIRA E S. FRAGA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fls. 503/504), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0004771-70.2011.4.05.8500 JOSÉ SPINOLA SANDES (Adv. SEM ADVOGADO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (Adv. SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, JORGE SOUZA ALVES FILHO, CICERO CORBAL GUERRA NETO, BIANCO SOUZA MORELLI, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Processo n° 004771-70.2011.4.05.8500 Classe 73 - Embargos à Execução Embargante: JOSÉ SPINOLA SANTES Embargada: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. EMENTA: EMBARGOS À EXECUÇÃO. CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONSIGNAÇÃO CAIXA. NULIDADE CITAÇÃO EDITAL. INEXISTÊNCIA. DEFESA POR NEGATIVA GERAL. -Não há que se falar em nulidade de citação editalícia ante as frustradas tentativas de localização da parte devedora nos endereços apresentados pela credora e quando observado o prazo conferido no art. 232, IV, CPC. - Cumpre ao curador do executado citado por edital desconstituir a presunção de liquidez e certeza que reveste título extajudicial. SENTENÇA I.RELATÓRIO Trato de embargos à execução fundada em título executivo extrajudicial interpostos por JOSÉ SPINOLA SANDES, patrocinado pela Defensoria Pública da União, contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. Argúi, em sede preliminar, a nulidade da citação editalícia ocorrida no feito principal, processo nº 0005307-18.2010.4.05.8500, assim como apresentou defesa sob a forma de negação geral dos fatos articulados pela credora. Recebidos os embargos sem lhes atribuir efeito suspensivo, a CEF se manifestou, f. 18/22, ratificando a sua pretensão executória. Facultada a produção de provas nestes embargos, a CEF se manifestou negativamente (f. 28) e o requerido deixou transcorrer em branco o prazo marcado (f. 32). É o relatório. Decido. II. FUNDAMENTAÇÃO Quanto à nulidade da citação editalícia, a parte embargante sustenta que não houve o esgotamento de todos os meios de citação pessoal, além de não ter, o respectivo edital, observado a regra insculpida no art. 232, CPC, IV, a qual define como requisito obrigatório a determinação, pelo juiz, do prazo, que variará entre 20 (vinte) e 60 (sessenta) dias, correndo da data da primeira publicação. Segundo ela, houve um desrespeito, tendo transcorrido apenas o interstício de cinco dias entre a primeira e a segunda publicações. Em consulta aos autos da execução correspondente, verifico que a citação editalícia (f. 47) ocorreu em face das tentativas frustradas de a CEF localizar o endereço atual do requerido (f. 23 e 42). Quanto ao prazo delimitado no dispositivo supra, que no caso concreto foi de 30 dias (f. 47 dos autos principais), deve ser obrigatoriamente observado como o necessário a possibilitar uma parte, que não está ciente da existência de uma demanda judicial em seu desfavor, vir a juízo e se defender. Acrescente-se que o verdadeiro prazo de defesa somente começa a fluir após o transcurso do prazo obrigatório do edital (20 a 60 dias), contados da primeira publicação que, no caso em exame, ocorreu em 22/06/2011 e transcorreu apenas em setembro/2011 (f. 56). Assim, rejeito a preliminar suscitada. Quanto ao mérito, trata-se de embargos à execução de título extrajudicial fundada no contrato de empréstimo/consignação nº 22.2405.110.0101788-06, que tem seu curso regular porque não foi apresentada qualquer forma de garantia do valor exequendo. Transcorrido o prazo de defesa sem que o réu tenha atendido ao chamado do juízo, foi ali nomeada como curadora especial a Defensoria Pública da União, na forma do art 9º, II c/c art. 302, parágrafo único, ambos do CPC (f. 57), oportunidade em que foram oferecidos os presentes embargos cuja matéria de defesa substancial se deu apenas por negativa geral dos fatos. Em linhas gerais, porém, na situação de citação ficta, a contestação por negativa geral ainda mantém os fatos controvertidos, sem a pretensão de eliminar a presunção de veracidade desses mesmos fatos que ensejaram a lide, cuja prova substancial do direito é ônus da parte autora. Promovendo o curador esse tipo de defesa, nasce uma negativação de todos os fatos articulados pela parte ativa, cabendo a esta segunda o ônus de comprovar a veracidade dos fatos inicialmente articulados. Ocorre, por outro lado, que tal situação não assegura a vitória do demandante, de forma que tal presunção não deve ser considerada absoluta, diante do dever judicial de examinar se os fatos alegados repousam nos elementos de prova, podendo ocorrer até o julgamento de improcedência do pleito inicial, caso a parte ativa não consiga fazer prova bastante do seu direito. Nesse sentido, não se pode fechar os olhos e desconsiderar que a CEF cumpriu seu papel de instrução do feito executivo quando apresentou, por ocasião da interposição da ação, um conjunto razoável de documentos que permitam aferir a existência da dívida, demonstrar a sua origem, a definição e assinatura das partes e a formalidade contratual que o reveste de força executiva (f. 05/12, 14/15 dos autos principais). Impende esclarecer, ainda, que a ação executiva, é marcada por situação de liquidez e certeza do título extrajudicial e, nessa senda, embora a presunção nela enraizada seja relativa, somente poderá ser elidida por prova suficiente em contrário, cujo ônus se impõe à parte devedora. Assim, revestindo-se os embargos de natureza desconstitutiva, é ônus elementar do embargante demonstrar o desacerto da execução embargada sob pena de restar inabalada a presunção legal de liquidez e certeza de que desfruta o título extrajudicial e acarretar a improcedência aos embargos. É situação estabelecida no julgado a seguir: TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. AUSÊNCIA DE IMPUGNAÇÃO ESPECIFICADA. PRESUNÇÃO DE LIQUIDEZ E CERTEZA DA CDA. 1. Verifica-se que a petição inicial da execução fiscal e a CDA preenchem os requisitos legais, sendo certo que a apelação faz apenas considerações genéricas quanto à irregularidade e às nulidades que envolveriam, respectivamente, o título executivo e o processo de execução, inexistindo qualquer delimitação concreta quanto aos vícios processuais e à alegada inexistência da dívida. 2. Imperativo consignar que a Certidão de Dívida Ativa (CDA) é título executivo que goza de presunção juris tantum de certeza e liquidez, incumbindo ao executado a produção de prova apta a infirmá-la, descabendo ao Judiciário pura e simplesmente limitar o alcance dessa presunção. Nesse sentido, vale conferir: STJ, REsp. 235.028/MG, Rel. Min. João Otávio de Noronha, DJ 27/06/2005; REsp. 493.940-PR, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ 20/06/2005; AGREsp. 654.165/SC, Rel. Min. José Delgado, DJ 13/06/2005; REsp. 729.996/PR, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ 06/06/2005; REsp. 625.587/SC, Rel. Min. Franciulli Netto, DJ 02/05/2005. 3. Apelo conhecido e provido.1 (destaquei) Aplicando-se o raciocínio ao caso concreto, tem-se que, o fato de a defesa ter sido promovida por curador especial, em obediência ao art. 9º, II, CPC, não o exime de desconstituir a certeza e liquidez carregadas no contrato firmado entre a CEF e a parte devedora, de modo que a negativa geral apresentada nesta oportunidade de defesa não tem o condão de apontar qualquer nódoa eventualmente existente no título. Nesse sentido, destaco o seguinte julgado: PROCESSUAL CIVIL - EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL - CURADOR ESPECIAL AO EXECUTADO AUSENTE/CITADO POR EDITAL: LEGITIMIDADE, SÚMULA 196, E. STJ - NULIDADE DO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO E DO LANÇAMENTO FISCAL NÃO-CONFIGURADA: NOTIFICAÇÃO VÁLIDA - CONTESTADO O MÉRITO POR NEGATIVA GERAL: ÔNUS INATENDIDO - REFORMA DA R. SENTENÇA -IMPROCEDÊNCIA AOS EMBARGOS. 1. Ausente desejado vício na nomeação de especial curador ao polo executado, tal a atender à segunda figura do inciso II do art. 9º,cc art. 598, ambos do CPC, como vigentes ao tempo dos fatos, assim ao encontro da v. súmula 196, E. STJ. Superiormente, aliás, a recair sobre o caso vertente o dogma da ampla defesa, inciso LV do art. 5º, Lei Maior, com efeito. 2. No tocante ao quanto sustentado em sentença, pela nulidade da Notificação do procedimento administrativo, tanto não merece prosperar. Como bem explicitado nos autos, procedeu o INSS dentro dos contornos da lei, realizando a Notificação do contribuinte no endereço preciso, referente àquele do qual se originou o débito, consistente em uma construção e demolição feita pelo executado, sem verter as obrigatórias contribuições. 3. Inoponível a maior ou menor organização interna do executado, inadmissível possa o mesmo invocar tema a que deu causa, transferindo a responsabilidade ao Fisco e, com isso, obtendo a buscada declaração de nulidade do procedimento administrativo. Se almeja o contribuinte escolher outra sede, assim o faça às expressas, perante o Fisco, caput do art. 127, CTN. 4. Observada a legalidade tributária a respeito, superada se põe a r. sentença, ao mais se descendo pelo disposto no art. 515, CPC, não havendo de se falar em cerceamento. 5. Revela a inicial de embargos vontade apelante de contestar o pedido executório por negativa geral. Neste plano, deve-se recordar que, tendo os embargos natureza cognoscitiva desconstitutiva, revela-se ônus elementar ao embargante, aqui parte apelante, prove o desacerto da atividade fazendária embargada, inclusive jungido a observar a concentração probatória imposta em sede de preambular pelo §2º do art 16, LEF. 6. O bojo do feito aponta para a ausência de provas elementares, mínimas e cabais, lançando sobre o desfecho da demanda sinal de seu insucesso. 7. Irrefutável o desfecho de improcedência aos embargos, à míngua de evidências sobre o desacerto da atividade fazendária, tarefa da qual não se desincumbiu, como se observa. 8. Inabalada a presunção legal de liquidez e certeza de que desfruta o título em pauta, parágrafo único do art. 204, CTN, de rigor se revela a improcedência aos embargos em questão. 9. Invertida a condenação honorária advocatícia imposta, sendo fixada, agora, em favor do INSS, no importe de 10% sobre o valor da execução (R$ 1.434,83), atualizados monetariamente até seu efetivo desembolso. 10. Provimento à apelação e ao reexame necessário. Improcedência aos embargos.2 (destaquei). III. DISPOSITIVO Forte nos fundamentos expendidos, extingo o processo com resolução de mérito e julgo improcedentes os embargos para determinar o prosseguimento da execução nº 0005307-18.2010.4.05.8500, mantendo-se o saldo devedor no montante de R$ 42.973,22 (em novembro/2010), deduzindo-se daí todos os valores eventualmente constritos por meio do Bacen Jud. Defiro o benefício da justiça gratuita. Condeno, porém, o embargante ao pagamento de custas e honorários advocatícios, estes fixados no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), em razão de a questão ser exclusivamente de direito, de caráter simples, nos termos do art. 20, §4º, do CPC, cuja exigibilidade fica suspensa em razão da concessão do benefício da justiça gratuita, ressalvado a alteração das condições econômicas da autora e respeitado o lapso prescricional de 05 (cinco) anos (art. 12 e 13 da Lei n.º 1.060/50). Publicar. Registrar. Intimar. Juntar cópia desta sentença aos autos da execução nº 0005307-18.2010.4.05.8500. Aracaju, 05 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 AC 200002010456504, TRF2, T3 Especializada, Rel. Des. Federal José Antônio Lisboa Neiva, DJU 30/06/2009, p. 65. 2 TRF3, APELREE 20003990274972, Turma Suplementar da Primeira Seção, Rel. Juiz Silva Neto (convocado), DJF3 CJ1 08/10/2009, pg. 1135. ?? ?? ?? ?? Processo n° 0004771-70.2011.4.05.8500 II Telma Maria Santos Juíza Federal Processo n° 0003868-35.2011.4.05.8500

   

0005049-08.2010.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. ISABELA M. A. MORAIS REGO(FN)) x MARIA EMILIA DANTAS (Adv. JISELIA BATISTA SANTOS)

Nos termos do inciso 05, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da certidão da Contadoria do Juízo, de fl. 140, no prazo de cinco dias.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000402-04.2009.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. MARCUS VINICIUS LIMA FRANCO) x DOMINGOS SATIRO DE OLIVEIRA (Adv. JOSE ANTONIO SANTOS FERREIRA, MARCO ANTONIO PEDROSO, TONY CARLO CORREIA FERREIRA)

Em face da penhora de f. 198, intimar o executado, nos termos do art. 475-J, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil, para oferecer impugnação, querendo, em 15 (quinze) dias. Oficiar o Juízo da 3ª Vara Federal de Sergipe para informar acerca do andamento da execução promovida no processo nº 0001693-05.2010.4.05.8500, onde foi procedida a penhora no rosto dos autos.

   

0004145-13.1995.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA) x COMERCIAL DE TINTAS ATC LTDA (Adv. SEM ADVOGADO) x AIRTON TELES CORUMBA (Adv. SEM ADVOGADO) x LEDA MARIA DIAS CORUMBA (Adv. SEM ADVOGADO) x ADELMO TELES CORUMBA (Adv. SEM ADVOGADO, CLÉVERSON CHEVEL DOS S. FARO) x "MASSA FALIDA" ARMAZEM CORUMBA LTDA (Adv. HANSLEY RODRIGUES DOS SANTOS) x ALBERTO TELES CORUMBA (Adv. IRINEU ALVES ANDRADE, RAILDE CORREIA LIMA CORUMBA SILVA)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e documentos de fl. 531/534.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0005068-77.2011.4.05.8500 VIACAO SAO PEDRO LTDA (Adv. PAULO CESAR DO NASCIMENTO, CAROLINE BOTELHO DE ANDRADE, MARCOS VIANA GABRIEL DE SOUZA E SILVA, AMANDA CORREIA SILVA) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM ARACAJU/SE (Adv. SEM ADVOGADO)

Há erro material no despacho de f. 333. Onde se lê: "Tendo em vista a natureza infringente do pedido veiculado nos Embargos de Declaração de 328/332, determino a intimação do impetrado para se manifestar sobre os mesmos." Leia-se: Tendo em vista a natureza infringente do pedido veiculado nos Embargos de Declaração de 328/332, determino a intimação do impetrante para se manifestar sobre os mesmos.

   

