Publicado no Diário da Justiça de 26/01/2011

 

Boletim 2011.000007 - 3 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

JOSE LEONARDO MACHADO BARRETO 0000261-83.1989.4.05.8500

ACACIA GARDENIA SANTOS LELIS 0000164-14.2011.4.05.8500

ACACIO BONFIM DE ABREU 0005187-72.2010.4.05.8500

ADELMA PINHEIRO FERNANDES DA SILVA 0004585-81.2010.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE 0004027-80.2008.4.05.8500 0000249-97.2011.4.05.8500 0005456-14.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500 0005522-91.2010.4.05.8500 0006303-50.2009.4.05.8500 0004011-58.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS 0000366-93.2008.4.05.8500 0002063-81.2010.4.05.8500 0001467-97.2010.4.05.8500 0001450-95.2009.4.05.8500

AILTON ALVES NUNES JUNIOR 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500

ANA AMELIA DE MENEZES FARO 0016649-22.1993.4.05.8500

ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO 0001798-79.2010.4.05.8500

ANA ELISA SOBRAL VILA NOVA DE CARVALHO VIEIRA 0006646-46.2009.4.05.8500

ANA LEONOR FERREIRA FIGUEIREDO 0000261-83.1989.4.05.8500 0005176-10.1991.4.05.8500

ANA PAULA DA CUNHA SOARES 0002409-32.2010.4.05.8500 0004287-89.2010.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500

ANA PAULA MOURA GAMA 0003347-81.1997.4.05.8500 0001368-84.1997.4.05.8500

ANDRÉ KAZUKAS RODRIGUES PEREIRA 0005456-14.2010.4.05.8500

ANDRÉ LUIZ DE ALMEIDA PAIXÃO 0000065-44.2011.4.05.8500

ANDREA AZEVEDO 0000261-83.1989.4.05.8500

ANDREA JESUS GAMA 0005294-58.2006.4.05.8500

ANDRÉA VIVEIROS HEINZE 0001450-95.2009.4.05.8500

ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA 0005519-39.2010.4.05.8500

ANTONIO CARLOS DAMASCENO 0005904-84.2010.4.05.8500

ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA BEZERRA 0000261-83.1989.4.05.8500

ANTONIO EDUARDO SILVA RIBEIRO 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500

ANTONIO FERNANDO VALERIANO 0002484-71.2010.4.05.8500 0001687-32.2009.4.05.8500

ANTONIO RODRIGO MACHADO DE SOUSA 0005873-64.2010.4.05.8500

ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR 0005294-58.2006.4.05.8500

ANTONIO VIEIRA DOS SANTOS 0002852-80.2010.4.05.8500

AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500

BELMIRO DA SILVEIRA GOIS NETO 0000736-29.1995.4.05.8500

BENITO MATOS SOARES 0004928-77.2010.4.05.8500

BIANCA DE BRITO PORTO 0005873-64.2010.4.05.8500

BIANCO SOUZA MORELLI 0002409-32.2010.4.05.8500 0004244-02.2003.4.05.8500 0004935-40.2008.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500

BRUNO CALABRICH 0006620-48.2009.4.05.8500

CAIO AUGUSTO SANDRINI 0000886-63.2002.4.05.8500

CAMILA TAVARES 0005519-39.2010.4.05.8500

CARILANE SILVA LARANJEIRA 0004799-72.2010.4.05.8500 0004011-58.2010.4.05.8500

CARLOS ALBERTO MONTEIRO VIEIRA 0000261-83.1989.4.05.8500

CARLOS EDUARDO REIS CLETO 0000366-93.2008.4.05.8500

CARLOS HENRIQUE LUZ FERRAZ 0006646-46.2009.4.05.8500

CHARLES ROBERT SOBRAL DONALD 0001798-79.2010.4.05.8500 0005456-14.2010.4.05.8500

CICERO CORBAL GUERRA NETO 0003839-05.1999.4.05.8500 0003347-81.1997.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500 0016649-22.1993.4.05.8500

CICERO NERES VASCONCELOS 0004287-89.2010.4.05.8500

CIRANO MACEDO LEAL FILHO 0005176-10.1991.4.05.8500

CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO 0002859-72.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500 0003624-43.2010.4.05.8500

CLAUDIA MARIA DA SILVA 0008196-86.2003.4.05.8500

CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO 0000138-21.2008.4.05.8500 0001393-43.2010.4.05.8500 0003256-34.2010.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500

CLAUDINO NARCIZO DOS SANTOS JUNIOR 0001798-79.2010.4.05.8500

CLÉVERSON CHEVEL DOS SANTOS FARO 0005522-91.2010.4.05.8500

DALMO JOSE PINHEIRO TORRES 0000736-29.1995.4.05.8500

DANILO GURJÃO MACHADO 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500

EDNALDO BARBOSA DE LIMA 0000736-29.1995.4.05.8500

EDSON WANDER DE ALMEIDA COSTA 0001982-35.2010.4.05.8500

EDUARDO TORRES ROBERTI 0005804-32.2010.4.05.8500

EDVALDO VIEIRA MESSIAS 0002766-12.2010.4.05.8500

ELIANA MARIA VASCONCELLOS MACHADO LIMA 0001687-32.2009.4.05.8500

ELIENE NASCIMENTO DANTAS LEITE 0005602-31.2005.4.05.8500

ESPEDITO PEREIRA LIMA 0005187-72.2010.4.05.8500

EVA MARIA GOMES SOARES(INCRA) 0000261-83.1989.4.05.8500

EVANIO JOSE DE MOURA SANTOS 0001328-82.2009.4.05.8500 0002852-80.2010.4.05.8500

FÁBIO BRITO FRAGA 0001328-82.2009.4.05.8500

FÁBIO ROCHA CARNAÚBA 0002484-71.2010.4.05.8500

FABRICIO LUIZ BARBOZA DA SILVA 0002063-81.2010.4.05.8500 0005602-31.2005.4.05.8500

FERNANDA MENDONÇA DIZ 0000261-83.1989.4.05.8500

FERNANDA SANTANA MOISES 0000176-28.2011.4.05.8500

FERNANDA SILVA SOUZA 0002063-81.2010.4.05.8500 0005456-14.2010.4.05.8500

FERNANDA TEIXEIRA LEITE (AGU) 0002766-12.2010.4.05.8500

FERNANDO ALMEIDA DA SILVA RIBEIRO 0001467-97.2010.4.05.8500

FILIPE PASSOS MARQUES 0006620-48.2009.4.05.8500

FLAMARION D'ÁVILA FONTES 0000261-83.1989.4.05.8500

GERALDO REZENDE FILHO 0000261-83.1989.4.05.8500

GICELMA SANTOS DO NASCIMENTO 0006646-46.2009.4.05.8500

GILDA DINIZ DOS SANTOS (INCRA) 0000261-83.1989.4.05.8500

GISELE LEMOS KRAVCHYCHYN 0002063-81.2010.4.05.8500

GLICIA THAIS SALMERON DE M. VIEIRA 0008196-86.2003.4.05.8500

GUIDO AZEVEDO 0000261-83.1989.4.05.8500

HELDER SANCHES BARBOSA 0002859-72.2010.4.05.8500

HENRI CLAY SANTOS ANDRADE 0005456-14.2010.4.05.8500

IVO BEZERRA OLIVEIRA DE SANTANA 0006303-50.2009.4.05.8500

JISELIA BATISTA SANTOS 0016649-22.1993.4.05.8500

JOAO BATISTA B. ARRUDA 0003347-81.1997.4.05.8500

JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA 0006751-23.2009.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500

JOÃO CARLOS MACHADO CARVALHO 0005873-64.2010.4.05.8500

JOICE ANGELI A. CAMPOS DOS SANTOS 0001958-12.2007.4.05.8500

JORGE SOUZA ALVES FILHO 0002409-32.2010.4.05.8500 0005602-31.2005.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500

JOSE AUGUSTO CRUZ SANTANA 0006096-51.2009.4.05.8500

JOSÉ CARLOS BARRETO JÚNIOR 0001328-82.2009.4.05.8500

JOSE CARVALHO JÚNIOR 0005456-14.2010.4.05.8500

JOSÉ DOS SANTOS VIEIRA DOS ANJOS 0002566-73.2008.4.05.8500

JOSE EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO 0005176-10.1991.4.05.8500

JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS 0005519-39.2010.4.05.8500

JOSÉ ELOIZIO DA COSTA 0005602-31.2005.4.05.8500

JOSÉ HENRIQUE DE SANTANA FILHO 0000841-78.2010.4.05.8500 0004928-77.2010.4.05.8500

JOSE LUIZ TRINDADE DOS SANTOS 0000261-83.1989.4.05.8500

JOSE MARIA MARQUES 0005176-10.1991.4.05.8500

JOSE RINALDO BARRETO 0000261-83.1989.4.05.8500

KALIANY VARJÃO DE SANTANA OLIVEIRA 0005519-39.2010.4.05.8500

KRIZIA REGINA DE OLIVEIRA BATISTA 0002566-73.2008.4.05.8500

LAERT NASCIMENTO ARAUJO 0000886-63.2002.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500 0003675-54.2010.4.05.8500

LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS 0005456-14.2010.4.05.8500

LAURA CRISTINA MACHADO FIGUEIREDO 0000176-28.2011.4.05.8500

LEZIO LOPES DA ROCHA 0003675-54.2010.4.05.8500

LUCAS MENDONÇA RIOS 0005456-14.2010.4.05.8500

LUCIO SERGIO FONTES LIMA 0000261-83.1989.4.05.8500

LUIGI MATEUS BRAGA 0005804-32.2010.4.05.8500 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500

LUIZ CARLOS DA SILVEIRA MELO 0001393-43.2010.4.05.8500

LUIZ EDUARDO A DE FREITAS BRITTO 0000736-29.1995.4.05.8500 0016649-22.1993.4.05.8500 0001368-84.1997.4.05.8500 0003347-81.1997.4.05.8500

LUIZ FERREIRA VASCO VIANA 0001393-43.2010.4.05.8500 0000249-97.2011.4.05.8500

LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA 0003892-88.1996.4.05.8500

LYTS DE JESUS SANTOS 0002331-38.2010.4.05.8500

MAIANA ALVES PESSOA 0005294-58.2006.4.05.8500

MANOEL FERNANDES DA SILVA NETO 0004027-80.2008.4.05.8500

MARCEL COSTA FORTES 0005519-39.2010.4.05.8500

MARCELO AUGUSTO BARRETO DE CARVALHO 0000736-29.1995.4.05.8500

MARCELO FEITOSA SILVA 0005129-69.2010.4.05.8500

MARCELO HORA PASSOS 0002566-73.2008.4.05.8500

MARCIA CECILIANO D. SOUTO 0001958-12.2007.4.05.8500

MÁRCIO CARDOSO DE BARROS 0002852-80.2010.4.05.8500

MARCOS CARDOSO GOIS 0003839-05.1999.4.05.8500

MARCOS D' AVILA FERNANDES 0004935-40.2008.4.05.8500

MARCOS NUNES LIMA 0005873-64.2010.4.05.8500

MARCUS VINICIUS LIMA FRANCO 0005519-39.2010.4.05.8500

MARIA AUXILIADORA COSTA MACHADO 0000261-83.1989.4.05.8500

MARIA DO SOCORRO MIRA DE SOUZA 0002640-59.2010.4.05.8500 0004585-81.2010.4.05.8500

MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO 0002859-72.2010.4.05.8500 0003624-43.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500

MARIO LUIZ BRITTO ARAGAO 0016649-22.1993.4.05.8500 0001368-84.1997.4.05.8500 0000736-29.1995.4.05.8500

MATHEUS DANTAS MEIRA 0002852-80.2010.4.05.8500

MATHEUS OLIVEIRA CORREA 0001467-97.2010.4.05.8500

MAURICIO GENTIL MONTEIRO 0005456-14.2010.4.05.8500

MAURICIO SOBRAL NASCIMENTO 0001467-97.2010.4.05.8500

MAYKA EVANGELINA LIMA BRITO GONÇALVES 0006620-48.2009.4.05.8500

MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO 0005456-14.2010.4.05.8500

MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO 0002063-81.2010.4.05.8500

MONICA MARIA DA SILVEIRA FONTES 0005129-69.2010.4.05.8500

NILTON RAMOS INHAQUITE 0005456-14.2010.4.05.8500

PATRÍCIA DE MOURA MELO SILVA 0001393-43.2010.4.05.8500

PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS 0006751-23.2009.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500 0003347-81.1997.4.05.8500 0003839-05.1999.4.05.8500

PAULO ANDRADE GOMES 0016649-22.1993.4.05.8500 0005176-10.1991.4.05.8500 0003892-88.1996.4.05.8500

PAULO ERNANI DE MENEZES 0006620-48.2009.4.05.8500

PEDRO PAULO PINTO MOREIRA 0016649-22.1993.4.05.8500

PHILIPE BRITTO REZENDE 0005456-14.2010.4.05.8500

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500 0001982-35.2010.4.05.8500

RACHEL C. PEDRA PAIXÃO 0000065-44.2011.4.05.8500

RAFAEL LIMA CARVALHO 0003256-34.2010.4.05.8500

RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO 0005456-14.2010.4.05.8500

RAMON SILVA OLIVEIRA 0006646-46.2009.4.05.8500

RAPHAEL BARRETO GOMES 0001467-97.2010.4.05.8500

RAQUEL MARQUES TAVARES 0001798-79.2010.4.05.8500

RAQUEL PASSOS DE ABREU 0000232-32.2009.4.05.8500

RENATO CARLOS CRUZ MENESES 0005187-72.2010.4.05.8500

RICARDO DOS SANTOS NASCIMENTO 0000841-78.2010.4.05.8500 0000845-18.2010.4.05.8500

RICARDO DUARTE DE MELO 0000736-29.1995.4.05.8500

RICARDO MÚCIO SANTANA DE ABREU LIMA JÚNIOR 0002859-72.2010.4.05.8500

ROBERTA GOIS DE ANDRADE MENDONÇA 0005456-14.2010.4.05.8500

ROBERTO JOSE MOLITERNO 0005176-10.1991.4.05.8500

RODRIGO COSTA MENDES 0001393-43.2010.4.05.8500

ROGÉRIO CARVALHO RAIMUNDO 0002859-72.2010.4.05.8500

ROOSEVELT BATISTA DE CARVALHO 0000736-29.1995.4.05.8500

ROSA HELENA BRITTO ARAGAO 0005456-14.2010.4.05.8500

ROSANGELA OLIVEIRA SOUZA 0002640-59.2010.4.05.8500

RUBENS DANILO SOARES DA CUNHA 0003256-34.2010.4.05.8500

SAMUEL PEDRO DAUD 0006620-48.2009.4.05.8500

SEM ADVOGADO 0004244-02.2003.4.05.8500 0000845-18.2010.4.05.8500 0005904-84.2010.4.05.8500 0005129-69.2010.4.05.8500 0000065-44.2011.4.05.8500 0004928-77.2010.4.05.8500 0000138-21.2008.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500 0006751-23.2009.4.05.8500 0000841-78.2010.4.05.8500 0002331-38.2010.4.05.8500 0006303-50.2009.4.05.8500 0004799-72.2010.4.05.8500

SEM PROCURADOR 0008196-86.2003.4.05.8500 0000232-32.2009.4.05.8500 0000164-14.2011.4.05.8500 0000176-28.2011.4.05.8500 0005873-64.2010.4.05.8500 0004928-77.2010.4.05.8500 0003675-54.2010.4.05.8500

SIDNEY SILVA DE ALMEIDA 0004244-02.2003.4.05.8500

SIZENANDO AZEVEDO FARO 0001450-95.2009.4.05.8500

SONIA RODRIGUES SOARES CALDAS 0003347-81.1997.4.05.8500 0016649-22.1993.4.05.8500 0001368-84.1997.4.05.8500

SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS 0006751-23.2009.4.05.8500 0002409-32.2010.4.05.8500

THAIS MAIA DE BRITTO 0005294-58.2006.4.05.8500

THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA 0003624-43.2010.4.05.8500 0002859-72.2010.4.05.8500 0005804-32.2010.4.05.8500 0005805-17.2010.4.05.8500

THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES 0004935-40.2008.4.05.8500 0005294-58.2006.4.05.8500

THIAGO JOSÉ DE CARVALHO OLIVEIRA 0005873-64.2010.4.05.8500

TONY CARLO CORREIA FERREIRA 0004027-80.2008.4.05.8500

TULIO JOSE AZEVEDO FARO 0001450-95.2009.4.05.8500

VICTOR HUGO MOTTA 0000261-83.1989.4.05.8500

VITOR LISBOA OLIVEIRA 0005873-64.2010.4.05.8500

WAGNER DA SILVA RIBEIRO FILHO 0001467-97.2010.4.05.8500

WELLINGTON PINTO DE MORAIS 0006096-51.2009.4.05.8500

WILLIAM DE JESUS SANTOS 0006620-48.2009.4.05.8500

ZULÍVIA CONCEIÇÃO BRITTO MENEZES 0001467-97.2010.4.05.8500

 

Juiz Federal EDMILSON DA SILVA PIMENTA

Diretor de Secretaria: Sirley Santana de Carvalho

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0006620-48.2009.4.05.8500 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (Adv. BRUNO CALABRICH) x LARA ADRIANA VEIGA BARRETO FERREIRA E OUTROS (Adv. PAULO ERNANI DE MENEZES, MAYKA EVANGELINA LIMA BRITO GONÇALVES, PAULO ERNANI DE MENEZES, SAMUEL PEDRO DAUD, WILLIAM DE JESUS SANTOS, FILIPE PASSOS MARQUES)

Vista à parte ré, no prazo de 05 (cinco) dias, para, justificadamente, indicar os meios de prova que pretende produzir.

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0002852-80.2010.4.05.8500 RICARDO LUIZ ROCHA DO NASCIMENTO (Adv. EVANIO JOSE DE MOURA SANTOS, MATHEUS DANTAS MEIRA, MÁRCIO CARDOSO DE BARROS) x IFS - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE (Adv. ANTONIO VIEIRA DOS SANTOS)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br Processo nº 0002852-80.2010.4.05.8500 - Classe 29 - 3ª Vara Ação: Ordinária Partes: Autor: Ricardo Luiz Rocha do Nascimento Réu: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe- IFS ADMINISTRATIVO. CONSTITUCIONAL. AÇÃO ORDINÁRIA. CUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS DE PROFESSOR. LIMITAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO, IMPOSTA PELA ADMINISTRAÇÃO. FALTA DE AMPARO LEGAL COMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS. PROCEDÊNCIA DO PEDIDO. SENTENÇA: Vistos etc. RICARDO LUIZ ROCHA DO NASCIMENTO, já qualificado na inicial, ingressa com Ação Ordinária conjuminada com pedido de antecipação dos efeitos da tutela em face do INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE- IFS, objetivando sua contratação como professor de Educação Física, eis que foi aprovado em processo seletivo simplificado, realizado pela aludida instituição de ensino, a qual se nega a convocar o acionante, aprovado em terceiro lugar, diante da desistência dos dois primeiros classificados, o que oportunizaria a admissão do requerente, até então não ocorrida. Informa que é professor de Educação Básica perante o Município de Lagarto/SE, em que está submetido a um regime de 125 horas/mês, correspondendo a 25 horas/semana e que, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (art. 67, Lei n° 9.394/96), em tal situação, o professor trabalha em média 12 horas semanais, já que parte do período deve ser destinado a "estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho." Destaca que labora no Município de Lagarto/SE, às quartas e quintas-feiras, no período da manhã e que no IFS seu horário de trabalho seria às segundas e terças-feiras pela manhã e às quintas-feiras à noite, não havendo, assim, que se falar em incompatibilidade de horários. Defende que o IFS incorreu em grave equívoco, posto que a contratação lhe foi negada com base no parecer n° 145 da Advocacia Geral da União, o qual veda a acumulação de dois cargos de 40 (quarenta) horas semanais, o que não é o seu caso, já que a soma das duas cargas horárias totaliza 65 (sessenta e cinco) horas, havendo, desse modo, a compatibilidade permitida pelo art. 37, XVI, "a" da Constituição Federal. Requer a concessão de tutela antecipada, para determinar ao IFS que promova a sua contratação imediata e, ao final, seja reformado o ato administrativo que denegou a contratação, sob o argumento da incompatibilidade de horários, estabelecendo como regular o contrato de trabalho a ser celebrado com a aludida instituição de ensino. Junta procuração e os documentos de fls. 17/55. Custas pagas, fl. 16. Em fl. 56, reservei-me para apreciar o pedido de antecipação de tutela após a resposta do réu. Às fls. 63/65, o IFS apresenta contestação, em que argüi a ausência de pressupostos autorizadores da medida liminar requestada e defende a ilegalidade da cumulação de cargos de professor se a carga horária total ultrapassar 60 (sessenta) horas/semanais, conforme o entendimento do Ministério da Educação. Requer a improcedência da pretensão autoral. Às fls. 71/75, a parte autora apresenta réplica, em que responde aos argumentos da contestação e reitera os termos da inicial. Vieram-me os autos conclusos para sentença. É O BREVE RELATO. DECIDO. Tratando-se de matéria eminentemente de direito, cabe o julgamento antecipado da lide, nos termos do art. 330, I, do CPC. Inexistindo preliminares, passo à análise do mérito. O direito à acumulação pretendida tem amparo no art. 37, XVI, a, da Lei Suprema: "Art. 37 - A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: XVI - vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso XI: a) a de dois cargos de professor; b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas". Dessa forma, a única exigência constitucional e legal é que haja compatibilidade de horários. Não há na legislação limite de carga horária. A única restrição que a Constituição trouxe para os casos de acumulação foi a necessidade de compatibilidade de horários, não fazendo menção a outros tipos de limitação, como, por exemplo, carga horária máxima a ser cumprida pelo servidor que acumule dois cargos subjetivo em debate. Dessa forma, não é legítima a atitude do IFS em querer restringir o direito do autor, baseado apenas em entendimentos externados por Cortes de Contas. Se a CF/88 apenas limitou o direito de acumular à compatibilidade de horários entre os dois cargos ocupados pelo servidor, não há que se elaborar entendimentos limitativos ao dispositivo constitucional, criando novas restrições ao exercício do direito. Conforme demonstrado pelos documentos juntados aos autos, existe compatibilidade entre os horários de trabalho do autor, não havendo choque entre as atividades desempenhadas junto ao Município de Lagarto (fls. 43) e ao IFS (fl. 44). Assim, não há porque limitar seu direito constitucional de acumular dois cargos. Nesse sentido, a jurisprudência já se manifestou: ADMINISTRATIVO. CUMULAÇÃO DE CARGOS DE PROFESSOR. CARGA HORÁRIA SUPERIOR A 60 HORAS. LIMITAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE NORMA REGULADORA. 1- A disposição constitucional contida no art. 37, XVI, só exige para acumulação dos cargos públicos a compatibilidade de horários. 2- A inexistência de legislação infraconstitucional que regule a referida norma impede o administrador de estabelecer limite de carga horária para servidor que ocupa dois cargos de professor. Precedentes. 3- Apelação e remessa oficial improvidas. (TRF5 - Apelação em Mandado de Segurança: AMS 92195 SE 2005.85.00.002797-4, Relator(a): Desembargador Federal Marcelo Navarro, Julgamento: 10/03/2008, Órgão Julgador: Quarta Turma Publicação: 02/04/2008). ADMINISTRATIVO. CUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS DE PROFESSOR. LIMITAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO, IMPOSTA PELA ADMINISTRAÇÃO, PARA FINS DE AFERIÇÃO DA COMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS. FALTA DE AMPARO LEGAL. I - Inexistindo lei que estabeleça o limite máximo permitido para aferição da compatibilidade de horários, não pode o administrador, a pretexto de interpretar a norma constitucional, fixar a carga horária para o máximo de 60 horas. II - Comprovada a compatibilidade de horários no exercício da profissão, lícita é a acumulação de cargos públicos de professor. II - Apelação a que se nega provimento. (TRF5 - AMS 82503-SE, Rel. Des. Federal Manuel Maia, DJ 15/04/2005, 3ªT.) POSTO ISSO, e ante os argumentos expendidos, julgo PROCEDENTE o pedido para declarar a nulidade do ato administrativo que denegou a contratação do autor, sob o argumento da incompatibilidade de horários, e para determinar ao Instituto Federal de Educação Tecnológica de Sergipe - IFS que proceda à contratação do candidato Ricardo Luiz Rocha do Nascimento, para o cargo em que foi aprovado. Na hipótese dos autos, em face da necessária presença do docente em sala de aula e do fundado receio de danos aos alunos da referida instituição, caso não sejam prestadas as aulas devidas, defiro o pedido de tutela antecipada para determinar ao IFS que contrate, imediatamente, o autor, para o exercício do cargo do magistério em que logrou aprovação perante a referida instituição de ensino. Custas a ser ressarcidas pela parte ré. Condeno o réu ao pagamento de honorários advocatícios, estes fixados em R$ 510,00 (quinhentos e dez reais). P.R.I. Aracaju, 22 de dezembro de 2010. Juiz Edmilson da Silva Pimenta 2 4

   

0004287-89.2010.4.05.8500 JOSEMAR DOS SANTOS (Adv. CICERO NERES VASCONCELOS) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES)

1. Ciência às partes da chegada dos autos a este Juízo. 2. Reputo válidos os atos praticados. 3. Defiro o benefício de justiça gratuita. 4. À parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias: a) manifestar-se sobre a contestação e documentos; b) justificadamente, especificar as provas que pretende produzir, ou dizer se opta pelo julgamento antecipado da lide. Decorrido o prazo, com ou sem manifestação, intime-se a parte ré para a mesma finalidade do item "b". Após, conclusão.

   

0005456-14.2010.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES NOS SERVIÇOS PÚBLICOS DO ESTADO DE SERGIPE - SINTRASE (Adv. CHARLES ROBERT SOBRAL DONALD, ROBERTA GOIS DE ANDRADE MENDONÇA, RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO, NILTON RAMOS INHAQUITE, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO, HENRI CLAY SANTOS ANDRADE, MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO, LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS, LUCAS MENDONÇA RIOS, FERNANDA SILVA SOUZA, PHILIPE BRITTO REZENDE, JOSE CARVALHO JÚNIOR, MAURICIO GENTIL MONTEIRO, ANDRÉ KAZUKAS RODRIGUES PEREIRA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Ao autor para, no prazo de 5 (cinco) dias, proceder à correção do pólo passivo da demanda, nos termos da Lei nº 11.457, de 16/03/2007, eis que ao INSS compete reter a exação questionada nos vencimentos dos servidores. Após, venham-me os autos conclusos para decisão.

   

0005519-39.2010.4.05.8500 CELINA GARCIA AMARANTE MENDONCA (Adv. MARCEL COSTA FORTES, ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA, KALIANY VARJÃO DE SANTANA OLIVEIRA, JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS, CAMILA TAVARES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. MARCUS VINICIUS LIMA FRANCO)

1. Defiro o benefício da Justiça Gratuita, nos termos do artigo 4º da Lei nº 1.060, de 05 de fevereiro de 1950. 2. Por cautela, reservo-me para apreciar a antecipação de tutela requerida após a contestação da ré, quando melhor delineado estará o panorama da lide, ensejando o exame dos requisitos que a autorizam, e, sobretudo, em homenagem ao princípio do contraditório. 3. Cite-se.

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0002766-12.2010.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. FERNANDA TEIXEIRA LEITE (AGU)) x LUIZ FERNANDES SANTOS (Adv. EDVALDO VIEIRA MESSIAS)

Recebo os embargos. À parte adversa para impugnação no prazo de 15(quinze) dias. Havendo divergência de cálculos, encaminhem-se os autos ao Contador do Juízo, devendo apresentar os demonstrativos necessários, para dirimir a controvérsia, intimando-se as partes para se manifestarem em 5(cinco) dias, sobre os cálculos do Contador Oficial. Após, voltem-me os autos conclusos.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0002063-81.2010.4.05.8500 JOSÉ ALMIRO DOS SANTOS (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO, GISELE LEMOS KRAVCHYCHYN, FERNANDA SILVA SOUZA, FABRICIO LUIZ BARBOZA DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

À parte autora para, no prazo de 10 (dez) dias: a) manifestar-se sobre a contestação e documentos; b) justificadamente, especificar as provas que pretende produzir, ou dizer se opta pelo julgamento antecipado da lide. Decorrido o prazo, com ou sem manifestação, intime-se a parte ré para a mesma finalidade do item "b". Após, conclusão.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0003839-05.1999.4.05.8500 MARIA VALDEREZ LIMA (Adv. MARCOS CARDOSO GOIS) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS)

1. Manifeste a CEF, no prazo de cinco dias, interesse no prosseguimento da execução. 2. Se inexistir manifestação, arquivem-se os autos, com baixa na Distribuição, pelas razões já delineadas em fl. 93.

