Publicado no Diário da Justiça de 19/08/2009

 

Boletim 2009.000226 - 1 a. VARA FEDERAL:

  

             Lista de Advogados constantes nesse boletim:

ADELMA PINHEIRO FERNANDES DA SILVA 0002193-81.2004.4.05.8500

ADRIANO CARDOSO DE ANDRADE 0003036-75.2006.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE 0001298-18.2007.4.05.8500 0000751-07.2009.4.05.8500 0004239-04.2008.4.05.8500 0004235-98.2007.4.05.8500 0004821-04.2008.4.05.8500 0004200-70.2009.4.05.8500 0003813-26.2007.4.05.8500 0004340-41.2008.4.05.8500 0000820-39.2009.4.05.8500 0003973-80.2009.4.05.8500 0003605-08.2008.4.05.8500 0003657-67.2009.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS 0003986-79.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500 0001120-98.2009.4.05.8500 0001121-83.2009.4.05.8500 0002642-63.2009.4.05.8500 0004189-75.2008.4.05.8500 0002313-22.2007.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA REGIONAL ESPECIALIZADA IBAMA 0001796-85.2005.4.05.8500

AGU - PROCURADORIA-GERAL FEDERAL NO ESTADO DE SERGIPE 0000967-07.2005.4.05.8500

ALBERTO L. DE AZEVEDO FILHO (INSS) 0003365-82.2009.4.05.8500

ALESSANDER SANTOS BARBOSA 0000228-92.2009.4.05.8500

ALESSANDRA TEIXEIRA JOCA DE ALBUQUERQUE MOURA 0003536-73.2008.4.05.8500

ALEX ROCHA MATOS 0002546-48.2009.4.05.8500

ALEXANDRE DIMITRI MOREIRA DE MEDEIROS 0002274-54.2009.4.05.8500

ALEXANDRE SOBRAL ALMEIDA 0001918-69.2003.4.05.8500

ALINE NUNES VASCONCELOS 0002362-39.2002.4.05.8500

ANA CLAUDIA DA SILVA CABRAL 0004177-37.2003.4.05.8500

ana cláudia nascimento da silva 0001647-60.2003.4.05.8500

ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO 0000065-83.2007.4.05.8500 0003896-52.2001.4.05.8500

ANA EDITE MENEZES DE VASCONCELOS SILVA 0017765-29.1994.4.05.8500

ANA ELISA SOBRAL V N DA C VIEIRA 0002362-39.2002.4.05.8500 0004243-80.2004.4.05.8500 0000967-07.2005.4.05.8500

ANA PAULA DA CUNHA SOARES 0002274-54.2009.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0002067-26.2007.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500

ANDRÉ GUSTAVO CASTELLO BRANCO 0004809-87.2008.4.05.8500

ANDRE LUIS PEREIRA OLIVEIRA 0002843-41.1998.4.05.8500

ANDRE LUIZ QUEIROZ STURARO 0000493-12.2000.4.05.8500

ANDRÉA VIVEIROS HEINZE 0001120-98.2009.4.05.8500

ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA 0008538-97.2003.4.05.8500

ANTONIA MARIA MENEZES OLIVEIRA 0003781-21.2007.4.05.8500

ANTONIO ALVES DE SOUZA 0004476-82.2001.4.05.8500

ANTONIO DELMIRO BISPO 0003557-30.2000.4.05.8500

ANTONIO JOAO ROCHA MESSIAS 0004339-03.2001.4.05.8500

ANTONIO JOSE DE SOUZA NETO 0003522-07.1999.4.05.8500

ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR 0002956-82.2004.4.05.8500 0001277-76.2006.4.05.8500 0000968-50.2009.4.05.8500 0003896-52.2001.4.05.8500 0003365-82.2009.4.05.8500 0001298-18.2007.4.05.8500

ARISMAR BRITO DOS SANTOS 0003036-75.2006.4.05.8500

ARLINDO JOSE NERY NETO 0004177-37.2003.4.05.8500

AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO 0002905-37.2005.4.05.8500

BÁRBARA LUISA SANATANA DE ALMEIDA 0002867-88.2006.4.05.8500

BIANCO SOUZA MORELLI 0004251-81.2009.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0001918-69.2003.4.05.8500 0000228-92.2009.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0002843-41.1998.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500

BRUNO DE ANDRADE LAGE (DEFENSOR PUBLICO) 0005149-70.2004.4.05.8500 0005381-82.2004.4.05.8500 0005233-71.2004.4.05.8500

BRUNO SANTA MARIA NORMANDE 0003536-73.2008.4.05.8500

CAMILA DOS SANTOS CERQUEIRA SILVA 0000493-12.2000.4.05.8500

CAMILA MEDEIROS DE SOUZA MELO 0004200-70.2009.4.05.8500

CAMILA TAVARES 0001078-40.1995.4.05.8500

CARLOS ALBERTO RODRIGUES 0004476-82.2001.4.05.8500

CARLOS EDUARDO REIS CLETO 0004189-75.2008.4.05.8500

CAROLINA CASTRO LEITE E ANDRADE 0000181-55.2008.4.05.8500 0004189-75.2008.4.05.8500

CAROLINA SHARIZE MONTEIRO GOMES 0001918-69.2003.4.05.8500

CHARLES EDGAR SEABRA MANSO 0017765-29.1994.4.05.8500

CHARLES ROBERT SOBRAL DONALD 0017765-29.1994.4.05.8500

CHRISTIAN ARY DA CRUZ BARBOSA 0003605-08.2008.4.05.8500

CHRISTIANE CABRAL TENÓRIO 0003536-73.2008.4.05.8500

CICERO CORBAL GUERRA NETO 0002508-46.2003.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0001078-40.1995.4.05.8500 0018141-15.1994.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0005701-74.2000.4.05.8500 0004541-82.1998.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500 0017765-29.1994.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500

CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO 0002905-37.2005.4.05.8500

CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO 0003002-95.2009.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500

CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO 0004813-27.2008.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500

CLÁUDIO MIGUEL MENEZES DE OLIVEIRA 0002599-39.2003.4.05.8500

CRISTIANO PINHEIRO BARRETO 0000751-07.2009.4.05.8500

CRISTÓVÃO COLOMBO REIS MILLER 0004339-03.2001.4.05.8500

DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR 0004235-98.2007.4.05.8500 0003821-66.2008.4.05.8500 0001634-71.1997.4.05.8500 0000967-07.2005.4.05.8500 0001078-40.1995.4.05.8500 0000978-94.2009.4.05.8500 0002573-51.1997.4.05.8500 0003891-06.1996.4.05.8500 0002809-03.1997.4.05.8500 0008538-97.2003.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500 0002642-63.2009.4.05.8500 0004243-80.2004.4.05.8500 0002543-16.1997.4.05.8500 0002909-50.2000.4.05.8500

DANIELLY ROCHA MARQUES 0000751-07.2009.4.05.8500

DEBORA DIAS FREITAS 0003828-24.2009.4.05.8500 0003873-28.2009.4.05.8500 0001121-83.2009.4.05.8500

DIRCE REGINA BATISTA DOS SANTOS 0004340-41.2008.4.05.8500

EDENILDE DOS SANTOS 0002909-50.2000.4.05.8500 0000493-12.2000.4.05.8500

EDJANEY BARRETO 0002067-26.2007.4.05.8500

EDSON WANDER DE ALMEIDA COSTA 0004821-04.2008.4.05.8500

ELIANA MARIA VASCONCELLOS MACHADO LIMA 0003194-28.2009.4.05.8500

ELISA GERMANA ALVES DA SILVA 0004239-04.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500

ELOÁ DE FREITAS CARDOSO CANGUSSÚ 0004177-37.2003.4.05.8500 0003133-51.2001.4.05.8500

ERICA ROBERTS DE CASTRO SERRA 0004177-37.2003.4.05.8500

ESDRAS MACHADO SILVA JUNIOR 0004813-27.2008.4.05.8500

EULER ALMEIDA COSTA 0002867-88.2006.4.05.8500

FABIO PORTO MENEZES 0002843-41.1998.4.05.8500

FABIO SILVA RAMOS 0003873-28.2009.4.05.8500 0001121-83.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500

FABRICIO LUIZ BARBOZA DA SILVA 0000379-58.2009.4.05.8500

FELIPE SIZINO FRANCO DANTAS 0004340-41.2008.4.05.8500

FENELON MENDONCA SANTOS 0003973-80.2009.4.05.8500

FERNANDA SILVA SOUZA 0000379-58.2009.4.05.8500 0000384-80.2009.4.05.8500

FLÁVIO ALBUQUERQUE MOURA 0003536-73.2008.4.05.8500

FLÁVIO AUGUSTO BARRETO MEDRADO 0004821-04.2008.4.05.8500

GABRIELLE LOBO SANTANA 0000493-12.2000.4.05.8500

GEANE MONTEIRO GUIMARÃES 0004177-37.2003.4.05.8500 0003133-51.2001.4.05.8500 0001647-60.2003.4.05.8500

GENISSON CRUZ DA SILVA 0003133-51.2001.4.05.8500

GEORGE JAMES COSTA VIEIRA 0003281-28.2002.4.05.8500

GILMÁRIO OLIVEIRA NASCIMENTO JÚNIOR 0003873-28.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500 0001121-83.2009.4.05.8500

GILSON LUIS SOUSA DE ARAUJO 0004105-84.2002.4.05.8500

GISELE LEMOS KRAVCHYCHYN 0000384-80.2009.4.05.8500 0000379-58.2009.4.05.8500

GUILHERME MELO DA COSTA E SILVA 0002274-54.2009.4.05.8500

HELDER LEONARDO DE SOUZA GOES 0001298-18.2007.4.05.8500

HORACIO VITALIANO LUCAS DOS SANTOS 0006122-98.1999.4.05.8500

IGOR FEITOSA ARAÚJO 0002534-49.2000.4.05.8500

ISABELA M. A. MORAIS REGO(FN) 0001510-39.2007.4.05.8500

ISABELA MARIA AMARAL MACIEL 0000968-50.2009.4.05.8500

IVANA KÉCIA CRUZ SANTOS 0003873-28.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500

JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA 0003896-52.2001.4.05.8500

JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA PRADO E OUTRO 0000968-50.2009.4.05.8500

JEFERSON MECENA 0006122-98.1999.4.05.8500

JEFFERSON LUIS KRAVCHYCHYN 0000379-58.2009.4.05.8500

JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA 0004813-27.2008.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500

JOÃO FRANCISCO NERI BEZERRA 0001647-60.2003.4.05.8500

JOAO RICARDO ALCANTARA CAMPOS 0006390-45.2005.4.05.8500

JOAO SANTANA FILHO 0003821-66.2008.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500 0000978-94.2009.4.05.8500 0003891-06.1996.4.05.8500 0006628-45.1997.4.05.8500 0002809-03.1997.4.05.8500 0001078-40.1995.4.05.8500 0002543-16.1997.4.05.8500 0004243-80.2004.4.05.8500 0002573-51.1997.4.05.8500 0002642-63.2009.4.05.8500 0002909-50.2000.4.05.8500 0003281-28.2002.4.05.8500 0001634-71.1997.4.05.8500 0008538-97.2003.4.05.8500 0000967-07.2005.4.05.8500 0000549-50.1997.4.05.8500

JORGE SOUZA ALVES FILHO 0004813-27.2008.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0000523-76.2002.4.05.8500 0006122-98.1999.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500

JOSE ALBERTO GOMES VARJAO(FN) 0004105-84.2002.4.05.8500

JOSÉ CARLOS BARRETO JÚNIOR 0003821-66.2008.4.05.8500

JOSE EDUARDO DE SANTANA MACEDO 0001765-60.2008.4.05.8500

JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS 0002573-51.1997.4.05.8500

JOSE JACONIAS DE OLIVEIRA 0004177-37.2003.4.05.8500 0001647-60.2003.4.05.8500

JOSE LOURENÇO DA SILVA FILHO 0002274-54.2009.4.05.8500

JOSE PERICLES COUTO ALVES 0002534-49.2000.4.05.8500

JOSELITA TELES SANTANA 0003986-79.2009.4.05.8500

JULIANA CAMPOS DE CARVALHO CRUZ 0002905-37.2005.4.05.8500

JULIO CESAR DO NASCIMENTO RABELO 0006390-45.2005.4.05.8500

JULIO ROCHADEL MOREIRA E OUTRO 0000967-65.2009.4.05.8500

LAERT NASCIMENTO ARAUJO 0003522-07.1999.4.05.8500 0001918-69.2003.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0002642-63.2009.4.05.8500 0000228-92.2009.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0002843-41.1998.4.05.8500 0003130-62.2002.4.05.8500 0006122-98.1999.4.05.8500 0000523-76.2002.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0005701-74.2000.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500 0004339-03.2001.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500

LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS 0003813-26.2007.4.05.8500 0002313-22.2007.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500

LAURO FARIAS VASCONCELOS 0004200-70.2009.4.05.8500 0003109-47.2006.4.05.8500

LEANDRO DOS S. R. DE CAMPOS 0000549-50.1997.4.05.8500

LEANDRO DOS SANTOS RODRIGUES CAMPOS 0002573-51.1997.4.05.8500

LENORA VIANA DE ASSIS 0000181-55.2008.4.05.8500

LEZIO LOPES DA ROCHA 0005701-74.2000.4.05.8500

LIGIA DE SANTANA REIS 0003130-62.2002.4.05.8500

LISELE SANTOS GARCIA 0001121-83.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500 0003873-28.2009.4.05.8500

LUCAS MENDONÇA RIOS 0003813-26.2007.4.05.8500

LUCIANA LERNER 0002274-54.2009.4.05.8500

LUCIANA SILVA GARCIA 0000493-12.2000.4.05.8500

LUCIANO VIEIRA NASCIMENTO NETO 0002546-48.2009.4.05.8500

LUIZ GUSTAVO UCHOA DE ALMEIDA 0002274-54.2009.4.05.8500

LUIZ MARIO OLIVEIRA DANTAS 0003194-28.2009.4.05.8500 0001510-39.2007.4.05.8500

LUIZ MONTEIRO VARAS 0001647-60.2003.4.05.8500 0004177-37.2003.4.05.8500

LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA 0002543-16.1997.4.05.8500 0002642-63.2009.4.05.8500 0002809-03.1997.4.05.8500 0001634-71.1997.4.05.8500 0003891-06.1996.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500 0004243-80.2004.4.05.8500 0006628-45.1997.4.05.8500 0002573-51.1997.4.05.8500 0000967-07.2005.4.05.8500 0000549-50.1997.4.05.8500 0002909-50.2000.4.05.8500

LYTS DE JESUS SANTOS 0000967-65.2009.4.05.8500 0003536-73.2008.4.05.8500

MANOEL FERREIRA S. FILHO 0003828-24.2009.4.05.8500

MANOEL MESSIAS VEIGA 0002843-41.1998.4.05.8500

MARCEL COSTA FORTES 0002543-16.1997.4.05.8500 0004243-80.2004.4.05.8500 0004235-98.2007.4.05.8500 0000967-07.2005.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500

MARCELA MÁXIMO BARBOSA 0001918-69.2003.4.05.8500

MARIA DA PURIFICACAO OLIVEIRA SANTOS 0003781-21.2007.4.05.8500

MARIA JOSE COUTO BEZERRA 0003130-62.2002.4.05.8500

MARIA LUIZA CARDOSO COELHO 0000523-76.2002.4.05.8500

MARILIA NABUCO SANTOS 0000968-50.2009.4.05.8500 0003896-52.2001.4.05.8500 0000493-12.2000.4.05.8500

MARIO AUGUSTO VALOIS CRUZ 0002534-49.2000.4.05.8500 0000065-83.2007.4.05.8500

MÁRIO MÁRCIO DE SOUZA MAZZONI 0003133-51.2001.4.05.8500 0001647-60.2003.4.05.8500

MAURO DE AZEVEDO MENEZES 0000493-12.2000.4.05.8500

MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO 0006750-82.2002.4.05.8500 0002313-22.2007.4.05.8500 0018141-15.1994.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500

MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO 0003986-89.2003.4.05.8500 0000877-04.2002.4.05.8500 0002767-31.2009.4.05.8500 0004541-82.1998.4.05.8500 0002508-46.2003.4.05.8500 0000379-58.2009.4.05.8500 0000820-39.2009.4.05.8500

MIGUEL JOSÉ DOS SANTOS LIMA 0002067-26.2007.4.05.8500

MIOMIR DAVIDOVIC LEAL 0002534-49.2000.4.05.8500

MUNIQUE NICOLLE RIBEIRO 0001918-69.2003.4.05.8500

PATRICIA TAVARES DE OLIVEIRA 0004200-70.2009.4.05.8500 0003109-47.2006.4.05.8500

PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS 0004251-81.2009.4.05.8500 0003522-07.1999.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500 0004339-03.2001.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0000228-92.2009.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0002067-26.2007.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0006390-45.2005.4.05.8500 0003109-47.2006.4.05.8500 0003130-62.2002.4.05.8500

PAULO ANDRADE GOMES 0003281-28.2002.4.05.8500 0002543-16.1997.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0003891-06.1996.4.05.8500 0006628-45.1997.4.05.8500 0005701-74.2000.4.05.8500 0002809-03.1997.4.05.8500

PAULO CALUMBY BARRETTO 0004177-37.2003.4.05.8500

PAULO CESAR ROLEMBERG FARIAS 0004339-03.2001.4.05.8500

PEDRO DE MORAIS SILVA 0001796-85.2005.4.05.8500

PEDRO DIAS DE ARAUJO JUNIOR 0003657-67.2009.4.05.8500

PEDRO GOMES DE MELO 0004177-37.2003.4.05.8500 0003133-51.2001.4.05.8500 0001647-60.2003.4.05.8500

PRISCILA DE OLIVEIRA E S. FRAGA 0004189-75.2008.4.05.8500

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE 0002767-31.2009.4.05.8500 0000384-80.2009.4.05.8500 0003873-28.2009.4.05.8500

RAFAELA CARVALHO BATISTA DA SILVA 0000493-12.2000.4.05.8500

RAILDE CORREIA LIMA CORUMBA SILVA 0003522-07.1999.4.05.8500

RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO 0018139-45.1994.4.05.8500 0018141-15.1994.4.05.8500 0017765-29.1994.4.05.8500

RAIMUNDO COSTA COELHO FILHO (DP) 0001918-69.2003.4.05.8500

RAIMUNDO MESSMORE COELHO 0004239-04.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500

RAMONY OLIVEIRA SOBRAL 0001918-69.2003.4.05.8500

RANIERI LIMA RESENDE 0000493-12.2000.4.05.8500

RENATA HENRIQUES PAIVA 0004177-37.2003.4.05.8500

RICARDO ALCANTARA MACHADO 0003109-47.2006.4.05.8500 0004200-70.2009.4.05.8500

RICARDO MONTEIRO MOTA 0004105-84.2002.4.05.8500

ROBARTA MOURA MAIA FRANCO 0004200-70.2009.4.05.8500

ROBERTA AMARAL TORRES 0002534-49.2000.4.05.8500

ROBERTA GALVAO ROSAL DE BARROS LIMA 0002274-54.2009.4.05.8500

ROBERTA GOIS DE ANDRADE MENDONÇA 0018141-15.1994.4.05.8500

ROBERTO NASCIMENTO DOS SANTOS SALES 0002905-37.2005.4.05.8500

ROSA HELENA BRITTO ARAGAO 0018141-15.1994.4.05.8500 0017765-29.1994.4.05.8500 0003813-26.2007.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0018139-45.1994.4.05.8500 0002313-22.2007.4.05.8500

ROSANGELA OLIVEIRA SOUZA 0004454-48.2006.4.05.8500

ROSEANY MONTENEGRO CRUZ 0002534-49.2000.4.05.8500

ROSEMERY SOARES DE ARAUJO CARDOSO 0002867-88.2006.4.05.8500

SAULO NUNES DOS SANTOS 0002362-39.2002.4.05.8500

SEM ADVOGADO 0006390-45.2005.4.05.8500 0000379-58.2009.4.05.8500 0002956-82.2004.4.05.8500 0000978-94.2009.4.05.8500 0001647-60.2003.4.05.8500

SEM PROCURADOR 0005233-71.2004.4.05.8500 0005381-82.2004.4.05.8500 0002867-88.2006.4.05.8500 0001277-76.2006.4.05.8500 0008538-97.2003.4.05.8500 0000557-07.2009.4.05.8500 0003891-06.1996.4.05.8500 0006750-82.2002.4.05.8500 0004541-82.1998.4.05.8500 0001634-71.1997.4.05.8500 0004454-48.2006.4.05.8500 0002905-37.2005.4.05.8500 0003986-89.2003.4.05.8500 0002599-39.2003.4.05.8500 0005149-70.2004.4.05.8500 0002508-46.2003.4.05.8500 0002534-49.2000.4.05.8500

SERGIO ANDRADE GALVAO 0003133-51.2001.4.05.8500

SERGIO GOMES DOS SANTOS 0001765-60.2008.4.05.8500

SÉRGIO SIQUEIRA DE ARAÚJO FILHO 0003109-47.2006.4.05.8500

SIDNEY RIBEIRO SANTANA 0000181-55.2008.4.05.8500

SILVIA HELENA PARABOLI M. MALUF 0003557-30.2000.4.05.8500

SILVIO ROBERTO LIMA BASTOS 0003109-47.2006.4.05.8500 0004200-70.2009.4.05.8500 0016340-98.1993.4.05.8500

SIZENANDO AZEVEDO FARO 0001120-98.2009.4.05.8500

SÔNIA CRISTINA SALES DE CARVALHO 0006628-45.1997.4.05.8500

SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS 0006390-45.2005.4.05.8500 0004813-27.2008.4.05.8500 0004809-87.2008.4.05.8500 0003002-95.2009.4.05.8500 0002274-54.2009.4.05.8500 0002546-48.2009.4.05.8500 0004251-81.2009.4.05.8500 0016340-98.1993.4.05.8500

THAIS MAIA DE BRITTO 0001298-18.2007.4.05.8500 0000968-50.2009.4.05.8500 0003896-52.2001.4.05.8500 0001277-76.2006.4.05.8500

THIAGO D'AVILA FERNANDES 0001298-18.2007.4.05.8500

THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES 0003365-82.2009.4.05.8500 0000493-12.2000.4.05.8500 0001277-76.2006.4.05.8500 0002956-82.2004.4.05.8500 0003896-52.2001.4.05.8500

TULIO JOSE AZEVEDO FARO 0001120-98.2009.4.05.8500

VALBERTO PEREIRA GALVAO 0003536-73.2008.4.05.8500

VALDEMAR CALUMBY 0003133-51.2001.4.05.8500

VALERIA AUGUSTA F. MONTALVAO 0005701-74.2000.4.05.8500

VALFRAN ANDRADE BARBOSA 0001647-60.2003.4.05.8500

VANESSA DE ALMEIDA VASCONCELOS 0003873-28.2009.4.05.8500 0003828-24.2009.4.05.8500

VANIA LÚCIA MATTOS FRANÇA FELIX 0017765-29.1994.4.05.8500

VANIA MARIA AQUINO DE CERQUEIRA 0002193-81.2004.4.05.8500 0000877-04.2002.4.05.8500

VANIA MARIA PRADO N. SANTOS 0003781-21.2007.4.05.8500

VINÍCIUS ALVES BISPO 0004821-04.2008.4.05.8500

VÍTOR ANTÔNO TEIXEIRA GAIA 0003536-73.2008.4.05.8500

WILSON MACEDO SIQUEIRA 0002867-88.2006.4.05.8500

ZENILDA SANTANA RIBEIRO 0002767-31.2009.4.05.8500

 

Juiz Federal TELMA MARIA SANTOS MACHADO

Diretor de Secretaria: CLARICE FAGUNDES

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000379-58.2009.4.05.8500 VIVALDO ALVES DA MOTA (Adv. FERNANDA SILVA SOUZA, GISELE LEMOS KRAVCHYCHYN, JEFFERSON LUIS KRAVCHYCHYN, MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO, FERNANDA SILVA SOUZA, FABRICIO LUIZ BARBOZA DA SILVA) x UNIÃO FEDERAL (FAZENDA PÚBLICA NACIONAL) (Adv. SEM ADVOGADO)

Recebo a(s) apelação(ões) de fls. 170/0178 e 180/185, declarando-lhe(s) ínsitos os efeitos suspensivo e devolutivo. Abra-se vista dos autos ao(à)(s) apelado(a)(s) para, querendo, trazer(em) suas(s) resposta(s), no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe. Intimar.

   

0000751-07.2009.4.05.8500 LUCIANO DOS SANTOS SOBRAL (Adv. CRISTIANO PINHEIRO BARRETO, DANIELLY ROCHA MARQUES) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Proc. JF/SE. Nº. 2009.85.00.000751-8 - Classe 29 - 1ª Vara. Ação Ordinária. Autor: Luciano dos Santos Sobral. Réu: União Federal. E M E N T A: TRIBUTÁRIO. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. PRESCRIÇÃO. ART. 3º DA LC 118/05. IRRETROATIVIDADE. ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. BENEFÍCIOS DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. IMPOSTO DE RENDA. BIS IN IDEM. IMPOSSIBILIDADE. JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA. TAXA SELIC. 1. A LC 118/05 modificou o critério jurisprudencial pacificamente adotado de que, pela aplicação conjunta dos dispositivos do art. 150, §4º e do art. 168, I, do Código Tributário Nacional, a ação de repetição de indébito relativa a tributos sujeitos a lançamento por homologação prescreve em dez anos contados da configuração do fato gerador. O egrégio Superior Tribunal de Justiça acolheu o incidente de inconstitucionalidade da expressão "observado quanto ao art. 3º o disposto no art. 106, I, da Lei n. 5.172/1966 do Código Tributário Nacional", constante do art. 4º, segunda parte, da LC n. 118/2006. 2. Os benefícios recebidos de entidades de previdência privada, cujas contribuições sofreram a incidência de imposto de renda na fonte, não podem ser novamente descontados em razão do mesmo imposto. 3. Aplicação da Lei 7.713/88 relativamente aos recolhimentos que ocorreram posteriormente à sua edição e anteriormente à vigência da Lei 9.250/95. 4. Em ação de repetição de indébito vige o princípio da reciprocidade. Por conseguinte, são aplicáveis os mesmos índices de atualização monetária e taxas de juros utilizados pela Fazenda Pública quando da cobrança de seus créditos. Com a vigência da Lei 9.250/1995, os créditos da Fazenda Pública passaram a ser atualizados pela taxa SELIC, vedada a cumulação. S E N T E N Ç A: I - RELATÓRIO Versam os presentes autos sobre ação ordinária declaratória de isenção tributária c/c repetição de indébito e antecipação dos efeitos da tutela, proposta em razão de descontos a título de imposto de renda na fonte, empreendidos pela ré, nos proventos de aposentadoria do(a) autor(a). O demandante alegou ser ex-empregado aposentado da PETROBRÁS - Petróleo Brasileiro S/A e sempre ter contribuído para o fundo de previdência privada, PETROS, instituído pela aludida empresa empregadora. Citou o art. 6º, inciso VII, alínea "b", da Lei 7.713/88, que faz referência à isenção legal do pagamento de imposto de renda, calculado sobre os benefícios recebidos de entidades de previdência privada. Questionou a bitributação do imposto de renda sobre a parte do benefício resultante de suas próprias contribuições. Salientou que apesar de tais verbas já terem sido tributadas como rendimento do trabalho assalariado, sofreram novamente a incidência do mesmo imposto, no momento em que foram revertidas sob a forma de suplementação de aposentadoria. Ao final, o autor requereu a antecipação dos efeitos da tutela, por entender restarem demonstrados os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora, bem assim a declaração de ilegalidade da dupla incidência do imposto de renda, condenando-se a União a restituir, integralmente, o valor por ela resgatado de forma abusiva. Concedida a antecipação dos efeitos da tutela, determinando-se à PETROS o depósito dos valores relativos ao desconto de imposto de renda incidente sobre os proventos de aposentadoria suplementar da parte autora, à disposição do Juízo (f. 150/152). A Fazenda Nacional, em sua contestação (f. 160/186), argüiu, preliminarmente, a prescrição das parcelas recolhidas anteriormente ao qüinqüênio que antecede o ajuizamento desta ação. No mérito, aduziu que a parte autora não tem direito à devolução do imposto de renda retido na fonte, em razão de não haver correlação entre o valor recolhido e o recebido; que inexiste direito à restituição de imposto de renda sobre a aposentadoria complementar paga por entidade de previdência privada após a vigência da Lei 9.250/95. Pelo exposto, a Fazenda Nacional pediu a total improcedência da ação. A parte autora não apresentou réplica, embora intimada para tanto (f. 190). Anunciado o julgamento antecipado da demanda (f. 191), as partes silenciaram a respeito (f. 193/194). É o relatório. II - FUNDAMENTAÇÃO A demandada argüiu prejudicial de prescrição. Alegou que o pedido de restituição do imposto de renda indevidamente pago está fulminado pelo instituto da prescrição em relação a toda e qualquer verba recolhida aos cofres públicos antes do qüinqüênio anterior ao ajuizamento da ação. Sobre o tema, estabelece o artigo 168, I, do CTN, que o termo a quo para a contagem do prazo prescricional, em matéria de restituição de indébito tributário, é "a data da extinção do crédito tributário". Considerando que o tributo objeto da presente ação (imposto de renda) é daqueles sujeitos a lançamento por homologação, surge a necessidade de enfrentar a tormentosa questão relativa à modificação, pela Lei Complementar 118/2005, da já sedimentada "regra dos 5 + 5". É sabido que a LC 118/2005 modificou o critério jurisprudencial pacificamente adotado de que, pela aplicação conjunta dos dispositivos do art. 150, §4º e do art. 168, I, do Código Tributário Nacional, a ação de repetição de indébito relativa a tributos sujeitos a lançamento por homologação prescreve em dez anos contados da configuração do fato gerador. Com efeito, a redação da mencionada legislação trouxe inovações substanciais: Art. 3º Para efeito de interpretação do inciso I do art. 168 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional, a extinção do crédito tributário ocorre, no caso de tributo sujeito a lançamento por homologação, no momento do pagamento antecipado de que trata o § 1o do art. 150 da referida Lei. Art. 4º Esta Lei entra em vigor 120 (cento e vinte) dias após sua publicação, observado, quanto ao art. 3o, o disposto no art. 106, inciso I, da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional. Em verdade, o art. 3º da LC 118/05 acabou por conceder uma redação modificativa ao art. 156, VII, do Código Tributário Nacional, sem alterá-lo substancialmente. Logo, apenas para efeito de interposição da ação de repetição de indébito, considera-se que o crédito tributário se extingue com o pagamento antecipado, passando-se a contar o prazo de cinco anos, para ingressar com a ação, da data do pagamento. Com a inovação trazida pela LC 118/05, a questão foi submetida à apreciação do Superior Tribunal de Justiça para análise do caráter, se interpretativo ou modificativo, de seu art. 3º e da aplicabilidade do seu art. 4º. A Colenda Corte de Justiça, em diversas oportunidades, concluiu que o art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de ser interpretativo, inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ. Em razão disso, a Corte Especial acolheu o incidente de inconstitucionalidade da expressão "observado quanto ao art. 3º o disposto no art. 106, I, da Lei n. 5.172/1966 do Código Tributário Nacional", constante do art. 4º, segunda parte, da LC n. 118/2006. Vejamos o teor do acórdão (grifos nossos): CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. LEI INTERPRETATIVA. PRAZO DE PRESCRIÇÃO PARA A REPETIÇÃO DE INDÉBITO, NOS TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3º. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4º, NA PARTE QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. 1. Sobre o tema relacionado com a prescrição da ação de repetição de indébito tributário, a jurisprudência do STJ (1ª Seção) é no sentido de que, em se tratando de tributo sujeito a lançamento por homologação, o prazo de cinco anos, previsto no art. 168 do CTN, tem início, não na data do recolhimento do tributo indevido, e sim na data da homologação - expressa ou tácita - do lançamento. Segundo entende o Tribunal, para que o crédito se considere extinto, não basta o pagamento: é indispensável a homologação do lançamento, hipótese de extinção albergada pelo art. 156, VII, do CTN. Assim, somente a partir dessa homologação é que teria início o prazo previsto no art. 168, I. E, não havendo homologação expressa, o prazo para a repetição do indébito acaba sendo, na verdade, de dez anos a contar do fato gerador. 2. Esse entendimento, embora não tenha a adesão uniforme da doutrina e nem de todos os juízes, é o que legitimamente define o conteúdo e o sentido das normas que disciplinam a matéria, já que se trata do entendimento emanado do órgão do Poder Judiciário que tem a atribuição constitucional de interpretá-las. 3. O art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de interpretar esses mesmos enunciados, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a 'interpretação' dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. 4. Assim, tratando-se de preceito normativo modificativo, e não simplesmente interpretativo, o art. 3º da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 5. O artigo 4º, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3º, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2º) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5º, XXXVI). (grifo nosso) 6. Argüição de inconstitucionalidade acolhida.1 Nessa assentada, firmou-se, ainda, o entendimento de que, "com o advento da LC 118/05, a prescrição, do ponto de vista prático, deve ser contada da seguinte forma: relativamente aos pagamentos efetuados a partir da sua vigência (que ocorreu em 09.06.05), o prazo para a ação de repetição de indébito é de cinco a contar da data do pagamento; e relativamente aos pagamentos anteriores, a prescrição obedece ao regime previsto no sistema anterior, limitada, porém, ao prazo máximo de cinco anos a contar da vigência da lei nova". Existindo pagamentos indevidos anteriores e posteriores à vigência da LC 118/05, a contagem do prazo deve ser feita da seguinte forma. Em relação aos primeiros, é dado ao autor o prazo de 10 anos (5 anos + 5 anos) para a propositura das Ações de Repetição de Indébito, contados a partir da data do fato gerador. No que tange aos demais, o prazo prescricional é 05 anos. Por esses motivos, a prejudicial de prescrição somente pode ser acolhida em relação aos valores cujo fato gerador tenha ocorrido anteriormente a 19 de fevereiro de 1999, uma vez que a ação foi ajuizada em 19/02/2009. Com efeito, no caso em apreço, a incidência de IR sobre os benefícios de aposentadoria complementar do autor somente começou a ocorrer a partir de fevereiro de 1996, data de sua aposentadoria, Assim, o primeiro fato gerador ocorreu a partir desta data, razão pela qual se encontram prescritas as parcelas devidas entre tal período e 19/02/1999. Quanto ao mérito, ressalto que a matéria discutida nos autos já foi objeto de várias alterações legislativas ao longo do tempo. Sob o regime da Lei 4.506/64 e do Decreto-Lei 1.642/78, as contribuições mensais recolhidas para as entidades de previdência privada não eram objeto de incidência do IR retido na fonte, sendo que a tributação ocorria somente no resgate ou percebimento da aposentadoria. Com o advento da Lei 7.713/88, a disciplina foi invertida. Previu-se a tributação do IR sobre as contribuições e a isenção do referido imposto no momento do resgate ou do recebimento do benefício. Na vigência da Lei 9.250/95, reverteu-se a forma de recolhimento do imposto, ou seja, a tributação passou novamente a ocorrer somente quando do resgate ou recebimento do benefício de previdência complementar. Posto isso, a ausência de criação de regras de transição para disciplinar a sucessão de leis no tempo, gerou a incidência do tributo também sobre os resgates e benefícios referentes às contribuições realizadas no período de vigência da Lei 7.713/88, o que implica em inegável bis in idem. A título ilustrativo, colaciono os precedentes do STJ, abaixo transcritos. TRIBUTÁRIO E PROCESSO CIVIL. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA 282/STF. IRPF. COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. LEIS 7.713/88 (ART. 6º, VII, B) E 9.250/95 (ART. 33) E MP 2.159-70/01. INCIDÊNCIA SOBRE O BENEFÍCIO. BIS IN IDEM. PRAZO PARA REPETIÇÃO DO INDÉBITO. MATÉRIA PACIFICADA. ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ, NA APRECIAÇÃO DO ERESP 262.475/DF. 1. A ausência de debate, na instância recorrida, sobre os dispositivos legais cuja violação se alega no recurso especial atrai, por analogia, a incidência da Súmula 282 do STF. 2. O recebimento da complementação de aposentadoria e o resgate das contribuições recolhidas para entidade de previdência privada no período de 1º.01.1989 a 31.12.1995 não constituíam renda tributável pelo IRPF, por força da isenção concedida pelo art. 6º, VII, b, da Lei 7.713/88, na redação anterior à que lhe foi dada pela Lei 9.250/95. Em contrapartida, as contribuições vertidas para tais planos não podiam ser deduzidas da base de cálculo do referido tributo, sendo, portanto, tributadas. 3. Com a edição da Lei 9.250/95, alterou-se a sistemática de incidência do IRPF, passando a ser tributado o recebimento do benefício ou o resgate das contribuições, por força do disposto no art. 33 da citada Lei, e não mais sujeitas à tributação as contribuições efetuadas pelos segurados. 4. A Medida Provisória 1.943-52, de 21.05.1996 (reeditada sob o nº 2.159-70), determinou a exclusão da base de cálculo do imposto de renda do "valor do resgate de contribuições de previdência privada, cujo ônus tenha sido da pessoa física, recebido por ocasião de seu desligamento do plano de benefícios da entidade, que corresponder às parcelas de contribuições efetuadas no período de 1º de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1995" (art. 8º), evitando, desta forma, o bis in idem. 5. Da mesma forma, considerando-se que a complementação de aposentadoria paga pelas entidades de previdência privada é constituída, em parte, pelas contribuições efetuadas pelo beneficiado, deve ser afastada sua tributação pelo IRPF, até o limite do imposto pago sobre as contribuições vertidas no período de vigência da Lei 7.713/88. 6. Questão pacificada pela 1ª Seção no julgamento do ERESP621348/DF, Min. Teori Albino Zavascki, DJ 12.12.2005. 7. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, desprovido. 2 TRIBUTÁRIO. IMPOSTO DE RENDA. PRESCRIÇÃO. COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. ISENÇÃO. LEI Nº 7.713/88. VIGÊNCIA. LIMITE. LEI Nº. 9.250/95. 1. A retenção do tributo pela fonte pagadora não extingue o crédito tributário, o que somente se verifica com a homologação expressa ou tácita do ajuste operado pela autoridade fiscal e a notificação ao contribuinte, seja para o pagamento da diferença do imposto apurado a maior, seja para a devolução em seu favor. 2. Extinto o crédito nos termos acima, o prazo prescricional da pretensão de restituição de Imposto de Renda Retido na Fonte é de cinco anos da notificação do ajuste (sistemática dos cinco mais cinco). 3. Inaplicabilidade da regra do artigo 4º da LC 118/2005, que ainda se acha no período de vacatio legis. 4. Tratando-se de resgate ou recebimento de benefício da Previdência Privada, observa-se o momento em que foi recolhida a contribuição: se durante a vigência da Lei nº. 7.713/88, não incide o Imposto de Renda por ocasião do resgate ou do recebimento do benefício (porque já recolhido na fonte pelo participante); se após o advento da Lei nº. 9.250/95, é devida a exigência (porque não recolhido na fonte). Precedentes. 5. As contribuições realizadas anteriormente à edição da Lei nº. 7.713/88 não foram tributadas na fonte, motivo pelo qual os benefícios a elas referentes sofrem a incidência do Imposto de Renda. 6. Recurso especial de Joe Luiz Viera Costa e outros provido em parte. Recurso especial adesivo da Fazenda Nacional improvido.3 Decerto que, mesmo antes da Lei nº. 7.713/88, já na vigência da Constituição anterior, nem o bis in idem, nem a bitributação eram tolerados, como se infere da regra do § 5º, do art. 18, que rezava: A União poderá, desde que não tenha base de cálculo e fato gerador idênticos aos previstos nesta Constituição, instituir outros impostos, (...). Com isso, qualquer situação caracterizadora do bis in idem ou da bitributação encontrava vedação na Lei Maior, independentemente de haver ou não disciplina para o caso específico. A proibição era e continua sendo dos textos constitucionais, anterior e atual (art. 154, I). Isso significa dizer que, houvesse ou não sido editada a Lei nº. 7.713, de 22.12.88, o(a) autor(a) não poderia sofrer a incidência de imposto de renda sobre os seus proventos, quando as contribuições que lhe foram descontadas, ao tempo em que estava na ativa, já sofreram a incidência da aludida exação. O art. 6º, inciso VII, letra "b", da Lei nº 7.713/88, só veio regulamentar a matéria que, relativamente ao conteúdo, já constituía uma garantia constitucional. Vale transcrever o que dispõe esse artigo: "Art. 6º. Ficam isentos do imposto de renda os seguintes rendimentos percebidos por pessoas físicas: (...) VII. os benefícios recebidos de entidades de previdência privada: (...) b) relativamente ao valor correspondente às contribuições cujo ônus tenha sido do participante, desde que os rendimentos e ganhos de capital produzidos pelo patrimônio da entidade tenham sido tributados na fonte;" Neste dispositivo está clara a isenção de imposto de renda daqueles benefícios recebidos de entidades de previdência privada, relativamente às contribuições pagas pelo beneficiário, desde que os rendimentos e ganhos de capital produzidos pelo patrimônio da entidade previdenciária tenham sido tributados na fonte, não havendo, portanto, que se cogitar em enriquecimento ilícito às custas do erário público. Com efeito, a Lei n.º 7.713/88 deve ser aplicada tão-somente aos recolhimentos efetuados posteriormente à sua edição e anteriormente à vigência da Lei n.º 9.250/95, a qual, como dito alhures, inverteu a sistemática do recolhimento do imposto de renda às entidades de previdência complementar: se antes o desconto se dava quando do recolhimento da contribuição do empregado na ativa, agora, esses valores não sofrem a incidência do tributo em questão, o qual somente incidirá quando do resgate ou recebimento dos proventos de aposentadoria complementar. No processo em análise, o(a) autor(a) efetuou contribuições para a previdência privada durante o período em que laborou para a Petrobrás, na qual se aposentou em fevereiro de 1996. Portanto, suas contribuições para a previdência privada no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995 sofreram a incidência de IR retido na fonte. Necessário esclarecer que durante a vigência da Lei 7.713/88 não houve recolhimento indevido do IR. Ora, se a lei previa como fato gerador o recolhimento da contribuição e se esse recolhimento ocorreu durante sua vigência, restaram atendidos todas as condições para a incidência do imposto. O mesmo raciocínio aplica-se à Lei 9.250/95, que previu como fato imponível o resgate e/ou o recebimento do benefício. Embora ambas as normas sejam válidas quando analisadas isoladamente, a aplicação de ambas no decorrer do tempo gerou o duplo pagamento do mesmo tributo em relação às contribuições recolhidas na vigência da Lei 7.713/88 e aos benefícios a ela correspondentes. Para evitar esse duplo pagamento, a melhor solução é que haja a restituição dos valores recolhidos a título de imposto de renda incidente sobre os benefícios a partir de janeiro de 1996, no valor correspondente ao montante do tributo recolhido sob a égide da Lei 7.713/88. E no caso concreto, para o cálculo do valor a ser restituído, há de se apurar o montante de IR pago no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995, acrescido da devida correção monetária dos créditos, que tem o único objetivo de preservar o valor real do que foi pago. Ressalte-se, por fim, que tal restituição não implica em reconhecimento de isenção de IR do benefício de aposentadoria complementar do contribuinte, pois que, uma vez restituído o valor duplamente pago, não há mais que se falar em bis in idem. Ademais, conforme salientei, a Lei 9.250/95 prevê como fato gerador do IR a percepção de benefício de aposentadoria complementar, previsão essa que é plenamente válida e constitucional. III - DISPOSITIVO Ante o exposto, julgo parcialmente procedente o pedido para condenar a Fazenda Nacional a restituir os valores pagos a título de imposto de renda incidente sobre o benefício de aposentadoria complementar da parte autora, no valor correspondente ao que foi pago no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995, deduzida a parcela prescrita nos termos da fundamentação (f. 06, primeiro parágrafo). Caso o montante pago de IR no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1995 seja maior que o recolhido na vigência da Lei 9.250/95, deverá ser feita a compensação com as parcelas vincendas posteriores à liquidação, até a satisfação integral da prestação assegurada pela sentença, respeitada a prescrição. Para atualização dos respectivos valores, em sede de liquidação de sentença, caberá à Fazenda Nacional utilizar-se da taxa SELIC, conforme entendimento jurisprudencial. É necessário ressaltar que a taxa SELIC é inacumulável com correção monetária e juros de mora, uma vez que já os engloba, conforme esclarece este precedente: A partir da vigência da legislação que instituiu a taxa SELIC, esta será a única a ser aplicada, não cabendo a sua acumulação com juros de mora e outros índices de correção monetária.4 Condeno a demandada, ainda, ao pagamento dos honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º, c/c o art. 21, ambos do CPC. A União está isenta de custas. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal da 1ª Vara 1 STJ. AIERESP 644.736. Corte Especial. Relator: Teori Albino Zavascki. DJ: 27/08/2007, pág. 170. 2 - STJ. RESP 884076 / PE 2006.0204746-6 Min. Teori Albino Zavascki. Primeira Turma. DJ 29.03.2007 p. 238 3 - STJ. RESP 644598. 2ª Turma. Rel. Castro Meira. DJ 23/05/2005. Pág.: 218. 4 - STJ, EDRESP 359156, 1ª Turma, Rel. Min. GARCIA VIEIRA, DJ 17/02/2002, pág.: 203. ?? ?? ?? ?? XI Proc.: nº 2009.85.00.000751-8 VI X