0006484-80.2011.4.05.8500 MANOEL VIEIRA DANTAS ME (Adv. TARCISO ANDRÉ TARGINO MATOS) x PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINARIA DO ESTADO DE SERGIPE (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo nº 0006484-80.2011.4.05.8500 Classe 126 - Mandado de Segurança Impetrante: MANOEL VIEIRA DANTAS - ME Impetrado: PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA - CRMV E M E N T A: CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. MANDADO DE SEGURANÇA. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS. MÉDICO VETERINÁRIO. CONTRATAÇÃO. ANUIDADES. 1. A atividade básica da impetrante não se encontra entre as atividades específicas relacionadas ao exercício da Medicina Veterinária, previstas nos arts. 5º e 6º da Lei 5.517/68, para as quais os arts. 27, § 1º e 28 da referida lei estabelecem como obrigatórias as exigências feita pelo CRMV. 2. O CRMV não possui competência para instituir, por meio de resolução, exigência que extrapole as já previstas em lei. SENTENÇA I. RELATÓRIO Adoto inicialmente o relatório da decisão de f. 23: "MANOEL VIEIRA DANTAS - ME. impetrou Mandado de Segurança em face do PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE - CVRM com o fim de obstar fiscalização no estabelecimento do impetrante, afastar a exigibilidade de manutenção do registro e da contratação de um profissional médico veterinário no estabelecimento comercial, bem como a cobrança de multas e anuidades da impetrante perante o CVRM. Narra que autoridade apontada como coatora vem exigindo que a impetrante se inscreva no Conselho Regional de Medicina Veterinária, bem assim que contrate um profissional médico-veterinário. Alega, em síntese, que sua atividade empresarial não corresponde à medicina veterinária, aduzindo serem indevidas as exigências do CRMV. Requer medida liminar, inaudita altera parte, para afastar a exigibilidade do registro no referido Conselho e da contratação de um médico-veterinário para o estabelecimento comercial, declarar a nulidade de qualquer auto de infração lavrado contra ela com base na Lei n. 5.517/68, bem como cessar a cobrança de anuidades. Juntou procuração e documentos (fls. 12-28)." Registro, em adendo, que o pedido liminar foi parcialmente deferido (f. 23-27), determinando-se ao impetrado que se abstenha de exigir o registro da impetrante no CRMV e de contratar profissional médico veterinário, assim como para suspender a cobrança de multas e anuidades, sob pena de multa diária no valor de R$ 100,00 (cem reais). Devidamente intimado a prestar informações (f. 34), o impetrado deixou transcorrer o prazo sem apresentar qualquer manifestação (f. 37). O Ministério Público Federal opinou pela denegação da segurança pleiteada (f. 40-42). É o relatório. Decido. II. FUNDAMENTAÇÃO A questão ora posta cinge-se à possibilidade legal do CRMV fiscalizar, exigir a manutenção do registro e a contratação de um profissional médico veterinário, bem como cobrar multas e anuidades no estabelecimento comercial do impetrante. Como bem ponderou o juiz substituto, Dr. Fábio Cordeiro de Lima, quando da apreciação da liminar: "A concessão de liminar, em mandado de segurança, exige a presença concomitante dos dois pressupostos legais: a) a relevância do fundamento (fumus boni iuris); b) o perigo de um prejuízo se do ato impugnado puder resultar a ineficácia da medida caso, ao final, seja deferida (periculum in mora), nos termos do art. 7º, inciso III, da Lei n. 12.016/09: O periculum in mora está representado pelo fundado receio de sujeição à fiscalização, imposição de multas e obrigação de pagamento de anuidades ao CRMV, com evidentes reflexos econômicos na atividade comercial da empresa impetrante. Resta perquirir o fumus boni iuris. A Lei 5.517/68 dispõe sobre o exercício da profissão de médico-veterinário e cria os respectivos Conselhos. Ela determina às empresas que exercerem atividade peculiar à medicina veterinária o pagamento de taxa de inscrição e anuidade ao Conselho Regional de Medicina Veterinária, in verbis: Art. 27 As firmas, associações, companhias, cooperativas, emprêsas de economia mista e outras que exercem atividades peculiares à medicina veterinária previstas pelos artigos 5º e 6º da Lei nº 5.517, de 23 de outubro de 1968, estão obrigadas a registro nos Conselhos de Medicina Veterinária das regiões onde funcionarem. (Redação dada pela Lei nº 5.634, de 1970) § 1º As entidades indicadas neste artigo pagarão aos Conselhos de Medicina Veterinária onde se registrarem, taxa de inscrição e anuidade. (Incluído pela Lei nº 5.634, de 1970) § 2º O valor das referidas obrigações será estabelecido através de ato do Poder Executivo. (Incluído pela Lei nº 5.634, de 1970) Sem olvidar as atribuições do médico veterinário constantes no art. 5º da Lei 5.517/1968, assim estabelece o art. 6º: Art 6º Constitui, ainda, competência do médico-veterinário o exercício de atividades ou funções públicas e particulares, relacionadas com: a) as pesquisas, o planejamento, a direção técnica, o fomento, a orientação e a execução dos trabalhos de qualquer natureza relativos à produção animal e às indústrias derivadas, inclusive as de caça e pesca; b) o estudo e a aplicação de medidas de saúde pública no tocante às doenças de animais transmissíveis ao homem; c) a avaliação e peritagem relativas aos animais para fins administrativos de crédito e de seguro; d) a padronização e a classificação dos produtos de origem animal; e) a responsabilidade pelas fórmulas e preparação de rações para animais e a sua fiscalização; f) a participação nos exames dos animais para efeito de inscrição nas Sociedades de Registros Genealógicos; g) os exames periciais tecnológicos e sanitários dos subprodutos da indústria animal; h) as pesquisas e trabalhos ligados à biologia geral, à zoologia, à zootecnia bem como à bromatologia animal em especial; i) a defesa da fauna, especialmente o controle da exploração das espécies animais silvestres, bem como dos seus produtos; j) os estudos e a organização de trabalhos sobre economia e estatística ligados à profissão; l) a organização da educação rural relativa à pecuária. Por sua vez, a lei que disciplina o registro de empresas nos conselhos fiscalizadores do exercício de profissões (Lei 6.839/80), esclarece a questão: Art. 1º O registro de empresas e a anotação dos profissionais legalmente habilitados, delas encarregados, serão obrigatórios nas entidades competentes para a fiscalização do exercício das diversas profissões, em razão da atividade básica ou em relação àquela pela qual prestem serviços a terceiros. (Sem grifos no original). Pelos textos transcritos, verifica-se que apenas as empresas, cuja atividade esteja relacionada à medicina veterinária, encontram-se obrigadas ao registro no CRMV e devem possuir profissional técnico especializado na área. No entanto, conforme documentos anexados aos autos1, a impetrante atua no comércio varejista de animais vivos e de artigos e alimentos para animais de estimação, de ferragens e ferramentas, de planta e flores naturais e de outros artigos de uso pessoal e doméstico. Destarte, no caso dos autos, verifica-se que a atividade básica da impetrante não se encontra entre as atividades específicas relacionadas ao exercício da Medicina Veterinária, previstas nos arts. 5º e 6º da Lei 5.517/68, para as quais os arts. 27, § 1º e 28 da referida lei estabelecem como obrigatórias as exigências feita pelo CRMV. Por mais que uma empresa assim possa, em algum momento, necessitar dos préstimos de um veterinário, não se pode extrair disso ser a atividade veterinária peculiar à empresa. Os serviços podem ser necessários, assim como os prestados por contador, administrador, publicitário, advogado, etc., sem que nenhum desses seja essencial e sem que seja necessária a inscrição da empresa nos respectivos conselhos de classe (CRC, CRA, OAB etc.). Conclusão diferente levaria a crer que quaisquer padarias, mercearias, mercados, restaurantes, e mais um número infindável de estabelecimentos variados também estariam obrigados a pagar anuidade ao Conselho de Veterinária, e não se pode alargar dessa maneira o sentido da norma. Sendo assim, o CRMV não possui competência para instituir, por meio de resolução hierarquicamente inferior, exigência que extrapole as já previstas em lei. Nesse tema, os Tribunais Regionais Federais possuem entendimento pacífico no sentido da não submissão de empresas como a dos autos ao CRMV, sendo uníssonos inclusive quando se trata de comércio de animais vivos e produtos veterinários: MANDADO DE SEGURANÇA. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. EMPRESA QUE OPERA NA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS, RAÇÕES E ANIMAIS VIVOS. DESNECESSIDADE DE INSCRIÇÃO E MANUTENÇÃO DE MÉDICO VETERINÁRIO. RESOLUÇÃO 680/00. OFENSA AO PRINCÍPIO DA LEGALIDADE.1. Nos termos do disposto no art. 1º, do Decreto 69.134/71, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto 70.206/72, estão obrigadas à inscrição nos quadros do Conselho Profissional as empresas dedicadas à execução direta dos serviços específicos de medicina veterinária, previstos nos arts. 5º e 6º da Lei 5.517/68. 2. A impetrante dedica-se precipuamente ao comércio varejista e atacadista de produtos alimentícios, acessórios para criação de animais e animais vivos, atividades estas que não se relacionam com a execução direta dos serviços específicos de medicina veterinária. 3. A Resolução 680/00, expedida pelo apelante, extrapolou os limites de sua atuação, ao dispor, em seu art. 29, acerca da obrigatoriedade de registro das firmas ou entidades que comercializem produtos de uso animal ou rações para animais, haja vista que, como ato hierarquicamente inferior à lei, não tem o condão de modificar disposições expressas de texto legislativo, como o fez na espécie. 4. A Lei 5.517/68, no art. 5º, apenas faculta a manutenção de veterinário como responsável técnico nos estabelecimentos comerciais ou de finalidades recreativas, desportivas ou de proteção onde estejam, permanentemente, em exposição, em serviço ou para qualquer outro fim, animais ou produtos de sua origem. 5. Apelação provida2. ADMINISTRATIVO - CONSELHO PROFISSIONAL - ARMAZÉM DE MERCADORIAS DIVERSAS, DENTRE AS QUAIS ARTIGOS AGROPECUÁRIOS. 1. A Lei 6.839/80 e a jurisprudência entendem que o registro em conselho Profissional observa a atividade preponderante em cada caso. 2. A Lei 5.517/68, nos artigos 5º e 6º, elenca as atividades privativas do médico veterinário, não estando ali incluídos os estabelecimentos que vendem mercadorias agropecuárias. 3. Recurso especial improvido3. ADMINISTRATIVO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. COMÉRCIO DE RAÇÕES ANIMAIS. REGISTRO. DESNECESSIDADE. LEIS Nºs 5.517/68 E 6.839/80. - A impetrante se dedica, dentre outras atividades, ao comércio de rações animais, não tendo como atividades básicas aquelas peculiares à Medicina Veterinária, o que a desobriga do registro no Conselho Regional Fiscalizador. - A obrigatoriedade do registro em autarquia de fiscalização profissional - Conselhos Regionais - depende da atividade básica desenvolvida pela empresa ou dos serviços prestados a terceiros (Lei nº 6.839/80, art. 1º). - Precedentes jurisprudenciais desta eg. Turma e do C. STJ. - Apelação e remessa oficial improvidas4. Destaco que a legislação estadual5 somente exige que os estabelecimentos de comercialização de produtos de uso na pecuária tenha registro e credenciamento no órgão competente de Defesa Agropecuária6, que não se confunde com o registro junto a Conselho de Classe. Acrescenta, ainda, o decreto regulamentador estadual que, para efetivação desse registro, junto ao órgão de Defesa Agropecuária, é necessária a apresentação de contrato de prestação de serviço de responsável técnico, este sim, devidamente registrado no Conselho Regional da profissão7. Assim, tem-se que a legislação estadual não exige o registro do estabelecimento comercial junto ao Conselho Regional da profissão, mas tão somente o do seu responsável técnico, e, se assim o fizesse, estaria contrariando a lei federal e seu regulamento8, que dispõem sobre o exercício da profissão de médico-veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária, e usurpando competência da União. Por fim, quanto ao pedido da impetrante para que o CRMV se abstenha de fiscalizar suas atividades, entendo que o mesmo não merece ser acolhido, eis que a fiscalização tem o condão de verificar a permanência ou não das atividades ali desenvolvidas nos parâmetros determinados nesta decisão. Ante o exposto, defiro parcialmente a medida liminar pleiteada para determinar que a impetrada abstenha-se de exigir o registro da impetrante no CRVM e de contratar profissional médico veterinário, assim como para suspender a cobrança de multas e anuidades da impetrante, sob pena de multa diária no valor de R$ 100,00 (cem reais), além da configuração de crime de desobediência, previsto no art. 330 do Código Penal, sem prejuízo de outras cominações legais, nos termos do art. 26 da Lei n. 12.016/09." Após o deferimento da medida liminar, não houve novos fatos que ensejem a modificação do entendimento ali esposado, razão pela qual o adoto como fundamento da sentença. III. DISPOSITIVO Ante o exposto, CONCEDO PARCIALMENTE A SEGURANÇA, confirmando a medida liminar antes deferida, determinando que a impetrada se abstenha apenas de exigir o registro da impetrante no CRVM e de contratar profissional médico veterinário, assim como para suspender a cobrança de multas e anuidades da impetrante, sob pena de multa diária no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais), sem prejuízo das demais cominações legais cabíveis, especialmente o disposto no art. 26 da Lei n. 12.016/09. Considerando que a impetrante decaiu de parcela mínima do pedido, condeno o Impetrado à devolução das custas antecipadas pelo Impetrante (f. 21), acrescidas de correção monetária Sem honorários, nos termos das Súmulas 105, do STJ e 512, do STF e do Art. 25 da Lei nº 12.016/09. Sentença sujeita a reexame necessário. Publicar. Registrar. Intimar. Comunicar. Aracaju, 29 de fevereiro de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 Fls. 16/18. 2 TRF da 1 Região. 8ª Turma. AMS- 200241000047431/RO. Rel. Des. Maria do Carmo Cardoso, DJ Data: 1/10/2004, pág. 46. 3 STJ. 2ª Turma. RESP 447844/RS. Rel. Eliana Calmon. DJ Data 03.11.2003, p. 298. 4 TRF da 5ª Região. 1ª Turma. AC 344127/RN. Rel. Francisco Wildo. DJ Data 14.03.2005, p. 688. 5 Lei n. 3.112/91 e Decreto n. 18.959/00. 6 Art. 28, do Decreto n. 18.959/00. 7 Art. 28, § 1º. 8 Lei n. 5.517/68 e 64.704/69. ?? ?? ?? ?? Processo nº 0006484-80.2011.4.05.8500 7 PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Telma Maria Santos Juíza Federal 1

   

MEDIDA CAUTELAR DE EXIBIÇÃO

   

0004858-26.2011.4.05.8500 IVAHYR FARIAS SILVEIRA (Adv. LIANE SILVEIRA MOREIRA) x INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO EM SERGIPE - IFS. (Adv. SEM ADVOGADO)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e documentos de fl. 30/87, apresentados pelo(a) REQUERIDO.

   

OPOSIÇÃO

   

0002614-27.2011.4.05.8500 PEDRO BRITO DOS SANTOS E OUTRO (Adv. BRAULIO JOSE F DOS SANTOS, WELLINGTON SABACK RIBEIRO JUNIOR) x GILCELIO GONCALVES DE ALMEIDA E OUTRO (Adv. WILSON WYNNE DE OLIVA MOTA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Compulsando os autos, verifico que os réus Gilcélio Gonçalves de Almeida e Manuela Leite de Souza, apresentaram nos presentes autos manifestação à contestação referente à Impugnação ao Direito à Assistência Judiciária Gratuita, processo de nº 0003398-04.2011.4.05.8500 (fls. 81/82). Em face do exposto, foi certificado no processo nº 0003398-04.2011.4.05.8500, que a parte autora não se manifestou acerca do ato ordinatório de f. 20 (f. 23). Assim, desentranhar a petição de fls. 81/82, juntando-a ao processo nº. 0003398-04.2011.4.05.8500, juntamente com o presente despacho. Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 15/05/2012, às 15:00 horas, neste Juízo Federal. Os patronos devem trazer as testemunhas independentemente de intimação. Ficam as partes advertidas de que, após a instrução do feito, deverão apresentar, de imediato e na própria sessão, as suas razões finais. Intimar as partes para, nos termos do art. 407 do CPC, depositar em cartório, até quinze (15) dias antes da audiência, o rol de testemunhas. Providências necessárias.

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000094-07.2005.4.05.8500 GENIVAL SÁ MADUREIRA (Adv. DANIEL ALCANTARA DOS SANTOS) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 220), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0000500-72.1998.4.05.8500 HENRIQUE COSTA CAVALCANTE (Adv. THEOBALDO ELOY DE CARVALHO, ROSEANY MONTENEGRO CRUZ, ANA CARLA DANTAS CARVALHO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 05, art. 3º do Provimento nº 02, de 30 de novembro de 2000, da Corregedoria do Egrégio TRF da 5ª Região, faço vista dos autos ao exequente para se manifestar, querendo, sobre os termos da certidão da Contadoria do Juízo, de f. 255, no prazo de cinco dias.

   

0001563-35.1998.4.05.8500 OLIVA PARENTE PRADO (Adv. THEOBALDO ELOY DE CARVALHO, EUNICE DANTAS CARVALHO, ANA CARLA DANTAS CARVALHO, ANA CARLA DANTAS CARVALHO) x UNIÃO FEDERAL

Não conheço do pedido formulado na fl. 490, uma vez que não foi subscrito por advogado devidamente constituído. Ademais, pode a autora providenciar diretamente, junto à secretaria desta Vara, as cópias que julgar necessárias.

   