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

   

0000249-97.2011.4.05.8500 FORÇA SINDICAL DO ESTADO DE SERGIPE E OUTROS (Adv. LUIZ FERREIRA VASCO VIANA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br Processo nº 0000249-97.2011.4.05.8500 - 3ª Vara Classe 1: Ação Civil Pública Partes: Força Sindical do Estado de Sergipe e outros União Federal Sentença tipo "C" SENTENÇA A Força Sindical do Estado de Sergipe ingressou com a presente Ação Civil Pública com pedido de tutela antecipada, objetivando a defesa do patrimônio dos trabalhadores que representa, ameaçado em razão de tributação promovida pela União Federal, consistente na falta de reajuste da base de cálculo do imposto de renda de pessoa física para o ano de 2011. Aduz que a ausência de reajuste da Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física a partir do exercício de 2011, contida na Lei nº 11.945/2009, apresenta um verdadeiro confisco de salário, uma vez que milhares de contribuintes ou perderam a isenção contida da lei ou acabaram por sofrer a incidência de uma alíquota superior. Requer, destarte, o reajuste da tabela de incidência do IR, conforme reajustamento de 6,46%, de acordo com a variação do INPC/IBGE do período. Vieram-me os autos conclusos. É o relatório. A Lei nº 7.347/85, que trata da Ação Civil Pública, dispõe no parágrafo único do art. 1º que: Art. 1º Regem-se pelas disposições desta Lei, sem prejuízo da ação popular, as ações de responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados: (Redação dada pela Lei nº 8.884, de 11.6.1994) [...] Parágrafo único. Não será cabível ação civil pública para veicular pretensões que envolvam tributos, contribuições previdenciárias, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS ou outros fundos de natureza institucional cujos beneficiários podem ser individualmente determinados. (Incluído pela Medida provisória nº 2.180-35, de 2001) -grifo nosso. Em se tratando de tributos, não há entre o sujeito ativo (poder público) e o sujeito passivo (contribuinte) relação de consumo, e nem seria possível identificar o direito do contribuinte como interesses sociais e individuais indisponíveis (art. 127 CF). Nesse sentido, são as decisões da nossa Corte Maior: EMENTA: Embargos de Declaração no Agravo Regimental no Agravo de Instrumento. 2. Recurso Extraordinário. Ação Rescisória. 3. Ilegitimidade Ativa de associação de defesa de consumidor para propor Ação Civil Pública. 4. Legitimidade processual. Condição da Ação. 5. Decisão agravada com mero relato de relação consumerista concomitante a relação jurídico-tributária. 6. Imprestabilidade de Ação Civil Pública para os efeitos do Art. 168 do CTN. 7. Questão de Ordem Pública. Inexistência de relação de consumo entre poder público e contribuinte. 8. Obrigação ex-lege. 9. Súmula 343 do STF. Inaplicabilidade. Matéria Constitucional. 10. Irrelevância da natureza estatutária da associação de consumidores interessada. 11. Inexistência de omissão, contradição ou obscuridade. Efeitos infringentes do julgado. 12. Embargos rejeitados. (AI-AgR-ED 382298, GILMAR MENDES, STF) EMENTA: Agravo regimental em Agravo de Instrumento. 2. Recurso Extraordinário. Ação Rescisória. 3. Ilegitimidade ativa de associação de defesa do consumidor para propor Ação Civil Pública na defesa de direitos individuais homogêneos. Matéria devidamente prequestionada. Questão relativa às condições da ação não pode ser conhecida de ofício. 4. Empréstimo compulsório sobre a aquisição de combustíveis. Qualificação dos substituídos como contribuintes. 5. Inexistência de relação de consumo entre o sujeito ativo (poder público) e o sujeito passivo (contribuinte). 6. Precedentes do STF no sentido de que o Ministério Público não possui legitimidade para propor ação civil pública com o objetivo de impugnar a cobrança de tributos. 7. Da mesma forma, a associação de defesa do consumidor não tem legitimidade para propor ação civil pública na defesa de contribuintes. 8. Agravo regimental provido e, desde logo, provido o recurso extraordinário, para julgar procedente a ação rescisória (AI 382298 AgR, Relator(a): Min. CARLOS VELLOSO, Relator(a) p/ Acórdão: Min. GILMAR MENDES, Segunda Turma, julgado em 04/05/2004, DJ 28-05-2004 PP-00053 EMENT VOL-02153-7 PP-01373) Decidindo questão idêntica a dos autos, encontramos o julgado do TRF 3ª Região: PROCESSUAL CIVIL. SINDICATO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. ATUALIZAÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE. FALTA DE POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. 1. Preliminar de nulidade da sentença não conhecida e preliminar de ilegitimidade passiva rejeitada. 2. O Código de Defesa do Consumidor, norma infraconstitucional que autorizou a utilização da ação civil pública como meio de defesa dos interesses individuais homogêneos atinentes as relações de consumo, não se aplicando às relações tributárias. 3. Esta Corte sedimentou, há muito, entendimento de que a ação civil pública não é o meio adequado para veicular qualquer pretensão atinente a tributo (impostos, taxas e contribuições de melhoria), posto que o direito e o benefício pleiteado nestas ações poderá ser individualmente auferido. 4. A questão foi definitivamente dirimida com a edição do parágrafo único do artigo 1.º da Lei 7.347/85, que foi editado inicialmente pela Medida Provisória 1.984-18 de 1.º de junho de 2000, ao vedar a utilização da ação civil pública para veicular qualquer pretensão atinente a tributo 5. Remessa oficial provida e apelação não provida. (AC - APELAÇÃO CIVEL - 857457. Relator DESEMBARGADOR FEDERAL NERY JUNIOR. DJU DATA:14/04/2004 PÁGINA: 223) POSTO ISSO, extingo o presente feito, nos termos do art. 267, inciso VI, do Código de Processo Civil. Sem honorários, uma vez que a parte adversa não chegou a ser citada. Sem custas [art. 18, da Lei nº 7.347/85]. P. R. I. Aracaju, 19 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 2

   

0006646-46.2009.4.05.8500 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (Adv. GICELMA SANTOS DO NASCIMENTO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA ELISA SOBRAL VILA NOVA DE CARVALHO VIEIRA) x ESTADO DE SERGIPE (Adv. RAMON SILVA OLIVEIRA, CARLOS HENRIQUE LUZ FERRAZ)

SENTENÇA "a" AÇÃO CIVIL PÚBLICA nº 2009.85.00.006646-8 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉUS: UNIÃO E OUTROS 1. RELATÓRIO O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL propôs AÇÃO CIVIL PÚBLICA com pedido de antecipação de tutela em face da UNIÃO e ESTADO DE SERGIPE para o fornecimento gratuito de medicamentos em favor de Ivana Cardoso de Argolo. Disse que instaurou o Procedimento Administrativo nº 1.35.000.001741/2009-83 (em apenso) em virtude da representação oferecida pela paciente, requerendo a intervenção do MPF a fim de garantir-lhe tratamento médico, portadora de afecção reumática de caráter crônico (Esclerose Sistêmica). Asseverou que foi solicitado ao Centro de Atenção à Saúde do Estado de Sergipe - CASE o fornecimento do medicamento Methotrexato 25mg/ml injetável, tendo recebido a resposta de somente são dispensados medicamentos de outras patologias cujos CID estejam previstos na Portaria Ministerial n°. 2577/2006. Ressaltou, por fim, a urgente necessidade de tratamento da paciente, para o qual não há venda do medicamento em farmácias, sendo a única possibilidade a dispensação do remédio pelo CASE. Deferida antecipação de tutela [fls. 14/18]. Contestação do Estado de Sergipe [fls. 58/83]. A União deixou transcorrer o prazo legal sem resposta [fl. 86]. Manifestação do MPF sobre a contestação e documentos, sem requerimentos probatórios [fls. 151/155]. O Estado de Sergipe requereu a produção de prova pericial [fl.168], a qual foi indeferida [fl.178]. É o principal a relatar. 2. FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Preliminares Argüi o Estado de Sergipe sua legitimidade passiva. Há de se manter os entes federativos no pólo passivo da lide, mormente em razão da solidariedade incidente a esse tipo de prestação estatal, no sentido de assegurar às pessoas desprovidas de recursos financeiros o acesso à medicação necessária para a cura de suas mazelas, em especial, as mais graves, como decorre do dispositivo constitucional pertinente: Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III - participação da comunidade. § 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos do orçamento da seguridade social, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, além de outras fontes. (Parágrafo único renumerado para § 1º pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000) § 2º A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios aplicarão, anualmente, em ações e serviços públicos de saúde recursos mínimos derivados da aplicação de percentuais calculados sobre: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 29, de 2000) (Destaquei) A propósito, a lição extraída da jurisprudência do STJ: "RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. OFENSA AO ART. 535, II, DO CPC. INEXISTÊNCIA. FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS PARA PESSOA CARENTE. LEGITIMIDADE DA UNIÃO, DO ESTADO E DO MUNICÍPIO PARA FIGURAREM NO PÓLO PASSIVO DA DEMANDA. 1. Inexiste ofensa ao art. 535, II, do CPC, quando as questões levadas ao conhecimento do Órgão Julgador foram por ele apreciadas. 2. Recurso no qual se discute a legitimidade passiva da União para figurar em feito cuja pretensão é o fornecimento de medicamentos imprescindíveis à manutenção de pessoa carente, portadora de atrofia cerebral gravíssima (ausência de atividade cerebral, coordenação motora e fala). 3. A Carta Magna de 1988 erige a saúde como um direito de todos e dever do Estado (art. 196). Daí, a seguinte conclusão: é obrigação do Estado, no sentido genérico (União, Estados, Distrito Federal e Municípios), assegurar às pessoas desprovidas de recursos financeiros o acesso à medicação necessária para a cura de suas mazelas, em especial, as mais graves. 4. Sendo o SUS composto pela União, Estados e Municípios, impõe-se a solidariedade dos três entes federativos no pólo passivo da demanda 5. Recurso especial desprovido". (STJ. REsp 507205/PR. Rel. Min. José Delgado. DJ 17.11.2003, p. 213). Com relação ao julgamento antecipado da lide, ressalto que o Estado de Sergipe requereu a produção de prova pericial, porém o feito já está instruído com documentos suficientes. Passo ao julgamento da causa. 2.2 Mérito Noticiam os autos que Ivana Cardoso de Argolo sofre de afecção reumática de caráter crônico (Esclerose Sistêmica), necessitando fazer uso do medicamento Methotrexato 25mg/ml injetável para o tratamento da referida enfermidade, como patenteiam o Receituário e Relatório Médicos de fls. 05/10 do procedimento administrativo apensado aos autos. A hipótese prevista nos autos demonstra que o fornecimento do medicamento prescrito é de uso necessário à saúde e à vida da paciente que, presumivelmente, não dispõe de recursos financeiros para adquiri-lo, sendo dever do Estado fornecê-lo às pessoas carentes. Conforme documentação juntada aos autos, resta demonstrado o direito evocado, pois há prova do estado de saúde da paciente, bem como a prova da omissão do poder público em lhe prestar atendimento adequado. Além disso, sopesando, o direito à saúde e à manutenção da vida dos indivíduos enfermos, especialmente da paciente referenciada, e as questões meramente técnico-financeiras dos entes componentes do SUS, é óbvio que os direitos dos indivíduos prevalecem. Creio que, em regra o protocolo deve ser respeitado, porém, há exceções, como a do presente caso. Noto que nenhum dos réus conseguiu demonstrar o erro ou excesso na conclusão médica, sendo este fato, lembrando que, nesse caso, era inteiramente dos réus o ônus probatório. No mais, segundo orientação pacífica na Suprema Corte, deve o Judiciário tutelar eventual falha nos serviços de saúde. Veja-se: "O direito público subjetivo à saúde representa prerrogativa jurídica indisponível assegurada à generalidade das pessoas pela própria Constituição da República (art. 196). Traduz bem jurídico constitucionalmente tutelado, por cuja integridade deve velar, de maneira responsável, o Poder Público, a quem incumbe formular - e implementar - políticas sociais e econômicas idôneas que visem a garantir, aos cidadãos, inclusive àqueles portadores do vírus HIV, o acesso universal e igualitário à assistência farmacêutica e médico-hospitalar. O direito à saúde - além de qualificar-se como direito fundamental que assiste a todas as pessoas - representa conseqüência constitucional indissociável do direito à vida. O Poder Público, qualquer que seja a esfera institucional de sua atuação no plano da organização federativa brasileira, não pode mostrar-se indiferente ao problema da saúde da população, sob pena de incidir, ainda que por censurável omissão, em grave comportamento inconstitucional. A interpretação da norma programática não pode transformá-la em promessa constitucional inconseqüente. O caráter programático da regra inscrita no art. 196 da Carta Política - que tem por destinatários todos os entes políticos que compõem, no plano institucional, a organização federativa do Estado brasileiro - não pode converter-se em promessa constitucional inconseqüente, sob pena de o Poder Público, fraudando justas expectativas nele depositadas pela coletividade, substituir, de maneira ilegítima, o cumprimento de seu impostergável dever, por um gesto irresponsável de infidelidade governamental ao que determina a própria Lei Fundamental do Estado. (...) O reconhecimento judicial da validade jurídica de programas de distribuição gratuita de medicamentos a pessoas carentes, inclusive àquelas portadoras do vírus HIV/AIDS, dá efetividade a preceitos fundamentais da Constituição da República (arts. 5º, caput, e 196) e representa, na concreção do seu alcance, um gesto reverente e solidário de apreço à vida e à saúde das pessoas, especialmente daquelas que nada têm e nada possuem, a não ser a consciência de sua própria humanidade e de sua essencial dignidade. Precedentes do STF." (RE 271.286-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 12-9-00, DJ de 24-11-00). No mesmo sentido: RE 393.175-AgR, Rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 12-12-06, DJ de 2-2-07. Tal decisão responde a praticamente todas as perguntas referentes à saúde e o dever do Estado. Não há como se pensar que limitações orçamentárias, exigências licitatórias ou o princípio da separação dos poderes podem obstar o sucesso da pretensão autoral. Lembro ainda que o valor envolvido no fornecimento mensal do produto não chega a ser elevado ao ponto de por em risco as finanças públicas ou o planejamento do SUS. 3. OBSERVAÇÃO FINAL Não há porque os entes se preocuparem com eventual bis in idem, pois como a obrigação é solidária, uma vez que ela tenha sido satisfeita por qualquer um deles, os demais restarão desobrigados perante o credor, remanescendo apenas o ajuste a ser feito entre os devedores solidários, conforme a regra geral das obrigações desta natureza, estabelecida pelo Código Civil de 2002. 4. DISPOSITIVO Amparado em tais razões, confirmo a antecipação de tutela e JULGO PROCEDENTE O PEDIDO para determinar que os réus, de modo solidário, forneçam tratamento gratuito do medicamento Methotrexato 25mg/ml injetável, conforme prescrição médica, fls. 05/10 do Procedimento Administrativo Ivana Cardoso de Argolo. Advirto que, além do dever de agir concretizado por esta sentença, há o comando penal protegendo a vida humana, cujo malferimento será apurado em caso de recusa ou omissão no cumprimento desta, o que faço constar ante a notória resistência do Executivo em cumprir prontamente as ordens judiciais. Fixo multa diária de R$ 500,00 (quinhentos reais) em caso de inadimplemento ou atraso na entrega dos produtos. O deferimento da presente ordem não impede o acompanhamento da enferma por parte de médicos dos requeridos, assim como a manutenção do fornecimento depende da manutenção de sua utilidade. Sem custas ou honorários, pelo fato da ação ter sido patrocinada pelo MPF. Sujeita ao reexame necessário. P.R.I. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto -2- -2-

   

AÇÃO CIVIL PÚBLICA DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

   

0005187-72.2010.4.05.8500 JOSÉ CARLOS MONTEIRO DA SILVA (Adv. ESPEDITO PEREIRA LIMA) x JOSÉ SILVEIRA GUIMARÃES (Adv. ACACIO BONFIM DE ABREU, RENATO CARLOS CRUZ MENESES)

(...) 3. Ante o exposto, extingo o processo sem julgamento de mérito [art. 267, VI do CPC]. Sem custas ou honorários [art. 18 da Lei 7.347/85]. Após a preclusão, tendo em vista que os autos não possuem qualquer importância histórica, determino a baixa dos mesmos e sua entrega ao MPF, como peça de informação [art. 7º da Lei 7.347/85].

   

AÇÃO DE USUCAPIÃO

   

0004027-80.2008.4.05.8500 CHRISTIAN BARNARD FARIAS DE MIRANDA (Adv. TONY CARLO CORREIA FERREIRA, MANOEL FERNANDES DA SILVA NETO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

PROCESSO N° 2008.85.00.004027-0 CONCLUSÃO Faço conclusão dos presentes autos a Dr. RAFAEL SOARES SOUZA, Juiz Federal Substituto da 3ª Vara. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. Lícia Maria Oliveira do Nascimento Analista/Técnico Judiciário DECISÃO 1. Homologo a exclusão da área pertencente à União, no imóvel objeto da usucapião, consoante planta de fl. 75 e petição de fl. 87. 2. Face a inexistência de interesse da União na demanda, remetam-se os autos, imediatamente, à Justiça Estadual. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto DATA Foram-me entregues estes autos com o respeitável despacho supra. Aracaju, _____de ______________ de 2011. ____________________________________

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000164-14.2011.4.05.8500 DANIELLE SANTIAGO CÂMARA DANTAS (Adv. ACACIA GARDENIA SANTOS LELIS) x INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE SERGIPE (Adv. SEM PROCURADOR)

1. Trata-se de ação de obrigação de fazer com pedido de tutela antecipada em que se requer que o réu se abstenha de exigir exame médico para atestar a condição de PNE da autora e/ou a reclassifique na condição de terceira colocada no certame na classificação geral determinando sua imediata habilitação no certame. O valor da causa é inferior a sessenta salários mínimos [R$ 1.000,00]. 2. A competência, pressuposto de validade deve ser apreciada de ofício, independentemente de provocação das partes. Considerando que o valor da causa é inferior à sessenta salários mínimos [R$ 1.000,00], a competência para julgar este feito é do Juizado Especial Federal [art. 3° da Lei n° 10.259/2001]. Em princípio, seria o caso de remessa dos autos ao Juizado desta Subseção. Todavia, considerando que os processos que tramitam no Juizado são virtuais, a simples remessa dos autos "físicos" não garantirá a tramitação regular do feito, uma vez que há a necessidade de alimentação do sistema CRETA com inúmeros dados, inclusive, digitalização dos documentos e complementação destes, conforme o caso. Mencione-se, também, a obrigatoriedade dos causídicos em serem cadastrados naquele sistema para poder usufruir do mesmo. Na prática, pelas regras específicas do processo eletrônico, mais adequado ao escopo da rápida e segura solução do litígio é mesmo extinguir o feito [art. 267, IV do CPC] e indicar as partes o juízo competente para, com as adaptações necessárias, ingressar com seu pedido. 3. Na hipótese dos autos a competência do Juizado Especial Federal é cristalina para processamento e julgamento do mérito da lide. No entanto, deixo de remeter o processo ao JEF, por este ser virtual e demandar o cadastro do advogado e outros atos que não podem ser feitos pelo juízo. Nesse sentido, jurisprudência pacifica do TRF: PREVIDENCIÁRIO E PROC. CIVIL. COMPETÊNCIA. JUIZADO ESPECIAL FEDERAL. VALOR DA CAUSA. MONTANTE INFERIOR A 60 SALÁRIOS MÍNIMOS.EXTINÇÃO DO PROCESSO. REVISÃO DE APOSENTADORIA POR TEMPO DE SERVIÇO. 1. Compete ao juizado especial federal cível processar e julgar as causas de competência da justiça federal de valor até 60 salários mínimos, nos termos do art. 3º da lei nº 10.259/01. 2. Sendo o valor da causa inferior ao patamar legal de 60 salários mínimos, a competência é do Juizado Especial Federal para apreciar e julgar a demanda. 3. Precedente: TRF - 5ª Região, Primeira Turma, Relator Rogério Fialho, AC414220, DJU 21/10/2008. 4. Afigura-se necessária a extinção do processo, pois a competência para conhecer da lide é dos Juizados Especiais Federais, sendo inviável a remessa dos autos àquele juízo em razão das disparidades existentes entre os sistemas Tebas (Varas Cíveis) e o Creta (Juizados Especiais Federais). No primeiro, os autos processuais são confeccionados em papel, enquanto que no segundo o processo é virtual. Apelação improvida. (AC 200982000074446, Desembargador Federal Francisco Cavalcanti, TRF5 - Primeira Turma, 30/04/2010) 4. Ante o exposto, extingo o processo sem julgamento de mérito [art. 267, VI do CPC]. Após a preclusão, arquivem-se.

   

0000176-28.2011.4.05.8500 ALBERTO SAVIO VANONI CARVALHO CRUZ DOS SANTOS (Adv. LAURA CRISTINA MACHADO FIGUEIREDO, FERNANDA SANTANA MOISES) x FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (Adv. SEM PROCURADOR)

AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 0000176-28.2011.4.05.8500 AUTORA: ALBERTO SAVIO VANONI CARVALHO CRUZ DOS SANTOS RÉU: UFS S E N T E N Ç A TIPO B 1. RELATÓRIO Trata-se de ação ordinária movida por candidato do concurso vestibular, inscrito nas vagas para não cotistas, questionando o sistema de cotas da UFS, qualificando-o como inconstitucional. Vieram os autos conclusos. 2. FUNDAMENTAÇÃO Trata-se de matéria controvertida unicamente de direito, já tendo este juízo se posicionado em casos idênticos, a exemplo do processo de n° 0000893-74.2010.4.05.8500, proferindo sentença de total improcedência. Dito isto, com fulcro no art. 285-A do CPC, dispenso a citação da parte ré, e reproduzo os termos da sentença anteriormente prolatada. In verbis: O tema é polêmico, não conta com posição uniforme na jurisprudência e, recentemente, foi alvo de audiências públicas no STF, a fim de instruir a ADPF 186 e o RE 597.285/RS. É raro que um único caso enfeixe em si tantos temas atuais, reflexos de concepções de mundo radicalmente divergentes acerca do papel do Estado, da isonomia e do mérito individual. Conforme BOBBIO, "não existe preconceito pior do que acreditar não ter preconceitos"1 e é com arrimo neste argumento inicial que se percebe a impossibilidade de uma posição neutra. O ponto de partida é por demais conhecido: o Brasil é um país desigual e algo deve ser feito para mudar tal realidade. Contudo, é justamente no modo de concretização do comando constitucional da busca por uma sociedade livre, justa e solidária, erradicando a pobreza e promovendo o bem de todos [art. 3º da CRFB] que as divergências florescem, já que, ingressar, permanecer e concluir um curso de graduação é algo extremamente caro no Brasil. A UFS regulamentou o tema por meio da Resolução nº. 80/2008/CONEPE: Art. 2º. Do saldo de vagas remanescente será reservado cinquenta por cento das vagas de todos os cursos de graduação ofertados pela Universidade Federal de Sergipe aos candidatos que comprovem a realização de cem por cento do ensino médio em escolas públicas das redes federal, estadual e municipal e pelo menos quatro séries do ensino fundamental nessas mesmas instituições. § 1º. A comprovação a que se refere o caput ocorrerá no ato de inscrição do processo seletivo seriado. § 2º. Se da aplicação do percentual previsto no caput resultar número fracionário, haverá aproximação para o número imediatamente anterior, eliminando-se a fração para os cotistas. § 3º. As vagas restantes necessárias à integralização do quantitativo total ofertado por curso, caso resultar em número fracionário, ocorrerá a aproximação para o número inteiro imediatamente superior. Art. 3º. Setenta por cento das vagas referidas no artigo anterior serão reservadas a candidatos que, no ato de inscrição do processo seletivo seriado se auto-declarem negros, pardos ou índio. Parágrafo Único. Se da aplicação do percentual previsto no caput resultar número fracionário, haverá aproximação para o número inteiro imediatamente anterior, eliminando-se a fração para os sub-cotistas. Sinteticamente: (a) 50% das vagas foi destinada ao concurso com base nas regras tradicionais; (b) 50% reservados para estudantes do ensino público e, dentro desta fatia, 70% para candidatos que se autodeclararem negros pardos ou índios. Pois bem. No tema das cotas para o concurso vestibular, os argumentos comumente esgrimidos são os seguintes: Favoráveis Contrários (a) O combate aos efeitos presentes da discriminação passada; (a) a necessidade de observância do mérito e a consequente injustiça quanto aos adversários do regime comum de competição; (b) A promoção da diversidade; (b) a tensão entre um modelo de proteção individual ou grupal dos direitos e a gravidade de algumas modalidades de ação afirmativa; (c) A natureza compensatória das ações afirmativas; (c) o caráter prejudicial às minorias raciais, dado o reforço dos estigmas e preconceitos deles decorrentes (d) A criação de modelos positivos para estudantes e as populações minoritárias; (d) violação ao princípio da legalidade. (e) A provisão de melhores serviços às comunidades minoritárias. (e) igualdade nas condições de acesso e permanência na escola [e universidade] - art. 206, I da CRFB. À margem da polêmica, as universidades brasileiras têm elegido os seguintes critérios para as ações afirmativas2: Os critérios acima têm em comum o pressuposto de uma situação real desfavorável, erigida sobre relações de causa e efeito estatisticamente demonstradas e igualmente sensíveis na vida diária das universidades públicas, já que é notório que o acesso ao ensino superior público é seletivo e deixa de fora expressivo quantitativo de alunos. Por exemplo, no caso dos "negros", nos últimos dez anos, mantêm-se constante a distância percentual entre esses e "brancos" no tocante ao acesso ao ensino superior3: Há diversas explicações para tal fenômeno. Ficando nas mais simples, é do senso comum4 que ensino médio de qualidade é o privado, etapa essencial para o concurso vestibular. A deficiência técnica do ensino público (cuja clientela é justamente a população mais carente, no mais das vezes, pertencente às "minorias raciais") o incapacita de preparar seus estudantes para concorrerem com os congêneres do ensino privado, os quais contam com melhores recursos e preparação [v.g., "cursinhos"]. A resultante das forças é a seguinte: as universidades públicas são praticamente privadas sob o ponto de vista da origem de seus acadêmicos, o conhecimento superior não se universaliza e a mobilidade social não acontece. É contraditório que o Estado, até o advento da política de cotas, ao invés de promover ações afirmativas, optasse por nada fazer ou, por meio do PROUNI, custeie estudantes carentes em instituições privadas, enquanto o ensino superior público vai sendo sucateado por falta de investimentos e mantido sem representatividade social. Evidente que há exceções. Há o mérito pessoal. Tomo por base depoimento de um dos vários vestibulandos que, num jornal local, disseram mais ou menos o seguinte: "conheço X, Y e Z que, apesar de todas as adversidades, por ser pobre, estudante do ensino público, negro, etc., passaram no vestibular para cursos muito concorridos. Então se eles puderam, todos podem e as cotas são desnecessárias. Basta estudar". A ideia é sintética: quem quer, consegue. Há mesmo pessoas excepcionais as quais não importa o desafio - ou tragédia - nunca desistem e, no fim, por vezes são exitosas em suas aspirações. Não há quem não conheça uma história semelhante. Entrementes, quando se raciocina em termos de ordenação da vida humana, há de se preocupar com o que ordinariamente acontece, com o homem médio, a pessoa comum, jamais com o excepcional, ou sobre-humano, os quais devem ser homenageados e servir de inspiração, mas jamais como parâmetro. Além disso, as exceções apenas confirmam a regra quanto à necessidade de atuação estatal positiva para redução de desigualdades na fatia da população com acesso ao ensino superior. 2.1. Princípio da legalidade: Não há lei federal específica versando sobre a política de cotas, embora tramitem diversos projetos, como o PL nº. 3.627/045. Contudo, reputo desnecessário qualquer ato legislativo neste ponto. A autonomia universitária possui raiz constitucional, assim como o princípio da legalidade [art. 37, "caput" e 207 da CRFB]6 e o art. 51 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação - Lei nº. 9.394/96 - é explícito ao permitir que as IES credenciadas como universidades deliberem e instituam critérios diferenciados para admissão de estudantes. Eis a redação do dispositivo: Art. 51. As instituições de educação superior credenciadas como universidades, ao deliberar sobre critérios e normas de seleção e admissão de estudantes, levarão em conta os efeitos desses critérios sobre a orientação do ensino médio, articulando-se com os órgãos normativos dos sistemas de ensino. Esta é a base para adoção de outras formas de acesso ao ensino superior, além do antes exclusivo vestibular. De mais a mais, se a universidade pode virtualmente extinguir o vestibular [o mais], pode também o menos, que é organizá-lo sob critérios diferenciados [o menos]. Saliento que o Superior Tribunal de Justiça tem conferido interpretação extensiva ao citado dispositivo, conforme se infere pela ementa abaixo citada: PROCESSUAL E ADMINISTRATIVO - PROGRAMA EXPERIMENTAL DE INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR - PEIES - AVALIAÇÃO SERIADA - LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO (LEI 9.394/96). [...] 5. A Lei 9.394/96, ao regulamentar o art. 207 da Constituição Federal de 1988, abandonou por completo a sistemática de acesso ao ensino superior unicamente através de "vestibular", antes definido pela Lei 5.540/68, traçando novas diretrizes quanto aos critérios de seleção e admissão de estudantes, que passaram a ser fixados de acordo com o princípio da autonomia didático-científica das universidades, mediante articulações destas com os órgãos normativos dos sistemas de ensino. 6. Nesse contexto, uma vez que observadas as normas da Lei 9.394/96 e principalmente o princípio da publicidade dos critérios de seleção, dentro do contexto de autonomia didático-científica atribuída às instituições de ensino, como bem salientado pelo Tribunal de origem, legítimo é o processo seletivo de avaliação seriada criado pela Universidade recorrida, sem que se possa falar em ofensa do princípio da igualdade no acesso à escola, previsto no art. 3º, inciso I desta lei. 7. Recurso especial parcialmente conhecido e, no mérito, improvido. [RESP 200300777168, ELIANA CALMON, - SEGUNDA TURMA, 05/09/2005] Portanto, a Resolução nº. 80/2008/CONEPE é formalmente válida, pois emitida dentro dos limites do art. 207 da CRFB e do art. 51 da Lei nº. 9.394/96. 2.2. Isonomia e acesso ao ensino superior: A mesma Constituição que prevê a igualdade de todos perante a lei [art. 5º, "caput"], fala em igualdade nas condições de acesso e permanência na universidade [art. 206, I]. Mas há diversos dispositivos constitucionais dissonantes da regra isonômica: (a) proteção do trabalho da mulher, mediante incentivos especiais [art. 7º, XX]; (b) reserva de percentual de cargos e empregos públicos para pessoas portadoras de deficiência [art. 37, VIII]; (c) proteção das manifestações culturais indígenas e afro-descendentes [art. 215, § 1º]; (d) na Comunicação Social, veiculação das culturas regionais na produção e radiodifusão sonora e televisiva [art.221, II]; (e) benefício assistencial no valor de um salário mínimo ao idoso ou deficiente [art. 203, V]; (f) gratuidade de transporte aos idosos [art. 230, § 2º], etc. A aparente colisão de dispositivos constitucionais é afastada quando se recorda das diferenças geracionais dos direitos e a esperada conduta do Estado em cada uma das situações. Cito a seguinte tabela: Geração de direitos Direitos constitucionalmente reconhecidos Exemplos 1ª geração Direitos civis e políticos Direito à liberdade, à vida privada, à propriedade e à igualdade. 2ª geração Direitos sociais, econômicos e culturais Direito à previdência, à saúde e educação 3ª geração Direitos difusos e coletivos Defesa do meio-ambiente É de se ressaltar que o direito à igualdade do art. 5º da CRFB alude aos direitos fundamentais de primeira geração [liberais], nas quais o Estado é devedor de uma atitude meramente omissa para que os mesmos sejam respeitados. Já o direito à educação, assim como à saúde e Previdência Social, são direitos sociais, de segunda geração, em que o Estado deve uma prestação positiva, não sendo suficiente a mera abstenção. Como não é necessário que o Estado conceda benefícios a quem já os possui, o ente público há de se voltar prioritariamente para os desvalidos e em situações de risco social. Logo, pela lógica peculiar dos direitos sociais, o tratamento desigual se impõe ante a desigualdade material e, de modo algum, pode-se cogitar de qualquer mácula ou inconstitucionalidade. Usar a isonomia com vistas a prejudicar pessoas em situações materialmente desiguais (sob o pálio da igualdade formal, pura e simples) implica em violar o próprio espírito da CRFB/88, cuja vocação para formar um Estado Democrático de Direito não pode ser ignorada. No caso concreto, estudantes do ensino público e determinados grupos "raciais" embora sejam substancial parcela da população, não conseguem tamanha representatividade no ensino público superior por obstáculos reais e não meramente legislativos. São cidadãos formalmente iguais aos demais, sem dúvida; mas submetidos a situações desiguais de sorte e fortuna. Se nos tempos da Revolução Francesa a lei deveria igualar a nobreza e os demais súditos da França, encerrando os privilégios feudais7, hoje, o caminho há de ser inverso: apenas com atuação positiva do Estado a realidade desigual pode ser transformada. É o chamado paradoxo da igualdade: a instituição de tratamento diferenciado entre os pólos das relações entre desiguais produz desigualdade jurídica8. Inclusive, a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial veda qualquer interpretação que, sob o pálio da isonomia, tenda a anular ou impedir políticas de inclusão. Eis o teor do ato, do qual o Brasil é signatário: Artigo I 1. Na presente Convenção, a expressão "discriminação racial" significa qualquer distinção, exclusão, restrição ou preferência fundadas na raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por fim ou efeito anular ou comprometer o reconhecimento, o gozo ou o exercício, em igualdade de condições, dos direitos humanos e das liberdades fundamentais nos domínios político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro domínio da vida pública. [...] 4. Medidas especiais tomadas com o objetivo precípuo de assegurar, de forma conveniente, o progresso de certos grupos sociais ou étnicos ou de indivíduos que necessitem de proteção para poderem gozar e exercitar os direitos humanos e as liberdades fundamentais em igualdade de condições, não serão consideradas medidas de discriminação racial, desde que não conduzam à manutenção de direitos separados para diferentes grupos raciais e não prossigam após terem sido atingidos os seus objetivos. As ações afirmativas têm respaldo jurisprudencial. Cito, por exemplo, a seguinte ementa de julgado do STJ, que aborda boa parte dos temas já aqui examinados, verbis: ADMINISTRATIVO - AÇÕES AFIRMATIVAS - POLÍTICA DE COTAS - AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA - ART. 53 DA LEI N. 9.394/96 - INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO DO INC. II DO ART. 535 DO CPC - PREQUESTIONAMENTO IMPLÍCITO - MATÉRIA INFRACONSTITUCIONAL EM FACE DE DESCRIÇÃO GENÉRICA DO ART. 207 DA CF/88 - DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE REPARAÇÃO - CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL - DECRETO N. 65.810/69 - PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO - FIXAÇÃO DE CRITÉRIOS OBJETIVOS LEGAIS, PROPORCIONAIS E RAZOÁVEIS PARA CONCORRER A VAGAS RESERVADAS - IMPOSSIBILIDADE DO PODER JUDICIÁRIO CRIAR EXCEÇÕES SUBJETIVAS - OBSERVÂNCIA COMPULSÓRIA DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA. [...] 4. Ações afirmativas são medidas especiais tomadas com o objetivo de assegurar progresso adequado de certos grupos raciais, sociais ou étnicos ou indivíduos que necessitem de proteção, e que possam ser necessárias e úteis para proporcionar a tais grupos ou indivíduos igual gozo ou exercício de direitos humanos e liberdades fundamentais, contanto que, tais medidas não conduzam, em consequência, à manutenção de direitos separados para diferentes grupos raciais, e não prossigam após terem sido alcançados os seus objetivos. 5. A possibilidade de adoção de ações afirmativas tem amparo nos arts. 3º e 5º, ambos da Constituição Federal/88 e nas normas da Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, integrada ao nosso ordenamento jurídico pelo Decreto n. 65.810/69. 6. A forma de implementação de ações afirmativas no seio de universidade e, no presente caso, as normas objetivas de acesso às vagas destinadas a tal política pública fazem parte da autonomia específica trazida pelo artigo 53 da Lei n. 9.394/96, desde que observados os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. Portanto, somente em casos extremos a sua autonomia poderá ser mitigada pelo Poder Judiciário, o que não se verifica nos presentes autos. 7. O ingresso na instituição de ensino como discente é regulamentado basicamente pelas normas jurídicas internas das universidades, logo a fixação de cotas para indivíduos pertencentes a grupos étnicos, sociais e raciais afastados compulsoriamente do progresso e do desenvolvimento, na forma do artigo 3º da Constituição Federal/88 e da Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, faz parte, ao menos - considerando o nosso ordenamento jurídico atual - da autonomia universitária para dispor do processo seletivo vestibular. [...] Recurso especial provido em parte. [STJ, Resp nº. 1.132.476-PR, Rel. Ministro Humberto Martins, DJ 21/10/2009] 2.3. Proporcionalidade da medida: Proporcionalidade é um conceito oriundo do direito tedesco e se fragmenta nos seguintes requisitos (a) adequação; (b) necessidade; (c) proporcionalidade em sentido estrito9. Sobre a divisão das vagas da UFS, para o vestibular, em duas metades (50% para cotistas e outra metade pela competição normal), tem-se: (a) adequação [aptidão da medida para atingir os objetivos almejados]: a reserva de vagas no ensino superior para determinados grupos é medida eficiente para assegurar que esta fatia da população tenha acesso à educação superior em termos de representatividade, e, assim, alavancar sua evolução social e pessoal; (b) necessidade: sem a política de cotas, persistiria a situação desigual hoje reinante, até porque, estatisticamente, a tese de redução gradualista da desigualdade no ensino superior, pelo simples passar do tempo é desmentida pelos dados estatísticos dos últimos treze anos10, de modo que o ensino universitário é - e continuaria sendo - dominado por alunos oriundos de instituições privadas, deixando à margem do sistema os alunos do ensino público - ou jogando-os para as instituições privadas, inclusive, custeadas pelo Poder Público por meio de ações como o PROUNI, malferindo a esperada continuidade no seguimento da formação escolar, de modo a assegurar que quem principiou no ensino público, tenha condições de concluir sua formação intelectual numa universidade igualmente pública; (c) proporcionalidade em sentido estrito [ponderação entre a intervenção e o resultado pretendido]: as cotas compensam pelo resultado esperado, por assegurar o acesso à universidade pública de pessoas que sempre estudaram em instituições igualmente públicas e hoje estão à margem do sistema, amenizando as distorções hoje presenciadas. Por outro lado, como foram mantidas 50% das vagas para a competição pelas regras tradicionais, restou preservado o núcleo mínimo do direito insculpido no art. 206, I da CRFB, equilibrando e limitando a intervenção em um nível tolerável. 2.4. Outras considerações: Diferentemente do que a inicial dá a entender ninguém "tomou" a vaga de ninguém, pois o sistema seletivo é público e regido por norma também de direito público. Cada concurso vestibular segue regras emanadas pela IES e não há direito adquirido a que se apliquem no vestibular X os mesmo critérios do encerrado vestibular Y. Com demasiado esforço, haveria mera expectativa de direito, a qual foi fulminada quando se lançou a Resolução 80/2008/CONEPE. Entender o contrário equivaleria a defender direito adquirido a regime jurídico, o que é amplamente rechaçado. No tocante ao risco da perda de qualidade do ensino superior e, por conseguinte, dos futuros profissionais, pelo ingresso de acadêmicos menos preparados em universidades públicas, tal argumento é falacioso e desconsidera que: (a) todo o sistema de avaliação universitário é padronizado, não distinguindo o meio de ingresso do acadêmico; (b) dados apurados pelo Ministério da Educação são no sentido contrário, de identidade de desempenho, independentemente do critério de sua origem11; (c) a missão institucional das universidades é educar e corrigir as falhas eventualmente existentes seja com nivelamentos ou algo equivalente. Assim, problemas pontuais devem ser corrigidos, mas isso não desmerece ou fulmina o sistema de cotas. 2.5. Sobre as subcotas raciais: O art. 3º da Resolução nº. 80/2008/CONEPE exige do candidato, para concorrer dentro dos 70% das vagas destinadas aos cotistas do ensino público, a mera declaração de que este é negro, pardo ou índio12. Contudo, não há raça negra, parda ou índia. Raça é a humana e isso foi muito bem explorado na audiência pública no STF pelo geneticista Sérgio Danilo Junho Pena13 e também foi alvo de julgamento pelo próprio STF no HC 82424, em que se assentou o seguinte: "Raça humana. Subdivisão. Inexistência. Com a definição e o mapeamento do genoma humano, cientificamente não existem distinções entre os homens, seja pela segmentação da pele, formato dos olhos, altura, pêlos ou por quaisquer outras características físicas, visto que todos se qualificam como espécie humana. Não há diferenças biológicas entre os seres humanos. Na essência são todos iguais". Não há critério objetivo para se determinar quem é negro, pardo ou índio, pois tal construção é pseudocientífica, e o Direito deve-se submeter à realidade: se o procedimento almejado pela Administração é naturalisticamente impossível, nada se pode fazer, até porque não se pode exigir o impossível de ninguém, muito menos do Estado. Ademais, num país nascido da miscigenação, quantos ascendentes seriam necessários para configurar a autoidentidade indígena ou negra? O que é ser pardo? E na hipótese de pessoa com a pele clara, mas filha de pais com a pele escura? E nos casos de adoção? Finalmente, é impossível aferir a autoidentidade [a identificação subjetiva quanto a determinada "raça"], pois isto lida com os sentimentos, totalmente subjetivo e não pode ser aferido. Sintomático do problema foi um caso noticiado pela Revista Veja: gêmeos univitelinos14 foram classificados de modo insólito: um, tido como branco pela UNB, e ficou à margem do sistema de cotas; o outro, negro e acolhido na ação afirmativa. A imagem fala por si15: Os gêmeos Alex e Alan Teixeira da Cunha, 18 anos, filhos de pai negro e mãe branca No caso da UFS, basta que o vestibulando declare-se negro, pardo ou índio para ser beneficiado pelo sistema de cotas. Não há qualquer controle e, como o tema é fluído, sequer é possível a tutela penal na hipótese de declaração tida como falsa, pois, como visto, não há como diferenciar-se uma pessoa por critérios raciais. Tal constatação, num certame concorrido como é o concurso vestibular equivale a escancarar as portas para todo o tipo de fraude e manipulação. Talvez, o que a UFS deveria ter feito, era a adoção pura e simples das subcotas com base na origem educacional do vestibulando [ensino público ou privado] ou, eventualmente, um critério suplementar com base na renda, arrimado em estudo social. Em suma: critérios objetivos, passíveis de crítica. O autor não se inscreveu nas subcotas; é oriundo do ensino privado e se inscreveu nesta qualidade no concurso vestibular. Assim, esta discussão não lhe traz proveito algum, pois inconstitucionalidade das subcotas raciais beneficia apenas os demais cotistas oriundos do ensino público (os 30% "brancos" da cota do ensino superior). 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE, nos moldes do art. 269,I do CPC. Defiro os benefícios da Lei 1.060/50 e isento o autor das custas. Sem honorários, uma vez que a parte adversa não chegou a ser citada. Após o trânsito em julgado da sentença, arquivem-se os autos com baixa na distribuição. PRI. Aracaju, 14.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto 1 BOBBIO, Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. São Paulo: Unesp; 2002, p. 122 2 BRASIL. Ministério da Educação. Igualdade e Autonomia: Audiência Pública sobre a Constitucionalidade de Políticas de Ação Afirmativa de Acesso ao Ensino Superior. Relatório apresentado na audiência pública no STF no dia 03.03.2010. 3 BRASIL. Ministério da Educação. Igualdade e Autonomia: Audiência Pública sobre a Constitucionalidade de Políticas de Ação Afirmativa de Acesso ao Ensino Superior. Relatório apresentado na audiência pública no STF no dia 03.03.2010. 4 Com honrosas exceções. 5 ZANITELLI, Leandro Martins. Acesso à Universidade, cotas para negros e o projeto de lei nº 3.627/2004. Revista de Informação Legislativa, v. 42, n. 168, p. 121-136, out./dez. 2005. Disponível em: http://www.senado.gov.br/web/cegraf/ril/05_10a12.html. Acesso em: 8/2/2010. 6 Art. 207. As universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial, e obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. 7 HOBSBAWM, Eric. A revolução francesa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1996, p. 20-21. 8 ALEXY, Robert. Teoria de los derechos fundamentales. Madrid: Centro de Estúdios Constitucionales, 1999, p. 404-408. 9 MENDES, Gilmar Ferreira; COELHO, Inocêncio Martíres; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de direito constitucional. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 366. 10 BRASIL. Ministério da Educação. Igualdade e Autonomia: Audiência Pública sobre a Constitucionalidade de Políticas de Ação Afirmativa de Acesso ao Ensino Superior. Relatório apresentado na audiência pública no STF no dia 03.03.2010. 11 BRASIL. Ministério da Educação. Igualdade e Autonomia: Audiência Pública sobre a Constitucionalidade de Políticas de Ação Afirmativa de Acesso ao Ensino Superior. Relatório apresentado na audiência pública no STF no dia 03.03.2010. 12 Art. 3º. Setenta por cento das vagas referidas no artigo anterior serão reservadas a candidatos que, no ato de inscrição do processo seletivo seriado se auto-declarem negros, pardos ou índio. Parágrafo Único. Se da aplicação do percentual previsto no caput resultar número fracionário, haverá aproximação para o número inteiro imediatamente anterior, eliminando-se a ração para os sub-cotistas. 13 "Da inexistência de raças do ponto de vista genético. Da formação e estrutura genética do povo brasileiro, com ênfase na demonstração experimental de uma correlação tênue entre cor e ancestralidade genômica no Brasil". Sérgio Danilo Junho Pena - Médico Geneticista formado pela Universidade de Manitoba, Canadá. Professor da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG e ex-professor da Universidade McGill de Montreal, Canadá. Disponível em: . Acesso em: 22 mar 2010. 14 E, portanto, geneticamente idênticos. 15 http://veja.abril.com.br/060607/p_082.shtml. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA

   

0000232-32.2009.4.05.8500 RODRIGO CESAR REIS DE OLIVEIRA (Adv. RAQUEL PASSOS DE ABREU) x FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (Adv. SEM PROCURADOR)

Processo nº 2009.85.00.000703-8 Classe 29 - Ação Ordinária AUTOR: RODRIGO CESAR REIS DE OLIVEIRA RÉ: FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE SENTENÇA RODRIGO CESAR REIS DE OLIVEIRA ajuizou ação ordinária com pedido de antecipação dos efeitos da tutela objetivando que a ré aceite o seu pedido de inscrição, garantindo, até a definitiva decisão do presente feito, sua participação no Concurso Público para Provimento de Cargos de Magistério Superior na Área de Administração em Tecnologia da Informação. Narra, em síntese, que após realizar a devida inscrição no aludido concurso, teve a mesma indeferida, sob o fundamento de que não atendeu ao disposto na Resolução 23/2007/CONSU e no Edital nº 105, segundo os quais caberia ao candidato apresentar o título de mestre no momento da inscrição no certame. Juntou documentos [fls. 10/64]. Tutela antecipada indeferida [fls. 67/69]. Decisão reformada pelo Egrégio Tribunal Federal da 5ª Região [fls. 91/92]. Citada, a ré apresentou contestação [fls. 99/102]. É o que importa relatar. Passo a decidir. O interesse de agir é condição necessária ao regular trâmite da ação até o provimento final de mérito, e existe quando a parte tem necessidade de ir a juízo para alcançar a tutela pretendida e, ainda, quando o meio utilizado é adequado para a obtenção da prestação jurisdicional. No caso em exame, foi deferida a antecipação dos efeitos da tutela para que a inscrição do autor fosse deferida e ele pudesse participar do certame. Após a concessão da medida de urgência, a ré informou, em sede de contestação, que "o autor não diligenciou no sentido de comparecer a esta Instituição de Ensino para a realização da prova munido da decisão que o autorizava a participar do certame em análise" [fl. 99]. Tal situação conduz à prejudicialidade da ação por ausência de interesse superveniente, face à perda do objeto e evidencia a desnecessidade e inutilidade de uma decisão de mérito. POSTO ISSO, reconheço a ausência de interesse de agir superveniente, extinguindo o processo sem resolução de mérito (art. 267, inc. VI, do CPC). Condeno o autor no pagamento das custas e honorários advocatícios, fixados em R$ 1.000,00 [mil reais], cuja exigibilidade deverá observar a Lei 1.060/50. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na distribuição. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 14 de janeiro de 2010. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto Processo nº 2009.85.00.000703-8 II

   

0000841-78.2010.4.05.8500 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RICARDO DOS SANTOS NASCIMENTO) x MARIA NEILDE LIMA (Adv. SEM ADVOGADO, JOSÉ HENRIQUE DE SANTANA FILHO)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO N° 0000841-78.2010.4.05.8500 CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS RÉ: MARIA NEILDE LIMA SENTENÇA TIPO A SENTENÇA 1. RELATÓRIO INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL, já devidamente qualificado nos presentes autos, intentou a presente ação declaratória em face de MARIA NEILDE LIMA aduzindo que foi vencido, em parte, em litígio envolvendo a requerida na 5ª Vara Federal de Sergipe no ano de 2005, em que foi condenado à revisão do benefício de pensão por morte da ora ré no percentual de 100%, além do pagamento das diferenças devidas a partir da entrada em vigor da Lei 9.032/1995. Suscita que no início de 2007 houve mudança de posicionamento do STF em sentido diverso do que foi decidido na referida demanda, razão pela qual deseja obter a declaração de nulidade e a desconstituição da sentença proferida, em obediência ao disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, que define como inexigível o título executivo baseado em lei ou ato normativo com interpretação considerada pelo STF como incompatível com a Constituição Federal. Juntou documentos [fls. 26/49]. Em despacho de fl. 51, o Magistrado em exercício postergou a análise do pedido de tutela antecipada para depois da contestação. A parte ré apresentou contestação [fls. 69/78]. O INSS informa o falecimento da requerida, optando pelo julgamento da lide na fase em que se encontra [fl. 81]. É o breve relato. Decido. 2 - FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Coisa julgada - Matéria de Ordem Pública - Apreciação ex officio Analisando os autos, verifico que existe matéria de ordem pública a ser apreciada precedentemente ao mérito. O INSS busca rediscutir matéria já decidida e transitada em julgado nos autos da ação ordinária processada na 5ª Vara Federal de Sergipe, já acobertada pela coisa julgada material e com execução exaurida. A coisa julgada é uma garantia fundamental prevista pela própria Constituição que se assegura no Princípio da Segurança Jurídica. A regra é de que não se pode modificar nem inibir a eficácia do teor decisório da sentença recoberta pela autoridade da coisa julgada, salvo algumas raras exceções, o que não ocorre no caso em espécie. Nesse sentido tem decidido o STF: EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DESAPROPRIAÇÃO. BENFEITORIAS. PAGAMENTO EM ESPÉCIE. DISPOSITIVOS LEGAIS DECLARADOS INCONSTITUCIONAIS PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. COISA JULGADA. DESCONSTITUIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. É certo que esta Suprema Corte declarou a inconstitucionalidade de dispositivos que autorizam o pagamento, em espécie, de benfeitorias fora da regra do precatório. Isso não obstante, no caso dos autos, esse pagamento foi determinado por título executivo que está protegido pelo manto da coisa julgada, cuja desconstituição não é possível em sede de recurso extraordinário interposto contra acórdão proferido em processo de embargos à execução. Precedente: RE 443.356-AgR, Relator o Ministro Sepúlveda Pertence. Agravo regimental desprovido.1 Decisão transitada em julgado, com execução já exaurida, mesmo que baseada em premissa posteriormente tida como inconstitucional não é passível de revisão, privilegiando-se a segurança em detrimento da certeza. Portanto, tenho como ausente o interesse processual, em face da inadequação da via eleita. A tentativa de relativizar a coisa julgada por meio de ação ordinária encontra óbice em cláusula pétrea consagrada pelo art. 5º, XXXVI, da Constituição Federal. Finalmente, lembro que a querela nulitatis objetiva a declaração de nulidade de processo por vício existencial, como ausência de citação, sendo esta via imprópria para rediscussão do mérito da causa, ainda que fundada em inconstitucionalidade da coisa julgada. 3 - DISPOSITIVO POSTO ISSO, e ante aos argumentos expendidos, extingo o presente feito, nos termos do art. 267, inciso VI, do Código de Processo Civil. Deixo de condenar o autor ao pagamento das custas processuais em face de isenção legal (art. 46 da LOJF). Condeno-o, entretanto, em honorários advocatícios no valor de R$ 1.000,00 [mil reais]. Após o trânsito em julgado da sentença, arquivem-se os autos com baixa na distribuição. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 14 de janeiro de 2010. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1 STF. RE 473715/CE. Relator: Min. Carlos Britto. Data da publicação: 25/05/2007 ?? ?? ?? ??

   

0000845-18.2010.4.05.8500 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. RICARDO DOS SANTOS NASCIMENTO) x MARIA EDLEUZA SANTOS (Adv. SEM ADVOGADO)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br PROCESSO N° 0000845-18.2010.4.05.8500 CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS RÉ: MARIA EDLEUZA SANTOS SENTENÇA TIPO A SENTENÇA 1. RELATÓRIO INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL, já devidamente qualificado nos presentes autos, intentou a presente ação declaratória em face de MARIA EDLEUZA SANTOS aduzindo que foi vencido, em parte, em litígio envolvendo a requerida na 5ª Vara Federal de Sergipe no ano de 2003, em que foi condenado à revisão do benefício de pensão por morte da ora ré no percentual de 100%, além do pagamento das diferenças devidas a partir da entrada em vigor da Lei 9.032/1995. Suscita que no início de 2007 houve mudança de posicionamento do STF em sentido diverso do que foi decidido na referida demanda, razão pela qual deseja obter a declaração de nulidade e a desconstituição da sentença proferida, em obediência ao disposto no parágrafo único do art. 741 do CPC, que define como inexigível o título executivo baseado em lei ou ato normativo com interpretação considerada pelo STF como incompatível com a Constituição Federal. Juntou documentos [fls. 26/52]. Em despacho de fl. 54, o Magistrado em exercício postergou a análise do pedido de tutela antecipada para depois da contestação. Citada para apresentar contestação, a ré deixou transcorrer o prazo legal sem resposta [fl.67]. Vieram-me os autos conclusos para sentença. É o breve relato. 2 - FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Coisa julgada - Matéria de Ordem Pública - Apreciação ex officio Analisando os autos, verifico que existe matéria de ordem pública a ser apreciada precedentemente ao mérito. O INSS busca rediscutir matéria já decidida e transitada em julgado nos autos da ação ordinária processada na 5ª Vara Federal de Sergipe, já acobertada pela coisa julgada material e com execução exaurida. A coisa julgada é uma garantia fundamental prevista pela própria Constituição que se assegura no Princípio da Segurança Jurídica. A regra é de que não se pode modificar nem inibir a eficácia do teor decisório da sentença recoberta pela autoridade da coisa julgada, salvo algumas raras exceções, o que não ocorre no caso em espécie. Nesse sentido tem decidido o STF: EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DESAPROPRIAÇÃO. BENFEITORIAS. PAGAMENTO EM ESPÉCIE. DISPOSITIVOS LEGAIS DECLARADOS INCONSTITUCIONAIS PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. COISA JULGADA. DESCONSTITUIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. É certo que esta Suprema Corte declarou a inconstitucionalidade de dispositivos que autorizam o pagamento, em espécie, de benfeitorias fora da regra do precatório. Isso não obstante, no caso dos autos, esse pagamento foi determinado por título executivo que está protegido pelo manto da coisa julgada, cuja desconstituição não é possível em sede de recurso extraordinário interposto contra acórdão proferido em processo de embargos à execução. Precedente: RE 443.356-AgR, Relator o Ministro Sepúlveda Pertence. Agravo regimental desprovido.1 Decisão transitada em julgado, com execução já exaurida, mesmo que baseada em premissa posteriormente tida como inconstitucional não é passível de revisão, privilegiando-se a segurança em detrimento da certeza. Portanto, tenho como ausente o interesse processual, em face da inadequação da via eleita. A tentativa de relativizar a coisa julgada por meio de ação ordinária encontra óbice em cláusula pétrea consagrada pelo art. 5º, XXXVI, da Constituição Federal. Finalmente, lembro que a querela nulitatis objetiva a declaração de nulidade de processo por vício existencial, como ausência de citação, sendo esta via imprópria para rediscussão do mérito da causa, ainda que fundada em inconstitucionalidade da coisa julgada. 3 - DISPOSITIVO POSTO ISSO, e ante aos argumentos expendidos, extingo o presente feito, nos termos do art. 267, inciso VI, do Código de Processo Civil. Sem condenação em honorários de sucumbência, ante a inexistência de resposta da ré. Sem custas, em face da isenção do INSS. Após o trânsito em julgado da sentença, arquivem-se os autos com baixa na distribuição. Intime-se pessoalmente a ré do teor desta decisão. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 11 de janeiro de 2010. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1 STF. RE 473715/CE. Relator: Min. Carlos Britto. Data da publicação: 25/05/2007 ?? ?? ?? ??

   

0001328-82.2009.4.05.8500 EDMAR FREITAS CARNEIRO (Adv. EVANIO JOSE DE MOURA SANTOS, FÁBIO BRITO FRAGA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. JOSÉ CARLOS BARRETO JÚNIOR)

SENTENÇA "a" AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 200985000013282 AUTOR: EDMAR FREITAS CARNEIRO RÉU: UNIÃO [agu] 1. RELATÓRIO: O autor, auditor fiscal, foi processado pelo Ministério Público Federal em ação de improbidade administrativa sob o fundamento de que, no exercício de sua condição funcional, foi omisso no dever de remeter ao MPF os processos fiscais que continham indícios de crimes tributários [Representação Fiscal para Fins Penais - RFFP]. A inicial foi rejeitada em primeira instância, decisão esta confirmada pelo TRF5. Aduz que permaneceu como réu por mais de um ano indevidamente, por conta de o "Parquet" ter movido uma ação sem o lastro probatório mínimo, o que lhe teria acarretado agravamento em seus problemas de saúde. Pede indenização no importe de R$ 200.000,00. Citada, a União apresentou resposta sob a forma de contestação [fls. 447/461]. Manifestação sobre a contestação [fls. 467/472]. 2. FUNDAMENTAÇÃO: 2.1. Julgamento antecipado da lide. A tese geral do autor é o fato de ter sido réu em ação de improbidade que, desde o início, não tinha substrato, ou as mínimas chances de êxito (fato danoso). As consequências, dano moral pelo fato de ter sido processado, além do agravamento das condições de saúde do autor (nexo causal e dano). Pois bem. O fato tido como danoso está provado pelos documentos da Ação de Improbidade Administrativa nº. 200785000006580, cujas cópias foram anexadas pelo autor. Portanto, a prova testemunhal nada ajudaria neste ponto. Também não posso concordar com o pedido de extração de cópias feita pela União e MPF, pois a ação de improbidade é pública, cabendo as partes diligenciarem junto ao arquivo judiciário e extrair as cópias que entenderem pertinentes, atendendo-se à máxima de que o juízo não secretaria as partes. Já com relação ao nexo causal e dano, a inicial descreve-os claramente, assim como os documentos médicos apresentados com a inicial o sugeririam. Ademais, seria hipótese de dano moral presumido (pela demanda indevida), de sorte que a prova testemunhal em nada aproveitaria, pois, acaso acolhida a tese, a reparação derivaria logicamente dos fatos narrados na inicial, os quais, como dito, já estão suficientemente provados. Com relação ao depoimento pessoal, o objetivo deste meio de prova é obter a confissão, ou seja, a admissão de fato contrária à pretensão autoral. Daí que: (a) só tem legitimidade para requerer tal prova o adversário1; (b) eventuais esclarecimentos fáticos que o autor pretendesse fazer [fl. 472] deveriam ser feitos através de seu advogado, na inicial, que era o momento oportuno. Com estas observações, julgo antecipadamente a lide. 2.2. Fato danoso. É sabido que ser processado é um desconforto tremendo, para dizer o mínimo. Há todo o stress da expectativa, o medo das intimações e dos juízos de valor antecipados. A vergonha perante os pares. Por outro lado, sabe-se que a Jurisdição é função essencial ao Estado moderno e que a noção de soberania, entendida aqui como a ausência de poder maior que o do Estado no plano interno, dá arrimo à sujeição de todos, até mesmo do próprio Estado, à jurisdição. Obviamente, demandas "aventureiras", ou o abuso do direito de ação devem ser reprimidos. As sanções estão dentro do próprio do CPC (v.g., litigância de má-fé), mas não bloqueiam o processamento em ação própria, como pretende o requerente. Pois bem. A inicial da ação de improbidade está juntada nas fls. 36/43. Deixo de transcrevê-la por ser uma peça muito grande. Porém, no que aqui interessa, deve ser destacado o seguinte: (a) O cerne é o fato de o autor, enquanto auditor fiscal estava descumprindo seu dever funcional de remeter ao MPF procedimentos fiscais com indícios de crimes tributários; (b) Sobre tal fato, a Receita Federal respondeu que "na hipótese de não comprovação de dolo, a supervisão regional orientou no sentido de que não fossem formalizadas representações fiscais para fins penais[...]"; (c) A seguir, o MPF exemplifica dois casos de fraude fiscal e uso de laranjas (num dos quais com condenação criminal) que não foram remetidos ao MPF, dos quais seriam responsáveis o autor e Eduardo de Gusmão, na "Operação Movimentação Financeira Fraudulenta"; (d) Adiante, defende que não compete a Receita Federal fazer juízo de valor sobre o elemento dolo e sim, simplesmente, conforme legislação citada na peça, dar ciência ao MPF, inclusive, que isto consta do "Manual de Representação Fiscal para Fins Penais"; (e) Que a conduta do réu/autor enquadra-se no art. 11, II da Lei 8.429/92; (f) A inicial foi redigida em termos condizentes com o que se espera de um profissional do Direito: sem excessos de linguagem ou adjetivações desnecessárias, cuidando dos fatos, da tese e do pedido. Notamos, até aqui, o simples exercício das atribuições do MPF, notadamente, da independência funcional e da tomada de providências com vistas a velar pelas prerrogativas do MPU, no caso, concernentes à persecução penal de crimes contra a ordem tributária [art. 236, III e VIII da LC 75/93]. Voltando ao processo originário, após a notificação, o réu optou por constituir advogado particular e apresentou substanciosa resposta [fls. 54/77] que terminou por ser acolhida na primeira instância e confirmada no TRF5, cuja ementa segue abaixo: EMENTA: AÇÃO CIVIL. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NÃO CONFIGURADA. DEVER FUNCIONAL. FALTA DE REMESSA AO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL DE PROCESSOS FISCAIS. ARTIGO 11 E 12 DA LEI 8429/92. I. Apelação em que se requer a caracterização da infração prevista no art. 11, II da Lei 8429/92 e a conseqüente aplicação da sanção prevista no art. 12, III da citada lei, tendo em vista alegada falta de dever funcional de auditores da Receita Federal, ao deixarem de remeter ao Ministério Público Federal processos fiscais que continham evidências de prática de crimes tributários. II. Para que seja caracterizado o ato como de improbidade administrativa é forçoso que se vislumbre um traço de desonestidade por parte do administrador. A conduta ilegal só se torna ímproba se revestida também de má-fé do agente público. III. É fato que o servidor está sujeito aos ditames da legislação específica, devendo cumprir seus deveres, entre os quais o de não retardar ou deixar de praticar ato de ofício. Porém, isso não significa que deixar de praticar qualquer ato de ofício, analisado de maneira isolada, configura-se violação dos deveres funcionais do servidor se este foi plenamente justificável e plausível. IV. APELAÇÃO IMPROVIDA. ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL, em que são partes as acima mencionadas.ACORDAM os Desembargadores Federais da Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, à unanimidade, em negar provimento à apelação, nos termos do voto do Relator e das notas taquigráficas que estão nos autos e que fazem parte deste julgado.Recife, 15 de abril de 2008.Desembargador Federal IVAN LIRA DE CARVALHORELATOR(CONVOCADO) A parte mais importante do acórdão é a seguinte: [...] Não se pode enquadrar em ato de improbidade quaisquer irregularidades cometidas pelo administrador, sob pena de se banalizar tal instituto. Isto porque tenho entendido que para que seja caracterizado o ato como de improbidade administrativa é forçoso que se vislumbre um traço de desonestidade por parte do administrador, senão a ilegalidade se resolve apenas pela anulação do ato que fere o ordenamento legal. A conduta ilegal só se torna ímproba se revestida também de má-fé do agente público. [...] É fato que o servidor está sujeito aos ditames da legislação específica, devendo cumprir seus deveres, entre os quais o de não retardar ou deixar de praticar ato de ofício. Porém, isso não significa que deixar de praticar qualquer ato de ofício, analisado de maneira isolada, configura violação dos deveres funcionais do servidor se este foi plenamente justificável e plausível. Analisando a presente questão posta nos autos, os demandados ficaram responsáveis pela fiscalização no Estado de Sergipe de aproximadamente 60 (sessenta) contribuintes, havendo excesso de trabalho e informações para apenas dois agentes públicos, não sendo o serviço leve ou suave de modo que os acusados tivessem o tempo e a condição necessários e suficientes para concluírem por uma investigação. Ademais havia orientação hierárquica, da própria Receita Federal local, para que tivessem cuidado, não ultrapassando, com a operação, os limites da norma constitucional e legal, que aliada ao excesso de serviço, limitava os servidores nos seus passos. Ressalte-se que, em nenhum momento ficou demonstrado ato desabonador na conduta funcional dos demandados, não trazendo o autor qualquer prova de que agiram de forma ilegal. Cite-se, por oportuno, mesmo não vinculando, a existência de processo administrativo disciplinar onde ficou evidenciado que os ora recorridos não violaram normas legais e que cumpriram com seu dever funcional. Como se constata, todo o processo, da inicial ao acórdão, bateu-se principalmente sobre o elemento subjetivo. Em momento algum qualquer dos quatro magistrados que atuaram no feito (o juiz monocrático e três desembargadores) manifestaram-se no sentido de abuso do direito de demandar ou algo que o valha. Veja-se ainda que a Lei de Improbidade Administrativa, conquanto seja de 1992, ainda possui pontos obscuros na jurisprudência até hoje. Por exemplo, sobre a necessidade do elemento subjetivo (dolo) para caracterização da infração do art. 11 da Lei 8.429/92. Hoje, no caso específico do art. 11 (e não dos demais), o STJ pacificou sua jurisprudência no sentido de que "[...] o enquadramento de condutas no art. 11 da Lei n. 8.429/92 requer a constatação do elemento subjetivo doloso do agente, em sua modalidade genérica. Neste sentido, v., p. ex., o REsp 765.212/AC, Rel. Min. Herman Benjamin, Segunda Turma, DJe 23.6.2010, e o REsp 827.445/SP, Rel. Min. Luiz Fux, Rel. p/ acórdão Min. Teori Albino Zavascki, Primeira Turma, DJe 8.3.2010. 3. Hipótese em que o acórdão de origem entende que houve violação a princípios administrativos, porém sem a presença do elemento dolo. 4. Recurso especial provido. (RESP 201001266852, MAURO CAMPBELL MARQUES, STJ - SEGUNDA TURMA, 28/10/2010)". Mas sabe-se que em meados de 2007 e até depois, havia forte entendimento, também no STJ, no sentido de que bastava a ilegalidade, não sendo necessário perquirir sobre dolo ou culpa no caso do art. 11 da Lei 8.429/922. Cito a seguinte ementa: ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. LESÃO A PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS. AUSÊNCIA DE DANO AO ERÁRIO. 1. A lesão a princípios administrativos contida no art. 11 da Lei nº 8.429/92 não exige dolo ou culpa na conduta do agente, nem prova da lesão ao erário público. Basta a simples ilicitude ou imoralidade administrativa para restar configurado o ato de improbidade. Caso reste demonstrada a lesão, e somente neste caso, o inciso III, do art. 12 da Lei n.º 8.429/92 autoriza seja o agente público condenado a ressarcir o erário. 2. Se não houver lesão, ou se esta não restar demonstrada, o agente poderá ser condenado às demais sanções previstas no dispositivo como a perda da função pública, a suspensão dos direitos políticos, a impossibilidade de contratar com a administração pública por determinado período de tempo, dentre outras. 3. In casu, face à inexistência de lesividade ao erário público, ainda que procedente a ação civil pública e, conseqüentemente, revisto o acórdão de segundo grau, deve ser afastada a aplicação de multa civil determinada na sentença de primeiro grau. 4. Recurso especial provido em parte. (RESP 200400295585, CASTRO MEIRA, STJ - SEGUNDA TURMA, 01/08/2006) O quadro ganha cores mais incertas quando se lembra das costumeiras "viradas de jurisprudência" ocorrentes nos Tribunais Superiores, por vezes, contrariando suas próprias súmulas. Em suma: (a) o MPF, em 2007, apresentou inicial, expondo objetivamente fatos, fundamentos jurídicos e pedidos, com base em documentos, inclusive, informações requisitadas à Receita Federal; (b) Com arrimo neste acervo probatório, dentro da independência funcional, concluiu que era caso de ação de improbidade administrativa; (c) Numa rápida pesquisa histórica da jurisprudência de então, a tese era até razoável; (d) O Judiciário não concordou com o pedido, rejeitando-a. Como ficou claro, não há como entender que o que aconteceu foi um exercício abusivo do direito de ação ou algo que o valha. Entender o contrário implicaria numa perigosa conclusão: toda a vez que a parte ingressa em juízo e perde, tal ocorrência configuraria fato apto a permitir indenização por danos morais por parte do adverso. Data vênia, só com lei pode-se criar algo semelhante. Neste contexto, o fato danoso não foi abusivo e nem ilícito, de sorte que o pedido indenizatório deve ser rejeitado. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido. Condeno o autor nas custas e em honorários no importe de R$ 3.000,00 [três mil reais], tendo em conta a relativa complexidade da causa, que necessitou de estudo de ampla prova documental, e do zelo técnico do Advogado da União em sua contestação [art. 20, § 4º do CPC]. P.R.I. Aracaju, 11.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto 1 CPC. Art. 343. Quando o juiz não o determinar de ofício, compete a cada parte requerer o depoimento pessoal da outra, a fim de interrogá-la na audiência de instrução e julgamento. 2 Na realidade, até hoje se encontra, na literatura específica, quem defenda tal ponto de vista. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU

   

0001467-97.2010.4.05.8500 JAILTON DOS SANTOS (Adv. WAGNER DA SILVA RIBEIRO FILHO, MAURICIO SOBRAL NASCIMENTO, FERNANDO ALMEIDA DA SILVA RIBEIRO, MATHEUS OLIVEIRA CORREA, ZULÍVIA CONCEIÇÃO BRITTO MENEZES, RAPHAEL BARRETO GOMES) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

SENTENÇA "a" AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 00014679720104058500 AUTOR: JAILTON DOS SANTOS RÉU: INSS 1. Trata-se de pedido de revisão de benefício previdenciário concedido em 08.06.1998 [fl. 14]. Alega o autor que não foi considerado período de contribuição entre 06/98 a 08/99. O INSS contestou [fls. 63/78]. É o que basta relatar. 2. A decadência para revisão de benefícios previdenciários evolui nos seguintes termos - Lei 8.213/91: (a) Art. 103. É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro do mês seguinte ao do recebimento da primeira prestação ou, quando for o caso, do dia em que tomar conhecimento da decisão indeferitória definitiva no âmbito administrativo. (Redação dada pela Lei nº 9.528, de 1997); (b) Art. 103. É de cinco anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro do mês seguinte ao do recebimento da primeira prestação ou, quando for o caso, do dia em que tomar conhecimento da decisão indeferitória definitiva no âmbito administrativo. (Redação dada pela Lei nº 9.711, de 20.11.98); (c) Art. 103. É de dez anos o prazo de decadência de todo e qualquer direito ou ação do segurado ou beneficiário para a revisão do ato de concessão de benefício, a contar do dia primeiro do mês seguinte ao do recebimento da primeira prestação ou, quando for o caso, do dia em que tomar conhecimento da decisão indeferitória definitiva no âmbito administrativo. (Redação dada pela Lei nº 10.839, de 2004). Em 1998 vigia o prazo decadencial de dez anos e também no caso dos autos não houve provocação administrativa prévia. Assim, como a ação foi ajuizada em 187.03.2010, é caso de decadência. 3. Ante o exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o autor nos honorários, fixados em R$ 1.000,00 [mil reais] cuja exigibilidade permanecerá suspensa nos termos da Lei 1.060/50. Sem custas. P.R.I. Aracaju, 17.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da titularidade PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -1-

   

0001798-79.2010.4.05.8500 SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE SERGIPE - SEESE (Adv. CLAUDINO NARCIZO DOS SANTOS JUNIOR, RAQUEL MARQUES TAVARES, CHARLES ROBERT SOBRAL DONALD) x UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO)

SENTENÇA AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 00017987920104058500 AUTOR: SEESE RÉU: UNIÃO [pfn] Sentença tipo "a" 1. RELATÓRIO: Trata-se de ação objetivando permitir que o autor receba os valores descontados dos servidores a título de contribuição sindical dos servidores ligados à profissão de enfermeiros. Citada, a União contestou o feito com base em parecer segundo o qual não é devida a contribuição sindical dos servidores públicos [fls. 43/85]. O autor falou sobre a contestação [fls. 92/93]. Passo a decidir. 2. FUNDAMENTAÇÃO: O entendimento do PFN sobre a não incidência da contribuição sindical devido por servidores públicos foge do que realmente interessa à causa. É que, conforme fls. 17/36, os valores tem sido descontados dos vencimentos dos servidores estaduais e repassados via Guia de Recolhimento da Contribuição Sindical Urbana - GRCSU, a favor do Ministério do Trabalho e Emprego, que detém a titularidade dos valores1. Além disso, a própria União, por meio da Instrução Normativa/MTE n.º 01/2008 reconhece a constitucionalidade da contribuição sindical, causando espécie que, em juízo, a PFN defenda algo contrário à própria orientação interna do Ministério do Trabalho e Emprego. O art. 588 da CLT desenha o seguinte procedimento da disponibilização dos valores [saques]. Tem-se: Art. 588. A Caixa Econômica Federal manterá conta corrente intitulada "Depósitos da Arrecadação da Contribuição Sindical", em nome de cada uma das entidades sindicais beneficiadas, cabendo ao Ministério do Trabalho cientificá-la das ocorrências pertinentes à vida administrativa dessas entidades. (Redação dada pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976) (Vide Lei nº 11.648, de 2008) § 1º Os saques na conta corrente referida no caput deste artigo far-se-ão mediante ordem bancária ou cheque com as assinaturas conjuntas do presidente e do tesoureiro da entidade sindical. (Redação dada pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976) § 2º A Caixa Econômica Federal remeterá, mensalmente, a cada entidade sindical, um extrato da respectiva conta corrente, e, quando solicitado, aos órgãos do Ministério do Trabalho. (Redação dada pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976) Em suma, o tema passa ao largo da constitucionalidade da contribuição sindical e sim, sobre o direito da autora em receber valores já depositados e futuros depósitos da contribuição, repassado pelo Estado de Sergipe. Pois bem. Conforme informação de fls. 35/36, o Estado de Sergipe não procedeu ao pagamento - direto - da contribuição sindical ao autor por conta de dúvidas quanto a qual entidade representativa deverá ser creditada. No caso, o sindicato representaria os enfermeiros do Estado de Sergipe, registrado no Ministério do Trabalho e Emprego, representa a categoria profissional dos enfermeiros e possui base territorial o Estado de Sergipe. Em consulta ao Ministério do Trabalho e Emprego2, noto que não há entidade semelhante, com foco na mesma categoria profissional, lembrando da atribuição do citado ministério em proceder ao cadastro e fiscalização da unicidade sindical3. Vide a seguinte tabela do Sistema de Informações Sindicais4: SEESE - SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE SERGIPE Grau de entidade: Sindicato Área geo-econômica: Urbana Tipo: Trabalhador Classe: Empregados Denominação da Entidade: SEESE - SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE SERGIPE CNPJ: 86.887.312/0001-84 Razão Social: SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE SERGIPE Endereço: Rua Ananias Azevedo, 866, sala 05 Bairro: Treze de Julho CEP: 49020-080 Cidade ARACAJU UF: SE Telefone 1: (79) 3246-6488 Telefone 2: (79) 9949-9642 Endereço eletrônico: seese_seese@ig.com.br Página eletrônica: Categoria: Dos Enfermeiros Nestes termos, tenho que o pedido deve ser julgado procedente [pagamento dos valores já descontados]. 2.2. Porém, com relação ao pedido 3, fl. 11, no sentido de que a ré seja condenada a transferir da Conta Especial Emprego e Salário 60% do valor repassado pelo Estado de Sergipe para a autora, há de se reconhecer a ilegitimidade passiva da União. Tal operação, nos termos do art. 589 da CLT5, compete à CEF, seguindo normatização do Ministério do Trabalho e Emprego que, como visto ao longo desta sentença, já existe e, por motivo desconhecido, não é cumprida. 2.3. Rejeito o pedido de assistência judiciária gratuita do autor, com base no seguinte precedente: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. SERVIDORES PÚBLICOS. REAJUSTE DE 3,17%. SINDICATO. CONCESSÃO DA JUSTIÇA GRATUITA. AUSÊNCIA DE PROVA DA CONDIÇÃO DE HIPOSSUFICIENTE. EXCESSO DE EXECUÇÃO. CONDENAÇÃO NO ÔNUS SUCUMBENCIAL. POSSIBILIDADE. - A justiça gratuita visa a amparar aqueles que não podem, por insuficiência de recursos, arcar com os custos de um processo. A condição de pobreza deve ser atestada individualmente, daí porque é inviável a concessão genérica do benefício em prol de uma quantidade indeterminada de pessoas que estão sendo substituídas pela entidade sindical. - Além disso, quem integra a lide é o sindicato, e não os servidores que a ele se vinculam. Por isso, é ele quem deve comprovar o estado de miserabilidade para que lhe seja deferida a gratuidade da justiça, o que não foi feito na hipótese dos autos. - Por se tratar de ação autônoma, os embargos à execução admitem a condenação em honorários advocatícios. Portanto, uma vez demonstrado o excesso de execução nos cálculos exeqüendos, é devida a condenação na verba honorária, observando-se o disposto no art. 20, parágrafos 3º e 4º, do CPC. - Apelação improvida. (AC 200784000099529, Desembargador Federal Francisco Wildo, TRF5 - Segunda Turma, 24/09/2009) 2.4. Indefiro a antecipação de tutela, tendo em vista: a) o caráter irreversível da medida, pela dificuldade de reaver o dinheiro, acaso a sentença seja reformada; b) pela ausência de prova da urgência alegada na inicial. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE O PEDIDO para condenar a ré a liberar os valores já depositados a título de contribuição sindical descontados dos enfermeiros que prestam serviços ao Estado de Sergipe. Indefiro o pedido de assistência judiciária gratuita.Condeno o autor na metade das custas e dou por compensados os honorários advocatícios. P.R.I. Aracaju, 17.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto 1 Art. 583 - O recolhimento da contribuição sindical referente aos empregados e trabalhadores avulsos será efetuado no mês de abril de cada ano, e o relativo aos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais realizar-se-á no mês de fevereiro. (Redação dada pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976) (Vide Lei nº 11.648, de 2008) § 1º - O recolhimento obedecerá ao sistema de guias, de acordo com as instruções expedidas pelo Ministro do Trabalho.(Incluído pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976) § 2º - O comprovante de depósito da contribuição sindical será remetido ao respectivo Sindicato; na falta deste, à correspondente entidade sindical de grau superior, e, se for o caso, ao Ministério do Trabalho. (Incluído pela Lei nº 6.386, de 9.12.1976. 2 STF. Súmula 677. Até que lei venha a dispor a respeito, cabe ao Ministério do Trabalho proceder ao registro das entidades sindicais e zelar pela observância do princípio da unicidade. 3 http://www.mte.gov.br/delegacias/se/se_sind_lista.pdf 4 http://sis.dieese.org.br/detalhes.php?token=&cnpj=86887312000184&tipo=cnpj 5 Art. 589. Da importância da arrecadação da contribuição sindical serão feitos os seguintes créditos pela Caixa Econômica Federal, na forma das instruções que forem expedidas pelo Ministro do Trabalho: I - para os empregadores: (Redação dada pela Lei nº 11.648, de 2008) [...] c) 60% (sessenta por cento) para o sindicato respectivo; e (Incluída pela Lei nº 11.648, de 2008) [...] ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -3-

   

0001982-35.2010.4.05.8500 TERESA CRISTINA BRITO VILA-BOAS (Adv. EDSON WANDER DE ALMEIDA COSTA) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

SENTENÇA "a" AÇÃO SUMÁRIA Nº. 00019823520104058500 AUTOR: TEREZA CRISTINA BRITO VILA-BOAS RÉU: UNIÃO [pfn] 1. RELATÓRIO: A autora pretende o ressarcimento dos valores das contribuições denominadas FUNRURAL recolhidas nos últimos 10 (dez) anos pelo autor aos cofres públicos, atualizados desde a data de cada pagamento até a data do efetivo ressarcimento através da Selic, bem como a suspensão da exigibilidade da contribuição. Aduz a inconstitucionalidade das contribuições previstas no art. 25, da Lei nº 8.212/91, incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural dos produtores rurais (pessoas físicas). Contestação da União [fls. 61/72]. É o suficiente a relatar. 2. FUNDAMENTAÇÃO: A inicial é válida e há nos autos comprovantes dos pagamentos pretéritos da exação ora combatida, o que permite o julgamento da causa de plano. 2.1. Prescrição. O STJ entendeu que a irregularidade do art. 4° da Lei Complementar n° 118/2005 deriva da circunstância de não ser dada ao Poder Legislativo a prerrogativa de interpretar a lei, salvo raras exceções, mas sim de a elaborar, sendo missão típica do Poder Judiciário assegurar o cumprimento do direito positivo através da atividade interpretativa, da qual deflui a norma. Apenas excepcionalmente o Poder Legislativo está autorizado a efetuar modificações no ordenamento jurídico com efeitos pretéritos, ao contrário do que se passa no Poder Judiciário, pois os provimentos jurisdicionais, em sua maioria, geram efeitos sobre fatos passados. Nesse sentido: PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. PRESCRIÇÃO. NOVA ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ NA APRECIAÇÃO DO ERESP 435.835/SC. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3°. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4°, NA PARTE EM QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. ENTENDIMENTO CONSIGNADO NO VOTO DO ERESP 327.043/DF. COMPENSAÇÃO. TRIBUTOS DE DIFERENTES ESPÉCIES. SUCESSIVOS REGIMES DE COMPENSAÇÃO. APLICAÇÃO RETROATIVA OU EXAME DA CAUSA À LUZ DO DIREITO SUPERVENIENTE. INVIABILIDADE. CORREÇÃO MONETÁRIA. 1. A 1ª Seção do STJ, no julgamento do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, sessão de 24.03.2004, consagrou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para pleitear a restituição de tributos sujeitos a lançamento por homologação é de cinco anos, contados da data da homologação do lançamento, que, se for tácita, ocorre após cinco anos da realização do fato gerador - sendo irrelevante, para fins de cômputo do prazo prescricional, a causa do indébito. Adota-se o entendimento firmado pela Seção, com ressalva do ponto de vista pessoal, no sentido da subordinação do termo a quo do prazo ao universal princípio da actio nata (voto-vista proferido nos autos do ERESP 423.994/SC, 1ª Seção, Min. Peçanha Martins, sessão de 08.10.2003). 2. O art. 3° da LC 118/2005, a pretexto de interpretar os artigos 150, § 1°, 160, I, do CTN, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a "interpretação" dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. Portanto, o art. 3° da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 3. O art. 4°, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3°, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2°) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5°, XXXVI). Ressalva, no particular, do ponto de vista pessoal do relator, no sentido de que cumpre ao órgão fracionário do STJ suscitar o incidente de inconstitucionalidade perante a Corte Especial, nos termos do art. 97 da CF. [...] (RESP N° 726.668-PE, 1ª Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ 01.07.2005, pág. 434). Decalcando-a aos contornos factuais da presente demanda, a prescrição atinge somente os tributos anteriores a 07.06.2000, pois somente para os pagamentos vertidos a partir de 01.06.2005 prevalece o prazo quinquenal. 2.2. Mérito. Transcrevo tais dispositivos invocados pela parte autora: Art. 25. A contribuição do empregador rural pessoa física, em substituição à contribuição de que tratam os incisos I e II do art. 22, e a do segurado especial, referidos, respectivamente, na alínea a do inciso V e no inciso VII do art. 12 desta Lei, destinada à Seguridade Social, é de: I - 2% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção; II - 0,1% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção para financiamento das prestações por acidente do trabalho. (grifei) Art. 30. A arrecadação e o recolhimento das contribuições ou de outras importâncias devidas à Seguridade Social obedecem às seguintes normas: [...] IV - a empresa adquirente, consumidora ou consignatária ou a cooperativa ficam sub-rogadas nas obrigações da pessoa física de que trata a alínea "a" do inciso V do art. 12 e do segurado especial pelo cumprimento das obrigações do art. 25 desta Lei, independentemente de as operações de venda ou consignação terem sido realizadas diretamente com o produtor ou com intermediário pessoa física, exceto no caso do inciso X deste artigo, na forma estabelecida em regulamento; O Pleno do STF, na sessão de julgamento do dia 3/2/2010, deu provimento a recurso extraordinário 363852 para desobrigar os recorrentes da retenção e do recolhimento da contribuição social ou do seu recolhimento por subrrogação sobre a "receita bruta proveniente da comercialização da produção rural" de empregadores, pessoas naturais, declarando a inconstitucionalidade do art. 1º da Lei nº 8.540/92, que deu nova redação aos arts. 12, incs. V e VII, 25, incs. I e II, e 30, inc. IV, da Lei nº 8.212/91, com a redação atualizada até a Lei nº 9.528/97, até que legislação nova, arrimada na Emenda Constitucional nº 20/98, venha a instituir a contribuição. Eis a ementa, que adoto como razões de decidir: RECURSO EXTRAORDINÁRIO - PRESSUPOSTO ESPECÍFICO - VIOLÊNCIA À CONSTITUIÇÃO - ANÁLISE - CONCLUSÃO. Porque o Supremo, na análise da violência à Constituição, adota entendimento quanto à matéria de fundo do extraordinário, a conclusão a que chega deságua, conforme sempre sustentou a melhor doutrina - José Carlos Barbosa Moreira -, em provimento ou desprovimento do recurso, sendo impróprias as nomenclaturas conhecimento e não conhecimento. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - COMERCIALIZAÇÃO DE BOVINOS - PRODUTORES RURAIS PESSOAS NATURAIS - SUB-ROGAÇÃO - LEI Nº 8.212/91 - ARTIGO 195, INCISO I, DA CARTA FEDERAL - PERÍODO ANTERIOR À EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - UNICIDADE DE INCIDÊNCIA - EXCEÇÕES - COFINS E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - PRECEDENTE - INEXISTÊNCIA DE LEI COMPLEMENTAR. Ante o texto constitucional, não subsiste a obrigação tributária sub-rogada do adquirente, presente a venda de bovinos por produtores rurais, pessoas naturais, prevista nos artigos 12, incisos V e VII, 25, incisos I e II, e 30, inciso IV, da Lei nº 8.212/91, com as redações decorrentes das Leis nº 8.540/92 e nº 9.528/97. Aplicação de leis no tempo - considerações. [RE 363852, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 03/02/2010, DJe-071 DIVULG 22-04-2010 PUBLIC 23-04-2010 EMENT VOL-02398-04 PP-00701 RET v. 13, n. 74, 2010, p. 41-69] 2.3. Atualização monetária. Devem ser aqueles definidos pelo STJ1. 2.4. Antecipação de tutela. Sobre a verossimilhança, remeto à fundamentação supra. Quanto ao periculum in mora, saliento a submissão da ré aos efeitos econômicos de uma exação tida como inconstitucional, o que basta no quesito urgência. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, julgo procedente o pedido para, excluídos os recolhimentos atingidos pela prescrição (item 2.1.), condenar a União/Fazenda Nacional a restituir ao demandante, observados os parâmetros de atualização definidos no item 2.3 da sentença, os valores pagos a título da contribuição fundada no art. 25 da Lei nº 8.870/94. Defiro o pedido de antecipação de tutela, determinando a suspensão da exigibilidade da contribuição em comento. Condeno a parte ré-Fazenda Nacional na devolução das custas, assim como no pagamento de honorários advocatícios, os quais arbitro em 10% sobre a condenação, na forma do art. 20, §4º do CPC, considerando-se a pouca complexidade do feito e matéria envolvida, que, aliás, prescindiu de instrução e foi submetida a julgamento antecipado. Sentença sujeita a reexame necessário. P.R.I. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da titularidade 1 PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. FINSOCIAL. COMPENSAÇÃO. VIOLAÇÃO DO ART. 535 DO CPC. NÃO-OCORRÊNCIA. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. [..] 2. Consoante reiterada orientação jurisprudencial do STJ, os índices de correção monetária aplicáveis na restituição de indébito tributário são: a) desde o recolhimento indevido, o IPC, de outubro a dezembro/1989 e de março/90 a janeiro/91; o INPC, de fevereiro a dezembro/91; a Ufir, a partir de janeiro/92 a dezembro/95; e b) a taxa SELIC, exclusivamente, a partir de janeiro/96. Os índices de janeiro e fevereiro/89 e de março/90 são, respectivamente, 10,14%, 42,72% e 84,32%. 3. O índice a ser utilizado para fins de atualização monetária no período compreendido entre os meses de março/90 e janeiro/91, na hipótese da ocorrência de compensação, é o IPC, que se traduz nos seguintes percentuais: 84,32% (março/90), 44,80% (abril/90), 7,87% (maio/90), 12,92% (julho/90), 12,03% (agosto/90), 14,20% (outubro/90) e 21,87% (fevereiro/91). 4. Recurso especial conhecido e parcialmente provido. [REsp 755.179/SP, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, SEGUNDA TURMA, julgado em 06.10.2005, DJ 19.12.2005 p. 373] ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -3-

   

0002566-73.2008.4.05.8500 BOMFIM EMPRESA SENHOR DO BOMFIM LTDA (Adv. JOSÉ DOS SANTOS VIEIRA DOS ANJOS, KRIZIA REGINA DE OLIVEIRA BATISTA) x AGENCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT E OUTRO (Adv. MARCELO HORA PASSOS)

SENTENÇA "a" AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 200885000025668 AUTOR: BOMFIM LTDA RÉU: ANTT e UNIÃO 1. RELATÓRIO: O autor alega explorar os serviços de transporte rodoviário de passageiros. Pretende ver reconhecido seu direito a prorrogação de suas permissões anda data do Decreto 952/93, excluindo-se definitivamente as "linhas da autora" dos planos de outorga para futuras licitações. Alternativamente, pede indenização por conta da extinção antecipada da outorga, Deferida a antecipação de tutela [fls. 594/597], decisão esta que foi reformada pelo TRF5 [fls. 626/629]. A União e a ANTT contestaram [fls. 680/720, 755/771 e 851/855]. Nenhuma das partes requereu a produção de provas. O MPF manifestou-se pela improcedência do pedido [fls. 887/899]. Passo a decidir. 2. FUNDAMENTAÇÃO: Não há controvérsia fática a ser apurada, pelo que julgo antecipadamente a lide. 2.1. Preliminares. A alegação de conexão com relação à Ação nº. 200885000007733 deve ser rejeitada, pois este feito já foi sentenciado (Súmula 235 do STJ). A inicial na é inepta, pois permite, de sua leitura, compreender os fundamentos do pedido e o pedido. Com relação à prescrição, declaro prescritas as parcelas indenizatórias anteriores a cinco anos da propositura da ação. 2.2. Mérito. Adoto como razão de decidir a seguinte ementa oriunda do TRF5: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. EXPLORAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS, INDEPENDENTEMENTE DE AUTORIZAÇÃO, PERMISSÃO OU CONCESSÃO DO PODER PÚBLICO. COMPETÊNCIA PRIVATIVA DA UNIÃO. NECESSIDADE DE PRÉVIO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO. PRECEDENTES. APELAÇÕES E REMESSA OFICIAL PROVIDAS. - Nos termos da Constituição (arts. 21, XII, e, e 175), compete à União explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão, os serviços transporte rodoviário interestadual de passageiros, mediante prévio e regular procedimento licitatório. - À Administração, e somente a ela, na condição de titular do poder concedente, cabe analisar a conveniência ou oportunidade de deferir linhas a empresas de transporte rodoviário coletivo de passageiros, realizar seccionamentos, extensões, estabelecer itinerários e o mais que for pertinente a essa atividade. - O Judiciário não pode se substituir ao Administrador nessas hipóteses. - Mesmo em face de omissão do Poder Público em realizar o certame para o deferimento de linha em trecho no qual haja concreta necessidade do serviço para a população, o máximo que ele poderia fazer era impor à Administração a realização do processo licitatório, ou responsabilizá-la pelo ato omissivo, não entregar a linha diretamente a uma dada empresa, ainda mais interferindo no exercício do poder de polícia da União sobre o transporte interestadual de passageiros da região. - Em princípio, nenhuma empresa tem direito de prestar serviço público, se para tanto não foi regularmente escolhida pela Administração, mediante o procedimento cabível, para obter a concessão, permissão ou autorização, ainda que o venha operando irregularmente, não importa desde quando. - A rigidez dessas regras não constitui qualquer violação à livre iniciativa, muito ao contrário, submete-a aos lindes constitucionais e legais, mormente quando há outras empresas interessadas. - Somente em situações excepcionais, para atender necessidade concreta de oferecimento ao público de serviço de transporte por acaso inexistente em dada localidade, garantindo-lhe o direito de ir e vir, poderia o Judiciário, e apenas em caráter precaríssimo, autorizar empresa a prestá-lo, ou a continuar a fazê-lo, mesmo assim mediante verificação da legitimidade judicial para argüir dito direito, que normalmente as pessoas privadas não detêm, e apenas até que regularizada a situação, com a realização da licitação cabível. - Excepcionalidade não configurada nos autos, já por existir outra empresa, essa titular da devida permissão, atuando na área, já por falecer à requerente, legitimidade para defender direito difuso da população. - Precedentes do STF, STJ e de diversos tribunais, inclusive o TRF5, e até desta 4.ª Turma. - Apelações e remessa oficial providas. [TRF 5. Quarta Turma. AC 318349/CE. Rel. Des. Federal MARCELO NAVARRO. Julg. em 28/11/2006. Publ. DJ de 09/02/2007, p. 596]. Registro ainda trecho do que decidiu o TRF, no julgamento do AGTR91590-SE, [...] De fato, como destacado a liminar de fls. 264/266 pelo eminente Desembargador Federal MARCO BRUNO DE MIRANDA CLEMENTINO, então convocado para me substituir, ao editar o Decreto nº 952/93, o Presidente da República pretendeu reservar a discricionariedade da Administração Federal na prorrogação do prazo da permissão, o que não seria possível, diante da evidente contrariedade com a Constituição Federal e com o da Lei nº 8.987/95, que dotaram a Administração de um modelo jurídico regulador de prestação de serviço público por meio de delegação a particulares. O Decreto nº 2.521/98 é constitucional, porquanto apenas adequou a postura da Administração ao modelo de prestação de serviço público adotado pela Constituição Federal. Não há que se falar em direito adquirido à prorrogação da permissão anteriormente concedida. Essas razões indicam a verossimilhança das alegações da UNIÃO, devendo, pois, ser mantida a liminar que assegurou a realização da licitação, através da suspensão da decisão agravada. Na verdade, é o próprio art. 175 da CRFB que prevê a necessidade de licitação a prestação de serviços públicos. Não há como alegar direito adquirido em face da CRFB. Passados vinte e dois anos do "novo" texto constitucional, dar acolhida à pretensão autoral implicaria em criar um privilégio que não guarda compatibilidade com os princípios da Administração Pública, notadamente, a impessoalidade e moralidade, pois coloca a Administração - e os administrados - numa situação de refém de um particular, num suposto "perpétuo exercício" de um direito. Registro ainda, como dito pelo MPF, a discutível eficiência do serviço prestado, do qual avultam diversas infrações e centenas de reclamações dos usuários contra a autora [fls. 895/896], o que não deixa de ser um sintoma dos malefícios da exploração dos serviços públicos sem licitação. Com relação ao pedido indenizatório, o mesmo deve ser rejeitado, pois há muito o serviço deveria ter sido submetido a uma licitação, o que não foi feito por inércia da Administração, permitindo a continuidade (ilegal e precária) da exploração de um serviço que, pela CRFB, deveria ser licitado. Ademais, como bem lembrado o MPF, não há previsão para legal para a indenização prevista, valendo lembrar que a Lei 8.987/95 a prevê unicamente para bens reversíveis, o que não é o caso [art. 36]. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTES os pedidos. Condeno o autor nas custas e em honorários, fixados estes em R$ 10.000,00 [dez mil reais] para cada réu, tendo em conta a complexidade da causa, que necessitou de estudo de ampla prova documental, do zelo técnico do advogados dos réus e, principalmente, pela grande importância econômica da causa [art. 20, § 4º do CPC]. P.R.I. Aracaju, 11.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da Titularidade PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU

   

0003675-54.2010.4.05.8500 ANTONIO CONSTANTINO DE BRITO MAIA E OUTRO (Adv. LEZIO LOPES DA ROCHA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x EMGEA - EMPRESA GESTORA DE ATIVOS (Adv. SEM PROCURADOR)

(...) b) justificadamente, especificar as provas que pretende produzir, ou dizer se opta pelo julgamento antecipado da lide. Decorrido o prazo, com ou sem manifestação, intime-se a parte ré para a mesma finalidade do item "b". Após, conclusão.