   

0004813-27.2008.4.05.8500 HERDEIROS DE GEODETE SANTOS E OUTROS (Adv. ESDRAS MACHADO SILVA JUNIOR) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS)

Proc. Nº 2008.85.00.004813-9 Converto o julgamento em diligência. Determino à parte ativa que, nos termos dos arts. 295, II e 267, I e VI do CPC e, sob pena de extinção do processo sem resolução do mérito, regularize o polo ativo da ação, incluindo todos os herdeiros da Sra. Geodete Santos (f. 37-38), no prazo de 10 dias. Cumprida a determinação acima e intimada a parte passiva, voltem-me conclusos para sentença. Aracaju, 10 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0004821-04.2008.4.05.8500 EDMUNDO MASCARENHAS DE ANDRADE (Adv. EDSON WANDER DE ALMEIDA COSTA, FLÁVIO AUGUSTO BARRETO MEDRADO, VINÍCIUS ALVES BISPO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Proc. JF/SE. Nº. 2008.85.00.004821-8 - Classe 29 - 1ª Vara. Ação Ordinária. Autor: Edmundo Mascarenhas de Andrade Réu: União Federal. E M E N T A: TRIBUTÁRIO. REPETIÇÃO DE INDÉBITO. PRESCRIÇÃO. ART. 3º DA LC 118/05. IRRETROATIVIDADE. ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. BENEFÍCIOS DE APOSENTADORIA SUPLEMENTAR. IMPOSTO DE RENDA. BIS IN IDEM. IMPOSSIBILIDADE. JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA. TAXA SELIC. 1. A LC 118/05 modificou o critério jurisprudencial pacificamente adotado de que, pela aplicação conjunta dos dispositivos do art. 150, §4º e do art. 168, I, do Código Tributário Nacional, a ação de repetição de indébito relativa a tributos sujeitos a lançamento por homologação prescreve em dez anos contados da configuração do fato gerador. O egrégio Superior Tribunal de Justiça acolheu o incidente de inconstitucionalidade da expressão "observado quanto ao art. 3º o disposto no art. 106, I, da Lei n. 5.172/1966 do Código Tributário Nacional", constante do art. 4º, segunda parte, da LC n. 118/2006. 2. Os benefícios recebidos de entidades de previdência privada, cujas contribuições sofreram a incidência de imposto de renda na fonte, não podem ser novamente descontados em razão do mesmo imposto. 3. Aplicação da Lei 7.713/88 relativamente aos recolhimentos que ocorreram posteriormente à sua edição e anteriormente à vigência da Lei 9.250/95. 4. Em ação de repetição de indébito vige o princípio da reciprocidade. Por conseguinte, são aplicáveis os mesmos índices de atualização monetária e taxas de juros utilizados pela Fazenda Pública quando da cobrança de seus créditos. Com a vigência da Lei 9.250/1995, os créditos da Fazenda Pública passaram a ser atualizados pela taxa SELIC, vedada a cumulação. S E N T E N Ç A: I - RELATÓRIO Versam os presentes autos sobre ação ordinária declaratória de isenção tributária c/c repetição de indébito e antecipação dos efeitos da tutela, proposta em razão de descontos a título de imposto de renda na fonte, empreendidos pela ré, nos proventos de aposentadoria do autor. O demandante alegou ser ex-empregado aposentado da PETROBRÁS - Petróleo Brasileiro S/A e sempre ter contribuído para o fundo de previdência privada, PETROS, instituído pela aludida empresa empregadora. Citou o art. 6º, inciso VII, alínea "b", da Lei 7.713/88, que faz referência à isenção legal do pagamento de imposto de renda, calculado sobre os benefícios recebidos de entidades de previdência privada. Questionou a bitributação do imposto de renda sobre a parte do benefício resultante de suas próprias contribuições. Salientou que apesar de tais verbas já terem sido tributadas como rendimento do trabalho assalariado, sofreram novamente a incidência do mesmo imposto, no momento em que foram revertidas sob a forma de suplementação de aposentadoria. Ao final, o autor requereu a antecipação dos efeitos da tutela, por entender restarem demonstrados os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora, bem assim a declaração de ilegalidade da dupla incidência do imposto de renda, condenando-se a União a restituir, integralmente, o valor por ela resgatado de forma abusiva. Concedida a antecipação dos efeitos da tutela, determinando-se à PETROS o depósito dos valores relativos ao desconto de imposto de renda incidente sobre os proventos de aposentadoria suplementar da parte autora, à disposição do Juízo (f. 187/189). A Fazenda Nacional não contestou a pretensão (f. 203). A PETROS oficiou ao Juízo para informar que a parte autora passou a ser isento de imposto de renda, por ser portador de moléstia grave desde agosto de 2008 (f. 199). Intimada, a parte autora não se manifestou. Por sua vez, a Fazenda Nacional peticionou para que ressaltar que ausência de contestação não implica sua revelia (f. 209/213). Na oportunidade, argüiu a prescrição das parcelas recolhidas anteriormente a 19.12.1998 e aduziu que a parte autora não tem direito à devolução do imposto de renda retido na fonte, em razão de não haver correlação entre o valor recolhido e o recebido; que inexiste direito à restituição de imposto de renda sobre a aposentadoria complementar paga por entidade de previdência privada após a vigência da Lei 9.250/95. A parte autora registrou a intempestividade da defesa da União Federal (f. 220/227), mas refutou os pontos defendidos pela ré. É o relatório. II - FUNDAMENTAÇÃO Inicialmente, vale ressaltar que o embargado não apresentou resposta. Deparamo-nos, então, com o instituto da revelia, assim disposto na norma: Se o réu não contestar a ação, reputar-se-ão verdadeiros os fatos afirmados pelo autor.1 Todavia, os efeitos da revelia, preconizados na disposição transcrita, não se configuram no caso sub examine. O litígio versa sobre direito relativamente indisponível, no dizer de Ernane Fidelis, uma vez que a ré é pessoa jurídica de direito público2. Sobre o tema, o referido processualista, comentando o art. 330, II, do CPC, assim se pronuncia: "(...) Referindo-se, porém a direito indisponível, a lei não cuida apenas daqueles que são inerentes ao indivíduo, mas também dos que interessam à família, à sociedade e ao Estado. No direito moderno, a tendência é de prevalecer sempre o interesse público sobre o privado (...). Há direitos que, por si mesmos, não são indisponíveis, mas, conforme seja seu titular, adquirem indisponibilidade; indisponibilidade relativa. Tal ocorre com os direitos dos incapazes e das pessoas jurídicas de direito público. O incapaz não pode confessar; tampouco seu representante ou assistente. O mesmo se diga com relação à pessoa jurídica de direito público. Mas, no que se relaciona com os efeitos da revelia e com a presunção de verdade dos fatos não impugnados, a justificativa de não admiti-los encontra-se exclusivamente no interesse público que sobrepuja o particular na proteção de tais direitos."3 Passo a solucionar as demais questões. A demandada argüiu prejudicial de prescrição. Alegou que o pedido de restituição do imposto de renda indevidamente pago está fulminado pelo instituto da prescrição em relação a toda e qualquer verba recolhida aos cofres públicos antes do qüinqüênio anterior ao ajuizamento da ação. Sobre o tema, estabelece o artigo 168, I, do CTN, que o termo a quo para a contagem do prazo prescricional, em matéria de restituição de indébito tributário, é "a data da extinção do crédito tributário". Considerando que o tributo objeto da presente ação (imposto de renda) é daqueles sujeitos a lançamento por homologação, surge a necessidade de enfrentar a tormentosa questão relativa à modificação, pela Lei Complementar 118/2005, da já sedimentada "regra dos 5 + 5". É sabido que a LC 118/2005 modificou o critério jurisprudencial pacificamente adotado de que, pela aplicação conjunta dos dispositivos do art. 150, §4º e do art. 168, I, do Código Tributário Nacional, a ação de repetição de indébito relativa a tributos sujeitos a lançamento por homologação prescreve em dez anos contados da configuração do fato gerador. Com efeito, a redação da mencionada legislação trouxe inovações substanciais: Art. 3º Para efeito de interpretação do inciso I do art. 168 da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional, a extinção do crédito tributário ocorre, no caso de tributo sujeito a lançamento por homologação, no momento do pagamento antecipado de que trata o § 1o do art. 150 da referida Lei. Art. 4º Esta Lei entra em vigor 120 (cento e vinte) dias após sua publicação, observado, quanto ao art. 3o, o disposto no art. 106, inciso I, da Lei no 5.172, de 25 de outubro de 1966 - Código Tributário Nacional. Em verdade, o art. 3º da LC 118/05 acabou por conceder uma redação modificativa ao art. 156, VII, do Código Tributário Nacional, sem alterá-lo substancialmente. Logo, apenas para efeito de interposição da ação de repetição de indébito, considera-se que o crédito tributário se extingue com o pagamento antecipado, passando-se a contar o prazo de cinco anos, para ingressar com a ação, da data do pagamento. Com a inovação trazida pela LC 118/05, a questão foi submetida à apreciação do Superior Tribunal de Justiça para análise do caráter, se interpretativo ou modificativo, de seu art. 3º e da aplicabilidade do seu art. 4º. A Colenda Corte de Justiça, em diversas oportunidades, concluiu que o art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de ser interpretativo, inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ. Em razão disso, a Corte Especial acolheu o incidente de inconstitucionalidade da expressão "observado quanto ao art. 3º o disposto no art. 106, I, da Lei n. 5.172/1966 do Código Tributário Nacional", constante do art. 4º, segunda parte, da LC n. 118/2006. Vejamos o teor do acórdão (grifos nossos): CONSTITUCIONAL. TRIBUTÁRIO. LEI INTERPRETATIVA. PRAZO DE PRESCRIÇÃO PARA A REPETIÇÃO DE INDÉBITO, NOS TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO POR HOMOLOGAÇÃO. LC 118/2005: NATUREZA MODIFICATIVA (E NÃO SIMPLESMENTE INTERPRETATIVA) DO SEU ARTIGO 3º. INCONSTITUCIONALIDADE DO SEU ART. 4º, NA PARTE QUE DETERMINA A APLICAÇÃO RETROATIVA. 1. Sobre o tema relacionado com a prescrição da ação de repetição de indébito tributário, a jurisprudência do STJ (1ª Seção) é no sentido de que, em se tratando de tributo sujeito a lançamento por homologação, o prazo de cinco anos, previsto no art. 168 do CTN, tem início, não na data do recolhimento do tributo indevido, e sim na data da homologação - expressa ou tácita - do lançamento. Segundo entende o Tribunal, para que o crédito se considere extinto, não basta o pagamento: é indispensável a homologação do lançamento, hipótese de extinção albergada pelo art. 156, VII, do CTN. Assim, somente a partir dessa homologação é que teria início o prazo previsto no art. 168, I. E, não havendo homologação expressa, o prazo para a repetição do indébito acaba sendo, na verdade, de dez anos a contar do fato gerador. 2. Esse entendimento, embora não tenha a adesão uniforme da doutrina e nem de todos os juízes, é o que legitimamente define o conteúdo e o sentido das normas que disciplinam a matéria, já que se trata do entendimento emanado do órgão do Poder Judiciário que tem a atribuição constitucional de interpretá-las. 3. O art. 3º da LC 118/2005, a pretexto de interpretar esses mesmos enunciados, conferiu-lhes, na verdade, um sentido e um alcance diferente daquele dado pelo Judiciário. Ainda que defensável a 'interpretação' dada, não há como negar que a Lei inovou no plano normativo, pois retirou das disposições interpretadas um dos seus sentidos possíveis, justamente aquele tido como correto pelo STJ, intérprete e guardião da legislação federal. 4. Assim, tratando-se de preceito normativo modificativo, e não simplesmente interpretativo, o art. 3º da LC 118/2005 só pode ter eficácia prospectiva, incidindo apenas sobre situações que venham a ocorrer a partir da sua vigência. 5. O artigo 4º, segunda parte, da LC 118/2005, que determina a aplicação retroativa do seu art. 3º, para alcançar inclusive fatos passados, ofende o princípio constitucional da autonomia e independência dos poderes (CF, art. 2º) e o da garantia do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada (CF, art. 5º, XXXVI). (grifo nosso) 6. Argüição de inconstitucionalidade acolhida.4 Nessa assentada, firmou-se, ainda, o entendimento de que, "com o advento da LC 118/05, a prescrição, do ponto de vista prático, deve ser contada da seguinte forma: relativamente aos pagamentos efetuados a partir da sua vigência (que ocorreu em 09.06.05), o prazo para a ação de repetição de indébito é de cinco a contar da data do pagamento; e relativamente aos pagamentos anteriores, a prescrição obedece ao regime previsto no sistema anterior, limitada, porém, ao prazo máximo de cinco anos a contar da vigência da lei nova". Existindo pagamentos indevidos anteriores e posteriores à vigência da LC 118/05, a contagem do prazo deve ser feita da seguinte forma. Em relação aos primeiros, é dado ao autor o prazo de 10 anos (5 anos + 5 anos) para a propositura das Ações de Repetição de Indébito, contados a partir da data do fato gerador. No que tange aos demais, o prazo prescricional é 05 anos. Por esses motivos, a prejudicial de prescrição somente poderá ser acolhida em relação aos valores cujo fato gerador tenha ocorrido anteriormente a 19 de dezembro de 1998, uma vez que a ação foi ajuizada em 19/12/2008. Quanto ao mérito, ressalto que a matéria discutida nos autos já foi objeto de várias alterações legislativas ao longo do tempo. Sob o regime da Lei 4.506/64 e do Decreto-Lei 1.642/78, as contribuições mensais recolhidas para as entidades de previdência privada não eram objeto de incidência do IR retido na fonte, sendo que a tributação ocorria somente no resgate ou percebimento da aposentadoria. Com o advento da Lei 7.713/88, a disciplina foi invertida. Previu-se a tributação do IR sobre as contribuições e a isenção do referido imposto no momento do resgate ou do recebimento do benefício. Na vigência da Lei 9.250/95, reverteu-se a forma de recolhimento do imposto, ou seja, a tributação passou novamente a ocorrer somente quando do resgate ou recebimento do benefício de previdência complementar. Posto isso, a ausência de criação de regras de transição para disciplinar a sucessão de leis no tempo, gerou a incidência do tributo também sobre os resgates e benefícios referentes às contribuições realizadas no período de vigência da Lei 7.713/88, o que implica em inegável bis in idem. A título ilustrativo, colaciono os precedentes do STJ, abaixo transcritos. TRIBUTÁRIO E PROCESSO CIVIL. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA 282/STF. IRPF. COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. LEIS 7.713/88 (ART. 6º, VII, B) E 9.250/95 (ART. 33) E MP 2.159-70/01. INCIDÊNCIA SOBRE O BENEFÍCIO. BIS IN IDEM. PRAZO PARA REPETIÇÃO DO INDÉBITO. MATÉRIA PACIFICADA. ORIENTAÇÃO FIRMADA PELA 1ª SEÇÃO DO STJ, NA APRECIAÇÃO DO ERESP 262.475/DF. 1. A ausência de debate, na instância recorrida, sobre os dispositivos legais cuja violação se alega no recurso especial atrai, por analogia, a incidência da Súmula 282 do STF. 2. O recebimento da complementação de aposentadoria e o resgate das contribuições recolhidas para entidade de previdência privada no período de 1º.01.1989 a 31.12.1995 não constituíam renda tributável pelo IRPF, por força da isenção concedida pelo art. 6º, VII, b, da Lei 7.713/88, na redação anterior à que lhe foi dada pela Lei 9.250/95. Em contrapartida, as contribuições vertidas para tais planos não podiam ser deduzidas da base de cálculo do referido tributo, sendo, portanto, tributadas. 3. Com a edição da Lei 9.250/95, alterou-se a sistemática de incidência do IRPF, passando a ser tributado o recebimento do benefício ou o resgate das contribuições, por força do disposto no art. 33 da citada Lei, e não mais sujeitas à tributação as contribuições efetuadas pelos segurados. 4. A Medida Provisória 1.943-52, de 21.05.1996 (reeditada sob o nº 2.159-70), determinou a exclusão da base de cálculo do imposto de renda do "valor do resgate de contribuições de previdência privada, cujo ônus tenha sido da pessoa física, recebido por ocasião de seu desligamento do plano de benefícios da entidade, que corresponder às parcelas de contribuições efetuadas no período de 1º de janeiro de 1989 a 31 de dezembro de 1995" (art. 8º), evitando, desta forma, o bis in idem. 5. Da mesma forma, considerando-se que a complementação de aposentadoria paga pelas entidades de previdência privada é constituída, em parte, pelas contribuições efetuadas pelo beneficiado, deve ser afastada sua tributação pelo IRPF, até o limite do imposto pago sobre as contribuições vertidas no período de vigência da Lei 7.713/88. 6. Questão pacificada pela 1ª Seção no julgamento do ERESP621348/DF, Min. Teori Albino Zavascki, DJ 12.12.2005. 7. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, desprovido. 5 TRIBUTÁRIO. IMPOSTO DE RENDA. PRESCRIÇÃO. COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. ISENÇÃO. LEI Nº 7.713/88. VIGÊNCIA. LIMITE. LEI Nº. 9.250/95. 1. A retenção do tributo pela fonte pagadora não extingue o crédito tributário, o que somente se verifica com a homologação expressa ou tácita do ajuste operado pela autoridade fiscal e a notificação ao contribuinte, seja para o pagamento da diferença do imposto apurado a maior, seja para a devolução em seu favor. 2. Extinto o crédito nos termos acima, o prazo prescricional da pretensão de restituição de Imposto de Renda Retido na Fonte é de cinco anos da notificação do ajuste (sistemática dos cinco mais cinco). 3. Inaplicabilidade da regra do artigo 4º da LC 118/2005, que ainda se acha no período de vacatio legis. 4. Tratando-se de resgate ou recebimento de benefício da Previdência Privada, observa-se o momento em que foi recolhida a contribuição: se durante a vigência da Lei nº. 7.713/88, não incide o Imposto de Renda por ocasião do resgate ou do recebimento do benefício (porque já recolhido na fonte pelo participante); se após o advento da Lei nº. 9.250/95, é devida a exigência (porque não recolhido na fonte). Precedentes. 5. As contribuições realizadas anteriormente à edição da Lei nº. 7.713/88 não foram tributadas na fonte, motivo pelo qual os benefícios a elas referentes sofrem a incidência do Imposto de Renda. 6. Recurso especial de Joe Luiz Viera Costa e outros provido em parte. Recurso especial adesivo da Fazenda Nacional improvido.6 Decerto que, mesmo antes da Lei nº. 7.713/88, já na vigência da Constituição anterior, nem o bis in idem, nem a bitributação eram tolerados, como se infere da regra do § 5º, do art. 18, que rezava: A União poderá, desde que não tenha base de cálculo e fato gerador idênticos aos previstos nesta Constituição, instituir outros impostos, (...). Com isso, qualquer situação caracterizadora do bis in idem ou da bitributação encontrava vedação na Lei Maior, independentemente de haver ou não disciplina para o caso específico. A proibição era e continua sendo dos textos constitucionais, anterior e atual (art. 154, I). Isso significa dizer que, houvesse ou não sido editada a Lei nº. 7.713, de 22.12.88, o autor não poderia sofrer a incidência de imposto de renda sobre os seus proventos, quando as contribuições que lhe foram descontadas, ao tempo em que estava na ativa, já sofreram a incidência da aludida exação. O art. 6º, inciso VII, letra "b", da Lei nº 7.713/88, só veio regulamentar a matéria que, relativamente ao conteúdo, já constituía uma garantia constitucional. Vale transcrever o que dispõe esse artigo: "Art. 6º. Ficam isentos do imposto de renda os seguintes rendimentos percebidos por pessoas físicas: (...) VII. os benefícios recebidos de entidades de previdência privada: (...) b) relativamente ao valor correspondente às contribuições cujo ônus tenha sido do participante, desde que os rendimentos e ganhos de capital produzidos pelo patrimônio da entidade tenham sido tributados na fonte;" Neste dispositivo está clara a isenção de imposto de renda daqueles benefícios recebidos de entidades de previdência privada, relativamente às contribuições pagas pelo beneficiário, desde que os rendimentos e ganhos de capital produzidos pelo patrimônio da entidade previdenciária tenham sido tributados na fonte, não havendo, portanto, que se cogitar em enriquecimento ilícito às custas do erário público. Com efeito, a Lei n.º 7.713/88 deve ser aplicada tão-somente aos recolhimentos efetuados posteriormente à sua edição e anteriormente à vigência da Lei n.º 9.250/95, a qual, como dito alhures, inverteu a sistemática do recolhimento do imposto de renda às entidades de previdência complementar: se antes o desconto se dava quando do recolhimento da contribuição do empregado na ativa, agora, esses valores não sofrem a incidência do tributo em questão, o qual somente incidirá quando do resgate ou recebimento dos proventos de aposentadoria complementar. No processo em análise, o(a) autor(a) efetuou contribuições para a previdência privada durante o período em que laborou para a Petrobrás, na qual se aposentou em dezembro de 1992. Portanto, suas contribuições para a previdência privada no período de janeiro de 1989 e dezembro de 1992 sofreram a incidência de IR retido na fonte. Necessário esclarecer que durante a vigência da Lei 7.713/88 não houve recolhimento indevido do IR. Ora, se a lei previa como fato gerador o recolhimento da contribuição e se esse recolhimento ocorreu durante sua vigência, restaram atendidos todas as condições para a incidência do imposto. O mesmo raciocínio aplica-se à Lei 9.250/95, que previu como fato imponível o resgate e/ou o recebimento do benefício. Embora ambas as normas sejam válidas quando analisadas isoladamente, a aplicação de ambas no decorrer do tempo gerou o duplo pagamento do mesmo tributo em relação às contribuições recolhidas na vigência da Lei 7.713/88 e aos benefícios a ela correspondentes. Para evitar esse duplo pagamento, a melhor solução é que haja a restituição dos valores recolhidos a título de imposto de renda incidente sobre os benefícios a partir de janeiro de 1996, no valor correspondente ao montante do tributo recolhido sob a égide da Lei 7.713/88, deduzida a parcela eventualmente prescrita. E no caso concreto, para o cálculo do valor a ser restituído, há de se apurar o montante de IR pago no período de janeiro de 1989 a dezembro de 1992, acrescido da devida correção monetária dos créditos, que tem o único objetivo de preservar o valor real do que foi pago. Ressalte-se, por fim, que tal restituição não implica em reconhecimento de isenção de IR do benefício de aposentadoria complementar do contribuinte, pois que, uma vez restituído o valor duplamente pago, não há mais que se falar em bis in idem. Ademais, conforme salientei, a Lei 9.250/95 prevê como fato gerador do IR a percepção de benefício de aposentadoria complementar, previsão essa que é plenamente válida e constitucional. III - DISPOSITIVO Ante o exposto, julgo parcialmente procedente o pedido para condenar a Fazenda Nacional a restituir os valores pagos a título de imposto de renda incidente sobre o benefício de aposentadoria complementar da parte autora, no valor correspondente ao que foi pago no período de janeiro de 1989 a julho de 1994, deduzida a parcela prescrita nos termos da fundamentação (f. 07, primeiro parágrafo). Caso o montante pago de IR no período de janeiro de 1989 a julho de 1994 seja maior que o recolhido na vigência da Lei 9.250/95, deverá ser feita a compensação com as parcelas vincendas posteriores à liquidação, até a satisfação integral da prestação assegurada pela sentença. Para atualização dos respectivos valores, em sede de liquidação de sentença, caberá à Fazenda Nacional utilizar-se da taxa SELIC, conforme entendimento jurisprudencial. É necessário ressaltar que a taxa SELIC é inacumulável com correção monetária e juros de mora, uma vez que já os engloba, conforme esclarece este precedente: A partir da vigência da legislação que instituiu a taxa SELIC, esta será a única a ser aplicada, não cabendo a sua acumulação com juros de mora e outros índices de correção monetária.7 Condeno a demandada, ainda, ao pagamento dos honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º, c/c o art. 21, ambos do CPC. A União está isenta de custas. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal da 1ª Vara 1 - CPC, art. 319. 2 - CPC, art. 320, II. 3 - SANTOS, Ernane Fidélis dos, Manual de Direito Processual Civil, 5ª ed., editora Saraiva. 4 STJ. AIERESP 644.736. Corte Especial. Relator: Teori Albino Zavascki. DJ: 27/08/2007, pág. 170. 5 - STJ. RESP 884076 / PE 2006.0204746-6 Min. Teori Albino Zavascki. Primeira Turma. DJ 29.03.2007 p. 238 6 - STJ. RESP 644598. 2ª Turma. Rel. Castro Meira. DJ 23/05/2005. Pág.: 218. 7 - STJ, EDRESP 359156, 1ª Turma, Rel. Min. GARCIA VIEIRA, DJ 17/02/2002, pág.: 203. ?? ?? ?? ?? XI Proc.: nº 2008.85.00.004821-8 VI XI

   

CARTA DE SENTENÇA

   

0004476-82.2001.4.05.8500 AFIPRESE - ASSOCIACAO DOS FISCAIS DE CONTRIBUICOES PREVIDENCIARIAS DE SERGIPE (Adv. ANTONIO ALVES DE SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. CARLOS ALBERTO RODRIGUES)

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Processo nº 2001.85.00.004476-0- 1ª Vara. Classe 59 - Carta de Sentença Requerente: AFIPRESE - ASSOCIAÇÃO DOS FISCAIS DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DE SERGIPE. Requerido: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS. S E N T E N Ç A Depois da prolação da sentença no processo de conhecimento, a parte vencedora requereu o cumprimento sob a forma de carta de sentença. Após a realização de alguns atos processuais, a autora peticionou para requerer (f. 271-275) a renúncia ao direito de alguns substituídos, uma vez que os mesmos irão receber as parcelas devidas em processo idêntico, que tramita na 20ª Vara Federal do Distrito Federal. O objetivo do processo de execução é a satisfação do direito do credor pela transferência de bens do patrimônio do devedor, em quantidade suficiente. A jurisprudência pátria pacificou o entendimento de que a extinção do processo de execução pode se dar por outras causas, além das elencadas no art. 794, do CPC. Observo que houve pedido de renúncia ao "direito de receber as parcelas pretéritas de GEDAT, por meio deste processo", em relação a alguns substituídos (f. 273-274), tendo em vista o recebimento da quantia em processo idêntico. Assim, aplico, analogicamente, o art. 269, V, do CPC: Art. 269. Haverá resolução de mérito: V - quando o autor renunciar ao direito sobre que se funda a ação. Diante do exposto, extingo o processo com resolução de mérito (art. 269, V, do CPC), em relação aos substituídos ALDA SANTOS CRUZ, ANTONIO ROZA NETO, ARIOVALDO DE MENEZES RAMOS, ADNA MARIA DANTAS FARIAS, ANA CRISTINA CARMELO DE LIMA, AURELINA CARDOSO FIALHO, CELSO DANTAS DE ARAÚJO, CÉZAR DA SILVA SABINO, CLEONE RODRIGUES DE SOUZA, DIVA ALVEZ DE OLIVEIRA, DIVANETTH PEREIRA ALVES DO PRADO, ELIFIA SANTANA DE MORAES, FRANCISCO DE ASSIS LIMA GAMA, GERDAL PRADO MESQUITA, GICÉLIA OLIVEIRA DE SANTANA, GILBERTO DO PRADO MELO TORRES, GLADISTON FERREIRA DOS SANTOS, GEOVANA MARIA SANTANA, HILDA BUATIM GUERRA, IEDA MARIA CAMPOS DE SOUZA SANTOS, IDALÍCIO COSTA MACIEIRA, JETHRO TELES MOREIRA, JOÃO BATISTA DAS CHAGAS NETO, JOÃO ROCHA DE OLIVEIRA, JOÃO SANTOS, JORGE LOURENÇO BARROS, JOSÉ DA SILVEIRA SALES, JOSÉ PEDRO DE REITAS, JOSÉ ROCHA MENDONÇA, JOSÉ ROSA DE OLIVEIRA NETO, JOSEFA EUNICE DE SOUZA AGUIAR, JUDITE BARRETO DE OLIVEIRA, LÊNIA DE BULHÕES BARBOSA PISCETTA, LUIZ CARLOS MACIEL DE ANDRADE, LÚCIA TEIXEIRA LUDOVICE, MANOEL ALVES GOMES, MANOEL DOS SANTOS SILVA, MANOEL GONÇALVES DE ALMEIDA, MANOEL MESSIAS NETO, MARGARIDA AMRIA MACEDO DE MELO, MARIA DO CARMO MAYNARD MONTALVÃO, MARIA MENEZES LOBÃO, MARIA RITA DE SANTANA NUNES, MARIA BERNADETE LIMA DE FARIAS, MARIA LEOPOLDINA OLIVA SILVEIRA, MARIA LÍGIA DE VASCONCELOS AGUIAR, MARIA NIVALDA DE OLIVEIRA, ORLANDO MILITÃO DE ARAÚJO, OSVALDO COTIAS DE ANDRADE, RAYMUNDO DE PAIVA MELLO, REGINA BORGES DA COSTA, ROSA MARIA NASCIMENTO FREIRE, SALUSTIANO AMBRÓSIO DOS SANTOS NETO, SÔNIA MARIA DE OLIVEIRA FONTES, TARCILA DOS SANTOS BRITO, VILNA MARIA CARMELO DE LIMA, VIVETE DO NASCIMENTO CARDOSO, WILDA DANTAS MANGUEIRA MARQUES, WALTER CAVALCANTE, WILSON QUEIROZ DA SILVA, WOLNEY SOBRAL TORRES e ZILDA PEREIRA DO NASCIMENTO. O feito deve continuar aguardando o resultado final dos embargos à execução quanto aos demais substituídos (f. 274-275). Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal II

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0000967-65.2009.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. LYTS DE JESUS SANTOS) x ALEX SANDRO DAS CHAGAS (Adv. JULIO ROCHADEL MOREIRA E OUTRO)

Nos termos do inciso 05, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do TRF da 5ª Região, fica a parte embargada intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da certidão/cálculos da Contadoria do Juízo, de fl. retro, no prazo de quinze dias.

   

0000968-50.2009.4.05.8500 UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. ISABELA MARIA AMARAL MACIEL) x MARIA HELENA DANTAS VITORIO E OUTROS (Adv. JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA PRADO E OUTRO, MARILIA NABUCO SANTOS, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR, THAIS MAIA DE BRITTO)

Recebo a apelação, declarando-lhe ínsito o efeito devolutivo. Abra-se vista dos autos ao apelado (embargado) para, querendo, trazer sua resposta, no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe. Intimar.

   

0003194-28.2009.4.05.8500 UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. ELIANA MARIA VASCONCELLOS MACHADO LIMA) x LUIZ MARIO OLIVEIRA DANTAS (Adv. LUIZ MARIO OLIVEIRA DANTAS)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.003194-6 - Classe 209 - 1ª Vara. EMBARGOS À EXECUÇÃO CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. Embargante(s): UNIÃO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL). Embargado(a): Luiz Mário Oliveira Dantas. SENTENÇA I - RELATÓRIO Cuido de embargos à execução de sentença promovidos pela UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) em face de Antônio Emílio Araújo. A embargante alega que os cálculos apresentados pelo embargado, em relação à liquidação da sentença proferida na ação ordinária nº 2004.85.00.001117-2, estão incorretos. Assim, requer a redução da quantia executada nos autos em apenso para R$ 481,67. Junta planilha para embasar os cálculos apresentados (f. 04). Instado1 a se manifestar, o embargado concorda com os cálculos apresentados pela parte ativa, mas ressalta que os embargos podem ser considerados irrelevantes, uma vez que a diferença de valores decorreu da aplicação de índice de atualização monetária. Argumenta que em julho de 2009, o montante devido perfaz R$ 499,03 (quatrocentos e noventa reais e três centavos) e pleiteia a correção do pólo passivo para que conste o nome "Luiz Mário Oliveira Dantas" por tratarem os autos de honorários advocatícios concedidos no feito originário. Relatado. Decido. II - FUNDAMENTAÇÃO A insurgência do embargante se resume a existência de excesso de execução. Na execução por quantia certa, ocorre excesso quando se cobra mais do que o devido. O nosso estatuto processual civil dispõe que: Há excesso de execução: I- quando o credor pleiteia quantia superior à do título.2 O saudoso Pontes de Miranda assim conceitua excesso de execução: "é pedir-se liquidação ou penhora, de mais do que é devido; (...); ter-se exigido depósito de mais do que o equivalente da coisa devida, ou ter-se omitido contraprestação".3 In casu, verifico que o embargado atualizou o montante objeto da condenação, correspondente a R$ 400,00, para a monta de R$ 545,40. Por outro lado, a embargante apontou como correta a quantia de R$ 481,67. Questionado sobre o ponto, o exeqüente, ora demandado, concordou com o quantum atualizado pelo embargante. Contudo, ressaltou que executou o valor correto da condenação e pugnou pela condenação da União Federal nas cominações de estilo. Apesar das considerações do exeqüente, o fato de, após a propositura da ação, o mesmo atender ao pleito do autor - objeto desta demanda - conduz à conclusão de que o demandado reconheceu o pedido do embargante. Assim, acolho os presentes embargos. III - DISPOSITIVO Destarte, forte nos fundamentos expendidos, extingo o processo com resolução de mérito, com espeque no art. 269, II, do CPC e julgo procedentes os embargos, para determinar o prosseguimento da execução de sentença de nº 2004.85.00.001117-2 com o valor indicado pelo embargante e aceito pelo embargado, ou seja, R$ 481,67 (quatrocentos e oitenta e um reais, sessenta e sete centavos). Condeno o embargado em honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 50,00 (cinqüenta reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, §4º do CPC e, ainda, considerando a singeleza da questão. À SD para correção da parte passiva da demanda para "Luiz Mário Oliveira Dantas", pois versam os embargos sobre honorários advocatícios concedidos ao causídico nos autos principais (f. 57). As partes estão isentas de custas. Juntar cópia desta sentença aos autos da execução pertinente. Desapensar, certificando-se em ambos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 10 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 F. 09/10. 2 CPC, art. 743. 3 - MIRANDA, Pontes de. Comentários ao Código de Processo Civil, Tomo XI, Editora Forense, 2ª Edição, 2002. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.003194-6 II Telma Maria Santos Juíza Federal

   

0003365-82.2009.4.05.8500 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. ALBERTO L. DE AZEVEDO FILHO (INSS)) x RITA PRADO ARAUJO (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.003365-7 - Classe 73 - 1ª Vara. EMBARGOS À EXECUÇÃO. Embargante(s): Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Embargado(a): Rita Prado Araújo. SENTENÇA I - RELATÓRIO O Instituto Nacional do Seguro Social - INSS - devidamente intimado nos autos em apenso (2005.85.00.002795-0), opôs embargos à execução em face de Rita Prado Araújo, objetivando a redução do valor, sob o fundamento de excesso de execução correspondente a R$ 38.683,08 (trinta e oito mil seiscentos e oitenta e três reais e oito centavos). Alega que os cálculos apresentados pelo embargado, em relação à liquidação da sentença proferida na referida ação ordinária, estão incorretos em decorrência da majoração da renda mensal devida durante todo o período calculado pelo exeqüente. Junta planilha e documentos para embasar os cálculos apresentados (f. 04/13). Instado (f. 15) a se manifestar, o embargado concorda com os cálculos apresentados pelo INSS e pugna pela não-condenação em honorários advocatícios (f. 18/19). Volveram os autos conclusos para sentença. II - FUNDAMENTAÇÃO A insurgência do embargante se resume a existência de excesso de execução. Na execução por quantia certa, ocorre excesso quando se cobra mais do que o devido. O nosso estatuto processual civil dispõe que: Há excesso de execução: I- quando o credor pleiteia quantia superior à do título.1 O saudoso Pontes de Miranda assim conceitua excesso de execução: "é pedir-se liquidação ou penhora, de mais do que é devido; (...); ter-se exigido depósito de mais do que o equivalente da coisa devida, ou ter-se omitido contraprestação".2 In casu, verifico que o embargado concordou com os valores apresentados pelo embargante. O fato de, após a propositura da ação, o demandado atender ao pleito do autor - objeto desta demanda, conduz à conclusão de que o réu reconheceu o pedido do embargante. III - DISPOSITIVO Em face do reconhecimento da procedência do pedido, extingo o processo com resolução de mérito, com espeque no art. 269, II, do CPC, para determinar o prosseguimento da execução de sentença de nº 2005.85.00.002795-0 com o valor indicado pela embargante e aceito pelo embargado, ou seja, R$ 20.572.96 (vinte mil, quinhentos e setenta e dois reais, noventa e seis centavos). Com base no princípio da causalidade, condeno o embargado em honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 100,00 (cem reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. As partes estão isentas de custas. Juntar cópia desta sentença e dos cálculos de f. 04/13 aos autos da execução pertinente. Desapensar, certificando-se em ambos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 10 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 CPC, art. 743. 2 - MIRANDA, Pontes de. Comentários ao Código de Processo Civil, Tomo XI, Editora Forense, 2ª Edição, 2002. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.003365-7 2

   

0003821-66.2008.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. JOSÉ CARLOS BARRETO JÚNIOR) x JOAQUIM BARBOSA FRANCA NETO E OUTROS (Adv. JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2008.85.00.003821-3 - Classe 73 - 1ª Vara. EMBARGOS À EXECUÇÃO Embargante(s): União Federal. Embargado(a): Joaquim Barbosa Franca Neto e outros. SENTENÇA I - RELATÓRIO Cuido de embargos à execução de sentença promovidos pela União Federal contra Joaquim Barbosa Franca Neto e outros. A embargante alegou que os cálculos apresentados pelos embargados (R$ 70.582,33), em relação à execução da sentença da ação ordinária nº 98.0000287-1, estão incorretos, e concluiu pela quantia de R$ 41.358,01. Afirmou que os exeqüentes incluiram parcelas indevidas no cálculo, como salário família, adiantamento de gratificação natalina, décimos etc. Juntou planilha e documentos para embasar seus cálculos (f. 05-11). Instados a se manifestarem, os embargados afirmaram (f. 19-20) que "as rubricas apontadas pela embargante, com exceção do salário família e do Adiantamento da Gratificação Natalina, não foram computados nos cálculos". Os autos foram enviados à Contadoria desta Seção Judiciária. O responsável pelo setor apresentou (f. 23-24) novos cálculos, em razão da imprecisão dos trazidos pelas partes, e concluiu pela quantia de R$ 40.873,88. Intimadas da manifestação da Contadoria, ambas as partes concordaram com o referido setor (f. 28 e 32). II - FUNDAMENTAÇÃO A insurgência da embargante se resume a existência de excesso de execução. Na execução por quantia certa, ocorre excesso quando se cobra mais do que o devido. O nosso estatuto processual civil dispõe que: Há excesso de execução: I- quando o credor pleiteia quantia superior à do título.1 O saudoso Pontes de Miranda assim conceitua excesso de execução: "é pedir-se liquidação ou penhora, de mais do que é devido; (...); ter-se exigido depósito de mais do que o equivalente da coisa devida, ou ter-se omitido contraprestação".2 In casu, verifico que o embargante requer a diminuição do valor executado, pois afirma que houve equívoco nas parcelas inseridas no cálculo. Com efeito, a Contadoria apresentou outros cálculos, e esclareceu que discorda dos cálculos de ambas as partes. Aduziu que "concorda com as alegações da embargante, no que concerne à inclusão de parcelas que não compõem a base de cálculo, conforme conta apresentada pelo embargado no feito principal". Disse, ainda, que, "quanto aos cálculos do embargante, estes merecem acrescentar as parcelas de 13º salário sobre as diferenças do mês de dezembro de cada ano". Apresentou nova planilha atualizada, na f. 24. Observo que, devidamente intimadas, ambas as partes concordaram com os cálculos apresentados pela Contadoria Judicial. Deitando os olhos sobre os cálculos presentes nos autos do processo principal, percebo que de fato houve excesso no quantum apurado pelo embargado. Entretanto, saliento que os valores apresentados pela parte ativa também estão em desconformidade com o comando sentencial. Assim, tenho como corretos os cálculos da Contadoria Judicial, e a execução deve seguir-lhes. III - DISPOSITIVO Forte nos fundamentos expendidos, extingo o processo com resolução de mérito e julgo parcialmente procedentes os embargos, para determinar o prosseguimento da execução de sentença de nº 98.0000287-1 com o valor indicado pela Contadoria desta Seção Judiciária, ou seja, R$ 40.873,88 (quarenta mil, oitocentos e setenta e três reais, oitenta e oito centavos). Tendo em vista a sucumbência recíproca, deve cada parte arcar com a respectiva verba honorária, a teor do art. 21, caput, do CPC. As partes estão isentas de custas. Juntar cópia desta sentença e dos cálculos de f. 24 aos autos da execução pertinente. Desapensar, certificando-se em ambos. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 CPC, art. 743. 2 - MIRANDA, Pontes de. Comentários ao Código de Processo Civil, Tomo XI, Editora Forense, 2ª Edição, 2002. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2008.85.00.003821-3 3

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA

   

0000549-50.1997.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVICO PUBLICO FEDERAL DO ESTADO DE SERGPE - SINTSEP/SE (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FNS (Adv. LEANDRO DOS S. R. DE CAMPOS)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado e levantado pelos credores, evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União, bem como que os valores indevidamente levantados por parte do il. procurador da parte credora fora restituído e já convertido em renda da União. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0002193-81.2004.4.05.8500 ABELARDO ALVES TEIXEIRA (Adv. ADELMA PINHEIRO FERNANDES DA SILVA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. VANIA MARIA AQUINO DE CERQUEIRA)

Há, nos autos, a comprovação de que os depósitos referentes às verbas requisitórias foram efetuados (fls. 167/168), evidenciando devidamente cumprida a obrigação do INSS em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo o feito, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Intimar. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0002573-51.1997.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO, JOAO SANTANA FILHO, JOSE ELENALDO ALVES DE GOIS, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. LEANDRO DOS SANTOS RODRIGUES CAMPOS)

Aguardar, por vinte dias, apresentação do valor exequendo referente à credora Maria Bernadete Cardoso Loiola Monteiro. Ultrapassado tal prazo sem qualquer manifestação, retornar ao arquivo com nova baixa, ressalvando-se à parte autora o seu desarquivamento apenas mediante a apresentação do cálculo devido. Intimar.