0003310-49.2000.4.05.8500 ANTÔNIO REINALDO COELHO CARVALHO E OUTROS (Adv. BENEDITO MELO DOS SANTOS) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fls. 532/534), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da Fazenda Nacional em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0003344-29.1997.4.05.8500 MARIA AUXILIADORA MENEZES DA COSTA (Adv. HENRI CLAY SANTOS ANDRADE, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 252), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0004338-66.2011.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DE SERGIPE (Adv. JOAO SANTANA FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA, JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS, MARCEL COSTA FORTES, RAFAEL COSTA FORTES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Processo nº 0004338-66.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - SINTSEP Réu: UNIÃO FEDERAL EMENTA: ADMINISTRATIVO. CONSTITUCIONAL. SALÁRIO MÍNIMO. GARANTIA LEGAL E CONSTITUCIONAL. BASE DE CÁLCULO. REMUNERAÇÃO. PERCEPÇÃO DE VPNI POR ERRO DA ADMINISTRAÇÃO. AUTOTUTELA ADMINISTRATIVA. PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. DESNECESSIDADE. PEDIDO DE MANUTENÇÃO DO PAGAMENTO. AUSÊNCIA DE DIREITO ADQUIRIDO A REGIME JURÍDICO. RESTITUIÇÃO DAS PARCELAS RECEBIDAS DE BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE. - a supressão de vantagem pecuniária indevida até então paga por erro da Administração não gera qualquer afronta à garantia da irredutibilidade de vencimentos prevista no texto constitucional; - em razão do poder de autotutela, inexiste obrigatoriedade de instauração de processo administrativo para resguardar situação de ilegalidade; - é incabível a restituição de valores recebidos indevidamente em razão de interpretação equivocada ou má aplicação da lei, quando verificada a boa-fé dos servidores beneficiados. SENTENÇA. I - RELATÓRIO Inicialmente, adoto o relatório de f. 73/77: "Trato de ação ordinária, com pedido de antecipação dos efeitos da tutela pelo SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO PÚBLICO - SINTSEP em face da UNIÃO FEDERAL, visando que seja declarada a ilegalidade da atuação administrativa do requerido, que estaria exigindo dos substituídos a devolução de valores a título de VPNI - IRRED.REM.ART.37-XV CF. Expôs que os substituídos são servidores públicos federais ativos e inativos integrantes da categoria profissional representada pelo SINTSEP, recebem há vários anos a vantagem denominada "Vantagem Pessoal Nominalmente Identificada" - VPNI. Afirmou que, a VPNI é uma vantagem recebida legalmente pelos servidores substituídos. Alega que, a justificativa exarada no Ofício Circular nº 002/2011 do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para a supressão da VPNI não merece prosperar, pois a vantagem percebida pelos servidores não foi instituída com o objetivo de complementar o salário mínimo, na verdade, foi instituída para evitar a redução de vencimentos. Ressalva que a própria nomenclatura da rubrica faz menção expressa ao art. 37, inciso XV, da Constituição Federal (VPNI-IRRED.REM.ART. 37). Asseverou, ainda, que, a Medida Provisória nº 431/2008 sofreu alterações, dentre elas, o previsto no art. 41,§ 5º, do RJU, no sentido de que nenhum servidor receberia remuneração inferior ao salário mínimo. Com sua conversão na Lei nº 11.784/2008, os servidores passaram a receber a VPNI, cujo objetivo é manter o patamar remuneratório dos servidores que já vinham percebendo complementação salarial. Com isso, as inovações legislativas não acarretariam decréscimo nos vencimentos dos administrados. Aduziu que a legalidade da referida gratificação deve ser discutida sob o alvedrio dos princípios constitucionais do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório, ou seja, o servidor público só pode perder um direito subjetivo mediante a instauração de um processo administrativo regular. Por fim, alegou a impossibilidade de ressarcimento de verbas recebidas pelo servidor de boa-fé. Requereu a antecipação dos efeitos da tutela, "ordenando que a parte adversa se abstenha de: a) suspender o pagamento das vantagens percebidas pelos Requerentes sob a rubrica VPNI-IRRED.REM.ART.37-XV CF, ou caso isso já tenha ocorrido, restabelecer o pagamento da referida vantagem; b) efetuar a cobrança de parcelas anteriormente percebidas pelos Requerentes". Juntou procuração e documentos (f. 17-71). Custas pagas (f. 19)." Acrescento ainda: Pedido de antecipação dos efeitos da tutela deferido parcialmente nas f. 73/77, determinando que a ré se abstenha de descontar nos vencimentos dos autores o ressarcimento da parcela relativa à VPNI RUBRICA IRRED. REM. ART. - XV CF". Citada (f. 83), a requerida solicitou a intimação do autor para indicar quais os substituídos que pretendem se beneficiar da antecipação de tutela deferida, bem como os órgãos da União aos quais estão vinculados (f. 87-88), o que foi deferido pelo despacho de f. 89. O requerente se manifestou na f. 93. A União apresentou contestação (f. 96/103), alegando, em síntese, que a exclusão da rubrica VPNI - 82601 decorreu de obediência ao princípio da legalidade, pois que lhe dá o poder de rever os seus atos quando eivados de vícios. Disse que a súmula 235 do TCU dispõe sobre a legitimidade da administração cobrar os valores indevidamente pagos aos seus servidores independentemente da boa ou má-fé destes. Ademais, informou que o pagamento equivocado da VPNI se deu por erro material e não por má interpretação da norma. Destacou que o STJ condena a restituição de valores pagos indevidamente aos servidores de boa-fé apenas nos casos de má interpretação das leis, o que, in casu, não se dá. No que tange às alegações autorais, asseverou que não há prova de que houve redução de vencimentos, logo, deve haver a reposição ao erário do que foi erroneamente recebido. Juntou procuração e documentos (f. 104-118). O autor apresentou réplica (f. 122-130), reiterando todos os termos da inicial. Na f. 133, foi facultada a produção de provas às partes. O SINTSEP deixou transcorrer in albis o prazo marcado (f. 134). Na f. 137, a ré informa que não tem provas a requerer. É o relatório. II - FUNDAMENTAÇÃO A hipótese dos autos guarda correspondência com a previsão legal do art. 330, I, do CPC, pelo fato da desnecessidade de produção de prova em audiência. Assim, cabível o julgamento antecipado da lide. Em um primeiro passo, cabe verificar a essência da rubrica 82601 - VPNI - Irred. Rem. art. 37, XV, CF. Tal rubrica surgiu em função do art. 40, da Lei 8.112/90, que dispunha o seguinte: Art. 40. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, com valor fixado em lei. Parágrafo único. Nenhum servidor receberá, a título de vencimento, importância inferior ao salário mínimo. Com a edição da MP 431/2008, em junho/2008, convertida na Lei nº 11.784, de 22/09/2008, houve alteração substancial da Lei 8.112/90, com a supressão do parágrafo único do art. 40 supra e a criação do §5º, do art. 41, conforme abaixo: Art. 41. Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei. ... §5º Nenhum servidor receberá remuneração inferior ao salário mínimo. (Incluído pela Lei nº 11.784/2008) Vê-se, com essa modificação, que a garantia do salário mínimo não mais está amarrada ao conteúdo do vencimento inerente ao cargo ocupado pelo servidor público, mas a toda a remuneração por ele auferida, resultando esta, nos termos da Lei nº 8.112/90, no conjunto de vencimentos mais vantagens de caráter permanente. Pois bem. A essência das rubricas VPNI 82600 e 82601 (inativos e ativos respectivamente), criadas pela Administração Pública, justifica-se em pagar ao servidor público eventual "complementação do salário-mínimo", então lhe assegurado pelo parágrafo único do art. 40, da Lei 8.112/90, caso o seu vencimento se apresentasse a menor, em respeito ao princípio da legalidade. Com a alteração legislativa, a garantia de pagamento do salário-mínimo passou a considerar não mais o vencimento básico do servidor, mas a sua remuneração total, que supostamente já ultrapassava o montante do salário-mínimo nacional pela garantia de que não poderia receber vencimento a menor. Com efeito, o quantum mínimo legalmente garantido ao servidor, apenas a título de vencimento, passou a fazer parte de toda a remuneração, advindo daí que o vencimento básico inerente ao cargo pode ser inferior ao salário-mínimo, sem qualquer afronta ao princípio da legalidade, nem a obrigatoriedade de pagamento de qualquer vantagem que tenha como objetivo o complemento do vencimento do cargo efetivo de forma a alcançar o patamar do salário-mínimo a partir da MP nº, de junho/2008. Diante disso, concluo que inexiste qualquer ofensa de ordem constitucional e legal, sobretudo à irredutibilidade de vencimentos, a atitude de a União suprimir o pagamento de tal rubrica, posto que atualmente desnecessária ao objetivo da sua gênese, de natureza complementar a partir de junho/2008, desde que ao servidor seja garantido o pagamento mínimo a título de remuneração. No caso dos autos, a Administração continuou atuando equivocadamente ao permanecer pagando a rubrica em questão, e, apenas com o advento do Ofício Circular nº 2/2011/SRH/MP, de 19/04/2011 (f. 23/24), verificou o pagamento irregular, cujo teor segue: ... Desse modo, a alteração legislativa provocou mudança no paradigma de pagamento do complemento de salário mínimo, ou seja, antes da edição da MP nº 431, de 2008 (convertida na lei nº 11.784, de 2008), pagava-se o referido complemento estipendiário quando o valor do vencimento básico do cargo efetivo do servidor fosse inferior ao valor do salário mínimo e a partir da edição desse diploma legal o paradigma passou a ser a remuneração do cargo efetivo do servidor. ... Diante do exposto, os órgãos e entidades integrantes do SIPEC deverão observar as seguintes orientações: 5.1. apurar as ocorrências em desacordo com o §5º, do art. 41, da Lei 8.112/90; 5.2. Notificar os servidores que tenham recebido valores indevidos para que, em 30 dias, apresentem a devida defesa, em respeito aos princípios do contraditório e da ampla defesa; 5.3. cessar os pagamentos irregulares de VPNI cujo paradigma seja o valor do vencimento básico, passando a observar o novo paradigma do §5º, do art. 41, da Lei 8.112/90, a saber, o valor da remuneração do cargo efetivo; e 5.4. promover o levantamento dos valores passíveis de reposição ao erário e providenciar a devolução aos cofres públicos, se for o caso, na forma do art. 46, da Lei. 8.112/90, haja vista a ocorrência de erro material da Administração. Ora, o caso em exame versa sobre situação em que não há direito adquirido ao recebimento de determinada verba. A garantia constitucional a ser observada é a da irredutibilidade de vencimentos. Frise-se que o posicionamento uníssono dos Tribunais Superiores é no sentido de que os servidores públicos apenas possuem direito adquirido ao quantum remuneratório e não ao regime de remuneração ou de composição dos vencimentos. O Supremo Tribunal Federal,1 categoricamente, afirma que "não pode o agente público opor, à guisa de direito adquirido, a pretensão de manter determinada fórmula de composição de sua remuneração total, se, da alteração, não decorre a redução dela". Em adendo, a Corte Constitucional2 entende que não há infringência ao princípio constitucional da irredutibilidade de vencimentos quando o valor nominal é preservado. Nesse quadro, os autores afirmam que, diante de uma situação jurídica incorporada ao patrimônio do servidor público, cumpriria à Administração a abertura de processo administrativo em que fosse assegurada a ampla defesa e o contraditório antes de suprimir de seu contracheque a vantagem em questão. Sobre o tema, deve-se abordar o limite do poder de autotutela da Administração Pública diante de uma situação de equívoco na sua própria atuação. Significa dizer que, em sendo necessário, a Administração poderá rever e anular seus próprios atos, amoldando-se-os ao aspecto da legalidade. Para tanto, a situação ora posta se amolda ao prisma da auto-executoriedade, a Administração detém o poder de, por iniciativa própria, rever e anular seus atos para alcançar os aspectos da legalidade. Dessa forma, respeitados os limites constitucional e legal de irredutibilidade de vencimentos e os poderes que lhe são imanentes, cabe à Administração, diante de uma situação ilegítima, o dever legal de revisar os atos por ela mesma praticados de forma a coibi-la. Não se trata, o caso em questão, de ato supostamente atribuído a servidor público, onde se faz imprescindível a abertura de processo administrativo para a configuração de uma situação fática, em que necessariamente se façam presentes o contraditório e a ampla defesa, nem de supressão de seu direito adquirido, eis que a VPNI até então paga não mais encontrava amparo legal. Nesse sentido, colho os seguintes arestos jurisprudenciais oriundos do TRF-5: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. ADICIONAL POR TEMPO DE SERVIÇO. ANUÊNIO. INTELIGÊNCIA DO ART. 67, DA LEI Nº 8.112/90. PERCENTUAL INCIDENTE SOBRE VENCIMENTO BÁSICO. ILEGALIDADE DA ADMINISTRAÇÃO. PODER-DEVER DE AUTOTUTELA. ADEQUAÇÃO AO DITAME LEGAL. CABIMENTO. AUSÊNCIA DE DIREITO À MANUTENÇÃO DO EQUÍVOCO. INEXISTÊNCIA DE AFRONTA AO DEVIDO PROCESSO LEGAL E À AMPLA DEFESA. APELO E REMESSA OFICIAL PROVIDAS. 1 - O cerne da presente demanda consiste em verificar se a UFC poderia promover a suspensão do pagamento dos anuênios, calculados com base no valor da remuneração (vencimento acrescido de vantagens pecuniárias permanentes) percebida pelos servidores inativos/ apelados, e a alteração na sua forma de cálculo sem franquear aos interessados a instauração prévia do correspondente processo administrativo; 2 - Ora, in casu, pode ser constatado que a UFC realizou o pagamento de anuênios, calculando o seu valor respectivo com base na remuneração (proventos) percebida pelos servidores inativos, o que de pronto se mostra contrário à disposição legal, uma vez que o legislador utilizou a palavra "vencimento", no singular, para delimitar a correta base de cálculo, a qual é definida também legalmente como a retribuição pecuniária pelo exercício do cargo público, com valor fixado em lei; 3 - Na verdade, não há necessidade de maiores digressões interpretativas acerca dos elementos que devem integrar o valor sobre o qual deverá incidir o índice de 1% (um por cento), uma vez que legalmente se destaca a sua composição unitária, não havendo qualquer previsão legal de integrar quaisquer vantagens ou acréscimos pecuniários recebidos a qualquer título pelo servidor; 4 - Por sua vez, é cediço que poder-dever de autotutela da Administração Pública envolve o controle da legalidade de seus atos, os quais devem observar estritamente às prescrições legais. Nesse passo, tem-se que a continuidade da anterior forma de cálculo do referido adicional resultará em clara divergência ao comando legal respectivo. Assim, não há como se afastar do presente feito a aplicação da Súmula nº 473, do Supremo Tribunal Federal (STF); 5 - Por outro lado, não prospera a alegação de que a alteração e consequente supressão no cálculo do anuênio, realizadas pela UFC, estaria lesando a garantia ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa, até porque não se pode invocar tais princípios para resguardar qualquer forma de ilegalidade; 6 - Nessa linha, não restam dúvidas de que as garantias constitucionais existem para proteger o interessado de ilegalidades ou ações abusivas eventualmente perpetradas pela Administração Pública, o que não se configura na vertente hipótese, uma vez que a recorrente somente promoveu a adequação de sua atuação perante os servidores inativos, de maneira a atender ditame legal expresso; 7 - Desse modo, não há como prevalecer a tese de que a base de cálculo do anuênio deveria ser o valor do vencimento básico e quaisquer outras vantagens permanentes, como a Gratificação de Estímulo à Docência (GED), e de necessidade de instauração de prévio processo administrativo, para fins de alteração, pela Administração Pública, da forma de cálculo da citada vantagem especialmente diante do teor da Súmula nº 473, do STF; 8- Precedentes desta Segunda Turma; 9 - Apelação e remessa oficial providas. (destaquei)3 CONSTITUCIONAL. ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO PROVENTOS DE APOSENTADORIA. DECISÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. SUPRESSÃO DE VALORES PAGOS INDEVIDAMENTE. QUESTÃO DE DIREITO. DESNECESSIDADE DE PRÉVIO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO. AUTOTUTELA DA ADMINISTRAÇÃO. DIREITO ADQUIRIDO E IRREDUTIBILIDADE DE VENCIMENTOS. INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO. 1. O servidor público não tem direito adquirido a regime jurídico, que pode ser alterado no interesse da Administração, ressalvada apenas a irredutibilidade dos salários. (STF, RE 211903/SC, Rel.p/acórdão Min.Celso de Mello, DJ 28.04.2000 e RMS 23458, Rel. Min. Marco Aurélio, DJ 03.05.2002.) 2. O Tribunal de Contas da União efetuou a revisão dos proventos dos substituídos, ajustando o que de fato lhes era devido. Assim, havendo apenas retificação dos proventos com a finalidade de excluir vantagens pecuniárias pagas indevidamente, reveste-se de legalidade o ato da Administração. 3. A anulação do ato administrativo somente depende da instauração de prévio procedimento administrativo, no qual se assegure ao interessado o direito à ampla defesa e ao contraditório, quando envolver o reexame de matéria fática, o que não é o caso dos autos, uma vez que se trata de matéria exclusivamente de direito. (Precedente do STF, RE 158453/PB, Rel. Min. Marco Aurélio, DJ 06.10.1995.) 4. Inexiste ofensa aos princípios constitucionais do direito adquirido e da irredutibilidade de vencimentos, uma vez que o ato contrário à lei não gera, para o servidor público, o direito de continuar recebendo vantagens pecuniárias indevidas, já que não se adquire direito contra a lei, enquanto a garantia constitucional da irredutibilidade de remuneração não impede que a Administração retifique os vencimentos dos servidores públicos com a finalidade de excluir vantagens pecuniárias pagas indevidamente. (STF, RE AgR 411327/SP, Rel. Min. Eros Grau, DJ 24.06.2005.) 5. Apelação a que se nega provimento.4 (destaquei) ADMINISTRATIVO E CONSTITUCIONAL. DECADÊNCIA. INOCORRÊNCIA. SERVIDOR PÚBLICO INATIVO. VANTAGEM DO ART. 184, II, DA LEI N. 1.711/52. CONCESSÃO IRREGULAR. SUPRESSÃO. QUESTÃO DE DIREITO. AUTOTUTELA DA ADMINISTRAÇÃO. PAGAMENTO INDEVIDO. DIREITO ADQUIRIDO E IRREDUTIBILIDADE DE VENCIMENTOS. INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO. SENTENÇA REFORMADA. SEGURANÇA DENEGADA. APELAÇÃO E REMESSA OFICIAL PROVIDAS. 1. A impetrante foi aposentada por invalidez quando ocupava o cargo de assistente de administração, classe C, padrão VI, estando posicionada em classe intermediária, pelo que não faz jus à vantagem do art. 184, II, da Lei n. 1.711/52, que previa um aumento de 20% do provento ao servidor ocupante da última classe da respectiva carreira, que lhe foi concedida indevidamente pela Administração em momento posterior à aposentadoria. 2. A egrégia Terceira Seção do STJ fixou o entendimento de que a Lei nº 9.784/99 não tem incidência retroativa, estando os atos praticados antes de sua entrada em vigor sujeitos ao prazo qüinqüenal tendo como termo inicial o da vigência da norma que o estabeleceu, razão pela qual não restou verificada a decadência neste caso concreto em que o ato impugnado data de julho de 2003. Precedentes desta Corte. 3. É pacífico o entendimento jurisprudencial segundo o qual, no exercício do poder de autotutela dos seus atos, a Administração deve anular, de ofício, os seus atos quando eivados de ilegalidade, ou pode revogá-los por motivo de conveniência e oportunidade, desde que resguardado o direito adquirido, na dicção da Súmula 473 do STF. 4. A anulação do ato administrativo somente depende da instauração de prévio procedimento administrativo, no qual se assegure ao interessado o direito à ampla defesa e ao contraditório, quando envolver o reexame de matéria fática. Tal não se exige quando a matéria tratada for exclusivamente de direito, ou seja, versar sobre a aplicação ou interpretação de texto normativo, como ocorre no caso em exame, em que a supressão da parcela dos proventos da impetrante não exige a abertura de prévio procedimento administrativo, pois não há exame de questão fática. 5. Inexiste ofensa aos princípios constitucionais do direito adquirido e da irredutibilidade de vencimentos, uma vez que o ato contrário à lei não gera, para o servidor público, o direito de continuar recebendo vantagens pecuniárias indevidas, já que não se adquire direito contra a lei, enquanto a garantia constitucional da irredutibilidade de remuneração não impede que a Administração retifique os vencimentos dos servidores públicos com a finalidade de excluir vantagens pecuniárias pagas indevidamente. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que são irredutíveis apenas os vencimentos e proventos constitucionais e legais, jamais os ilegais (STF, RE AgR 411327/SP, Rel. Min. Eros Grau, DJ. 24.06.05, p. 37). 6. Apelação e remessa oficial providas para cassar a liminar, reformar a sentença recorrida e denegar a segurança. Custas pela impetrante, isenta em face da concessão da justiça gratuita. Sem condenação em honorários advocatícios, nos termos da Súmula n. 105 do STJ5.(destaquei) Por outro lado, no que diz respeito ao pedido de impedimento de cobrança das parcelas anteriormente recebidas de boa-fé pelos servidores, razão assiste ao demandante. No caso, a parcela foi paga pela Administração em decorrência da aplicação de lei, independente de requerimento do servidor, sem que aí se registre qualquer conduta maculada pela má-fe dos mesmos. Nesse contexto, exigir a devolução dos valores recebidos em decorrência de erro unilateral da Administração constitui um ato que interfere o direito patrimonial dos autores, ferindo o princípio da segurança jurídica. Em adição, é imperativo observar que a parcela paga aos autores teve a natureza jurídica de verba alimentar. Sobre ela, cria-se uma expectativa de que os valores recebidos são legais por conta da presunção de legalidade dos atos administrativos. A jurisprudência acerca da matéria é farta e de há muito se posicionou no sentido de que o servidor público que recebe parcela remuneratória indevida de boa-fé, por erro da Administração quando da aplicação de dispositivo legal, e não apenas de má interpretação da norma, não está obrigado a restituir os cofres públicos, conforme se depreende dos julgados a seguir: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. INCORPORAÇÃO DE QUINTOS. LEI Nº 9.784/1999. APLICAÇÃO RETROATIVA. ACÓRDÃO COM FUNDAMENTO EMINENTEMENTE CONSTITUCIONAL. VALORES RECEBIDOS INDEVIDAMENTE. BOA-FÉ. RESTITUIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. (...) 2. A jurisprudência desta Corte firmou entendimento de ser incabível a restituição de valores recebidos indevidamente em razão de interpretação equivocada ou má aplicação da lei, quando verificada a boa-fé dos servidores beneficiados. 3. Agravo regimental a que se nega provimento. (STJ - AGA 902663/DF - 6ª Turma - Rel. Min. Paulo Gaollotti, j. 01/04/08, pub. DJ 22/04/08, p. 1) EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RECURSO ESPECIAL - DESCONTO DE VALORES RECEBIDOS DE BOA -FÉ POR SERVIDOR PÚBLICO EM DECORRÊNCIA DE ERRO DA ADMINISTRAÇÃO - IMPOSSIBILIDADE - EMBARGOS REJEITADOS. 1. O requisito estabelecido pela jurisprudência, para a não devolução de valores recebidos indevidamente pelo servidor, não corresponde ao erro da Administração, mas, sim, ao recebimento de boa-fé. 2. Pelo princípio da boa-fé, postulado das relações humanas e sociais, deve-se orientar o Direito, sobretudo as relações de trabalho entre agente público e Estado. (RMS 18.121, Rel. Min. Paulo Medina) 3. Valores recebidos indevidamente pelo servidor, a título de vencimento ou de remuneração, não servem de fonte de enriquecimento, mas de subsídio dele e de sua família. 4. Ainda que o recebimento de determinado valor por servidor público não seja devido, se o servidor o recebeu de boa -fé e com base na teoria da aparência, não se pode exigir sua restituição. Precedentes. 5. Embargos de divergência conhecidos, porém rejeitados. (STJ EREsp 612101/RN - 3ª Seção - Rel. Min. Paulo Medina, j. 22/11/2006, pub. DJ 12/03/2007, p. 198) ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. VENCIMENTOS. RESTITUIÇÃO. BOA-FÉ. 1.Tendo o servidor agido de boa-fé ao perceber valores referentes à VPNI num determinado montante, implantado pela própria Administração, posteriormente reputado superior ao limite permitido, não é razoável que se imponha a sua restituição. 2. Remessa oficial improvida. (TRF 5ª Região - REO 447103/PE - 2ª Turma - Rel. Des. Fed. Luiz Alberto Gurgel de Faria, j. 15/07/08, pub. DJ 06/08/08, p. 234, nº 150) ADMINISTRATIVO. RESTITUIÇÃO AO ERÁRIO DOS VALORES PERCEBIDOS A TÍTULO DE "ABONO DE PERMANÊNCIA". DESCABIMENTO. COMPROVADA BOA-FÉ. 1. Inexistência de amparo legal para a iniciativa da autoridade impetrada de pretender impor a devolução de verbas de natureza alimentar, recebidas de boa-fé, por servidor público. 2. Ausentes as condições jurídicas para a prática do ato contra o qual se insurge a Apelante. Verbas que são insusceptíveis de restituição, ainda quando se tenha concluído, posteriormente, que o pagamento seria indevido. 3. Não se comprovando que o servidor tenha dado causa ao pagamento indevido da vantagem, a nulidade do ato não implica devolução das verbas por ele percebidas de boa-fé. Precedente. Apelação e Remessa Oficial improvidas. (TRF da 5ª Região - AMS 99969/PB - 3ª Turma - Rel. Des. Fed. Élio Wanderley de Siqueira Filho, jl. 15/05/08, pub. DJ 31/07/08, p. 425, nº 146) ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. RECEBIMENTO INDEVIDO. BOA-FÉ. RESTITUIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. (...) 2. É pacífico na jurisprudência o entendimento de que, constatada a boa-fé do servidor, não devem ser devolvidos ao erário os valores pagos a maior pela Administração Pública; 3. Deveria a Administração ter sido mais diligente, de forma a evitar os pagamentos posteriores à reforma da sentença. Não tendo assim procedido, é descabida a sua pretensão de reaver os montantes já pagos; 4. Agravo retido não conhecido. Apelação e remessa oficial improvidas. (TRF da 5ª Região - AMS 99738/CE - 3ª Turma - Rel. Des. Fed. Paulo Roberto de Oliveira Lima, j. 15/05/08, pub. DJ 24/07/08, p. 215, nº 141) Ressalte-se que o STF não apenas coaduna do entendimento esposado, como expressamente prevê que a impossibilidade de restituição de verbas recebidas pelo servidor de boa-fé se sobrepõe à citada súmula 235 do TCU, conforme destacado pelo TRF da 5ª Região: PROCESSUAL CIVIL. MANDADO DE SEGURANÇA. ATO EXECUTÓRIO EMANADO DO PRESIDENTE DESTA CORTE, AINDA QUE POR FORÇA DE DECISÃO DO TCU. LEGITIMIDADE. SERVIDOR PÚBLICO. VERBAS PERCEBIDAS DE BOA-FÉ. DEVOLUÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Cuida-se de mandado de segurança, com pedido liminar, impetrado por NICIELMA CAVALCANTI DA SILVA em face de ato praticado pelo Presidente deste Tribunal Regional Federal da 5ª Região que determinou a devolução ao erário dos valores recebidos pela impetrante, a título de vencimento integral do cargo em comissão acrescido do pagamento de VPNI advinda de quintos ou décimos incorporados, a partir de 19.03.2002. 2. Se ao impetrado cabe o cumprimento das medidas necessárias para promover o ressarcimento ao erário, é o mesmo, parte legítima para figurar na presente ação. Coator é aquele que processa o ato impugnável. A materialização do ato é que define a autoridade que pode ser processada como autoridade coatora. Legitimidade do Presidente deste Tribunal para figurar como autoridade impetrada. 3. "A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial" (Súmula 473 do STF). 4. Não obstante a Súmula nº. 235 do TCU disponha que diante do recebimento indevido do servidor ou pensionista, por ato viciado, é possível à Administração reconhecê-lo e exigir a reposição, a Suprema Corte (STF) tem chancelado a manutenção do status quo ante, relativamente às verbas percebidas pelos funcionários de boa-fé (RE 80.913-RS; RE 88.110/78-RJ; RE 76.055/73-MA; Reclamação 67.315/73-SP, Rel. Min. Aliomar Baleeiro - fls. 66/67). 5. Hipótese em que a União, por sua iniciativa, pagou à impetrante valores que, à época, entendia devidos. Portanto, não há que se falar em devolução de quantias que, na verdade, foram pagas por erro da própria Administração, reconhecido posteriormente. 6. Cabe à Administração Pública, ao anular atos anteriormente praticados, instaurar procedimento regular, com garantia do contraditório e da ampla defesa. 7. Ante a necessidade de se preservar os valores supremos do ordenamento jurídico, a segurança jurídica e a certeza do direito, impõe-se reconhecer a inexigibilidade da restituição ao erário. 8. Concessão da segurança, restando prejudicado o agravo da União. (TRF 5ª Reg., PROCESSO: 200805001153718, MS102356/PE, DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA, Pleno, JULGAMENTO: 22/06/2011, PUBLICAÇÃO: DJE 30/06/2011 - Página 35). III - DISPOSITIVO Diante do exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido autoral, extinguindo o processo com resolução de mérito, nos termos do artigo 269, inciso I, do CPC, apenas para que a ré se abstenha de exigir dos autores a restituição dos valores percebidos sob a rubrica de VPNI - IRRED. REM. ART. 37-XV CF por meio de descontos em seus vencimentos. Custas e honorários pro rata, ante a sucumbência recíproca. Sentença sujeita a reexame necessário (art. 475, I do CPC). Publicar. Registrar. Intimar. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na distribuição e arquivar os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 01 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal da 1ª vara 1 MS 24875 / DF - Distrito Federal Mandado de Segurança Relator(a): Min. Sepúlveda Pertence Julgamento: 11/05/2006 Órgão Julgador: Tribunal Pleno. 2 RE -AgR 364387/MS, Rel. Min. Ellen Gracie, DJ: 09/05/2003 e RE-ED 468076/RS, Rel. Min. Celso de Mello, DJ: 07/03/2006. 3 TRF5, AC 391208/CE, T2, Rel. Des. Federal Paulo Gadelha, de 18/05/2010, DJE 25/05/2010, p. 381. 4 TRF1, AC 200234000293994, T1, Rel. Juiz Federal Antônio Francisco do Nascimento (Conv.), e-DJF 1, de 22/02/2010, p 33. 5 TRF1, AC 200339000082100, T1, Rel. Juíza Federal Sônia Diniz Viana (Conv.), e-DJF 1, de 12/11/2008, p. 69. ?? ?? ?? ?? Processo nº 0004338-66.2011.4.05.8500 2 Telma Maria Santos Juíza Federal PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0004446-03.2008.4.05.8500 MAURCIO VICENTE FAGONI SERAFIM (Adv. LUCIANA ALMEIDA MENEZES, UDINE ANTONIO BRANDÃO CARDOSO) x COMANDANTE DO 28 BATALHAO DE CACADORES (EXERCITO BRASILEIRO) E OUTRO (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 374/375), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0004950-04.2011.4.05.8500 SINDISCOSE - SINDICATO DOS SERVIDORES EM CONSELHOS E ORDENS DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL NAS ENTIDADES E AFINS DO ESTADO DE SERGIPE (Adv. THENISSON SANTANA DORIA, JULIO CARRERA CORREIA) x CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMOVEIS 16 REGIAO (Adv. JOSE AUGUSTO COSTA SOBRINHO, VALQUIRIA NATHALI CAVALCANTE FALCÃO)

Considerando que na data aprazada para a realização da audiência (10/05/2012) haverá inspeção ordinária nesta Vara, redesigno-a para o dia 24/05/2010, às 15h30min. Intimações necessárias.