   

0004011-58.2010.4.05.8500 MUNICÍPIO DE GARARU/SE (Adv. CARILANE SILVA LARANJEIRA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br Processo n° 0004011-58.2010.4.05.8500 Ação: 29 Ação Ordinária Autor: Município de Gararu Ré: União Federal Sentença tipo "A" SENTENÇA 1. Relatório Trata-se de ação anulatória de ato administrativo com pedido de antecipação de tutela em face da União requerendo, em síntese, a anulação do ato administrativo da CEF referente ao convênio de n° 578614 que culminou com a inscrição do Município Autor nos cadastros do CADIN e SIAFI. Alega que o ex-gestor José Cardoso Matos foi responsável pela alteração no objeto do convenio, gerando um saldo a restituir aos cofres da União no valor de R$ 12.044,29, em decorrência do qual o município foi inscrito no CADIN/SIAFI. Narra que para evitar a mencionada inscrição ingressou com uma representação junto ao MPF contra o ex-gestor requerendo adoção das providências cabíveis. Fundamenta seu pedido no art. 5º da IN/STN n° 01 de 15/01/1997 e na Súmula n° 230 do TCU. Junta procuração e documentos às fls. 08/58. Reserva para apreciação do pedido de tutela antecipada, fl. 60. A União acosta procuração e documentos nas fls. 65/100, alegando em suma: a) impossibilidade de concessão de antecipação de tutela contra a Fazenda Pública e ausência de prova inequívoca; b) preliminarmente, inépcia da inicial por falta de decorrência lógica entre a argumentação e o pedido; c) imutabilidade da personalidade jurídica do ente estatal; d) ausência da comprovação de adoção para o cumprimento das condições estabelecidas pela IN/STN n° 01/97 para exclusão do CADIN/SIAFI; e) inércia do autor em adotar as providências legais contra o ex-prefeito faltoso e transferência de responsabilidades para o Parquet. É o relato. Vieram os autos conclusos. 2. Fundamentação Inicialmente, registre-se que o objeto da lide é daqueles que não demandam a produção de prova em audiência, motivo pelo qual está apto para o julgamento antecipado da lide, nos termos do art. 330, inciso I, do CPC. 2.1 Inépcia da Inicial Alega a ré que o pedido não decorre logicamente da narração dos fatos, pois teria citado no pedido convênio do diverso do que na narrativa exordial, além de ter mencionado o município de Santa Rosa de Lima como vítima da irregular inscrição no CADIN/SIAFI. Em que pese os equívocos elencados pela parte demandada sejam relevantes, trata-se meros de erros materiais derivados da redação talvez apressada ou desprovida de revisão da peça inicial. Não há, entretanto, prejuízo à decorrência lógica prevista no inciso II do parágrafo único, do art. 295, do CPC. Rejeito a preliminar. 2.2 Mérito Busca o autor provimento que determine a nulidade do ato administrativo que determinou a sua inscrição no SIAFI, sob o argumento de que as irregularidades constatadas pelo órgão concessor do convênio devem ser atribuídas ao ex-gestor público A Secretaria do Tesouro Nacional editou a Instrução Normativa nº 01/97, permitindo, em seu art. 5º, §2º, a suspensão de inadimplência se o Município, tendo um novo administrador, que não o faltoso, tomar as providências cabíveis contra o ex-gestor para o devido ressarcimento aos cofres públicos, após a instauração da tomada de contas especial e remessa do processo ao Tribunal de Contas da União: § 2º Nas hipóteses dos incisos I e II do parágrafo anterior, a entidade, se tiver outro administrador que não o faltoso, e uma vez comprovada a instauração da devida tomada de contas especial, com imediata inscrição, pela unidade de contabilidade analítica, do potencial responsável em conta de ativo "Diversos Responsáveis", poderá ser liberada para receber novas transferências, mediante suspensão da inadimplência por ato expresso do ordenador de despesas do órgão concedente. Redação alterada p/IN 5/2001. (grifo nosso) O demandante trouxe aos autos apenas: representação contra José Cardoso Matos; documentos relativos ao parecer do Ministério da Saúde que verificaram a modificação dos termos do Convênio em questão; documentos relativos da CEF, relativos a repasses federais; extratos de convênios do Portal SIAFI. Não apresentou nenhuma prova documental de que estaria buscando a regularização da pendência, assim como comprovantes de ajuizamento das respectivas ações ressarcitórias em face dos antigos gestores daquela Municipalidade, ou ainda, abertura de procedimento de tomada de contas especial. A ausência da adoção pelo Município autor de medidas contra o gestor responsável pela alteração unilateral de convênio, destinadas a ressarcir os cofres públicos desautoriza a sua exclusão do cadastro do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI, conforme já decidido pelos tribunais pátrios: ADMINISTRATIVO. EXCLUSÃO DE INSCRIÇÃO NO SIAFI. CONVÊNIO FIRMADO COM O EX-PREFEITO DE MUNICÍPIO. AUSENCIA DE ADOÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO ATUAL DAS PROVIDÊNCIAS TENDENTES AO RESSARCIMENTO AO ERÁRIO. 1. É a orientação jurisprudencial assente de que há de ser liberada a inscrição de municipalidade no cadastro do SIAFI, assim em cadastro de inadimplência, se a administração que sucedeu o ex-gestor faltoso adota as providências tendentes ao ressarcimento ao erário. 2. Não provada a existência de atos de ressarcimento das verbas e responsabilização do antigo gestor, mantêm-se a inscrição positiva junto ao cadastro do SIAFI. 3. Dá-se provimento ao recurso de apelação interposto pela parte ré e à remessa oficial. Nega-se provimento ao recurso de apelação interposto pela parte autora, com inversão dos ônus da sucumbência. (AC 200637020003719, JUIZ FEDERAL RODRIGO NAVARRO DE OLIVEIRA (CONV.), TRF1 - SEXTA TURMA, 25/10/2010) ADMINISTRATIVO. MUNICÍPIO. INSCRIÇÃO NO SIAFI. IRREGULARIDADES EM CONVÊNIO. GESTÃO ATUAL QUE TOMOU AS PROVIDÊNCIAS PARA SANAR AS FALHAS OCORRIDAS NA GESTÃO ANTERIOR. RETIRADA DA INSCRIÇÃO. POSSIBILIDADE. - O Município autor intentou demanda com o fito de obter provimento jurisdicional que promovesse a retirada de sua inscrição no SIAFI, procedida em face de irregularidades observadas em convênio, todas ocorridas em relação ao mandato do ex-gestor. - Tendo o autor tomado todas as providências cabíveis no sentido de apurar e sanar as irregularidades, configurada resta a hipótese em que o cancelamento da inscrição é cabível, consoante disposto no art. 5º da IN n.º 1/97 - SNT - Remessa oficial improvida. (REO 200683030001343, Desembargador Federal Cesar Carvalho, TRF5 - Terceira Turma, 19/02/2010) ADMINISTRATIVO. AGRAVO DE INSTRUMENTO. CONVÊNIO FIRMADO ENTRE O MINISTÉRIO DO ESPORTE E ENTE MUNICIPAL. REPASSE DE VERBAS FEDERAIS PELA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. FALTA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS. REGISTRO DA INADIMPLÊNCIA. LEGALIDADE. MUDANÇA DE GESTOR. SUSPENSÃO DA INADIMPLÊNCIA. RESPONSABILIZAÇÃO DO EX-GESTOR FALTOSO. FALTA DE SERIEDADE DAS AÇÕES. - A redação originária art. 5º, parágrafo 2º, da Instrução Normativa STN n. 01/97 assegurava à entidade administrada por novo gestor direito subjetivo à liberação para recebimento de outras verbas federais, desde que adotadas as providências cabíveis contra o ex-administrador faltoso. Com a alteração feita pela Instrução Normativa STN n. 05/01, não há mais direito subjetivo, mas de mera expectativa de direito condicionada a juízo de discricionariedade positiva pelo repassador das verbas que não foram objeto de prestação de contas ou que foram malversadas. - São inúmeros os precedentes deste Tribunal e desta Turma no sentido de que o ente tem direito à suspensão da inadimplência junto aos sistemas do Governo Federal quanto adota as medidas necessárias à responsabilização do ex-gestor faltoso, desconsiderando a natureza discricionária da competência para tanto. Adoção desse entendimento em homenagem à jurisprudência já consolidada deste órgão. - O art. 5º, parágrafo 3º, da Instrução Normativa STN n. 01/97, ao prescrever a comprovação semestral do prosseguimento das ações, está a exigir seriedade nas medidas adotadas pelo ente público contra seu ex-gestor. - O mero protocolamento de ações no Poder Judiciário e de representações nos órgãos de fiscalização, desacompanhado dos documentos necessários à viabilização da persecução e do efetivo acompanhamento do ente representante, não legitima a suspensão da situação de inadimplência. Não é incomum, e o Poder Público não pode fechar os olhos para essa situação, que alguns gestores apenas formalizam ações e representações em face de seus antecessores, mesmo quando aliados políticos, apenas para afastar a inadimplência e viabilizar o recebimento de verbas federais. - Hipótese em que não está suficientemente comprovada a seriedade das medidas adotadas pelo Município-Agravado contra sua ex-gestora, eis que as iniciativas se dirigiram a órgãos estaduais - Tribunal de Contas do Estado da Paraíba e Promotoria de Justiça da Comarca de Sapé/PB. AGTR100060/PB (Acórdão-2) - A inadimplência que ensejou a inscrição do Município-Autor no SIAFI referiu-se a convênio firmado com o Ministério do Esporte, razão pela qual deveria ter sido formulada representação ao Tribunal de Contas da União, requerendo a conclusão do procedimento de Tomada de Contas Especial já instaurado, com a inscrição da ex-gestora municipal na conta de ativo "Diversos Responsáveis". - Deveria ter o Município, sponte propria, buscado a responsabilização da administradora faltosa, atitude que, além de mais célere, denotaria maior empenho do ente municipal na responsabilização de sua ex-gestora. Ademais, é de se registrar que falece atribuição ao representante do Parquet Estadual para promoção da responsabilização criminal da ex-Prefeita, a qual só poderia ser buscada pela Procuradoria da República no Estado da Paraíba. - Agravo de Instrumento provido para cassar a antecipação de tutela anteriormente concedida. (AG 200905000770741, Desembargador Federal Rubens de Mendonça Canuto, TRF5 - Segunda Turma, 28/01/2010) Com efeito. O mandatário municipal atua em nome da Administração e não em nome próprio ou desta ou daquela administração. Logo, quando o novo prefeito assume, deve responder e, eventualmente responsabilizar as eventuais falhas de seu antecessor, mediante os procedimentos pertinentes de controle interno. Entender o contrário implicaria em autorizar a gestão pública irresponsável, sempre lançando mão do surrado argumento de que este ou aquele problema diz respeito à ação da "administração passada", como se houvesse dois municípios diferentes e não apenas um só. O caminho correto a ser trilhado pelo demandante consiste em resolver as pendências do CAUC, pagando o débito devido e sanando as demais irregularidades. 3. Dispositivo Isso posto, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO. Sem custas, nos termos do art. 4º, I da Lei 9.289/96. Condeno o Município-autor no pagamento de honorários advocatícios, os quais fixo no valor de R$ 1.000,00 (três mil, duzentos e sessenta reais), com fulcro no art. 20, §4º, do CPC. Sujeita ao reexame necessário. Após o trânsito em julgado, arquivem-se. P.R.I. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0004799-72.2010.4.05.8500 MUNICÍPIO DE GARARU/SE (Adv. CARILANE SILVA LARANJEIRA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo nº 0004799-72.2010.4.05.8500 Classe: 29 AÇÃO ORDINÁRIA Autor: MUNICÍPIO DE GARARU Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF S E N T E N Ç A 1 - RELATÓRIO Trata-se de ação anulatória de ato administrativo com pedido liminar, em que o autor requer que a requerida promova a retirada do nome do município junto aos cadastros de inadimplentes (CAUC, CADIN E SIAFI). Aduz que firmou um contrato de repasse de verbas com a CEF, porém esta não aprovou a prestação de contas municipais, em face de irregularidades na gestão anterior, o que ensejou a inclusão do município no cadastro de inadimplentes. Salienta que tal restrição cadastral o tem impedido de firmar novos contratos, trazendo prejuízos para a municipalidade, e que a atual gestão em nada contribuiu para a aplicação da penalidade. Junta documentos [fls. 09/12]. É o necessário a relatar. Passo a decidir. 2 - FUNDAMENTAÇÃO No tocante à formação e desenvolvimento da relação processual válida, dispõe o Estatuto Processual Civil em vigor, em seu art. 267, verbis: Art.267. Extingue-se o processo, sem julgamento do mérito: (...) VI - quando não concorrer qualquer das condições da ação, como a possibilidade jurídica, a legitimidade das partes e o interesse processual. No caso em espécie, verifico que a CEF é a responsável pelo repasse das verbas pactuadas com a União e pela análise quanto ao preenchimento dos requisitos legais para decidir se assina ou não os convênios. Já a inscrição em cadastros restritivos como o CADIN, objeto da demanda, são geridos pela própria União Federal, sem a interveniência da CEF. Diante de tal quadro, verifica-se que a CEF não é dotada de poderes administrativos para eventualmente determinar o cancelamento da inscrição que o autor entende ser ilegal. 3 - DISPOSITIVO POSTO ISSO, extingo o presente feito, nos termos do art. 267, inciso VI, do Código de Processo Civil. Sem condenação em honorários de sucumbência, ante a inexistência de patrono constituído nos autos. Sem custas. Após o trânsito em julgado da sentença, arquivem-se os autos com baixa na distribuição. P.R.I. Aracaju, 11 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto 2 1

   

0004928-77.2010.4.05.8500 IVANILTON MELO SANTOS (Adv. JOSÉ HENRIQUE DE SANTANA FILHO, BENITO MATOS SOARES) x MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS (Adv. SEM PROCURADOR) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA DA 5ª REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE - 3ª VARA S E N T E N Ç A tipo 'c' Processo nº 0004928-77.2010.4.05.8500 Classe: 029 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor(a): IVANILTON MELO SANTOS Réu: MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS E CAIXA ECONÔMICA FEDERAL 1 - RELATÓRIO IVANILTON MELO SANTOS propôs inicialmente perante a Justiça do Trabalho a presente ação ordinária, pretendendo a condenação do MUNICÍPIO DE CRISTINÁPOLIS ao pagamento do FGTS referente ao período em que trabalhou na Prefeitura Municipal pelo regime celetista, e que não foram depositados, e a liberação, por parte da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL de tais valores. O juízo trabalhista determinou a remessa dos autos à Justiça Estadual [fls. 20/22], por entender que se tratava de causa entre o Poder Público e seu servidor. Vislumbrando a presença de empresa pública federal na lide, o juízo estadual determinou a remessa dos autos à Justiça Federal [fls. 49 e 49 verso]. Antes mesmo da remessa dos autos a este Juízo, o autor requereu a desistência da ação às fl. 48 dos autos. 2 - FUNDAMENTAÇÃO A desistência da ação é ato unilateral do autor, quando praticado antes de decorrido o prazo para resposta, consoante regramento oriundo do § 4º do art. 267 do Código do Processo Civil, a contrario sensu. É o caso dos autos. Pela desistência, o autor abre mão do processo, não do direito material que eventualmente possa ter perante o réu. Dessome-se, daí, a ausência dos efeitos da coisa julgada material a corroborar a extinção do processo sem resolução do mérito, com supedâneo no art. 267, VIII, CPC. Por fim, como a relação processual não envolve apenas as partes litigantes, mas também o juiz, faz-se mister seja o pedido homologado por sentença para que produza os seus efeitos legais, nos termos do CPC, art. 158 parágrafo único. Ante o exposto, HOMOLOGO a desistência requestada, e, por conseqüência, EXTINGO o processo sem resolução do mérito, com amparo no art. 267, VIII do CPC. Não há lugar para honorários advocatícios. Sem custas remanescentes. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com baixa na Distribuição. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 10 de dezembro de 2010. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0004935-40.2008.4.05.8500 ANTONIO HENRIQUE BARBOSA TEIXEIRA E OUTROS (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, MARCOS D' AVILA FERNANDES) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. BIANCO SOUZA MORELLI)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br S E N T E N Ç A Ação Ordinária nº 0004935-40.2008.4.05.8500 AUTORES: Antônio Henrique Barbosa Teixeira e Outros RÉU: Caixa Econômica Federal - CEF Sentença tipo "B" 1 - RELATÓRIO Antônio Henrique Barbosa Teixeira, Emerval Barreto, Marlene Pereira da Silva, Lucia Maria Santos de Carvalho, Ivonete da Silva Melo Sobral e Jorge Fernando Dorea Leite, qualificados na exordial, ingressaram com AÇÃO ORDINÁRIA, em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, buscando obter édito jurisdicional que lhes garanta o ressarcimento dos expurgos inflacionários do Plano Verão referente ao período de janeiro/fevereiro de 1989 [diferença de 20,46%], do Plano Collor I referente a maio de 1990 [correção de 44,80%] e junho de 1990 [diferença de 2,49%], incidentes sobre suas poupanças. Requereram ainda medida liminar de exibição de extratos de contas-poupança dos autores de alguns períodos, inversão doônus da prova e concessão da gratuidade da justiça. Juntaram procurações e documentos [fls. 22/70]. Liminar deferida, fls. 72/73 Citada, a CEF apresentou contestação [fls. 80/102] alegando, preliminarmente, sua ilegitimidade passiva no período datransferência compulsória ao BACEN para os saldos superiores a NCr$ 50.000,00, ausência de documentação indispensável a propositura do feito. No mérito, d aduziu a ocorrência de prescrição, defendeu a legalidade dos percentuais aplicados, contestando a aplicação dos demais índices pretendidos pelo(a) autor(a), realçando que, nos aludidos períodos foram repassados os percentuais de correção monetária devidos. Interpôs agravo de instrumento contra a decisão liminar, fls. 106/107, o qual foi convertido em agravo retido [fls. 123/209]. Os autores apresentaram réplica e juntaram documentos [fls. 212/260]. 2- FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Ilegitimidadade Passiva da CEF nos períodos de transferência compulsória ao BACEN. Como se verá adiante, a Medida Provisória nº. 168, em 15 de março de 1990, convertida na Lei 8.024/90, instituiu-se a moeda Cruzeiro e foi determinada a retenção, no Banco Central do Brasil, dos saldos de caderneta de poupança cujo valor ultrapassasse NCz$ 50.000,00 [cinqüenta mil cruzados novos]. Assim, o Banco Central do Brasil, por ser a instituição responsável pelo bloqueio dos ativos financeiros (cruzados novos) e gestor da política econômica que implantou a nova moeda, é parte passiva legítima nas causas em que se discutem a aplicação do índice de correção monetária aos valores superiores NCz$ 50.000,00. Sobre a matéria o STJ já sedimentou o seguinte posicionamento: RECURSOS ESPECIAIS - ADMINISTRATIVO - REMUNERAÇÃO DE ATIVOS RETIDOS - RECURSO ESPECIAL - ALÍNEAS "A" E "C" - PLANO COLLOR - ILEGITIMIDADE DO BANCO ITAÚ - LEGITIMIDADE BACEN. 1. Restringe-se a controvérsia acerca da ilegitimidade do BANCO ITAÚ, e da legitimidade do BACEN para responder por eventuais diferenças de correção monetária dos ativos financeiros bloqueados. 2. É o BACEN parte legítima para responder pelos juros e correção monetária, a partir do momento em que as quantias depositadas em cadernetas de poupança ficaram indisponíveis de movimentação, sendo irrelevante como se geriram os ativos retidos. 3. Assim, resta claro que, a partir da MP 168/90, quando as quantias ficaram sob a responsabilidade do BACEN, inequívoca a legitimação desta Autarquia. Recurso especial do BANCO ITAÚ conhecido e provido, para extinguir o processo em relação a este, nos termos do art. 267, inciso VI, do CPC. Recurso especial do BACEN conhecido em parte e improvido. (STJ. REsp 564518. Segunda Turma. Rel. Min. Humbero Martins. DJ 24/04/2007) Entretanto, como ressaltaram os autores na fl. 13 da petição inicial, o pedido é restrito à correção do saldo disponível e não do valor bloqueado, razão pela qual rejeito a preliminar. 2.2 Ausência de documentos essenciais Adoto o entendimento do Tribunal Regional Federal da 5ª Região no julgamento do AGTR 94541-SE que grifei, segundo o qual: [Publicado em 03/04/2009 00:00] [Guia: 2009.000234] (M5489) DECISÃO Vistos, etc.Cuida-se de agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, contra decisão da lavra do MM. Juiz Federal da 3ª Vara da Seção Judiciária de Pernambuco, que determinou que a entidade bancária ora agravante apresentasse extratos bancários das contas poupanças dos agravados, relativos aos períodos de abril, maio e junho de 1990 e de fevereiro de 1989, no prazo da contestação.Diz a instituição financeira agravante que os autores não comprovaram que possuíam caderneta de poupança junto a CEF nos períodos citados em sua inicial ou que, em tal poupança existia saldo à época dos planos econômicos mencionados, pelo que descabida a exibição de documentos por parte da entidade bancária agravante.Traz à colação precedentes jurisprudenciais que entende em prol de sua tese.É, em síntese, o relatório. Passo ao exame.Observei, ao compulsar os autos, que os autores indicaram, na petição inicial da ação originária, o número da conta-poupança de sua titularidade e a agência bancária correspondente da Caixa Econômica Federal.O fato da parte autora não ter apresentado os extratos relativos ao período em que se pretende fazer incidir os expurgos inflacionários não levaria, como pretende a Caixa, à extinção sem julgamento de mérito da demanda.Esse é, inclusive, o entendimento predominante no egrégio Superior Tribunal de Justiça, representado por esses arestos, que guardam as seguintes ementas:"ADMINISTRATIVO. CADERNETA DE POUPANÇA. CRUZADOS BLOQUEADOS. AUSENCIA DE DOCUMENTOS. INDEFERIMENTO DA INICIAL. EXTRATOS. DISPENSABILIDADE.Um vez comprovada a titularidade da conta, é dispensável a juntada dos extratos com a petição inicial. Precedentes.(...) Recurso especial provido."1"PROCESSO CIVIL. AÇÃO DE COBRANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. ATIVOS RETIDOS. PRESCRIÇÃO. DECRETO-LEI 20.910/32. POUPANÇA. EXTRATOS. DOCUMENTOS INDISPENSÁVEIS AO AJUIZAMENTO DA DEMANDA.(...) Não são indispensáveis ao ajuizamento da ação visando a aplicação dos expurgos inflacionários os extratos das contas de poupança, desde que acompanhe a inicial prova da titularidade no período vindicado, sob pena de infringência ao art. 333, I do CPC. Os extratos poderão ser juntados posteriormente, na fase de execução, a fim de apurar-se o quantum debeatur.Recurso especial improvido."2De outra banda, a colenda Corte Superior sumulou entendimento, consagrado pelo Supremo Tribunal Federal, no seguinte sentido:"O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras."Assim é que, se a relação entre cliente/correntista e instituição financeira é reconhecida como relação de consumo, a possibilidade de inversão do ônus probante legitima, ainda mais, o entendimento de que a apresentação dos extratos das contas de poupança é encargo da entidade bancária, que as administra.Por sua vez, a nova redação do inciso II do artigo 527 do CPC, dada pela Lei nº 11.187/2005, impõe ao relator, no Tribunal, determinar a conversão do agravo instrumental em retido quando a decisão recorrida não for suscetível de causar lesão grave e de difícil reparação à parte agravante.Não vejo aqui configurada situação de risco de lesão irreparável à parte agravante - que está, registre-se, atrelada à plausibilidade do direito alegado -, a ensejar a admissibilidade do agravo na forma instrumental, conforme a dicção do art. 522 do CPC, com a alteração dada pela citada lei.Com essas considerações, CONVERTO o presente instrumental em RETIDO, com fulcro do inciso II do art. 527 do CPC, determinando a remessa dos autos ao juízo da 2ª Vara Federal de Pernambuco, com baixa na distribuição.Publique-se. Intime-se.Baixem-se.Recife, 16 de março de 2007.Desembargador Federal MARCELO NAVARRORELATOR Assim, como houve indicação das contas-poupança dos autores, a apresentação dos extratos ocorrerá na fase de apuração do débito. Rejeito a preliminar. 2.3 Prejudicial de mérito - Prescrição A alegação de prescrição qüinqüenal não prospera, pois o que se pretende é a aplicação da correção monetária expurgada, o próprio crédito, de natureza pessoal. Para tanto, o prazo prescricional é vintenário e, como a ação foi ajuizada antes do término deste, não há falar em prescrição. Esse é o posicionamento consolidado do STJ: PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SUCESSÃO. NECESSIDADE DE ANÁLISE DE QUESTÕES FÁTICO-PROBATÓRIAS. SÚMULAS N. 282 E 356-STF E 7 E 211-STJ. INCIDÊNCIA. CADERNETAS DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. JUROS REMUNERATÓRIOS. PRESCRIÇÃO. I. "Inadmissível recurso especial quanto à questão que, a despeito da oposição de embargos declaratórios, não foi apreciada pelo tribunal a quo" - Súmula n. 211-STJ. II. Necessidade, ademais, de incursão nos elementos probatórios dos autos para concluir pelo desacerto da decisão recorrida a respeito da inexistência de sucessão entre as instituições financeiras contratante e recorrente. Incidência da Súmula n. 7/STJ. III. A prescrição dos juros devidos pelas aplicações em cadernetas de poupança é vintenária. Precedentes. IV. Agravo regimental improvido. (STJ. AGRESP 905994. Rel Min. Aldir Passarinho Júnior. Quarta Turma. DJ 15.05.2007)(grifei) 2.3 - Mérito 2.3.1 Dos índices de correção a serem aplicados Da correção do Plano Verão No mês de janeiro de 1989, entendo que a Medida Provisória n.º 32, de 15/01/89, modificadora do critério de atualização monetária das poupanças, não pode retroagir para alcançar o ciclo de trinta dias já aperfeiçoado, rompendo com a situação jurídica já consolidada. A medida provisória mencionada não se aplica nos casos de caderneta de poupança cuja contratação ou renovação tenha ocorrido antes de sua entrada em vigor, consoante o disposto no art. 5º, XXXVI, da Carta Magna, ainda que os rendimentos venham a ser creditados em data posterior. O critério de remuneração estabelecido no art. 17, inciso I, da MP 32/89 não se aplica às cadernetas de poupança abertas ou renovadas antes de 16 de janeiro de 1989. Desta forma se pacificou o entendimento no Superior Tribunal de Justiça, vide AGRESP 740791 de setembro de 2005, abaixo transcrito. ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CRITÉRIO. IPC DE JUNHO DE 1987 (26,06%). PLANO BRESSER. IPC DE JANEIRO DE 1989 (42,72%). PLANO VERÃO. I - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de junho de 1987, antes da vigência da Resolução n. 1.338/87-BACEN, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 26,06%. Precedentes. II - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de janeiro de 1989, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 42,72% (Precedente: REsp n. 43.055-0/SP, Relator Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU de 20.02.95). Todavia, nas contas-poupança abertas ou renovadas em 16 de janeiro de 1989 em diante, incide a sistemática estabelecida pela Lei n. 7.730/89 então em vigor. III - Agravo regimental desprovido. (STJ. AGRESP 740791 Rel. Min. Aldir Passarinho Júnior. Quarta Turma. DJ 05.09.2005) Da correção a partir de janeiro de 1989 Em 31 de janeiro de 1989 foi promulgada a Lei nº. 7.730, que criou o cruzado novo e disciplinou a correção dos saldos de poupança nos seguintes termos: "Art. 17. Os saldos das cadernetas de poupança serão atualizados: I - no mês de fevereiro de 1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT, verificado no mês de janeiro de 1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento); II - nos meses de março e abril de 1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro - LFT, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento), ou da variação do IPC, verificados no mês anterior, prevalecendo o maior; III - a partir de maio de 1989, com base na variação do IPC verificada no mês anterior." Com o advento da Medida Provisória nº. 168, em 15 de março de 1990, convertida na Lei 8.024/90, instituiu-se a moeda Cruzeiro e foi determinada a retenção, no Banco Central do Brasil, dos saldos de caderneta de poupança cujo valor ultrapassasse NCz$ 50.000,00 [cinqüenta mil cruzados novos]. A mencionada Lei, no seu artigo 6º, estabeleceu a forma de correção dos saldos conforme segue: "Art. 6º Os saldos das cadernetas de poupança serão convertidos em cruzeiros na data do próximo crédito de rendimento, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º, observado o limite de NCz$ 50.000,00 [cinqüenta mil cruzados novos]. § 1º As quantias que excederem o limite fixado no caput deste artigo serão convertidas, a partir de 16 de setembro de 1991, em doze parcelas mensais iguais e sucessivas, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º desta lei. § 2º As quantias mencionadas no parágrafo anterior serão atualizadas pela variação do BTN Fiscal, verificada entre a data do próximo crédito de rendimento e a data do efetivo pagamento das parcelas referidas no dito parágrafo, acrescidas de juros equivalentes a seis por cento ao ano ou fração pro rata". O Banco Central, por sua vez, mediante resoluções e o Comunicado n° 2.090, estabeleceu que os índices de atualização dos saldos das contas de poupança com data de aniversário no mês de maio de 1990 seriam calculados com base nos índices de preços ao consumidor [IPC] em fevereiro e março de 1990 e na variação do bônus do tesouro nacional [BTN] no mês de abril de 1990. As instituições bancárias, então, passaram a corrigir os saldos de poupança conforme as determinações do Banco Central. Ocorre que, pela especificidade da Lei 8.024/90, o índice BTNf, nos períodos em questão, não poderia ter sido aplicado em substituição ao IPC. Sobre a questão, bastante elucidativo é o voto do Desembargador Itamar Gaino, do Tribunal de Justiça de São Paulo, que, na Apelação Cível n° 7.170.704-3, assim se manifestou: "Como se verifica, não se determinou o critério de reajuste para a parcela de depósitos em caderneta de poupança que não foram bloqueados e transferidos para o Banco Central. A Lei, assim como a Media Provisória que lhe deu origem, mesmo em sua redação original, apenas mencionava que a parcela não bloqueada seria convertida na data do próximo crédito de rendimento. Logo, foi mantida, na íntegra, a determinação de que o crédito dos rendimentos dar-se-ia com base na variação do IPC verificada no mês anterior, nos termos do art. 17, III, da Lei 7.730/89." Com efeito. Da análise de todo o teor da Lei 8.024/90, verifica-se que ela é específica para os valores bloqueados e não contém nenhum dispositivo que determine a aplicação do índice BTNf aos saldos das contas de poupança que continuaram nos estabelecimentos bancários, a partir do quê se conclui que há duas disciplinas diversas para cada caso: para os saldos inferiores a NCz$ 50.000,00, depositados nos estabelecimentos bancários, continuava devida a aplicação do IPC; para os superiores a esse valor e retidos no BACEN, aplica-se o BTNf. Reforçando o raciocínio apresentado, é de grande valia a transcrição da Súmula n° 725 do STF, que assim decidiu: "É constitucional o § 2º do art. 6º da lei 8024/1990, resultante da conversão da medida provisória 168/1990, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I" Instada a se manifestar sobre a questão, assim decidiu a 4ª Turma do TRF da 5ª Região no julgamento da Apelação Cível 443580, em 29/07/2008: CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. POUPANÇA. ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. CEF. LEGITIMIDADE PASSIVA. PLANO COLLOR I. IPC. PERCENTUAIS DE 84,32% E 44,80%. PLANO COLLOR II. LEI Nº 8.177/91. BTNF. SUCUMBÊNCIA. HONORÁRIOS DEVIDOS. - A CEF é parte legítima para figurar no pólo passivo da relação processual, no tocante à parte do pedido relativa aos índices de reajuste expurgados pelos Planos Collor I e II dos saldos que não foram bloqueados e continuaram disponibilizados nas contas-poupança dos autores. Precedente do STF (RE 206.048/RS). - As cadernetas de poupança anteriores ao Plano Collor, com data de aniversário na primeira quinzena do mês, devem ter os seus respectivos saldos, em abril de 1990, reajustados no percentual de 84.32% referente ao IPC de março de 1990, a teor do que dispunha o DL nº 2.311/86 c/c o art. 10 da Lei nº 7.730/89. Precedentes do STJ. - O índice de 44,80%, referente ao IPC de abril/90, deve ser aplicado aos saldos disponíveis (não bloqueados) das contas-poupança, pois, somente a partir de maio de 1990, é que o BTNF passou a ser utilizado como o novo fator de reajuste, nos termos da MP nº 180, de 30.5.90, convertida na Lei nº 8.088/90. Precedentes. - Quanto ao Plano Collor II (janeiro/91), a jurisprudência restou firmada no sentido de que a correção monetária deve ser feita pela variação da TRD, a partir de 1º de fevereiro de 1991, nos termos da Lei n. 8.177/91. Também o STJ: CORREÇÃO PELO BTNF DE ABRIL E MAIO. I. O saldo disponível em cruzeiros, inferiores aos cinqüenta mil cruzados bloqueados, em maio e junho de 1990, foi indexado pelo BTN, de acordo com a novel sistemática acima referida. Precedentes. II. Agravo desprovido." (STJ, Quarta Turma, AgRg no REsp 1041176/SC, Relator Ministro Aldir Passarinho Junior, DJe 18/08/2008). AGRAVO REGIMENTAL - CADERNETA DE POUPANÇA - DIFERENÇAS DE CORREÇÃO MONETÁRIA - ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA SOBRE DÉBITO JUDICIAL - IPC - INCIDÊNCIA - INOVAÇÃO RECURSAL - VEDAÇÃO - AGRAVO IMPROVIDO. 1. Nos meses de março, abril e maio de 1990 e no de fevereiro de 1991, o IPC é o índice adequado para a atualização monetária dos débitos judiciais decorrentes de diferenças de correção em saldo de poupança. 2. É inviável a análise de matéria não suscitada no recurso especial e trazida posteriormente à guisa de inovação recursal. 3. Agravo regimental improvido. (AGRESP 200801844047, MASSAMI UYEDA, STJ - TERCEIRA TURMA, 19/12/2008) Com o advento da Medida Provisória n° 180, em 30/05/90, convertida na Lei 8.088/90, o índice de atualização passou a ser o BTN. Verifica-se, assim, que de maio de 1989 até 30/05/90, o índice de atualização monetária aplicável aos saldos das contas de poupança não retidos no Banco Central é o IPC. A partir de 1º de fevereiro de 1991 [Plano Collor II], o BTN foi substituído pela Taxa Referencial, por força da Medida Provisória 294, convertida na Lei nº. 8.177/91. Assim somente para o mês de abril de 1990 há que se aplicar o índice de 44,80%, visto que em maio do mesmo ano a atualização é feita pelo BTN. 2.3.2 Dos juros remuneratórios Os juros remuneratórios são devidos, conforme requerido na inicial, ou seja, nos mês de janeiro de 1989, conforme pacífica jurisprudência: CADERNETA DE POUPANÇA. JUROS REMUNERATÓRIOS. O capital que, sob a forma de depósito em caderneta de poupança, esteve à disposição da Caixa Econômica Federal por quase vinte anos não pode, desde do ponto de vista do relator, ser privado dos juros remuneratórios; a egrégia Segunda Seção, todavia, decidiu que eles são devidos apenas nos meses de junho/87 e janeiro/89 (REsp nº 815.831, PR, Relator p/ acórdão o Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, sessão de 27.09.2006). Agravo regimental não provido. (STJ. AGRESP 904427. Rel Min. Ari Pagendler. Terceira Turma. DJ 17.09.2007) 2.3.3 Dos juros de mora e termo inicial correção monetária Os juros de mora e a correção monetária incidem a partir da citação, como se vê pela seguinte ementa: Caderneta de poupança. Correção monetária. Juros de Mora. Termo inicial. Citação. Precedentes. Honorários advocatícios. Majoração do percentual. Incidência da Súmula 7/STJ. I - A jurisprudência desta Corte é uníssona no sentido de que os juros de mora, nos casos em que se busca a correção monetária dos saldos de caderneta de poupança, devem ser fixados a partir da citação inicial. II - Se o que se pretende é a majoração da verba honorária fixada pela instância a quo com base nos fatos da causa, a pretensão recursal esbarra no óbice da Súmula 7 desta Corte. III - Agravo regimental desprovido. (STJ. AGRESP 650996. Rel Min. Antônio de Pádua Ribeiro. Terceira Turma. DJ 01.02.2005) [grifei] 3 - DISPOSITIVO Posto isso, julgo REJEITO AS PRLIMINARES E JULGO PROCEDENTE o pedido para condenar a Caixa Econômica Federal - CEF a, como obrigação de fazer: a) Proceder à correta remuneração aos saldos das cadernetas de poupança dos autores aplicando os seguintes índices: a.1) 42,72% correspondente à variação integral do IPC de janeiro de 1989; a.2) 44,80%, correspondente à variação integral do IPC de abril de 1990 aos saldos disponíveis; a.3) 7,87%, correspondente à variação integral do IPC de maio de 1990 aos saldos disponíveis; b) aplicar sobre os depósitos efetuados juros remuneratórios de 6%; e c) aplicar sobre as diferenças a serem percebidas correção monetária e juros de mora de 0,5% ao mês a partir da citação da ré; Caso a conta-poupança não esteja mais ativa, a CEF deverá abrir outra para depositar as quantias decorrentes do cumprimento desta sentença. Condeno a CEF em custas processuais e honorários advocatícios que fixo em R$ 1.500,00, nos termos do art. 20, § 4º do CPC. Após o trânsito em julgado da sentença, cumpra-se a obrigação de fazer, no prazo de trinta dias. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 19 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 6