   

0005701-74.2000.4.05.8500 MARIA DA CONCEIÇÃO LEÃO LIMA E OUTROS (Adv. LEZIO LOPES DA ROCHA, VALERIA AUGUSTA F. MONTALVAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x UNIAO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

Nos termos do inciso 05, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do TRF da 5ª Região, fica a parte credora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos do despacho e cálculos de fl. 438/4439, no prazo de cinco dias.

   

MEDIDA CAUTELAR DE BUSCA E APREENSÃO

   

0003781-21.2007.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. MARIA DA PURIFICACAO OLIVEIRA SANTOS, ANTONIA MARIA MENEZES OLIVEIRA, VANIA MARIA PRADO N. SANTOS) x INVISTA DISTRIBUIDORA DE PEÇAS E EQUIPAMENTOS AUTOMOTIVOS LTDA E OUTRO

Converto o julgamento em diligência. Tendo em vista que não foram encontrados (f. 69, 73 e 76) os requeridos nem os bens objeto da busca e apreensão deferida pela decisão liminar de f. 62-64, determino a suspensão do feito, pelo prazo de 06(seis) meses. Intimar a CEF. Após, aguardar em cartório. Decorrido o prazo acima sem manifestação da Caixa Econômica Federal, arquivar, com baixa na distribuição.

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000877-04.2002.4.05.8500 ANTONIO SOUSA MATOS (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. VANIA MARIA AQUINO DE CERQUEIRA)

A requisição de informações é excepcional, somente se justificando quando houver resistência em prestá-las. Assim, intime-se a requerente para, no prazo de 15 (quinze) dias, comprovar que requereu pessoalmente tais informações e que decorreu um prazo razoável sem resposta. Não trazendo o credor informações que viabilizem o prosseguimento do feito, arquivar com baixa na Distribuição, ressalvando o direito de o credor a qualquer tempo, enquanto não prescrita a dívida, promover o prosseguimento da execução. Intimar.

   

0002543-16.1997.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVICO PUBLICO FEDERAL NO ESTADO DE SERGIPE - SINTSEP/SE (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, MARCEL COSTA FORTES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES, JOAO SANTANA FILHO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Processo nº 97.2543-8, Classe 97 - Execução de Sentença PROCESSO N° 97.2543-8 CLASSE 97 - EXECUÇÃO DE SENTENÇA EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL NO ESTADO DE SERGIPE - SINTSEP/SE EXECUTADO: UNIÃO FEDERAL SENTENÇA: Vistos, etc. A executada/União embargou os cálculos de f. 423/462 e juntou aos autos dos embargos, processo nº 2005.85.00.967-4, documentos (f. 05/14) que informam, em relação aos exeqüentes: Edson Souza Fiel, Epiphanio da Guia Reis, Euflosina Silveira, Eugenio Paulo Siqueira, Eurípedes Monteiro da Cruz, Eutimio Ferreira da Cruz Lima, Evany Francisco dos Santos, Firmino dos Santos, Getulio Alves Barbosa e Genaro Lima Ribeiro, acordo de pagamento administrativo dos 28,86%. O patrono dos exeqüentes, intimado para impugnar os embargos, silenciou a respeito da referida transação e apenas solicitou que os autos fossem remetidos ao Contador Judicial, conforme petição de f. 54. Remetidos os autos, o Contador retificou os cálculos de liquidação de f. 423/462 e elaborou nova planilha de cálculo (f. 57/65), da qual foram excluídos os autores acima relacionados, com exceção de Genário Lima Ribeiro. Intimado, o advogado dos credores manifestou sua concordância (f. 111) com os cálculos da Contadoria do Juízo. Compulsando os autos verifico que, em relação à Epiphanio da Guia Reis, Eurípedes Monteiro da Cruz, Getulio Alves Barbosa, Edson Souza Fiel, Eugenio Paulo Siqueira e Eutimio Ferreira da Cruz Lima, há nos autos sentença homologatória de acordo (f. 223 e 231). Pelo exposto, em face do silêncio da parte ativa em relação à informação e documentos de f. 02/14, dos embargos à execução, processo nº 2005.85.00.967-4, homologo, por sentença, o acordo pactuado, para que produza os seus efeitos jurídicos e legais e, via de conseqüência, extingo o processo com resolução do mérito em relação aos autores Evany Francisco dos Santos, Euflosina Silveira e Firmino dos Santos, com base no art. 269, III, do Código de Processo Civil. Indefiro o pedido de habilitação de f. 496/556, dos herdeiros do falecido autor Firmino dos Santos, em face da transação. Em face do trânsito em julgado da sentença proferida nos Embargos à Execução nº. 2005.85.00967-4, acostada aos autos em fls. 485/487, expedir Requisição de Pagamento (RPV/Precatório), com base nos cálculos de fls. 476/484, devidamente atualizada por um dos servidores desta Vara, nos termos da Resolução 055, de 14 de maio de 2009, do Conselho da Justiça Federal. Intimar a parte executada, por vista nos autos, acerca da Requisição de Pagamento expedida. Intimar o(s) beneficiário(s) da(s) requisição(ões) para: 1 - acompanhar a sua tramitação junto ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região; 2 - levantar a(s) quantia(s) depositada(s) independente de alvará judicial quando do seu pagamento junto à instituição financeira. 3- dizer se tem algo mais a requerer. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 17 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal - 1ª Vara

   

0002599-39.2003.4.05.8500 GILMAR RODRIGUES DOS SANTOS (Adv. CLÁUDIO MIGUEL MENEZES DE OLIVEIRA) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

Há erro material no despacho de f. 204. Onde se lê: " ... Por equívoco foi expedida a requisição de pagamento de f. 196, solicitando o pagamento dos honorários a favor do advogado, Gilmar Rodrigues dos Santos, no montante de R$ 239,83, bem como o pagamento do valor devido ao exeqüente sem compensação do valor a ser pago pelo mesmo a título de litigância de má-fé. ................................................................................... Assim, intimar o advogado, Gilmar Rodrigues dos Santos para, no prazo de 05 (cinco) dias, restituir o valor pago indevidamente a título de honorários advocatícios. Efetivado o pagamento, converter o depósito em renda da Fazenda Nacional, com as cautelas de praxe. ................................................................................... Leia-se: "" ... Por equívoco foi expedida a requisição de pagamento de f. 196, solicitando o pagamento dos honorários a favor do advogado, Cláudio Miguel Menezes de Oliveira, no montante de R$ 239,83, bem como o pagamento do valor devido ao exeqüente sem compensação do valor a ser pago pelo mesmo a título de litigância de má-fé. ................................................................................... Assim, intimar o advogado, Cláudio Miguel Menezes de Oliveira para, no prazo de 05 (cinco) dias, restituir o valor pago indevidamente a título de honorários advocatícios. Efetivado o pagamento, converter o depósito em renda da Fazenda Nacional, com as cautelas de praxe. ................................................................................... Intimar.

   

0002809-03.1997.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

Cuido de embargos de declaração interpostos em face decisório que extinguiu a presente execução (f. 947), sob o fundamento da existência de tais vícios: a)omissão, uma vez que a sentença extintiva não determinou condenação de verba honorária em favor da parte credora; b)contradição, eis que não houve a satisfação plena da obrigação, tendo em vista que, quando da expedição do precatório, não se observou a inclusão dos juros de mora. A teor da norma processual pertinente, tal recurso é cabível quando: I - houver, na sentença ou no acórdão, obscuridade ou contradição. II - for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou tribunal1. Da simples leitura do dispositivo legal transcrito, infere-se que o pedido aclaratório pressupõe a existência de obscuridade e/ou contradição e/ou omissão no comando judicial, eis que não se apresenta de forma clara e coesa, quanto aos fundamentos apresentados Sob tais prismas, não vejo como prosperar o pleito da recorrente. Inexiste, na decisão recorrida, qualquer vício que mereça reparos em sede de embargos de declaração. Com relação à ausência de condenação da verba honorária, incabível nesta fase processual, eis que não se trata mais de um processo em espécie, e sim de uma fase procedimental onde se dá o implemento da matéria delimitada pela sentença/acórdão exequendo, não havendo mais que se falar em honorários advocatícios. Tal sentença, por sua vez, apenas tem o condão de declarar extinto o cumprimento da obrigação a que se submete a parte devedora. Ademais, o dispositivo de lei trazido pela parte autora (art. Art. 20, §4º), quando descreve às execuções, embargadas ou não,..., reporta-se, ao meu ver, por uma interpretação sistemática do código, ao processo executivo de título extrajudicial, onde previamente se definem os honorários para o caso de pronto pagamento, caso não se interponham embargos do devedor. Já na fase de cumprimento de sentença, os honorários, acaso arbitrado, resolver-se-iam na sentença que definiu os embargos (752/755). Se assim não procedeu, tal matéria restou preclusa de discussão. Telma Maria Santos Juíza Federal Analiso, por fim, a contradição levantada pela parte credora. Alega que, quando da expedição do precatório, não foram embutidos os juros cabíveis entre a data do cálculo e a efetiva expedição do requisitório. É de se frisar que a decisão de mérito, em sede de primeiro grau, ao contrário do que argumenta a parte autora, deu pela improcedência do pedido, provimento este cassado pela douta instância superior (fl. 178/182), a qual inverteu o ônus da sucumbência, porém silenciou quanto ao pagamento dos juros pretendidos, matéria esta também preclusa de discussão. Por fim, ressalto que o magistrado não está adstrito às alegações das partes para fundamentar sua decisão. Com a finalidade de ilustrar esse entendimento, colhi o julgado a seguir: O juiz não está obrigado a responder todas as alegações das partes, quando já tenha encontrado motivo suficiente para fundar a decisão, nem se obriga a ater-se aos fundamentos indicados por elas e tampouco responder um a um todos os seus argumentos. (RJTJESP 115/207, citado por NEGRÃO, Teotônio, in Código de processo civil... - 27ª ed. - São Paulo: Saraiva, pág. 414, nota ao art. 535 - 17a) Destarte, a via se apresenta inadequada para o alcance do objetivo da embargante, não sendo este o meio próprio para uma alteração no conteúdo decisório. É remansoso o entendimento de que: Inexistindo na decisão embargada omissão a ser suprida, nem dúvida, obscuridade ou contradição a serem aclaradas, rejeitam-se os embargos de declaração. Afiguram-se manifestamente incabíveis os embargos de declaração à modificação de substância do julgado embargado (...)"2. Ante o exposto, porque ausente qualquer dos elementos autorizativos insertos no art. 535, do CPC, deixo de acolher os presentes embargos. Publicar. Registrar. Intimar. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 - CPC, art. 535, II. 2 STJ, EDcl 13.845, rel. Min. César Rocha, j. 29.06.92 ?? ?? ?? ??

   

0003133-51.2001.4.05.8500 JOSE REGINALDO SOUZA (Adv. VALDEMAR CALUMBY, SERGIO ANDRADE GALVAO, GENISSON CRUZ DA SILVA) x EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. PEDRO GOMES DE MELO, GEANE MONTEIRO GUIMARÃES, MÁRIO MÁRCIO DE SOUZA MAZZONI, ELOÁ DE FREITAS CARDOSO CANGUSSÚ)

Intimar a parte credora (exeqüente) para, no prazo de 05 (cinco) dias, efetivar o pagamento das custas de desarquivamento, sob pena de rearquivamento dos autos. Efetivado o pagamento, em face da anuência da devedora (ECT), manifestada na f. 208, quanto aos valores apresentados pela exeqüente nas fls. 181/185, referentes à liquidação da sentença, expedir Requisição de Pagamento (RPV/Precatório), com base nos cálculos de fls. 181/185, devidamente atualizada por um dos servidores desta vara, nos termos da Resolução 055, de 14 de maio de 2009, do Conselho da Justiça Federal. Após a expedição da requisição intimar as partes e posteriormente encaminhá-la ao TRF-5ª Região. Intimar, ainda, o(s) beneficiário(s) da(s) requisição(ões) para: 1 - acompanhar a sua tramitação junto ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região; 2 - levantar a(s) quantia(s) depositada(s) independente de alvará judicial quando do seu pagamento junto à instituição financeira.

   

0003828-24.2009.4.05.8500 FÁTIMA LÚCIA CALUMBY FERREIRA (Adv. FABIO SILVA RAMOS, GILMÁRIO OLIVEIRA NASCIMENTO JÚNIOR, MANOEL FERREIRA S. FILHO, LISELE SANTOS GARCIA, DEBORA DIAS FREITAS, IVANA KÉCIA CRUZ SANTOS, VANESSA DE ALMEIDA VASCONCELOS) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Intimar as partes para, em 15 (quinze) dias, dizerem se pretendem produzir outras provas, justificando-as. Na mesma oportunidade, devem acostar o respectivo rol de testemunhas, em caso de requerimento de produção de prova oral, com fulcro no art. 407, do Código de Processo Civil.

   

0003891-06.1996.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVICO PUBLICO FEDERAL DO ESTADO DE SERGIPE - SINTSEP/SE (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x INST BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NAT RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. SEM PROCURADOR) x UNIAO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

Defiro o pleito do exeqüente de f. 436, pelo prazo de 60 (sessenta) dias. Transcorrido o prazo acima sem manifestação da parte interessada que possibilite o prosseguimento do feito, rearquivar os autos com baixa na distribuição. Intimar.

   

0004235-98.2007.4.05.8500 SINDICATO NACIONAL DOS SERVIDORES FEDERAIS DA EDUCACAO BASICA E PROFISSIONAL - SINASEFE/SE (Adv. MARCEL COSTA FORTES, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE SÃO CRISTOVÃO (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 375), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União, atual IFS, em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0004340-41.2008.4.05.8500 UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE) x MUNICÍPIO DE JAPARATUBA (Adv. FELIPE SIZINO FRANCO DANTAS, DIRCE REGINA BATISTA DOS SANTOS)

Nos termos do inciso 08, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica(am) o(s) autor(es) intimado(s) a fim de que se manifeste(em), querendo, sobre a contestação da Fazenda Nacional e documentos que a acompanham, no prazo de 10 (dez) dias.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0000181-55.2008.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LENORA VIANA DE ASSIS, CAROLINA CASTRO LEITE E ANDRADE) x ESQUADRISERV LTDA - ME E OUTROS (Adv. SIDNEY RIBEIRO SANTANA)

Em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1 - intimar os devedores/executados do trânsito em julgado da sentença e para cumprimento do decisum, em 15 dias; 2 - na hipótese de descumprimento, aplico multa de 10% sobre o montante total devido. Nesse caso, uma vez que o credor apresentou as petições de fls. 137/139, 142/144, 145/147 e 148/150, proceda-se à penhora e avaliação em bens dos executados.

   

0000523-76.2002.4.05.8500 MARIA DAGMA VANDA CLIMACO (Adv. MARIA LUIZA CARDOSO COELHO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO)

O presente feito não pode ficar indefinidamente à espera de informações que viabilizem o cumprimento da execução. Indefiro o pedido de suspensão formulado (fl. 330) e determino o arquivamento dos autos na forma do despacho de fl. 321. Intimar.

   

0000967-07.2005.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA-GERAL FEDERAL NO ESTADO DE SERGIPE, ANA ELISA SOBRAL V N DA C VIEIRA) x SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, JOAO SANTANA FILHO, MARCEL COSTA FORTES)

A sentença (f. 114/116) acolheu parcialmente os embargos e deixou de condenar as partes em honorários advocatícios. O TRF - 5ª Região negou provimento ao recurso. Assim, nada há a executar. Arquivar os autos com baixa na distribuição. Intimar.

   

0001647-60.2003.4.05.8500 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS - ECT (Adv. PEDRO GOMES DE MELO, LUIZ MONTEIRO VARAS, JOÃO FRANCISCO NERI BEZERRA, GEANE MONTEIRO GUIMARÃES, MÁRIO MÁRCIO DE SOUZA MAZZONI, ana cláudia nascimento da silva, JOSE JACONIAS DE OLIVEIRA, VALFRAN ANDRADE BARBOSA) x JMD PROPAGANDA REP. E EVENTOS LTDA (Adv. SEM ADVOGADO) x JUSSARA RIBEIRO BONFIM (Adv. SEM ADVOGADO)

Trato de Ação Ordinária em que a ECT - Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos pretende que seja decretada a revelia da empresa ré. Uma análise profunda dos autos revela que tal pedido não merece prosperar. A citação ocorrida nas fls. 112 não pode ser considerada válida, eis que feita na pessoa de quem já não fazia mais parte do quadro societário da requerida. A documentação acostada nas fls. 107-109 comprova que ao tempo da citação a Sra. Jussara Ribeiro Bonfim não poderia responder pela empresa ré. Também a intimação ocorrida na pessoa do Sr. Joel (fl. 135) não tem natureza de citação, haja vista não ter preenchido os requisitos constantes do art. 225 do Código de Processo Civil. Desta feita, verifica-se que não há nos autos citação válida, pressuposto indispensável para o regular andamento do feito. Tanto é assim, que esse juízo determinou na fls 136 que se realizasse a citação da requerida. Não havendo citação válida, não há como acolher o pedido de decretação da revelia. Ante o exposto, indefiro o pedido de fls. 189. Citar a requerida na pessoa dos sócios Joel de Oliveira Lima e Gilsomar Barreto da Silva, cujos endereços encontram-se declinados na fl. 130, para, querendo, apresentar resposta no prazo legal. Intimar.

   

0001765-60.2008.4.05.8500 FUNDAÇÃO ASSISTENCIAL DOS SERVIDORES DO MINISTERIO DA FAZENDA - FUNDAÇÃO ASSEFAZ (Adv. JOSE EDUARDO DE SANTANA MACEDO) x CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - 8ª REGIÃO (Adv. SERGIO GOMES DOS SANTOS)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o pagamento foi efetivado pelo CRQ-8ª Região (f. 124), evidenciando devidamente cumprida a sua obrigação em favor da parte credora, inclusive já demonstrado o levantamento do valor em questão por meio de alvará já pago (f. 143). Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0002274-54.2009.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x SOLL - SERVIÇOS, OBRAS E LOCAÇÕES LTDA (Adv. GUILHERME MELO DA COSTA E SILVA, ALEXANDRE DIMITRI MOREIRA DE MEDEIROS, LUIZ GUSTAVO UCHOA DE ALMEIDA, ROBERTA GALVAO ROSAL DE BARROS LIMA, JOSE LOURENÇO DA SILVA FILHO) x TRANSUR RECURSOS HUMANOS LTDA (Adv. LUCIANA LERNER)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.002274-0 - Classe 29 - 1ª Vara. AÇÃO ORDINÁRIA. Autora: TRANSUR RECURSOS HUMANOS LTDA. Ré: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. DECISÃO Após o ajuizamento da presente demanda, deferi a antecipação dos efeitos da tutela, nos termos do pedido formulado na peça vestibular, determinando à demandada que procedesse à sustação da adjudicação dos serviços reportados no Pregão Eletrônico nº 003/7029-2009-GILIC/SA à empresa Soll Serviços Obras e Locações Ltda., ou, caso o serviço já tivesse sido adjudicado, a suspensão imediata da assinatura do contrato com a referida empresa, ou, ainda, na hipótese de o contrato já ter sido assinado, o imediato sobrestamento da execução dos serviços licitados, a fim de evitar prejuízo ao Erário, decorrente de contratação nula. A requerida insurgiu-se contra essa decisão, através de embargos de declaração. Preliminarmente, formulou pedido de reconsideração e requereu a revogação da decisão em tela, sob o argumento de que não se encontram presentes os pressupostos autorizadores, em face da inexistência do bom direito alegado. Quanto aos embargos propriamente dito, alegou que houve obscuridade no ato judicial e, diante a firmação do contrato com a empresa vencedora do certame, ocorrida antes da sua intimação sobre a antecipação dos efeitos da tutela, pediu que este Juízo esclarecesse as a seguintes indagações: a) a CEF deve rescindir o contrato vigente? b) nessa hipótese poderá fazer contrato emergencial, contratando uma terceira empresa? c) a empresa DELTA, melhor classificada que a TRANSUR poderá ter adjudicado o contrato? d) considerando que o julgamento definitivo, transitado em julgado não pode ser objetivamente fixado, por quanto tempo seria a contratação emergencial? e) na hipótese de rescisão do contrato em vigor, a Autora arcará com as indenizações pelos prejuízos sofridos pela CEF, se esta Ré vier a ser vencedora da demanda? Pediu a reconsideração da decisão ou o acolhimento dos embargos de declaração, complementando-se o comando jurisdicional, tendo em vista os desdobramentos que o seu cumprimento acarretaria. Rejeitei os embargos e indeferi o pedido de reconsideração através da decisão de f. 291/295. Inconformada, a demandada propôs novos embargos de declaração, desta feita sob o argumento de existência de omissão e obscuridade na decisão embargada, aonde praticamente reitera os fatos e fundamentos do pedido formulado no recurso anterior. RELATEI. DECIDO. Ressalto, inicialmente, que se vem abrandando a admissibilidade dos embargos de declaração, quer em sede de ato judicial agravável ou apelável. A teor da norma processual pertinente, os embargos de declaração são cabíveis quando: I - houver, na sentença, ou no acórdão, obscuridade ou contradição; II - for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou o tribunal.1 Da simples leitura do dispositivo legal transcrito infere-se que o pedido aclaratório pressupõe a existência, no comando judicial, de obscuridade e/ou contradição e/ou omissão. Segundo a boa doutrina jusprocessualista: "a obscuridade encontra-se em oposição à clareza da sentença, (...) deixando dúvida sobre o que está exposto"2 A contradição pode dar-se entre a fundamentação e a parte conclusiva da sentença ou dentro do próprio dispositivo.3 A omissão que enseja complementação por meio de EDcl é a em que incorreu o juízo ou tribunal, sobre ponto que deveria haver-se pronunciado, quer porque a parte expressamente o requereu, quer porque a matéria era de ordem pública e o juízo tinha decidi-la ex offício.4 Ao lado disso, o mesmo diploma legal, dispõe que: Ao publicar a sentença de mérito, o juiz cumpre e acaba o ofício jurisdicional, só podendo alterá-la: I - para lhe corrigir, de ofício ou a requerimento da parte, inexatidões materiais, ou lhe retificar erros de cálculo;5 É pacifico o entendimento jurisprudencial e doutrinário de que, também os casos acima especificados, ou seja, a inexatidão material e o erro de cálculo são passíveis de correção por via embargos de declaração. São cabíveis embargos declaratórios quando houver na decisão embargada qualquer contradição, omissão ou obscuridade a ser sanada. Podem também ser admitidos para a correção de eventual erro material, consoante entendimento preconizado pela doutrina e jurisprudência, sendo possível, excepcionalmente, a alteração ou modificação do decisum embargado. Inviáveis, entretanto, para a rediscussão de matéria fundamentadamente apreciada.6 Os embargos declaratórios apresentados estão calcados no entendimento de que há omissão e obscuridade na decisão recorrida. Sob esse prisma, não vejo como prosperar o pleito da recorrente. Isso porque a decisão atacada é de clareza evidente e não apresenta defeitos internos nem omissões a suprir. É remansosa lição de que: Inexistindo na decisão embargada omissão a ser suprida, nem dúvida, obscuridade ou contradição a serem aclaradas, rejeitam-se os embargos de declaração. Afiguram-se manifestamente incabíveis os embargos de declaração à modificação de substância do julgado embargado(...)"7. É cedido que o magistrado, ao examinar o objeto da lide, vale-se do seu próprio convencimento e, no exercício dessa atividade intelectiva, não está adstrito às alegações e invocações normativas das partes. O juiz não está obrigado a responder todas as alegações das partes, quando já tenha encontrado motivo suficiente para fundar a decisão, nem se obriga a ater-se aos fundamentos indicados por elas e tampouco responder um a um todos os seus argumentos. (RJTJESP 115/207, citado por NEGRÃO, Teotônio, in Código de processo civil... - 27ª ed. - São Paulo: Saraiva, pág. 414, nota ao art. 535 - 17a) Ademais, o âmbito de abrangência do dispositivo decisório decorre dos fatos, da legislação aplicável e do pedido, aos quais está diretamente ligado, e prescinde de explicitação. Destarte, a via aclaratória apresenta-se inadequada para o alcance do objetivo da embargante, não sendo este o meio próprio para uma suposta alteração no conteúdo decisório. Vale lembrar que a embargante interpôs agravo de instrumento, recurso adequado à obtenção do seu pleito, ao qual, inclusive, foi atribuído efeito suspensivo. Em face desses fundamentos, deixo de conhecer os presentes embargos declaratórios. No que se refere ao pedido da demandante, formulado em f. 307/309, encontra-se prejudicado, em face da decisão proferida no agravo de instrumento, que atribuiu efeito suspensivo ao mesmo (f. 353/358). Quanto ao pleito do SINDICESE (f. 300), indefiro-o, pois se trata de pessoa estranha à lide, sem legitimidade e desprovida de capacidade postulatória. Por fim, diante da firmação do contrato e do efeito suspensivo atribuído ao agravo de instrumento, intimar a demandante para, no prazo de 10 (dez) dias, promover a citação da empresa SOLL - Serviços, Obras e Locações Ltda., na qualidade de litisconsorte passiva necessária, sob pena de extinção do processo, nos termos do art. 47, parágrafo único, do Estatuto Civil de Ritos. Publicar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 - CPC, art. 535, II 2 - SANTOS, Ernani Fidélis dos. Manual de direito processual civil. - 5ª ed. - . São Paulo: Saraiva, pág. 574 3 - Idem, pág. 575 4 - JÚNIOR, Nelson Nery e NERY, Rosa Maria de Andrade. Código de processo civil comentado e legislação extravagante: atualizado até 1º de março de 2006. - 9ª ed. rev., atual. e ampl. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006, pág. 787, nota 17. 5 - CPC, art. 463. 6 - STJ. T5. EDAGA 467972/PE. Rel. Ministro Félix Fischer. DJ 19/05/2003, pág. 249. 7 - STJ, EDcl 13.845, Rel. Ministro César Rocha, j. 29.06.92 ?? ?? ?? ?? Processo nº 2009.85.00.002274-0. IV TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal Proc. nº 2009.85.00.002274-0. V

   

0002546-48.2009.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x CHRYS ANDRADE ALVES NASCIMENTO (Adv. LUCIANO VIEIRA NASCIMENTO NETO, ALEX ROCHA MATOS)