   

PRESTAÇÃO DE CONTAS - EXIGIDAS

   

0001463-26.2011.4.05.8500 PAG LEV GLOBO LTDA (Adv. CARLOS KLEBER DE ANDRADE, FLÁVIA CARINA CARVALHO MATOS, CLODOALDO ANDRADE JUNIOR, CELIA MARIA DE SOUZA ANDRADE, JOSEVAL CRAVO FERNANDES JÚNIOR, ADRIANA OLIVEIRA FONTES) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS) x ITAÚ UNIBANCO HOLDING S/A (Adv. TATIANE DANTAS DAMASCENO DE ARAÚJO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE Proc. JF/SE. N. 0001463-26.2011.4.05.8500 - 1ª Vara. Classe 227: Prestação de Contas Autor: Pag Lev Globo LTDA Ré: Caixa Econômica Federal SENTENÇA Prolatada sentença de f.408/421, os autores opuseram embargos de declaração de f. 433/437. Na oportunidade, apontaram suposto vício de obscuridade no julgado. Alegou que não houve obediência ao rito procedimental da ação de prestação de contas e que a apresentação dos extratos da conta fundiária da ex-empregada da embargada, atendeu ao objeto da ação de prestação de contas, qual seja, informar e comprovar o destino do numerário depositado na conta vinculada. A embargada foi intimada (f.439) e se manifestou afirmando que inexiste obscuridade na sentença embargada, uma vez que os extratos acostados aos autos pela embargante não atendem ao objetivo da ação de prestação de contas. Relatado. Decido. A teor da norma processual pertinente, tal recurso é cabível quando: I - houver, na sentença ou no acórdão, obscuridade ou contradição. II - for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou tribunal1. Da simples leitura do dispositivo legal transcrito, infere-se que o pedido aclaratório pressupõe a existência de obscuridade e/ou contradição e/ou omissão no comando judicial. Assim, os embargos de declaração constituem remédio de natureza hermenêutico-integrativo, visando a suprir eventuais vícios de erro material, omissão, contradição ou obscuridade, que comprometam os atributos da clareza do decisum, sendo incabíveis quando inexistirem os vícios acima apontados. No caso em análise, não vislumbro qualquer obscuridade na sentença embargada. No que tange ao rito procedimental, não houve qualquer irregularidade, tendo em vista que, após a contestação da CEF, a autora foi intimada para se manifestar sobre a documentação juntada pela instituição financeira e manifestou seu interesse no prosseguimento da demanda. Já no que tange à alegação da CEF de que foram devidamente prestadas as contas, houve manifestação expressa deste juízo quanto à inaptidão da documentação juntada pela instituição financeira para demonstrar a destinação dos valores depositados na conta fundiária da ex-empregada da autora (f.419): Ao contrário do que alegado pela CEF, a apresentação dos extratos não exauriu a pretensão autoral. Isto porque muitas vezes os extratos não são claros quanto à escrituração dos créditos e débitos, dos lançamentos, com a utilização de siglas que somente a instituição financeira tem condições de informar o seu significado (...) Na verdade, com a presente insurgência, a embargante deseja atribuir efeitos infringentes ao julgado, desviando-se do manejo do recurso apropriado. Destarte, a via se apresenta inadequada para o alcance do objetivo da embargante, não sendo este o meio próprio para uma alteração no conteúdo decisório. É remansoso o entendimento de que: Inexistindo na decisão embargada omissão a ser suprida, nem dúvida, obscuridade ou contradição a serem aclaradas, rejeitam-se os embargos de declaração. Afiguram-se manifestamente incabíveis os embargos de declaração à modificação de substância do julgado embargado (...)"2. Ante o exposto, porque ausente qualquer dos elementos autorizativos insertos no art. 535, do CPC, deixo de acolher os presentes embargos. Restitua-se o prazo recursal. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 02 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 - CPC, art. 535, II. 2 STJ, EDcl 13.845, rel. Min. César Rocha, j. 29.06.92 ?? ?? ?? ??

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000636-15.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS) x EDISON JOSE DOS SANTOS (Adv. KALIANY VARJÃO DE SANTANA OLIVEIRA, MARCEL COSTA FORTES, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA, JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS)

Nos termos do § 4º, do art. 162, do CPC, intimar a CEF para receber o alvará expedido, na Secretaria deste Juízo.

   

0001233-57.2006.4.05.8500 CARMOSITA DOS SANTOS (Adv. MANOEL CARLOS DE MATTOS) x COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO S FRANCISCO E DO PARNAIBA (Adv. MARIA DA SALETE FREIRE, CÍNTIA PEREIRA RIBEIRO)

A sentença de f. 297/305 decidiu a causa nos seguintes termos: "Diante do exposto, julgo o pedido PARCIALMENTE PROCEDENTE, extinguindo o processo com resolução de mérito (art. 269, I, do CPC), para condenar a CODEVASF a indenizar a Autora pelos: a) danos materiais - consistentes no pagamento de uma pensão mensal à Autora, arbitrada no valor de 1/2 salário mínimo até a época em que a vítima completaria 65 anos, ou até o falecimento da mãe, tendo como termo inicial a data em que a vítima faria 16 anos de idade (momento em que o direito laboral admite o contrato de trabalho), já considerada a culpa concorrente e gravíssima da vítima; b) danos morais - arbitrados no valor de R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais), já considerada a culpa concorrente e gravíssima da vítima. A atualização dos valores decorrentes da indenização será calculada da seguinte maneira: a) danos materiais - a dívida deverá ser atualizada monetariamente de acordo com o Manual de Orientação de Procedimentos para Cálculo na Justiça Federal (Resolução CJF 561 de 02 de julho de 2007), e acrescida de juros moratórios de 1% ao mês, nos temos art. 406 do Código Civil, com o entendimento que lhe foi concedido pelo Enunciado nº. 20 CJF, ambos contados do vencimento de cada parcela mensal, até a data do efetivo pagamento; b) danos morais - a partir da data da sentença a dívida deverá ser atualizada monetariamente de acordo com o Manual de Orientação de Procedimentos para Cálculo na Justiça Federal (Resolução CJF 561 de 02 de julho de 2007), e acrescido de juros moratórios de 1% ao mês, a contar do evento danoso, até a data do efetivo pagamento, nos temos art. 406 do Código Civil, com o entendimento que lhe foi concedido pelo Enunciado nº. 20 CJF. Considerando a sucumbência recíproca, condeno a demandada, também, ao pagamento de custas e honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 2.500,00 (dois mil quinhentos reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º, c/c o art. 21, ambos do CPC. (...) Publique-se. Registre-se. Intime-se." A requerida interpôs recurso de apelação (f. 310/325). Em grau de recurso, o TRF/5ª Região negou provimento aos agravos retidos e à apelação adesiva e deu parcial provimento ao apelo do réu para, no tocante à pensão determinar o pagamento de 2/3 do salário mínimo até 25 anos, e a partir daí, reduzida para 1/3 do salário até a idade em que a vítima completaria 65 anos, mantendo o valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a título de danos morais. (f. 350/351). Certidão de trânsito em julgado, f. 352. Quanto à obrigação de efetuar o pagamento da pensão, intimar a CODEVASF para demonstrar o cumprimento da obrigação determinada no acórdão de f. 350/351, no prazo de 30 (trinta) dias, sob pena de aplicação de multa de R$ 50,00 (cinquenta reais) por dia de atraso, advertindo que a multa incidirá automaticamente após o decurso do prazo sem manifestação (art. 461, e §5º). Caso já tenha cumprido, deverá informar a partir de quando. Decorrido o prazo supra, sem notícia do cumprimento, intimar a CODEVASF, na pessoa do seu Procurador-Chefe, para demonstrar o cumprimento da obrigação de fazer determinada na referida sentença, no prazo de 10 (dez) dias, advertindo-lhe que já está incidindo a multa ora imposta. Na mesma oportunidade, intime-se também, pessoalmente, o Diretor Geral da CODEVASF, para cumprir o determinado acima, em igual prazo, informando-lhe que além a cobrança da multa, o descumprimento implicará também: 1) aplicação das sanções previstas no art. 14, parágrafo único, do CPC, em razão da ofensa ao estabelecido em seu inciso V, fixando-lhe multa no valor de 5% (cinco por cento) do valor da causa (R$ 75.194,74); 2) apuração de eventual responsabilidade criminal. No mais alerto que se for aplicada sanção que resulte em prejuízo ao erário, o fato será comunicado ao TCU - Tribunal de Contas da União, com a respectiva motivação. Com a juntada do comprovante da obrigação de fazer, intimar a parte credora para se manifestar acerca do seu adimplemento no prazo de cinco dias. Em caso de divergência quanto ao integral cumprimento da obrigação de fazer, venham-me conclusos. Quanto à obrigação de pagar danos morais e honorários advocatícios, em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1. Intimar o devedor/CODEVASF da descida dos autos e para que efetue o pagamento da quantia devida, no prazo de 15(quinze) dias, na forma do art. 475-J, do Código de Processo Civil, sob pena de aplicação de multa no percentual de dez por cento sobre o valor do débito. 2. Não havendo pagamento, aplico multa de 10% e arbitro honorários advocatícios em 10% sobre o total do débito devidamente atualizado, independentemente de impugnação (Resp 1.134.186/RS). 2.1. Intimar o credor para, querendo, promover o cumprimento de sentença no prazo de 30 dias (art. 614, II, CPC). Observando-se a ordem de preferência prevista no art. 655, inciso I, do CPC, proceder à penhora e avaliação em bens do(a) executado(a), atentando-se para o disposto no § 1º, art. 475-J, do CPC. Lavrado o auto de penhora e avaliação, intime-se o executado, na mesma oportunidade, nos termos do art. 475-J, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil, para oferecer impugnação, querendo, em 15 (quinze) dias. 2.2. Caso não haja requerimento do credor, arquivar os autos, dada a baixa na distribuição, ressalvando o direito de, a qualquer tempo, enquanto não prescrito o crédito, dar prosseguimento à execução. 3. Sendo positivas as diligências e após o transcurso do prazo de impugnação, intimar o exequente, no prazo de dez dias, acerca da penhora efetivada, do laudo de avaliação, e ainda para dizer se tem interesse na adjudicação do bem penhorado, na forma do art. 685-A do CPC. Na ausência de interesse, informar se pretende realizar a alienação particular, na forma do art. 685-C do CPC. 4. Ultrapassadas as hipóteses dos arts. 685-A e 685-C do CPC, sem êxito, intime-se o exeqüente para indicar leiloeiro oficial para a realização da hasta pública, declinando seu endereço completo e o número do telefone, nos termos dos arts. 686 e 706 do CPC. 5. Atendida a diligência, designar data para a realização de leilão, com as cautelas de praxe, procedendo à intimação das partes. Nomeio o leiloeiro indicado pela exeqüente para realizar a hasta pública, fixando sua comissão, no caso de haver licitantes, em 5%(cinco por cento) - bem móvel ou 3% (três por cento) - bem imóvel, sobre o valor da arrematação, a ser paga pelo arrematante. 6. Sendo o valor dos bens penhorados inferior a 60 salários-mínimos, determino que a hasta pública seja realizada nos termos do art. 686, § 3º, do CPC. 7. Não logrando êxito a penhora, voltem-me os autos conclusos. 8. Caso não seja localizado o executado, intime-se a parte credora para, em 30 (trinta) dias, diligenciar acerca do endereço atualizado do devedor. 9. Não cumprida a diligência determinada no item "8", arquivem-se os autos, com baixa na distribuição, ressalvando-se ao exeqüente o direito de prosseguir com a execução, a qualquer tempo, desde que ainda não prescrita a obrigação e cumprida a diligência mencionada.

   

0001357-69.2008.4.05.8500 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. ELOÁ DE FREITAS CARDOSO CANGUSSÚ, MÁRIO MÁRCIO DE SOUZA MAZZONI, GEANE MONTEIRO GUIMARÃES, ANA CLAUDIA DA SILVA CABRAL, JOSE JACONIAS DE OLIVEIRA) x Prest Manutenção de Equipamentos e Serviços Gerais E OUTRO (Adv. DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO)

Nos termos do inciso 19, art. art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, faço vista destes autos ao ilustre representante da CEF sobre a certidão negativa do Sr. Oficial de Justiça, de fl. 205 e sobre a certidão de f. 207.

   

0001676-32.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x JOHN FAGNER PREJUÍZO (Adv. SEM ADVOGADO) x MICHELLE COUTINHO DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Processo nº 0001676-32.2011.4.05.8500 - 1ª Vara Classe 24 - Ação de Reintegração de Posse Autor: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF Réu: JONH FAGNER PREJUÍZO E OUTRO E M E N T A: CIVIL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. ARRENDAMENTO RESIDENCIAL. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. PAR. INADIMPLÊNCIA 1. O PAR, instituído pela Lei nº 10.188/2001, possui notória relevância social, possibilitando à população de baixa renda adquirir o imóvel destinado à sua moradia, através de prestações mensais reduzidas. 2. Diante da inadimplência do requerido, e da indevida destinação do bem, não se mostra plausível, numa conjuntura de déficit habitacional, afastar a incidência da cláusula contratual relativa à rescisão por inadimplemento de obrigação pecuniária, enquanto muitos potenciais arrendatários esperam ser contemplados com os benefícios do programa de Arrendamento Residencial - PAR. S E N T E N Ç A. I. RELATÓRIO Inicialmente, adoto o relatório de f. 29, complementado pelo de f. 37-38: Versam os autos acerca de Reintegração de Posse, com pedido de liminar, ajuizada pela Caixa Econômica Federal - CEF em face de JOHN FAGNER PREJUÍZO e MICHELLE COUTINHO DA SILVA por infringência ao disposto nas cláusulas terceira e sexta do Contrato Particular de Arrendamento Residencial com Opção de Compra e Venda, que tinha por objeto o arrendamento do imóvel situado na Av. Contorno, n. 275, condomínio Colinas Residências, apt. 203, edf. "Colina da Lua, bairro Santos Dumont, Aracaju/SE. Referido dispositivo indica que os arrendatários obrigam-se ao pagamento de IPTU, despesas com energia elétrica, água, taxas de iluminação pública, taxas de limpeza urbana, prêmios de seguros e mensalmente o pagamento da taxa de arredamento, prêmios de seguros e taxas de condomínio, quando for o caso, na forma, prazos e condições estabelecidos no contrato, ressaltando a Autora que o seu descumprimento implica a rescisão do contrato. Em sede de liminar, requer a reintegração da posse "inaudita altera partes". Juntou procuração e documentos (fls. 10/28). Custas iniciais pagas (f. 09). Audiência de justificação designada (f. 29). A certidão de f. 36 informou que os réus não foram encontrados no endereço informado na exordial, bem assim que a sobrinha do requerido, de pré-nome Elane, atualmente reside no imóvel É o relatório. Passo a decidir." Acrescento ainda: Em decisão (f. 37/38), deferi o pedido liminar de reintegração de posse, oportunidade em que foi concedido à CEF o prazo de 20 (vinte) dias para informar o endereço dos réus. Em f. 44/46, a CEF requereu o aditamento da petição inicial para acrescer à causa de pedir a não moradia dos arrendatários, em descumprimento à cláusula terceira e dando ensejo à rescisão contratual, conforme cláusula décima nona, inc. I e V do contrato celebrado. Requereu a expedição do mandado liminar de reintegração e indicou os endereços dos requeridos. Os requeridos Jonh Fagner Prejuízo e Michelle Coutinho da Silva foram pessoalmente citados (f. 51 e 68 respectivamente) sem que apresentassem defesa, conforme certidão de f. 69. A reintegração do bem à CEF foi consolidada (f. 58/59). Esclareço que a Defensoria Pública requereu vista dos autos (f. 60) e não se manifestou, apenas restituiu os autos, conforme petição de f. 64. As partes foram intimadas para se manifestarem sobre eventuais provas a serem produzidas e silenciaram. A DPU, no entanto, justificou sua conduta no desinteresse do réu. Os autos vieram conclusos para prolação de sentença. II. FUNDAMENTAÇÃO No mérito, observo que o PAR, instituído pela Lei nº 10.188/2001, possui notória relevância social, possibilitando à população de baixa renda adquirir o imóvel destinado à sua moradia, através de prestações mensais reduzidas. Tal programa concretiza o princípio da dignidade da pessoa humana e do direito à moradia, ambos constitucionalmente tutelados. A CEF alegou, inicialmente, a situação de inadimplência dos requeridos. De acordo com o disposto no art. 9º, da referida lei, em havendo descumprimento da obrigação pecuniária por parte do arrendatário, deve haver a notificação ou interpelação do devedor para o fim de constituição de sua mora, oportunizando-se sua purgação e, findo o prazo sem pagamento dos encargos em atraso, fica configurado o esbulho possessório que autoriza o arrendador a propor a competente ação de reintegração de posse. Posteriormente, a CEF alegou também que os arrendatários não moravam no local, embasada na certidão do oficial de justiça, seguo a qual a ocupante do bem, quando da primeira tentativa de reintegração, era a Sra. Elane, sobrinha do réu, e que os primeiros haviam se mudado após o término do casamento. Noto ser o caso de invocar o art. 8º, da mesma legislação, o qual prevê que o contrato de aquisição de imóveis pelo arrendador, as cessões de posse e as promessa de cessão, bem como o contrato de transferência do direito de propriedadae ou do domínio útil ao arrendatário, serão celebrados por instrumento particular com força de escritura publica e registrados em Cartório de Registro de Imóveis competente. Nesse caminho, a cláusula terceira do contrato em questão dispõe sobre a destinação do imóvel, conforme abaixo: CLÁUSULA TERCEIRA - DO RECEBIMENTO E DA DESTINAÇÃO DO IMÓVEL ARRENDADO - o imóvel objeto deste contrato, ora recebido pelos ARRENDATÁRIOS, conforme Termo de Recebimento e Aceitação que passa a fazer parte integrante deste instrumento, será utilizado exclusivamente pelos ARRENDATÁRIOS para sua residência e de sua família, com a consequente assunção de todos os encargos e tributos incidentes sobre o imóvel, tais como: Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU, despesas com energia elétrica, ..., etc, incumbindo-lhes manter em perfeitas condições de habitabilidade do imóvel, assim como sua integridade física e conservação até a resolução do presente contrato. Pois bem, os réus foram pessoalmente citados e não apresentaram defesa (f. 72), fazendo incidir ao caso o instituto da revelia. É unânime na construção doutrinária que a revelia aplicada tem como efeito material a presunção de veracidade dos fatos alegados pela parte autora. Diante disso, não posso me furtar a examinar a prova dos autos. Os argumentos trazidos pela CEF, ainda que pudessem desconstituir a condição de mora na qual se inserem os devedores, somam-se à situação fática descrita pelo Oficial de Justiça (f. 36), e demonstram que os mesmos também não mais residem no bem. Assim, diante da inadimplência dos requeridos e do abandono do bem em favor de terceira pessoa, não se mostra plausível, numa conjuntura de déficit habitacional, afastar a incidência da cláusula contratual relativa à rescisão por inadimplemento de obrigação pecuniária, e de destinação diferente da contratada, enquanto muitos potenciais arrendatários esperam ser contemplados com os benefícios do programa de Arrendamento Residencial - PAR. Dessa forma, após concedida a liminar que determinou a reintegração do bem à parte autora, não houve fatos que ensejem a alteração do entendimento ali esposado, razão pela qual também o adoto como fundamento da sentença. III. DISPOSITIVO Em face do exposto, julgo procedente o pedido, com fulcro no art. 269, II, do CPC, e determino a reintegração de posse do imóvel descrito em f. 12. Não há custas a serem excutidas, tendo em vista que o valor irrisório das mesmas sequer compensaria o gasto do erário para cobrá-las. Condeno os requeridos em honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 300,00 (trezentos reais) para cada um, nos termos do art. 20, §4º do CPC. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 05 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0002271-36.2008.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, CICERO CORBAL GUERRA NETO) x RUBENS MENEZES DOS SANTOS (Adv. ALEXANDRE DE ARAUJO AZEVEDO)

No dia 29/02/2012, utilizei do convênio BACENJUD, objetivando o bloqueio do valor executado porventura existente em conta bancária do(s) devedor(es) e a consequente quitação do débito. Caso resulte positivo o bloqueio diligenciado conforme explicitei acima, intimar o(s) devedor(es), por publicação, na pessoa do seu procurador, da penhora que recair sobre a importância bloqueada, para impugnar nos termos do art. 655-A, § 2º do CPC, se quiser. Transcorrido o prazo sem tal impugnação, transferir a quantia para uma conta judicial. Diante da ineficácia da aplicação do BACEN, verificar, junto ao RENAJUD a existência de bens, passíveis de constrição, em nome da parte executada. Caso sejam encontrados bens, defiro a penhora e avaliação dos mesmos. Restando ineficazes as providências acima enumeradas, concedo à parte credora o prazo de dez dias para informar a este Juízo onde se encontram os bens que assegurem o cumprimento desta execução, sob pena de arquivamento dos autos com baixa, ressalvando-se a hipótese de desarquivamento, desde que o respectivo crédito não se encontre atingido pela prescrição.