   

0005804-32.2010.4.05.8500 MARIA DE LOURDES NUNES VASCONCELOS (Adv. ANTONIO EDUARDO SILVA RIBEIRO, AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO, MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO, LUIGI MATEUS BRAGA, AILTON ALVES NUNES JUNIOR, CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO, EDUARDO TORRES ROBERTI, THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

S E N T E N Ç A Ação Ordinária nº 0005804-32.2010.4.05.8500 AUTORA: Maria de Lourdes Nunes Vasconcelos RÉU: União Federal Sentença tipo "B" 1 - RELATÓRIO MARIA DE LOURDES NUNES VASCONCELOS, ingressou com AÇÃO DE COBRANÇA, em face da UNIÃO FEDERAL, buscando obter édito jurisdicional que lhe garanta o direito ao crédito em sua conta-poupança das diferenças referentes à aplicação dos expurgos inflacionários de janeiro de 1989 e abril de 1990. Juntou procuração e documentos, fls. 15/21. Vieram-me os autos conclusos para sentença. Eis o breve relato. 2- FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Prescrição (análise de ofício - art. 219 § 5º do Código de Processo Civil) Em verdade, o que se discute neste feito tem por fundamento relação jurídica não-tributária, existente entre o titular da conta vinculada do PIS/PASEP e a União Federal, na qual se pleiteia a aplicação de expurgos inflacionários promovidos por ocasião dos sucessivos planos econômicos. Embora não tenha, na regência especial do PIS PASEP, norma regulamentando expressamente o instituto prescricional na relação Beneficiário/União, existe norma geral que disciplina o prazo prescricional das ações contra a Fazenda Pública, que impõe aplicação ao caso concreto, por carência de normatização especial. Neste diapasão, desnecessário socorrer-se à analogia, como forma de integração do Direito, quando há regra, dentro do próprio ordenamento jurídico, que se subsume de forma direta e imediata ao caso concreto, razão pela qual afasto a incidência, por analogia, da prescrição trintenária do FGTS, e aplico a regra geral constante no art. 1º do Decreto nº 20.910/32: Art. 1º - As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. Outrossim, esclareço que a violação do direto e o início do prazo prescricional são fatores correlatos, que se correspondem como causa e efeito. Assim, a violação do direito constitui o fato gerador da pretensão, que, in casu, identifica-se com a negativação da correção monetária na conta vinculada do PIS/PASEP, referente aos períodos de janeiro de 1989 (Plano Verão) e abril de 1990 (Plano Collor I), competindo ao beneficiário sua fiscalização. Destarte, considerando que as verbas pleiteadas relacionam-se a planos econômicos ocorridos há mais de 5 (cinco) anos da data do ajuizamento da presente ação, forçoso é o reconhecimento da prescrição do próprio fundo de direito, haja vista que tais verbas se referem a obrigações de trato não-sucessivo, sem reflexos para o futuro. Tal entendimento é respaldado pelos arestos a seguir transcritos: APELAÇÃO E REMESSA OFICIAL. CORREÇÃO DO SALDO DO PIS/PASEP. PRESCRIÇÃO. PROVIMENTO. I - Nas lides da espécie, a prescrição, capaz de atingir o fundo do direito, opera-se em cinco anos, contados do instante em que negado o direito vindicado, qual seja aquele onde deliberado pela Administração a aplicação do índice oficial para corrigir o saldo dos beneficiários do fundo PIS/PASEP. II - Apelação e remessa ex officio provida. Prescrição reconhecida. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PIS/PASEP. CORREÇÃO MONETÁRIA DOS SALDOS DE CONTAS VINCULADAS. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL. D. N° 20.910/32. 1-Considerando a inexistência de regra legal específica acerca do prazo prescricional nas ações nas quais se discute a correção monetária das contas vinculadas relativamente ao PIS/PASEP, ao contrário do que ocorre com o FGTS, impõe-se o regramento estabelecido no artigo 1° do Decreto n° 20.910/32. 2-Tomando como "dies a quo" para contagem do prazo prescricional qüinqüenal a data do último índice pleiteado, fevereiro de 1991, prescrita a ação proposta além de fevereiro de 1996. Precedentes desta Corte: AC n° 1999.61.00.041545-2 - Rel. Desemb. Fed. MAIRAN MAIA - j. em 28.05.2003; AC n° 1999.61.00.047519-9 - Rel. Desemb. Fed. CONSUELO YOSHIDA - DJ de 12.09.2003; e AC n° 1999.61.00.011317-4 - Rel. Desemb. Fed. NERY JÚNIOR - DJ de 10.09.2003. 3-Apelação dos autores improvida. 4-Apelação da União Federal provida. CONSTITUCIONAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PIS/PASEP. DIFERENÇA DE CORREÇÃO MONETÁRIA DOS DEPÓSITOS REFERENTES AOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. LEGITIMIDADE DA UNIÃO. PRESCRIÇÃO. 1.A União é parte legítima para figurar no pólo passivo das ações relativas ao PIS/PASEP na qualidade de gestora do Fundo. 2.Após a Constituição de 1988, a ação para recebimento de diferenças de correção monetária de depósitos do PIS/PASEP sujeita-se ao prazo prescricional de cinco anos, contados da data em que seriam devidas. 3. Recurso conhecido e provido. 3 - DISPOSITIVO Posto isso, EXTINGO o processo, com resolução do mérito. Defiro a assistência judiciária e suspendo a exigibilidade das custas, nos termos do art. 12 da Lei 1.060/50. Após o trânsito em julgado, arquivar, dada baixa na distribuição. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1

   

0005805-17.2010.4.05.8500 NILZA DA SILVA SANTOS (Adv. ANTONIO EDUARDO SILVA RIBEIRO, AILTON ALVES NUNES JUNIOR, CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO, THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA, MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO, THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA, MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

S E N T E N Ç A Ação Ordinária nº 0005805-17.2010.4.05.8500 AUTORA: Nilza da Silva Santos RÉU: União Federal Sentença tipo "B" 1 - RELATÓRIO NILZA DA SILVA SANTOS, ingressou com AÇÃO DE COBRANÇA, em face da UNIÃO FEDERAL, buscando obter édito jurisdicional que lhe garanta o direito ao crédito em sua conta-poupança das diferenças referentes à aplicação dos expurgos inflacionários de janeiro de 1989 e abril de 1990. Juntou procuração e documentos, fls. 14/21. Vieram-me os autos conclusos para sentença. Eis o breve relato. 2- FUNDAMENTAÇÃO 2.1 Prescrição (análise de ofício - art. 219 § 5º do Código de Processo Civil) Em verdade, o que se discute neste feito tem por fundamento relação jurídica não-tributária, existente entre o titular da conta vinculada do PIS/PASEP e a União Federal, na qual se pleiteia a aplicação de expurgos inflacionários promovidos por ocasião dos sucessivos planos econômicos. Embora não tenha, na regência especial do PIS PASEP, norma regulamentando expressamente o instituto prescricional na relação Beneficiário/União, existe norma geral que disciplina o prazo prescricional das ações contra a Fazenda Pública, que impõe aplicação ao caso concreto, por carência de normatização especial. Neste diapasão, desnecessário socorrer-se à analogia, como forma de integração do Direito, quando há regra, dentro do próprio ordenamento jurídico, que se subsume de forma direta e imediata ao caso concreto, razão pela qual afasto a incidência, por analogia, da prescrição trintenária do FGTS, e aplico a regra geral constante no art. 1º do Decreto nº 20.910/32: Art. 1º - As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra a Fazenda Federal, Estadual ou Municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem. Outrossim, esclareço que a violação do direto e o início do prazo prescricional são fatores correlatos, que se correspondem como causa e efeito. Assim, a violação do direito constitui o fato gerador da pretensão, que, in casu, identifica-se com a negativação da correção monetária na conta vinculada do PIS/PASEP, referente aos períodos de janeiro de 1989 (Plano Verão) e abril de 1990 (Plano Collor I), competindo ao beneficiário sua fiscalização. Destarte, considerando que as verbas pleiteadas relacionam-se a planos econômicos ocorridos há mais de 5 (cinco) anos da data do ajuizamento da presente ação, forçoso é o reconhecimento da prescrição do próprio fundo de direito, haja vista que tais verbas se referem a obrigações de trato não-sucessivo, sem reflexos para o futuro. Tal entendimento é respaldado pelos arestos a seguir transcritos: APELAÇÃO E REMESSA OFICIAL. CORREÇÃO DO SALDO DO PIS/PASEP. PRESCRIÇÃO. PROVIMENTO. I - Nas lides da espécie, a prescrição, capaz de atingir o fundo do direito, opera-se em cinco anos, contados do instante em que negado o direito vindicado, qual seja aquele onde deliberado pela Administração a aplicação do índice oficial para corrigir o saldo dos beneficiários do fundo PIS/PASEP. II - Apelação e remessa ex officio provida. Prescrição reconhecida. ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PIS/PASEP. CORREÇÃO MONETÁRIA DOS SALDOS DE CONTAS VINCULADAS. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL. D. N° 20.910/32. 1-Considerando a inexistência de regra legal específica acerca do prazo prescricional nas ações nas quais se discute a correção monetária das contas vinculadas relativamente ao PIS/PASEP, ao contrário do que ocorre com o FGTS, impõe-se o regramento estabelecido no artigo 1° do Decreto n° 20.910/32. 2-Tomando como "dies a quo" para contagem do prazo prescricional qüinqüenal a data do último índice pleiteado, fevereiro de 1991, prescrita a ação proposta além de fevereiro de 1996. Precedentes desta Corte: AC n° 1999.61.00.041545-2 - Rel. Desemb. Fed. MAIRAN MAIA - j. em 28.05.2003; AC n° 1999.61.00.047519-9 - Rel. Desemb. Fed. CONSUELO YOSHIDA - DJ de 12.09.2003; e AC n° 1999.61.00.011317-4 - Rel. Desemb. Fed. NERY JÚNIOR - DJ de 10.09.2003. 3-Apelação dos autores improvida. 4-Apelação da União Federal provida. CONSTITUCIONAL, ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. PIS/PASEP. DIFERENÇA DE CORREÇÃO MONETÁRIA DOS DEPÓSITOS REFERENTES AOS EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. LEGITIMIDADE DA UNIÃO. PRESCRIÇÃO. 1.A União é parte legítima para figurar no pólo passivo das ações relativas ao PIS/PASEP na qualidade de gestora do Fundo. 2.Após a Constituição de 1988, a ação para recebimento de diferenças de correção monetária de depósitos do PIS/PASEP sujeita-se ao prazo prescricional de cinco anos, contados da data em que seriam devidas. 3. Recurso conhecido e provido. 3 - DISPOSITIVO Posto isso, EXTINGO o processo, com resolução do mérito. Defiro a assistência judiciária e suspendo a exigibilidade das custas, nos termos do art. 12 da Lei 1.060/50. Após o trânsito em julgado, arquivar, dada baixa na distribuição. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Aracaju, 10 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1

   

0005873-64.2010.4.05.8500 ANA CLAUDIA ALVAREZ DIAS (Adv. ANTONIO RODRIGO MACHADO DE SOUSA, BIANCA DE BRITO PORTO, MARCOS NUNES LIMA, THIAGO JOSÉ DE CARVALHO OLIVEIRA, JOÃO CARLOS MACHADO CARVALHO, VITOR LISBOA OLIVEIRA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br Processo n° 0005873-64.2010.4.05.8500 Ação: 29 Ordinária Autor: Ana Cláudia Alvarez Dias Todt Ré: União Federal Sentença tipo "c" 1. Ana Cláudia Alvarez Dias Todt, qualificada na inicial, propôs ação ordinária em face da UNIÃO, objetivando o pagamento da diferença entre o valor remuneratório FC-1 que percebeu, referente ao período em que exerceu a função de chefe de cartório do interior, e o valor de FC-4 que é paga aos chefes de cartório do TRE/SE que estão lotados na capital (FC-4), aduzindo ser inconstitucional a diferenciação existente entre os chefes de cartório eleitoral do interior e os da capital. Vieram-me os autos conclusos. RELATADOS, PASSO A DECIDIR. 2. Observa-se no pedido que a autora pretende a condenação da ré ao pagamento da diferença remuneratória em razão do período em que exerceu a função de chefe de cartório do TRE/SE no interior, ou seja, falamos de uma mera ação de cobrança. A leitura excessivamente rigorosa do art. 3º, § 1º, III da Lei 10.259/01, que veta a atuação dos JEF's em feitos em que se objetiva anular ou cancelar atos administrativos, salvo os de natureza fiscal ou previdenciário, contraria o conceito e objetivo maior dos Juizados: busca de julgamento célere para causas de menor complexidade. Ora, no caso dos autos, o que a autora pretende é, meramente, receber determinada vantagem patrimonial da Administração, decorrente de sua condição de servidor; uma causa semelhante a outras notoriamente admitidas nos JEF's, a exemplo das revisões do GDATA, GDAST, 3,17%, revisão anual do art. 37, X da CRFB, etc. Situação bem diversa é aquela em que o particular pretende desconstituir um ato administrativo enquanto pedido principal, como na hipótese de uma sanção demissionária1. Assim, por identidade de razões, sendo o valor da causa inferior a sessenta salários mínimos, reconheço a incompetência absoluta deste juízo. 3. POSTO ISSO, reconheço a incompetência absoluta, ordenando a remessa imediata destes autos ao JEF desta Subseção. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1 CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. JUIZADO ESPECIAL FEDERAL E JUÍZO FEDERAL DA MESMA SEÇÃO JUDICIÁRIA. AÇÃO QUE OBJETIVA A IMPUGNAÇÃO DE PENA DEMISSÓRIA E A CONSEQÜENTE REINTEGRAÇÃO DE SERVIDOR PÚBLICO. INCOMPETÊNCIA DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL. 1. Nos termos do art. 3.º, § 1.º, inciso IV, da Lei n.º 10.259/2001, não se incluem na competência do Juizado Especial as causas que visam à impugnação da imposição da pena demissória a servidor público civil. (...) (STJ - 3ª Seção - CC n° 70.204/DF - rel. Min. LAURITA VAZ - unânime - DJ de 25.02.2008, p. 1) ?? ?? ?? ?? 2

   

0006303-50.2009.4.05.8500 IVO BEZERRA OLIVEIRA DE SANTANA E OUTRO (Adv. IVO BEZERRA OLIVEIRA DE SANTANA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE) x FUNRIO - FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA, ENSINO E ASSISTÊNCIA (Adv. SEM ADVOGADO)

SENTENÇA "A" AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 2009.85.00.006303-0 AUTORES: IVO BEZERRA OLIVEIRA DE SANTANA E RAYNELDES NELSON LACERDA NETO RÉS: UNIÃO E FUNRIO 1. RELATÓRIO: Trata-se de ação ordinária em que o narram os autores terem participado do concurso público para provimento do quadro de pessoal no Cargo de Policial Rodoviário Federal, submetendo-se à prova objetiva, primeira etapa do concurso. Aduzem que não foram habilitados à segunda etapa do certame em razão da não anulação, pela banca organizadora, das questões de n°. 22 e 23 da disciplina Raciocínio Lógico, por ausência de alternativa correta e inobservância do conteúdo programático. Atribuem a este motivo a não correção de suas redações e classificação para a segunda fase do concurso. Pediram: a) a antecipação de tutela para que suas redações sejam corrigidas, integrando-os ao rol de candidatos habilitados a prosseguir no concurso e b) que seja reconhecido o direito à anulação das questões de n° 22 e 23. Juntam documentos [fls. 18/54]. Antecipação de tutela deferida [fls. 57/59]. A UNIÃO e a FUNRIO contestaram [fls. 75/77 e 81/91]. Os autores não se manifestaram acerca das contestações. Nenhuma das partes requereu a produção de provas. 2. FUNDAMENTAÇÃO: É caso de julgamento antecipado da lide, pois: (a) a matéria não demanda produção de provas; (b) nenhuma das partes requereu a produção de provas. 2.1. PRELIMINAR 2.1.1. Ilegitimidade passiva A FUNRIO é parte legítima, uma vez que a mesma realizou o concurso e, inclusive, cabia à mesma responder os recursos administrativos dos candidatos. 2.2 MÉRITO: A anulação de questão objetiva de concurso público ocorre quando o vício que a macula se manifesta de forma evidente e insofismável, sob pena de ingerência do Judiciário no mérito administrativo. No caso dos autos as questões 22 e 23 foram confeccionadas com base em pontos previstos no Anexo IV do Edital [fls. 51/54]. São quesitos que não discrepam do conteúdo previsível da prova e não podem ser considerados ilegais, já que constam como bibliografia utilizada para elaboração da prova objetiva, do que se infere que integram a matéria a ser examinada. O edital é a lei interna do concurso, não havendo palavras inúteis no mesmo. Se este, dentro do item que versa sobre a matéria que vai ser objeto de exame, por certo, poderá ser objeto de prova, devendo o candidato observá-la em seu estudo. Assim, não se pode afirmar que a prova tenha sido elaborada em total desacordo com o edital, não restando configurada qualquer ilegalidade ou ofensa pela Administração a ensejar a anulação das questões pretendidas, de forma a se poder reverter os pontos em favor dos demandantes. Consoante entendimento jurisprudencial majoritário, não é permitido ao Judiciário apreciar critérios adotados pelas bancas examinadoras de concursos públicos, salvo situações muito excepcionais, como erro material manifesto. Transcrevem-se arestos seguidores desta orientação jurisprudencial: ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. CONCURSO PÚBLICO. CONTROLE JURISDICIONAL. ANULAÇÃO DE QUESTÃO OBJETIVA. POSSIBILIDADE. LIMITE. VÍCIO EVIDENTE. ERRO MATERIAL INCONTROVERSO. PRECEDENTES. 1. O Superior Tribunal de Justiça tem entendido que, em regra, não compete ao Poder Judiciário apreciar critérios de formulação e correção de provas. Com efeito, em respeito ao princípio da separação de poderes consagrado na Constituição Federal, é da banca examinadora desses certames a responsabilidade pelo seu exame. 2. Excepcionalmente, em havendo flagrante ilegalidade de questão objetiva de prova de concurso público (exame de ordem) que possa causar dúvida, como é o caso, bem como ausência de observância às regras previstas no edital, tem-se admitido sua anulação pelo Judiciário por ofensa ao princípio da legalidade. Precedentes. 3. Recurso especial não-provido. (RESP 200500367833, MAURO CAMPBELL MARQUES, STJ - SEGUNDA TURMA, 05/11/2008) Processual Civil e Administrativo. Anulação de duas questões, em concurso para ingresso nos quadros da Ordem dos Advogados do Brasil, perseguidas pelo impetrante, operada pela douta sentença atacada, considerando-as equivocadas. Sentença que palmilha a trilha da exceção, para proceder ao exame do mérito de dois quesitos, especificamente, os de número 69 e 87, calcada em decisões que apenas permitem a intervenção do Judiciário, em casos excepcionais, quando ocorre erro material, considerando aquele perceptível primo icuto oculi, de plano, sem maiores indagações (cf. o min. Arnaldo Esteves Lima, RESP 722586-MG, DJU-I 03.10.2005, p. 325), ou quando o vício que a macula se manifesta de forma evidente e insofismável (cf. a min. Eliana Calmon, RMS 24080-MG, DJU-II 20.06.12007, p. 526). O enfrentamento das duas questões pelo Julgador de primeiro grau evidencia não se cuidar da exceção que a jurisprudência admite. Ademais, não é dado ao Judiciário transformar a sua decisão em uma tese jurídica. Direito de ver as duas questões anuladas inexistente. Provimento do apelo e à remessa oficial. (APELREEX 200883000069461, Desembargador Federal Vladimir Carvalho, TRF5 - Terceira Turma, 31/03/2009) Assim, é defeso ao Poder Judiciário se imiscuir no mérito da correção da prova, substituindo a banca examinadora nas funções que lhe são próprias, exceto nos casos previstos acima, estando sua atuação adstrita à análise da legalidade do certame. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto, julgo improcedentes os pedidos. Revogo a antecipação de tutela anteriormente deferida. Condeno os autores a pagar R$ 1.000,00 [mil reais] por réu, a título de honorários advocatícios, cuja exigibilidade deverá observar a Lei 1.060/50. Sem custas. P.R.I. Aracaju, 14 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto

   

AÇÃO SUMÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM SUMÁRIO)

   

0002859-72.2010.4.05.8500 MARATÁ SUCOS DO NORDESTE LTDA (Adv. ANTONIO EDUARDO SILVA RIBEIRO, AILTON ALVES NUNES JUNIOR, AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO, MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO, LUIGI MATEUS BRAGA, CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO, ROGÉRIO CARVALHO RAIMUNDO, THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA, DANILO GURJÃO MACHADO, RICARDO MÚCIO SANTANA DE ABREU LIMA JÚNIOR, HELDER SANCHES BARBOSA) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

SENTENÇA "a" AÇÃO SUMÁRIA Nº. 00028597220104058500 AUTOR: MARATÁ SUCOS DO NORDESTE LTDA RÉU: UNIÃO [pfn] 1. RELATÓRIO: A autora pretende o ressarcimento dos valores das contribuições denominadas FUNRURAL recolhidas nos últimos 10 (dez) anos pelo autor aos cofres públicos, atualizados desde a data de cada pagamento até a data do efetivo ressarcimento através da Selic, bem como a suspensão da exigibilidade da contribuição. Aduz a inconstitucionalidade das contribuições previstas no art. 25, da Lei nº 8.212/91, incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural dos produtores rurais (pessoas físicas). Contestação da União [fls. 17/19]. Conciliação frustrada [fl. 23]. Manifestação sobre a contestação [fls. 27/34]. A decisão que postergou a apreciação da antecipação de tutela foi objeto de agravo, ainda sem julgamento [fls. 309 e 313/343]. É o suficiente a relatar. 2. FUNDAMENTAÇÃO: A inicial é válida e há nos autos comprovantes dos pagamentos pretéritos da exação ora combatida, o que permite o julgamento da causa de plano. A questão da legitimidade da autora será abordada adiante. 2.1. Prescrição. O STJ entendeu que a irregularidade do art. 4° da Lei Complementar n° 118/2005 deriva da circunstância de não ser dada ao Poder Legislativo a prerrogativa de interpretar a lei, salvo raras exceções, mas sim de a elaborar, sendo missão típica do Poder Judiciário assegurar o cumprimento do direito positivo através da atividade interpretativa, da qual deflui a norma. Apenas excepcionalmente o Poder Legislativo está autorizado a efetuar modificações no ordenamento jurídico com efeitos pretéritos, ao contrário do que se passa no Poder Judiciário, pois os provimentos jurisdicionais, em sua maioria, geram efeitos sobre fatos passados. Nesse sentido: PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. PRESCRIÇÃO. NOVA ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ NA APRECIAÇÃO DO ERESP 435.835/SC. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3°. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4°, NA PARTE EM QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. ENTENDIMENTO CONSIGNADO NO VOTO DO ERESP 327.043/DF. COMPENSAÇÃO. TRIBUTOS DE DIFERENTES ESPÉCIES. SUCESSIVOS REGIMES DE COMPENSAÇÃO. APLICAÇÃO RETROATIVA OU EXAME DA CAUSA À LUZ DO DIREITO SUPERVENIENTE. INVIABILIDADE. CORREÇÃO MONETÁRIA. 1. A 1ª Seção do STJ, no julgamento do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, sessão de 24.03.2004, consagrou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para pleitear a restituição de tributos sujeitos a lançamento por homologação é de cinco anos, contados da data da homologação do lançamento, que, se for tácita, ocorre após cinco anos da realização do fato gerador - sendo irrelevante, para fins de cômputo do prazo prescricional, a causa do indébito. Adota-se o entendimento firmado pela Seção, com ressalva do ponto de vista pessoal, no sentido da subordinação do termo a quo do prazo ao universal princípio da actio nata (voto-vista proferido nos autos do ERESP 423.994/SC, 1ª Seção, Min. Peçanha Martins, sessão de 08.10.2003). 2. O art. 3° da LC 118/2005, a pretexto de interpretar os artigos 150, § 1°, 160, I, do CTN, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a "interpretação" dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. Portanto, o art. 3° da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 3. O art. 4°, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3°, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2°) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5°, XXXVI). Ressalva, no particular, do ponto de vista pessoal do relator, no sentido de que cumpre ao órgão fracionário do STJ suscitar o incidente de inconstitucionalidade perante a Corte Especial, nos termos do art. 97 da CF. [...] (RESP N° 726.668-PE, 1ª Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ 01.07.2005, pág. 434). Decalcando-a aos contornos factuais da presente demanda, a prescrição atinge somente os tributos anteriores a 07.06.2000, pois somente para os pagamentos vertidos a partir de 01.06.2005 prevalece o prazo quinquenal. 2.2. Mérito. Transcrevo tais dispositivos invocados pela parte autora: Art. 25. A contribuição do empregador rural pessoa física, em substituição à contribuição de que tratam os incisos I e II do art. 22, e a do segurado especial, referidos, respectivamente, na alínea a do inciso V e no inciso VII do art. 12 desta Lei, destinada à Seguridade Social, é de: I - 2% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção; II - 0,1% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção para financiamento das prestações por acidente do trabalho. (grifei) Art. 30. A arrecadação e o recolhimento das contribuições ou de outras importâncias devidas à Seguridade Social obedecem às seguintes normas: [...] IV - a empresa adquirente, consumidora ou consignatária ou a cooperativa ficam sub-rogadas nas obrigações da pessoa física de que trata a alínea "a" do inciso V do art. 12 e do segurado especial pelo cumprimento das obrigações do art. 25 desta Lei, independentemente de as operações de venda ou consignação terem sido realizadas diretamente com o produtor ou com intermediário pessoa física, exceto no caso do inciso X deste artigo, na forma estabelecida em regulamento; O Pleno do STF, na sessão de julgamento do dia 3/2/2010, deu provimento a recurso extraordinário 363852 para desobrigar os recorrentes da retenção e do recolhimento da contribuição social ou do seu recolhimento por subrrogação sobre a "receita bruta proveniente da comercialização da produção rural" de empregadores, pessoas naturais, declarando a inconstitucionalidade do art. 1º da Lei nº 8.540/92, que deu nova redação aos arts. 12, incs. V e VII, 25, incs. I e II, e 30, inc. IV, da Lei nº 8.212/91, com a redação atualizada até a Lei nº 9.528/97, até que legislação nova, arrimada na Emenda Constitucional nº 20/98, venha a instituir a contribuição. Eis a ementa, que adoto como razões de decidir: RECURSO EXTRAORDINÁRIO - PRESSUPOSTO ESPECÍFICO - VIOLÊNCIA À CONSTITUIÇÃO - ANÁLISE - CONCLUSÃO. Porque o Supremo, na análise da violência à Constituição, adota entendimento quanto à matéria de fundo do extraordinário, a conclusão a que chega deságua, conforme sempre sustentou a melhor doutrina - José Carlos Barbosa Moreira -, em provimento ou desprovimento do recurso, sendo impróprias as nomenclaturas conhecimento e não conhecimento. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - COMERCIALIZAÇÃO DE BOVINOS - PRODUTORES RURAIS PESSOAS NATURAIS - SUB-ROGAÇÃO - LEI Nº 8.212/91 - ARTIGO 195, INCISO I, DA CARTA FEDERAL - PERÍODO ANTERIOR À EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - UNICIDADE DE INCIDÊNCIA - EXCEÇÕES - COFINS E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - PRECEDENTE - INEXISTÊNCIA DE LEI COMPLEMENTAR. Ante o texto constitucional, não subsiste a obrigação tributária sub-rogada do adquirente, presente a venda de bovinos por produtores rurais, pessoas naturais, prevista nos artigos 12, incisos V e VII, 25, incisos I e II, e 30, inciso IV, da Lei nº 8.212/91, com as redações decorrentes das Leis nº 8.540/92 e nº 9.528/97. Aplicação de leis no tempo - considerações. [RE 363852, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 03/02/2010, DJe-071 DIVULG 22-04-2010 PUBLIC 23-04-2010 EMENT VOL-02398-04 PP-00701 RET v. 13, n. 74, 2010, p. 41-69] 2.3. Do pedido de restituição. O STJ decidiu que as empresas adquirentes de produtos rurais são consideradas responsáveis tributário pelo recolhimento da contribuição alegada, tendo legitimidade tão-somente para discutir a legalidade ou constitucionalidade da exigência, mas não para pleitear em nome próprio a restituição ou compensação do tributo, conforme precedente abaixo: PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO - AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO - FUNRURAL INCIDENTE SOBRE A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTO AGRÍCOLA - LEGITIMIDADE ATIVA. 1. A jurisprudência desta Corte firmou-se no sentido de que a pessoa jurídica adquirente de produtos rurais é responsável tributário pelo recolhimento da contribuição para o FUNRURAL sobre a comercialização do produto agrícola, tendo legitimidade tão-somente para discutir a legalidade ou constitucionalidade da exigência, mas não para pleitear em nome próprio a restituição ou compensação do tributo, a não ser que atendidos os ditames do art. 166 do CTN. 2. Na hipótese da contribuição previdenciária exigida do produtor rural incumbe ao adquirente de sua produção destacar do preço pago o montante correspondente ao tributo e repassá-lo ao INSS, de forma que, nessa sistemática, o adquirente não sofre diminuição patrimonial pelo recolhimento da exação, pois separou do pagamento ao produtor rural o valor do tributo. 3. Recurso especial não provido.1 Assim, para se aferir o direito à compensação, o adquirente tem que demonstrar ter assumido o encargo da contribuição previdenciária, ou no caso de tê-lo transferido a terceiro, estar por este expressamente autorizado a recebê-la, nos termos do art. 166 do CTN. No caso em exame, a autora não comprovou nenhuma das duas condições, o que leva ao julgamento de improcedência. 2.4. Antecipação de tutela. Sobre a verossimilhança, remeto à fundamentação supra. Quanto ao periculum in mora, saliento a submissão da ré aos efeitos econômicos de uma exação tida como inconstitucional, o que basta no quesito urgência. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto: (3.1) julgo parcialmente procedente o pedido para declarar a inexistência de relação de tributária fundada nos arts 25, I e II c/c 30, IV da Lei 8.212/91, desobrigando o autor a recolher contribuição previdenciária correspondente a 2% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção e 0,1% da receita bruta proveniente da comercialização da produção para financiamento das prestações por acidente de trabalho; (3.2) julgo improcedente o pedido de repetição do indébito; (3.3) defiro a antecipação de tutela para determinar à União a suspensão da exigibilidade da contribuição previdenciária prevista no art. 25 da Lei nº 8.212/91, sob pena de multa diária de R$ 100,00 (duzentos reais), que incidirá automaticamente em caso de descumprimento. Dou por compensados os honorários advocatícios, face a sucumbência recíproca. P.R.I. Aracaju, 17.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da Titularidade 1 STJ. RESP 200701350919, Rel. Ministra ELIANA CALMON, - SEGUNDA TURMA, julgado em 25/05/2009. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -1-