Processo nº. 2009.85.00.002546-6 - 1ª Vara Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor: Chrys Andrade Alves Nascimento. Réu: Caixa Econômica Federal - CEF. E M E N T A: CIVIL. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. PRESCRIÇÃO VINTENÁRIA. IPC. ÍNDICES DE 84,32% ou 44,80%, 22,48%.PLANOS COLLOR I e II. S E N T E N Ç A I. Relatório Trato de ação ordinária de cobrança, com pedido liminar de exibição de extratos, proposta por Chrys Andrade Alves Nascimento contra a CEF - Caixa Econômica Federal, através da qual as demandantes pretendem receber o valor resultante da aplicação dos índices de inflação expurgados, por ocasião dos Planos Collor I e II. Alegaram que entre os meses de março de 1990 não foram aplicados aos saldos das cadernetas de poupança as devidas correções (84,32%), bem como em abril de 1990 (84,32% ou 44,80%) e fevereiro de 1991 (22,48%). Pugnou pela aplicação dos referidos índices. Na decisão de fls. 40-41, indeferi a liminar requerida. Em sede de contestação (f. 50-65), a CEF alegou, preliminarmente, a sua ilegitimidade passiva ad causam e a ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação. No mérito, argüiu a prescrição do Código Civil de 1916 e, caso esta não fosse aplicada, a prescrição consumerista. Aduziu, ainda, a inaplicabilidade da inversão do ônus da prova e refutou todos os argumentos da parte autora, alegando que aplicou todos os índices de correção monetária fixados pelas autoridades monetárias, não havendo, então, que se falar em responsabilidade civil da demandada, bem assim de eventual direito adquirido. A parte autora apresentou réplica em f. 76-99. II. Fundamentação A demandada levantou "preliminares" de ilegitimidade passiva e ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação. Quanto à primeira preliminar suscitada, tenho a esclarecer que a CEF é parte ilegítima para proceder à atualização monetária dos saldos de caderneta de poupança bloqueados, cujas datas de aniversário são posteriores à transferência de titularidade dos ativos financeiros para o BACEN. Este é o entendimento firmado pela 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (ERESP 151.255/PR, DJ de 01.02.2005) e também acolhido pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (grifos nossos): ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL - CADERNETA DE POUPANÇA - REPOSIÇÃO DE CORREÇÃO MONETÁRIA - 26,06% (PLANO BRÉSSER - JUNHO/1987), 42,72% (PLANO VERÃO - JANEIRO/89), 72,78% (IPC DE FEVEREIRO DE 1990, PARA AS CONTAS REMUNERADAS NA PRIMEIRA QUINZENA DE MARÇO) E 84,32% (IPC DE MARÇO DE 1990 PARA AS CONTAS REMUNERADAS A PARTIR DE 16.0390) - RESPONSABILIDADE DO BANCO DEPOSITÁRIO ATÉ 15.03.90 - RESPONSABILIDADE DO BACEN A PARTIR DE 16.03.90. 1. Remessa oficial e apelação interposta pelo BACEN contra sentença que julgou parcialmente procedente o pedido deduzido na inicial, condenando o réu a corrigir as contas de poupança nºs 015.871-0, 015.872-9 e 015.875-3, com a aplicação do índice de 84,32% (IPC de março/90), deixando de fixar condenação em honorários advocatícios em face da sucumbência recíproca aplicada ao caso em debate. 2. Encontra-se consolidado na jurisprudência de nossos Tribunais, inclusive do Colendo STJ, o entendimento de que a prescrição, na espécie, não é qüinqüenal, e sim vintenária, e de que é do banco depositário a responsabilidade pela remuneração das cadernetas de poupança nos períodos em que foram implantados os denominados planos Brésser, Verão e Collor I, sendo que com relação a este último até o crédito dos rendimentos das contas com datas-base entre 16/03/1990 e 15/04/1990, observado o limite de conversão de NCz$ 50.000,00, nos termos do art. 6º da Lei 8.024/90. A partir de 16/03/1990, o que excedeu, em cada conta, o valor de NCz$ 50.000,00, foi transferido compulsoriamente ao BACEN, exsurgindo, a partir de então, a responsabilidade deste pela remuneração dos ativos recolhidos. Os índices aplicáveis são 26,06% (Plano Brésser - Junho/1987), 42,72% (Plano Verão - Janeiro/89), 72,78% - IPC de fevereiro de 1990, para as contas remuneradas na primeira quinzena de março - E 84,32% - IPC de março/90, para as contas remuneradas até o fim da 1ª quinzena de abril - (Plano Collor). Os ativos não convertidos (os superiores a NCz$ 50.000,00) e recolhidos ao BACEN, passaram a ser corrigidos pela BTNF, nos termos do parágrafo 2º do art. 6º da citada Lei, cuja constitucionalidade foi declarada nos termos da Súmula nº 725/STF: "É constitucional o parágrafo 2º do art. 6º da Lei nº 8.024/90, resultante da conversão da MPr 168/90, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I". 4. No caso dos autos, observa-se que a sentença condenou o BACEN a corrigir monetariamente as contas de poupança do autor, com aplicação do índice de 84,32% (IPC de março/90), cujas datas de remuneração compreendem período anterior a 15.03.90, ou seja, as contas de nºs 015.871-0 (data de abertura 09.03.88), 015.872-9 (data de abertura 04.07.88) e 015.875-3 (data de abertura 13.12.88). 5. Destarte, com base na orientação jurisprudencial acima destacada, verifica-se que o BACEN não tem responsabilidade legal para corrigir as contas poupanças, com aplicação dos expurgos inflacionários, que possuem data de aniversário anterior a 15.03.1990. 6. Apelação e remessa oficial providas.1 Contudo, remanesce a legitimidade da CEF para figurar no pólo passivo das ações em que se pleiteia o pagamento das diferenças de índices de correção monetária aplicados aos saldos de poupança não bloqueados (não transferidos ao BACEN). Quanto à preliminar de ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação, constato que ela se confunde com o mérito da causa, por se referir à prova do alegado e não a documentos indispensáveis para a propositura da ação. Neste ínterim, o art. 282, inciso VI, do CPC é bem claro ao exigir que, em se tratando de provas, é facultado ao autor apenas indicá-las na inicial. Ademais, o STJ já pacificou entendimento de que a apresentação dos extratos não é obrigatória no caso de ajuizamento de ação para correção monetária de poupança, pelo que rejeito a preliminar levantada. Nesse sentido, o julgado a seguir: AGRAVO INTERNO. FGTS. EXTRATOS. NÃO SÃO DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS. I - Registre-se que já resta pacificado no STJ o entendimento no sentido de que "os extratos das contas de poupança não são documentos indispensáveis ao ajuizamento da ação, uma vez provada a titularidade das contas, ainda que essenciais ao julgamento da demanda" (RESP 146734/PR, DJ de 09/06/2000) e que "a prova da existência de saldo positivo nas contas com depósito em cruzados novos bloqueados não configura documento indispensável à propositura da ação em que se postula o recebimento dos chamados expurgos inflacionários decorrentes da edição de planos econômicos." (RESP 215461/SC, DJ de 19/06/2000). II - Agravo Interno improvido.2 Por outro lado, cabível a inversão do ônus da prova em benefício do hipossuficiente, por força do art. 6º, VIII, do CDC, razão pela qual incumbe à instituição financeira a guarda e exibição dos extratos. Inclusive, em razão da atividade por ela exercida. Ademais, a Resolução de nº 913/1984, do Banco Central do Brasil dispõe em seu art. 4º, § 2º, a obrigatoriedade de manutenção das microfilmagens pelo mesmo prazo prescricional atinente aos documentos neles contidos, sendo, nesse caso, de 20 (vinte) anos, nos termos do art. 177 do CC de 1916, c/c art. 2.028, do vigente Código Civil, por tratar de relação jurídica de natureza pessoal3. Passo a analisar a prescrição alegada pela demandada. O caso em questão é regulado pelo Código Civil, à míngua de outra legislação específica. Apesar disso, ao contrário do que sustenta a Caixa, não mediante incidência do art. 178, § 10º, III, do CC/1916, ou do art. 205, § 3º, III, do CC/2002, já que eles se referem a juros, dividendos ou prestações acessórias, situações diferentes desta, que versa sobre correção monetária, mero fator de recomposição da moeda. Na verdade, à questão se aplica o art. 177, caput, primeira parte, do CC/1916, por força do art. 2.028 do CC/2002, o qual prevê o prazo prescricional de 20 anos, por se cuidar de ação pessoal. Esclareço que os juros remuneratórios de conta de poupança, assim como a correção monetária, agregam-se ao capital, tendo, portanto, natureza principal e não acessória, razão pela qual se reconhece a prescrição vintenária, nos ditames dos artigos retro aludidos. Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça já firmou entendimento: EMENTA: CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER (JUNHO DE 1987) E PLANO VERÃO (JANEIRO DE 1989). BANCO DEPOSITANTE. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. CORREÇÃO. DEFERIMENTO. 1 - Quem deve figurar no pólo passivo de demanda onde se pede diferenças de correção monetária, em caderneta de poupança, nos meses de junho de 1987 e janeiro de 1989, é a instituição bancária onde depositado o montante objeto da demanda. 2 - Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, §10, III, do Código Civil de 1916 (cinco anos), mas a vintenária. Precedentes da Terceira e da Quarta Turma. 3 - Nos termos do entendimento dominante nesta Corte são devidos, na correção de caderneta de poupança, o IPC de junho de 1987 (26,06%) e o IPC de janeiro de 1989 (42,72%). 4 - Recurso especial não conhecido. (RESP 707.151/ SP, Quarta Turma, Rel. Min. FERNANDO GONÇALVES, DJ de 01.08.2005) (grifo nosso) Outrossim, a prescrição prevista no art. 27 do Código de Defesa do Consumidor trata da responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço, que se dá nos casos em que o produto está defeituoso, nos ditames do art. 12, parágrafo 1°, do referido diploma legal. No caso em tela, não se objetiva a reparação por dano causado por acidente de consumo, e sim o ressarcimento pelos valores indevidamente apropriados, em decorrência da aplicação de critérios de atualização diferentes dos que efetivamente deveriam ser utilizados. Deste modo, partindo de tal entendimento jurídico, verifico de logo que não se encontra prescrita a pretensão de aplicar os percentuais de correção monetária, decorrentes de expurgos inflacionários, nas contas de poupança das partes autoras, visto que o termo inicial da prescrição, que corresponde ao índice mais antigo pleiteado, da defasagem de março de 1990, é o dia 16/03/90, de maneira que os respectivos expurgos somente podiam ser requeridos judicialmente até 15/03/2010. Como a presente ação foi ajuizada em 25/05/2009, não estão prescritos os valores correspondentes. No que tange aos índices pleiteados, a questão já é pacífica na jurisprudência pátria. No início de 1989, foi prevista modificação do critério de correção das cadernetas de poupança. Com a edição da MP (Medida Provisória) 32, publicada no dia 16/01/89, convertida na Lei 7.730/89, foi extinta a OTN, sendo determinada a incidência da LFT (Letra Financeira do Tesouro Nacional) sobre as contas em questão. Para que não haja dúvida, observemos o teor da nova previsão: Art. 17. Os saldos das cadernetas de poupança serão atualizados: I - no mês de fevereiro de 1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT verificado no mês de janeiro de 1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento) (Grifamos). Importante observar, da leitura do trecho acima transcrito, que a atualização a ser aplicada no mês de fevereiro relaciona-se exatamente ao período de janeiro, aliás integral. Daí porque, da mesma forma como dito no tópico anterior, não poderia a alteração do critério, surgida, repita-se, somente em 16/01/89, aplicar-se às contas de poupança que fizeram aniversário entre 01/01/89 e 15/01/89, em face do direito adquirido à utilização do indexador antigo. Note-se que o art. 17 da Lei 7.730/89 previu a aplicação da variação da LFT do mês de janeiro de 1989 - menos o percentual de 0,5% - para a correção do saldo em 01/02/89, tendo sido efetivamente aplicado, por força da norma legal, o percentual de 22,97%. Mas o direito adquirido à previsão normativa anterior garantia a aplicação do IPC de 42,72%. Neste sentido, é a jurisprudência pacífica do Superior Tribunal de Justiça consoante aresto assim ementado: "CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER (JUNHO DE 1987) E PLANO VERÃO (JANEIRO DE 1989). BANCO DEPOSITANTE. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. CORREÇÃO. DEFERIMENTO. 1 - Quem deve figurar no pólo passivo de demanda onde se pede diferenças de correção monetária, em caderneta de poupança, nos meses de junho de 1987 e janeiro de 1989, é a instituição bancária onde depositado o montante objeto da demanda. 2 - Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, §10, III, do Código Civil de 1916 (cinco anos), mas a vintenária. Precedentes da Terceira e da Quarta Turma. 3 - Nos termos do entendimento dominante nesta Corte são devidos, na correção de caderneta de poupança, o IPC de junho de 1987 (26,06%) e o IPC de janeiro de 1989 (42,72%). 4 - Recurso especial não conhecido. 4 ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CRITÉRIO. IPC DE JUNHO DE 1987 (26,06%). PLANO BRESSER. IPC DE JANEIRO DE 1989 (42,72%). PLANO VERÃO. I - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de junho de 1987, antes da vigência da Resolução n. 1.338/87-BACEN, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 26,06%. Precedentes. II - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de janeiro de 1989, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 42,72% (Precedente: REsp n. 43.055-0/SP, Relator Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU de 20.02.95). Todavia, nas contas-poupança abertas ou renovadas em 16 de janeiro de 1989 em diante, incide a sistemática estabelecida pela Lei n. 7.730/89 então em vigor. III - Agravo regimental desprovido. 5 Assim, não há dúvidas quanto ao IPC relativo ao mês de janeiro no percentual de 42,72%, descontando os índices já creditados. Tendo em vista a explanação relativa ao índice de janeiro de 1989, verifico que, para os períodos posteriores a janeiro de 1989, correta a aplicação dos critérios previstos na Lei 7.730/89, não havendo que se falar em direito adquirido, já que a inovação trazida pela MP n.° 32, publicada no dia 16/01/89, convertida na Lei n.° 7.730/89, que extinguiu a OTN, sendo determinada a incidência da LFT (Letra Financeira do Tesouro Nacional) sobre as contas em questão tem perfeita incidência sobre os aniversários subseqüentes ao seu início de vigência. Ademais, quanto ao pleito de aplicação do índice de 10,14% para o mês de fevereiro de 1989, calha registrar que o percentual relativo ao LFT aplicado na ocasião, correspondeu a 18,35%. Portanto, bastante superior ao pleiteado e mais favorável ao correntista. A propósito, a jurisprudência pátria é tranqüila em não reconhecer o direito dos poupadores à correção pelo IPC em fevereiro de 1989 (Vide AgRg no REsp 740.791/RS - acima transcrito). Colaciono, ainda, o seguinte precedente do TRF da 5ª Região: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. CARÊNCIA DE AÇÃO. INOCORRÊNCIA. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. PLANOS BRESSER, VERÃO E COLLOR I. 1. A análise das condições da ação deve ser feita à luz das afirmações contidas na peça inaugural do processo (teoria da asserção). Carência de ação inocorrida. 2. O pedido de aplicação do índice de 10,14% (fevereiro/1989) não merece prosperar, eis que, à época, as cadernetas de poupanças já se achavam sob a regência da Lei n. 7.730/89. Precedente do Superior Tribunal de Justiça. (...) 6 (grifo nosso) Em relação ao pleito de correção para o mês de março, a lei n. 7.730/89, instituidora da moeda "cruzado novo", a atualização dos saldos de poupança foi disciplinada nos seguintes termos: Art. 17. Os saldos das cadernetas de poupança serão atualizados: (...) III - a partir de maio de 1989, com base na variação do IPC verificada no mês anterior. Em 15 de março de 1990, sobreveio a Medida Provisória - convertida na Lei 8.024/90 - que instituiu a moeda "cruzeiro", converteu imediatamente os valores até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos) e determinou o bloqueio dos valores excedentes, pelo Banco Central do Brasil: Art. 1º Passa a denominar-se cruzeiro a moeda nacional, configurando a unidade do sistema monetário brasileiro. § 1º Fica mantido o centavo para designar a centésima parte da nova moeda. § 2º O cruzeiro corresponde a um cruzado novo. § 3º As quantias em dinheiro serão escritas precedidas do símbolo Cr$. Art. 6º Os saldos das cadernetas de poupança serão convertidos em cruzeiros na data do próximo crédito de rendimento, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º, observado o limite de NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos). § 1º As quantias que excederem o limite fixado no caput deste artigo serão convertidas, a partir de 16 de setembro de 1991, em doze parcelas mensais iguais e sucessivas, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º desta lei. (Redação dada pela Lei nº 8.088, de 1990) § 2º As quantias mencionadas no parágrafo anterior serão atualizadas pela variação do BTN Fiscal, verificada entre a data do próximo crédito de rendimento e a data do efetivo pagamento das parcelas referidas no dito parágrafo, acrescidas de juros equivalentes a seis por cento ao ano ou fração pro rata . (Redação dada pela Lei nº 8.088, de 1990) § 3º Os depósitos compulsórios e voluntários mantidos junto ao Banco Central do Brasil, com recursos originários da captação de cadernetas de poupança, serão convertidos e ajustados conforme regulamentação a ser baixada pelo Banco Central do Brasil. Art. 9º Serão transferidos ao Banco Central do Brasil os saldos em cruzados novos não convertidos na forma dos arts. 5º, 6º e 7º, que serão mantidos em contas individualizadas em nome da instituição financeira depositante. (destaquei). Em suma, de acordo com a sistemática prevista na Lei nº 8.024/1990, manteve-se sob a responsabilidade das instituições financeiras o montante dos depósitos em conta poupança até o valor de NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos) convertidos em cruzeiro na data do primeiro crédito de rendimento. Em contrapartida, transferiu-se a custódia da parcela excedente ao Banco Central do Brasil7, a ser atualizada pela variação do BTN Fiscal. Ressalte-se que, embora a MP 172/90, de 17/03/90, acompanhada pelo comunicado 2.067/90 e pela circular 1.606/90, ambos do BACEN, tenham alterado o art. 6º da MP 168/90 e determinado a aplicação do BTN Fiscal como índice de correção da poupança para os valores não bloqueados, houve revogação dos dispositivos normativos citados, uma vez que a Lei nº 8.024/1990 se limitou a repetir a MP 168/90 no seu texto original, conforme explicita o Exmo. Min. Nelson Jobim: No que interessa, a lei não converteu a redação do art. 6º e do §1º (MP 168/90), dada pela MP 172/90. (...) Os atos (Circular 1.606, de 19.03.1990, e Comunicado 2.067) tiveram um único objetivo. Regular toda a situação decorrente da introdução, pela MP 172/90, do BTN Fiscal como índice de atualização dos saldos das cadernetas de poupança. Toda essa construção ruiu com a LEI DE CONVERSÃO. Ela revogou a base dos atos do BACEN - a MP 172/90. A partir da vigência da Lei 8.024/90 não haveria que se falar em BTN Fiscal em relação aos saldos em contas de poupanças. (...) Todo o período de vigência da MP 172/90 ficou coberto pela retomada de eficácia da redação original da MP 168/90. (...) Não houve, portanto, solução de continuidade desde a edição original. Em face disso, a introdução do BTN Fiscal como índice de atualização dos saldos das contas de poupança, perdeu aplicabilidade. (...) O IPC se manteve como índice de correção até junho de 1990 quando foi substituído pelo BTN. 8 Ou seja, a Lei 8.024/1990 silenciou quanto à atualização monetária dos valores depositados até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), que permaneceram no banco depositário. Por conseguinte, aplicável à espécie o disposto no art. 17, da Lei nº 7.730/89, no sentido de que a correção desses saldos deveria seguir a variação do IPC verificada no mês anterior. Nesse diapasão trago à baila os seguinte precedentes: DIREITO ECONÔMICO. CADERNETAS DE POUPANÇA. LEGITIMIDADE DA CEF E DO BACEN. CRUZADOS NOVOS BLOQUEADOS. MARÇO, ABRIL E MAIO/90. TRD. FEVEREIRO/91. JUROS REMUNERATÓRIOS. CORREÇÃO MONETÁRIA. JUROS DE MORA. No que pertine ao Plano Collor I, têm legitimidade passiva os bancos depositários para responder pela remuneração das contas de poupança do mês de março de 1990 e do saldo disponível depositado perante eles. Por outro lado, o BACEN é responsável pela correção monetária do mês de março das contas com aniversário na segunda quinzena do mês, bem como pela correção devida durante os meses em que permaneceu com os valores a sua disposição, ou seja, de abril de 1990 a fevereiro de 1991. Afastada a alegada inconstitucionalidade da MP n. 168/90 pelo Pleno do Supremo Tribunal Federal (RE n. 206.048, DJ de 19.10.2001), posteriormente convertida na Lei n. 8.024/90, no ponto em que fixou o BTN Fiscal como índice de correção monetária aplicável às cadernetas de poupança com data-base posterior ao dia 16.3.90, ante à conclusão de que os cruzados novos bloqueados passaram a constituir uma nova conta individualizada no Banco Central, de natureza diferente da conta de poupança de origem. O IPC é o índice a ser utilizado para a correção monetária dos ativos retidos até a transferência destes para o BACEN, para as contas de poupança com aniversário na primeira quinzena, bem como nos meses de abril e maio de 1990 com relação ao depósito de valores não bloqueados. Em relação às contas de poupança com aniversário na segunda quinzena, assim como nos meses posteriores à transferência do numerário (abril de 1990 a fevereiro de 1991), aplica-se o BTNF como índice de correção monetária dos saldos de cruzados novos bloqueados, a teor do disposto no art. 6º, § 2º, da Lei n. 8.024/90.(...)9. CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. POUPANÇA. ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. CEF. LEGITIMIDADE PASSIVA. PLANO COLLOR I. IPC. PERCENTUAIS DE 84,32% E 44,80%. PLANO COLLOR II. LEI Nº 8.177/91. BTNF. SUCUMBÊNCIA. HONORÁRIOS DEVIDOS. - A CEF é parte legítima para figurar no pólo passivo da relação processual, no tocante à parte do pedido relativa aos índices de reajuste expurgados pelos Planos Collor I e II dos saldos que não foram bloqueados e continuaram disponibilizados nas contas-poupança dos autores. Precedente do STF (RE 206.048/RS). - As cadernetas de poupança anteriores ao Plano Collor, com data de aniversário na primeira quinzena do mês, devem ter os seus respectivos saldos, em abril de 1990, reajustados no percentual de 84.32%, referente ao IPC de março de 1990, a teor do que dispunha o DL nº 2.311/86 c/c o art. 10 da Lei nº 7.730/89. Precedentes do STJ. - O índice de 44,80%, referente ao IPC de abril/90, deve ser aplicado aos saldos disponíveis (não bloqueados) das contas-poupança, pois, somente a partir de maio de 1990, é que o BTNF passou a ser utilizado como o novo fator de reajuste, nos termos da MP nº 180, de 30.5.90, convertida na Lei nº 8.088/90. Precedentes.(...)10 A fim de reforçar tal raciocínio, transcrevo a Súmula 725 do STF, que assim dispôs: É constitucional o § 2º do art. 6º da lei 8024/1990, resultante da conversão da medida provisória 168/1990, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I. (grifo nosso) Em síntese, coexistiram dois regimes de atualização da poupança na época: para os saldos até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), depositados nos estabelecimentos bancários, aplicável o IPC; para o montante superiores a esse valor, veio a calhar o BTNf. A propósito da primeira hipótese, a utilização do IPC prevaleceu até junho de 1990, com a edição da MP 189, publicada em 31.05.1990, reeditada pelas MP¿s nº 195, 200, 212 e 237, esta última, convertida na Lei 8.088/1990, consoante a seguinte lição: A Medida Provisória nº 168/90, ao especificar, em seu Artigo 6º, parágrafo 2º, a variação do BTN Fiscal como critério de atualização, referiu-se aos saldos em cruzados novos não convertidos em cruzeiros e transferidos ao Banco Central do Brasil. A esse respeito, a Lei de Conversão nº 8.024/90, em seu parágrafo 2º do Artigo 6º, manteve o texto da Medida em comento. No que tange aos valores até NCz$50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), que permaneceram no banco depositário e foram convertidos em cruzeiros, manteve-se o disposto no Artigo 17, da Lei nº 7.730/89, ou seja, a atualização desses saldos de caderneta de poupança permaneceu com base na variação do IPC verificada no mês anterior. Esse critério prevaleceu até junho de 1990, com a edição da Lei nº 8.088, de 31/10/90, a qual dispôs, em seu Artigo 2º combinado com o Artigo 3º, que os depósitos de poupança seriam atualizados monetariamente pela variação nominal do BTN, a partir do mês de junho de 1990, inclusive11. Quanto ao Plano Collor II, verifico que o STJ já pacificou a questão, no sentido de que o BTN serviu de índice de atualização dos depósitos em caderneta de poupança até 31.01.1991. A partir de 01.02.1991, aplicável a TRD, com a ressalva de que tal fator apenas incide aos períodos iniciados após a sua vigência: Caderneta de poupança. Remuneração nos meses de janeiro de 1989, março, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991. Planos Verão, Collor I e Collor II. Legitimidade passiva. Prescrição. Direito adquirido. IPC de 42,72%. 1. a 5. Omiti. 6. A Medida Provisória nº 168/90, convertida na Lei nº 8.024/90, aplica-se aos períodos mensais de cadernetas de poupança iniciados após a vigência da mesma. 7. Por força da Lei nº 8.088, de 31/10/90, o BTN serviu de índice de remuneração dos depósitos em caderneta de poupança até 31/01/91. A Medida Provisória nº 294, de 31/01/91, convertida na Lei nº 8.177/91, por sua vez, que elegeu a TRD como índice de correção as cadernetas e poupança, tem aplicação, apenas, aos períodos mensais iniciados após a sua vigência. 8. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, provido12. ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. IPC. JANEIRO/1991. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO DOS JUROS VINTENÁRIA. I. Omiti. II. Com relação à correção monetária no mês de fevereiro de 1991, tendo em vista a entrada em vigor do Plano Collor II (MP n. 294, de 31/01/91, convertida na Lei n. 8.177/91, que excluiu o BTN e instituiu a TR), tais dispositivos não alcançam as contas iniciadas antes da sua vigência (REsp n. 254.891-SP, Rel. Min. Carlos Alberto Menezes Direito, DJU 11/06/2001) III. A prescrição dos juros devidos pelas aplicações em cadernetas de poupança é vintenária. Precedentes. IV. Agravo regimental desprovido13. Em relação ao pedido de inclusão dos índices expurgados no cálculo de atualização monetária, descabe o seu acolhimento. Ora, uma vez que há forma de cálculo própria da obrigação (juros remuneratórios de 0,5% + correção monetária), deve esta ser preservada a fim de que o julgado espelhe de forma mais ideal possível a relação jurídica. Ademais, a Lei 6.981/81 veio consagrar a correção monetária dos débitos judiciais, a qual era deferida pela jurisprudência por uma questão de equidade, devendo ficar restrito aos casos em que não possuem forma própria de cálculo. Sobre o tema, trago à baila o seguinte precedente: EMBARGOS À EXECUÇÃO. CORREÇÃO MONETÁRIA EM CONTAS DE POUPANÇA. EXISTÊNCIA DO TÍTULO EXECUTIVO. VALOR. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. 1. A sentença de 1º grau condenou o BACEN a pagar a correção vindicada pelos Embargados, mas foi reformada em grau de apelação para excluir o BACEN. O Acórdão deste TRF da 1ª Região, no entanto, acabou reformado pelo c. STJ, para novamente incluir o BACEN no pólo passivo, com o que se tem por intacta a sentença de 1º grau. Aí está o título executivo que o BACEN diz não existir. 2. Não são aplicáveis os índices de atualização da caderneta de poupança à condenação judicial. Esta condenação se destaca da natureza do crédito original (correção de poupança), para ganhar a natureza de indenização reconhecida pelo Poder Judiciário, condição em que deve ser corrigida pelos índices próprios de inflação reconhecidos no Manual de Cálculos da Justiça Federal, adotado pela Contadoria nestes autos, resultando no valor corretamente apontado na sentença como devido. 3. O título exeqüendo previu a sucumbência como recíproca, não podendo ser mudado em sede de execução. Quanto aos honorários de embargos, a sucumbência também se revela recíproca e de monta equivalente, dado o acolhimento parcial do pedido para reduzir o valor em execução. Dessa forma, não são devidos honorários advocatícios de uma parte a outra, nos termos do art. 21 do CPC, como feito na sentença. 4. Apelações desprovidas. 14 Sobre as diferenças deverá incidir atualização monetária medida pelos mesmos índices de correção da caderneta de poupança (juros remuneratórios de 0,5% + correção monetária), além de juros moratórios simples, de 1% ao mês, a partir da citação. III. Dispositivo Assim, extingo o processo com resolução do mérito, nos termos do art. 269, I do CPC, e acolho parcialmente o pedido do(a) autor(a), para determinar que a Caixa Econômica Federal - CEF aplique os índices de: a) 84,32%, ao saldo da conta que fez aniversário na primeira quinzena do mês de março de 1990, até o limite de NCz$ 50.000,00; b) 44,80%, ao saldo da conta que fez aniversário na primeira quinzena do mês de abril de 1990, até o limite de NCz$ 50.000,00; Os valores eventualmente já creditados serão compensados pelo banco-réu a título de correção, cujo montante, acrescido das parcelas relativas à correção monetária e juros moratórios, deve ser apurado em liquidação de sentença. As diferenças deverão ser corrigidas pelos mesmos índices de correção da caderneta de poupança (indexador + 0,5% dos juros remuneratórios), desde o nascimento da obrigação. Também incidirão sobre as diferenças juros de mora, estatuídos no patamar de 1% ao mês, a contar da citação. Cada parte deverá arcar com a metade das custas e os honorários dos seus respectivos patronos, em face do art. 21 do CPC. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 TRF5. 1ª Turma. AC 432963/CE. Relator: Des. Ubaldo Ataíde Cavalcante. DJ 28/03/2008, pág. 1392. 2 TRIBUNAL - SEGUNDA REGIAO Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL - 416327 Processo: 00751010130656 UF: RJ Órgão Julgador: SÉTIMA TURMA ESPECIALIZADA Desembargador Federal REIS FRIEDE Data da decisão: 04/06/2008 Documento: TRF200185181 3 TRF 5ª Região. AG -82089/PE. 2ª Turma. Rel. Rogério Fialho Moreira. DJ: 15/10/2008, p. 232, n. 200. 4 STJ, REsp 707.151/SP, 4ª Turma, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, julgado em 17.05.2005, DJ 01.08.2005 p. 471 5 STJ, AgRg no REsp 740.791/RS, 4ª Turma, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, julgado em 16.08.2005, DJ 05.09.2005 p. 432 6 TRF 5ª Reg., AC 449902/PB (2007.82.000041687), 3ª Turma, Rel. Des. Federal Paulo Machado Cordeiro, Data da decisão: 11/09/2008, DJ - Data::28/10/2008 - Página::523 - Nº::209 7 STF. RE 206.048-8/RS. Tribunal Pleno. Rel. p/acórdão Min. Nelson Jobim. DJ: 19.10.2001. 8 STF. RE 206488/RS. Tribunal Pleno.15/08/2001 9 TRF 4ª Região. AC 200271050087655/RS. 4ª Turma. Rel. Valdemar Capeletti. D.E. 13/08/2007 10 TRF 5ª Região. AC 443580/AL. 4ª Turma. Rel. Lázaro Guimarães. DJ: 18/08/2008, p. 950. 11 TRF 3ª Região. AC 1201515/SP. 4ª Turma. DJU:19/12/2007, trecho do voto proferido pela Relatora, ALDA BASTO. 12 STJ. RESP - 254891/SP. 3ª Turma. Rel. Carlos Alberto Menezes Direito. DJ: 11.06.2001. 13 STJ. AGRESP 1037880/SP. 4ª Turma. Rel. Aldir Passarinho Júnior. DJE: 28/10/2008. 14 TRF 1ª Reg., AC 2003.38.00.010632-6/MG, 5ª Turma, Rel. Juiz Federal Cesar Augusto Bearsi (conv), DJ 14/06/2007 p.61. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2009.85.00.002546-6 XVI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0003109-47.2006.4.05.8500 COCO BOM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA (Adv. SILVIO ROBERTO LIMA BASTOS, RICARDO ALCANTARA MACHADO, PATRICIA TAVARES DE OLIVEIRA, LAURO FARIAS VASCONCELOS, SÉRGIO SIQUEIRA DE ARAÚJO FILHO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS)

Intimar as partes para se manifestarem acerca do laudo complementar de f. 480/483 e apresentarem suas razões finais, no prazo de 10 (dez) dias. Após, expedir alvará em favor do perito, conforme despacho de f. 448.

   

0003281-28.2002.4.05.8500 JOAREZ VRUBEL E OUTRO (Adv. JOAO SANTANA FILHO, GEORGE JAMES COSTA VIEIRA) x INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 151), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União/IFS em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0004105-84.2002.4.05.8500 LENALDO DA SILVA SANTOS (Adv. GILSON LUIS SOUSA DE ARAUJO, RICARDO MONTEIRO MOTA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. JOSE ALBERTO GOMES VARJAO(FN))

Aguardar a decisão do apelo interposto em sede de embargos, na forma do decisório de fl. 363. Intimar a parte autora.

   

0004177-37.2003.4.05.8500 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS-DIRETORIA REGIONAL DE SERGIPE (Adv. JOSE JACONIAS DE OLIVEIRA, PEDRO GOMES DE MELO, GEANE MONTEIRO GUIMARÃES, LUIZ MONTEIRO VARAS, ELOÁ DE FREITAS CARDOSO CANGUSSÚ, ANA CLAUDIA DA SILVA CABRAL) x TELEVISAO CIDADE S/A (Adv. RENATA HENRIQUES PAIVA, PAULO CALUMBY BARRETTO, ERICA ROBERTS DE CASTRO SERRA, ARLINDO JOSE NERY NETO, ERICA ROBERTS DE CASTRO SERRA)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2003.85.00.004177-9 - Classe 36 - 1ª Vara. AÇÃO SUMÁRIA AUTOR: EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS RÉU: TELEVISÃO CIDADE S/A SENTENÇA I - RELATÓRIO Cuido de ação sumária na qual a autora requer à condenação da ré ao pagamento de R$ 617,02 reais, atualizados até 18.06.2003, referentes à fatura de nº 01.05.04.9307-6, com data de vencimento em 18/06/2002. Narra a autora que firmou contrato de prestação de serviços com ré e que, cumprindo com o avençado, manteve continuamente a prestação dos serviços contratados, ao contrário da ré, que deixou de realizar o pagamento da fatura acima citada, não obstante os serviços tenham sido prestados. Com a inicial, junta procuração e documentos (fls. 09/38). Citada (fls.40), foi realizada audiência de conciliação. Verificada a impossibilidade de acordo, foi tomado o depoimento do empregado da requerente, conforme termo de audiência de fls. 46/47. Em sua contestação, a ré alegou, preliminarmente, a falta de interesse processual da autora por não ter sofrido qualquer prejuízo ou dano comprovadamente causado pela ré. No mérito, afirma que realizou o pagamento da fatura ora questionada, juntando documentação de fls. 60/62 a fim de comprovar tal afirmação. Em réplica (fls. 65/68), a autora refuta a preliminar levantada pela ré e afirma que a documentação apresentada pela ré não comprova o pagamento da fatura questionada. Em manifestação, a autora informou não possuir o original da fatura questionada, mas apresentou nova cópia do documento. Além disso, afirmou que o relatório de fls. 34 não comprova a quitação da fatura cobrada (fls. 145/152). Intimada para se manifestar sobre o interesse na produção de provas, a ECT requereu o julgamento antecipado da lide (fls.161/163). Novamente intimada para se manifestar sobre o ofício de fls. 174 enviado e este Juízo pelo Banco Real, a autora afirmou que o mesmo somente comprova que não houve o pagamento da fatura questionada, razão pela qual requer a procedência da ação. A ré, por sua vez, intimada para informar o interesse na produção e provas, bem como sobre o documento de fls. 174, quedou-se inerte. Relatei. Decido. II - FUNDAMENTAÇÃO 21. Da Ausência de Interesse de Agir Rejeito a preliminar de ausência de interesse de agir, tendo em vista que a aferição de prejuízos causados à autora pela ré em razão do não pagamento da fatura questionada constitui o cerne da lide, de modo que será analisado juntamente com o mérito da demanda. 2.2 Mérito A controvérsia dos presentes autos consiste em verificar se houve ou não o pagamento pela ré da fatura de nº 01.05.04.9307-6, com vencimento para o dia 18/06/2002, no valor de R$ 412,50, referente a contrato de prestação de serviços de recebimento e/ou coleta, transporte e entrega de encomendas SEDEX. A fim de comprovar a quitação da citada fatura, a ré acostou aos autos o documento de fls. 62. Contudo, conforme consta em despacho de fls. 70, tal documento não foi suficiente para comprovar, com exatidão, se houve ou não o pagamento da fatura exigida pela autora. Sendo assim, foi determinada a intimação da instituição bancária responsável pelo processamento das faturas para que esclarecesse se o documento de fl. 62 efetivamente corresponde ao pagamento da fatura de nº 01.05.04.9307-6. Em cumprimento à determinação judicial, o Banco Real informa que o código de barras do documento de fls. 62, apresentado pela ré como comprovante de pagamento, refere-se ao boleto nº 9225314, correspondente à fatura 4405045974.9, também com vencimento em 18.06.2002 e valor de R$ 412,50. Tal documento não comprova o pagamento da fatura nº 01.05.04.9307-6 (ou 44.05.04.9307, como também pode ser numerada), mas sim de outra fatura, cujo código de barras difere do constante nas fls. 152. Intimada para se manifestar sobre a informação fornecida pela instituição bancária, a ré permaneceu inerte. Sendo assim, tem-se que a ré não comprovou qualquer fato extintivo, impeditivo ou modificativo do direito autoral, não tendo se desincumbido do ônus de demonstrar que realizou o pagamento da fatura cobrada nesta ação. Isto posto, há que se acolher o pleito autoral. III - DISPOSITIVO Por estas razões, nos termos da fundamentação, julgo procedente o pedido e extingo o processo com resolução de mérito, nos termos do art. 269, I do CPC, para condenar a ré a pagar à autora a quantia de R$ 412,50 (quatrocentos e doze reais e cinqüenta centavos) referente à fatura nº 01.05.04.9307-6, vencida em 18/06/2002. A correção monetária e os juros juros moratórios deverão incidir de acordo com o estabelecido na cláusula 7.2 do contrato firmado entre as partes. Condeno, ainda, a ré em honorários advocatícios, os quais, ante a singeleza da causa, fixo em R$ 500,00 (quinhentos reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. Sem condenação em custas judiciais, uma vez que a parte autora não as desembolsou antecipadamente por ser Empresa Pública Federal equiparada, para tal fim, à Fazenda Nacional. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal Proc. JF/SE. Nº 2003.85.00.004177-9 IV

   

0004243-80.2004.4.05.8500 FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE - FUNASA (Adv. ANA ELISA SOBRAL V N DA C VIEIRA) x SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, JOAO SANTANA FILHO, MARCEL COSTA FORTES)

Há, nos autos, a comprovação de que o pagamento foi efetivado pela CEF(fl. ), evidenciando devidamente cumprida a sua obrigação em favor da parte credora, inclusive já demonstrado o levantamento do valor em questão por meio de alvará já pago (fl.). Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo o feito, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Arquivar os autos com baixa. Intimar. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0004541-82.1998.4.05.8500 NIVALDO ARAUJO DA SILVA (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO) x UNIAO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e cálculos e depósito de fl. 293/29296, apresentados pela CEF.

   

0004809-87.2008.4.05.8500 MARIA NADIR DANTAS FREIRE DE ARAUJO E OUTRO (Adv. ANDRÉ GUSTAVO CASTELLO BRANCO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS)