   

0002289-86.2010.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE) x ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO CENTRO SUL DE SERGIPE - AMURCES (Adv. WILSON RAMALHO CAVALCANTI NETO, PHILIPE SANTOS ALMEIDA)

No dia 29/02/2012, utilizei do convênio BACENJUD, objetivando o bloqueio do valor executado porventura existente em conta bancária do(s) devedor(es) e a consequente quitação do débito. Resultou positivo o bloqueio diligenciado conforme documento de fl.393. Assim, intimar o(s) devedor(es), por publicação, na pessoa do seu procurador, da penhora que recair sobre a importância bloqueada, para impugnar nos termos do art. 655-A, § 2º do CPC, se quiser. Transcorrido o prazo sem tal impugnação, transferir a quantia para uma conta judicial.

   

0002325-94.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x JOSUE APOSTOLO FERREIRA (Adv. SEM ADVOGADO)

DESPACHO DE FL. 47: (...) Intimar a CEF para vir receber o alvará em cinco dias, bem como para, no prazo de 15 dias, requerer o que lhe aprouver. Transcorrido o prazo acima sem que a credora traga aos autos informações que viabilizem o prosseguimento do feito, arquivar os autos com baixa na Distribuição, ressalvando à CEF o direito de prosseguir com o feito, a qualquer tempo, enquanto não prescrito o crédito. Intimar.

   

0003707-35.2005.4.05.8500 JOSÉ TADEU DE MELO (Adv. CARLOS EDUARDO REIS CLETO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Intimar a parte autora para se manifestar, no prazo de 05(cinco) dias, sobre a decisão de fls. 549/550, cálculo de fl. 551 e petição de fl. 554.

   

0003981-09.1999.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x GILBERTO VIEIRA DOS SANTOS (Adv. HORACIO VITALIANO LUCAS DOS SANTOS)

O presente feito não pode ficar indefinidamente à espera de informações que viabilizem o cumprimento da execução. Indefiro o pedido de suspensão formulado (f. 146) e determino o arquivamento dos autos na forma do despacho de f. 140. Intimar.

   

0004230-86.2001.4.05.8500 PEDRO BARBOSA DOS SANTOS E OUTROS (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 571/578), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0005238-83.2010.4.05.8500 JOSÉ HONORINO RIBEIRO (Adv. LAFAIETE REIS FRANCO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, JORGE SOUZA ALVES FILHO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS)

Trasladar para os autos principais cópia do relatório, voto, acórdão proferidos pelo Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região e respectiva certidão de trânsito em julgado. A sentença de fls. 78/86 julgou o pedido, nos seguintes termos: "... Diante do exposto, julgo parcialmente procedentes os embargos extinguindo o processo com resolução do mérito (art. 269, inciso I, do CPC), para: a) declarar indevida a cobrança cumulativa de comissão de permanência, juros de mora e correção monetária; b) determinar que sejam excluídos da cobrança do débito exeqüendo os valores decorrentes da capitalização mensal dos juros; Condeno o requerido em custas processuais e honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. Juntar cópia desta sentença nos autos da execução de título extrajudicial nº 97.0005811-5. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos." A parte autora e a CEF interpuseram recurso de apelação. Em grau de recurso, o TRF da 5ª Região negou provimento às apelações. Certidão de trânsito em julgado (f. 134). Em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1 - intimar a devedora (CEF) do trânsito em julgado da sentença e para cumprimento do decisum, em 15 dias, sob pena de multa de 10% sobre o montante total devido; 2 - se o devedor não cumprir o decisum voluntariamente, aplico multa de 10%. Nesse caso, intimar o credor para, querendo, no prazo legal, promover o cumprimento da sentença; 3 - caso o exequente requeira, expedir mandado de penhora e avaliação; 4 - transcorrido o prazo legal sem manifestação ou na ausência de interesse do credor, arquivar os autos, com baixa, até posterior deliberação.

   

0006064-85.2005.4.05.8500 CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA - CRO/SE (Adv. ROBERTO BALDO CUNHA) x LIEGE OMENA DOMINGOS (Adv. JOAO BARBOSA PEREIRA, ROUSSEAU OMENA DOMINGOS)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o pagamento foi efetivado pela devedora (fl. 334), evidenciando devidamente cumprida a sua obrigação em favor da parte credora, inclusive já demonstrado o levantamento do valor em questão por meio de alvará (fl. 341). Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA

   

0002573-60.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x MIRALDETE MENEZES DA SILVA (Adv. SEM ADVOGADO, RAFAEL SANDES SAMPAIO)

Recebo a apelação em ambos os efeitos, com a ressalva do alcance para a antecipação dos efeitos da tutela, em face do disposto no art. 520, VII, do CPC. Intimar o apelado/autor para, querendo, trazer sua resposta, no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe. Intimar.

   

0002842-02.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x HAMILTON JOSÉ NASCIMENTO (Adv. DONIZETE DOS SANTOS PRATA) x ROSA (Adv. ALCIVAN MENEZES SILVEIRA FILHO, JOSE VIEIRA DA ROCHA, ALCIVAN MENEZES SILVEIRA, ROBSON JOSÉ DE CARVALHO)

Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 17/04/2012, às 15:30 horas, neste Juízo Federal. Os patronos devem trazer as testemunhas independentemente de intimação. Ficam as partes advertidas de que, após a instrução do feito, deverão apresentar, de imediato e na própria sessão, as suas razões finais. Intimar as partes para, nos termos do art. 407 do CPC, depositar em cartório, até quinze (15) dias antes da audiência, o rol de testemunhas. Providências necessárias.

   

0004541-28.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, ISMAEL COSTA MOURA, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x EMERSON DOS SANTOS (Adv. JOSE VALERIO DE A. FERNANDES, JOÃO LEÃO SANTOS JUNIOR, ANDRE GUSTAVO FREIRE CASTELLO BRANCO DE ARAUJO)

DESPACHO DE FL. 95: (...) Intimar o exequente (CEF) para receber o alvará e para, no prazo de 05 (cinco) dias, dizer se tem algo mais a requerer. Após, venham os autos conclusos.

   

0006655-37.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x ALINE SILVA PINTO (Adv. SEM ADVOGADO)

Redesigno a audiência, anteriormente marcada para o dia 20/03/2011, para o dia 18/04/2012, às 10:00 horas.

   

0006975-87.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x GIOVANDA DE MENEZES GUIMARAES (Adv. SEM ADVOGADO)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Processo nº 0006975-87.2011.4.05.8500 Classe 233 - Ação de Reintegração de Posse. Autora: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. Réu: GIOVANDA DE MENEZES GUIMARÃES SENTENÇA Cuido de ação de reintegração de posse, com pedido de liminar, ajuizada pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL em face de GIOVANDA DE MENEZES GUIMARÃES, objetivando a reintegração definitiva da autora na posse do imóvel. Designada audiência prévia (fl. 33), a CEF requereu a extinção do feito, em razão do pagamento da dívida pela requerida (fl. 48). É o relatório. Passo a decidir. Configurado o pagamento da dívida em que se funda a ação, conforme petição de fl. 48, EXTINGO O FEITO COM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, nos termos do art. 269, III, c/c o art. 329, ambos do CPC. Custas pagas (fl. 12). Cada parte arcará com os honorários advocatícios de seus respectivos patronos. Cancelar audiência prévia designada na f. 33. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 05 de março de 2012. Telma Maria Santos Juíza Federal

   

AÇÃO PENAL

   

0001285-77.2011.4.05.8500 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (Adv. EDUARDO BOTAO PELELLA)

Recebo o recurso de apelação, declarando-lhe ínsitos os efeitos suspensivo e devolutivo. Intimar a defesa para, no prazo de 08 (oito) dias, apresentar suas razões recursais. Apresentadas as razões do recurso, dar vista ao Ministério Público Federal para, em igual prazo (oito dias), ofertar, querendo, suas contra-razões. Após, remeter os autos ao egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com as cautelas de praxe.

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000805-65.2012.4.05.8500 PEDRO TOLEDO DA SILVA (Adv. CARLOS ALBERTO PEREIRA. BARROS) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Intimar as partes para, em 15 (quinze) dias, dizerem se pretendem produzir outras provas, justificando-as. Na mesma oportunidade, devem acostar o respectivo rol de testemunhas, em caso de requerimento de produção de prova oral, com fulcro no art. 407, do Código de Processo Civil.

   

0001160-12.2011.4.05.8500 KELLY CRISTIANE DE OLIVEIRA DIAS COSTA (Adv. LAFAIETE REIS FRANCO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, JORGE SOUZA ALVES FILHO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x CAIXA SEGURADORA S/A (Adv. BRUNO NOVAES ROSA, GISELE VIRGÍNIA MARQUES REPOLHO SOARES)