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0002484-71.2010.4.05.8500 UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. FÁBIO ROCHA CARNAÚBA) x AUGUSTO DUARTE MOREIRA (Adv. ANTONIO FERNANDO VALERIANO)

Processo nº 0002484-71.2010.4.05.8500 Classe 73 - 3ª Vara Ação: Embargos à Execução Partes: Embargante: UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) Embargado: AUGUSTO DUARTE MOREIRA SENTENÇA TIPO "B" SENTENÇA A UNIÃO opõe EMBARGOS À EXECUÇÃO que lhe promove AUGUSTO DUARTE MOREIRA, alegando que os valores apresentados pelo exeqüente seriam excessivos, pois: a) utilizou valores maiores que os devidos como base de cálculo do valor a ser repetido; b) cumulou outros fatores de correção com a taxa SELIC e c) utilizou uma exorbitante taxa SELIC de 532,86%. Pede a procedência dos embargos, para que seja fixado o valor objeto da execução em R$ 13.494,58, concordando, porém, com o valor executado a título de honorários advocatícios, conforme documentos acostados nas fls. 05/20 dos autos. Intimado para impugnar os embargos à execução, fl. 21, o exeqüente/embargado manifesta-se nas fls. 25/28 rechaçando os termos dos embargos execução. Remetidos os autos ao Contador do Juízo, este certifica, à fl. 31, que os cálculos elaborados pela embargante estão corretos. Intimadas as partes, a União manifestou concordância com os cálculos da contadoria e o embargado, por sua vez, manteve-se inerte. Brevemente relatados, passo a decidir. Exsurge dos autos, como demonstrado pelo Contador do Juízo, que assiste razão à embargante, eis que o embargado não elaborou em seus cálculos a recomposição da DIRPF. Assim, após apuração efetivada pelo Contador Judicial, este concluiu que o valor da dívida a executar é aquele apurado pela executada/embargante. POSTO ISSO, fixo o valor objeto da execução da sentença em R$ 14.897,76 (quatorze mil, oitocentos e noventa e sete reais e setenta e seis centavos). Ressalto, ainda, que estes valores deverão ser atualizados na data do efetivo pagamento. Condeno o embargante ao pagamento da verba honorária advocatícia, que fixo em R$ R$ 1.000,00 [mil reais], de acordo com os critérios estabelecidos pelo art. 20, § 4º, do CPC, a ser compensado com o crédito a ser recebido pelo exequente. Sem condenação ao pagamento das custas processuais, nos termos do art. 7º, da Lei nº 9.289/96. Traslade-se cópia desta sentença, dos cálculos apresentados à fl. 32, da certidão de fl. 31 e da certidão do trânsito em julgado, quando houver, para o feito principal. P.R.I. Aracaju, 13 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0003256-34.2010.4.05.8500 SILVIO ALVES DO ROSARIO (Adv. RUBENS DANILO SOARES DA CUNHA, RAFAEL LIMA CARVALHO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO)

Processo nº 0003256-34.2010.4.05.8500 Classe 73 - 3ª Vara Ação: Embargos à Execução Partes: Embargante: SILVIO ALVES DO ROSÁRIO Embargado: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA TIPO "B" SENTENÇA Silvio Alves do Rosário opõe EMBARGOS À EXECUÇÃO que lhe promove Caixa Econômica Federal - CEF, ambos qualificados nos autos, alegando que os valores apresentados pela exeqüente seriam excessivos, fls. 02/13. Intimado para impugnar os embargos à execução, fl. 15, a embargada não se manifesta, consoante certidão de fl. 17. É o que importa relatar. Decido. Com efeito, a Lei nº 11.232/05, vigente desde 24.06.2005, alterando dispositivos do Código de Processo Civil, passou a determinar, de modo explícito, a possibilidade de não conhecimento da alegação de excesso de execução de embargos fundados em impugnações genéricas à memória de cálculo apresentada pelo exeqüente. Verifique-se: "Art. 739-A. Os embargos do executado não terão efeito suspensivo. (...) § 5º Quando o excesso de execução for fundamento dos embargos, o embargante deverá declarar na petição inicial o valor que entende correto, apresentando memória do cálculo, sob pena de rejeição liminar dos embargos ou de não conhecimento desse fundamento." Dessa forma, não pode o embargante limitar-se a alegar o excesso de execução sem apontar, fundamentadamente, o valor que entende ser o correto. Nesse sentido, colaciono o seguinte julgado: ADMINISTRATIVO. FGTS. EMBARGOS À EXECUÇÃO. IMPUGNAÇÃO GENÉRICA. INDEFERIMENTO DA INICIAL. Nos embargos do devedor, tem ele o dever legal de definir um a um os fundamentos da oposição, notadamente quando essa via impugna memória discriminada de cálculos, sendo seu dever indicar ponto a ponto o erro existente, indicando o valor correto. (AC nº 2005.71.00.008264-0/RS. TRF da 4ª Região, 4ª Turma, unânime, minha relatoria, D.E. 30.10.2007). POSTO ISSO, ante as razões expendidas, julgo improcedentes os embargos. Defiro o benefício da justiça gratuita ao embargante. Sem condenação em honorários de sucumbência, ante a inexistência de resposta da embargada. Sem condenação ao pagamento das custas processuais, nos termos do art. 7º, da Lei nº 9.289/96. Após, traslade-se cópia desta sentença e da certidão do trânsito em julgado, quando houver, para o feito principal. P.R.I. Aracaju, 13 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0004585-81.2010.4.05.8500 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DO SOCORRO MIRA DE SOUZA) x MARIA DE LOURDES PEREIRA DA SILVA (Adv. ADELMA PINHEIRO FERNANDES DA SILVA)

Processo nº 0004585-81.2010.4.05.8500 Classe: 73 - EMBARGOS À EXECUÇÃO Embargante: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS Embargado: MARIA DE LOURDES PEREIRA DA SILVA S E N T E N Ç A 1 - RELATÓRIO O Instituto Nacional Do Seguro Social - INSS interpôs os presentes Embargos à Execução em face de Maria de Lourdes Pereira da Silva alegando que os valores apresentados pela exeqüente seriam excessivos, pois: a) utilizou percentuais de juros equivocados - 93% ao invés de 87% e b) o não abatimento dos valores já creditados com o reajuste de 39,67% (IRSM de fevereiro de 1994). Pede a procedência dos embargos, para que seja fixado o valor objeto da execução em R$ 60.282,39, conforme documentos acostados nas fls. 05/13 dos autos. A parte embargada, embora intimada, não apresentou impugnação [fl. 18]. É o histórico dos autos. Doravante, passo a decidir. 2 - FUNDAMENTAÇÃO A execução por quantia certa tem como finalidade precípua a satisfação de crédito exeqüendo, a ser discutido entre as partes na via ampla dos Embargos à Execução. Voltando ao caso concreto, o embargante alega o excesso de execução. Fala-se em excesso de execução, segundo dispõe o art. 743, do Código de Processo Civil, ad litteram: I - quando o credor pleiteia quantia superior à do título; II - quando recai sobre coisa diversa daquela declarada no título; III - quando se processa de modo diferente do que foi determinado na sentença; IV - quando o credor, sem cumprir a prestação que lhe corresponde, exige o adimplemento da do devedor (artigo 582); V - se o credor não provar que a condição se realizou. Por outro lado, a embargada deixou transcorrer o prazo legal sem apresentar qualquer impugnação aos valores apresentados pelo embargante. Dessa forma, em face do silêncio da embargada, entendo que concordou, ainda que tacitamente, com as quantias apresentadas pelo embargante. 3 - DISPOSITIVO Dessa forma, JULGO PROCEDENTES OS EMBARGOS, determinando o prosseguimento da execução em seus ulteriores termos, observados os cálculos apresentados pelo INSS, fls. 05/13. Condeno a embargada ao pagamento da verba honorária advocatícia, que arbitro em 5% (cinco por cento) da diferença apurada entre os valores oferecidos à execução e o montante final apurado como devido, os quais deverão ser compensados com a verba honorária devida nos autos principais. Traslade-se cópia desta sentença e da certidão do trânsito em julgado, quando houver, bem como dos cálculos apresentados nas fls. 05/13 para o feito principal. As partes estão isentas de custas, nos termos do art. 7º da Lei nº 9.289/96. P.R.I. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA

   

0000261-83.1989.4.05.8500 ESPOLIO DE JOSE DE FARO TELES (Adv. JOSE LUIZ TRINDADE DOS SANTOS, FERNANDA MENDONÇA DIZ) x INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZACAO E REFORMA AGRARIA - INCRA (Adv. EVA MARIA GOMES SOARES(INCRA), GILDA DINIZ DOS SANTOS (INCRA)) x JOSE VIEIRA TELES (Adv. JOSE LUIZ TRINDADE DOS SANTOS, FERNANDA MENDONÇA DIZ) x JUCIMARA VIEIRA TELES (Adv. JOSE RINALDO BARRETO, JOSE LEONARDO MACHADO BARRETO, MARIA AUXILIADORA COSTA MACHADO) x JOSE SILVA DE ANDRADE (Adv. GUIDO AZEVEDO, ANDREA AZEVEDO) x MARIA CLEURIDES DOS SANTOS (Adv. VICTOR HUGO MOTTA) x MARIA VALDETE DOS SANTOS (Adv. CARLOS ALBERTO MONTEIRO VIEIRA) x MARIA VALDO DO CARMO (Adv. CARLOS ALBERTO MONTEIRO VIEIRA) x MARIA HELENA ALMEIDA PEREIRA (Adv. ANA LEONOR FERREIRA FIGUEIREDO, LUCIO SERGIO FONTES LIMA) x ELISABETE CARDOSO MESQUITA (Adv. FLAMARION D'ÁVILA FONTES, ANTONIO CARLOS DE OLIVEIRA BEZERRA, JOSE LUIZ TRINDADE DOS SANTOS, JOSE LEONARDO MACHADO BARRETO, MARIA AUXILIADORA COSTA MACHADO, JOSE RINALDO BARRETO, GERALDO REZENDE FILHO)

Informem os nobres causídicos José Luiz Tindade, Maria Auxiliadora C. Machado, José Leonardo Barreto e José Rinaldo Barreto, os respectivos números de CPF, a fim de ser expedido o requisitório referente ao rateio da verba sucubencial.

   

EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL

   

0000138-21.2008.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO) x EDVALDO DE SOUZA FRANÇA (Adv. SEM ADVOGADO)

Visa à CEF, por 5 (cinco) dias, para requerer o que lhe aprouver. Nada requerendo, arquivem-se os autos com Baixa na Distribuição, somente reativando-os quando o credor oferecer elementos concretos para o prosseguimento da execução.

   

0002331-38.2010.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. LYTS DE JESUS SANTOS) x ARTHUR SERGIO DE ALMEIDA REIS (Adv. SEM ADVOGADO)

SENTENÇA Trata-se de Ação de Execução de título extrajudicial, proposta pela União, em que, conforme GRU juntada nas fls. 39, o executado efetuou o pagamento do débito de R$ 2.118,20. Requerida a extinção da ação pelo pagamento [fls. 38], vieram-me os autos conclusos para prolação de sentença. Após breve relato, decido. Satisfeita a obrigação pelo executado, DECLARO, por sentença, extinto o presente processo, nos termos dos arts. 794, I, e 795, ambos do Código de Processo Civil. Sem honorários, conforme petição da exequente, à fl. 38. Sem custas, face á isenção legal. Após, transitada em julgado a sentença, arquivem-se os presentes autos, com baixa na Distribuição. P.R.I.

   

0002409-32.2010.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x WASHINGTON LOPES MELO (Adv. SEM ADVOGADO)

Intime-se a CEF, para no prazo de 5 (cinco) dias, se manifestar acerca da realização do acordo entre as partes.

   

0004244-02.2003.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SIDNEY SILVA DE ALMEIDA, BIANCO SOUZA MORELLI) x JOAO ALBERTO JARJOR (Adv. SEM ADVOGADO)

Proceda-se à pesquisa de veículo automotor de propriedade do(a) executado(a) no Renajud. Em caso positivo: a) registre-se a indisponibilidade para alienação; b) expeça-se mandado de penhora e avaliação do bem. Em caso negativo, considerando que todas as diligências restaram infrutíferas, ao arquivo, sem prejuízo de ulterior reativação

   

MANDADO DE SEGURANÇA

   

0005522-91.2010.4.05.8500 ASTECOSERV SEGURANCA E VIGILANCIA LTDA (Adv. CLÉVERSON CHEVEL DOS SANTOS FARO) x DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL E OUTRO (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

DESPACHO 1. Reservo-me para apreciar a medida liminar requerida posteriormente, quando melhor delineado estará o panorama da lide, ensejando o exame dos requisitos que a autorizam, e, sobretudo, em homenagem ao Princípio do Contraditório. 2. Notifique-se, o impetrado para que preste as informações de estilo, no decêndio legal, na forma da Lei nº 12.016/2009. 3. Cientifique-se a Fazenda Nacional, na forma do art. 7°, II, da Lei n° 12.016/2009. 4. Após, voltem conclusos. Intimem-se.

   

0005904-84.2010.4.05.8500 ALEXANDRE QUEIROZ PIRES (Adv. ANTONIO CARLOS DAMASCENO) x PRESIDENTE DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL DE SERGIPE (Adv. SEM ADVOGADO)

SENTENÇA "C" MANDADO DE SEGURANÇA Nº. 00059048420104058500 IMPETRANTE: ALEXANDRE QUEIROZ PIRES IMPETRADO: PRESIDENTE DA OAB/SE 1. O impetrante, bacharel em Direito, alega que o inciso IV do art. 8º da Lei 8.906/94 é inconstitucional, requerendo, por isso, a concessão de ordem para que o Conselho da OAB/SE o inscreva no quadro da entidade como advogado. É o suficiente a relatar. 2. Conceder-se-á mandado de segurança para proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habeas data, sempre que, ilegalmente ou com abuso de poder, qualquer pessoa física ou jurídica sofrer violação ou houver justo receio de sofrê-la por parte de autoridade, seja de que categoria for e sejam quais forem as funções que exerça [art. 1º da Lei 12016/09]. O impetrante formou-se em 21.07.2007 e narra ter sido reprovado no exame da OAB. Não foi apontado ato concreto e temporalmente definido do impetrado, que teria obstado seu direito líquido e certo. Os documentos acostados à inicial focam a tese (inconstitucionalidade do Exame da OAB), mas não a situação concreta do impetrante, e sua suposta reprovação. Lançando mão da única data seguramente conhecida nestes autos, o da colação ocorrida há mais de três anos, percebe-se a fluência do prazo decadencial de cento e vinte dias. Logo, não é possível discutir o ponto na via mandamental. 3. Indefiro a inicial [art. 10 da Lei 12.016/09]. Sem custas ou honorários. Defiro os benefícios da AJG. Intime-se e arquivem-se. Aracaju, 17.12.2010. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -1-

   

MEDIDA CAUTELAR INOMINADA

   

0005129-69.2010.4.05.8500 EDSON VASCONCELOS ARAUJO E OUTRO (Adv. MARCELO FEITOSA SILVA, MONICA MARIA DA SILVEIRA FONTES) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Sentença "c" Processo nº 0005129-69.2010.4.05.8500 Classe: 148 - AÇÃO CAUTELAR E RECONVENÇÃO Autor/Reconvindo: EDSON VASCONCELOS DE ARAÚJO E DAYSE SILVA SAMPAIO ARAÚJO Réu/Reconvinte: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF 1 - RELATÓRIO Trata-se de Ação Cautelar Inominada, em que o autor busca a concessão de liminar a fim de que seja anulado leilão para a venda do imóvel em que reside, alegando que não foi notificado de execução extrajudicial tendo por objeto o referido imóvel. Junta procuração e documentos, fls. 09/52. Em despacho de fl.54, o Juiz Titular reservou-se para apreciar a medida liminar requerida para momento posterior à apresentação da contestação. Citada, a ré apresentou contestação às fls. 61/68, aduzindo preliminarmente a carência de ação e no mérito conta que o contrato realizado com o autor já se encontra extinto desde julho/99, em razão de inadimplência, e o imóvel já se encontra alienado, tendo sido o autor intimado da execução extrajudicial. A ré apresentou ainda reconvenção de fls. 69/119, pleiteando medida liminar para reintegração na posse do imóvel e posterior imissão definitiva. Vieram os autos conclusos. Decido. 2 - FUNDAMENTAÇÃO 2.1. Da Cautelar: Disciplina o art. 796, do CPC: "O procedimento cautelar pode ser instaurado antes ou no curso do processo principal e deste é sempre dependente". O processo de uma ação cautelar tem natureza acessória e não satisfativa. A finalidade de uma media cautelar é garantir a utilidade e eficácia do provimento principal, caso contrário o processo acautelatório não tem razão de existir. O demandante requer a anulação do leilão que vendeu o imóvel a terceira pessoa, aduzindo não ter sido notificado da execução extrajudicial. No entanto, a medida pleiteada não tem natureza conservativa do direito pleiteado e sim, a fruição do mesmo, propriamente dito. Observe-se que o item 1 dos pedidos limita-se a anulação - fls. 08: "1) seja concedida a medida liminar, inaudita altera pars, determinando-se a anulação do leilão, por cerceamento de defesa e tendo em vista a ineficácia da aplicação do Dec. Lei 70/66 por falta de notificação dos Requerentes, conforme determina o o decreto lei nº 70/66 e demais irregularidades.[...]". No mesmo sentido, a jurisprudência é esclarecedora: PROCESSUAL CIVIL. FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DO MUNICÍPIOS. RETENÇÃO PARA PAGAMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CORRENTES EM ATRASO. LIMITE DE 15% DA RECEITA CORRENTE LÍQUIDA DO MUNICÍPIO. DEVOLUÇÃO DOS VALORES JÁ DESCONTADOS. CAUTELAR DE NATUREZA SATISFATIVA. INADEQUAÇÃO DA VIA ELEITA. AUSÊNCIA DE INTERESSE PROCESSUAL (INTERESSE- ADEQUAÇÃO). CARÊNCIA DE AÇÃO. 1 - A sentença que é desfavorável ao Município está sujeita ao duplo grau de jurisdição obrigatório, nos termos do art. 475, I, do CPC. Silenciando no ponto, tem-se a remessa por interposta, nos termos da Súmula nº 423 do STF. 2. O processo cautelar é instrumental e tem por finalidade assegurar que, quando vier a ser proferida sentença no processo principal, no qual se discutirá, efetivamente, a existência do direito material buscado, não haja esse direito perecido, não podendo, assim, ter objetivo satisfativo. 3. Tem natureza satisfativa a ação cautelar que objetiva estornar os valores deduzidos dos repasses do FPM, bem assim impedir qualquer outra dedução na cota do referido Fundo. 4. Sendo inadequada a ação para alcance do objetivo perseguido, ocorre a falta de interesse processual, na modalidade "interesse-adequação", que leva à carência da ação, e a extinção do feito sem resolução do mérito, nos termos do art. 267, VI, do CPC. 5. Processo extinto sem resolução de mérito. 6. Apelação e remessa oficial, tida por interposta, prejudicadas. (TRF 1ª Região. AC 200233000233472/BA. Sétima Turma. DJ 25/01/2008) Assim, a via da ação cautelar é inadequada para obtenção de medida satisfativa, pois antecipa o resultado da tutela jurisdicional, gerando falta de interesse processual e impondo a extinção do feito sem a análise do mérito. 2.1. Da Reconvenção: A CEF apresentou reconvenção, pleiteando a imissão na posse, argumentando que o reconvindo está ocupando ilegalmente o imóvel. No processo cautelar, não se mostra cabível a reconvenção, por dois aspectos: a) Dentre os requisitos para a admissibilidade da reconvenção encontra-se a compatibilidade dos ritos procedimentais, tendo em vista que ambas serão processadas conjuntamente, o que não se apresenta neste caso, onde a principal é uma cautelar. b) o processo cautelar tem por objeto garantir o resultado útil de um processo principal, sendo sua natureza acautelatória e não satisfativa. Portanto, não há como o requerido aduzir pretensão em face do requerente no processo cautelar. Rejeito, por tais razões, a reconvenção. 3 - DISPOSITIVO POSTO ISSO, extingo o processo cautelar [art. 267, inciso VI, do Código de Processo Civil] e indefiro a petição inicial de reconvenção. Defiro o pedido de Justiça Gratuita formulado pelo demandante. Condeno o autor em honorários que arbitro em R$ 1.000,00 [um mil reais], cuja exigibilidade permanecerá suspensa, tendo em conta os benefícios da AJG deferidos ao autor. Sem honorários na reconvenção, uma vez que não houve citação. Sem custas. Após a preclusão, arquivem-se. P.R.I. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto 2 2

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000366-93.2008.4.05.8500 FÁBIO SOARES DA SILVA (Adv. CARLOS EDUARDO REIS CLETO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

I - São Embargos de Declaração opostos em face de sentença, fls. 278/289, aduzindo que houve contradição quanto: a) ao tempo reconhecido, vez que da sentença resulta que o autor possuía 40 anos 03 meses e 15 dias de tempo de contribuição e; b) quanto à expressão "além do que se verificou que o benefício foi indevidamente suspenso pela autarquia ré, vez que se trata de pedido originário de benefício. II - O Código de processo civil prescreve que os embargos de declaração serão opostos quando, na sentença ou no acórdão, houver erro material, obscuridade, contradição ou omissão. No caso, dos autos, de fato, houve as contradições apontados, senão vejamos. Na fl. 287 foram estabelecidos os parâmetros para as conversões do tempo comum para especial, embora não tenha incidido o multiplicador no período de 01/04/2005 a 08/01/2007 da tabela, o que levou a um erro de cálculo, chegando-se a um total de 39 anos 07 meses 03 dias, quando na verdade o correto é, conforme apontado pelo embargante, 40 anos 03 meses e 15 dias. No tocante à referência à suspensão do benefício também assiste razão ao embargante, já que, de fato, o benefício sequer chegou a ser concedido. III - Ante o exposto, acolho os embargos de declaração para sanar a contradição, afim de que sejam reconhecidos ao demandante 40 anos 03 meses e 15 dias de tempo de contribuição, ressalvando-se que se trata de concessão originária de benefício. Nada requerido, arquivem-se ambos os autos. P.R.I

   

0000886-63.2002.4.05.8500 LINDA ELZE SILVA RAMOS (Adv. CAIO AUGUSTO SANDRINI) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO)

Em face da descida dos autos, aguarde-se a iniciativa da parte interessada por até 15 (quinze) dias. Inexistindo manifestação, dê-se baixa na Distribuição e sejam os autos arquivados.

   

0001958-12.2007.4.05.8500 JOÃO FRANCISCO TISANO (Adv. JOICE ANGELI A. CAMPOS DOS SANTOS) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARCIA CECILIANO D. SOUTO)

Em face da descida dos autos, aguarde-se a iniciativa da parte interessada por até 15 (quinze) dias. Inexistindo manifestação, dê-se baixa na Distribuição e sejam os autos arquivados.

   

0002640-59.2010.4.05.8500 MARIETA DOS SANTOS (Adv. ROSANGELA OLIVEIRA SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MARIA DO SOCORRO MIRA DE SOUZA)

Processo nº 0002640-59.2010.4.05.8500 Classe 73 - 3ª Vara Ação: Embargos à Execução Partes: Embargante: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS Embargado: MARIETA DOS SANTOS SENTENÇA TIPO "B" O INSS opõe Embargos à Execução que lhe promove Marieta dos Santos, alegando que os valores apresentados pela exeqüente a título de honorários advocatícios seriam excessivos, pois a sentença arbitrou honorários sobre o valor das prestações vencidas até sua prolação, não sendo nada devido em data anterior. Pede a procedência dos embargos, para que seja reconhecido que não há valores a executar, conforme documentos acostados nas fls. 05/08 dos autos. Intimada para impugnar os embargos à execução, fl. 09, a exeqüente/embargada manifesta-se nas fls. 13/15, rechaçando os termos dos embargos execução. Remetidos os autos ao Contador do Juízo, este certifica, à fl. 17, que concorda com o embargante. Intimadas as partes, a embargada, fls. 21/22, discorda da certidão da Contadoria. Remetidos novamente os autos para o Contador do Juízo, este certifica [fl. 26] que agora entende como devida a verba honorária incidente sobre as prestações vencidas até 31/05/2008 e apresenta os cálculos devidamente atualizados, fls. 27/28. À fl. 31, o INSS informa não se opôs aos cálculos da Contadoria. Brevemente relatados, passo a decidir. Como demonstrado pelo Contador do Juízo, que não assiste razão ao embargante, manifestação técnica do auxiliar do juízo que adoto nesta decisão. POSTO ISSO, julgo improcedentes os embargos, devendo prosseguir a execução da sentença pelos valores atualizados nas planilhas de fls. 27/28, qual seja R$ 1.709,31 (hum mil, setecentos e nove reais e trinta e um centavos). Ressalto, ainda, que estes valores deverão ser atualizados na data do efetivo pagamento. Condeno o embargante ao pagamento da verba honorária advocatícia, que arbitro em R$ 500,00 (quinhentos reais). Sem condenação ao pagamento das custas processuais, nos termos do art. 7º, da Lei nº 9.289/96. Traslade-se cópia desta sentença, dos cálculos apresentados às fls. 27/28, da certidão de fl. 26 e da certidão do trânsito em julgado, quando houver, para o feito principal. Após, arquivem-se. P.R.I. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0005294-58.2006.4.05.8500 JOSÉ LAERTE ANDRADE DOS SANTOS (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, THAIS MAIA DE BRITTO, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR, ANDREA JESUS GAMA, ANDREA JESUS GAMA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. MAIANA ALVES PESSOA)

Vista ao autor, no prazo de 05 (cinco) dias, para manifestar-se acerca da petição de fls. 126/127. Após, subam os autos ao egrégio TRF da 5ª Região.

   

0016649-22.1993.4.05.8500 LUIZ CLAUDIO MELO DOS SANTOS (Adv. MARIO LUIZ BRITTO ARAGAO, ANA AMELIA DE MENEZES FARO, LUIZ EDUARDO A DE FREITAS BRITTO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SONIA RODRIGUES SOARES CALDAS, JISELIA BATISTA SANTOS, CICERO CORBAL GUERRA NETO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES, PEDRO PAULO PINTO MOREIRA)

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 3ª VARA Processo nº 00016649-22.1993.4.05.8500 Classe: 097 - EXECUÇÃO DE HONORÁRIOS Exequente: UNIÃO E CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF Executado: LUIZ CLAUDIO MELO DOS SANTOS Sentença do tipo "C" S E N T E N Ç A A UNIÃO E A CEF, devidamente qualificadas na preambular, ingressaram com a presente EXECUÇÃO DE HONORÁRIOS em face de LUIZ CLAUDIO MELO DOS SANTOS, objetivando o cumprimento da sentença. Efetuado o bloqueio através do BacenJud, o executado não ofereceu impugnação. É o histórico dos autos. Doravante, passo a decidir. Satisfeita a obrigação DECLARO, por sentença, extinto o presente processo, nos termos dos arts. 794, I, e 795, ambos do Código de Processo Civil. Sem condenação em honorários advocatícios nem custas, vez que, com o advento da Lei nº 11.232/05, o qual revogou o instituto da carta de sentença [art. 590, do CPC], não há qualquer previsão legal que autorize a fixação dessas verbas na fase executiva do processo de conhecimento. Transfira-se o valor penhorado junto ao Banco Santander para uma das contas à disposição deste Juízo, após, expeça-se alvará em favor do exequente, observando a certidão do contador de fl. 192 (divisão pro rata). Consoante dados fornecidos em fl. 200, converta-se em renda, a favor da União, o valor depositado, observando a certidão de fl. 192. Transitada em julgado a sentença, arquivem-se os presentes autos, com baixa na Distribuição. P.R.I. Aracaju, 19 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 2

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000736-29.1995.4.05.8500 BANCO CENTRAL DO BRASIL (Adv. RICARDO DUARTE DE MELO, EDNALDO BARBOSA DE LIMA) x DENIO DANTAS DA SILVEIRA GOIS (Adv. LUIZ EDUARDO A DE FREITAS BRITTO, MARIO LUIZ BRITTO ARAGAO, DALMO JOSE PINHEIRO TORRES) x BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S/A (Adv. ROOSEVELT BATISTA DE CARVALHO) x DENISE GARCEZ MATOS GÓES x DANIELA MATTOS DE GOIS x DÉBORA MATTOS GÓIS SOBRAL x BELMIRO DA SILVEIRA GOES NETO x DERMEVAL MESQUITA MATTOS NETO (Adv. BELMIRO DA SILVEIRA GOIS NETO, MARCELO AUGUSTO BARRETO DE CARVALHO)

Intime-se o devedor, na forma do artigo 475-J do Código de Processo Civil.

   

0001368-84.1997.4.05.8500 JORGE DOS SANTOS (Adv. LUIZ EDUARDO A DE FREITAS BRITTO, MARIO LUIZ BRITTO ARAGAO, ANA PAULA MOURA GAMA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SONIA RODRIGUES SOARES CALDAS)

1. Libere-se o valor bloqueado que excede o quantum exeqüendo. 2. Intime-se o executado para oferecer impugnação no prazo de 15 (quinze) dias. 3. Inexistindo impugnação, transfira-se o valor penhorado a uma das contas à disposição deste Juízo.