Processo nº. 2008.85.00.004809-7 - 1ª Vara Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor: Maria Nadir Dantas Freire de Araújo e José Castello Branco de Araújo. Réu: Caixa Econômica Federal - CEF. E M E N T A: CIVIL. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF. PRESCRIÇÃO VINTENÁRIA. IPC. ÍNDICES DE 42,72%, 10,14%, 84,32%, 44,80%, 7,87% e 21,87%. PLANOS VERÃO, COLLOR I e II. S E N T E N Ç A: I - RELATÓRIO Trato de ação ordinária de cobrança, proposta contra a CEF - Caixa Econômica Federal - através da qual os autores pretendem receber o valor resultante da aplicação dos índices de inflação expurgados, por ocasião dos Planos Verão, Collor I e II. Alegaram que nos meses de janeiro de 1989 (IPC de 42,72%), fevereiro de 1989 (IPC de 10,14%), março, abril e maio de 1990 (IPC de 84,32%, 44,80% e 7,87% respectivamente) e fevereiro de 1991 (IPC de 21,87%) não foram aplicados aos saldos da caderneta de poupança indicada na f. 02, as devidas correções. Juntou procuração e documentos (f. 18/24). Em sede de contestação (f. 33/57), a CEF alegou, preliminarmente, a sua ilegitimidade passiva ad causam e a ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação. No mérito, argüiu a prescrição do Código Civil de 1916 e, caso esta não fosse aplicada, a prescrição consumerista. Aduziu, ainda, a inaplicabilidade da inversão do ônus da prova e refutou todos os argumentos da parte autora, alegando que aplicou todos os índices de correção monetária fixados pelas autoridades monetárias, não havendo, então, que se falar em responsabilidade civil da demandada, bem assim de eventual direito adquirido. A parte autora apresentou réplica (f. 66/76). Retificada a autuação da classe do processo para ação ordinária (f. 77), a CEF ratificou sua contestação (f. 83). A parte autora acostou documento (f. 87). Intimada sobre o mesmo, a CEF silenciou (f. 90/91). É o relatório. II - FUNDAMENTAÇÃO A demandada levantou "preliminares" de ilegitimidade passiva e ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação. Quanto à primeira preliminar suscitada, tenho a esclarecer que a CEF é parte ilegítima para proceder à atualização monetária dos saldos de caderneta de poupança bloqueados, cujas datas de aniversário são posteriores à transferência de titularidade dos ativos financeiros para o BACEN. Este é o entendimento firmado pela 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (ERESP 151.255/PR, DJ de 01.02.2005) e também acolhido pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região (grifos nossos): ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL - CADERNETA DE POUPANÇA - REPOSIÇÃO DE CORREÇÃO MONETÁRIA - 26,06% (PLANO BRÉSSER - JUNHO/1987), 42,72% (PLANO VERÃO - JANEIRO/89), 72,78% (IPC DE FEVEREIRO DE 1990, PARA AS CONTAS REMUNERADAS NA PRIMEIRA QUINZENA DE MARÇO) E 84,32% (IPC DE MARÇO DE 1990 PARA AS CONTAS REMUNERADAS A PARTIR DE 16.0390) - RESPONSABILIDADE DO BANCO DEPOSITÁRIO ATÉ 15.03.90 - RESPONSABILIDADE DO BACEN A PARTIR DE 16.03.90. 1. Remessa oficial e apelação interposta pelo BACEN contra sentença que julgou parcialmente procedente o pedido deduzido na inicial, condenando o réu a corrigir as contas de poupança nºs 015.871-0, 015.872-9 e 015.875-3, com a aplicação do índice de 84,32% (IPC de março/90), deixando de fixar condenação em honorários advocatícios em face da sucumbência recíproca aplicada ao caso em debate. 2. Encontra-se consolidado na jurisprudência de nossos Tribunais, inclusive do Colendo STJ, o entendimento de que a prescrição, na espécie, não é qüinqüenal, e sim vintenária, e de que é do banco depositário a responsabilidade pela remuneração das cadernetas de poupança nos períodos em que foram implantados os denominados planos Brésser, Verão e Collor I, sendo que com relação a este último até o crédito dos rendimentos das contas com datas-base entre 16/03/1990 e 15/04/1990, observado o limite de conversão de NCz$ 50.000,00, nos termos do art. 6º da Lei 8.024/90. A partir de 16/03/1990, o que excedeu, em cada conta, o valor de NCz$ 50.000,00, foi transferido compulsoriamente ao BACEN, exsurgindo, a partir de então, a responsabilidade deste pela remuneração dos ativos recolhidos. Os índices aplicáveis são 26,06% (Plano Brésser - Junho/1987), 42,72% (Plano Verão - Janeiro/89), 72,78% - IPC de fevereiro de 1990, para as contas remuneradas na primeira quinzena de março - E 84,32% - IPC de março/90, para as contas remuneradas até o fim da 1ª quinzena de abril - (Plano Collor). Os ativos não convertidos (os superiores a NCz$ 50.000,00) e recolhidos ao BACEN, passaram a ser corrigidos pela BTNF, nos termos do parágrafo 2º do art. 6º da citada Lei, cuja constitucionalidade foi declarada nos termos da Súmula nº 725/STF: "É constitucional o parágrafo 2º do art. 6º da Lei nº 8.024/90, resultante da conversão da MPr 168/90, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I". 4. No caso dos autos, observa-se que a sentença condenou o BACEN a corrigir monetariamente as contas de poupança do autor, com aplicação do índice de 84,32% (IPC de março/90), cujas datas de remuneração compreendem período anterior a 15.03.90, ou seja, as contas de nºs 015.871-0 (data de abertura 09.03.88), 015.872-9 (data de abertura 04.07.88) e 015.875-3 (data de abertura 13.12.88). 5. Destarte, com base na orientação jurisprudencial acima destacada, verifica-se que o BACEN não tem responsabilidade legal para corrigir as contas poupanças, com aplicação dos expurgos inflacionários, que possuem data de aniversário anterior a 15.03.1990. 6. Apelação e remessa oficial providas.1 Contudo, remanesce a legitimidade da CEF para figurar no pólo passivo das ações em que se pleiteia o pagamento das diferenças de índices de correção monetária aplicados aos saldos de poupança não bloqueados (não transferidos ao BACEN). Quanto à preliminar de ausência de documentos indispensáveis à propositura da ação, constato que ela se confunde com o mérito da causa, por se referir à prova do alegado e não a documentos indispensáveis para a propositura da ação. Neste ínterim, o art. 282, inciso VI, do CPC é bem claro ao exigir que, em se tratando de provas, é facultado ao autor apenas indicá-las na inicial. Ademais, o STJ já pacificou entendimento de que a apresentação dos extratos não é obrigatória no caso de ajuizamento de ação para correção monetária de poupança, pelo que rejeito a preliminar levantada. Nesse sentido, o julgado a seguir: AGRAVO INTERNO. FGTS. EXTRATOS. NÃO SÃO DOCUMENTOS OBRIGATÓRIOS. I - Registre-se que já resta pacificado no STJ o entendimento no sentido de que "os extratos das contas de poupança não são documentos indispensáveis ao ajuizamento da ação, uma vez provada a titularidade das contas, ainda que essenciais ao julgamento da demanda" (RESP 146734/PR, DJ de 09/06/2000) e que "a prova da existência de saldo positivo nas contas com depósito em cruzados novos bloqueados não configura documento indispensável à propositura da ação em que se postula o recebimento dos chamados expurgos inflacionários decorrentes da edição de planos econômicos." (RESP 215461/SC, DJ de 19/06/2000). II - Agravo Interno improvido.2 Por outro lado, cabível a inversão do ônus da prova em benefício do hipossuficiente, por força do art. 6º, VIII, do CDC, razão pela qual incumbe à instituição financeira a guarda e exibição dos extratos. Inclusive, em razão da atividade por ela exercida. Ademais, a Resolução de nº 913/1984, do Banco Central do Brasil dispõe em seu art. 4º, § 2º, a obrigatoriedade de manutenção das microfilmagens pelo mesmo prazo prescricional atinente aos documentos neles contidos, sendo, nesse caso, de 20 (vinte) anos, nos termos do art. 177 do CC de 1916, c/c art. 2.028, do vigente Código Civil, por tratar de relação jurídica de natureza pessoal3. Passo a analisar a prescrição alegada pela demandada. O caso em questão é regulado pelo Código Civil, à míngua de outra legislação específica. Apesar disso, ao contrário do que sustenta a Caixa, não mediante incidência do art. 178, § 10º, III, do CC/1916, ou do art. 205, § 3º, III, do CC/2002, já que eles se referem a juros, dividendos ou prestações acessórias, situações diferentes desta, que versa sobre correção monetária, mero fator de recomposição da moeda. Na verdade, à questão se aplica o art. 177, caput, primeira parte, do CC/1916, por força do art. 2.028 do CC/2002, o qual prevê o prazo prescricional de 20 anos, por se cuidar de ação pessoal. Deve-se deixar bem claro que os juros remuneratórios de conta de poupança, assim como a correção monetária, agregam-se ao capital, não tendo, portanto, natureza acessória, mas principal, razão pela qual urge reconhecer a prescrição vintenária, nos ditames dos artigos retro aludidos. Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça já firmou entendimento: EMENTA: CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER (JUNHO DE 1987) E PLANO VERÃO (JANEIRO DE 1989). BANCO DEPOSITANTE. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. CORREÇÃO. DEFERIMENTO. 1 - Quem deve figurar no pólo passivo de demanda onde se pede diferenças de correção monetária, em caderneta de poupança, nos meses de junho de 1987 e janeiro de 1989, é a instituição bancária onde depositado o montante objeto da demanda. 2 - Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, §10, III, do Código Civil de 1916 (cinco anos), mas a vintenária. Precedentes da Terceira e da Quarta Turma. 3 - Nos termos do entendimento dominante nesta Corte são devidos, na correção de caderneta de poupança, o IPC de junho de 1987 (26,06%) e o IPC de janeiro de 1989 (42,72%). 4 - Recurso especial não conhecido4. (grifo nosso) Outrossim, a prescrição prevista no art. 27 do Código de Defesa do Consumidor trata da responsabilidade pelo fato do produto ou do serviço, que se dá nos casos em que o produto está defeituoso, nos ditames do art. 12, parágrafo 1°, do referido diploma legal. No caso em tela, não se objetiva a reparação por dano causado por acidente de consumo, e sim o ressarcimento pelos valores indevidamente apropriados, em decorrência da aplicação de critérios de atualização diferentes dos que efetivamente deveriam ser utilizados. Deste modo, partindo de tal entendimento jurídico, verifico de logo que não se encontra prescrita a pretensão de aplicar os percentuais de correção monetária, decorrentes de expurgos inflacionários, nas contas de poupança das partes autoras, visto que o termo inicial da prescrição, que corresponde ao índice mais antigo pleiteado, da defasagem de janeiro de 1989, é o dia 16/01/89, de maneira que os respectivos expurgos somente podiam ser requeridos judicialmente até 15/01/2009. Como a presente ação foi ajuizada em 19/12/2008, não estão prescritos os valores correspondentes. No que tange aos índices pleiteados, a questão já é pacífica na jurisprudência pátria. No início de 1989, foi prevista modificação do critério de correção das cadernetas de poupança. Com a edição da MP (Medida Provisória) 32, publicada no dia 16/01/89, convertida na Lei 7.730/89, foi extinta a OTN, sendo determinada a incidência da LFT (Letra Financeira do Tesouro Nacional) sobre as contas em questão. Para que não haja dúvida, observemos o teor da nova previsão: Art. 17. Os saldos das cadernetas de poupança serão atualizados: I - no mês de fevereiro de 1989, com base no rendimento acumulado da Letra Financeira do Tesouro Nacional - LFT verificado no mês de janeiro de 1989, deduzido o percentual fixo de 0,5% (meio por cento) (Grifamos). Importante observar, da leitura do trecho acima transcrito, que a atualização a ser aplicada no mês de fevereiro relaciona-se exatamente ao período de janeiro, aliás integral. Daí porque, da mesma forma como dito no tópico anterior, não poderia a alteração do critério, surgida, repita-se, somente em 16/01/89, aplicar-se às contas de poupança que fizeram aniversário entre 01/01/89 e 15/01/89, em face do direito adquirido à utilização do indexador antigo. Note-se que o art. 17 da Lei 7.730/89 previu a aplicação da variação da LFT do mês de janeiro de 1989 - menos o percentual de 0,5% - para a correção do saldo em 01/02/89, tendo sido efetivamente aplicado, por força da norma legal, o percentual de 22,97%. Mas o direito adquirido à previsão normativa anterior garantia a aplicação do IPC de 42,72%. Neste sentido, é a jurisprudência pacífica do Superior Tribunal de Justiça consoante aresto assim ementado: CIVIL. CONTRATO. POUPANÇA. PLANO BRESSER (JUNHO DE 1987) E PLANO VERÃO (JANEIRO DE 1989). BANCO DEPOSITANTE. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO. VINTENÁRIA. CORREÇÃO. DEFERIMENTO. 1 - Quem deve figurar no pólo passivo de demanda onde se pede diferenças de correção monetária, em caderneta de poupança, nos meses de junho de 1987 e janeiro de 1989, é a instituição bancária onde depositado o montante objeto da demanda. 2 - Os juros remuneratórios de conta de poupança, incidentes mensalmente e capitalizados, agregam-se ao capital, assim como a correção monetária, perdendo, pois, a natureza de acessórios, fazendo concluir, em conseqüência, que a prescrição não é a de cinco anos, prevista no art. 178, §10, III, do Código Civil de 1916 (cinco anos), mas a vintenária. Precedentes da Terceira e da Quarta Turma. 3 - Nos termos do entendimento dominante nesta Corte são devidos, na correção de caderneta de poupança, o IPC de junho de 1987 (26,06%) e o IPC de janeiro de 1989 (42,72%). 4 - Recurso especial não conhecido5. ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. CRITÉRIO. IPC DE JUNHO DE 1987 (26,06%). PLANO BRESSER. IPC DE JANEIRO DE 1989 (42,72%). PLANO VERÃO. I - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de junho de 1987, antes da vigência da Resolução n. 1.338/87-BACEN, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 26,06%. Precedentes. II - O Superior Tribunal de Justiça já firmou, em definitivo, o entendimento de que no cálculo da correção monetária para efeito de atualização de cadernetas de poupança iniciadas e renovadas até 15 de janeiro de 1989, aplica-se o IPC relativo àquele mês em 42,72% (Precedente: REsp n. 43.055-0/SP, Relator Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, DJU de 20.02.95). Todavia, nas contas-poupança abertas ou renovadas em 16 de janeiro de 1989 em diante, incide a sistemática estabelecida pela Lei n. 7.730/89 então em vigor. III - Agravo regimental desprovido6. Assim, não há dúvidas quanto ao IPC relativo ao mês de janeiro no percentual de 42,72%, descontando os índices já creditados. Tendo em vista a explanação relativa ao índice de janeiro de 1989, verifico que, para os períodos posteriores a janeiro de 1989, correta a aplicação dos critérios previstos na Lei 7.730/89, não havendo que se falar em direito adquirido, já que a inovação trazida pela MP n. 32, publicada no dia 16/01/89, convertida na Lei n. 7.730/89, que extinguiu a OTN, sendo determinada a incidência da LFT (Letra Financeira do Tesouro Nacional) sobre as contas em questão tem perfeita incidência sobre os aniversários subseqüentes ao seu início de vigência. Ademais, quanto ao pleito de aplicação do índice de 10,14% para o mês de fevereiro de 1989, calha registrar que o percentual relativo ao LFT aplicado na ocasião, correspondeu a 18,35%. Portanto, bastante superior ao pleiteado e mais favorável ao correntista. A propósito, a jurisprudência pátria é tranqüila em não reconhecer o direito dos poupadores à correção pelo IPC em fevereiro de 1989 (Vide AgRg no REsp 740.791/RS - acima transcrito). Colaciono, ainda, o seguinte precedente do TRF da 5ª Região: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. CARÊNCIA DE AÇÃO. INOCORRÊNCIA. CADERNETA DE POUPANÇA. CORREÇÃO MONETÁRIA. EXPURGOS INFLACIONÁRIOS. PLANOS BRESSER, VERÃO E COLLOR I. 1. A análise das condições da ação deve ser feita à luz das afirmações contidas na peça inaugural do processo (teoria da asserção). Carência de ação inocorrida. 2. O pedido de aplicação do índice de 10,14% (fevereiro/1989) não merece prosperar, eis que, à época, as cadernetas de poupanças já se achavam sob a regência da Lei n. 7.730/89. Precedente do Superior Tribunal de Justiça. (...) 7 (grifo nosso) Em relação ao pleito de correção para o mês de março, a lei n. 7.730/89, instituidora da moeda "cruzado novo", a atualização dos saldos de poupança foi disciplinada nos seguintes termos: Art. 17. Os saldos das cadernetas de poupança serão atualizados: (...) III - a partir de maio de 1989, com base na variação do IPC verificada no mês anterior. Em 15 de março de 1990, sobreveio a Medida Provisória nº 168 - convertida na Lei 8.024/90 - que instituiu a moeda "cruzeiro", converteu imediatamente os valores até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos) e determinou o bloqueio dos valores excedentes, pelo Banco Central do Brasil: Art. 1º Passa a denominar-se cruzeiro a moeda nacional, configurando a unidade do sistema monetário brasileiro. § 1º Fica mantido o centavo para designar a centésima parte da nova moeda. § 2º O cruzeiro corresponde a um cruzado novo. § 3º As quantias em dinheiro serão escritas precedidas do símbolo Cr$. Art. 6º Os saldos das cadernetas de poupança serão convertidos em cruzeiros na data do próximo crédito de rendimento, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º, observado o limite de NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos). § 1º As quantias que excederem o limite fixado no caput deste artigo serão convertidas, a partir de 16 de setembro de 1991, em doze parcelas mensais iguais e sucessivas, segundo a paridade estabelecida no § 2º do art. 1º desta lei. (Redação dada pela Lei nº 8.088, de 1990) § 2º As quantias mencionadas no parágrafo anterior serão atualizadas pela variação do BTN Fiscal, verificada entre a data do próximo crédito de rendimento e a data do efetivo pagamento das parcelas referidas no dito parágrafo, acrescidas de juros equivalentes a seis por cento ao ano ou fração pro rata . (Redação dada pela Lei nº 8.088, de 1990) § 3º Os depósitos compulsórios e voluntários mantidos junto ao Banco Central do Brasil, com recursos originários da captação de cadernetas de poupança, serão convertidos e ajustados conforme regulamentação a ser baixada pelo Banco Central do Brasil. Art. 9º Serão transferidos ao Banco Central do Brasil os saldos em cruzados novos não convertidos na forma dos arts. 5º, 6º e 7º, que serão mantidos em contas individualizadas em nome da instituição financeira depositante. (destaquei). Em suma, de acordo com a sistemática prevista na Lei nº 8.024/1990, manteve-se sob a responsabilidade das instituições financeiras o montante dos depósitos em conta poupança até o valor de NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos) convertidos em cruzeiro na data do primeiro crédito de rendimento. Em contrapartida, transferiu-se a custódia da parcela excedente ao Banco Central do Brasil8, a ser atualizada pela variação do BTN Fiscal. Ressalte-se que, embora a MP 172/90, de 17/03/90, acompanhada pelo comunicado 2.067/90 e pela circular 1.606/90, ambos do BACEN, tenham alterado o art. 6º da MP 168/90 e determinado a aplicação do BTN Fiscal como índice de correção da poupança para os valores não bloqueados, houve revogação dos dispositivos normativos citados, uma vez que a Lei nº 8.024/1990 se limitou a repetir a MP 168/90 no seu texto original, conforme explicita o Exmo. Min. Nelson Jobim: No que interessa, a lei não converteu a redação do art. 6º e do §1º (MP 168/90), dada pela MP 172/90. (...) Os atos (Circular 1.606, de 19.03.1990, e Comunicado 2.067) tiveram um único objetivo. Regular toda a situação decorrente da introdução, pela MP 172/90, do BTN Fiscal como índice de atualização dos saldos das cadernetas de poupança. Toda essa construção ruiu com a LEI DE CONVERSÃO. Ela revogou a base dos atos do BACEN - a MP 172/90. A partir da vigência da Lei 8.024/90 não haveria que se falar em BTN Fiscal em relação aos saldos em contas de poupanças. (...) Todo o período de vigência da MP 172/90 ficou coberto pela retomada de eficácia da redação original da MP 168/90. (...) Não houve, portanto, solução de continuidade desde a edição original. Em face disso, a introdução do BTN Fiscal como índice de atualização dos saldos das contas de poupança, perdeu aplicabilidade. (...) O IPC se manteve como índice de correção até junho de 1990 quando foi substituído pelo BTN. 9 Ou seja, a Lei 8.024/1990 silenciou quanto à atualização monetária dos valores depositados até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), que permaneceram no banco depositário. Por conseguinte, aplicável à espécie o disposto no art. 17, da Lei nº 7.730/89, no sentido de que a correção desses saldos deveria seguir a variação do IPC verificada no mês anterior. Nesse diapasão trago à baila os seguinte precedentes: DIREITO ECONÔMICO. CADERNETAS DE POUPANÇA. LEGITIMIDADE DA CEF E DO BACEN. CRUZADOS NOVOS BLOQUEADOS. MARÇO, ABRIL E MAIO/90. TRD. FEVEREIRO/91. JUROS REMUNERATÓRIOS. CORREÇÃO MONETÁRIA. JUROS DE MORA. No que pertine ao Plano Collor I, têm legitimidade passiva os bancos depositários para responder pela remuneração das contas de poupança do mês de março de 1990 e do saldo disponível depositado perante eles. Por outro lado, o BACEN é responsável pela correção monetária do mês de março das contas com aniversário na segunda quinzena do mês, bem como pela correção devida durante os meses em que permaneceu com os valores a sua disposição, ou seja, de abril de 1990 a fevereiro de 1991. Afastada a alegada inconstitucionalidade da MP n. 168/90 pelo Pleno do Supremo Tribunal Federal (RE n. 206.048, DJ de 19.10.2001), posteriormente convertida na Lei n. 8.024/90, no ponto em que fixou o BTN Fiscal como índice de correção monetária aplicável às cadernetas de poupança com data-base posterior ao dia 16.3.90, ante à conclusão de que os cruzados novos bloqueados passaram a constituir uma nova conta individualizada no Banco Central, de natureza diferente da conta de poupança de origem. O IPC é o índice a ser utilizado para a correção monetária dos ativos retidos até a transferência destes para o BACEN, para as contas de poupança com aniversário na primeira quinzena, bem como nos meses de abril e maio de 1990 com relação ao depósito de valores não bloqueados. Em relação às contas de poupança com aniversário na segunda quinzena, assim como nos meses posteriores à transferência do numerário (abril de 1990 a fevereiro de 1991), aplica-se o BTNF como índice de correção monetária dos saldos de cruzados novos bloqueados, a teor do disposto no art. 6º, § 2º, da Lei n. 8.024/90.(...)10. CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. POUPANÇA. ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA. CEF. LEGITIMIDADE PASSIVA. PLANO COLLOR I. IPC. PERCENTUAIS DE 84,32% E 44,80%. PLANO COLLOR II. LEI Nº 8.177/91. BTNF. SUCUMBÊNCIA. HONORÁRIOS DEVIDOS. - A CEF é parte legítima para figurar no pólo passivo da relação processual, no tocante à parte do pedido relativa aos índices de reajuste expurgados pelos Planos Collor I e II dos saldos que não foram bloqueados e continuaram disponibilizados nas contas-poupança dos autores. Precedente do STF (RE 206.048/RS). - As cadernetas de poupança anteriores ao Plano Collor, com data de aniversário na primeira quinzena do mês, devem ter os seus respectivos saldos, em abril de 1990, reajustados no percentual de 84.32%, referente ao IPC de março de 1990, a teor do que dispunha o DL nº 2.311/86 c/c o art. 10 da Lei nº 7.730/89. Precedentes do STJ. - O índice de 44,80%, referente ao IPC de abril/90, deve ser aplicado aos saldos disponíveis (não bloqueados) das contas-poupança, pois, somente a partir de maio de 1990, é que o BTNF passou a ser utilizado como o novo fator de reajuste, nos termos da MP nº 180, de 30.5.90, convertida na Lei nº 8.088/90. Precedentes.(...)11 A fim de reforçar tal raciocínio, transcrevo a Súmula 725 do STF, que assim dispôs: É constitucional o § 2º do art. 6º da lei 8024/1990, resultante da conversão da medida provisória 168/1990, que fixou o BTN fiscal como índice de correção monetária aplicável aos depósitos bloqueados pelo Plano Collor I. (grifo nosso) Em síntese, coexistiram dois regimes de atualização da poupança na época: para os saldos até NCz$ 50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), depositados nos estabelecimentos bancários, aplicável o IPC; para o montante superiores a esse valor, veio a calhar o BTNf. A propósito da primeira hipótese, a utilização do IPC prevaleceu até junho de 1990, com a edição da MP 189, publicada em 31.05.1990, reeditada pelas MP¿s nº 195, 200, 212 e 237, esta última, convertida na Lei 8.088/1990, consoante a seguinte lição: A Medida Provisória nº 168/90, ao especificar, em seu Artigo 6º, parágrafo 2º, a variação do BTN Fiscal como critério de atualização, referiu-se aos saldos em cruzados novos não convertidos em cruzeiros e transferidos ao Banco Central do Brasil. A esse respeito, a Lei de Conversão nº 8.024/90, em seu parágrafo 2º do Artigo 6º, manteve o texto da Medida em comento. No que tange aos valores até NCz$50.000,00 (cinqüenta mil cruzados novos), que permaneceram no banco depositário e foram convertidos em cruzeiros, manteve-se o disposto no Artigo 17, da Lei nº 7.730/89, ou seja, a atualização desses saldos de caderneta de poupança permaneceu com base na variação do IPC verificada no mês anterior. Esse critério prevaleceu até junho de 1990, com a edição da Lei nº 8.088, de 31/10/90, a qual dispôs, em seu Artigo 2º combinado com o Artigo 3º, que os depósitos de poupança seriam atualizados monetariamente pela variação nominal do BTN, a partir do mês de junho de 1990, inclusive12. Quanto ao Plano Collor II, verifico que o STJ já pacificou a questão, no sentido de que o BTN serviu de índice de atualização dos depósitos em caderneta de poupança até 31.01.1991. A partir de 01.02.1991, aplicável a TRD, com a ressalva de que tal fator apenas incide aos períodos iniciados após a sua vigência: Caderneta de poupança. Remuneração nos meses de janeiro de 1989, março, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991. Planos Verão, Collor I e Collor II. Legitimidade passiva. Prescrição. Direito adquirido. IPC de 42,72%. 1. a 5. Omiti. 6. A Medida Provisória nº 168/90, convertida na Lei nº 8.024/90, aplica-se aos períodos mensais de cadernetas de poupança iniciados após a vigência da mesma. 7. Por força da Lei nº 8.088, de 31/10/90, o BTN serviu de índice de remuneração dos depósitos em caderneta de poupança até 31/01/91. A Medida Provisória nº 294, de 31/01/91, convertida na Lei nº 8.177/91, por sua vez, que elegeu a TRD como índice de correção as cadernetas e poupança, tem aplicação, apenas, aos períodos mensais iniciados após a sua vigência. 8. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, provido13. ECONÔMICO. CADERNETA DE POUPANÇA. IPC. JANEIRO/1991. LEGITIMIDADE PASSIVA. PRESCRIÇÃO DOS JUROS VINTENÁRIA. I. Omiti. II. Com relação à correção monetária no mês de fevereiro de 1991, tendo em vista a entrada em vigor do Plano Collor II (MP n. 294, de 31/01/91, convertida na Lei n. 8.177/91, que excluiu o BTN e instituiu a TR), tais dispositivos não alcançam as contas iniciadas antes da sua vigência (REsp n. 254.891-SP, Rel. Min. Carlos Alberto Menezes Direito, DJU 11/06/2001) III. A prescrição dos juros devidos pelas aplicações em cadernetas de poupança é vintenária. Precedentes. IV. Agravo regimental desprovido14. Sobre as diferenças deverá incidir atualização monetária medida pelos mesmos índices de correção da caderneta de poupança (juros remuneratórios de 0,5% + correção monetária), além de juros moratórios simples, de 1% ao mês, a partir da citação. III. Dispositivo Assim, extingo o processo com resolução do mérito, nos termos do art. 269, I do CPC, e acolho parcialmente o pedido do(a) autor(a), para determinar que a Caixa Econômica Federal - CEF aplique os índices de: a) 42,72% ao saldo da conta que fez aniversário entre 01.01.1989 e 15.01.1989; b) 84,32%, ao saldo da conta que fez aniversário na primeira quinzena do mês de março de 1990, até o limite de NCz$ 50.000,00; c) 44,80%, ao saldo da conta que fez aniversário na primeira quinzena do mês de abril de 1990, até o limite de NCz$ 50.000,00; d) 7,87%, ao saldo da conta que fez aniversário na primeira quinzena do mês de maio de 1990, até o limite de NCz$ 50.000,00. Os valores eventualmente já creditados serão compensados pelo banco-réu a título de correção, cujo montante, acrescido das parcelas relativas à correção monetária e juros moratórios, deve ser apurado em liquidação de sentença. As diferenças deverão ser corrigidas pelos mesmos índices de correção da caderneta de poupança (indexador + 0,5% dos juros remuneratórios), desde o nascimento da obrigação. Também incidirão sobre as diferenças juros de mora, estatuídos no patamar de 1% ao mês, a contar da citação. Defiro o benefício da justiça gratuita. Cada parte deverá arcar com a metade das custas e os honorários dos seus respectivos patronos, em face do art. 21 do CPC. Condiciono, contudo, o pagamento das custas pelos demandantes à demonstração de que ambos não possuem ou perderam a condição de hipossuficiência econômica. No particular, o E. STJ, conferindo interpretação sistemática aos artigos 21 do CPC e 12 da Lei nº. 1.060/50, é uníssono em manter, na hipótese de mútuo decaimento, a imediata compensação dos ônus sucumbenciais, ainda que uma das partes seja beneficiária da assistência judiciária gratuita, sob o argumento de que a esta se confere apenas a suspensão temporária, e não a isenção, do pagamento das verbas de sucumbência15. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 13 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 TRF5. 1ª Turma. AC 432963/CE. Relator: Des. Ubaldo Ataíde Cavalcante. DJ 28/03/2008, pág. 1392. 2 TRF2 AC - 416327/RJ. SÉTIMA TURMA ESPECIALIZADA. Rel. REIS FRIEDE Data da decisão: 04/06/2008. 3 TRF 5ª Região. AG -82089/PE. 2ª Turma. Rel. Rogério Fialho Moreira. DJ: 15/10/2008, p. 232, n. 200. 4 STJ. RESP 707.151/ SP, Quarta Turma, Rel. FERNANDO GONÇALVES, DJ de 01.08.2005. 5 STJ, REsp 707.151/SP, 4ª Turma, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, julgado em 17.05.2005, DJ 01.08.2005 p. 471 6 STJ, AgRg no REsp 740.791/RS, 4ª Turma, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, julgado em 16.08.2005, DJ 05.09.2005 p. 432 7 TRF 5ª Reg., AC 449902/PB (2007.82.000041687), 3ª Turma, Rel. Des. Federal Paulo Machado Cordeiro, Data da decisão: 11/09/2008, DJ - Data::28/10/2008 - Página::523 - Nº::209 8 STF. RE 206.048-8/RS. Tribunal Pleno. Rel. p/acórdão Min. Nelson Jobim. DJ: 19.10.2001. 9 STF. RE 206488/RS. Tribunal Pleno.15/08/2001 10 TRF 4ª Região. AC 200271050087655/RS. 4ª Turma. Rel. Valdemar Capeletti. D.E. 13/08/2007 11 TRF 5ª Região. AC 443580/AL. 4ª Turma. Rel. Lázaro Guimarães. DJ: 18/08/2008, p. 950. 12 TRF 3ª Região. AC 1201515/SP. 4ª Turma. DJU:19/12/2007, trecho do voto proferido pela Relatora, ALDA BASTO. 13 STJ. RESP - 254891/SP. 3ª Turma. Rel. Carlos Alberto Menezes Direito. DJ: 11.06.2001. 14 STJ. AGRESP 1037880/SP. 4ª Turma. Rel. Aldir Passarinho Júnior. DJE: 28/10/2008. 15 PROCESSUAL CIVIL. HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS. ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA. SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA (ART. 21 DO CPC). SUSPENSÃO. SITUAÇÃO DE MISERABILIDADE. 1. As custas e os honorários advocatícios devem ser recíproca e proporcionalmente distribuídos e compensados entre si, consoante dispõe o artigo 21 do CPC, conquanto seja uma das partes beneficiária da justiça gratuita. A exigibilidade do pagamento ficará suspensa, se não revertido o estado de necessidade. 2. Recurso especial não provido. (STJ. RESP - 953433/RS. SEGUNDA TURMA. DJ DATA: 25/10/2007. PÁG. 162. Relator Min. CASTRO MEIRA). ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2008.85.00.004809-7 XIV PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0005381-82.2004.4.05.8500 JOÃO ANDRADE FERREIRA E OUTROS (Adv. BRUNO DE ANDRADE LAGE (DEFENSOR PUBLICO)) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 272), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Intimar os exeqüentes do teor do requisitório, dos documentos de fl 272/273. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0006390-45.2005.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS, CICERO CORBAL GUERRA NETO, BIANCO SOUZA MORELLI, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, CLÁUDIA TELES DA PAIXÃO ARAÚJO) x UNAS - UNIÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES (Adv. SEM ADVOGADO) x JOSÉ AUGUSTO PRUDENTE ARAUJO (Adv. JULIO CESAR DO NASCIMENTO RABELO, JOAO RICARDO ALCANTARA CAMPOS)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2005.85.00.006390-5 - Classe 36 - 1ª Vara. AÇÃO SUMÁRIA Autor: José Augusto Prudente Araújo Réu: Caixa Econômica Federal e Outro SENTENÇA I - RELATÓRIO Cuido de ação sumária proposta pelo autor JOSÉ AUGUSTO PRUDENTE ARAÚJO contra a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E UNIÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES - UNA, objetivando, em síntese, que seja determinado às demandadas que se abstenham de promover qualquer débito da conta corrente do autor e a condenação das mesmas ao pagamento de danos morais, no valor de 1.000 (um mil) salários-mínimos. Juntou procuração e documentos. (fls. 11/17). Nas fls. 19/20, determinou-se a remessa do feito ao JEF tendo em vista o valor da causa ser de R$ 300,00 (trezentos reais), inferior a 60 salários mínimos. Naquele Juizado, foi indeferida a antecipação dos efeitos da tutela de mérito, assim como o pedido de inversão do ônus da prova, tendo sido deferidos os benefícios da assistência judiciária gratuita, fls. 23/24. Diante da não localização da 2ª requerida, foi intimada a parte autora apara informar o endereço atualizado da mesma, f. 29, sem que ela tenha cumprido a diligência determinada. Citada, a CEF apresentou a contestação de fls. 30/38 e os documentos de fls. 39-52. Intimado novamente o autor, através de seu procurador, f. 59, deixou novamente transcorrer o prazo assinalado sem qualquer manifestação. Nas fls. 61/62, o Juiz Federal Substituto daquele Juizado determinou a devolução dos autos a esta 1ª Vara Federal, em vista de o pedido de pagamento a título de danos morais ultrapassar o valor de alçada. Em decisão de fls. 64/65 foi reconhecida a competência deste juízo para processar e julgar a demanda, convalidando-se todos os atos praticados perante o Juizado Especial Federal de Aracaju (5ª Vara). Determinou-se ainda a intimação do autor para trazer aos autos o endereço da 2ª requerida e para apresentar réplica. Transcorrido o prazo sem que houvesse manifestação do autor (fls.68), as partes foram intimadas para dizerem do interesse na produção de provas. A CEF requereu (fls.73) nova intimação do autor para que anexasse aos autos o contrato que assinou com a UNAS. O autor, por seu turno, permaneceu inerte.(fls.74) Por fim, intimado o autor para juntar cópia do contrato de empréstimo firmado com a UNAS, mais uma vez ele não se manifestou. (fls. 77) É o relatório. Decido. II - FUNDAMENTAÇÃO Antes de analisar as questões controvertidas, é imprescindível esclarecer que a relação entre o contratante e a instituição financeira é de consumo, por enquadrar-se perfeitamente nos conceitos legais previstos nos artigos 2º, 3º, §2º e 29, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor, já que não restam dúvidas de que os bancos são fornecedores de serviços, quais sejam, a intermediação do crédito. As operações bancárias configuram nítida relação de consumo, conforme já assentado na Súmula 297 pelo Superior Tribunal de Justiça: Súmula 297 - O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras. Não é outro o entendimento do Supremo Tribunal Federal, que, recentemente, através do Plenário e por maioria (nove votos a dois), decidiu, na ADI nº 2591, que as relações de consumo de natureza bancária ou financeira devem ser protegidas pelo Código de Defesa do Consumidor e julgou improcedente o pedido formulado pela Confederação Nacional das Instituições Financeiras (Consif). Assim, em linhas gerais, os princípios informadores da relação de consumo, como o da boa-fé, lealdade, a interpretação das cláusulas contratuais de maneira mais favorável aos consumidores1, dentre outros, são aplicáveis à interpretação dos contratos firmados pelas instituições financeiras, sempre em busca de um equilíbrio entre as partes contratantes. O CDC garante ao consumidor que os instrumentos que regulam as relações entre este e o fornecedor devem ser redigidos de forma clara e precisa de modo a não dificultar a compreensão por parte daquele: Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance. Nesta mesma linha de raciocínio, o art. 52 e seus incisos c/c art. 51, IV e X, do Código Consumerista, garantem que os encargos e índices devem ser informados antecipada e adequadamente, sendo consideradas nulas de pleno direito as cláusulas contratuais que estabeleçam obrigações abusivas e que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada ou que permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral. Com relação à premiliminar de incompetência absoluta, tenho que a mesma já foi devidamente superada, conforme exposto nas decisões de fls. 61/62 e 64/65. No que tange à alegação de ilegitimidade passiva da CEF, verifico que a mesma não merece ser acolhida. A conta na qual o autor afirma terem sido realizados indevidamente os descontos é mantida junto à empresa ré. Por outro lado, somente depois da análise do mérito da demanda será possível definir se tais débitos foram realizados de forma ilegal ou de acordo com o contrato firmado pelo autor. Sendo assim, rejeito a preliminar. Com relação à UNAS, verifico que o autor sequer apresentou seu endereço atualizado para citação, de modo que esta nem mesmo chegou a integrar a relação processual, restando indeferido o pedido de citação da mesma. Passando à análise do mérito, verifico que se trata de hipótese de improcedência do pedido. Compulsoando as provas carreadas aos autos, tem-se que a parte autora não se desincumbiu de comprovar que os descontos realizados em sua conta foram feitos de forma ilegal. Incialmente ressalto que o simples fato de a conta da CEF citada pelo autor existir somente para que o mesmo receba seu salário não impede que sejam realizados débitos nos valores ali existentes, uma vez que, tratando-se de empréstimo consignado, o desconto é realizado diretamente dos vencimentos do contratante. O autor afirmou que entabulou contrato de empréstimo com a UNAS, com autorização para débito das parcelas somente na conta que possuía junto ao Banco do Brasil e que, por inexistência de saldo nesta conta, a CEF, indevidamente, começou a efetuar os descontos em sua conta salário aberta junto a esta empresa. Ocorre que o autor não informa em que mês foi firmado o contrato com a UNAS ou até que mês realizou os pagamentos de forma regular ou mesmo quando começaram a ser debitadas indevidamente as parcelas de sua conta salário aberta na CEF. Limita-se a requerer que não mais sejam realizados descontos em sua conta e para comprovar seu direito, junta aos autos extratos bancários (fls.12 e 16) que somente demonstram a existência de descontos a título "diversos" realizados nos meses de outubro e novembro de 2005, mas que não esclarecem a que título. Ainda que houvesse sido deferida a inversão do ônus da prova, o que não ocorreu, conforme decisão de fls. 23/24, tal medida tornaria-se sem efeito, uma vez que o autor sequer informou corretamente o endereço para citação da ré UNAS, com a qual afirma ter realizado contrato de empréstimo do qual decorrem os descontos. Por outro lado, o autor também não juntou aos autos cópia do contrato de empréstimo, tampouco qualquer documentação da conta que afirmou possuir no Banco do Brasil à época da assinatura do contrato, na qual teriam sido autorizados os descontos. Junta apenas documentos de fls. 13 e 15 que comprovam a existência de convênio entre a UNAS e CEF, o que contribui ainda mais para a improcedência do pedido. Intimado mais de uma vez para apresentar a cópia do contrato firmado com a UNAS, o autor quedou-se inerte. Intimado acerca do interesse na produção de provas, também não se manifestou. Resta clara, portanto, a falta de diligência do mesmo em trazer aos autos elementos que consubstanciem seu direito. No mais, tendo em vista a ausência de comprovação de qualquer ilegalidade na conduta da ré, também não há que se falar em direito do autor a indenização por danos morais. III - DISPOSITIVO Por força dos argumentos exarados, extingo o processo com resolução do mérito e julgo improcedentes os pedidos autorais, nos termos do art. 269, IV do CPC. Condeno o demandante no pagamento de custas e honorários advocatícios, os quais, ante a singeleza da causa, fixo em R$ 1.000,00 (mil reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. Condiciono, contudo, o pagamento dessas verbas de sucumbência à demonstração, pela ré, de que o demandante não possui ou perdeu a condição de hipossuficiência econômica. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 Art. 47 do CDC. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2005.85.00.006390-5 VI

   

0017765-29.1994.4.05.8500 SIND DOS TRABS NA IND NA EXTRACAO DE PETROLEO NOS ESTADOS DE SE E AL - SINDIPETRO SE/AL (Adv. RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO, CHARLES ROBERT SOBRAL DONALD, ANA EDITE MENEZES DE VASCONCELOS SILVA, VANIA LÚCIA MATTOS FRANÇA FELIX) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO, CHARLES EDGAR SEABRA MANSO)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE Processo n° 94.0017765-8 - 1ª Vara - Sentença Tipo "B" Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA (EXECUÇÃO DE SENTENÇA) Autor: SINDICATO DOS TRABS. NA EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO DO EST. DE SERGIPE E ALAGOAS - SINDIPETRO SE/AL. Réu: Caixa Econômica Federal - CEF. SENTENÇA I - RELATÓRIO Após a realização de atos processuais, fundamentada na Lei Complementar nº. 110/2001, a Caixa Econômica Federal atravessa petições1 para informar a celebração de acordos de pagamento dos expurgos do FGTS com os substituídos COSMO DOS SANTOS, ARNALDO DOS SANTOS FILHO, ANTÔNIO CARLOS SANTOS, ARISTÓTELES CARMO DE OLIVEIRA, GERALDO ALVES DE SENA, ANSELMO SILVA REIS, CARLOS ROBERTO MENEZES MARTINS, ERIVALDO FERREIRA SANTOS e EUGÊNIO DEZEN, juntando cópia microfilmada dos referidos acordos ou informando que foram firmados termos de adesão por meio eletrônico. Instada a se manifestar, a parte ativa quedou-se inerte (f. 4461 e 4468). Requer, ainda, também fundamentada na Lei Complementar nº. 110/2001, a homologação2 dos acordos com o substituído abaixo listado, onde chegaram aos seguintes montantes, englobando o principal, a atualização monetária, os juros legais incidentes e os juros de mora fixados: , JOSÉ DE BARROS RIBEIRO R$ 50.253,60, R$ 23.732,59 E R$ 161,46 (em 11/02/2009) JOSÉ DOS SANTOS GOMES R$ 11.827,30 (em 25/03/2009) II - FUNDAMENTAÇÃO Ao firmarem os acordos, as partes certamente anuíram a condições que intimamente lhes pareceram mais favoráveis. Assim, não vislumbrando nenhum vício de consentimento, considero válidos os atos volitivos formalizados. O caso em análise prescinde de fundamentação profunda. Posto isso, aplico a seguinte norma: Haverá resolução de mérito: III - quando as partes transigirem.3 Deste modo, resta, tão somente, no intuito de pôr fim ao litígio, emitir o ato formal de homologação da transação, para que se dê força executiva ao acordo realizado. III - DISPOSITIVO Pelo exposto, homologo o acordo firmado pelas partes e, via de conseqüência, extingo o processo com resolução do mérito em relação aos substituídos COSMO DOS SANTOS, ARNALDO DOS SANTOS FILHO, ANTÔNIO CARLOS SANTOS, ARISTÓTELES CARMO DE OLIVEIRA, GERALDO ALVES DE SENA, ANSELMO SILVA REIS, CARLOS ROBERTO MENEZES MARTINS, ERIVALDO FERREIRA SANTOS, EUGÊNIO DEZEN, JOSÉ DE BARROS RIBEIRO e JOSÉ DOS SANTOS GOMES, com espeque no art. 269, III, do CPC. Acolho os pedidos de renúncia ao prazo recursal. Intimar o substituído relacionado abaixo, através de seu advogado, para tomar ciência de que as quantias podem ser levantadas, independentemente de alvará: , JOSÉ DE BARROS RIBEIRO Conta FGTS: Cód. Estab nº 59970510890830 Cód. Emprg nº 12234 Cód. Estab nº 59970510890830 Cód. Emprg nº 53348 Cód. Estab nº 09840012126775 Cód. Emprg nº 90005608393 PIS: 10063981820 CPF: 016.047.165-68 R$ 50.253,60, R$ 23.732,59 E R$ 161,46 (em 11/02/2009) Apor o carimbo "confere com o original" em cópia desta sentença, a ser entregue ao patrono dos substituídos. Uma vez que não foi comprovado o preenchimento dos requisitos legais para o saque dos referidos valores, aguardem os autores COSMO DOS SANTOS, ARNALDO DOS SANTOS FILHO, ANTÔNIO CARLOS SANTOS, ARISTÓTELES CARMO DE OLIVEIRA, GERALDO ALVES DE SENA, ANSELMO SILVA REIS, CARLOS ROBERTO MENEZES MARTINS, ERIVALDO FERREIRA SANTOS, EUGÊNIO DEZEN e JOSÉ DOS SANTOS GOMES o momento oportuno para efetuar o saque administrativamente. Intimar, ainda, a parte ativa para trazer o número do CPF dos autores que firmaram acordo nas petições de f. 4453, 4458 e 4463, documento necessário à liberação da quantia depositada. Após, analisarei a petição de f. 4466-4467. Nos termos do parágrafo único do artigo 24-A da Lei 9.028/95, a Caixa Econômica Federal - CEF está isenta de custas. Sem condenação em honorários advocatícios, a teor do artigo 29-C4 da Lei n° 8.036/1990. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 F. 4315, 4337, 4351, 4359, 4386, 4398, 4411, 4420 . 2 F. 4379 e 4448. 3 CPC, art. 269. 4 Art. 29-C: Nas ações entre o FGTS e os titulares de contas vinculadas, bem como naquelas em que figurem os respectivos representantes ou substitutos processuais, não haverá condenação em honorários advocatícios. ?? ?? ?? ??

   

0018139-45.1994.4.05.8500 SIND DOS TRABS NA IND DE ENERGIA ELETRICA DO EST DE SE (Adv. RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO, LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI) x UNIAO FEDERAL (Adv. PAULO ANDRADE GOMES)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE Processo n° 94.0018139-6 - 1ª Vara - Sentença Tipo "B" Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA (EXECUÇÃO DE SENTENÇA) Autor: SINDICATO DOS TRABS. NA IND. DE ENERGIA ELÉTRICA DO EST. DE SERGIPE - SINERGIA. Réu: Caixa Econômica Federal - CEF e outro. SENTENÇA I - RELATÓRIO Após a realização de atos processuais, fundamentada na Lei Complementar nº. 110/2001, a Caixa Econômica Federal atravessa petições1 para informar a celebração de acordos de pagamento dos expurgos do FGTS com os substituídos JOSÉ VIEIRA LEITE, MANOEL ALVES DE SOUZA, MARIA APARECIDA DE SOUZA, MARIA DE FÁTIMA FONTES DE FARIA FERNANDES, MARIA DO CARMO ALMEIDA ÁVILA, MARIA DO SOCORRO SOUSA, RENATO ALVES DE ARAGÃO e SÉRGIO LIMA BARRETO DE ANDRADE, juntando cópia microfilmada dos referidos acordos ou informando que foram firmados termos de adesão por meio eletrônico. Instada a se manifestar, a parte ativa declarou2 que nada tem a opor em relação aos supramencionados acordos. Requer, ainda, também fundamentada na Lei Complementar nº. 110/2001, a homologação3 dos acordos com os substituídos abaixo listados, onde chegaram aos seguintes montantes, englobando o principal, a atualização monetária, os juros legais incidentes e os juros de mora fixados: , FLORITA DE CARVALHO LIMA R$ 6.980,21, (em 24/03/2009) JOSÉ CARLOS MOURA SILVA R$ 7.491,02 (em 05/06/2009) KLEBER SOUZA MAGNO R$ 13.274,66 (em 05/06/2009) CLÁUDIO REBELO SARMENTO FILHO R$ 4.067,59 E R$ 322,80 (em 09/06/2009) IZAC ALMEIDA SANTOS R$ 16.300,82 (em 15/06/2009) GILSON GUIMARÃES BARROSO R$ 15.879,24 (em 23/06/2009) MIGUEL DE OLIVEIRA R$ 6.221,44 (em 29/06/2009) NELSON FERNANDES FONTES R$ 3.417,32 (em 29/06/2009) II - FUNDAMENTAÇÃO Ao firmarem os acordos, as partes certamente anuíram a condições que intimamente lhes pareceram mais favoráveis. Assim, não vislumbrando nenhum vício de consentimento, considero válidos os atos volitivos formalizados. O caso em análise prescinde de fundamentação profunda. Posto isso, aplico a seguinte norma: Haverá resolução de mérito: III - quando as partes transigirem.4 Deste modo, resta, tão somente, no intuito de pôr fim ao litígio, emitir o ato formal de homologação da transação, para que se dê força executiva ao acordo realizado. III - DISPOSITIVO Pelo exposto, homologo o acordo firmado pelas partes e, via de conseqüência, extingo o processo com resolução do mérito em relação aos substituídos JOSÉ VIEIRA LEITE, MANOEL ALVES DE SOUZA, MARIA APARECIDA DE SOUZA, MARIA DE FÁTIMA FONTES DE FARIA FERNANDES, MARIA DO CARMO ALMEIDA ÁVILA, MARIA DO SOCORRO SOUSA, RENATO ALVES DE ARAGÃO, SÉRGIO LIMA BARRETO DE ANDRADE, FLORITA DE CARVALHO LIMA, JOSÉ CARLOS MOURA SILVA, KLEBER SOUZA MAGNO, CLÁUDIO REBELO SARMENTO FILHO, IZAC ALMEIDA SANTOS, GILSON GUIMARÃES BARROSO, MIGUEL DE OLIVEIRA e NELSON FERNANDES FONTES com espeque no art. 269, III, do CPC. Acolho os pedidos de renúncia ao prazo recursal. Intimar os substituídos relacionados abaixo, através de seu advogado, para tomar ciência de que as quantias podem ser levantadas, independentemente de alvará: , FLORITA DE CARVALHO LIMA Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 26661 PIS: 10264601545 CPF: 06765521534 R$ 6.980,21 (em 24/03/2009) KLEBER SOUZA MAGNO Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 106690 PIS: 17001844428 CPF: 10298096587 R$ 13.274,66 (em 05/06/2009) CLÁUDIO REBELO SARMENTO FILHO Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 16518 Cód. Estab nº 09841012329770 Cód. Emprg nº 90600425656 PIS: 10116008706 CPF: 08193525515 R$ 4.067,59 E R$ 322,80 (em 09/06/2009) IZAC ALMEIDA SANTOS Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 35067 PIS: 10104833200 CPF: 17036089504 R$ 16.300,82 (em 15/06/2009) GILSON GUIMARÃES BARROSO Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 31070 PIS: 10016451446 CPF:05178290534 R$ 15.879,24 (em 23/06/2009) MIGUEL DE OLIVEIRA Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 77819 PIS: 10706289843 CPF:19871244568 R$ 6.221,44 (em 29/06/2009) NELSON FERNANDES FONTES Conta FGTS: Cód. Estab nº 59960300128480 Cód. Emprg nº 79439 PIS: 12036674757 CPF:27457664572 R$ 3.417,32 (em 29/06/2009) Apor o carimbo "confere com o original" em cópia desta sentença, a ser entregue ao patrono dos substituídos. Uma vez que não foi comprovado o preenchimento dos requisitos legais para o saque dos referidos valores, aguardem os autores JOSÉ VIEIRA LEITE, MANOEL ALVES DE SOUZA, MARIA APARECIDA DE SOUZA, MARIA DE FÁTIMA FONTES DE FARIA FERNANDES, MARIA DO CARMO ALMEIDA ÁVILA, MARIA DO SOCORRO SOUSA, RENATO ALVES DE ARAGÃO, SÉRGIO LIMA BARRETO DE ANDRADE e JOSÉ CARLOS MOURA SILVA o momento oportuno para efetuar o saque administrativamente. Intimar, ainda, a parte ativa para se manifestar acerca das petições de fls. 3225-3229, 3230-3239, 3240-3251, 3254-3277, 3278-3284 e 3285-3294. Nos termos do parágrafo único do artigo 24-A da Lei 9.028/95, a Caixa Econômica Federal - CEF está isenta de custas. Sem condenação em honorários advocatícios, a teor do artigo 29-C5 da Lei n° 8.036/1990. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 10 de agosto de 2009. Telma Maria Santos Juíza Federal 1 F. 3161-3168, 3173-3174, 3198-3199. 2 F. 3195-3196 E 3206-3207. 3 F. 3192, 3219, 3221, 3223, 3252, 3295 E 3297. 4 CPC, art. 269. 5 Art. 29-C: Nas ações entre o FGTS e os titulares de contas vinculadas, bem como naquelas em que figurem os respectivos representantes ou substitutos processuais, não haverá condenação em honorários advocatícios. ?? ?? ?? ??