Processo nº. 0001160-12.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: KELLY CRISTIANE DE OLIVEIRA DIAS COSTA Réu: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Assistente Litisconsorcial: CAIXA SEGURADORA S/A SENTENÇA 1. RELATÓRIO KELLY CRISTIANE DE OLIVEIRA DIAS COSTA ajuizaram ação sob o rito ordinário em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, objetivando a declaração da nulidade da cláusula vigésima do contrato de financiamento nº 810450001350, de modo que a ré seja compelida a promover a cobertura securitária contratada, independentemente da carência aposta, bem como procedendo à devolução de todas as parcelas e acessórios pagos pela mutuaria desde a negativa. Afirma que: 1) em 14 de janeiro de 2010 a autora e seu marido, Abel Cardoso da Costa, celebraram contrato de financiamento de imóvel junto à CEF, tombado sob o nº 810450001350; 2) em 11 de fevereiro de 2010, seu esposo cometeu suicídio sem que a família pudesse entender os motivos, uma vez que não passavam por problemas de ordem financeira ou familiar; 3) ao requerer a cobertura securitária contratada obrigatoriamente para o financiamento, teve seu pedido indeferido com base na cláusula 8.1, alínea d do contrato, que nega cobertura par os casos de óbito por suicídio ocorrido antes do decurso de 24 meses da celebração do contrato. Alega que: 1) os seguros de danos físicos ao imóvel (DFI) e de morte e invalidez permanente (MPI), no sistema financeiro de habitação, decorrem de determinação legal e tem por desiderato garantir que uma das partes seja indenizada em razão da ocorrência de evento futuro e eventual; 2) o estabelecimento de qualquer cláusula de carência no contrato de seguro, além de não encontrar respaldo legal, refuta o próprio objetivo da lei; 3) conforme entendimento de Tribunais Superiores, o suicídio involuntário (ou não premeditado) deve possuir os mesmos efeitos de uma morte acidental, haja vista tratar-se de ato inconsciente e de desequilíbrio emocional; 4) a tese da não cobertura somente deve vigorar quando a situação fática possibilitar a comprovação da má-fé ou premeditação do segurado, sendo provado pela seguradora que o indivíduo tinha a real intenção de enriquecer seus beneficiários; 5) o não fornecimento de cópia do contrato gera a nulidade da cláusula que estipula o prazo de carência; 6) a imposição de cláusula que onera demais o consumidor é nula de pleno direito, nos moldes do art. 51 do CDC, bem como as que restringem direito sem o devido destaque; 7) o ônus de provar que o suicídio foi premeditado é da CEF, com base nas regras do CDC. Juntou documentos (f. 16/79). Citado (f. 85/86), a CEF apresentou contestação (f.93/103) argüindo, preliminarmente a ilegitimidade ativa da autora, a ilegitimidade passiva da CEF e requerendo a denunciação da lide a CAIXA SEGURADORA S/A. No mérito, aduziu em síntese, que: 1) o CC de 2002 adotou, no art 798, critério objetivo que permite a exclusão do risco da seguradora para suicídios ocorridos nos dois primeiros anos de contratação, sendo desnecessária a comprovação de que o suicídio foi premeditado; 2) como se trata de seguro contratual, a empresa só deve ser responsável pelos riscos expressamente assumidos, já que a relação é puramente obrigacional; 3) o suicídio do segurado tem todas as características de premeditação; 4) como o segurado ameaçava se matar a todo momento, o risco da contratação não era aleatório no momento da contratação, ao contrário, já estava em curso, porém só o mutuário sabia. Por fim, pugnou pela carência de ação por ilegitimidade ativa, a citação da CAIXA SEGURADORA e a rejeição dos pedidos. A CAIXA SEGURADORA atravessou petição requerendo a admissão de sua intervenção litisconsorcial voluntária, tendo em vista que funciona como gestora do seguro adquirido pela autora e tendo interesse jurídico na lide. Requereu, ainda, o reconhecimento da ilegitimidade ativa da CEF e a remessa dos autos à Justiça Estadual (f.166/168). Na mesma ocasião, apresentou contestação (f.184/195) na qual reiterou a preliminar de ilegitimidade passiva da CEF e a consequente incompetência do juízo federal, bem como a ilegitimidade ativa da autora. No mérito, reiterou os argumentos apresentados pela CEF, acrescentando que também não assiste direito à autora ao ressarcimento das parcelas pagas após o sinistro, uma vez que não houve pagamento indevido. Contudo, caso seja acolhido tal pedido, ressalta que cabe à seguradora o pagamento, à estipulante, da participação de renda do segurado sinistrado, cabendo à CEF a responsabilidade pelas parcelas pagas. Em réplica (f.306/326), a autora defendeu sua legitimidade afirmando ser a única administradora dos bens do de cujus, bem assim figura como compradora/devedora no contrato em questão. Refutou a ilegitimidade da CEF, com base no art. 28, §2º do CDC, concordou com a inclusão da CAIXA SEGURADORA no pólo passivo da lide e ratificou os argumentos contidos na inicial. Em decisão (f.328/330), foi deferido o pedido de inclusão da CAIXA SEGURADORA S/A no pólo passivo e reconhecida a legitimidade passiva da CEF. A autora juntou réplica à contestação da CAIXA SEGURADORA concordando com sua intervenção litisconsorcial, bem como defendendo a legitimidade passiva da CEF e a competência da Justiça Federal. No mérito, ratificou os argumentos já apresentados (f. 326/348). Intimadas sobre o interesse na produção de provas, a CEF arrolou uma testemunha (f. 351), enquanto a autora e a CAIXA SEGURADA nada requereram (f. 352). Em despacho (f. 353), foi determinado à CEF que justificasse o pedido de oitiva da testemunha arrolada, o que foi feito nas f. 357. É o relatório. Passo a decidir. 2. FUNDAMENTAÇÃO 2.1. Do indeferimento da prova testemunhal A parte autora requereu a produção de prova testemunhal (f. 351 e 357). Por sua vez, o Juiz pode fundamentadamente indeferir a produção de prova requerida pelas partes, quando a considerar desnecessárias para a solução da demanda, possuindo o poder-dever de julgar a lide antecipadamente, desprezando a realização de audiência para a produção de provas ao constatar que o acervo documental é mais do que suficiente para a formação do convencimento. PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL. AUSÊNCIA DE OMISSÃO, CONTRADIÇÃO OU FALTA DE MOTIVAÇÃO NO ACÓRDÃO A QUO. DESNECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVA. JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE. LIVRE CONVENCIMENTO DO MAGISTRADO. ACERVO DOCUMENTAL SUFICIENTE. NÃO-OCORRÊNCIA DE CERCEAMENTO DE DEFESA. REEXAME DE PROVA. SÚMULA Nº 07/STJ. IMPOSSIBILIDADE. DENÚNCIA ESPONTÂNEA. PARCELAMENTO DO DÉBITO, OU SUA QUITAÇÃO COM ATRASO. MULTA MORATÓRIA. CABIMENTO. APLICAÇÃO DA LC Nº 104/01. ART. 155-A DO CTN. TAXA SELIC. LEI Nº 9.250/95. TERMO A QUO DE SUA INCIDÊNCIA. UTILIZAÇÃO EM PERÍODOS DIVERSOS DE OUTROS ÍNDICES. PRECEDENTES. 1. Decisão a quo clara e nítida, sem omissões, contradições ou ausência de motivação. O não-acatamento das teses do recurso não implica cerceamento de defesa. Ao juiz cabe apreciar a questão de acordo com o que entender atinente à lide. Não está obrigado a julgá-la conforme o pleiteado pelas partes, mas sim com seu livre convencimento, usando fatos, provas, jurisprudência, aspectos atinentes ao tema e legislação que entender aplicáveis ao caso. Não obstante a oposição de embargos declaratórios, não são eles mero expediente para forçar o ingresso na instância especial, se não há vício para suprir. Não há ofensa ao art. 535, II, do CPC quando a matéria é devidamente abordada no aresto a quo. 2. Quanto à necessidade da produção de provas, o juiz tem o poder-dever de julgar a lide antecipadamente, desprezando a realização de audiência para a produção de provas ao constatar que o acervo documental é suficiente para nortear e instruir seu entendimento. É do seu livre convencimento o deferimento de pedido para a produção de quaisquer provas que entender pertinentes ao julgamento da lide. 3. Nos termos da reiterada jurisprudência do STJ, "a tutela jurisdicional deve ser prestada de modo a conter todos os elementos que possibilitem a compreensão da controvérsia, bem como as razões determinantes de decisão, como limites ao livre convencimento do juiz, que deve formá-lo com base em qualquer dos meios de prova admitidos em direito material, hipótese em que não há que se falar cerceamento de defesa pelo julgamento antecipado da lide" e que "o magistrado tem o poder-dever de julgar antecipadamente a lide, desprezando a realização de audiência para a produção de prova testemunhal, ao constatar que o acervo documental acostado aos autos possui suficiente força probante para nortear e instruir seu entendimento" (REsp nº 102303/PE, Rel. Min. Vicente Leal, DJ de 17/05/99) 4. Precedentes: MS nº 7834/DF, Rel. Min. Félix Fischer; REsp nº 330209/SP, Rel. Min. Ari Pargendler; REsp nº 66632/SP, Rel. Min. Vicente Leal, AgReg no AG nº 111249/GO, Rel. Min. Sálvio De Figueiredo Teixeira; REsp nº 39361/RS, Rel. Min. José Arnaldo da Fonseca. Inexistência de cerceamento de defesa em face do indeferimento de prova pleiteada. 5 a 11. omissis 12. Agravo regimental não-provido. 1 Ao ser intimada para dizer do seu interesse na produção de provas, a CEF arrolou testemunha, funcionária da CEF que, segundo ela, comprovaria ter sido entregue à autora cópia do contrato, por ocasião de sua assinatura. Na espécie, entendo que é prescindível a realização dos meios de prova indicados pela parte autora, uma vez que a entrega de cópia do contrato poderia ser comprovada documentalmente, mediante recibo assinado pelos mutuários, mas não perante depoimento de uma de suas funcionárias, que devo ressaltar, não poderia nem sequer ser ouvida como testemunha, mas sim como declarante. Ressalte-se que, ainda que fosse entregue, tal fato não seria impedimento para o recebimento ou não do seguro pelas razões expostas no mérito. Assim, indefiro a produção da prova oral. Neste toar, o processo se encontra suficiente instruído, uma vez que o mérito da demanda é composto basicamente de matéria de fato e de direito, que não necessita da produção de prova oral em audiência, circunstância que autoriza o julgamento antecipado da lide, a teor do art. 330, inc. I, do CPC. Cumpre relembrar, para fins de eventuais embargos de declaração, que incumbe ao órgão julgador decidir o litígio segundo o seu livre convencimento motivado, utilizando-se das provas, legislação, doutrina e jurisprudência que entender pertinentes à espécie. Assim, o julgador não se encontra obrigado a manifestar-se sobre todas as alegações das partes, nem a ater-se aos fundamentos indicados por elas ou a responder, um a um, a todos os seus argumentos, quando já encontrou motivo suficiente para fundamentar a decisão. Isto porque a decisão judicial não constitui um questionário de perguntas e respostas, nem se equipara a um laudo pericial a guisa de quesitos. Neste sentido, colacionam-se os seguintes precedentes: "O não acatamento das argumentações contidas no recurso não implica cerceamento de defesa, posto que ao julgador cabe apreciar a questão de acordo com o que ele entender atinente à lide. Não está obrigado o magistrado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento (art. 131, do CPC), utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência, aspectos pertinentes ao tema e da legislação que entender aplicável ao caso concreto." 2 (destaquei) "Processo civil. Sentença. Função prática. A função judicial é prática, só lhe importando as teses discutidas no processo enquanto necessárias ao julgamento da causa. Nessa linha, o juiz não precisa, ao julgar procedente a ação, examinar-lhe todos os fundamentos. Se um deles e suficiente para esse resultado, não esta obrigado ao exame dos demais. Embargos de declaração rejeitados." 3 (destaquei) "(....) A função teleológica da decisão judicial é a de compor, precipuamente, litígios. Não é peça acadêmica ou doutrinária, tampouco se destina a responder a argumentos, à guisa de quesitos, como se laudo pericial fosse. Contenta-se o sistema com a solução da controvérsia, observada a res in judicium deducta, o que se deu no caso ora em exame." 4 (destaquei) 2.2. Preliminares 2.2.1 Da legitimidade ativa Alega a CEF que a autora não teria legitimidade ativa para a presente demanda, uma vez que caberia ao espólio do de cujus representá-lo em juízo. Tal alegação não merece prosperar uma vez que o caso dos autos não se refere à propriedade sobre o imóvel em questão, mas sim, à relação jurídica entre as rés e a autora enquanto mutuaria, ou seja, refere-se à responsabilidade da CEF e da CAIXA SEGURADORA pela cobertura securitária. Eventual questão controvertida relativa à destinação do bem deverá ser decidida em feito próprio, no juízo do inventário. Sendo assim, a autora possui legitimidade para exigir o cumprimento do contrato como entender devido, tanto como herdeira do de cujus quanto na condição de mutuaria, uma vez que também assinou o contrato de financiamento de f. 19/38. 2.2.2 Da legitimidade passiva da CEF e da CAIXA SEGURADORA A questão relativa à legitimidade das rés foi devidamente analisada conforme decisão de f. 328/330. 2.2.3. Da competência da Justiça Federal Reconhecida da legitimidade passiva da CEF, não há que se falar em incompetência da Justiça Federal pra processar a lide, nos moldes do art. 109, I do CF. Não havendo outras preliminares argüidas ou conhecíveis de ofício, examino o mérito. 2.3. Mérito A autora ajuizou a presente demanda visando compelir às rés a promoverem a cobertura securitária contratada juntamente com o contrato de financiamento de imóvel nº 8.1045.0001-350, firmado com a CEF e CAIXA SEGURADORA, em razão de suicídio cometido por seu esposo. As rés, por seu turno, afirmam não estarem obrigadas a efetuar o pagamento o da indenização do seguro, tendo em vista que o de cujus cometeu suicídio dentro do prazo de carência do contrato. A autora e seu esposo firmaram contrato de financiamento, juntamente com uma apólice de seguros de nº 0106800000021, que tinha como estipulante a CEF e a CAIXA SEGURADORA S/A, através da qual as rés se comprometeram a garantir, nas cláusulas ali postas, a cobertura para os riscos de natureza corporal às pessoas físicas, devedoras em financiamentos imobiliários, e a cobertura para os riscos de natureza material aos imóveis dados em garantia de financiamentos concedidos a pessoas físicas e jurídicas, ou de propriedade da própria estipulante havidos por arrematação, adjudicação, dação em pagamento ou consolidação da propriedade em seu nome (cláusula 4ª f. 201). A citada apólice, em sua cláusula 8ª, trata dos riscos excluídos da cobertura de natureza corporal, entre eles, na alínea "d" previu o suicídio ou a tentativa de suicídio, ocorridos nos primeiros dois anos de vigência inicial do contrato de seguro, ou da sua recondução depois de suspenso. Sobre o tratamento do suicídio na jurisprudência antes do advento do Novo Código Civil, transcreve-se excerto de lavra do Des. Francisco Luiz Macedo Junior, proferido na AC 2409710/PR: "Primordialmente, faz-se necessário esclarecer que suicídio é a supressão voluntária e consciente da própria vida, ou seja, pressupõe intenção dirigida à própria morte. A doutrina jurídica diferencia o ato em consciente ou inconsciente, conforme a intenção anterior e premeditada de recebimento de indenização securitária. É que o art. 1.440, parágrafo único, do Código Civil de 1916, estabelecia que a seguradora se isentaria do pagamento quando o suicídio fosse voluntário - ou premeditado, isto é, cometido com a intenção de gerar o pagamento da indenização. Expondo seu ponto de vista, J. M. Carvalho Santos1 assim se expressava quanto a interpretação do aludido dispositivo: "Nos termos do Código, portanto, não pode ser objeto de seguro a morte voluntária, isto é, a que o segurado procura por sua livre vontade, excludente, como é bem de ver, de qualquer idéia de risco. Este, como se sabe, pressupõe um fato independente da vontade do segurado e quase sempre incerto. Ora, a morte voluntária não apresenta tais carateres, não podendo, por isso mesmo, como risco ser considerada". Consoante este entendimento, ensinava Clóvis Beviláqua2: "O suicidio para annullar o seguro deve ser conscientemente deliberado, porque será igualmente um modo de procurar o risco, desnaturando o contracto". (texto em português antigo - conforme o original). Ao contrário, o suicídio inconsciente, ou não premeditado assemelha-se às causas involuntárias de morte, por ser o que decorre de distúrbios mentais ou de patologias, equiparando-se, assim, à morte por doença; passível, portanto, de indenização securitária. Como ensinava o mestre Clóvis: "Se, porém, o suicídio resultar de grave, ainda que subtanea, perturbação da intelligencia, não annulara o seguro. A morte não se poderá, neste caso, considerar voluntária; será uma fatalidade; o individuo não a quis, obedeceu a forças irresistíveis". (Op. cit, p. 203) (texto em português antigo - conforme o original). Neste sentido, a matéria foi sumulada pelo STF, nos seguintes termos: Súmula de nº 105: "Salvo se tiver havido premeditação, o suicídio do segurado no período contratual de carência não exime o segurador do pagamento do seguro". E, no STJ a Súmula de nº 61: "O seguro de vida cobre o suicídio não premeditado". Tal distinção não veio estampada no novo Código Civil, mas no presente caso, mister se analisar o pensamento doutrinário e jurisprudencial sobre a legislação antiga, e isto porque o ato suicida, que se analisa aqui, ocorreu sob a vigência do Código Civil de 1916. A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal determinava: "a invalidade de cláusula que exclui indenização em seguro de vida inclusive de acidentes pessoais, se ocorrer suicídio não premeditado e produzido pela perturbação mental do segurado". (RTJ 75-279). Assim, na hipótese de suicídio, o que sempre se considerou é que: ou este foi premeditado e, em havendo cláusula exoneratória no contrato de seguro, a indenização não seria devida; ou não foi premeditado e a indenização deveria ser paga, independentemente da existência de cláusula exoneratória. A respeito, o Ministro Gonçalves de Oliveira, em voto elucidativo, assentou a direção que veio a prevalecer na súmula nº. 105/STF, observando: "Somente quando o segurado celebrasse o contrato de caso pensado e se suicidasse para deixar bem a família com o seguro, é que se poderá cogitar de suicídio voluntário, exclusivo de responsabilidade da seguradora". (RE nº. 50.389- RF 200/81). Até porque, como dizia Carvalho Santos: o entendimento prevalecente é de que o suicídio se presume como ato de inconsciência, cabendo a quem tiver interesse em provar o contrário afastar tal presunção (J. M. Carvalho Santos, in Código Civil Brasileiro Interpretado, vol. XIX, pág. 286- 7ª ed.). Depreende-se, então, não obstante a existência de cláusula de exclusão da responsabilidade da seguradora para o caso de suicídio, que seria desta, o ônus de comprovar que o ato foi premeditado. E sobre isso, assim já se posicionava Carvalho Santos: "Quando se trata de suicídio, porém, é preciso o segurador provar que foi ele conscientemente deliberado, pois se resulta de grave, embora momentânea perturbação da inteligência, não anulará o contrato". (Op. cit, p. 286). Este entendimento ganhou o prestígio de nossos tribunais, cujas decisões impõe ao segurador a prova de que o suicídio foi premeditado. A partir do Código Civil de 2002, o legislador, em seus arts. 797 e 798, expressamente consignou a possibilidade de estipulação de prazo de carência, e afastou a responsabilidade da seguradora em caso de suicídio ocorrido dentro deste prazo, nos seguintes termos: Art. 797. No seguro de vida para o caso de morte, é lícito estipular-se um prazo de carência, durante o qual o segurador não responde pela ocorrência do sinistro. Parágrafo único. No caso deste artigo o segurador é obrigado a devolver ao beneficiário o montante da reserva técnica já formada. Art. 798. O beneficiário não tem direito ao capital estipulado quando o segurado se suicida nos primeiros dois anos de vigência inicial do contrato, ou da sua recondução depois de suspenso, observado o disposto no parágrafo único do artigo antecedente. Parágrafo único. Ressalvada a hipótese prevista neste artigo, é nula a cláusula contratual que exclui o pagamento do capital por suicídio do segurado. Segundo as rés, os dispositivos acima transcritos possuem natureza objetiva, pela fixação do prazo de carência, e afastam o antigo entendimento jurisprudencial de que a seguradora só não indenizará o suicídio se ficar provada a premeditação. Contudo, a jurisprudência majoritária do STJ mantém o entendimento cristalizado nas súmulas 105 do STF e 61 do STJ, de que o suicídio não premeditado, ainda que cometido dentro do prazo de carência, deve ser indenizado. Isto porque o suicídio é muito mais visto como um ato de desequilíbrio decorrente de uma enfermidade do que propriamente um ato premeditado com a finalidade exclusive de se possibilitar o recebimento de seguro. Além disso, exige-se prova inequívoca da premeditação, a fim de afastar a presumida boa-fé do mutuário. Neste sentido, vejamos ainda os seguintes precedentes jurisprudenciais: RECURSO ESPECIAL - AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA - MORTE DO SEGURADO - SUICÍDIO - NEGATIVA DE PAGAMENTO DO SEGURO AO BENEFICIÁRIO - BOA-FÉ DO SEGURADO - PRESUNÇÃO - EXEGESE DO ART. 798 DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 - INTERPRETAÇÃO LITERAL - VEDAÇÃO - INCIDÊNCIA DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR - EXIGÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DE MÁ-FÉ, NA ESPÉCIE - A PREMEDITAÇÃO NA CONTRATAÇÃO DIFERE-SE DA PREPARAÇÃO PARA O ATO SUICIDA - APLICAÇÃO DAS SÚMULAS 105/STF E 61/STF NA VIGÊNCIA DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 - RECURSO PROVIDO. I - O seguro é a cobertura de evento futuro e incerto que poderá gerar o dever de indenizar por parte do segurador. II - A boa-fé - que é presumida - constitui elemento intrínseco do seguro, e é caracterizada pela lealdade nas informações prestadas pelo segurado ao garantidor do risco pactuado. III - O artigo 798 do Código Civil de 2002, não alterou o entendimento de que a prova da premeditação do suicídio é necessária para afastar o direito à indenização securitária. IV - O legislador procurou evitar fraudes contra as seguradoras na hipótese de contratação de seguro de vida por pessoas que já tinham a ideia de suicídio quando firmaram o instrumento contratual. V - Todavia, a interpretação literal ao disposto no art. 798 do Código Civil de 2002, representa exegese estanque, que não considera a realidade do caso com os preceitos de ordem pública estabelecidos pelo Código de Defesa do Consumidor, aplicável obrigatoriamente aqui, em que se está diante de uma relação de consumo. VI - Uma coisa é a contratação causada pela premeditação ao suicídio, que pode excluir a indenização. Outra, diferente, é a premeditação para o próprio ato suicida. VII - É possível a interpretação entre os enunciados das Súmulas 105 do STF e 61 desta Corte Superior na vigência do Código Civil de 2002. VIII - In casu, ainda que a segurada tenha cometido o suicídio nos primeiros dois anos após a contratação, não há que se falar em excludente de cobertura, uma vez que não restou demonstrada a premeditação do próprio ato suicida. IX - Recurso especial provido. 5 DIRIETO CIVIL. SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO. ART. 798 DO CC/02. INTERPRETAÇÃO LITERAL. IMPOSSIBILIDADE. PRESUNÇÃO DE BOA FÉ DO SEGURADO. PROVA DA PREMEDITAÇÃO. NECESSIDADE. 1. As regras relativas aos contratos de seguro devem ser interpretadas sempre com base nos princípios da boa-fé e da lealdade contratual. Essa premissa é extremamente importante para a hipótese de indenização securitária decorrente de suicídio, pois dela extrai-se que a presunção de boa fé deverá também prevalecer sobre a exegese literal do art. 798 do CC/02. 2. O biênio previsto no art. 798 do CC/02 tem como objetivo evitar infindáveis discussões judiciais a respeito da premeditação do suicídio do segurado, geralmente ocorrido anos após a celebração do contrato de seguro. À luz desse novo dispositivo legal, ultrapassado o prazo de 02 anos, presumir-se-á que o suicídio não foi premeditado, mas o contrário não ocorre: se o ato foi cometido antes desse período, haverá a necessidade de prova, pela seguradora, da premeditação. 3. É desrazoável admitir que, na edição do art. 798 do CC/02, o legislador, em detrimento do beneficiário de boa-fé, tenha deliberadamente suprimido o critério subjetivo para aferição da premeditação do suicídio. O período de 02 anos contido na norma não deve ser examinado isoladamente, mas em conformidade com as demais circunstâncias que envolveram sua elaboração, pois seu objetivo certamente não foi substituir a prova da premeditação do suicídio pelo mero transcurso de um lapso temporal. 4. O planejamento do ato suicida, para fins de fraude contra o seguro, nunca poderá ser presumido. Aplica-se à espécie o princípio segundo o qual a boa-fé é sempre pressuposta, enquanto a má-fé deve ser comprovada. 5. Há de se distinguir a premeditação que diz respeito ao ato do suicídio daquela que se refere ao ato de contratar o seguro com a finalidade única de favorecer o beneficiário que receberá o capital segurado. Somente a última hipótese permite a exclusão da cobertura contratada, pois configura a má-fé contratual. 6. Recurso especial provido. 6 AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO COMETIDO DENTRO DO PRAZO DE 2 (DOIS) ANOS DE INÍCIO DE VIGÊNCIA DA APÓLICE DE SEGURO. NEGATIVA DE PAGAMENTO DO SEGURO. ART. 798 DO CC/2002. INTERPRETAÇÃO LÓGICO-SISTEMÁTICA. BOA-FÉ. PRINCÍPIO NORTEADOR DO DIPLOMA CIVIL. PRESUNÇÃO. NECESSIDADE DE PROVA DA PREMEDITAÇÃO PARA AFASTAR-SE A COBERTURA SECURITÁRIA. PRECEDENTE. ACÓRDÃO DO TRIBUNAL. ANÁLISE DE PROVAS. AFASTADA A PREMEDITAÇÃO. REVISÃO. SÚMULA 7/STJ. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. Nas razões do recurso especial, não foi evidenciada de que forma o acórdão recorrido teria vulnerado os arts. 130, 330, 331 e 332 do CPC. Incidência da Súmula 284/STF. 2. A interpretação do art. 798, do Código Civil de 2002, deve ser feita de modo a compatibilizar o seu ditame ao disposto nos arts. 113 e 422 do mesmo diploma legal, que evidenciam a boa-fé como um dos princípios norteadores da redação da nova codificação civil. 3. Nessa linha, o fato de o suicídio ter ocorrido no período inicial de dois anos de vigência do contrato de seguro, por sí só, não autoriza a companhia seguradora a eximir-se do dever de indenizar, sendo necessária a comprovação inequívoca da premeditação por parte do segurado, ônus que cabe à Seguradora, conforme as Súmulas 105/STF e 61/STJ expressam em relação ao suicídio ocorrido durante o período de carência. 4. "O artigo 798 do Código Civil de 2002, não alterou o entendimento de que a prova da premeditação do suicídio é necessária para afastar o direito à indenização securitária." (REsp 1077342/MG, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, Terceira Turma, julgado em 22/06/2010, DJe 03/09/2010). 5. Não há falar-se em violação ao art. 333, I, do CPC, uma vez que, nos termos do precedente citado, compete à Companhia Seguradora a prova da ocorrência de premeditação no suicídio ocorrido nos primeiros dois anos de vigência do contrato, para se eximir do pagamento da cobertura securitária contratada. 6. Na hipótese, a Corte Estadual expressamente consignou que os elementos de convicção dos autos evidenciam que o suicídio não foi premeditado. Entender-se de forma diversa demandaria necessária incursão nos elementos fático-probatórios dos autos, com o consequente reexame de provas, conduta vedada em sede de recurso especial, ante o óbice previsto na Súmula 7/STJ, consoante afirmado na decisão ora agravada. 7. Agravo regimental a que se nega provimento. 7 Posto isso, não é caso de declaração de nulidade da cláusula 8, alínea "d", mas a sua interpretação conforme os ditames da boa-fé objetiva. Assim, cumpre às rés demonstrar que o suicídio cometido pelo esposo da autora foi premeditado, isto é, com o específico propósito de que os beneficiários recebam a indenização securitária. Para tanto, juntaram aos autos trechos de depoimentos prestados por familiares do de cujus, nos quais se afirma que o mesmo manifestava freqüentemente a ideia de tirar a própria vida. Além disso, afirma que o pouco tempo decorrido entre a assinatura do contrato e o sinistro demonstram que o falecido tinha a intenção de beneficiar seus herdeiros com a sua morte. Pois bem. Da análise dos elementos contidos nos autos, tenho que não ficou demonstrado pelas rés que o suicídio do esposo da autora ocorreu de forma premeditada. Para fins de premeditação, é necessário que fique demonstrado que o suicida tinha a finalidade de gerar para os seus herdeiros proveito imediato, decorrente diretamente do seu ato. Conforme alegado pela própria CEF, o de cujus, desde 2009, ameaçava o suicídio, apresentando assim um quadro de desequilíbrio emocional e tendências depressivas que, em determinado momento, agravaram-se de tal forma, que o levaram a cometer o ato extremo. Tal quadro, de forma alguma converge para uma demonstração de que tal ato seria premeditado. Ao contrário, demonstra que esta foi uma idéia que permeava a mente do esposo da autora e que, infelizmente, veio a se concretizar. Ressalte-se que a existência de um quadro de depressão por parte do de cujus, por si só, não acarretaria a certeza do sinistro, uma vez que é do conhecimento de todos a existência de pessoas que convivem com tal enfermidade durante toda a vida, sem chegar a cometer ato de tal gravidade. Mesmo sofrendo de tais transtornos emocionais, não parece absurdo que o réu levasse adiante planos de uma vida normal, entre eles a aquisição de um imóvel. Neste ponto, cabe ressaltar, conforme consta nos depoimentos transcritos pela CEF, a preocupação que o falecido manifestou quando sua esposa compareceu à Delegacia de Grupos Vulneráveis, temendo que tal fato prejudicasse sua promoção da Polícia Militar. Ora, se o de cujus estivesse prevendo que iria, de fato, cometer suicídio, não estaria preocupado com promoção na carreira militar. Por fim, é preciso destacar que não consta nos autos qualquer avaliação feita pelas rés em relação à saúde da autora ou de seu falecido esposo. Se a CEF e a seguradora tivessem se certificado melhor sobre o estado dos mutuários, talvez não tivessem concedido o financiamento, principalmente ao se considerar que o de cujus era responsável por 100% da composição de renda para fins de indenização securitária, conforme consta na f. 20 dos autos. Ora, se não tem o cuidado devido em exigir avaliação de seus clientes, assume o risco de arcar com as respectivas indenizações no caso de ocorrência do sinistro. Considerando que as rés não realizaram a cobertura securitária na data do sinistro, ocorrido em 11.02.2010, e que a autora vem arcando com o pagamento das prestações desde então, assiste-lhe o direito de devolução das parcelas pagas a partir de tal data. 3. DISPOSITIVO Ante o exposto, julgo parcialmente procedente o pedido, com resolução de mérito (art. 269, I, CPC), para: 1) reconhecer o direito à cobertura securitária da apólice de seguros de nº, no percentual de 100% do contrato, desde 11.02.2010. 2) determinar a devolução das parcelas pagas posteriormente à ocorrência do sinistro, acrescidas da taxa SELIC, desde o vencimento de cada parcela. A SELIC não pode ser cumulada com qualquer outro encargo, seja de atualização monetária, seja de juros, porque inclui, a um só tempo, o índice de inflação do período e a taxa de juros real. Condeno as rés ao pagamento das custas e de honorários advocatícios no valor de 10% sobre a condenação, valendo-me do disposto no art. 20, §§ 4º do CPC. Considerando que a autora é assistida pela Defensoria Pública da União, o valor dos honorários deverá ser destinado a uma conta ou fundo específico, vinculado à instituição. Sentença não sujeita ao reexame necessário. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 17 de fevereiro de 2012. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 STJ, AgRg no Ag 956845/SP, 1ª Turma, Rel. Min. JOSÉ DELGADO, julgado em 25/03/2008, DJe 24/04/2008 2 - STJ. T1. AgRg no Ag 512437/RJ. Rel. Ministro JOSÉ DELGADO. DJ 15.12.2003, p. 210. 3 - STJ. T2. EDcl no REsp 15450/SP. Rel. Ministro ARI PARGENDLER. DJ 06.05.1996, p. 14399. No mesmo sentido: REsp 172329/SP. S1. Rel. Ministro FRANCISCO PEÇANHA MARTINS; REsp 611518/MA. T2. Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO; REsp 905959/RJ. T3. Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI; REsp 807690/SP. T2. Rel. Ministro CASTRO MEIRA. 4 - STJ. T2. EDcl no REsp 675.570/SC. Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO. DJ 28.03.2006, p. 206 5 STJ, REsp 1077342/MG, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, TERCEIRA TURMA, julgado em 22/06/2010, DJe 03/09/2010 6 STJ, REsp 1188091/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 26/04/2011, DJe 06/05/2011 7 STJ, AgRg no Ag 1244022/RS, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 13/04/2011, DJe 25/10/2011 ?? ?? ?? ?? Processo nº. 0001160-12.2011.4.05.8500 XIV PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Sentença Tipo "A" - Fundamentação Individualizada