   

0001393-43.2010.4.05.8500 RICARDO WESLLEY DOS SANTOS ALMEIDA (Adv. RODRIGO COSTA MENDES, PATRÍCIA DE MOURA MELO SILVA, RODRIGO COSTA MENDES, LUIZ CARLOS DA SILVEIRA MELO, LUIZ FERREIRA VASCO VIANA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO)

PROCESSO N° 0001393-43.2010.4.05.8500 CLASSE 29 - AÇÃO ORDINÁRIA AUTOR: RICARDO WESLLEY DOS SANTOS ALMEIDA RÉ: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF SENTENÇA TIPO A SENTENÇA 1. RELATÓRIO RICARDO WESLLEY DOS SANTOS ALMEIDA, já devidamente qualificado nos presentes autos, intentou a presente ação ordinária em face da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, aduzindo que firmou em 2008 um contrato de financiamento de imóvel residencial através da requerida, porém, em 2009 foi promulgado o Decreto n°. 6.962, o qual dispõe sobre o Programa Habitacional Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, instituindo diversas vantagens contratuais, às quais a CEF não está permitindo que o requerente inclua em seu contrato original. Aduz que preenche todos os requisitos para se enquadrar no Programa Minha Casa, Minha Vida, assim como faz jus à alteração do seu contrato de compra e venda para que o mesmo tenha incorporado todos os benefícios instituídos pelo aludido programa. Juntou documentos [fls. 06/52]. A parte ré apresentou contestação [fls. 59/67]. O autor não se manifestou sobre a contestação [fl. 89]. Nenhuma das partes requereu a produção de provas. É o breve relato. Decido. 2 - FUNDAMENTAÇÃO É caso de julgamento antecipado da lide, pois: (a) a matéria não demanda produção de provas; (b) nenhuma das partes requereu a produção de provas. Busca o demandante a aplicação da Lei n°. 11.977/2009 ao seu contrato de compra e venda firmado em 2008, a qual entrou em vigor posteriormente à celebração do contrato, sendo mais benéfica. Contudo, tal pretensão situa-se no campo da improcedência. Sendo o contrato ato jurídico perfeito, não é possível ser atingido por normas posteriores, dado o princípio de irretroatividade da lei. É a aplicação do conhecido princípio tempus regit actum (o tempo rege o ato). Dessa forma, a relação jurídica estabelecida entre o demandante e a CEF constitui ato perfeito, pois no momento da celebração do contrato foram atendidas todas as condições e normas em vigor. A lei nº 11.977/2009, que dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida, posterior ao contrato celebrado, não tem o condão de alterar relação jurídica consubstanciada num ato jurídico perfeito, sob pena de ofensa ao princípio insculpido no art 5º, inc. XXXVI da Constituição Federal. 3 - DISPOSITIVO Ante o exposto, julgo improcedentes os pedidos. Condeno o autor a pagar R$ 1.000,00 [mil reais], a título de honorários advocatícios, cuja exigibilidade deverá observar a Lei 1.060/50. Sem custas. P.R.I. Aracaju, 12 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto

   

0001450-95.2009.4.05.8500 RENATO THOMAZ DOS SANTOS (Adv. SIZENANDO AZEVEDO FARO, TULIO JOSE AZEVEDO FARO, ANDRÉA VIVEIROS HEINZE) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Processo nº. 2009.85.00.001450-0 - Classe 29 - 3ª Vara Ação: Ordinária Partes: Autor: RENATO THOMAZ DOS SANTOS Réu: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS SENTENÇA Renato Thomaz dos Santos ingressou com ação de cobrança em face do Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, requerendo a revisão de seu benefício previdenciário, com a aplicação de reajustes monetários mês a mês do salário-de-contribuição que serviu de cálculo para a concessão do benefício. Juntou procuração e documentos de fls. 07/32. Deferido o benefício da justiça gratuita [ fl.34]. Citado, o INSS apresentou contestação às fls. 56/58. O autor apresenta réplica [fls. 125/126], retorquindo os argumentos do réu. Após, vieram-me os autos conclusos para sentença. Brevemente relatados, passo a decidir. A relação processual, para se desenvolver validamente, impõe a existência das condições da ação e dos pressupostos processuais. Dentro destes, como espécie, estão contidos os chamados requisitos objetivos extrínsecos, ou, simplesmente, requisitos negativos. São fatos que não podem ocorrer para que o procedimento se instaure validamente.1 A coisa julgada, bem como outros institutos, faz parte do rol de tais requisitos, tendo como sustentáculo o art. 267, V e VI, do CPC, e ocorre quando se repete ação que já foi decidida por sentença de que não caiba recurso. Esta célebre definição, juntamente com a de "ações idênticas", pode ser encontrada no próprio Código de Ritos, nos §§ 1º, 2º e 3º do art. 301. Compulsando os autos, pude constatar que houve identidade de partes, pedido e causa de pedir desta ação com a de n° 92.0012373-2, cuja sentença já transitou em julgado. Desta forma, há a perfeita subsunção dos requisitos que ensejam a ocorrência da coisa julgada à situação concreta. Neste sentir, deve esta demanda ser extinta pela ocorrência da coisa julgada, cabendo à parte autora discutir o crédito que entende fazer jus nos autos do processo n° 92.0012373-2, a teor do que dispõe o art. 633 do Código de Processo Civil. Disto isto, resta prejudicada a análise meritória. Ante o exposto, diante da existência de coisa julgada, EXTINGO O PROCESSO, SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO, com amparo no art. 267, V, do CPC. Condeno o autor em custas e honorários advocatícios fixados em R$ 1.000,00 [mil reais], cuja exigibilidade deverá observar a Lei 1.060/50. P.R.I., arquivando-se os autos com baixa na distribuição. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal 1 DIDIER JR, Fredie. Curso de Direito Processual Civil: Teoria geral do processo e processo de conhecimento. Salvador: Editora Jus Podivm, 2007. ?? ?? ?? ??

   

0001687-32.2009.4.05.8500 SÃO CAMILO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS LTDA (Adv. ANTONIO FERNANDO VALERIANO) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. ELIANA MARIA VASCONCELLOS MACHADO LIMA)

SENTENÇA "a" AÇÃO SUMÁRIA Nº. 200985000016878 AUTOR: SÃO CAMILO LTDA RÉU: UNIÃO [pfn] 1. Trata-se de ação objetivando o reconhecimento da prescrição das certidões de dívida ativa listadas nas fls. 09/10, bem como a exclusão do nome da autora do CADIN. Citada, a União contestou [fls. 26/29]. A conciliação restou frustrada. Passo a decidir. 2. As dívidas em questão foram objeto do parcelamento da MP 303/06, que "d]ispõe sobre parcelamento de débitos junto à Secretaria da Receita Federal, à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e ao Instituto Nacional do Seguro Social nas condições que especifica e altera a legislação tributária federal". Consta do art. 1º: Art. 1o Os débitos de pessoas jurídicas junto à Secretaria da Receita Federal - SRF, à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional - PGFN e ao Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, com vencimento até 28 de fevereiro de 2003, poderão ser, excepcionalmente, parcelados em até cento e trinta prestações mensais e sucessivas, na forma e condições previstas nesta Medida Provisória. [...] § 6o A opção pelo parcelamento de que trata este artigo importa confissão de dívida irrevogável e irretratável da totalidade dos débitos existentes em nome da pessoa jurídica na condição de contribuinte ou responsável, configura confissão extrajudicial nos termos dos arts. 348, 353 e 354 do CPC e sujeita a pessoa jurídica à aceitação plena e irretratável de todas as condições estabelecidas nesta Medida Provisória. A confissão do débito, por adesão a parcelamento, implica em fato interruptivo da prescrição, consoante art. 174, § único, IV do CTN: Art. 174. A ação para a cobrança do crédito tributário prescreve em cinco anos, contados da data da sua constituição definitiva. Parágrafo único. A prescrição se interrompe: [...] IV - por qualquer ato inequívoco ainda que extrajudicial, que importe em reconhecimento do débito pelo devedor. 3. Ante o exposto, julgo improcedente o pedido. Condeno o autor nas custas e nos honorários, fixados em R$ 1.000,00 [mil reais], face a simplicidade da causa e rápido trâmite. P.R.I. Aracaju, 17.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da titularidade PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -1-

   

0003347-81.1997.4.05.8500 JORGE DOS SANTOS (Adv. ANA PAULA MOURA GAMA, LUIZ EDUARDO A DE FREITAS BRITTO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. JOAO BATISTA B. ARRUDA, SONIA RODRIGUES SOARES CALDAS, CICERO CORBAL GUERRA NETO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS)

1. DETERMINO seja realizado, mediante o sistema BACENJUD (art. 655, I, e art. 655-A, do Código de Processo Civil, art. 1.º e art. 11 da Lei n.º 6.830/1980 e Resolução n.º 524/2006 do Conselho da Justiça Federal), o bloqueio de numerário do executado, depositado em contas bancárias ou aplicações financeiras. 2. Ainda, DETERMINO as seguintes providências: (a) em caso do efetivo bloqueio de valores, desde que não sejam irrisórios, entendendo-se como irrisória a quantia inferior a R$ 50,00 (cinquenta reais), que sejam transferidos, através do sistema BACENJUD, para conta bancária a ser aberta à disposição deste Juízo Federal junto à CAIXA; (a.1) o Detalhamento de Ordem Judicial constituirá o Termo de Penhora; (a.2) o executado deverá ser intimado da penhora, através de seu advogado via publicação para, querendo, interpor impugnação (art. 475-J, § 1º do CPC); (a.3) tratando-se de quantia considerada irrisória, consoante acima delineado, deverá ser de logo liberada a constrição; (a.4) o valor bloqueado que suplantar ao da dívida, devidamente atualizada, deverá ser in continenti liberado. (b) em caso de não haver o bloqueio de valores ou o valor bloqueado qualificar-se como irrisório, deverá ser dado vista dos autos ao exequente para dar seguimento à execução, sob pena de arquivamento. (c) INTIMEM-SE, mas somente após cumprida a ordem de bloqueio (independentemente de ter havido ou não efetivo bloqueio de valores). Cumpra-se.

   

0003624-43.2010.4.05.8500 I. V. L. - INDUSTRIAS VIEIRA LTDA E OUTRO (Adv. ANTONIO EDUARDO SILVA RIBEIRO, AILTON ALVES NUNES JUNIOR, AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO, CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO, MÁRIO CESAR VASCONCELOS FREIRE DE CARVALHO, LUIGI MATEUS BRAGA, THERESA RACHEL SANTA RITA DANTAS LIMA, DANILO GURJÃO MACHADO) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

SENTENÇA "a" AÇÃO SUMÁRIA Nº. 00036244320104058500 AUTOR: IVL INDUSTRIA VIEIRA LTDA E OUTRA RÉU: UNIÃO [pfn] 1. RELATÓRIO: A autora pretende o ressarcimento dos valores das contribuições denominadas FUNRURAL recolhidas nos últimos 10 (dez) anos pelo autor aos cofres públicos, atualizados desde a data de cada pagamento até a data do efetivo ressarcimento através da Selic, bem como a suspensão da exigibilidade da contribuição. Aduz a inconstitucionalidade das contribuições previstas no art. 25, da Lei nº 8.212/91, incidentes sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural dos produtores rurais (pessoas físicas). Contestação da União [fls. 95/118]. Conciliação frustrada. Manifestação sobre a contestação [fls. 123/130]. É o suficiente a relatar. 2. FUNDAMENTAÇÃO: A inicial é válida e há nos autos comprovantes dos pagamentos pretéritos da exação ora combatida, o que permite o julgamento da causa de plano. A questão da legitimidade da autora será abordada adiante. 2.1. Prescrição. O STJ entendeu que a irregularidade do art. 4° da Lei Complementar n° 118/2005 deriva da circunstância de não ser dada ao Poder Legislativo a prerrogativa de interpretar a lei, salvo raras exceções, mas sim de a elaborar, sendo missão típica do Poder Judiciário assegurar o cumprimento do direito positivo através da atividade interpretativa, da qual deflui a norma. Apenas excepcionalmente o Poder Legislativo está autorizado a efetuar modificações no ordenamento jurídico com efeitos pretéritos, ao contrário do que se passa no Poder Judiciário, pois os provimentos jurisdicionais, em sua maioria, geram efeitos sobre fatos passados. Nesse sentido: PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. TRIBUTO SUJEITO A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. PRESCRIÇÃO. NOVA ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ NA APRECIAÇÃO DO ERESP 435.835/SC. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3°. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4°, NA PARTE EM QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. ENTENDIMENTO CONSIGNADO NO VOTO DO ERESP 327.043/DF. COMPENSAÇÃO. TRIBUTOS DE DIFERENTES ESPÉCIES. SUCESSIVOS REGIMES DE COMPENSAÇÃO. APLICAÇÃO RETROATIVA OU EXAME DA CAUSA À LUZ DO DIREITO SUPERVENIENTE. INVIABILIDADE. CORREÇÃO MONETÁRIA. 1. A 1ª Seção do STJ, no julgamento do ERESP 435.835/SC, Rel. p/ o acórdão Min. José Delgado, sessão de 24.03.2004, consagrou o entendimento segundo o qual o prazo prescricional para pleitear a restituição de tributos sujeitos a lançamento por homologação é de cinco anos, contados da data da homologação do lançamento, que, se for tácita, ocorre após cinco anos da realização do fato gerador - sendo irrelevante, para fins de cômputo do prazo prescricional, a causa do indébito. Adota-se o entendimento firmado pela Seção, com ressalva do ponto de vista pessoal, no sentido da subordinação do termo a quo do prazo ao universal princípio da actio nata (voto-vista proferido nos autos do ERESP 423.994/SC, 1ª Seção, Min. Peçanha Martins, sessão de 08.10.2003). 2. O art. 3° da LC 118/2005, a pretexto de interpretar os artigos 150, § 1°, 160, I, do CTN, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a "interpretação" dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. Portanto, o art. 3° da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 3. O art. 4°, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3°, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2°) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5°, XXXVI). Ressalva, no particular, do ponto de vista pessoal do relator, no sentido de que cumpre ao órgão fracionário do STJ suscitar o incidente de inconstitucionalidade perante a Corte Especial, nos termos do art. 97 da CF. [...] (RESP N° 726.668-PE, 1ª Turma, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ 01.07.2005, pág. 434). Decalcando-a aos contornos factuais da presente demanda, a prescrição atinge somente os tributos anteriores a 30.07.2000, pois somente para os pagamentos vertidos a partir de 01.06.2005 prevalece o prazo quinquenal. 2.2. Mérito. Transcrevo tais dispositivos invocados pela parte autora: Art. 25. A contribuição do empregador rural pessoa física, em substituição à contribuição de que tratam os incisos I e II do art. 22, e a do segurado especial, referidos, respectivamente, na alínea a do inciso V e no inciso VII do art. 12 desta Lei, destinada à Seguridade Social, é de: I - 2% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção; II - 0,1% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção para financiamento das prestações por acidente do trabalho. (grifei) Art. 30. A arrecadação e o recolhimento das contribuições ou de outras importâncias devidas à Seguridade Social obedecem às seguintes normas: [...] IV - a empresa adquirente, consumidora ou consignatária ou a cooperativa ficam sub-rogadas nas obrigações da pessoa física de que trata a alínea "a" do inciso V do art. 12 e do segurado especial pelo cumprimento das obrigações do art. 25 desta Lei, independentemente de as operações de venda ou consignação terem sido realizadas diretamente com o produtor ou com intermediário pessoa física, exceto no caso do inciso X deste artigo, na forma estabelecida em regulamento; O Pleno do STF, na sessão de julgamento do dia 3/2/2010, deu provimento a recurso extraordinário 363852 para desobrigar os recorrentes da retenção e do recolhimento da contribuição social ou do seu recolhimento por subrrogação sobre a "receita bruta proveniente da comercialização da produção rural" de empregadores, pessoas naturais, declarando a inconstitucionalidade do art. 1º da Lei nº 8.540/92, que deu nova redação aos arts. 12, incs. V e VII, 25, incs. I e II, e 30, inc. IV, da Lei nº 8.212/91, com a redação atualizada até a Lei nº 9.528/97, até que legislação nova, arrimada na Emenda Constitucional nº 20/98, venha a instituir a contribuição. Eis a ementa, que adoto como razões de decidir: RECURSO EXTRAORDINÁRIO - PRESSUPOSTO ESPECÍFICO - VIOLÊNCIA À CONSTITUIÇÃO - ANÁLISE - CONCLUSÃO. Porque o Supremo, na análise da violência à Constituição, adota entendimento quanto à matéria de fundo do extraordinário, a conclusão a que chega deságua, conforme sempre sustentou a melhor doutrina - José Carlos Barbosa Moreira -, em provimento ou desprovimento do recurso, sendo impróprias as nomenclaturas conhecimento e não conhecimento. CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - COMERCIALIZAÇÃO DE BOVINOS - PRODUTORES RURAIS PESSOAS NATURAIS - SUB-ROGAÇÃO - LEI Nº 8.212/91 - ARTIGO 195, INCISO I, DA CARTA FEDERAL - PERÍODO ANTERIOR À EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 20/98 - UNICIDADE DE INCIDÊNCIA - EXCEÇÕES - COFINS E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL - PRECEDENTE - INEXISTÊNCIA DE LEI COMPLEMENTAR. Ante o texto constitucional, não subsiste a obrigação tributária sub-rogada do adquirente, presente a venda de bovinos por produtores rurais, pessoas naturais, prevista nos artigos 12, incisos V e VII, 25, incisos I e II, e 30, inciso IV, da Lei nº 8.212/91, com as redações decorrentes das Leis nº 8.540/92 e nº 9.528/97. Aplicação de leis no tempo - considerações. [RE 363852, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Tribunal Pleno, julgado em 03/02/2010, DJe-071 DIVULG 22-04-2010 PUBLIC 23-04-2010 EMENT VOL-02398-04 PP-00701 RET v. 13, n. 74, 2010, p. 41-69] 2.3. Do pedido de restituição. O STJ decidiu que as empresas adquirentes de produtos rurais são consideradas responsáveis tributário pelo recolhimento da contribuição alegada, tendo legitimidade tão-somente para discutir a legalidade ou constitucionalidade da exigência, mas não para pleitear em nome próprio a restituição ou compensação do tributo, conforme precedente abaixo: PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO - AÇÃO DE REPETIÇÃO DE INDÉBITO - FUNRURAL INCIDENTE SOBRE A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTO AGRÍCOLA - LEGITIMIDADE ATIVA. 1. A jurisprudência desta Corte firmou-se no sentido de que a pessoa jurídica adquirente de produtos rurais é responsável tributário pelo recolhimento da contribuição para o FUNRURAL sobre a comercialização do produto agrícola, tendo legitimidade tão-somente para discutir a legalidade ou constitucionalidade da exigência, mas não para pleitear em nome próprio a restituição ou compensação do tributo, a não ser que atendidos os ditames do art. 166 do CTN. 2. Na hipótese da contribuição previdenciária exigida do produtor rural incumbe ao adquirente de sua produção destacar do preço pago o montante correspondente ao tributo e repassá-lo ao INSS, de forma que, nessa sistemática, o adquirente não sofre diminuição patrimonial pelo recolhimento da exação, pois separou do pagamento ao produtor rural o valor do tributo. 3. Recurso especial não provido.1 Assim, para se aferir o direito à compensação, o adquirente tem que demonstrar ter assumido o encargo da contribuição previdenciária, ou no caso de tê-lo transferido a terceiro, estar por este expressamente autorizado a recebê-la, nos termos do art. 166 do CTN. No caso em exame, a autora não comprovou nenhuma das duas condições, o que leva ao julgamento de improcedência. De se destacar que a perícia requerida na fl. 129 limita-se à apuração do valor devido e não do repasse, como aqui defendido neste item. 2.4. Antecipação de tutela. Sobre a verossimilhança, remeto à fundamentação supra. Quanto ao periculum in mora, saliento a submissão da ré aos efeitos econômicos de uma exação tida como inconstitucional, o que basta no quesito urgência. 3. DISPOSITIVO: Ante o exposto: (3.1) julgo parcialmente procedente o pedido para declarar a inexistência de relação de tributária fundada nos arts 25, I e II c/c 30, IV da Lei 8.212/91, desobrigando o autor a recolher contribuição previdenciária correspondente a 2% da receita bruta proveniente da comercialização da sua produção e 0,1% da receita bruta proveniente da comercialização da produção para financiamento das prestações por acidente de trabalho; (3.2) julgo improcedente o pedido de repetição do indébito; (3.3) defiro a antecipação de tutela para determinar à União a suspensão da exigibilidade da contribuição previdenciária prevista no art. 25 da Lei nº 8.212/91, sob pena de multa diária de R$ 100,00 (duzentos reais), que incidirá automaticamente em caso de descumprimento. Dou por compensados os honorários advocatícios, face a sucumbência recíproca. P.R.I. Aracaju, 17.01.2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz no exercício da Titularidade 1 STJ. RESP 200701350919, Rel. Ministra ELIANA CALMON, - SEGUNDA TURMA, julgado em 25/05/2009. ?? ?? ?? ?? PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Subseção Judiciária de Aracaju 3ª VARA -2- -4-

   

0003892-88.1996.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES) x SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVICO PUBLICO FEDERAL DO ESTADO DE SERGIPE - SINTSEP/SE (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA)

Processo nº 96.0003892-9 - 3ª Vara Classe 97 - Execução de Sentença Exeqüente: União Executado: Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal do Estado de Sergipe - SINTSEP/SE SENTENÇA Em petitório de fls. 218/220, a União requereu o cumprimento de sentença relativo às verbas honorárias. À fl. 225, foi determinado o Bloqueio VIA BACEN JUD do valor objeto da execução, tendo essa diligência sido cumprida integralmente consoante se comprova às fls. 229/230 dos autos, após a devida atualização do valor exeqüendo. Instado a se manifestar acerca da indisponibilidade do valor, o executado permaneceu inerte, conforme certidão de fl. 235. Os valores constritos foram convertidos em renda da União [fls. 243/244]. Vieram-me os autos conclusos para prolação de sentença. Após breve relato, decido. Satisfeita a obrigação pelo executado, DECLARO, por sentença, extinto o presente processo, nos termos dos arts. 794, I, e 795, ambos do Código de Processo Civil. Sem condenação em custas processuais e honorários advocatícios, em face da natureza da demanda. Transitada em julgado a sentença, arquivem-se os presentes autos, com baixa na Distribuição. P.R.I. Aracaju, 13 de janeiro de 2011. RAFAEL SOARES SOUZA Juiz Federal Substituto

   

0005176-10.1991.4.05.8500 MARIA BERNADETE GALRAO LEITE (Adv. ANA LEONOR FERREIRA FIGUEIREDO, ANA LEONOR FERREIRA FIGUEIREDO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES) x BRADESCO BANCO BRASILEIRO DE DESCONTOS (Adv. JOSE EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO) x BANCO NACIONAL DO NORTE - BANORTE (Adv. JOSE MARIA MARQUES, ROBERTO JOSE MOLITERNO, CIRANO MACEDO LEAL FILHO)

Observe a Secretaria para que as intimações sejam feitas em nome do advogado José Edgard da Cunha Bueno Filho (OAB/SP 126.504) conforme pedido à fl. 497. Manifeste-se a exequente acerca da petição de fls. 496/515.

   

0005602-31.2005.4.05.8500 EDVAN ALVES (Adv. FABRICIO LUIZ BARBOZA DA SILVA) x IVANILDA DE AZEVEDO ALVES (Adv. ELIENE NASCIMENTO DANTAS LEITE) x JOÃO ANTÔNIO SILVA NETO (Adv. JOSÉ ELOIZIO DA COSTA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. JORGE SOUZA ALVES FILHO)

Defiro o benefício da Assistência Judiciária Gratuita. Recebo a apelação da parte ré, em ambos os efeitos. Vista à parte autora para apresentar suas contrarrazões, se o quiser, no prazo de quinze dias. Com ou sem resposta, subam os autos ao egrégio TRF da 5ª Região. Intimem-se.

   

0006096-51.2009.4.05.8500 JOSE ANTONIO PRIOR REGO DA SILVA E OUTRO (Adv. JOSE AUGUSTO CRUZ SANTANA) x EDIVANDA RODRIGUES DANTAS (Adv. WELLINGTON PINTO DE MORAIS)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe www.jfse.gov.br S E N T E N Ç A Usucapião nº 2009.85.00.006096-0 AUTORES: José Antônio Prior Rego da Silva e Sérgio Melo RÉU: União Federal Sentença tipo "A" 1. RELATÓRIO JOSÉ ANTÔNIO PRIOR REGO DA SILVA E SÉRGIO MELO propuseram perante a Justiça Estadual, AÇÃO DE USUCAPIÃO, objetivando a declaração de domínio do imóvel denominado Sítio Mão Esquerda, localizado no Povoado Olhos D' Água, município de Barra dos Coqueiros. Juntaram procuração e documentos [fls. 06/45]. Realizadas as citações pessoais e editalícia dos possíveis interessados, e intimadas as Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, os confrontantes Edivanda Rodrigues Dantas e Arnaldo Pereira da Silva apresentaram contestação [fls. 61/63 e 85/86]. Já a União Federal [fls. 81/82] demonstrou interesse, alegando que o imóvel objeto do presente feito é conceituado como parte de terreno de marinha e parte como terreno alodial, pugnando pela remessa dos autos à Justiça Federal. A MM. Juíza de Direito declinou da competência para apreciar o feito, determinando a remessa dos autos à Justiça Federal [fls. 108/109]. Com a chegada dos autos neste Juízo, o MM Juiz que me antecedeu ratificou os atos até então praticados e determinou outras providências [fl. 122]. A União Federal, em petição de fl. 125, informa que identificou como terreno da União parte do imóvel a ser usucapido, razão pela qual pugnou pelo acolhimento da preliminar de impossibilidade jurídica do pedido em relação à parte conceituada como terreno de marinha, conforme informação prestada pela Secretaria do Patrimônio da União no Estado de Sergipe, devendo o processo ser extinto, nos termos do artigo 267, VI, do Código de Processo Civil. Manifestação do MPF [fls. 151/155]. Termo de Audiência às fls. 185/186, na qual foram ouvidas as testemunhas arroladas pelos autores [fls. 187/190] Sem requerimentos adicionais, vieram-me os autos conclusos para sentença. 2. FUNDAMENTAÇÃO A preliminar de impossibilidade jurídica deve ser rejeitada. A análise da inicial, conforme teoria da asserção, há de ser feita sempre em tese, como se verdadeiros fossem os fatos narrados na inicial. Como esta descreve posse sobre um bem que, no entender do requerente, é passível de usucapião, não há como ter presente a impossibilidade jurídica do pedido. Rejeito a preliminar. A doutrina pátria consagrou a tese de que a usucapião é modo originário de adquirir propriedade como resultante da posse mansa e pacífica ao longo do tempo. Dessa forma, adquire a propriedade aquele que, por prolongado lapso temporal possui um imóvel com animus domini, sem interrupção ou oposição de qualquer pessoa. Na hipótese vertente nos autos, entretanto, vislumbra-se que parte do imóvel cuja usucapião é constituído de terreno alodial e de marinha, fato demonstrado pela União Federal [fl. 125], e através de informação da Secretaria do Patrimônio da União [fls. 114/115 e 127/128]. Então, de acordo com os documentos acostados aos autos, precisamente a planta de fl. 115, demonstram que a área que seria ocupada pelos autores, é formada por parte de terreno de marinha [1.111,26 m2], que corresponde a 1,49% do total da área do imóvel e outra por terreno alodial. Quanto à fração relativa ao terreno de marinha, há vedação ao acolhimento do pedido, por força do regime peculiar dos bens públicos [art. 20, VIII, 183 § 3º e 191, § único da CRFB]. No tocante ao terreno alodial - aquele que confina com o terreno de marinha, mas livre de encargos impostos a esta espécie de terreno - saliento que os requerentes, embora realizada a fase probatória, com a oitiva de testemunhas [fls. 187/190], não lograram demonstrar o fato constitutivo de seu direito [art. 333, I do CPC], ou seja, a posse ininterrupta por cinco anos1. Saliento que os documentos trazidos com a inicial não são suficientes justamente por não demonstrar a posse do imóvel, sem interrupções, a ausência de oposição ou mesmo sua finalidade residencial, o que não pode ser presumido, dadas as possibilidades de aluguel, comodato, etc. Logo, julgo improcedente o pedido2. 3. DISPOSITIVO Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE O PEDIDO. Condeno os autores nas custas e honorários advocatícios, fixados estes em R$ 500,00 [quinhentos reais], por réu. Após o trânsito em julgado, arquivem-se com baixa na distribuição. P.R.I. Aracaju, 19 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 1 Art. 1.240 do CC. 2 Nesse sentido: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Classe: RESP - RECURSO ESPECIAL - 132137. Processo: 199700338681 UF: RJ Órgão Julgador: TERCEIRA TURMA. Data da decisão: 07/12/2000 ?? ?? ?? ?? - 1 - Processo nº 2004.85.00.000081-2 - Classe 05019 - 3ª Vara

   

0008196-86.2003.4.05.8500 MARIA AUXILIADORA RODRIGUES SANTOS (Adv. GLICIA THAIS SALMERON DE M. VIEIRA, CLAUDIA MARIA DA SILVA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

1. Intime-se a parte exeqüente, para manifestar-se, em dez dias, acerca dos valores indicados pela Fazenda Pública, para fins de compensação, consoante regra contida no art. 100, §§9º e 10 da Constituição Federal. 2. Volvam-me conclusos para decisão.

   

REINTEGRAÇÃO / MANUTENÇÃO DE POSSE - PROCEDIMENTO ESPECIAL DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA

   

0006751-23.2009.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x AIDE VIEIRA DE LIMA (Adv. SEM ADVOGADO)

SENTENÇA Trata-se de Ação de Reintegração de Posse em que o autor, na fl. 57 dos autos, informa o cumprimento da obrigação pelo(a) réu(ré) e requer a extinção do feito. Vieram-me os autos conclusos para prolação de sentença. Após breve relato, decido. Quanto à transação, observa-se que é forma de extinção do litígio que se opera mediante concessões mútuas entre as partes, constituindo-se em autocomposição bilateral da lide. O acordo assim celebrado somente terá eficácia se tratar de direito disponível e se for homologado pelo Juiz, através de sentença. Na hipótese dos autos, o direito é disponível, sendo o acordo celebrado lícito. POSTO ISSO, em face da composição amigável da lide, HOMOLOGO A TRANSAÇÃO CELEBRADA e DECLARO EXTINTO O PROCESSO, com resolução do mérito, nos termos do art. 269, inciso III, c/c o art. 329, todos do Código de Processo Civil. Tendo em vista a transação celebrada entre as partes, cada parte deverá arcar com os honorários de seus respectivos patronos. Custas já pagas [fl. 08]. Transitada em julgado a sentença, arquivem-se os presentes autos, com baixa na Distribuição. P.R.I.

   

ALVARÁ JUDICIAL

   

0000065-44.2011.4.05.8500 JOSE CARLOS SANTOS NETO E OUTROS (Adv. ANDRÉ LUIZ DE ALMEIDA PAIXÃO, RACHEL C. PEDRA PAIXÃO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo n° 0000065-44.2011.4.05.8500 Ação: 241 Alvará Judicial Autor(a): José Carlos Santos Neto e outros Ré(u): Caixa Econômica Federal - CEF Sentença tipo "C" 1 Relatório Trata-se de ação de jurisdição voluntária, onde os autores pretendem a liberação de alvará judicial, valorando a causa em R$ 6.332,99 [fl. 05]. Vieram os autos conclusos. Passo a decidir. 2 Fundamentação A competência, pressuposto de validade deve ser apreciada de ofício, independentemente de provocação das partes. Considerando que o valor da causa é inferior a sessenta salários mínimos [R$ 6.332,99], a competência para julgar este feito é do Juizado Especial Federal [art. 3° da Lei n° 10.259/2001]. Ressalte-se ainda que a ação foi distribuída a este Juízo por dependência ao feito 2000.85.00.002749-6, contudo este processo já se encontra julgado e arquivado. Em princípio, seria o caso de remessa dos autos ao Juizado desta Subseção. Todavia, considerando que os processos que tramitam no Juizado são virtuais, a simples remessa dos autos "físicos" não garantirá a tramitação regular do feito, uma vez que há a necessidade de alimentação do sistema CRETA com inúmeros dados, inclusive, digitalização dos documentos e complementação destes, conforme o caso. Mencione-se, também, a obrigatoriedade dos causídicos em serem cadastrados naquele sistema para poder usufruir do mesmo. Na prática, pelas regras específicas do processo eletrônico, mais adequado ao escopo da rápida e segura solução do litígio é mesmo extinguir o feito [art. 267, IV do CPC] e indicar as partes o juízo competente para, com as adaptações necessárias, ingressar com seu pedido. 3 Dispositivo POSTO ISSO, extingo o processo, sem julgamento do mérito [art. 267, IV, do Código de Processo Civil]. Sem custas. Autorizo, por parte do autor, o desentranhamento dos documentos que instruem o pedido independentemente de translado, mediante recibo. Após a preclusão, arquivem-se. Aracaju, 17 de janeiro de 2011. Rafael Soares Souza Juiz Federal Substituto 2

   

 

TOTAL DE SENTENCA: 39

TOTAL DE DECISAO: 2

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 6

TOTAL DE DESPACHO: 16

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.