   

0018141-15.1994.4.05.8500 SIND DOS TRABS EM EMP DE TELEC E OP DE MESAS TELEF, CORREIOS E TELEG E SIM NO EST DE SE (Adv. RAIMUNDO CEZAR BRITTO ARAGÃO, ROBERTA GOIS DE ANDRADE MENDONÇA, MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO)

A advogada dos substituídos informou (f. 434/438) que a conta de FGTS do credor Walter Santos Sobral está ativa. Outrossim, anexou cópia da CTPS nº 75704 onde se verifica que o campo destinado à demissão (data de saída) não foi preenchido. Assim, indefiro o pedido de expedição de alvará, devendo o referido credor aguardar o preenchimento das exigências legais estabelecidas no art. 20, da Lei nº 8.036/90, quando poderá levantar o crédito na via administrativa. Intimar a parte ativa para cumprir o item 1 do despacho de f. 4067, no prazo de 05 (cinco) dias. Após, voltem-me conclusos para homologar os acordos de f. retro.

   

EMBARGOS A EXECUÇÃO

   

0001510-39.2007.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. ISABELA M. A. MORAIS REGO(FN)) x ANTONIO EMILIO ARAUJO (Adv. LUIZ MARIO OLIVEIRA DANTAS)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2007.85.00.001510-5 - Classe 5005 - 1ª Vara. EMBARGOS À EXECUÇÃO. Embargante(s): União Federal. Embargado(a): Antônio Emílio Araújo. SENTENÇA I - RELATÓRIO Cuido de embargos à execução de sentença promovidos pela União Federal contra Antônio Emílio Araújo. A embargante alegou a inexigibilidade do título exeqüendo e que os cálculos apresentados pelo embargado, em relação à liquidação da sentença proferida na ação ordinária nº 2004.85.00.001117-2, estão incorretos. Aduziu, também, haver excesso de execução e requereu a redução da quantia de R$ 390.080,52, indicada nos autos em apenso, para R$ 66.056,74. Juntou planilha e documentos para embasar os cálculos apresentados (f. 04/10). Instado (f. 14) a se manifestar o embargado reduziu o valor inicialmente executado e pugnou pelo cumprimento de sentença no valor de R$ 72.804,09. Acostou planilhas que embasam o pedido (f. 18/29). Após, os autos foram remetidos à contadoria deste juízo, a qual chegou a um valor diverso do apurado pelo embargado (f. 55). Intimado, o embargado (f. 59) concordou com os cálculos do contador. A parte ativa (f. 63/66) aduziu que, embora utilizando de procedimento correto, o setor contábil deste juízo deixou de observar os valores já restituídos administrativamente. Assim, apresentou como executável o montante de R$ 3.329,65. Remetidos os autos à contadoria o referido setor aquiesceu com as alegações apresentadas pela parte autora (f. 69). Intimado, o embargado concordou com os cálculos e pugnou pela expedição de RPV no valor retro (f. 73). Relatado. Decido. II - FUNDAMENTAÇÃO A insurgência do embargante se pauta nas alegações de inexigibilidade do título exeqüendo e excesso de execução do quantum debeatur. Na execução por quantia certa, ocorre excesso quando se cobra mais do que o devido. O nosso estatuto processual civil dispõe que: Há excesso de execução: I- quando o credor pleiteia quantia superior à do título.1 O saudoso Pontes de Miranda assim conceitua excesso de execução: "é pedir-se liquidação ou penhora, de mais do que é devido; (...); ter-se exigido depósito de mais do que o equivalente da coisa devida, ou ter-se omitido contraprestação".2 In casu, após a demonstração de pagamentos efetuados administrativamente ao embargado, a contadoria deste juízo concordou com os cálculos apresentados pelo embargante na f. 66. Igualmente, o embargado reconheceu como corretos os valores alegados pela parte ativa. Ora, o fato de, após a propositura da ação, o demandado atender ao pleito do autor - objeto desta demanda - conduz à conclusão de que reconheceu o pedido do embargante. O pedido do embargante, de se julgar ilíquido o título exeqüendo, fica prejudicado em face do valor incontroverso aceito por ambas as partes, qual seja, R$ 3.329,65. Quanto ao pleito do embargado de expedição de precatório para liberação da quantia, este deve ser endereçado aos autos principais. III - DISPOSITIVO Destarte, forte nos fundamentos expostos, extingo o processo com resolução de mérito, com espeque no art. 269, II, do CPC e julgo procedentes os embargos, para determinar o prosseguimento da execução de sentença de nº 2004.85.00.001117-2 com o valor indicado pela embargante e aceito pelo embargado, ou seja, R$ 3.329,65 (três mil trezentos e vinte e nove, sessenta e cinco centavos). Condeno o embargado em honorários advocatícios, os quais fixo em R$ 200,00 (duzentos reais), valendo-me, para tanto, do art. 20, § 4º do CPC. As partes estão isentas de custas. Juntar cópia desta sentença aos autos da execução pertinente. Desapensar, certificando-se em ambos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 10 de agosto de 2009. TELMA MARIA SANTOS Juíza Federal 1 CPC, art. 743. 2 - MIRANDA, Pontes de. Comentários ao Código de Processo Civil, Tomo XI, Editora Forense, 2ª Edição, 2002. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2007.85.00.0001510-5 III

   

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO)

   

0000228-92.2009.4.05.8500 EDUARDO SILVEIRA LEITE (Adv. ALESSANDER SANTOS BARBOSA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI)

Em face da manifestação da CEF, referente à conta de nº 1500.013.260744-5 (fl. 60), comprove a parte autora a titularidade da conta em questão, em cinco dias, sob advertência de julgamento do feito no estado em que se encontra.

   

0000557-07.2009.4.05.8500 ANTONIO FEITOSA FIGUEIREDO (Adv. MARCEL COSTA FORTES, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA) x " INSTITUTO FEDERAL DE SERGIPE", SUCESSOR DA ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE SÃO CRISTOVÃO (Adv. SEM PROCURADOR)

   

0001120-98.2009.4.05.8500 DJANIRA DE OLIVEIRA VIVEIROS (Adv. SIZENANDO AZEVEDO FARO, TULIO JOSE AZEVEDO FARO, ANDRÉA VIVEIROS HEINZE) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre a(s) contestação(ões), oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido.

   

0001121-83.2009.4.05.8500 PEDRO HUMBERTINO SANTOS (Adv. FABIO SILVA RAMOS, DEBORA DIAS FREITAS, LISELE SANTOS GARCIA, GILMÁRIO OLIVEIRA NASCIMENTO JÚNIOR) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Converto o julgamento em diligência. Na réplica (f. 256/261), a parte autora afirmou que o INSS não se manifestou sobre o período em que aquela aduz haver laborado em atividade rural. Não obstante o silêncio da autarquia previdenciária, os efeitos da revelia preconizados no art. 319 não se configuram no caso sub examine. O litígio versa sobre direito indisponível, uma vez que a ré é pessoa jurídica de direito público, razão pela qual se aplica a regra do art. 320, II, do CPC. Por outro lado, o reconhecimento do tempo de serviço, inclusive na atividade rural, exige o início de prova material, isto é, a existência de prova documental idônea contemporânea aos fatos que visam provar, sem a necessidade de abranger todo o período laborado, corroborada por prova oral que amplie a sua eficácia probatória - justamente em razão da prova documental ser incompleta. Assim, sem prejuízo do julgamento antecipado da lide, manifestem-se as partes sobre as provas que pretendem produzir, no prazo de 10 (dez) dias. Advirta-se que devem especificar, fundamentadamente, em que consistem as provas a serem produzidas, os pontos controvertidos que desejam ver solucionados, bem como a sua relevância para o deslinde do feito, com o fito de possibilitar a esse juízo aquilatar a sua necessidade. O requerimento genérico, sem a devida justificativa, fica, desde já, indeferido. Em caso de prova testemunhal, indicar desde já o número de testemunhas. Nada sendo requerido, voltem-me conclusos estes autos para o julgamento no estado em que se encontrar.

   

0002508-46.2003.4.05.8500 ANA FONTES PEREIRA (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO) x UNIAO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e documentos de fls. 191/203, apresentados pela CEF.

   

0002642-63.2009.4.05.8500 RITA DE CÁCIA OLIVEIRA DE ASSIS SILVA (Adv. JOAO SANTANA FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

Processo nº. 2009.85.00.002642-2 Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor(a): RITA DE CÁCIA OLIVEIRA DE ASSIS SILVA Réu(s): INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL D E C I S Ã O RITA DE CÁCIA OLIVEIRA DE ASSIS SILVA ajuizou ação ordinária em face da INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS , objetivando a anulação de sua demissão com a consequente reintegração nos termos do art. 28 caput da Lei n. 8.112/90. Alega a autora que: 1) foi servidora do INSS durante 27 (vinte e sete) anos, nos quais manteve conduta ilibada; 2) após a morte se seu irmão João Rodolfo Oliveira de Assis Costa obteve junto a sua cunhada Rosineide Rodrigues uma procuração para que requeresse junto a Autarquia Previdenciária o benefício de pensão por morte; 3) que o benefício foi concedido, mas durante 07 (sete) meses não houve repasse da parte que cabia à Sra. Rosineide, pois nos termos do acordo formulado entre esta e a autora, essa parcela serviria para cobrir os gastos com o funeral e com despesas domésticas decorrentes da estadia de 04 meses de João Rodolfo e Rosineide na residência da autora; 4) a denuncia que originou o procedimento administrativo disciplinar partiu da Sra. Rosineide, que teria ficado inconformada de ter que dividir a pensão com os outros herdeiros de João Rodolfo; 5) não sabia que a morte de seu irmão extinguia o vínculo parental com a Sra. Rosineide, acreditando que ao requerer em nome dela o benefício previdenciário não estava incorrendo em nenhuma proibição legal; 6) ao final do procedimento disciplinar concluiu-se que a autora teria praticado advocacia administrativa, tendo sido demitida nos termos do art. 117, XI c/c art. 132, XII ambos da Lei 8.112/90; 7) o procedimento transcorreu sem qualquer nulidade, mas a decisão proferida ao final baseou-se apenas nas alegações da Sra. Rosineide. Alega que a sua demissão feriu o princípio da proporcionalidade eis que a requisição do benefício, bem como a utilização de seus valores foi feita de boa-fé. Alega, ainda, que também o princípio do devido processo legal foi violado, argumentando que a decisão no processo administrativo foi proferida baseando-se exclusivamente nas alegações da Sra. Rosineide. Requer, assim, "conceda-lhe, 'inaudita altera parte', a antecipação dos efeitos da tutela jurisdicional, reintegrando-a no mesmo cargo e função que exercia junto à Autarquia-ré, à época de demissão, mantendo-se tal decisão até o final desta lide". Juntou procuração e documentos (fls. 34-621). É o relatório. Passo a decidir. Inicialmente é imperioso ressalvar que apesar de a autora informar na inicial que juntou cópia de todo o procedimento administrativo, a análise dos autos demonstra que não estão acostadas as fls. 485 a 574 do mencionado procedimento. Feita essa ressalva, impõe-se uma breve digressão acerca dos limites impostos ao Judiciário na análise de procedimentos disciplinares. Ao Poder Judiciário é vedada a ingerência no chamado mérito administrativo, constituído do binômio oportunidade/conveniência, presentes, notadamente, nos atos discricionários. Ocorre que em se tratando de procedimentos disciplinares não se verifica qualquer discricionariedade por parte da Administração Pública, uma vez que a vista da prática de conduta proibida ou da violação de deveres funcionais, a respectiva penalidade deverá ser aplicada. Assim, a aplicação das sanções não depende da presença da conveniência e da oportunidade, mas é medida que se impõe ao administrador competente para tal. Assim, considerando que o procedimento administrativo disciplinar é ato vinculado, ao Judiciário é possível um exame amplo de sua legalidade. Nesse sentido, é o entendimento já pacificado no STJ, conforme julgado abaixo colacionado: MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO. MÉDICO DO INSS E DO ESTADO DE TOCANTINS. IMPUTAÇÃO DE ACUMULAÇÃO ILÍCITA DE CARGOS PÚBLICOS. DEMISSÃO. INDEFERIMENTO DE PRODUÇÃO DE PROVA TESTEMUNHAL SEM MOTIVAÇÃO EM PAD. CERCEAMENTO DE DEFESA. DECISÃO JUDICIAL RECONHECENDO A COMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS. ORDEM CONCEDIDA. 1. Por força dos princípios da proporcionalidade, dignidade da pessoa humana e culpabilidade, aplicáveis ao regime jurídico disciplinar, não há juízo de discricionariedade no ato administrativo que impõe sanção a Servidor Público em razão do cometimento de infração disciplinar, de sorte que o controle jurisdicional é amplo, não se limitando, portanto, somente aos aspectos formais. Precedente. 2. A aplicação do rito sumário para a apuração de acumulação de cargos não justifica a negativa de produção de prova testemunhal, se esta for necessária à defesa; consoante previsão do inciso II do art. 133 da Lei 8.112/90, a fase de instrução, engloba a defesa do acusado, que, à toda evidência, tem de ser concreta e efetiva. 3. As exceções à proibição de acumular cargos públicos, previstas taxativamente no art. 37, inciso XVI da Constituição Federal, requestam a concorrência de dois pré-requisitos: (a) a correlação de matérias e (b) a compatibilidade de horários para o desempenho dos dois cargos. 4. O indeferimento do pedido de produção de prova testemunhal sem motivação, requerida tempestivamente pelo Servidor para a comprovação da compatibilidade de horários entre os cargos, caracteriza violação ao seu direito constitucionalmente assegurado de ampla defesa e contraditório no PAD, mormente pelo fato de haver conclusões totalmente antagônicas sobre o tema, constando nos autos decisão da Justiça Federal acolhendo a questionada compatibilidade de horários. 5. Ordem concedida para manter a eficácia da medida liminar concedida até que seja concluído o Processo Administrativo Disciplinar em questão, após a oitiva das testemunhas arroladas pelo Servidor; deve a Administração Pública urgenciar a conclusão do PAD com a máxima brevidade possível, para não se consolidar ex ope temporis a situação do Servidor1. Esclarecida a abrangência de atuação do Poder Judiciário, faz-se necessária uma análise dos requisitos e pressupostos indispensáveis para o deferimento da tutela antecipatória. Com efeito, assim dispõe o art. 273 do Estatuto Processual Civil: O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. Acrescenta o § 2º, do mesmo artigo: § 2º - Não se concederá a antecipação da tutela quando houver perigo de irreversibilidade do provimento antecipado. Além de a tutela antecipatória submeter a parte interessada às exigências da prova inequívoca do alegado na inicial, com intensidade para convencer o Juiz de que as alegações são verossímeis, isto é, pareçam verdadeiras, urge que, em princípio, a providência antecipatória não produza efeitos irreversíveis, ou seja, resultados de ordem que torne impossível a devolução da situação ao estado anterior (art. 273, parágrafo 2º, do CPC). É certo que a vedação não deve ser compreendida em termos absolutos, constituindo, ao contrário uma cláusula de salvaguarda do legislador no sentido de que o Juiz não deve, em princípio, conceder provimento antecipatório de natureza irreversível, contudo, em situações excepcionais, é possível a sua concessão na esteira do escólio de Humberto Theodoro Jr., verbis: "Mesmo quando o risco de irreversibilidade estiver presente, mas afetar o perigo corrido por ambas as partes, caberá ao juiz determinar qual o perigo mais relevante, segundo os interesses contrapostos e, à luz dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, dispensar a tutela àquele que se revelar mais carente dela. Se a posição que, diante da prova inequívoca disponível, se apresenta como a que deva sair vitoriosa no provimento final é a do autor, e se esta solução só protegerá seu direito se a medida de efeitos irreversíveis lhe for de imediato proporcionada, parece claro que o princípio da razoabilidade se aplica para determinar seja deferida antecipação, ainda que isto implique sujeitar o réu ao risco da irreversibilidade" 2 Concomitante com estes requisitos extraídos do caput e do § 2º do art. 273 do CPC, o Juiz para deferir a tutela antecipada deverá está convencido de que o quadro demonstrado pelo autor caracteriza, por parte do réu, abuso de direito de defesa ou manifesto propósito protelatório, ou independentemente da postura do réu, haja risco iminente para o autor de dano irreparável ou de difícil reparação. Cumpre analisar a existência desses requisitos. Quanto a verossimilhança das alegações, tem-se que a questão cinge-se à verificação da regularidade da decisão que culminou na demissão da autora. A autora foi acusada de violar a regra constante do art. 117 da Lei 8.112/91, in verbis: Art. 117. Ao servidor é proibido: XI - atuar, como procurador ou intermediário, junto a repartições públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou companheiro; Tal proibição foi repetida no art. 160, I do Decreto nº. 3.048/99 - regulamento da Previdência Social. A regra contida nos mencionados dispositivos é clara, proibindo o servidor de atuar como procurador e prevendo as ressalvas necessárias. Essa proibição visa evitar que o servidor público usufrua de facilidades em razão de sua qualidade de servidor. Ao contrário do que afirma a autora, a conduta por ela praticada é grave porque benefício previdenciário foi obtido com a utilização de dados de dependentes. É de se ressaltar, também, que essa conduta poderia ensejar responsabilização do INSS, caso a segurada instaurasse demanda na Justiça. O mandatário recebe procuração para atuar em nome e no interesse do mandante. Não há autorização, portanto, para receber a pensão obtida nem para gerir autonomamente tal benefício, até porque a mandante não se trata de pessoa incapaz. A questão do pagamento de despesas domesticas e do funeral do Sr. João Rodolfo Oliveira de Assis Costa deveria ter sido objeto de negociação entre a autora e a Sra. Rosineide, não se admitindo uma conduta manu militari por parte da autora. O fato de a Sra. Rosineide ter residido na casa da autora durante 04 (quatro) meses, não autoriza esta a dispor do benefício sem qualquer prestação de contas. A gravidade da conduta da autora fica ainda mais patente quando se vislumbra o Despacho de Instrução e Indiciação (fls. 585-591), parcialmente transcrito abaixo: "3 - A servidora Rita de Cácia Oliveira de Assis Silva recebeu, na condição de procuradora da Sra. Rosineide Rodrigues, no período de 18.03.2004 a 30.10.2004, o pagamento de pensão por morte instituída pelo Sr. João Rodolfo Oliveira de Assis Costa, NB 21/133.328.156-9, não repassando para a titular do benefício os valores correspondentes a R$ 1.913,25 (hum mil, novecentos e treze reais e vinte e cinco centavos). 4 - Na qualidade de detentora da guarda da menor Vanessa dos Santos Costa, a servidora Rita de Cácia Oliveira de Assis Silva só requereu um 11.11.2004 na APS Aracaju/Siqueira Campos, a pensão por morte em nome da menor, NB/21-135.914.453-3, face o falecimento do pai da mesma - Sr. João Rodolfo Oliveira de Assis Costa, sua exclusão no cadastro de procurador datada de 09.11.2004, apesar do óbito ter ocorrido em 18.03.2004. 5 - O desdobramento do NB 21/133.628.156-9 só foi levado a efeito após a exclusão da servidora Rita de Cácia Oliveira de Assis Silva como procuradora no referido benefício: NB 21-135.914.453-3 - Vanessa dos Santos Costa - DER 11.11.2004 - filha do instituidor da pensão por morte; NB 21-136.359.047-0 - Acilene Gomes dos Santos/Rayane Tamires Santos Costa - DER 17.11.2004 - filha do instituidor da pensão por morte; NB 21-135.654.921-4 - Rosângela Alcântara Moreira/Alda Ângela Alcântara Moreira - DER 17.11.2004 - esposa/filha do instituidor da pensão por morte". A análise das informações transcritas acima revela que a autora somente requereu o benefício a que fazia jus os demais dependentes do de cujus após a perda da qualidade de procuradora. Ou seja, entre 18/03/2004 e 30/10/2004 a autora recebeu integralmente a pensão instituída pelo seu irmão. Demais disso, a argumentação da autora soa um tanto contraditória, uma vez que embora não quisesse qualquer envolvimento na divisão da pensão deixada pelo Sr. João Rodolfo, recebeu o integralmente o benefício durante alguns meses sem prestar contas aos verdadeiros titulares. Ante o exposto, não se vislumbra, ao menos em sede de cognição sumária, qualquer vício na decisão quem impôs a demissão da autora. A base empírica sobre a qual se funda a referida decisão é idônea, eis que não houve valoração arbitrária da prova. Ausente, pois, o requisito da verossimilhança das alegações. Quanto ao perigo de dano irreparável ou de difícil reparação, torna-se desnecessária qualquer manifestação a respeito, uma vez que ambos os requisitos devem estar cumulados. Em face do exposto, indefiro, por ora, o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, resguardando-me a possibilidade de reanalisar o pedido após a instrução do feito ou por ocasião da sentença. Cite(m)-se o(s) réu(s) para, querendo, apresentar contestação, no prazo legal, oportunidade em que deverá(ão) dizer, motivadamente, quais provas pretende(m) produzir ou, do contrário, requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Intime-se o réu, ainda, para trazer aos autos, em igual prazo, as folhas 485 a 574 do PA nº. 35448.000388/2006-78. Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre a(s) contestação(ões) e/ou documentos, oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Após, se a matéria for unicamente de direito ou se for desnecessária a realização de audiência ou de qualquer outra diligência, venham-me os autos conclusos para sentença. O impulso necessário ao cumprimento do presente despacho deverá ser dado pelos próprios servidores, na forma do art. 162, §4º, do CPC. Intimar. Cumprir. Aracaju, 14 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/Se 1 STJ, MS nº. 13083, 3ª Seção. Relator Ministro Napoleão Nunes Maia Filho, julgado em 13/05/2009. 2 THEODORO JR., Humberto. Tutela específica das Obrigações de Fazer e de não Fazer. Revista de Processo, n. 105, p. 9-33. ?? ?? ?? ?? Processo nº. 2009.85.00.002642-2 VII PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0002767-31.2009.4.05.8500 PEDRO DE OLIVEIRA SANTOS (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO, ZENILDA SANTANA RIBEIRO) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre a(s) contestação(ões), oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido.

   

0003002-95.2009.4.05.8500 CHALON SCHUSTER (Adv. RAIMUNDO MESSMORE COELHO, ELISA GERMANA ALVES DA SILVA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS)

Processo nº. 2009.85.00.003002-4 Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor(a): CHALON SCHUSTER. Réu(s): CAIXA ECONÔNIMCA FEDERAL - CEF D E C I S Ã O CHALON SCHUSTER ajuizou ação ordinária em face da CAIXA ECONÔNIMCA FEDERAL - CEF, objetivando a revisão de contrato de consignação em pagamento. Alega o autor que: 1) em 16/08/2005 celebrou com a requerida contrato de empréstimo consignado em folha no valor de R$ 15.000,00 a ser pago em 24 prestações mensais de R$ 847,82; 2) os descontos em folha foram sustados e após alguns meses sem pagamento a dívida já atingia o montante de R$ 27.769,41; 3) procurou a CEF para renegociar a dívida, o que foi feito pelo contrato nº. 22.1500.191.0100060-61 em que o autor confessou uma dívida de R$ 21.244,01 a ser paga da seguinte forma: 1x R$ 1.250,00 e 36x R$ 901,24; 4) já efetuou o pagamento de 29 prestações perfazendo a quantia e R$ 26.135,96; 5) em ambos os contratos foi obrigado a contratar um seguro de crédito interno. Alega, em síntese, há várias cláusulas abusivas no contrato, em especial as que permitem a capitalização de juros e a cobrança de comissão de permanência. Aduz, ainda, que não houve mora e que o CDC é aplicável ao caso concreto, razão pela qual o ônus da prova deve ser invertido. Requer, assim, a antecipação da tutela nos seguintes termos: "1. a suspensão do pagamento das parcelas vencidas do contrato nº. 22.1500.191.0100060-61, tendo em vista que o requerente já realizou o pagamento de R$ 26.135,96, R$ 6.141,95 a mais do que o valor financiado, cerca de 131% do mesmo; 2. proíba o requerido de continuar efetuando os descontos das parcelas do contrato objeto da presente ação, da conta corrente do requerente, conta nº. 001.00.000.034-4, agência 1500, da Caixa Econômica Federal, sob pena de multa diária de R$ 500,00 (quinhentos reais); 3. determine que a instituição financeira ré abstenha-se de levar ou de manter o nome do autor nos cartórios de protestos e institutos e organismos - (banco de dados) - de proteção de crédito - v.g. BACEN, SERASA, SPC, SCI, etc.), até julgamento final e definitivo da lide principal, cominando-lhe, em caso de descumprimento, sanção pecuniária de R$ 500,00 (quinhentos reais) por dia; 4. inverter ônus da prova e determinar que o réu requerido junte aos autos quaisquer outros documentos que sejam necessários à solução do presente litígio". Juntou procuração e documentos (fls. 14-36). É o relatório. Passo a decidir. Da norma contida no art. 273 do CPC colhem-se os pressupostos para a concessão da tutela antecipada. Além de a tutela antecipatória submeter a parte interessada às exigências da prova inequívoca do alegado na inicial, com intensidade de convencer o Juiz de que as alegações são verossímeis, isto é, pareçam verdadeiras, urge que, em princípio, a providencia antecipatória não produza efeitos irreversíveis, ou seja, resultados de ordem que torne impossível a devolução da situação ao estado anterior (art. 273, § 2º, do CPC). É certo que a vedação não deve ser compreendida em termos absolutos, constituindo, ao contrário uma cláusula de salvaguarda do legislador no sentido de que o Juiz não deve, em princípio, conceder provimento antecipatório de natureza irreversível, contudo, em situações excepcionais, é possível a sua concessão na esteira do escólio de Humberto Theodoro Jr., verbis: Mesmo quando o risco de irreversibilidade estiver presente, mas afetar o perigo corrido por ambas as partes, caberá ao juiz determinar qual o perigo mais relevante, segundo os interesses contrapostos e, à luz dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, dispensar a tutela àquele que se revelar mais carente dela. Se a posição que, diante da prova inequívoca disponível, se apresenta como a que deva sair vitoriosa no provimento final é a do autor, e se esta solução só protegerá seu direito se a medida de efeitos irreversíveis lhe for de imediato proporcionada, parece claro que o princípio da razoabilidade se aplica para determinar seja deferida antecipação, ainda que isto implique sujeitar o réu ao risco da irreversibilidade1. Concomitante com estes requisitos extraídos do caput e do § 2º do art. 273 do CPC, o Juiz para deferir a tutela antecipada deverá está convencido de que o quadro demonstrado pelo autor caracteriza, por parte do réu, abuso de direito de defesa ou manifesto propósito protelatório, ou independentemente da postura do réu, haja risco iminente para o autor de dano irreparável ou de difícil reparação. Ainda, por sua natureza, a tutela antecipada é forma de prestação jurisdicional satisfativa concedida no bojo do processo de conhecimento ou de execução, de forma limitada, quando se encontram presentes os requisitos exigidos por lei. Trata-se de verdadeira antecipação, total ou parcial, do próprio direito material, pretendido. Da observação dos argumentos hauridos na inicial, não me restou configurado um dos requisitos autorizadores da concessão da liminar, ora requerida, ou seja, a existência do fumus boni iuris, o qual, juntamente com o periculum in mora, ensejaria o deferimento deste pedido liminar. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça elencou os requisitos para que tal pedido liminar seja deferido: Conforme orientação da Segunda Seção deste Tribunal, o deferimento do pedido de cancelamento ou de abstenção da inscrição do nome do contratante nos cadastros de proteção ao crédito depende da comprovação do direito com a presença concomitante de três elementos: a) ação proposta pelo contratante contestando a existência integral ou parcial do débito; b) demonstração efetiva da cobrança indevida, amparada em jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça; c) sendo parcial a contestação, que haja o depósito da parte incontroversa ou a prestação de caução idônea, a critério do magistrado. Agravo improvido . (...) 4. Conforme orientação da Segunda Seção desta Corte, nas ações revisionais de cláusulas contratuais, não cabe a concessão de tutela antecipada para impedir o registro de inadimplentes nos cadastros de proteção ao crédito, salvo nos casos em que o devedor, demonstrando efetivamente que a contestação do débito se funda em bom direito, deposite o valor correspondente à parte reconhecida do débito, ou preste caução idônea, ao prudente arbítrio do magistrado. Precedentes: REsps. 527.618-RS, 557.148-SP, 541.851-SP, Rel. Min. CESAR ASFOR ROCHA; REsp. 610.063-PE, Rel. Min. FERNANDO GONÇALVES; REsp. 486.064-SP, Rel. Min. HUMBERTO GOMES DE BARROS) . (...) O mero ajuizamento de ação revisional de contrato pelo devedor não o torna automaticamente imune à inscrição de seu nome em cadastros negativos de crédito, cabendo-lhe, em primeiro lugar, postular, expressamente, ao juízo, tutela antecipada ou medida liminar cautelar, para o que deverá, ainda, atender a determinados pressupostos para o deferimento da pretensão, a saber: "a) que haja ação proposta pelo devedor contestando a existência integral ou parcial do débito; b) que haja efetiva demonstração de que a contestação da cobrança indevida se funda na aparência do bom direito e em jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça; c) que, sendo a contestação apenas de parte do débito, deposite o valor referente à parte tida por incontroversa, ou preste caução idônea, ao prudente arbítrio do magistrado. O Código de Defesa do Consumidor veio amparar o hipossuficiente, em defesa dos seus direitos, não servindo, contudo, de escudo para a perpetuação de dívidas" (REsp n. 527.618/RS, 2ª Seção, unânime, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, DJ de 24.11.2003) . Percebo que a autora não preenche requisitos expostos no precedente visto. A ação ajuizada traz alegações genéricas, sem respaldo jurisprudencial e desacompanhadas de depósito ou caução idônea. Ademais, não indica especificamente o valor que considera correto para o débito, restringindo-se a insurgir-se contra o patamar que a dívida alcançou. Assim sendo, a demonstração da verossimilhança das alegações da parte autora, que deverá ser extraída de prova inequívoca, conforme determina a legislação de regência, não ocorreu de modo a concessão da antecipação dos efeitos da tutela. Quanto ao perigo de dano irreparável ou de difícil reparação, torna-se desnecessária qualquer manifestação a respeito, uma vez que ambos os requisitos devem estar cumulados. Em face do exposto, indefiro, por ora, o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, resguardando-me a possibilidade de reanalisar o pedido após a instrução do feito ou por ocasião da sentença. Cite-se o réu para, querendo, apresentar contestação, no prazo legal, oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou, do contrário, requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre as contestações e/ou documentos, oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Após, se a matéria for unicamente de direito ou se for desnecessária a realização de audiência ou de qualquer outra diligência, venham-me os autos conclusos para sentença. O impulso necessário ao cumprimento do presente despacho deverá ser dado pelos próprios servidores, na forma do art. 162, §4º, do CPC. Intimar. Cumprir. Aracaju, 17 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/Se 1 THEODORO JR., Humberto. Tutela específica das Obrigações de Fazer e de não Fazer. Revista de Processo, n. 105, p. 9-33. ?? ?? ?? ?? Processo nº. 2009.85.00.003002-4 IV PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0003536-73.2008.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. LYTS DE JESUS SANTOS) x UCHÔA CONTRUÇÕES LTDA (Adv. FLÁVIO ALBUQUERQUE MOURA, ALESSANDRA TEIXEIRA JOCA DE ALBUQUERQUE MOURA, CHRISTIANE CABRAL TENÓRIO, VÍTOR ANTÔNO TEIXEIRA GAIA, BRUNO SANTA MARIA NORMANDE) x SERTELE - INFRA-ESTRUTURA E TELECOMUNICAÇÕES LTDA (Adv. VALBERTO PEREIRA GALVAO)

Indefiro o pedido de requisição de informação ao Banco Bradesco, tendo em vista que os dados fornecidos pela parte interessada (f. 411/412 e 562) são insuficientes para esclarecer a origem do depósito. Intime-se. Após, voltem-me conclusos para sentença.

   

0003873-28.2009.4.05.8500 ANTONIO DE ANDRADE MENDES (Adv. FABIO SILVA RAMOS, GILMÁRIO OLIVEIRA NASCIMENTO JÚNIOR, LISELE SANTOS GARCIA, DEBORA DIAS FREITAS, IVANA KÉCIA CRUZ SANTOS, VANESSA DE ALMEIDA VASCONCELOS) x UNIÃO FEDERAL (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

Compulsando os autos verifico que não foi juntada cópia das decisões proferidas em favor do autor (sentença, acórdão), acompanhada de certidão de trânsito em julgado. Dessa forma, antes de apreciar o pedido de antecipação de tutela, intime-se o demandante para, no prazo de 10 (dez) dias, promover a juntada das mencionadas peças, sob pena de indeferimento da inicial.

   

0003986-79.2009.4.05.8500 TEREZINHA ALVES DE ARAUJO (Adv. JOSELITA TELES SANTANA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Processo nº 2009.85.00.003986-6 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: TEREZINHA ALVES DE ARAUJO Réu: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS DECISÃO TEREZINHA ALVES DE ARAUJO ajuizou Ação Ordinária com pedido de tutela antecipada em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS objetivando o reenquadramento na carreira nos termos da Lei 10.855/2004, com o consequente pagamento das diferenças em seus proventos. Expõe, em síntese, que: 1) é servidora inativa do INSS; 2) em 2001 optou pela nova carreira dos servidores da Autarquia ré, nos moldes da Lei 10.355/2001; 3) em 2004 foi publicada nova lei para a reestruturação da carreira dos mencionados servidores, condicionando a inclusão na nova carreira a opção do servidor no prazo de 120 dias, contados da publicação da Lei 10.855/2004; 5) a autora não tomou conhecimento dessa nova reestruturação, pois passou residiu em Portugal no período de 2001 a 2008, quando retornou ao país; 6) ao tomar conhecimento da Lei 10.855/2004 procurou o setor de recursos humanos do INSS e obteve a informação de que não poderia ser incluída na nova carreira por ter perdido o prazo para realizar tal opção; 7) em virtude da não inclusão deixou de perceber várias gratificações instituídas pela nova lei, causando um prejuízo financeiro. Alega que deveria ter sido informada pelo INSS da necessidade de fazer nova opção de inclusão na carreira criada pela Lei 10.855/2004. Aduz, ainda, que o réu não poderia ter excluído a autora da nova carreira, em razão de ter desde o início manifestado a opção irretratável de integrar as carreiras decorrentes da estruturação promovida pela Lei 10.355/2001. E, sendo assim, não poderia ter sido alocada numa carreira em extinção. Requer a antecipação dos efeitos da tutela para "reenquadrar de imediato a autora a fim de que a mesma perceba os proventos atualizados, por fazer jus a um direito". Juntou procuração e documentos (fls. 12-32). É o relatório. Passo a decidir. A tutela antecipada é forma de prestação jurisdicional satisfativa concedida no bojo do processo de conhecimento ou de execução, de forma limitada, quando se encontram presentes a probabilidade da existência do direito alegado e o perigo de morosidade para o direito substancial, ou o manifesto propósito protelatório do réu (CPC, art. 273, I e II). Trata-se de verdadeira antecipação, total ou parcial, do próprio direito material, desde que presentes os requisitos exigidos por lei. Entretanto, a Lei n.º 9.494/97, em seu art. 1º, excepciona algumas situações quando em desfavor da Fazenda Pública, remetendo aos arts. 1º, 3º e 4º da Lei n.º 8.437/92 e 5º da Lei n.º 4.348/64, verbis: Lei n° 9.494, de 10 de setembro de 1997: Art. 1º. Aplica-se à tutela antecipada prevista nos arts. 273 e 461 do Código de Processo Civil o disposto nos arts. 5º e seu parágrafo único e 7º da Lei n. 4.348, de 26 de junho de 1964, no art. 1º e seu parágrafo 4º da Lei n. 5.021, de 9 de junho de 1966, e nos arts. 1º, 3º e 4º da Lei n. 8.437, de 30 de junho de 1992; Lei n° 8.437, de 30 de junho de 1992: Art. 1° - Não será cabível medida liminar contra atos do Poder Público, no procedimento cautelar ou em quaisquer outras ações de natureza cautelar ou preventiva, toda vez que providência semelhante não puder ser concedida em ações de mandado de segurança, em virtude de vedação legal. Lei n? 4.348, de 26 de junho de 1964: Art. 5o. Não será concedida a medida liminar de mandado de segurança impetrados visando à reclassificação ou equiparação de servidores públicos, ou à concessão de aumentos ou extensão de vantagens. A regra, pois, é da possibilidade da concessão de tutela antecipada contra a Fazenda Pública, notadamente quando em jogo interesses relevantes e manifesto o perigo de dano irreparável. A exceção se dá por conseqüência da aplicação da Lei n.º 9.494/97, inclusive com o aval do Supremo Tribunal Federal (ADIn n° 4/DF). No caso dos autos, a antecipação de tutela pleiteada enquadra-se justamente na hipótese prevista na referida Lei n? 9.494/97, pois requer a autora o reenquadramento na carreira prevista na Lei 10.855/2004. Assim, ante os fundamentos processuais acima expostos, sem adentrar no mérito da questão, indefiro o pedido de tutela antecipada. Defiro os benefícios da justiça gratuita, uma vez que os elementos dos autos conduzem à presunção de hipossuficiência. Cite(m)-se o(s) réu(s) para, querendo, apresentar contestação, no prazo de 60 (sessenta) dias, oportunidade em que deverão dizer, motivadamente, quais provas pretende(m) produzir ou, do contrário, requerer(em) o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre a(s) contestação(ões), oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Apresentada a resposta à contestação ou transcorrido o prazo, se a matéria for unicamente de direito ou se for desnecessária a realização de audiência, venham-me os autos conclusos para sentença. O impulso necessário ao cumprimento do presente despacho deverá ser dado pelos próprios servidores, na forma do art. 162, §4º, do CPC. Intimar. Aracaju, 14 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE Processo nº 2009.85.00.003986-6 III

   

0004189-75.2008.4.05.8500 DAMIÃO DOS SANTOS (Adv. PRISCILA DE OLIVEIRA E S. FRAGA, CAROLINA CASTRO LEITE E ANDRADE) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS, CARLOS EDUARDO REIS CLETO)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e documentos de fl. retro, apresentados pelo INSS.