   

0001884-16.2011.4.05.8500 LUIS EDUARDO DE SANTANA SANTOS (Adv. CHRISTIAN ARY DA CRUZ BARBOSA) x BRADESCO VIDA E PREVIDENCIA S/A (Adv. RENATO TADEU RONDINA MANDALITI)

Processo n° 0001884-16.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: LUIS EDUARDO DE SANTANA SANTOS (representador por curadora) Réus: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A e FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO - FHE DECISÃO LUIS EDUARDO DE SANTANA SANTOS, representado por curadora, ajuizou ação sob o rito ordinário, em face do BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A e da FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO - FHE, visando cumulativamente o seguinte: 1) o pagamento do seguro invalidez por doença no valor de R$ 20.371,90 (vinte mil trezentos e setenta e um reais e noventa centavos); 2) uma indenização por danos morais no montante de R$ 50.000,00. Alegou, em suma, que: 1) é portador de problemas psiquiátricos em razão de ter servido no Exército Brasileiro; 2) no processo n.º 2009.85.00.003981-7, que tramitou na 1ª Vara/SE, foi reconhecido a sua invalidez, sendo reformado; 3) "foi compelido a 'assinar' não sabe 'o que' relativo ao SEGURO extensivo a todos os militares ATIVOS e do EFETIVO VARIÁVEL denominado FAM justamente no ano de 2008 quando a sua doença se agravou e acreditamos que como 'praxe' deve ter sido o cancelamento da apólice" (f. 08); 4) o não pagamento atingiu a sua dignidade, uma vez que contribuiu sem ter recebido o seu seguro no momento que mais precisava para si e sua família. Com a inicial, juntou procuração (f. 15) e demais documentos (f. 16/37). O processo foi ajuizado perante a Justiça Estadual, sendo distribuído a 21ª Vara Cível da Comarca de Aracaju/SE. O Juiz Estadual determinou que o autor comprovasse a sua situação de miserabilidade ou recolhesse as custas iniciais, sob pena de extinção sem resolução de mérito (f. 38/40). A parte autora acostou os documentos de f. 41/46, sendo deferido o benefício da Justiça Gratuita (f. 48). Citada (f. 50/51), a FHE apresentou contestação (f. 58/68), alegando, preliminarmente: 1) a sua ilegitimidade porque é estipulante do contrato; 2) a incompetência do Juízo Estadual. No mérito, aduz: 1) que o "autor contratou com a Bradesco Seguros, o 'Seguro Especial Cabos e Soldados' que permite aos circunscritos desfrutarem gratuitamente de um plano de seguro de vida em grupo" (f. 63); 2) a ausência do dever de indenizar porque é mera estipulante; 3) o descabimento do dano moral em razão de descumprimento contratual. Juntou documentos (f. 69/76). A Bradesco Vida e Previdência S/A ofereceu contestação (f. 77/88), sustentando: 1) a incompetência do Juiz Estadual, com a conseqüente extinção sem resolução de mérito; 2) a ausência de documento essencial, qual seja, a cópia da apólice; 2) no mérito, a inexistência de negócio jurídico, sendo que "após pesquisas exaustivas junto aos seus arquivos, não localizou nenhum seguro registrado em nome do autor" (f. 82); 3) o descabimento de condenação por danos morais. O autor ofereceu réplica (f. 90). A Juíza Estadual reconheceu a incompetência absoluta, determinando a remessa do feito a Justiça Federal (f. 90). Distribuídos os autos a este Juízo, a MM. Juiz determinou a intimação das partes para especificarem as provas que pretendem produzir (f. 94). A autora requereu o julgamento antecipado da lide (f. 96). A ré Bradesco requereu que o autor trouxesse indícios mínimos acerca da existência do contrato de seguro (f. 98). A FHE deixou escoar in albis o prazo (f. 99). Em parecer, o MPF opinou pela improcedência do pedido (f. 102/105). Na f. 106, este Juízo determinou que a parte se manifestasse sobre o requerimento do Bradesco de f. 98 e juntasse o documento comprobatório. O autor requereu a juntada de fichas financeiras a fim de comprovar os descontos (f. 110/111), o que foi deferido na f. 112. As fichas foram juntadas na f. 118/121. A autora (f. 127/132), o réu Bradesco (f. 134) e a FHE (f. 138/139) se manifestaram sobre as fichas financeiras. Na f. 140, a Juíza determinou que as partes se manifestassem sobre o "seguro de vida em grupo", tendo respondido a FHE (f. 149/152), Bradesco (f. 155/156) e o autor (f. 165) e o MPF (f. 166-v). É o relatório. Passo a decidir. A competência cível da Justiça Federal se distribui entre os incisos I, II, III, VIII, X e XI do art. 109 da CF/88. Por possuírem suportes fáticos distintos, as previsões contidas nos referidos incisos são dotadas de autonomia, não lhes sendo lícito interpretá-las a luz do art. 109, I da CF/88, que constitui a norma matriz de competência. Estatui o art. 109, I, da CF/88: Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar: I - as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho; A incidência desta regra pressupõe 3 (três) requisitos, dois de natureza positiva: 1) esteja presente na lide a União, autarquia - as fundações públicas são equiparadas as autarquias - e empresas públicas federais, na condição de autoras, rés ou intervenientes, não abrangendo, portanto, as sociedades de economia mista (Súmula n.º 42 do STJ), nem as concessionárias ou permissionárias do serviço público federal; 2) demonstração da existência de interesse jurídico, a ser examinada pelo Juízo Federal nos termos das Súmulas n.ºs 150, 224 e 254 do STJ; e o terceiro de natureza negativa, qual seja, que a demanda não se enquadre em nenhuma das cláusulas de exclusão ( as causas sobre falência ou acidentes de trabalho e às sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho). Ressalte-se que é irrelevante natureza da controvérsia, ou seja, ainda que se vislumbre existência de interesse da União ou de uma entidade autárquica ou empresa pública federal, a causa somente estará submetida à jurisdição federal, se um desses entes figurarem na condição de autor, réu ou interveniente. A Justiça Federal é competente para conhecer e processar os litígios envolvendo a FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO - FHE, nos termos da Súmula n.° 324 do STJ (DJ 16/05/2006): "Compete à Justiça Federal processar e julgar ações de que participa a Fundação Habitacional do Exército, equiparada à entidade autárquica federal, supervisionada pelo Ministério do Exército". Por sua vez, analisando a preliminar de ilegitimidade levantada pela ré FHE, verifica-se que, em casos como o dos autos, a Fundação Habitacional do Exército atua como mera estipulante do contrato de seguro. Em momento algum foi descrita pelo autor conduta imputável à FHE que obste o pagamento da indenização. Na condição de mandatária, somente seria responsável pelo pagamento da indenização caso houvesse mau cumprimento do mandato, ou seja, caso incorresse em falta que impeça a indenização do sinistro, o que não é o caso dos autos. Neste sentido: CIVIL. PAGAMENTO DE PRÊMIO DE SEGURO. ILEGITIMIDADE PASSIVA DA ENTIDADE ESTIPULANTE. PRECEDENTES. I. O autor contraiu empréstimo junto à Fundação Habitacional do Exército para financiar aquisição de imóvel residencial, o qual restou vinculado a seguro de vida e acidentes pessoais cuja indenização serviria de garantia para pagamento do financiamento. II. O seguro em questão foi contratado junto à Bradesco Vida e Previdência S/A, figurando a FHE como mera estipulante. III. A entidade estipulante não possui relação jurídica com o segurado no que tange ao objeto desta ação, qual seja o pagamento do prêmio do seguro, razão pela qual não detém legitimidade passiva para figurar na presente lide. Precedentes: AC nº 214.464/PE, Rel. Des. Federal Nereu Santos, julg. 20.09.2001, DJU 05.04.2002 e RESP nº 539.822/MG, Rel. Min. Nancy Andrighi, 3ª Turma, julg. 28.09.2004, unânime, DJU 03.11.2004, pág. 200. IV. Apelação improvida.1 AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO EM GRUPO ESTIPULANTE. ILEGITIMIDADE PASSIVA. COMPETÊNCIA ABSOLUTA. JUSTIÇA ESTADUAL. 1. A Fundação Habitacional de Exército, estipulante do seguro, age como mera mandatária e, portanto, é parte ilegítima para figurar na ação em que o segurado pretende obter o pagamento da indenização securitária. 2. Tal condição só é afastada nos casos em que a própria estipulante obsta ao pagamento da indenização, o que não ocorre no caso dos autos, em que o autor recebeu o pagamento e vem a juízo impugnar a forma de cálculo efetuado pela seguradora. 3. Uma vez reconhecida a ilegitimidade passiva da FHE para a lide, impõe-se a anulação da sentença e a remessa dos autos à Justiça Estadual, em face da incompetência absoluta deste Juízo para processar a causa. 4. Apelo prejudicado. 2 PROCESSUAL CIVIL. SOLDADO REFORMADO POR INCAPACIDADE DEFINITIVA PARA O SERVIÇO MILITAR, NÃO INVÁLIDO. SEGURO FACULTATIVO. PRETENSÃO DE HAVER DA ESTIPULANTE E DA SEGURADORA INDENIZAÇÃO EM FACE DE ACIDENTE EM SERVIÇO. 1. A Fundação Habitacional do Exército/Poupex -estipulante- não é parte passiva legítima em ação em que se reclama a paga de indenização prevista em apólice de seguro facultativo de vida em grupo. Precedentes jurisprudenciais do colendo Superior Tribunal de Justiça. 2. Excluída da lide a Fundação Habitacional do Exército/Poupex, partes no litígio remanescem, apenas, o Apelante-Autor e a Bradesco Vida e Previdência S/A. 3. Incompetência absoluta da Justiça comum Federal para apreciar e decidir a lide, o que se reconhece de ofício. Baixa e remessa dos autos à Meritíssima Justiça comum Estadual. Apelação prejudicada. 3 Civil. Ação ordinária buscando o pagamento da Apólice de Seguro, por morte do segurado. 1. A circunstância fática que se revela dos autos demonstra que Waldemir Brissant Ventura, na condição de beneficiário do sistema Fundação Habitacional do Exército/POUPEX, Apólice 2250, Plano A, celebrou contrato de adesão ao Fundo de Apoio à Moradia [FAM], em 25 de maio de 1996, tendo falecido em 06 de novembro de 1996, em decorrência de edema e congestão pulmonar-cardiomegalia [Miocardiopatia], dando ensejo ao ingresso do pedido de cobertura securitária, negada pela companhia seguradora, que recusou o pagamento do sinistro em janeiro de 1997, sob o fundamento de doença pré-existente. 2. A Fundação Habitacional do Exército-FHE [estipulante] e a Associação de Poupança e Empréstimo/Poupex não têm legitimidade passiva para a causa, remanescendo unicamente a pessoa jurídica de direito privado [Bradesco Seguros S/A] que recusou o pagamento da indenização da Apólice 2250, Plano A, sobressaindo a incompetência absoluta da Justiça Federal para dirimir a lide. 3. Com a exclusão da Fundação Habitacional do Exército/Poupex, partes no litígio, a relação jurídica firmada remanesce entre os apelantes e a Bradesco Seguros S/A, pessoa jurídica de direito privado. 4. Incompetência absoluta da Justiça Federal para apreciar e decidir a lide, o que se reconhece de ofício, anulando a sentença. Remessa dos autos à Justiça Comum Estadual. Apelação prejudicada. 4 Ação de cobrança. Ilegitimidade do estipulante para figurar no pólo passivo. Precedentes da Corte. 1. Já decidiu a Corte que o estipulante não é parte passiva em ação de cobrança do seguro contratado, salvo se praticar ato impedindo a cobertura do sinistro pela seguradora, o que não ocorre neste feito. 2. Recurso especial conhecido e provido. 5 SEGURO FACULTATIVO. RESPONSABILIDADE PELO PAGAMENTO DA INDENIZAÇÃO. FUNDAÇÃO HABITACIONAL DO EXÉRCITO - FHE. ILEGITIMIDADE PASSIVA. 1. A apelante Fundação Habitacional do Exército - FHE não tem legitimidade para figurar no polo passivo de ação ajuizada para cobrar pagamento de seguro de vida em grupo porque não integra a relação contratual. A FHE era mera mandatária do segurado. O pedido de cobertura securitária deve ser deduzido em ação própria contra a seguradora. Em virtude da carência do direito de ação deve ser extinto o processo, sem julgamento do mérito. 2. Dá-se provimento ao recurso de apelação e à remessa oficial. 6 Insta ressaltar que compete a Justiça Federal decidir acerca da existência de interesse jurídico de uma das entidades referidas no art. 109, I da CF/88, e, em caso de exclusão do ente federal que justificou a atração para a Justiça Federal, o Juiz Federal deve declinar ou restituir os autos a Justiça Estadual ao invés de suscitar conflito de competência (Súmula n.º 224 do STJ), não podendo a decisão de exclusão ser reexaminada pelo Juízo Estadual (Súmula n.º 254 do STJ). Com o reconhecimento da ilegitimidade da FHE/Poupex, as partes remanescentes na relação processual passaram a ser, apenas, Autor e a companhia seguradora, ou seja, a Bradesco Vida e Previdência Sociedade Anônima, ambas sem foro na Justiça Federal. Estando ausente qualquer hipótese de competência da Justiça Federal, compete à Justiça Estadual, por ter competência residual, processar e julgar o litígio remanescente do presente feito. Diante do exposto: 1) reconheço a ilegitimidade passiva ad causam da Fundação Habitacional do Exército, determinando a sua exclusão do feito;. 2) e, por conseqüência, declino a competência deste Juízo, determinando a devolução dos autos a 21ª Vara Cível da Comarca de Aracaju/SE, com esteio nas Súmulas n.ºs 150, 224 e 254 do STJ. Decorrido o prazo recursal, proceda-se aos registros e anotações necessários, dando-se baixa na distribuição. Publique-se. Intime-se. Aracaju, 23 de fevereiro de 2012. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 TRF 5ª Reg., AC 200582000152427/PB, 4ª Turma, Desembargadora Federal Margarida Cantarelli, DJ - Data::25/01/2007 - Página::314 - Nº::18. 2 TRF 4ª Reg., AC 200270000737548/PR, 4ª Turma, Rel. MARGA INGE BARTH TESSLER, D.E. 03/11/2009. 3 TRF 5ª Reg., AC 200383080013984/PE, 3ª Turma, Desembargador Federal Geraldo Apoliano, DJ - Data::16/04/2007 - Página::555 - Nº::72. 4 TRF 5ª Reg., AC 200084000096248/RN, 3ª Turma, Desembargador Federal Leonardo Resende Martins, DJE - Data::15/07/2010 - Página::225. 5 STJ, REsp 426.860/RJ, 3ª Turma, Rel. Ministro CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, julgado em 06/12/2002, DJ 24/02/2003, p. 228 6 TRF 1ª Reg., AC 199734000229695, 5ª Turma Suplementar, JUIZ FEDERAL RODRIGO NAVARRO DE OLIVEIRA, e-DJF1 DATA:19/10/2011 PAGINA:158. ?? ?? ?? ?? Processo n° 0001884-16.2011.4.05.8500 6 PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0004615-82.2011.4.05.8500 ANTÔNIO LÁZARO FERREIRA SANTOS (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, GABRIELLE LOBO SANTANA) x UFS - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 0004615-82.2011.4.05.8500 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: ANTÔNIO LÁZARO FERREIRA SANTOS Ré: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS SENTENÇA ANTÔNIO LÁZARO FERREIRA SANTOS ajuizou ação sob o rito ordinário, em face da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - UFS, objetivando a sua nomeação para o cargo de Professor Efetivo Adjunto, nível I, para o Núcleo de Engenharia Ambiental/CCET, em virtude de ter sido aprovado em concurso público dentro do número de vagas. Com a inicial, juntou documentos (f. 23/44). Intimada (f. 46), a UFS apresentou contestação (f. 48/59 e documentos f. 60/63), alegando, em síntese, que o autor não tem direito adquirido à nomeação e que na hipótese foi preservado o interesse público, pois a demandada não tem autonomia para contratar professor efetivo enquanto não houver autorização do Ministério da Educação e do Planejamento, Orçamento e Gestão. Na f. 67/68, o autor requereu a desistência da ação, em razão da requerida ter praticado ato em que reconhece a procedência do pleito autoral, tendo sido convocado para tomar posse no cargo público em que foi aprovado. Intimada para manifestar-se sobre a desistência do autor, a UFS não se opôs (f. 71). É o relatório. Passo a decidir. O requerimento feito pelo demandante encontra-se previsto no art. 267, VIII do Código de Processo Civil: Art. 267. Extingue-se o processo, sem resolução de mérito: (Redação dada pela Lei nº 11.232, de 2005) Vlll - quando o autor desistir da ação; Pela sistemática do processo civil brasileiro, pedido de desistência formulado pela parte ativa dá ensejo à extinção do processo sem julgamento do mérito (CPC, art. 267, VIII). A desistência da ação pode ser unilateral ou bilateral, a depender do momento processual. Será unilateral quando requerida antes do oferecimento de resposta pelo réu. Por outro lado, será bilateral, ou seja, dependerá da concordância do demandado, sempre que requerida após a apresentação de defesa. Destaque-se, ainda, que a desistência somente produz efeitos depois de homologada, por sentença, a teor do parágrafo único do art. 158 do CPC. No caso dos autos, a UFS não se opôs ao referido pleito (f. 71-verso). Diante do exposto, homologo a desistência formulada pelo autor, extinguindo o processo sem resolução de mérito, segundo o art. 267, VIII do Código de Processo Civil. Sem custas, em razão de ter sido deferido à parte autora o benefício da assistência judiciária gratuita (f. 45). Sem condenação em honorários, devido à concessão do benefício da assistência judiciária gratuita (f. 45). Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com a devida baixa na distribuição. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 17 de fevereiro de 2012. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SE Processo nº 0004651-82.2011.4.05.8500 2 PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Sentença Tipo "C" - Extintiva sem resolução do mérito

   

EMBARGOS DE TERCEIRO

   

0003364-29.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, JORGE SOUZA ALVES FILHO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO) x ARTESOM ADMINISTRADORA DE CONSORCIO S/C LTDA (Adv. SANDRA MÁRCIA FRAGA AZEVEDO, HELEN CAROLINE CARDOSO SANTOS, LAURA CRISTINA MACHADO FIGUEIREDO)

Compulsando os autos, verifica-se que a partir das f. 199 da execução 0003365-41.2011.4.05.8500, em apenso aos presentes embargos, as petições do exeqüente passaram a ser apresentadas em nome de EIFFEL ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO S/S LTDA, em substituição a ARTESOM ADM. DE CONSORCIO S/C LTDA. Em que pese tal mudança não tenha acarretado alteração do CNPJ da exequente, conforme se depreende dos documentos de f. 11 e 77, houve alteração da razão social da empresa, sem que tenha sido noticiado nos autos dos presentes embargos, ou mesmo da execução, a ocorrência de qualquer alteração do contrato social da empresa exeqüente. Ante o exposto, converto o feito em diligência e determino a intimação da embargada EIFFEL ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO S/S LTDA para, no prazo de 05 (cinco) dias, explicar como foi feita a citada alteração. Caso haja a juntada de documentação, intimar a CEF para se manifestar, no mesmo prazo. Após, voltem os autos conclusos.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0001707-52.2011.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, ANA PAULA DA CUNHA SOARES, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x ÂNGELA DA SILVA SANTOS (Adv. SEM ADVOGADO)

DESPACHO DE FL. 55: (...) Intimar a CEF para vir receber o alvará em cinco dias, bem como para, no prazo de 15 dias, requerer o que lhe aprouver. Transcorrido o prazo acima sem que a credora traga aos autos informações que viabilizem o prosseguimento do feito, arquivar os autos com baixa na Distribuição, ressalvando à CEF o direito de prosseguir com o feito, a qualquer tempo, enquanto não prescrito o crédito. Intimar.