   

0004239-04.2008.4.05.8500 AGAMENON ALVES FREIRE JUNIOR (Adv. RAIMUNDO MESSMORE COELHO, ELISA GERMANA ALVES DA SILVA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRA INSTÂNCIA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE Proc. JF/SE. Nº 2008.00.004239-3 - Classe 29- 1ª Vara. AÇÃO ORDINÁRIA. Autor: Agamenon Alves Freire Junior. Réu: União Federal SENTENÇA Após a prolação da sentença, a parte ativa interpôs embargos de declaração (f. 172-174). Na oportunidade, requer a modificação no julgado em razão de omissão e obscuridade, alegando: 1) que os valores já descontados pela União sejam imediatamente devolvidos, sem aguardar o trânsito em julgado, sob pena de ser pago somente via precatório; 2) a inexistência de manifestação sobre o descumprimento da decisão liminar por parte da União Federal. É o relatório. Passo a decidir. A teor da norma processual pertinente, tal recurso é cabível quando: I - houver, na sentença ou no acórdão, obscuridade ou contradição. II - for omitido ponto sobre o qual devia pronunciar-se o juiz ou tribunal1. Da simples leitura do dispositivo legal transcrito, infere-se que o pedido aclaratório pressupõe a existência de obscuridade e/ou contradição e/ou omissão no comando judicial. Sob tais prismas, não prospera o pleito da recorrente. Inexiste, na decisão recorrida, qualquer vício que mereça reparos em sede de embargos de declaração. Destarte, a via se apresenta inadequada para o alcance do objetivo da embargante, não sendo este o meio próprio para uma alteração no conteúdo decisório. É remansoso o entendimento de que: Inexistindo na decisão embargada omissão a ser suprida, nem dúvida, obscuridade ou contradição a serem aclaradas, rejeitam-se os embargos de declaração. Afiguram-se manifestamente incabíveis os embargos de declaração à modificação de substância do julgado embargado (...)"2. Ademais, o magistrado não está adstrito às alegações das partes para fundamentar sua decisão. Colhe-se o julgado a seguir: O juiz não está obrigado a responder todas as alegações das partes, quando já tenha encontrado motivo suficiente para fundar a decisão, nem se obriga a ater-se aos fundamentos indicados por elas e tampouco responder um a um todos os seus argumentos. (RJTJESP 115/207, citado por NEGRÃO, Teotônio, in Código de processo civil... - 27ª ed. - São Paulo: Saraiva, pág. 414, nota ao art. 535 - 17a) Cumpre relembrar, para fins de eventuais embargos de declaração, que o julgador não se encontra obrigado a rebater, um a um, os argumentos alegados pelas partes se adotar fundamentação suficiente para decidir integralmente a controvérsia, utilizando-se das provas, legislação, doutrina e jurisprudência que entender pertinentes à espécie. A decisão judicial não constitui um questionário de perguntas e respostas de todas as alegações das partes, nem se equipara a um laudo pericial. Neste sentido, colacionam-se os seguintes precedentes: "O não acatamento das argumentações contidas no recurso não implica cerceamento de defesa, posto que ao julgador cabe apreciar a questão de acordo com o que ele entender atinente à lide. Não está obrigado o magistrado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento (art. 131, do CPC), utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência, aspectos pertinentes ao tema e da legislação que entender aplicável ao caso concreto." 3 "Processo civil. Sentença. Função prática. A função judicial é prática, só lhe importando as teses discutidas no processo enquanto necessárias ao julgamento da causa. Nessa linha, o juiz não precisa, ao julgar procedente a ação, examinar-lhe todos os fundamentos. Se um deles e suficiente para esse resultado, não esta obrigado ao exame dos demais. Embargos de declaração rejeitados." 4 "(....) A função teleológica da decisão judicial é a de compor, precipuamente, litígios. Não é peça acadêmica ou doutrinária, tampouco se destina a responder a argumentos, à guisa de quesitos, como se laudo pericial fosse. Contenta-se o sistema com a solução da controvérsia, observada a res in judicium deducta, o que se deu no caso ora em exame." 5 Acrescentaria, ainda, que os embargos de declaração constituem remédio de natureza hermenêutico-integrativo, visando suprir eventuais vícios de erro material, omissão, contradição ou obscuridade que comprometem os atributos da clareza e da sentença do decisum. Em razão disso, este recurso é incabível quando inexistir os vícios acima apontados, não constituindo a via adequada para a rediscussão do julgado. E, quanto ao cabimento dos embargos, a jurisprudência já assentou que: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. PRESSUPOSTOS DO ART. 535 DO CPC. OMISSÃO. INEXISTÊNCIA. EXCEPCIONALIDADE DA CONCESSÃO DE EFEITOS INFRINGENTES. I - Os embargos de declaração são recurso de natureza particular, cujo objetivo é a declaração do verdadeiro sentido de uma decisão eivada de obscuridade, contradição ou omissão (CPC, art. 535). O efeito modificativo não lhe é característico, podendo decorrer de casos excepcionais. II - É inviável a concessão do excepcional efeito infringente, quando a oposição dos declaratórios cinge-se a repisar os fundamentos do recurso anterior. III - A jurisprudência dominante neste Tribunal Superior proclama a inocorrência de violação ao art. 535, incs. I e II, do Código de Processo Civil, se o acórdão recorrido, ainda que sucinto, tiver bem delineado as questões a ele submetidas, não se encontrando o magistrado obrigado a responder a todas as alegações das partes, quando já tiver encontrado motivos suficientes para fundar a decisão, nem a ater-se aos fundamentos indicados por elas ou a responder um a um a todos os seus argumentos. Embargos rejeitados. 6 Na decisão objurgada não há qualquer vício de omissão ou obscuridade, inexistindo direito à parte de ver examinada a questão sob a sua ótica. Em relação à alegação de devolução imediata dos valores já descontados pela União, vê-se que é impossível o cumprimento da sentença antes do trânsito em julgado. Ademais, apesar do afirmado pelo autor, o referido pagamento será feito através de Requisição de Pequeno Valor, e não precatório. Quanto à alegação de ausência de manifestação sobre o descumprimento da decisão liminar pela União, observa-se que tal pedido já foi analisado na decisão de f. 154. Além disso, não houve descumprimento judicial pela União, tendo em vista que, quando da intimação da liminar, já haviam sido descontadas tais parcelas. Por tudo isso, não cabe emprestar efeitos modificativos à substância do julgado. Do cotejo da alegação com o trecho acima transcrito, verifica-se que o embargante opôs recurso manifestamente inadequado com o fim de atrasar a prestação jurisdicional. Os fundamentos da sentença são claros e nítidos quanto à aplicação da norma impugnada/ a tese veiculada, bem assim o seu dispositivo guarda coerência com sua fundamentação. Se a parte está inconformada com a sentença, deve aviar o recurso adequado, qual seja, o recurso de apelação, uma vez que a modalidade recursal utilizada (Embargos de Declaração) não se presta para o reexame do conteúdo da decisão se não estão presentes os vícios de contradição, omissão ou erro material. Impõe-se examinar o eventual cometimento de litigância de má-fé. Sobre esse instituto, ensina a doutrina: Conceito de litigante de má-fé. É a parte ou interveniente que, no processo, age de forma maldosa, com dolo ou culpa, causando dano processual à parte contrária. É o improbus litigator, que se utiliza de procedimentos escusos com o objetivo de vencer ou que, sabendo ser difícil ou impossível vencer, prolonga deliberadamente o andamento do processo procrastinando o feito7. Analisando o rol de condutas previstas no art. 17 do CPC, verifica-se que o autor violou o inciso VII do referido artigo, "interpuser recurso com o intuito manifestamente protelatório". Esta previsão é reforçada pelo PU do art. 538 do CPC que autoriza a imposição de multa à parte que utiliza os embargos de declaração tão-somente com o objetivo manifestamente protelatório, verbis: CPC, Art. 538 (omissis), Parágrafo único. Quando manifestamente protelatórios os embargos, o juiz ou o tribunal, declarando que o são, condenará o embargante a pagar ao embargado multa não excedente de 1% (um por cento) sobre o valor da causa. Na reiteração de embargos protelatórios, a multa é elevada a até 10% (dez por cento), ficando condicionada a interposição de qualquer outro recurso ao depósito do valor respectivo. Com efeito, a oposição de embargos implica na necessidade de novo reexame deste juiz, consumindo um tempo importante para o julgamento de outras causas. O Judiciário precisar parar com essa cultura de benevolência com recursos de caráter manifestamente protelatório, devendo reprimir os atos atentatórios a Justiça. É importante frisar que a parte que interpõe o recurso deve assumir por sua conta e risco o recurso ser considerado protelatório. É de se ver que este juiz tem sempre velado em adotar uma fundamentação que abranja as teses veiculadas pelas partes, com exceção daquelas que sejam incompatíveis entre si. Em verdade, verifica-se na atuação da embargante intento de ganhar tempo e procrastinar o feito, o que denota modo de proceder questionável, na medida em que movimenta a máquina judiciária de forma desnecessária e contribui para a morosidade do Poder Judiciário. Com a consagração expressa do princípio da razoável duração do processo, incumbe ao juiz reprimir condutas atentatórias à dignidade da jurisdição. Não se pode perder de vista a advertência do Ministro Humberto Martins ao asseverar que "Lembro que cabe às partes buscar a solução da lide em vez de abarrotar o Judiciário com recursos desnecessários. A sociedade está à espera da rápida, justa e eficiente prestação jurisdicional, muitas vezes obstada pelo número de recursos protelatórios ou manifestamente incabíveis." 8 De fato, o embargante praticou ato de litigância de má-fé ao deduzir embargos de declaração com o intuito manifestamente protelatório conforme manifestação supra, uma vez que a questão já foi debatida neste processo. 3. DISPOSITIVO Diante do esposado, não conheço dos embargos de declaração e condeno a parte embargante ao pagamento de multa de 1% sobre o valor atualizado da causa. Em caso de julgamento favorável à parte autora, deverá ser deduzido do seu valor o quantum devido a título de multa. Advirto que a reiteração de novo embargo poderá ensejar a elevação da multa para 10%, ficando condicionada a interposição de qualquer outro recurso ao depósito do valor respectivo. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 10 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 - CPC, art. 535, II. 2 STJ, EDcl 13.845, rel. Min. César Rocha, j. 29.06.92 3 STJ, AgRg no Ag 512437/RJ, 1ª Turma, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, julgado em 16.10.2003, DJ 15.12.2003 p. 210 4 STJ, EDcl no REsp 15450/SP, Rel. Ministro ARI PARGENDLER, 2ª Turma, julgado em 01.04.1996, DJ 06.05.1996 p. 14399. No mesmo sentido: REsp 172329/SP, 1ª Seção, Rel. Ministro FRANCISCO PEÇANHA MARTINS; REsp 611518/MA, 2ª Turma, Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO, REsp 905959/RJ, 3ª Turma, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI; REsp 807690/SP, 2ª Turma, Rel. Ministro CASTRO MEIRA. 5 STJ, EDcl no REsp 675.570/SC, 2ª Turma, Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO, julgado em 15.09.2005, DJ 28.03.2006 p. 206 6 STJ, EDcl no REsp 202056/SP, 3ª Turma, Rel. Ministro CASTRO FILHO, julgado em 04/09/2001, DJ 01/10/2001 p. 205 7 JUNIOR, Nelson Nery e NERY, Rosa Maria de Andrade, Código de Processo Civil Comentado. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006, pág. 184. 8 STJ, EDcl no AgRg no Ag 896665/SC, 2ª Turma, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, julgado em 15/04/2008, DJe 25/04/2008 ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2008.00.004239-3 5

   

0004339-03.2001.4.05.8500 SIDNEY FONTES SILVA (Adv. PAULO CESAR ROLEMBERG FARIAS) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x HABITACIONAL CONSTRUCOES S/A (Adv. ANTONIO JOAO ROCHA MESSIAS, CRISTÓVÃO COLOMBO REIS MILLER) x COOPERATIVA HABITACIONAL DE ARACAJU - COHABILAR

O advogado Antônio João Rocha Messias, signatário da petição e substabelecimento de f. 737/738 deve ser intimado para, em cinco dias, comprovar que tem poderes para representar a COHABILAR, trazendo aos autos o respectivo instrumento de mandato, uma vez que durante toda a tramitação processual foram outros os patronos da mencionada empresa (fl. 344). Em caso negativo, e diante da manifestação de fl. 740/741, cujos documentos a ela acostados demonstram que a COHABILAR se encontra sem representação legal desde 13/03/2003, do teor da documentação retro e, ainda, considerando que, em outro feito presidido pela Eminente Juíza titular desta Vara, também presidente deste, e que se encontra atualmente no gozo de férias, designou a Defensoria Pública da União como administradora provisória da referida entidade, nomeio, aqui, um dos Il. Defensores Públicos da União para representar a COHABILAR, eis que se trata de sociedade sem fins lucrativos. Determino ainda, diante da possibilidade de acordo levantada pela CEF (756/757), a intimação da DPU, no prazo de cinco dias, bem como da parte autora e da Habitacional Construções, do teor deste despacho e da última manifestação da CEF, no prazo comum de cinco dias. Retirar da autuação os nomes dos advogados Roberto Baldo Cunha e Cláudio Cruz.

   

0004454-48.2006.4.05.8500 ROSITA JOSEFA DA SILVA SANTOS (Adv. ROSANGELA OLIVEIRA SOUZA) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

... manifestem-se as partes acerca do laudo pericial, no prazo de 15 (quinze) dias, sucessivamente.

   

EMBARGOS À EXECUÇÃ0

   

0000065-83.2007.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO) x NILDOMAR CAVALCANTE E OUTROS (Adv. MARIO AUGUSTO VALOIS CRUZ)

Indefiro o pleito de f. 333, tendo em vista o decurso de mais de trinta dias sem manifestação do embargado. Intimar.

   

EXECUÇÃO DE SENTENÇA

   

0002362-39.2002.4.05.8500 VALDINEI SANTOS DE ANDRADE (Adv. SAULO NUNES DOS SANTOS, ALINE NUNES VASCONCELOS) x UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA ELISA SOBRAL V N DA C VIEIRA)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 445/446), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0002843-41.1998.4.05.8500 POSTO RIOMAR LTDA (Adv. MANOEL MESSIAS VEIGA, FABIO PORTO MENEZES, ANDRE LUIS PEREIRA OLIVEIRA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI)

No dia 04/08/2009, utilizei do convênio BACENJUD, objetivando o bloqueio do valor executado porventura existente em conta bancária do(s) devedor(es) e a conseqüente quitação do débito. Não obstante tal determinação, verifico, neste momento, que a presente execução se promove em face do Posto Riomar Ltda. e que seus representantes legais não foram pessoalmente intimados, conforme certificado nos autos (fl. 413). Diante disso, utilizei, de igual forma, o bloqueio de valores existentes em nome da empresa ora executada. Considerando, pois, a constrição efetuada, de forma parcial (fl. 423), intimar a empresa devedora, por publicação, na pessoa do seu procurador, da penhora que recair sobre a importância bloqueada, para impugnar nos termos do art. 655-A, § 2º do CPC, se quiser. Quanto aos valores bloqueados em nome dos sócios, determino, inicialmente, que se libere a quantia constrita em nome da sócia Maria Eugênia Fontes Souza Teixeira (fl. 421), e que se mantenha sob bloqueio apenas o valor de R$ 221,68 (qualquer das instituições financeiras), em nome do sócio José Carlos Mesquita Teixeira (fl. 420 e v.), enquanto se processa a presente execução. Assim, intimar o referido sócio acima, também na pessoa do seu advogado, para, no mesmo prazo, manifestar-se acerca do bloqueio efetuado, bem como para informar acerca da existência de bens em nome do Posto devedor, sob a advertência de transferência definitiva do valor constrito para o patrimônio da credora. Transcorrido o prazo sem tal impugnação, transferir as quantias bloqueadas para uma conta judicial.

   

0002905-37.2005.4.05.8500 CONSTRUTORA CELI LIMITADA (Adv. AUGUSTO SAVIO LEO DO PRADO, JULIANA CAMPOS DE CARVALHO CRUZ, CLARISSE DE AGUIAR ROCHA RIBEIRO, ROBERTO NASCIMENTO DOS SANTOS SALES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 215), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União/Fazenda Nacional em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0005149-70.2004.4.05.8500 ADILSON BORGES DOS SANTOS E OUTROS (Adv. BRUNO DE ANDRADE LAGE (DEFENSOR PUBLICO)) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 240), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0000384-80.2009.4.05.8500 JOSÉ IVAN RIBEIRO LOPES (Adv. FERNANDA SILVA SOUZA, GISELE LEMOS KRAVCHYCHYN) x UNIÃO FEDERAL (FAZENDA PÚBLICA NACIONAL) (Adv. PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL EM SERGIPE - PGFN/SE)

Recebo, de igual forma, o recurso de apelação interposto pela União/Fazenda Nacional às fls. 122/135. Abra-se vista dos autos ao apelado/autor para, querendo, trazer sua resposta, no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe.

   

0000493-12.2000.4.05.8500 SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUICOES DE ENSINO SUPERIOR - ANDES - SN (Adv. MAURO DE AZEVEDO MENEZES, ANDRE LUIZ QUEIROZ STURARO, LUCIANA SILVA GARCIA, THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, MARILIA NABUCO SANTOS, RANIERI LIMA RESENDE, GABRIELLE LOBO SANTANA, RAFAELA CARVALHO BATISTA DA SILVA) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. EDENILDE DOS SANTOS, CAMILA DOS SANTOS CERQUEIRA SILVA)

Em face da manifestação de fl. 359-360, esclareça o sindicato/credor, no prazo de cinco dias, quais tipos de documentos imprescindíveis à elaboração do cálculo exequendo ainda não foram apresentados pela UFS, sob advertência de arquivamento dos autos. Intimar.

   

0000820-39.2009.4.05.8500 HERMES ALEXANDRE BARBOSA (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Recebo a apelação, declarando-lhe ínsitos os efeitos suspensivo e devolutivo. Abra-se vista dos autos ao apelado/autor para, querendo, trazer suas resposta, no prazo legal. Com ou sem resposta, certificando-se, subam com as cautelas de praxe.

   

0000978-94.2009.4.05.8500 PAULO RAMALHO DE SOUZA FILHO (Adv. DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, JOAO SANTANA FILHO) x FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA - IBGE (Adv. SEM ADVOGADO)

Processo nº 2009.85.00.000978-3 Classe 29 - Ação Ordinária Autor : PAULO RAMALHO DE SOUZA FILHO Réu : INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE (Procuradoria-Geral Federal) SENTENÇA 1. RELATÓRIO PAULO RAMALHO DE SOUZA FILHO propôs ação ordinária, com requerimento de antecipação dos efeitos da tutela, em face do INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE, aqui representado pela Procuradoria-Geral Federal, visando o impedimento de qualquer desconto ou a cobrança de verbas auferidas de boa-fé quando do gozo da licença-prêmio. Afirma, em síntese, que: 1) é servidor público do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e após a implementação dos requisitos legais, conquistou o direito de gozar licença-prêmio; 2) dividiu os 90 (noventa) dias a que fazia jus em três trintídios de licença; 3) em outubro de 2005 requereu administrativamente o gozo do último trintídio, no período de 15/12/2005 a 13/01/2006, o que fora deferido; 4) em 2007 foi aberto o processo administrativo n. 03628.000363/2007-41, para averiguação de suposta irregularidade no gozo de licença-prêmio pelo autor; 5) de acordo com o órgão, o requerente tinha gozado 30 (trinta) dias a mais de licença-prêmio do que lhe era devido; 6) antes de finalizado o processo administrativo, a Administração Pública decidiu punir o servidor, enviando-lhe uma Guia de Recolhimento da União - GRU, no valor de R$ 4.219,63 (quatro mil, duzentos e dezenove reais e sessenta e três centavos), referentes aos vencimentos do autor à época da concessão da licença-prêmio. Sustenta que tal iniciativa atenta contra o devido processo legal, uma vez que na esfera administrativa não se chegou a nenhuma conclusão sobre a legalidade ou não da licença já usufruída pelo servidor e que não lhe foram assegurados o contraditório e a ampla defesa. Além disso, defende que é impossível a devolução de verbas auferidas de boa-fé pelos servidores, ainda que em erro, quando este foi unicamente provocado pela Administração Pública. Requer a título de tutela antecipada, que seja sustada a cobrança da GRU e seus efeitos gravosos, tais como inscrição em cadastros de inadimplência, juros, correção etc. Junta procuração e documentos (fls. 20-156). O pedido de antecipação dos efeitos da tutela foi deferido (fls. 159-164). Em sede de contestação o IBGE alegou, em síntese, que: 1) o autor tinha condições de saber que estava usufruindo um período a mais de sua licença-prêmio; 2) o artigo 46 da lei 8.112/91 deixa claro que valores recebidos indevidamente devem ser ressarcidos e 3) no procedimento administrativo foram observados os princípios do contraditório e da ampla defesa. O autor apresentou réplica reiterativa do conteúdo da inicial (fl. 367). É o relatório. Passo a decidir. 2. FUNDAMENTAÇÃO Inicialmente, cumpre relembrar, para fins de eventuais embargos de declaração, que o julgador não se encontra obrigado a rebater, um a um, os argumentos alegados pelas partes se adotar fundamentação suficiente para decidir integralmente a controvérsia, utilizando-se das provas, legislação, doutrina e jurisprudência que entender pertinentes à espécie. A decisão judicial não constitui um questionário perguntas e respostas de todas as alegações das partes, nem se equipara a um laudo pericial. Neste sentido, colacionam-se os seguintes precedentes: "O não acatamento das argumentações contidas no recurso não implica cerceamento de defesa, posto que ao julgador cabe apreciar a questão de acordo com o que ele entender atinente à lide. Não está obrigado o magistrado a julgar a questão posta a seu exame de acordo com o pleiteado pelas partes, mas sim com o seu livre convencimento (art. 131, do CPC), utilizando-se dos fatos, provas, jurisprudência, aspectos pertinentes ao tema e da legislação que entender aplicável ao caso concreto." 1 "Processo civil. Sentença. Função prática. A função judicial é prática, só lhe importando as teses discutidas no processo enquanto necessárias ao julgamento da causa. Nessa linha, o juiz não precisa, ao julgar procedente a ação, examinar-lhe todos os fundamentos. Se um deles e suficiente para esse resultado, não esta obrigado ao exame dos demais. Embargos de declaração rejeitados." 2 "(....) A função teleológica da decisão judicial é a de compor, precipuamente, litígios. Não é peça acadêmica ou doutrinária, tampouco se destina a responder a argumentos, à guisa de quesitos, como se laudo pericial fosse. Contenta-se o sistema com a solução da controvérsia, observada a res in judicium deducta, o que se deu no caso ora em exame." 3 Não havendo preliminares, examino o mérito. 2.1 Mérito No caso em exame, é incontroverso que o autor, servidor do IBGE, gozou 300 (trezentos) dias de licença-prêmio quando, na ótica da Administração, teria direito tão-somente a 270 (duzentos e setenta dias), vide fls. 308/312. Por ocasião da apreciação da tutela antecipada, a Juíza Federal da 1ª Vara/SE, Dra. Telma Maria Santos, assim se manifestou: "Por outro lado, no que diz respeito à devolução de parcelas recebidas de boa fé pelo servidor, melhor razão assiste ao autor. No caso, o servidor requereu a concessão da licença-prêmio, que, depois de analisada pela Administração Pública, foi-lhe deferida, sendo autorizado a gozá-la. Nesse contexto, exigir a devolução dos valores recebidos em decorrência de erro unilateral do IBGE ao deferir o pedido, constitui um ato que invade a zona de certeza que os autores tinham desenvolvido, ferindo, assim, frontalmente o princípio da segurança jurídica. Ademais, tal prática não pode ser aceita, tendo em vista que o autor recebeu os valores de boa-fé, após ter sido autorizado pelo IBGE a gozar a licença-prêmio pretendida. Em adição, é imperativo observar que a parcela paga aos impetrantes tem natureza jurídica de verba alimentar. Em casos tais a jurisprudência pátria tem firme entendimento no sentido de que as verbas de caráter alimentar, recebidas de boa-fé, são irrepetíveis, sendo incabível, portanto, exigir a sua devolução os servidores, conforme julgados abaixo: AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. PROCESSO CIVIL. SERVIDOR PÚBLICO. PERCEPÇÃO DE VANTAGEM INDEVIDA. BOA-FÉ. DEVOLUÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Este Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento no sentido de não ser devida a restituição de valores pagos indevidamente a servidores de boa-fé, com base em interpretação errônea, má aplicação da lei, ou equívoco da Administração.2. Agravo regimental improvido4. EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RECURSO ESPECIAL - DESCONTO DE VALORES RECEBIDOS DE BOA -FÉ POR SERVIDOR PÚBLICO EM DECORRÊNCIA DE ERRO DA ADMINISTRAÇÃO - IMPOSSIBILIDADE - EMBARGOS REJEITADOS. 1. O requisito estabelecido pela jurisprudência, para a não devolução de valores recebidos indevidamente pelo servidor, não corresponde ao erro da Administração, mas, sim, ao recebimento de boa-fé. 2. Pelo princípio da boa-fé, postulado das relações humanas e sociais, deve-se orientar o Direito, sobretudo as relações de trabalho entre agente público e Estado. (RMS 18.121, Rel. Min. Paulo Medina) 3. Valores recebidos indevidamente pelo servidor, a título de vencimento ou de remuneração, não servem de fonte de enriquecimento, mas de subsídio dele e de sua família. 4. Ainda que o recebimento de determinado valor por servidor.5 ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. DNOCS. GRATIFICAÇÃO. DEVOLUÇÃO DOS VALORES RECEBIDOS. BOA-FÉ. IMPOSSIBILIDADE 1. O servidor de boa-fé que recebeu verba remuneratória de natureza alimentar em virtude de interpretação equivocada da Administração Pública, não deve ser compelido a restituí-la. 2. Não se aplica à espécie o art. 46 da Lei nº 8.112/90, que trata das hipóteses de reposição de valores recebidos indevidamente e indenização por dano ao erário. 3. Apelação e remessa oficial não providas6. CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO. GRATIFICAÇÃO ESPECIAL DE LOCALIDADE. VPNI. CONTINUAÇÃO DE PAGAMENTO APÓS REDISTRIBUIÇÃO DA SERVIDORA. VALORES PERCEBIDOS DE BOA-FÉ. EQUÍVOCO DA ADMINISTRAÇÃO. REPOSIÇÃO AO ERÁRIO. DESNECESSIDADE DE DEVOLUÇÃO. AUSÊNCIA DE DEVIDO PROCESSO LEGAL. 1. São irrepetíveis os valores pretéritos percebidos pelo servidor, mercê de equívoco da Administração, quando dotados de natureza alimentar e revestidos de boa-fé. 2. "Consoante recente posicionamento desta Corte Superior de Justiça, é incabível o desconto das diferenças recebidas indevidamente pelo servidor, em decorrência de errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração Pública, quando constatada a boa-fé do beneficiado. (STJ, MS 10.740/DF, Terceira Seção, DJ 12.03.2007, decisão unânime) 3. Ausência do devido processo legal. Notificação da impetrante apenas para se manifestar "sobre a forma como promoverá a reversão ao erário", deixando clara, portanto, a obrigatoriedade da reposição dos valores e facultando à servidora, tão-somente, a possibilidade de parcelamento, nos termos do art. 46 da Lei nº 8.112/90, mas não se lhe abrindo oportunidade para qualquer discussão nem sequer fornecendo os cálculos com os quais se obteve o valor cobrado, de R$2.711,52. 4. Remessa oficial à qual se nega provimento7. Com efeito, não me parece possível exigir do autor a devolução dos valores que recebeu durante o gozo da licença-prêmio e tampouco descontar tal valor dos seus vencimentos, já que são oriundos de erro praticado pela Administração Pública, e, especialmente, por ser tratar de parcela de natureza alimentar e que foi recebida de boa-fé". Com efeito, o art. 54 8 da Lei 9784/99 prevê que a Administração poderá anular atos dos quais decorram efeitos financeiros favoráveis no prazo decadencial de 05 (cinco) anos. Considerando que o pagamento a maior ocorreu no período de janeiro a setembro de 2007, a Administração ainda não decaiu do direito de revisão de seu ato. Contudo, tratando-se do pagamento indevido de verbas remuneratórias, recebidas por força de erro, equívoco ou má-aplicação da legislação pela Administração Pública, a jurisprudência vem entendendo pela irrepetibilidade das verbas de caráter alimentar, quando o servidor estiver de boa-fé. Sobre o tema, cito os precedentes abaixo: AGRAVO REGIMENTAL EM RECURSO ESPECIAL. ADMINISTRATIVO. PROCESSO CIVIL. SERVIDOR PÚBLICO. PERCEPÇÃO DE VANTAGEM INDEVIDA. BOA-FÉ. DEVOLUÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Este Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento no sentido de não ser devida a restituição de valores pagos indevidamente a servidores de boa-fé, com base em interpretação errônea, má aplicação da lei, ou equívoco da Administração. 2. Agravo regimental improvido. 9 ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO. INCORPORAÇÃO DE QUINTOS. LEI Nº 9.784/1999. APLICAÇÃO RETROATIVA. ACÓRDÃO COM FUNDAMENTO EMINENTEMENTE CONSTITUCIONAL. VALORES RECEBIDOS INDEVIDAMENTE. BOA-FÉ. RESTITUIÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. 1. Se o acórdão recorrido decide a controvérsia sob o enfoque eminentemente constitucional, a matéria não pode ser examinada em recurso especial. 2. A jurisprudência desta Corte firmou entendimento de ser incabível a restituição de valores recebidos indevidamente em razão de interpretação equivocada ou má aplicação da lei, quando verificada a boa-fé dos servidores beneficiados. 3. Agravo regimental a que se nega provimento. 10 Por boa-fé, compreende-se, na lição de Almiro do Couto e Silva, verbis: "48. A boa-fé, a que alude o preceito, quer significar que o destinatário não tenha contribuído, com sua conduta, para a prática do ato administrativo ilegal. A doutrina alemã, neste ponto, fala numa "área de responsabilidade" (Verantwortungsbereich) do destinatário. Seria incoerente proteger a confiança de alguém que, intencionalmente, mediante dolo, coação ou suborno, ou mesmo por haver fornecido dados importantes falsos, inexatos ou incompletos, determinou ou influiu na edição de ato administrativo em seu próprio benefício. 49. Questão complexa é a que diz com o conhecimento da ilegalidade do ato administrativo pelo destinatário, ou seu desconhecimento, por grave negligência (infolge grober Fahrlässigkeit), que, no direito alemão, é excludente da aplicação do princípio da proteção à confiança. Desde logo não se pode esquecer que a proteção da confiança do destinatário, no tocante aos atos administrativos, resulta da presunção de legalidade de que esses atos gozam. É a Administração Pública que tem o dever de exarar atos administrativos que estejam em plena conformidade com as leis e com a Constituição. 11 Assim, conclui-se que a Administração pode anular o ato dentro do prazo decadencial, abstendo-se, contudo, de cobrar os valores de natureza alimentar já percebidos de boa-fé, ainda que pagos indevidamente. As alegações feitas pelo IBGE em sua peça de defesa somente se resumiram a alegações genéricas, sendo insuficientes para afastar a boa-fé do autor, que é presumida no presente caso, no gozo de um período de 30 (trinta) dias a mais do que faria jus a título de licença-prêmio. Isto porque constitui dever da Administração de analisar se o autor preenchia ou não os requisitos legais para o gozo do benefício, para, em seguida, deferi-lo ou não. Sendo assim, configurada a boa-fé e tratando-se de verba alimentar que já se incorporou ao patrimônio do autor, frise-se, por equívoco da própria Administração, tais valores não podem ser objeto de desconto. 3. DISPOSITIVO Diante do exposto, julgo procedente o pedido, extinguindo o processo com resolução de mérito (art. 269, I do CPC), para determinar que o réu se abstenha de realizar qualquer descontos na remuneração do autor ou cobrança a título de gozo indevido de liçança-prêmio. Condeno o réu ao pagamento das custas adiantadas (fl. 28) pela parte autora (art. 27 do CPC c/c o art. 14, § 4º da Lei n.º 9.289/96) e dos honorários advocatícios, este último arbitrado no valor fixo de R$ 1.000,00 (mil reais), em razão da questão ser exclusivamente de direito, de caráter simples, com jurisprudência pacífica em favor da pretensão autoral, valendo-me do disposto no art. 20, §§ 4º do CPC. Tais verbas sofrerão somente correção monetária até o efetivo pagamento. Sentença não sujeita ao reexame necessário em razão de o valor da condenação ser inferior a sessenta salários mínimos e estar amparada em jurisprudência do col. Superior Tribunal de Justiça (art. 475, I e § 2º, do CPC). Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 17 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SE 1 STJ, AgRg no Ag 512437/RJ, 1ª Turma, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, julgado em 16.10.2003, DJ 15.12.2003 p. 210 2 STJ, EDcl no REsp 15450/SP, Rel. Ministro ARI PARGENDLER, 2ª Turma, julgado em 01.04.1996, DJ 06.05.1996 p. 14399. No mesmo sentido:REsp 172329/SP, 1ª Seção, Rel. Ministro FRANCISCO PEÇANHA MARTINS; REsp 611518/MA, 2ª Turma, Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO, REsp 905959/RJ, 3ª Turma, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI; REsp 807690/SP, 2ª Turma, Rel. Ministro CASTRO MEIRA. 3 STJ, EDcl no REsp 675.570/SC, 2ª Turma, Rel. Ministro FRANCIULLI NETTO, julgado em 15.09.2005, DJ 28.03.2006 p. 206 4 STJ. AgREsp 963437/DF. 6ª Turma. Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura, julgado em 19/08/2008 5 STJ. EREsp 612101/RN. 3ª Seção . Rel. Min. Paulo Medina, julgado em 22/11/2006. 6 TRF 5ª Região. APELREEX 763/CE. 4ª Turma. Rel. Des. Fed. Marcelo Navarro, julgado em 16/09/2008. 7 TRF 5ª Região. REO 102016/PB. 1ª Turma. Rel. Des. Fed. Francisco Cavalcanti, julgado em 03/07/2008. 8 Lei 9.784/99, Art. 54. O direito da Administração de anular os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. § 1o No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo de decadência contar-se-á da percepção do primeiro pagamento. § 2o Considera-se exercício do direito de anular qualquer medida de autoridade administrativa que importe impugnação à validade do ato. 9 STJ, AgRg no REsp 963.437/DF, 6ª Turma, Rel. Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA, julgado em 19/08/2008, DJe 08/09/2008 10 STJ, AgRg no Ag 902663/DF, 6ª Turma, Rel. Ministro PAULO GALLOTTI, julgado em 01/04/2008, DJe 22/04/2008) 11 in Revista Brasileiro de Direito Público - RBDP, Belo Horizonte, ano 2, n. 6, jul/set.2004 ?? ?? ?? ?? Processo nº 2009.85.00.000978-3 VII PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Sentença Tipo "A" - Fundamentação Individualizada

   

0001298-18.2007.4.05.8500 AMÉLIA FERNANDES LEAL (Adv. THAIS MAIA DE BRITTO, THIAGO D'AVILA FERNANDES, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR, HELDER LEONARDO DE SOUZA GOES) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Considerando que a matéria do recurso interposto versa acerca do crédito principal, encaminhar, também, os autos da ação de execução de sentença nº. 2001.85.00.002510-8. Intimar.

   

0001634-71.1997.4.05.8500 JOSÉ FRANCISCO DOS SANTOS (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS. (Adv. SEM PROCURADOR)

Defiro o pleito da parte autora de f. 293, pelo prazo de 60 (sessenta) dias. Transcorrido o prazo acima sem manifestação da parte interessada que possibilite o prosseguimento do feito, rearquivar os autos com baixa na distribuição. Intimar.

   

0002534-49.2000.4.05.8500 NILDOMAR CAVALCANTE E OUTROS (Adv. MARIO AUGUSTO VALOIS CRUZ, ROSEANY MONTENEGRO CRUZ, JOSE PERICLES COUTO ALVES, MIOMIR DAVIDOVIC LEAL, IGOR FEITOSA ARAÚJO) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

O pedido de habilitação (f. 308/309) ao crédito deve ser requerido perante o juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Aracaju/SE. Intime-se. Aguarde-se o julgamento dos embargos.

   

0002956-82.2004.4.05.8500 JOSE RODRIGUES DÓRIA (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM ADVOGADO)

(...) Intimar as partes da descida dos autos, para requererem o que lhes interessar, no prazo de 05 (cinco) dias. Após, aguardar a iniciativa da parte credora (autor), por até trinta dias. Na inércia da parte autora, arquivar o feito com baixa na distribuição, ressalvando-lhe o direito de prosseguir com a execução, enquanto não prescrito o crédito. Se a credora promover a execução: 1- Cite-se o INSS para, querendo, apresentar seus embargos, na forma do art. 730 do CPC e ss. 2- Fixo, de plano, os honorários advocatícios em 10% (dez por cento) sobre o valor da execução, os quais serão dispensados em caso de concordância expressa quanto aos valores ou decorrido o prazo sem a oposição de embargos (art. 1º-F, da Lei 9.494/97). 3- Na hipótese de dispensa dos honorários prevista no item 2, expeça-se precatório/RPV, conforme os valores exeqüentes e observado o teto constitucional de 60 (sessenta) salários mínimos, ressalvada a renúncia dos valores excedentes pelo exeqüente para que se faça integralmente o pagamento sob a forma de RPV.

   

0003896-52.2001.4.05.8500 ANA CRISTINA OLIVEIRA SILVA E OUTROS (Adv. JANE TEREZA VIEIRA DA FONSECA, THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, THAIS MAIA DE BRITTO, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR, MARILIA NABUCO SANTOS, MARILIA NABUCO SANTOS) x UNIÃO FEDERAL (Adv. ANA CRISTINA BARRETO DE CASTRO)

Especifique a parte credora, em cinco dias, a quantia correspondente a cada beneficiário, dentro do limite de valor apresentado, fl. 535/536, sob advertência de arquivamento dos autos. Com a informação, e em face da anuência da devedora, 540, quanto aos valores complementares apresentados pela exeqüente nas fls. 535/536, expedir Requisição de Pagamento (RPV/Precatório), com base nos cálculos de fls. 535/536, devidamente atualizada por um servidor deste Juízo, nos termos da Resolução 055, de 14 de maio de 2009, do Conselho da Justiça Federal. Intimar a parte executada, por vista nos autos, acerca da Requisição de Pagamento expedida. Intimar o(s) beneficiário(s) da(s) requisição(ões) para: 1 - acompanhar a sua tramitação junto ao Egrégio Tribunal Regional Federal da 5ª Região; 2 - levantar a(s) quantia(s) depositada(s) independente de alvará judicial quando do seu pagamento junto à instituição financeira.

   

0003986-89.2003.4.05.8500 NIVALDO LOPES DA SILVA (Adv. MIGUEL EDUARDO BRITTO ARAGAO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

A requisição de informações é excepcional, somente se justificando quando houver resistência em prestá-las. Assim, intime-se a requerente para, no prazo de 15 (quinze) dias, comprovar que requereu pessoalmente tais informações e que decorreu um prazo razoável sem resposta Não trazendo o credor informações que viabilizem o prosseguimento do feito, arquivar com baixa na Distribuição, ressalvando o direito de a credora a qualquer tempo, enquanto não prescrita a dívida, promover o prosseguimento da execução. Intimar.