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0000365-69.2012.4.05.8500 ROSELY REIS CARDOSO (Adv. GABRIELLE LOBO SANTANA) x REITOR DA UNIVERSIDADE TIRADENTES - UNIT (Adv. WILSON MACEDO SIQUEIRA, EULER ALMEIDA COSTA, ROSEMERY SOARES DE ARAUJO CARDOSO, AILTON BORGES DE SOUZA, ARISTEU PASSOS HONORATO, JOSÉ LÚCIO FLÁVIO SOBREIRA CORREIA JÚNIOR, RILTON MAXWELL DANTAS PEREIRA)

Processo nº 0000365-69.2012.4.05.8500 Classe 126 - Mandado de Segurança Impetrante: ROSELY REIS CARDOSO Impetrado: UNIVERSIDADE TIRADENTES - UNIT Autoridade Coatora: REITOR DA UNIVERSIDADE TIRADENTES - UNIT SENTENÇA 1. RELATÓRIO ROSELY REIS CARDOSO impetrou Mandado de Segurança, com requerimento de medida liminar, contra suposto ato coator do REITOR DA UNIVERSIDADE TIRADENTES - UNIT, que estaria criando óbices à matrícula da impetrante em disciplina para qual se exige pré-requisito. Narra que: 1) é concluinte do curso de Enfermagem na Universidade Tiradentes - UNIT e já conta com 186 créditos cursados, restando apenas cinco matérias para o término do curso; 2) ao efetuar a matrícula neste semestre, não lhe foi ofertada uma matéria essencial do final de curso, Estágio Supervisionado II (cód. B104529), que tem como pré-requisito o total de 188 créditos cursados; 3) sem a matrícula nessa disciplina a impetrante sofrerá grande prejuízo, pois não conseguirá se formar neste período; 4) já cursou a disciplina estágio supervisionado I, portanto, não haveria nenhum prejuízo à UNIT em flexibilizar os créditos e matricular a autora na disciplina Estágio Supervisionado II; 5) sua condição de concludente e sua disponibilidade de horários autorizam a matrícula na almejada disciplina; 6) o início das aulas da disciplina almejada está programado para 30.01.2012, o que revela a urgência do pedido. Alega que: 1) há ausência de razoabilidade e proporcionalidade quanto ao ato da impetrada em não oferecer a disciplina solicitada; 2) deve preponderar a elevação da educação, atributo esse da pessoa humana frente à autonomia confiada às Universidades privadas; 3) o TRF da 5ª Região possui diversos precedentes que favorecem a impetrante. Requer a concessão de medida liminar, inaudita altera pars, para que a autoridade coatora "efetive a matrícula da impetrante na disciplina ESTÁGIO SUPERVISIONADO II (código B104529) para que não se obste o andamento normal do curso e a conseqüente prolongação da graduação por mais um semestre." Junta procuração e documentos (f. 15-36). Deferida liminar para determinar ao impetrado que efetivasse, imediatamente, a matrícula da impetrante na disciplina Estágio Supervisionado II (cod. B104529), sob pena de aplicação de multa diária (f. 88/89v.). Notificada (f. 93/94), a autoridade coatora apresentou informações (f. 99/105), aduzindo, em suma, a ofensa à autonomia das universidades (art. 207 da CF/88), a responsabilidade técnica do professor preceptor e o prejuízo na formação profissional do aluno. A impetrada interpôs agravo de instrumento (f.109/120) com pedido liminar de concessão de efeito suspensivo contra a decisão de f.88/89 v, o qual se encontra pendente de julgamento, conforme consulta ao sítio do TRF da 5ª Região. O MPF apresentou parecer, pugnando pela concessão da segurança (f. 124/128). É o relatório. Passo a decidir. 2. FUNDAMENTAÇÃO Inicialmente, cumpre relembrar, para fins de eventuais embargos de declaração, que incumbe ao órgão julgador decidir o litígio segundo o seu livre convencimento motivado, utilizando-se das provas, legislação, doutrina e jurisprudência que entender pertinentes à espécie. Assim, o julgador não se encontra obrigado a manifestar-se sobre todas as alegações das partes, nem a ater-se aos fundamentos indicados por elas ou a responder, um a um, a todos os seus argumentos, quando já encontrou motivo suficiente para fundamentar a decisão. Isto porque a decisão judicial não constitui um questionário de perguntas e respostas, nem se equipara a um laudo pericial a guisa de quesitos. Neste sentido, colacionam-se os seguintes precedentes: "O não acatamento das argumentações contidas no recurso não implica cerceamento de defesa, posto que ao julgador cabe apreciar a questão de acordo com o que ele entender atinente à lide. Não está obrigado o magistrado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento (art. 131, do CPC), utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência, aspectos pertinentes ao tema e da legislação que entender aplicável ao caso concreto." 1 (destaquei) "Processo civil. Sentença. Função prática. A função judicial é prática, só lhe importando as teses discutidas no processo enquanto necessárias ao julgamento da causa. Nessa linha, o juiz não precisa, ao julgar procedente a ação, examinar-lhe todos os fundamentos. Se um deles e suficiente para esse resultado, não esta obrigado ao exame dos demais. Embargos de declaração rejeitados." 2 (destaquei) "(....) A função teleológica da decisão judicial é a de compor, precipuamente, litígios. Não é peça acadêmica ou doutrinária, tampouco se destina a responder a argumentos, à guisa de quesitos, como se laudo pericial fosse. Contenta-se o sistema com a solução da controvérsia, observada a res in judicium deducta, o que se deu no caso ora em exame." 3 (destaquei) Não havendo preliminares arguidas ou conhecíveis de ofício, passo ao exame do mérito. 2.1. Mérito Em sede da análise do pedido de liminar, assim me manifestei sobre a matéira: "A Constituição Federal, em seu art. 207, concede às Universidades autonomia para a gestão didática de seus cursos, dotando-as de liberdade para a sua organização pedagógica. Dentro deste campo de autonomia, encontra-se o estabelecimento de pré-requisitos para as disciplina dos cursos que oferece, vinculando a matrícula em determinadas matérias ao êxito em outras. É certo que esta liberdade pedagógica não é absoluta, havendo situações em que se deve relativizar essa autonomia em prol de outros interesses também legítimos. A análise da situação fática demonstra que a exigência pela impetrada de que sejam cursados 188 créditos se mostra desarrazoada, por diversos motivos. Primeiro, porque a instituição educacional sequer estipulou como pré-requisito para a disciplina Estágio Curricular Supervisionado I uma matéria específica. Ou seja, o curso da referida disciplina não depende de um conhecimento prévio e específico que a impetrante não possui. Não se trata, portanto, de matérias sucessivas em que o curso de uma depende dos conhecimentos adquiridos pela aprovação na outra. Na verdade, há apenas uma exigência numérica, relativa aos créditos já cursados. Depois por que, dos 188 créditos exigidos a impetrante comprova que já cursou 182, ou seja, muito mais de 90% (noventa por cento) das matérias necessárias para que lhe seja ofertada a mencionada disciplina, não sendo razoável a negativa de sua matrícula. A exigência desse pré-requisito deve ser flexibilizada no caso em concreto, pois submeteria a impetrante a mais um semestre de curso configurando flagrante desrespeito ao princípio da proporcionalidade. Assim, o pré-requisito estabelecido pela IES não é uma disciplina específica, e, portanto, não depende de um conhecimento específico e prévio que a estudante não possuía, e sim haver cursado certo número de créditos, independente do conteúdo das disciplinas cursadas, dos quais ela já havia adimplido quase a sua totalidade, faltando menos de 4% do número de créditos fixados. Nesse sentido são os julgados abaixo: ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. ENSINO SUPERIOR. MATRÍCULA. QUEBRA DE PRÉ-REQUISITO. ALUNO CONCLUDENTE. POSSIBILIDADE. I - Não obstante se reconheça a legitimidade da adoção de critérios para a matrícula nas sucessivas disciplinas que compõem o curso superior, em homenagem à autonomia didático-científica conferida às universidades, tal regra não é absoluta e deve observar certa flexibilidade, como no caso, em que o impetrante encontrava-se na iminência de concluir o Curso de Direito, e pelo decurso do tempo, certamente já o concluíra, no amparo da tutela jurisdicional, oportunamente deferida. II - Remessa oficial desprovida. Sentença confirmada.4 ADMINISTRATIVO. MANDADO DE SEGURANÇA. ENSINO SUPERIOR. ALUNO FORMANDO. QUEBRA DE PRÉ-REQUISITO DE UMA DISCIPLINA. 1. Em se tratando de aluno formando no último período, o princípio da razoabilidade, em que pese a existência do princípio da autonomia administrativa universitária insculpido na Constituição Federal, autoriza o deferimento de matrícula de disciplinas seqüenciais que deveriam ser cursadas segundo o sistema de pré-requisito, desde que não haja prejuízo para a universidade, tampouco, para a formação do aluno que continuará submetido ao critério de avaliação de aprendizagem da instituição. 2. Apelação e remessa oficial às quais se nega provimento5. No caso em concreto há uma peculiaridade que impede que a análise da questão fique restrita a possibilidade de quebrar o pré-requisito da matéria. Muito embora alegue a impetrante estar matriculada em apenas quatro matérias, o que perfaz um total de 10 (dez) créditos, e possuir disponibilidade de horário, a disciplina Estágio Supervisionado II possui 20 créditos, algo que somado aos créditos em que já se encontra matriculada supera o limite máximo de 28 créditos por período. Tal situação representaria um óbice ao pleito autoral. Contudo, utilizando o mesmo raciocínio que se aplica à quebra de pré-requisito, não se imagina razoável impedir que a impetrante curse a referida disciplina e assim permaneça por mais um semestre na universidade para cursar matéria única. Se assim fosse, o período 2012.1 da autora estaria ocupado por apenas 10 (dez) créditos, ou seja, menos de 50% do máximo possível de créditos. Restando adiada a conclusão do curso em razão dos 02 créditos que excedem o limite estabelecido. Portanto, encontra-se presente, também, o requisito do fumus boni juris." Após o deferimento da liminar não houve qualquer elemento que modificasse o entendimento ali esposado, razão pela qual deve ser integralmente confirmada. 3. DISPOSITIVO Assim sendo, concedo a segurança com resolução de mérito (art. 269, I, CPC c/c art. 14 da Lei n.º 12.016/09), para determinar ao impetrado que efetive a matrícula da impetrante na disciplina Estágio Supervisionado II (cód. B104529). Confirmo a liminar de fls. 88/89 v. A autora é isenta de custas por ser beneficiária da Justiça Gratuita, deferido nesta sentença. Sem honorários, nos termos das Súmulas n. 105 do STJ e 512 do STF e do art. 25 da Lei n.º 12.016/2009 . Comunicar à autoridade coatora para integral cumprimento desta sentença (art. 13 da Lei 12.016/09). Oficiar o relator do AGTR122630-SE, comunicando-lhe o inteiro teor desta sentença. Sentença sujeita a reexame necessário (art. 14, § 1º, da Lei 12.016/09). Decorrido o prazo sem a interposição de recurso, remeter os autos ao TRF da 5ª Região. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 27 de fevereiro de 2012. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SE 1 - STJ. T1. AgRg no Ag 512437/RJ. Rel. Ministro JOSÉ DELGADO. DJ 15.12.2003, p. 210. 2 - STJ. T2. EDcl no REsp 15450/SP. Rel. Ministro ARI PARGENDLER. DJ 06.05.1996, p. 14399. No mesmo sentido: REsp 172329/SP. S1. Rel. Ministro FRANCISCO PEÇANHA MARTINS; REsp 611518/MA. T2. Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO; REsp 905959/RJ. T3. Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI; REsp 807690/SP. T2. Rel. Ministro CASTRO MEIRA. 3 - STJ. T2. EDcl no REsp 675.570/SC. Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO. DJ 28.03.2006, p. 206 4 TRF - 1ª Região. REOMS/GO nº. 200735000021688, 6ª Turma, julgado em 17/12/2007. 5 TRF - 1ª Região. AMS/MG nº. 200638030065340, 6ª Turma,. Relator Juiz federal David Wilson de Abreu Pardo (conv.), julgado em 01/02/2008. ?? ?? ?? ?? Processo nº 0000365-69.2012.4.05.8500 V PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Sentença Tipo B - Fundamentação Repetitiva

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000711-35.2003.4.05.8500 DOROTHY DE SOUZA ALMEIDA (Adv. NINFA MARIA MACHADO, MARIA LUCIA PASSOS MACHADO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI)

Trasladar cópia do relatório, voto, acórdão e certidão de trânsito em julgado para o processo nº. 0001831-55.1999.4.05.8500 A sentença de f. 305-308 decidiu a causa nos seguintes termos: "... Forte na fundamentação, julgo procedente o pedido e acolho os presentes Embargos, pelo que extingo Execução nº 99.0001831-1. Condeno a embargada no pagamento, em favor da embargante, de custas processuais e de honorários advocatícios, que fixo, atendendo às diretrizes do art. 20, §§ 1ºe 4º, do CPC, em R$ 2.000,00 (dois mil reais). Junte-se cópia desta ao feito executivo principal." A embargante e a CEF interpuseram recurso de apelação (fls. 104/109 e 112/117). Em grau de recurso, o TRF/5ª Região negou provimento à apelação da CEF e deu provimento à apelação de Dorothy de Souza Almeida (fls. 156/163). A CEF interpôs recurso especial (fls. 164/169) o qual foi inadmitido (fls. 179/180). Certidão de trânsito em julgado, f. 209. Em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1. Intimar o(a) devedor(a)/CEF da descida dos autos e para que efetue o pagamento da quantia devida, no prazo de 15(quinze) dias, na forma do art. 475-J, do Código de Processo Civil, sob pena de aplicação de multa no percentual de dez por cento sobre o valor do débito. 2. Não havendo pagamento, aplico multa de 10% e arbitro honorários advocatícios em 10% sobre o total do débito devidamente atualizado, independentemente de impugnação (Resp 1.134.186/RS). 2.1. Intimar o credor para, querendo, promover o cumprimento de sentença no prazo de 30 dias (art. 614, II, CPC). Observando-se a ordem de preferência prevista no art. 655, inciso I, do CPC, proceder à penhora e avaliação em bens do(a) executado(a), atentando-se para o disposto no § 1º, art. 475-J, do CPC. Lavrado o auto de penhora e avaliação, intime-se o executado, na mesma oportunidade, nos termos do art. 475-J, parágrafo 1º, do Código de Processo Civil, para oferecer impugnação, querendo, em 15 (quinze) dias. 2.2. Caso não haja requerimento do credor, arquivar os autos, dada a baixa na distribuição, ressalvando o direito de, a qualquer tempo, enquanto não prescrito o crédito, dar prosseguimento à execução. 3. Sendo positivas as diligências e após o transcurso do prazo de impugnação, intimar o exequente, no prazo de dez dias, acerca da penhora efetivada, do laudo de avaliação, e ainda para dizer se tem interesse na adjudicação do bem penhorado, na forma do art. 685-A do CPC. Na ausência de interesse, informar se pretende realizar a alienação particular, na forma do art. 685-C do CPC. 4. Ultrapassadas as hipóteses dos arts. 685-A e 685-C do CPC, sem êxito, intime-se o exeqüente para indicar leiloeiro oficial para a realização da hasta pública, declinando seu endereço completo e o número do telefone, nos termos dos arts. 686 e 706 do CPC. 5. Atendida a diligência, designar data para a realização de leilão, com as cautelas de praxe, procedendo à intimação das partes. Nomeio o leiloeiro indicado pela exeqüente para realizar a hasta pública, fixando sua comissão, no caso de haver licitantes, em 5%(cinco por cento) - bem móvel ou 3% (três por cento) - bem imóvel, sobre o valor da arrematação, a ser paga pelo arrematante. 6. Sendo o valor dos bens penhorados inferior a 60 salários-mínimos, determino que a hasta pública seja realizada nos termos do art. 686, § 3º, do CPC. 7. Não logrando êxito a penhora, voltem-me os autos conclusos. 8. Caso não seja localizado o executado, intime-se a parte credora para, em 30 (trinta) dias, diligenciar acerca do endereço atualizado do devedor. 9. Não cumprida a diligência determinada no item "8", arquivem-se os autos, com baixa na distribuição, ressalvando-se ao exeqüente o direito de prosseguir com a execução, a qualquer tempo, desde que ainda não prescrita a obrigação e cumprida a diligência mencionada.

   

0000796-74.2010.4.05.8500 MARIA LYGIA DE OLIVEIRA VIEIRA (Adv. WILSON WYNNE DE OLIVA MOTA, ANDREA LEITE, MARA GARCEZ) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI)

DESPACHO DE FL. 261: (...) Intimar a exeqüente/autora para receber o alvará e dizer, no prazo de 05 dias, se tem algo mais a requerer. Após, venham os autos conclusos.

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA CONTRA FAZENDA PÚBLICA 

   

0000296-62.1997.4.05.8500 ZACARIAS BATISTA DO REGO JUNIOR (Adv. JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE - IFS E OUTRO (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 30, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte requerente intimada de que os autos encontram-se com vista para a mesma, e, nada sendo requerido, retornarão ao Arquivo.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0004138-35.2006.4.05.8500 JOSE ROBERTO DE SOUZA (Adv. JHONS CARLOS SOUZA NETO, MARCEL COSTA FORTES, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, JOAO SANTANA FILHO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

O patrono da parte autora requereu o destaque dos honorários contratuais de 10% sobre o montante devido ao autor, em nome da sociedade SANTANA ARAÚJO E COSTA (f. 412-414, item d). Compulsando os autos verifico que não existe contrato de honorários advocatícios, mas tão somente uma procuração (f. 223) e um substabelecimento sem reservas (f. 361). Dessa forma, indefiro o destaque dos honorários advocatícios contratuais. Caso lhe seja conveniente, cabe à parte credora se socorrer das vias ordinárias, no Juízo Estadual, para a busca do seu crédito relativo aos honorários contratuais. Intimar. Nos termos do inciso 01, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica o AUTOR intimado do teor das requisições de pagamento de fls. 446-449 .

   

REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA

   

0000460-02.2012.4.05.8500 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT (Adv. HELDER FELIZOLA SOARES) x INDÚSTRIAS ALIMENTÍCIAS MARATÁ LTDA x JOSE AUGUSTO VIEIRA (Adv. JOÃO NASCIMENTO MENEZES, CRISTIANE FERREIRA DE OLIVEIRA, VICTOR HUGO CAVALHEIRO MENEZES)

Nos termos do inciso 08, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica(am) o(s) autor(es) intimado(s) a fim de que se manifeste(em), querendo, sobre a contestação dos S e documentos que a acompanham, no prazo de 10 (dez) dias e, com ou sem apresentação da réplica, ficam as partes intimadas para especificarem, de forma justificada, em 5 (cinco) dias, as provas que pretendem produzir.

   

 

TOTAL DE SENTENCA: 21

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 9

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 6

TOTAL DE DESPACHO: 27

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.