   

0005233-71.2004.4.05.8500 CARLOS AUGUSTO DE MELO BARRETO E OUTROS (Adv. BRUNO DE ANDRADE LAGE (DEFENSOR PUBLICO)) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 220), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Quanto ao valor requisitado em prol da Defensoria Pública, verifico que o Eg. TRF-5 diligenciou no sentido de bloqueá-lo (fl. 220). Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0006628-45.1997.4.05.8500 SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO) x DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS. (Adv. SÔNIA CRISTINA SALES DE CARVALHO)

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Fórum Ministro Geraldo Sobral Processo nº 97.0006628-2 - 1ª Vara Classe 97 -Execução de Sentença EXEQUENTE: SINDICATO DOS TRABALHADORES DO SERV PUBL FEDERAL NO EST DE SE-SINTSEP EXECUTADO: DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS - DNOCS. S E N T E N Ç A: Com o trânsito em julgado do DECISUM que extinguiu o processo de conhecimento, a parte vencedora promoveu a execução da sentença. Há nos autos a comprovação de que a dívida foi efetivamente satisfeita, com a expedição de requisição(ões) de pagamento e sua quitação, conforme resenha anexa. Alcançado o objetivo do processo de execução, traduzido pela satisfação do credor com o pagamento do débito por parte do(a) devedor(a), ora executado(a), aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, julgo extinto o feito, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Não há custas a serem excutidas, tendo em vista que o valor irrisório das mesmas sequer compensaria o gasto do erário para cobrá-las. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Indefiro o pedido de habilitação de f. 1210/1230, em face da exclusão do autor falecido Zacarias dos Santos, por ter firmado acordo, conforme manifestação da União (f. 1335) e da parte ativa (f. 1340). Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12/08/2009 Fábio Cordeiro Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0006750-82.2002.4.05.8500 FRANCISCO SALES DE MENEZES NETO (Adv. MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO) x UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) (Adv. SEM PROCURADOR)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente às verbas requisitórias foi efetuado (fl. 266), evidenciando devidamente cumprida a obrigação da União em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0008538-97.2003.4.05.8500 ADRIANA DE CASTRO BRITTO ARAÚJO (Adv. ANNA PAULA SOUSA DA FONSECA SANTANA, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, JOAO SANTANA FILHO) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Indefiro o teor do requerimento retro pelas razões já expostas (fl. 216/217). Intimar. Considerando os cálculos de fl. 226, cumpra-se integralmente o despacho de fl. 187.

   

0016340-98.1993.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS) x MUNICIPIO DE PROPRIA/SE (Adv. SILVIO ROBERTO LIMA BASTOS)

Nos termos do inciso 06, art. 3º do Provimento nº 02, de 30 de novembro de 2000, da Corregedoria do Egrégio TRF da 5ª Região, fica o Município de Própria/SE intimado para se manifestar, querendo, sobre os termos da requisição de pagamento de f. 175.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001277-76.2006.4.05.8500 DANIEL SANTOS SOUZA (Adv. THIAGO D'AVILA MELO FERNANDES, THAIS MAIA DE BRITTO, ANTONIO SOARES SILVA JUNIOR) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 05, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do TRF da 5ª Região, fica a parte exeqüente intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da certidão/cálculos de fl. 270/ 274, no prazo de cinco dias.

   

0001796-85.2005.4.05.8500 CARLOS WALDEMAR DANTAS (Adv. PEDRO DE MORAIS SILVA) x INST BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NAT RENOVAVEIS - IBAMA (Adv. AGU - PROCURADORIA REGIONAL ESPECIALIZADA IBAMA)

Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos. Responder à relatora do agravo de instrumento n.98361-SE (fl. 356). Aguardar o resultado final do agravo, devendo o feito ficar suspenso.

   

0001918-69.2003.4.05.8500 CONDOMINIO JARDIM DE VERSAILLES (Adv. ALEXANDRE SOBRAL ALMEIDA, MUNIQUE NICOLLE RIBEIRO, CAROLINA SHARIZE MONTEIRO GOMES, RAMONY OLIVEIRA SOBRAL) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. LAERT NASCIMENTO ARAUJO, BIANCO SOUZA MORELLI) x MIRALDO SANTOS XAVIER (Adv. RAIMUNDO COSTA COELHO FILHO (DP), MARCELA MÁXIMO BARBOSA)

Nos termos do § 4º, do art. 162, do CPC, intimar a parte autora/advogado para receber o alvará expedido, na Secretaria deste Juízo.

   

0002067-26.2007.4.05.8500 JOSÉ MUNIZ BARRETO E OUTRO (Adv. EDJANEY BARRETO, MIGUEL JOSÉ DOS SANTOS LIMA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, ANA PAULA DA CUNHA SOARES)

Processo nº 2007.85.2067-8 1ª Vara Classe 97 - Execução de Sentença Exeqüente: José Muniz Barreto e outro Executado: Caixa Econômica Federal DECISÃO Trato de execução de título judicial que determinou a revisão do saldo das contas de poupança dos autores que fizeram aniversário entre 01.06.1987 e 15.06.1987 e 01.01.1989 e 15.01.1989, aplicando-se os percentuais de 26,06% e 42,72%, respectivamente. A executada (CEF) efetuou o depósito do crédito que entende devido (f. 172), espontaneamente, tendo a parte credora recebido os valores, conforme alvará expedido na f. 184 e ofício de f. 185. Na f. 226, foi proferido despacho determinando a exclusão da execução dos pedidos relativos à conta poupança n. 2186.013.2723-5, em face da data de aniversário (18/05/84) e dos índices referentes aos Planos Collor I e II. Decorrido o prazo sem interposição de agravo, conforme certidão de f. 242, foram remetidos os autos à Contadoria do Juízo para verificar a exatidão do depósito de f. 172. O Contador do Juízo, em manifestação de f. 245, informa que o depósito de f. 172 foi efetuado sem a inclusão de juros moratórios, razão pela qual elaborou os cálculos do valor remanescente (f. 246). Intimadas as partes, a executada/CEF se manifestou discordando dos cálculos de f. 246, alegando inexistir na sentença condenação relativa a juros de mora, quedando silente a parte exeqüente, conforme certidão de f. 255. É o relatório. Passo a decidir. O ponto controvertido da demanda é a questão da incidência dos juros de mora no cálculo exeqüendo. A sentença foi prolatada nos seguintes termos: Ante o exposto, julgo PARCIALMENTE PROCEDENTES os pedidos, para: a) determinar que a Caixa Econômica Federal - CEF proceda à revisão do saldo das contas de poupança dos Autores que fizeram aniversário entre 01.06.1987 e 15.06.1987 e 01.01.1989 e 15.01.1989, aplicando-se os percentuais, respectivamente, de 26,06% e 42,72%, abatendo-se os valores já creditados à época; b) condenar a CEF ao pagamento das diferenças decorrentes do direito acima reconhecido, que deverão ser atualizadas pelos mesmos critérios de correção da conta de poupança (indexador + 0,5% dos juros remuneratórios). Custas e honorários pro rata. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Porém, é devida a inclusão de juros moratórios na liquidação, mesmo omisso o título judicial, em face da Súmula 254, do Supremo Tribunal Federal, assim ementada: Incluem-se os juros moratórios na liquidação, embora omisso o pedido inicial ou a condenação. Ademais, já me manifestei no sentido de incluir juros moratórios em processos de correção de conta de poupança, como o de nº 2008.85.00.004943-0, a saber: De outro lado, é cabível a incidência de juros remuneratórios de poupança cumulado com o juros moratórios, a razão de 1% ao mês a partir da citação, visto que "o fato gerador do direito a juros moratórios não é a existência da ação e nem a condenação judicial (que simplesmente o reconheceu), e sim a demora no cumprimento da obrigação." 1 Dessa forma, são devidos os juros moratórios na execução aqui perseguida, não merecendo reprimenda os cálculos do Contador Judicial por atenderem aos limites da coisa julgada. Forte na fundamentação supra, homologo os cálculos do Contador Judicial, de f. 246. Intimar o devedor/CEF para cumprimento do decisum, em 15 dias, em conformidade com o artigo 475-J do CPC. Na hipótese de descumprimento, aplico multa de 10% sobre o montante devido na f. 246. Caso o exeqüente requeira, expedir mandado de penhora e avaliação. Publicar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. FÁBIO CORDEIRO DE LIMA Juiz Federal Substituto da 1ª Vara/SE 1 STJ, REsp 806490/SP, 1ª Turma, Rel. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI, julgado em 19/09/2006, DJ 28/09/2006 p. 216 ?? ?? ?? ?? Processo 2007.85.2067-8 - 2 - PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Fórum Ministro Geraldo Sobral 1

   

0002313-22.2007.4.05.8500 ROBERTO ROBERTTI LUDUVICE RODRIGUES (Adv. LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS, MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. AGU - PROCURADORIA GERAL FEDERAL ESPECIALIZADA INSS)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o depósito referente à verba requisitória foi efetuado (fl. 150), evidenciando devidamente cumprida a obrigação do INSS em favor da parte credora. Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para o exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0003130-62.2002.4.05.8500 GENI BARBOSA DOS SANTOS (Adv. MARIA JOSE COUTO BEZERRA, LIGIA DE SANTANA REIS) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO)

Nos termos do inciso 06, art. 87 do Provimento nº 01, de 25 de março de 2009, da Corregedoria Regional do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte credora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da petição e documentos de fl. 173/175, bem como o depósito de fl. 176, apresentados pela CEF.

   

0003522-07.1999.4.05.8500 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, LAERT NASCIMENTO ARAUJO) x JOSE ANCELMO VASCONCELOS E OUTRO (Adv. ANTONIO JOSE DE SOUZA NETO, RAILDE CORREIA LIMA CORUMBA SILVA)

Nos termos do § 4º, do art. 162, do CPC, intimar a parte autora/advogado para receber o alvará expedido, na Secretaria deste Juízo.

   

0003605-08.2008.4.05.8500 MARCOS FERREIRA DE MELO (Adv. CHRISTIAN ARY DA CRUZ BARBOSA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

S E N T E N Ç A Há, nos autos, a comprovação de que o pagamento foi efetivado pela parte devedora (fl. 92), evidenciando devidamente cumprida a sua obrigação em favor da União, inclusive já noticiada a conversão pela instituição bancária (fl.100/101). Alcançado o objetivo da presente execução, traduzido pela satisfação da parte ativa, aplica-se a norma que prevê a extinção do processo: Art. 794. Extingue-se a execução quando: I - o devedor satisfaz a obrigação;1 Diante do exposto, extingo a presente execução, com espeque no art. 794, I, do Código de Processo Civil. Transcorrido o prazo recursal para a exeqüente, intimar o executado e, tendo em vista a ausência de interesse recursal do mesmo, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Arquivar os autos com baixa. P. R. I. 1 CPC, art. 794. ?? ?? ?? ??

   

0003657-67.2009.4.05.8500 SERGIO ROBERTO CAVALCANTI PEREIRA (Adv. PEDRO DIAS DE ARAUJO JUNIOR) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

Processo nº. 2009.85.00.003657-9 Classe 29 - AÇÃO ORDINÁRIA Autor(a): SÉRGIO ROBERTO CAVALCANTI PEREIRA Réu(s): UNIÃO FEDERAL D E C I S Ã O Após proferida a decisão de fls. 235-243, o autor apresentou pedido de aditamento da exordial (fls. 246-258), através do qual requer a sua lotação provisória em Aracaju, nos termos do art. 84, § 2º, da Lei n. 8.112/90, requerendo, ainda, a antecipação dos efeitos da tutela relativa a esse pedido. Informou, ainda, a interposição de Agravo de Instrumento contra a decisão de fls. 235-243, pugnando pela reconsideração deste Juízo (fls. 263-310). É o relatório. Passo a decidir. Inicialmente, mantenho a decisão proferida (fls. 235-243) pelos fundamentos nela já consignados. Depois, verifico que a lei processual prevê a possibilidade de o autor aditar o pedido contido na inicial, desde que o faça antes da citação do réu, ou, se o fizer depois, desde que haja o consentimento daquele e seja realizado antes do saneamento do processo. É o que se infere das normas contidas nos art. 264 e 294 do CPC, in verbis: Art. 264. Feita a citação, é defeso ao autor modificar o pedido ou a causa de pedir, sem o consentimento do réu, mantendo-se as mesmas partes, salvo as substituições permitidas por lei.(Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Parágrafo único. A alteração do pedido ou da causa de pedir em nenhuma hipótese será permitida após o saneamento do processo. (Redação dada pela Lei nº 5.925, de 1º.10.1973) Art. 294. Antes da citação, o autor poderá aditar o pedido, correndo à sua conta as custas acrescidas em razão dessa iniciativa. No caso em análise, o réu ainda não foi citado para responder à ação, razão pela qual o aditamento proposto pelo autor pode ser feito sem o seu consentimento. Assim sendo, defiro o aditamento do pedido. Por fim, passo à análise do pedido de antecipação dos efeitos da tutela relativo ao pedido de exercício provisório de suas funções em Aracaju. Da norma contida no art. 273 do CPC colhem-se os pressupostos para a concessão da tutela antecipada. Além de a tutela antecipatória submeter a parte interessada às exigências da prova inequívoca do alegado na inicial, com intensidade de convencer o Juiz de que as alegações são verossímeis, isto é, pareçam verdadeiras, urge que, em princípio, a providencia antecipatória não produza efeitos irreversíveis, ou seja, resultados de ordem que torne impossível a devolução da situação ao estado anterior (art. 273, § 2º, do CPC). É certo que a vedação não deve ser compreendida em termos absolutos, constituindo, ao contrário uma cláusula de salvaguarda do legislador no sentido de que o Juiz não deve, em princípio, conceder provimento antecipatório de natureza irreversível, contudo, em situações excepcionais, é possível a sua concessão na esteira do escólio de Humberto Theodoro Jr., verbis: Mesmo quando o risco de irreversibilidade estiver presente, mas afetar o perigo corrido por ambas as partes, caberá ao juiz determinar qual o perigo mais relevante, segundo os interesses contrapostos e, à luz dos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, dispensar a tutela àquele que se revelar mais carente dela. Se a posição que, diante da prova inequívoca disponível, se apresenta como a que deva sair vitoriosa no provimento final é a do autor, e se esta solução só protegerá seu direito se a medida de efeitos irreversíveis lhe for de imediato proporcionada, parece claro que o princípio da razoabilidade se aplica para determinar seja deferida antecipação, ainda que isto implique sujeitar o réu ao risco da irreversibilidade1. Concomitante com estes requisitos extraídos do caput e do § 2º do art. 273 do CPC, o Juiz para deferir a tutela antecipada deverá está convencido de que o quadro demonstrado pelo autor caracteriza, por parte do réu, abuso de direito de defesa ou manifesto propósito protelatório, ou independentemente da postura do réu, haja risco iminente para o autor de dano irreparável ou de difícil reparação. Quanto à análise do primeiro desses requisitos, a verossimilhança do direito alegado, verifico que a parte autora fundamento seu pedido no art. 84, da Lei n. 8.112/90, que assim dispõe: Seção III Da Licença por Motivo de Afastamento do Cônjuge Art. 84. Poderá ser concedida licença ao servidor para acompanhar cônjuge ou companheiro que foi deslocado para outro ponto do território nacional, para o exterior ou para o exercício de mandato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo. § 1o A licença será por prazo indeterminado e sem remuneração. § 2o No deslocamento de servidor cujo cônjuge ou companheiro também seja servidor público, civil ou militar, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, poderá haver exercício provisório em órgão ou entidade da Administração Federal direta, autárquica ou fundacional, desde que para o exercício de atividade compatível com o seu cargo. Verifica-se, assim, que o exercício provisório em outra localidade pretendido pelo autor, previsto no art. 84, § 2º, da Lei n. 8.112/90, é um direito subsidiário daquele previsto no caput do mesmo artigo - licença para acompanhar cônjuge deslocado - e, assim, pressupõe o atendimento dos requisitos inerente a este último, dentre os quais se destaca o deslocamento do cônjuge para outro ponto do território nacional ou para o exterior, diverso daquele em que se encontravam ambos os consortes, desfazendo, por este motivo, a unidade familiar. A situação posto nos autos, entretanto, não se subsume à norma invocada na proteção do direito que lhe entende ser cabível. É que, no caso em análise, o autor foi investido no cargo de Analista Judiciário no Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Pará, estando lotado na 20ª Zona Eleitoral, em Santarém/PA, quando foi cedido para ocupar cargo em comissão junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Sergipe, ao passo que o seu cônjuge, na época companheira, foi deslocada da Procuradoria da República da 4ª Região, em Porto Alegre/RS, para a Procuradoria da República em Sergipe, nesta Capital. Vê-se, assim, que o deslocamento do cônjuge do autor se deu de uma terceira localidade para local diverso da lotação originária do mesmo e para a localidade onde se encontrava exercendo suas funções, por força do instituto da cessão. Destarte, o deslocamento do cônjuge do autor não se enquadra naquele previsto na legislação como autorizador da licença por motivo de afastamento do cônjuge, e, por conseqüência, do exercício provisório em outra localidade, previstos no art. 84, caput e § 2º. Dessa forma, não se vislumbra a presença da verossimilhança das alegações da parte autora. Quanto ao perigo de dano irreparável ou de difícil reparação, torna-se desnecessária qualquer manifestação a respeito, uma vez que ambos os requisitos devem estar cumulados. Em face do exposto, indefiro o pedido de antecipação dos efeitos da tutela. Cumpra-se o determinado na decisão de fls. 235-243, atentando-se para o aditamento da inicial ora deferido. Intimar. Cumprir. Aracaju, 14 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/Se 1 THEODORO JR., Humberto. Tutela específica das Obrigações de Fazer e de não Fazer. Revista de Processo, n. 105, p. 9-33. ?? ?? ?? ?? Processo nº. 2009.85.00.003657-9 IV PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL

   

0003813-26.2007.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE) x SIND DOS TRABS EM SAUDE, TRAB E PREV SOCIAL DO EST DE SE-SINDPREV (Adv. LUCAS MENDONÇA RIOS, LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO)

Em conformidade com o artigo 475-J do CPC: 1 - intimar o devedor do trânsito em julgado da sentença e para cumprimento do decisum, em 15 dias; 2 - na hipótese de descumprimento, aplico multa de 10% sobre o montante total devido. Nesse caso, uma vez que o credor apresentou a petição de fls. 306/307, proceda-se à penhora e avaliação em bens do executado.

   

0004200-70.2009.4.05.8500 UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE) x MARLI MARLETE CHAPLIN ANDRADE (Adv. SILVIO ROBERTO LIMA BASTOS, RICARDO ALCANTARA MACHADO, PATRICIA TAVARES DE OLIVEIRA, CAMILA MEDEIROS DE SOUZA MELO, LAURO FARIAS VASCONCELOS, ROBARTA MOURA MAIA FRANCO)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Processo nº 2009.85.00.004200-2 Classe 29 - Ação Ordinária Autor: MARLI MARLETE CHAPLIN ANDRADE Réu: UNIÃO FEDERAL DECISÃO MARLI MARLETE CHAPLIN ANDRADE ajuizou Ação Ordinária com pedido de tutela antecipada em face da UNIÃO FEDERAL objetivando a incorporação de parcelas supostamente suprimidas de sua remuneração, por força da Lei 11.890/08 que transformou os vencimentos em subsídio. Expõe, em síntese, que: 1) é auditora fiscal do trabalho; 2) com a lei 11.890/08 as parcelas que compunham a remuneração dos auditores foram transformadas em subsídio pago em parcela única; 3) para os auditores que recebiam remuneração superior ao subsídio fixado pela referida lei, foi instituída uma parcela complementar que engloba todo o excedente remuneratório; 4) essa parcela complementar (PCS) será absorvida gradativamente pelo subsídio; 5) enquanto isso não acontece a PCS somente sofrerá o reajuste anual da remuneração dos servidores; 6) a autora recebe a referida parcela complementar. Alega que a modificação da espécie remuneratória, no caso, resultou numa supressão de vantagens anteriormente percebida pela autora e consequentemente na violação de direitos adquiridos. Sustenta, ainda, que a modalidade remuneratória subsídio admite a inclusão de outras parcelas, não sendo necessariamente paga em parcela única, bem como que o subsídio não se confunde com o teto remuneratório. Aduz, por fim, que entendimento diverso atenta contra a estabilidade financeira e o direito à irredutibilidade de vencimentos. Requer a antecipação dos efeitos da tutela para que se "determine a requerida a restabelecer de imediato as parcelas dos vencimentos da requerente suprimidas após a criação do subsídio e da parcela complementar do subsídio, conforme argumentação supra, respeitando o teto constitucional". Juntou procuração e documentos (fls. 35-48). É o relatório. Passo a decidir. A tutela antecipada é forma de prestação jurisdicional satisfativa concedida no bojo do processo de conhecimento ou de execução, de forma limitada, quando se encontram presentes a probabilidade da existência do direito alegado e o perigo de morosidade para o direito substancial, ou o manifesto propósito protelatório do réu (CPC, art. 273, I e II). Trata-se de verdadeira antecipação, total ou parcial, do próprio direito material, desde que presentes os requisitos exigidos por lei. Entretanto, a Lei n.º 9.494/97, em seu art. 1º, excepciona algumas situações quando em desfavor da Fazenda Pública, remetendo aos arts. 1º, 3º e 4º da Lei n.º 8.437/92 e 5º da Lei n.º 4.348/64, verbis: Lei n° 9.494, de 10 de setembro de 1997: Art. 1º. Aplica-se à tutela antecipada prevista nos arts. 273 e 461 do Código de Processo Civil o disposto nos arts. 5º e seu parágrafo único e 7º da Lei n. 4.348, de 26 de junho de 1964, no art. 1º e seu parágrafo 4º da Lei n. 5.021, de 9 de junho de 1966, e nos arts. 1º, 3º e 4º da Lei n. 8.437, de 30 de junho de 1992; Lei n° 8.437, de 30 de junho de 1992: Art. 1° - Não será cabível medida liminar contra atos do Poder Público, no procedimento cautelar ou em quaisquer outras ações de natureza cautelar ou preventiva, toda vez que providência semelhante não puder ser concedida em ações de mandado de segurança, em virtude de vedação legal. Lei n? 4.348, de 26 de junho de 1964: Art. 5o. Não será concedida a medida liminar de mandado de segurança impetrados visando à reclassificação ou equiparação de servidores públicos, ou à concessão de aumentos ou extensão de vantagens. A regra, pois, é da possibilidade da concessão de tutela antecipada contra a Fazenda Pública, notadamente quando em jogo interesses relevantes e manifesto o perigo de dano irreparável. A exceção se dá por conseqüência da aplicação da Lei n.º 9.494/97, inclusive com o aval do Supremo Tribunal Federal (ADIn n° 4/DF). No caso dos autos, a antecipação de tutela pleiteada enquadra-se justamente na hipótese prevista na referida Lei n? 9.494/97, pois requer a autora a incorporação das parcelas abrangidas pela rubrica Parcela Complementar ao Subsídio (PCS). Assim, ante os fundamentos processuais acima expostos, sem adentrar no mérito da questão, indefiro o pedido de tutela antecipada. Cite(m)-se o(s) réu(s) para, querendo, apresentar contestação, no prazo de 60 (sessenta) dias, oportunidade em que deverão dizer, motivadamente, quais provas pretende(m) produzir ou, do contrário, requerer(em) o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, sobre a(s) contestação(ões), oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. Apresentada a resposta à contestação ou transcorrido o prazo, se a matéria for unicamente de direito ou se for desnecessária a realização de audiência, venham-me os autos conclusos para sentença. O impulso necessário ao cumprimento do presente despacho deverá ser dado pelos próprios servidores, na forma do art. 162, §4º, do CPC. Intimar. Aracaju, 17 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE Processo nº 2009.85.00.004200-2 III

   

0004251-81.2009.4.05.8500 JOSÉ PEREIRA DOS SANTOS (Adv. MEIRIVONE FERREIRA DE ARAGAO, LANA IARA GOIS DE SOUZA RAMOS, ROSA HELENA BRITTO ARAGAO) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. ANA PAULA DA CUNHA SOARES, BIANCO SOUZA MORELLI, CICERO CORBAL GUERRA NETO, CLAUDIA TELES DA PAIXAO ARAUJO, JOAO BATISTA BARBOSA ARRUDA, JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO, PAULA GIRON MARGALHO DE GOIS, SÔNIA RODRIGUES SOARES CALDAS)

1. Defiro o benefício da assistência judiciária ante os argumentos contidos na peça inaugural, bem como diante dos documentos acostados aos autos. 2. Cite-se a ré para, querendo, apresentar contestação, no prazo de 60 (sessenta) dias, oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou, do contrário, requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. 3. Apresentada a contestação, caso haja alegação de preliminar, oposição de fato constitutivo/extintivo/modificativo do direito do autor ou juntada de documentos (exceto a procuração e cópia de acórdãos, decisões e sentenças), intime-se a parte autora para se manifestar, no prazo de 10 (dez) dias, oportunidade em que deverá dizer, motivadamente, quais provas pretende produzir ou requerer o julgamento antecipado da lide. O requerimento genérico de prova, sem a devida fundamentação, fica desde logo indeferido. 4. Apresentada a resposta à contestação ou transcorrido o prazo, se a matéria for unicamente de direito ou se for desnecessária a realização de audiência, venham-me os autos conclusos para sentença. 5. O impulso necessário ao cumprimento do presente despacho deverá ser dado pelos próprios servidores, na forma do art. 162, § 4º, do CPC.

   

0006122-98.1999.4.05.8500 JOAO OLIVEIRA (Adv. HORACIO VITALIANO LUCAS DOS SANTOS, JEFERSON MECENA) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. JORGE SOUZA ALVES FILHO, LAERT NASCIMENTO ARAUJO)

Expedir alvará em favor da CEF para levantamento dos depósitos vinculados ao presente feito. Oficiar à CAIXA/PAB/JFSE solicitando que, após o levantamento dos depósitos, proceda ao encerramento da(s) conta(s) vinculada(s) ao feito, processo nº 99.6122-5. Considerando o silêncio do autor quanto aos despachos de f. 351/352 e 364, arquivem-se os autos com baixa na distribuição.

   

ALVARÁ JUDICIAL

   

0003973-80.2009.4.05.8500 ISSAC ENEAS GALVAO E OUTROS (Adv. FENELON MENDONCA SANTOS) x UNIÃO FEDERAL (Adv. AGU - PROCURADORIA DA UNIAO NO ESTADO DE SERGIPE)

PODER JUDICIÁRIO Justiça Federal de Primeira Instância SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SERGIPE 1ª VARA FEDERAL Sentença tipo "C" - extintiva do processo sem resolução do mérito Processo nº 2009.85.00.003973-8 Classe 241 - Alvará Judicial Autor: ISAAC ENEAS GALVÃO E OUTROS Réus: UNIÃO FEDERAL SENTENÇA ISAAC ENEAS GALVÃO E OUTROS ajuizou ação de Alvará, através do qual pretende o levantamento de valores supostamente devidos pelo Ministério de Minas e Energia. Deu o valor à causa a quantia de R$ 14.411,00 (catorze mil e quatrocentos e onze reais). Juntou procuração e documentos1. É o relatório. Passo a decidir. Antes de se proceder à análise acerca do atendimento aos requisitos e pressupostos indispensáveis para o deferimento da tutela antecipatória, faz-se necessária a verificação da competência deste Juízo Federal para apreciar o feito. A pretensão da parte autora cinge-se ao levantamento de valores devidos pelo Ministério de Minas e Energia cuja titular seria a genitora dos autores. Os próprios requerentes informam que o valor da causa é de R$ 14.411,00 (catorze mil e quatrocentos e onze reais). A exegese dos artigos 258 e 259 do CPC dispõe que o valor da causa deve corresponder à vantagem econômica pretendida com o manejo de uma ação judicial. Dessa análise, portanto, verifica-se que o valor da causa constante da inicial equivale ao conteúdo econômico do pedido. Posto isso, analiso a competência das Varas Comuns da Justiça Federal para processar e julgar o presente feito. A partir da edição da Lei nº 10.259, de 12 de julho de 2001, foram criados os Juizados Especiais Cíveis Federais, aos quais competem os julgamentos de procedimentos cíveis de competência da justiça federal que não possuam alta complexidade e, respeitadas as exceções previstas no parágrafo primeiro do artigo 3º da referida lei, tenham como valor para a causa até 60 (sessenta) salários mínimos. Por sua vez, o parágrafo terceiro do referido artigo 3º da Lei nº 10.259/2001 previu que no foro onde estiver instalada Vara do Juizado Especial, a sua competência é absoluta. Assim, verificado que, no caso concreto, o valor da causa é menor que 60 (sessenta) salários mínimos, este juízo comum é absolutamente incompetente para o julgamento desta demanda, que deve ser processada no Juizado Especial. Na presente demanda, a parte formulou pedido líquido correspondente ao valor da causa ora retificado, pelo que se o reconhecimento da incompetência deste Juízo Federal Comum é medida que se impõe. Entretanto, cumpre observar que, enquanto os autos processuais das varas federais cíveis são confeccionados em papel, tendo o sistema Tebas como parâmetro para o ajuizamento do processo e o seu regular prosseguimento; os autos processuais dos juizados especiais federais da seção judiciária de Pernambuco são virtuais, mediante aplicação do sistema Creta. Daí decorre que não é possível a remessa de processo da vara cível (sistema Tebas) para o fim de ser redistribuído no juizado especial federal no sistema virtual Creta. Este último sistema além de ser totalmente virtual (sem a utilização de papel), necessita de um ajuizamento original do processo, não sendo possível a redistribuição do processo do Tebas para ele, e exige o prévio cadastramento do advogado, através de assinatura de termo de compromisso e inserção de seu nome pelo servidor administrador do sistema virtual, para o fim de serem realizadas as citações e intimações, automaticamente, pelo acesso do advogado ao sistema ou mediante "e-mail". Dessa forma, ainda, que se ventilasse a hipótese extremamente onerosa para o regular funcionamento da secretaria dos juizados especiais consistente em escanear todos os autos de papel, inserindo-os como anexos do sistema virtual; seria necessário que os advogados de cada parte promovessem o seu regular cadastramento no sistema Creta e um ajuizamento original do processo no referido sistema, de onde se denotam a inutilidade e a falta de eficiência na prestação da função jurisdicional, no procedimento de remessa direta dos presente autos aos juizados especiais federais. Diante de tal situação concreta, o magistrado deve optar pela aplicação do princípio da economia processual, a fim de dar solução a uma hipótese sequer prevista em lei (conversão de autos de papel em autos virtuais). Tal princípio, por sua vez, preconiza o máximo resultado na atuação do direito com o mínimo emprego possível de atividades processuais. 2 Destarte, é muito mais eficaz e menos dispendioso para a administração da justiça e para o regular prosseguimento do feito no juízo competente (juizado especial federal) que o presente processo seja extinto sem julgamento de mérito (artigo 267, inciso IV), sendo facultado à parte autora o levantamento dos documentos constantes dos autos, deixando cópias destes para o arquivo, do que a remessa direta dos autos para o juizado especial para que a secretaria deste escaneie os autos, entre em contato com o advogado da parte para que este vá se cadastrar no sistema Creta e só a partir daí possa distribuir o processo. Neste sentido, a Lei nº 9.099/95, instituidora dos juizados especiais, consagrando o princípio acima referido, previu que até mesmo no caso de incompetência relativa o processo deveria ser extinto sem julgamento de mérito, consoante previsão de seu artigo 51, inciso III. Comentando o referido dispositivo, assim referiu-se Ricardo Cunha Chimenti: "Reconhecida a incompetência territorial, o legislador optou pela extinção do processo e não pela remessa dos autos ao foro competente (cf. prevê o art. 331 do CPC). Conforme especificamos no item 51.1, o procedimento da Lei n.º 9.099/95, entre outras peculiaridades, não impõe a assistência do advogado para as causas de até 20 salários mínimos; permite que a inicial seja elaborada sem observância do 282 do CPC (o art. 14 da lei especial traz requisitos próprios para o pedido inicial); dispensa o pagamento de custas e valida citações realizadas sem as formalidades do CPC. A simples redistribuição à Vara da justiça comum dos autos do processo extinto no juizado especial, portanto, poderá causar tumultos de tal monta que o melhor será recomeçar o processo no foro comum, observados os requisitos específicos do CPC." (grifos nossos)3 Neste sentido, colaciona-se o seguinte julgado: RESPONSABILIDADE CIVIL. DANOS MORAIS. AÇÃO AJUIZADA PERANTE A JUSTIÇA ESTADUAL. DECLINAÇÃO DE COMPETÊNCIA. INDEFERIMENTO DA INICIAL. VALOR DA CAUSA DENTRO DA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS. IMPOSSIBILIDADE DE REMESSA DOS AUTOS. PROCESSO VIRTUAL. RESOLUÇÃO Nº 75/06 DESTA CORTE. Mantém-se a sentença na qual a exordial foi indeferida, sem julgamento de mérito, porquanto o valor atribuído à causa insere-se dentro da competência absoluta dos Juizados Especiais Cíveis, estando impossibilitada a remessa dos autos nos termos da Resolução nº 75/06 desta Corte, que tornou compulsória a utilização do processo eletrônico nestas hipóteses. 4 Diante do exposto, indefiro a petição inicial, extinguindo o processo sem resolução de mérito, com fulcro no art. 267, inciso IV, do CPC. Após o trânsito em julgado ou em caso de renúncia, desde já, ao prazo recursal, faculto à parte autora a retirada dos documentos originais dos autos mediante sua substituição por cópias. Deixo de condenar a parte autora em custas processuais e em honorários advocatícios. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 12 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 Fls. 05-20. 2 CINTRA, Antônio Carlos de Araújo. GRINOVER, Ada Pellegrini. DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria Geral do Processo. 13ª edição.São Paulo: Malheiros. 1997. p. 73. 3 Teoria e Prática dos Juizados Especiais Cíveis Estaduais e Federais. 7ª edição. São Paulo: Saraiva, 2004, pp. 256/257. 4 TRF 4ª Reg., AC 2007.71.00.036570-0/RS, 3ª Turma, Rel. Des. Federal Maria Lúcia Luz Leiria, D.E. 30/07/2008. ?? ?? ?? ?? Processo nº 2009.85.00.003973-8 IV

   

EMBARGOS A EXECUÇÃO

   

0003036-75.2006.4.05.8500 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. ADRIANO CARDOSO DE ANDRADE) x SERGIO SANTANA PEREIRA E OUTROS (Adv. ARISMAR BRITO DOS SANTOS)

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe Proc. JF/SE. Nº 2006.85.00.003036-9 - Classe 5005 - 1ª Vara. EMBARGOS À EXECUÇÃO. Embargante(s): Instituto Nacional do Seguro Social - INSS. Embargado(a): Sérgio Santana Pereira e outros. SENTENÇA 1 - RELATÓRIO O INSS, devidamente intimado nos autos em apenso (97.0006486-7), opôs embargos à execução em face de Sérgio Santana Pereira e outros, objetivando a redução do valor executado de R$ 307.752,09 para R$ 2.807,16, sob o fundamento de excesso de execução. Juntou os documentos de f. 04-07. Instada a se manifestar, a parte passiva alega (f. 10-11) que os embargos são procrastinatórios e que o embargante não apresentou memória de cálculo referente a este processo, uma vez que os documentos acostados à exordial dizem respeito a outro feito. Remetidos os autos ao Contador Judicial, o mesmo confirmou que os documentos trazidos pelo INSS são estranhos a estes embargos (f. 14). Intimado para apresentar novos cálculos, o embargante apresentou (f. 19-37) a quantia de R$ 9.868,67 e afirmou que: a) os documentos juntados com a inicial são importantes para o julgamento deste feito, tendo em vista que demonstram a exclusão do período de 24.03.95 a 19.02.97 dos cálculos; b) há equívocos quanto à divisão da pensão aos beneficiários e seu reflexo no cálculo. Os autos retornaram à Contadoria, que explicitou os parâmetros de cálculo para apresentação de nova quantia pelos exeqüentes (f. 55). Em resposta, os embargados trouxeram laudo informando que entendem devidas as quantias de R$ 123.429,66, em relação ao INSS, e de R$ 90.032,51, quanto à Petros (f. 64-75). Instado a se manifestar, o INSS reitera os cálculos já apresentados (f. 85). Os autos foram enviados à Contadoria desta Seção Judiciária. O responsável pelo setor apresentou novos cálculos (f. 88-97), em razão da imprecisão dos trazidos pelas partes, e concluiu pela quantia de R$ 52.459,36. Devidamente intimadas, as partes não se manifestaram (f. 98 e 100). 2 - FUNDAMENTAÇÃO A insurgência do embargante se resume a existência de excesso de execução. Na execução por quantia certa, ocorre excesso quando se cobra mais do que o devido. O nosso estatuto processual civil dispõe que: Há excesso de execução: I- quando o credor pleiteia quantia superior à do título.1 O saudoso Pontes de Miranda assim conceitua excesso de execução: "é pedir-se liquidação ou penhora, de mais do que é devido; (...); ter-se exigido depósito de mais do que o equivalente da coisa devida, ou ter-se omitido contraprestação".2 In casu, verifico que o embargante requer a diminuição do valor executado, sob a alegação de excesso de execução. Inicialmente, convém ressaltar que deve ser excluído do cálculo o período de 03/1995 a 02/1997, tendo em vista que os embargados já foram beneficiados em outro processo, conforme demonstram os documentos de f. 04-06 e 26-34. Além disso, descabe a análise neste feito das quantias devidas pela Petros, uma vez que somente o INSS apresentou embargos à execução. Com efeito, a Contadoria apresentou outros cálculos (f. 88-97), em razão da imprecisão dos trazidos pelas partes. Afirmou o responsável pelo setor que "as diferenças devidas pelo INSS, relativas ao período de 03/1995 a 02/1997, foram objeto de outro processo, conforme documentos de fls. 06 e fls. 26-34, sendo que as referidas diferenças foram abatidas nos cálculos elaborados pelo exeqüente, referentes ao INSS, além destes apresentarem equívocos na apuração das parcelas devidas". Ambas as partes não impugnaram a nova quantia. Analisando-se os cálculos presentes nos autos do processo principal, percebe-se que de fato houve excesso no quantum apurado pelos embargados. Entretanto, saliente-se que os valores apresentados pelo INSS também estão em desconformidade com o comando sentencial. Assim, têm-se como corretos os cálculos da Contadoria Judicial, baseada nos quais deve seguir a execução, uma vez que são os que atendem a fundamentação acima. 3- DISPOSITIVO Diante do exposto, julgo parcialmente procedente o pedido, extinguindo o processo com resolução de mérito, para determinar o prosseguimento da execução de sentença de nº 97.0006486-7 com o valor indicado pela Contadoria desta Seção Judiciária na quantia de R$ 52.459,36 (cinqüenta e dois mil, quatrocentos e cinqüenta e nove reais, trinta e seis centavos). Tendo em vista a sucumbência recíproca, deve cada parte arcar com a respectiva verba honorária, a teor do art. 21, caput, do CPC. As partes estão isentas de custas. Juntar cópia desta sentença e dos cálculos da contadoria de f. 89-97 aos autos da execução pertinente. Desapensar, certificando-se em ambos. Com o trânsito em julgado, certificar, dar baixa na Distribuição e arquivar os autos. Publicar. Registrar. Intimar. Aracaju, 14 de agosto de 2009. Fábio Cordeiro de Lima Juiz Federal Substituto da 1ª vara/SE 1 CPC, art. 743. 2 - MIRANDA, Pontes de. Comentários ao Código de Processo Civil, Tomo XI, Editora Forense, 2ª Edição, 2002. ?? ?? ?? ?? Proc. JF/SE. Nº 2006.85.00.003036-9 3

   

EXECUÇÃO CONTRA FAZENDA PÚBLICA

   

0002867-88.2006.4.05.8500 SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO TIRADENTES S/S LTDA (Adv. BÁRBARA LUISA SANATANA DE ALMEIDA, ROSEMERY SOARES DE ARAUJO CARDOSO, EULER ALMEIDA COSTA, WILSON MACEDO SIQUEIRA) x UNIÃO FEDERAL (Adv. SEM PROCURADOR)

Nos termos do inciso 06, art. 3º do Provimento nº 02, de 30 de novembro de 2000, da Corregedoria do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da requisição de fl. Retro .

   

0002909-50.2000.4.05.8500 ANTONIO AURELIANO BISPO E OUTROS (Adv. LUIZ ROBERTO DANTAS DE SANTANA, JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR) x FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE (Adv. EDENILDE DOS SANTOS)

Nos termos do inciso 06, art. 3º do Provimento nº 02, de 30 de novembro de 2000, da Corregedoria do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da requisição de pagamento de fls. retro.

   

CUMPRIMENTO DE SENTENÇA

   

0001078-40.1995.4.05.8500 EXPEDITO BARRETO CRUZ E OUTROS (Adv. JOAO SANTANA FILHO, DANIEL FABRICIO COSTA JUNIOR, CAMILA TAVARES) x CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF (Adv. CICERO CORBAL GUERRA NETO)

Nos termos do § 4º, do art. 162, do CPC, intimar a parte autora/advogado para receber o alvará expedido, na Secretaria deste Juízo.

   

0003557-30.2000.4.05.8500 RAIMUNDO JOSE DOS SANTOS (Adv. ANTONIO DELMIRO BISPO) x INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS (Adv. SILVIA HELENA PARABOLI M. MALUF)

Nos termos do inciso 06, art. 3º do Provimento nº 02, de 30 de novembro de 2000, da Corregedoria do Egrégio TRF da 5ª Região, fica a parte autora intimada para se manifestar, querendo, sobre os termos da requisição de fl retro.

   

 

TOTAL DE DECISAO: 8

TOTAL DE SENTENCA: 38

TOTAL DE ATO ORDINATORIO: 15

TOTAL DE INFORMACAO DE SECRETARIA: 4

TOTAL DE DESPACHO: 33

 

Página Inicial | Consulta Simplificada | Consulta Avançada | Versão

Powered by MPS Informática - Todos os direitos reservados. Melhor visualizado em 800 x 600 ou superior.